Ecologia Elétricos Finanças Mercado Montadoras/Fábricas Tecnologia

Carros elétricos: O lado obscuro da eletrificação

tesla-model-3-plataforma Carros elétricos: O lado obscuro da eletrificação

O mundo automotivo está passando por uma grande transformação, a maior sua história de pouco mais de um século. O fim do motores a combustão é um vislumbre para os próximos anos, onde não existirá mais lugar para o cheiro da gasolina e muito menos a fumaça do óleo diesel. Além disso, há uma nova forma de se encarar o automóvel, não mais como uma propriedade particular, mas como um coletivo. E nesse admirável novo mundo sobre quatro rodas, o homem deixará de ter o controle sobre a máquina.



O pilar de toda essa transformação é o carro elétrico. Com emissão zero de poluentes, esse tipo de veículo agora é considerado a salvação para o meio ambiente, assim como para as cidades e seus habitantes. Mas, será que de fato ele é viável em todos estes termos? Governos e fabricantes de automóveis correm para entregar o mais rápido possível essa solução para o maior problema do século 20, a poluição.

Na Europa, por exemplo, as metas de redução de emissão de gases já não são mais o objetivo final para resolução do problema, mas o fim do comércio de motores de combustão interna. Vários países já se pronunciaram a favor dessa eliminação logo na próxima década e até 2040, praticamente todo o lado ocidental do continente deverá encerrar em definitivo esse mercado sustentado pelo petróleo. E não é só lá, Índia, China e até mesmo a Califórnia, em sentido contrário ao de Washington, querem por um fim às vendas.

Além disso, o compartilhamento em união com a condução autônoma, promete levar o carro elétrico até aonde está o usuário, aquele que não precisará de licença para dirigir, mas apenas de um cartão de crédito e um smartphone. Ainda assim, com toda a pressão ambiental a favor do carro elétrico e contra os carros comuns, especialmente os diesel, será que de fato essa tecnologia é a resolução final? A controvérsia surge quando se busca a fonte de sua energia, a eletricidade. De onde ela vem? Como ela é obtida? Ela é limpa?

Em muitos casos, infelizmente, a origem da eletricidade que abastece muitos carros atualmente ainda é suja, muito suja. Termelétricas movidas a carvão ou combustíveis fósseis não aliviam o meio ambiente, apesar do corte provocado pela emissão zero do automóvel. Na China, há pouco tempo, a matriz energética era dominada pelo carvão, alcançando 85% da produção nacional, que hoje caiu para 60%, mas ainda é elevada.

O país é tido como o celeiro para os veículos com baterias de lítio. A expectativa no futuro é inundar o país com carros plugáveis. Mas, sem energia limpa em sua origem, o impacto será apenas reduzido nos grandes centros, pois as termelétricas continuarão poluindo o país e o globo com altas cargas de carbono. Outra questão é o processo industrial. Fábricas não sustentáveis também poluirão na fabricação do carro elétrico. Na Alemanha, mais da metade da produção de energia vem de termelétricas a carvão e gás natural.

Este, por sua vez, utiliza uma complexa bateria com produtos químicos e materiais que podem poluir o meio ambiente, se não forem recicladas. Por ora, não há uma política global sobre o assunto, mas alguns países e blocos já adotaram algumas regras para seu descarte seguro. Mesmo que posteriormente usadas em estações fixas, esses dispositivos terão um dia que se reciclados. O próprio movimento dos carros com baterias também produz emissão de partículas, semelhantes aos de um carro comum.

Uma conta já existe para essa compensação. Para zerar a emissão gerada na produção de energia elétrica, um carro terá de rodar 100.000 km para compensar a poluição gerada para sua recarga. Se a energia for provida por parques eólicos, solares, maremotriz e hidrelétricos, a quantidade de km rodado cai para 30.000. No caso específico da complexa bateria, sua produção gera 125 kg de dióxido de carbono para cada kWh de densidade, segundo a BMW. Ou seja, cerca de três toneladas de CO2 para apenas uma bateria de lítio de 22 kWh do elétrico i3.

congo Carros elétricos: O lado obscuro da eletrificação

Custo humano

No entanto, um impacto ambiental (e social) maior ocorre na origem dos componentes principais de uma bateria de lítio. Como o próprio termo diz, o lítio, não é extraído de forma industrial por empresas que pagam bem aos funcionários. A Bolívia, maior reserva mundial, a região mais pobre do país é de onde sai a matéria-prima das baterias. Mas há outros metais importantes. Cobre, cobalto e o raro neodímio, são extraídos em países como a China e o Congo. Neste último está a maior reserva mundial de cobalto.

Desmatamento e poluição do solo e dos rios são verificados no processo de extração desse e de outros materiais, resultado em destruição ambiental. Além disso, há também violação dos direitos humanos, onde pessoas trabalham em condições análogas à escravidão e em muitos casos crianças são utilizadas nessa mão de obra extremamente barata. Homens, mulheres e crianças – muitas começam entre 7 e 8 anos – trabalham na extração e processamento do cobalto para exportação no Congo.

Apenas duas regiões do país concentram metade da produção mundial. Elas extraem também cobre e estanho. No caso do cobalto, este é exportado para a China, onde é processado e limpo, sendo então enviado para os fabricantes de baterias, sendo os mais renomados localizados na Coreia do Sul. Ou seja, o impacto ambiental e social apenas na produção de baterias de lítio é enorme. E o pior ainda está por vir nesse caso, pois a demanda avassaladora tomará proporções nunca vistas nas próximas décadas.

Já se fala no petróleo branco do “triangulo do ouro” do lítio – Argentina, Chile e Bolívia – cuja região já está sendo considerada o novo Oriente Médio, em alusão às maiores reservas do metal, que é o principal usado em baterias de carros elétricos, sendo a maior reserva no Salar de Uyuni, na Bolívia, a “Arábia Saudita do lítio”. O Congo, infelizmente nessas condições, terá sua produção de cobalto triplicada até 2025, passando das atuais 100 mil toneladas por ano para 300 mil.

Cada tonelada custa atualmente US$ 60 mil. Nas mineradoras internacionais, o processo de extração é mecanizado, mas 10% do suprimento mundial de cobalto é feito de forma artesanal, por homens, mulheres e crianças que recebem em média US$ 1 a US$ 3 por dia de trabalho intenso, de 10 h a 12 h sob condições miseráveis, na maioria dos casos.

Organizações defendem um boicote ao país, mas outras são contra, pois não há outra renda para milhares de pessoas que dependem desse trabalho. Os fabricantes de aparelhos eletrônicos dizem que a cadeia de suprimentos é complexa e não sabem exatamente qual é a origem da matéria-prima que utilizam. Em resumo, o carro elétrico está longe de ser a resolução completa em termos ambientais e cria também uma crise social e econômica na origem dos insumos.

[Fonte: Deutsche Welle/BBC]

Agradecimentos ao Luiz.

  • Leandro

    Ótimo texto . Mostra o outro lado do carro eletrico, ou seja, nem tudo são flores , ele gera muita poluição para ser fabricado , além de poluir para ser carregado, se a fonte da energia for suja.

    • Saulo Gomes

      Com 5K coloco umas placas no telhado de casa ou uso um mini gerador eólico e abasteço o carro com poluição ZERO, quanto ao custo ambiental na produção do carro, ele existe sim, mas é no mínimo metade de um carro a combustão, carro elétrico tem muito menos componentes e menos peças para serem usinadas, é bem mais fácil de fazer.

      • Lucas maoam

        Por favor, qual a fonte da informação que o carro elétrico tem metade do custo ambiental e é bem mais fácil de fazer? Pergunto porque o elétrico ainda não foi popularizado devido ao altíssimo custo de produção, só são vendidos em países com incentivos fiscais, e ainda assim mais caros que carros equivalentes a combustão.

        • Saulo Gomes

          Não confunda custo de produção com custo ambiental, no elétrico vai bem menos peças, mas são peças (ainda) bem mais caras, mas é questão de pouco tempo para se tornar viável. Aqui fala um pouco disto: https://carros.uol.com.br/noticias/bloomberg/2016/10/13/volkswagen-quer-brilho-da-tesla-mas-pode-ter-prejuizo-com-eletricos.htm

          • VaeVictis

            O custo de produção corresponde a 99% com o custo ambiental. Os materiais de bateria são raros, precisamos cavar toneladas de rocha para extrair alguns quilogramas, não são recicláveis e nunca serão, somente a caixa é reciclável.

            • Saulo Gomes

              São coisas bem diferentes, um microprocessador, por exemplo, tem elevado custo de produção, maquinários, mão de obra etc, porém seu custo ambiental é muito baixo. Por outro lado, o saco de carvão do churrasco do fim de semana, tem baixo custo de produção, vai um orelha seca e um forno de tijolos, mas tem custo ambiental muito alto, desmata, polui, etc. Custo de produção e custo ambiental são duas coisas completamente diferentes.

              • GGGGG

                As contas não são tão simples assim. O custo ambiental para produzir um microprocessador não é tão baixo como você disse. Em diversas negociações internacionais são apresentadas formas diferentes de se quantificar o custo ambiental de determinados produtos, formas estas que não estão equalizadas. Além disso, o custo ambiental de se produzir o carvão para churrasco é bem mais baixo que você imagina. Concordo com você que custo ambiental e de produção são completamente diferentes, mas bater o martelo em relação ao custo ambiental de se produzir diversos produtos não é sábio, pois não existe qualquer consenso em relação aos números apresentados por cada país.

          • Lucas maoam

            O link que você postou indica que o custo financeiro de produção do elétrico é maior, algo que concordamos. Não dispõe sobre custo ambiental. Dei o exemplo do custo financeiro de carros a combustão porque são custos relacionados, por exemplo uso de matérias primas baratas e abundantes reduz custos e causa menor impacto ambiental.

            • Saulo Gomes

              Não é tão simples assim, a usinagem de um motor a combustão não leva só ferro, também são usados vários outros minérios, alguns até parecidos com o Lítio, sem contar que vai muita água, uma vez li que o consumo de combustível para se produzir um automóvel era muito maior do que o carro iria usar depois. Sem contar que o texto é bem impreciso, Cobalto é extremamente tóxico, não é possível extração manual, e o Lítio está misturado na areia de alguns lugares, também é preciso extração mecânica, nenhuma criancinha trabalha com isto, por outro lado, nas siderúrgicas que produzem aço dos carros, há o consumo de carvão, e as vezes este carvão é produzido por crianças, tem muitas reportagens sobre isto.

              • FocusMan

                A usinagem é um processo mecânico de desbaste de um bloco de um dado material. N entendi onde entram materiais raros nesse processo

          • FocusMan

            Parece que você nem leu o texto.

        • FrankTesl

          motor elétrico somente duas peças móveis e sistema de controle de temperatura muito mais simples.
          Carro à combustão: centenas de peças móveis, sistemas de lubrificação, exaustão, isso quando não requerem exaustão da lubrificação, câmbios, lubrificação de câmbios, milhares de itens para dar problema.
          Qualquer progresso e redução de custo na geração de eletricidade imediatamente aproveitados por carros elétricos.

      • tiago

        5k? HAHAHAHAH
        Vais gastar uns 40 k. em um sistema grid TIE, sem baterias para armazenamento.

        • Saulo Gomes

          Tem um exemplo de 3 anos atrás: http://www.otempo.com.br/capa/economia/usina-dom%C3%A9stica-por-r-25-mil-1.1180866. 25k para alimentar uma casa inteira e estou falando só de um carro, hoje em dia já se acham kits de 1KVA (sem bateria) na faixa de 2000. Painéis solares baixaram muito de preço, agora se for contratar uma empresa de engenharia para fazer pode multiplicar por 10.

          • tiago

            Um conjunto de 490 kw/h custa no mercado livre 35.000,00. O suficiente para dar 4 cargas em um tesla model S 75D, dada a eficiência de carregamento de 80%.
            Você poderá andar por volta de 1.500 km no mês.
            Porém você vai vender energia de dia e comprar a noite.
            E não sei se a concessionária paga bem na energia que você produz.

            Edit: é possível comprar um sistema de 475kwh/mes por 22.000,00 na neo solar, conforme informado pelo amigo FrankTesla

            • Saulo Gomes

              Tem de ser misto, um 1kw já dá para carregar, mas o ideal é gerar mais e já alimentar a casa também, https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-740360163-aerogerador-eolico-2-kw-gerador-turbina-eolica-cata-vento-_JM . O custo de 35K está bem elevado, lembro que uns 10 anos atrás ninguém tinha cameras em casa, hoje em dia tem até em casa de baixa renda, conforme o pessoal começa a usar aparecem preços melhores, os primeiros fornecedores costumam meter a faca.

              • FrankTesl

                REalmente um kit que gera alegados 490 kWh/mês por R$35.000 está bem caro – esse era o preço uns três anos atrás. Hoje em dia, só para ter uma idéia, usando a Neo Solar como referência, um kit de 13 placas + inversor + materiais com potencial para gerar até 475 kWh/mês custa R$21.000, isso parcelado. À vista ainda tem desconto.

                A vezes dá a impressão que o pessoal apela para absurdos só para desmerecer

                • tiago

                  Amigo, fico contente que o preço caiu, mas esses preços que citei não foram inventados, estão no Mercado livre, e possuem vendas.

            • FrankTesl

              o sistema atual de grid tie só permite acumular excedentes para uso em meses futuros (acúmuilo contábil, a energia não fica “estocada em algum lugar” o que vc gera e não usa vai para a rede elétrica e a distribuidora vende para outro consumidor, em troca o microgerador recebe créditos para abater em contas futuras). Aqui no Brasil as regras de microgeração não permitem venda de energia para a distribuidora.
              Se fosse possível, aí seria que nem enchente morra abaixo e fogo morro acima, ninguém iria segurar, todo mundo iria querer diminuir o consumo e receber uma graninha todo mês por algumas décadas…

              Quanto ao preço de um kit de 490 kWh/mês por R$35.000. Esse preço está muito caro (tem certeza de que não é kit off-grid, com baterias??)

              Na Neo Solar, empresa conceituada do ramo, um kit de 13 placas que gera até 475 kWh/mês, custa R$21.000,00.
              https://www.neosolar.com.br/loja/gerador-solar-fotovoltaico-475-kwh-promocao.html

              Para projetos técnicos para aprovação na concessionária e também os serviços de instalação, o custo talvez seja de uns R$4.000 (esse preço eu deduzo em proporção do que custou no meu caso, que é um kit de 10 placas, e os serviços de projeto técnico e instalação custaram uns 15%-20% do preço dos equipamentos- as vezes pode ser menos, as vezes mais).

              Então, um kit de 475 kWh/mês, similar a esse que você disse ter visto no mercado livre, custaria uns R$25.000 já pronto e instalado, muito menos do que os 35k que você disse.

              Reavalie, quem pense com isenção e deixa de lado os achismos também adere ao fotovoltaico.

            • Alexandre Borges

              Um amigo meu colocou na casa dele um sistema de 390 KWh por 14mil.

        • FrankTesl

          atualize-se. Um kit grid tie de 1,5 kWp, que gera até 230 kWh/mês, já está custando R$11.000,00 instalado, com todos os custos. Pesquise, não se contente com seus preconceitos, informe-se.

          • Deadlock

            E tende a cair.

          • tiago

            Comentário atualizado, não tenho nenhum problema em reconhecer que não encontrei o melhor preço em minha pesquisa. A internet tem muita informação, mas achar o que se procura é difícil, a partir de agora levarei em conta o site neosolar que parece ser sério no que fazem com preço melhor que o mercado livre.

      • SDS SP

        Se for o custo do powetrain, há de fato menos peças móveis se comparado a uma unidade à combustão.
        Entretanto, o grande desafio é de ter uma bateria que garanta uma boa autonomia, principalmente em países de dimensões continentais, como os EUA.

        • Saulo Gomes

          Só falta isto, mas estão uns 10 anos adiantados em relação as previsões de 2010, o x da questão é que saiu do domínio das indústrias automobilistas e entrou nas empresas de tecnologia, ai os prazos são outros, muito mais rápidos.

          • FocusMan

            Eu sou da industria automotiva e te afirmo que estamos assistindo ao novo bug do milênio. Vai chegar 2021 e continuará tudo igual.

            A previsão real é até 2030 apenas 5% da frota mundial ser eletrica. Mais do que isso é maconha sintetica injetada na cavidade anal.

        • Deadlock

          Não tem óleo do motor, nem virabrequim, nem balancins, nem comando de válvulas, a manutenção tende a ser menor. Não precisa nem de câmbio, que visa buscar o torque necessário para cada situação, mas que não é necessário no elétrico, porque o torque é constante desde o início. Mas Vão chegar lá, na questão da autonomia.

      • Leandro

        5k? Você nunca viu o preço de placas solares, se fosse só isso toda casa já teria, pois em um ano retornaria o investimento. Coloca uns 15k, pelo menos…

        • SDS SP

          Isso sem contar que a esmagadora maioria não tem o conhecimento em instalação dessas placas. Não é pra qualquer um, infelizmente.
          Mas é o mais viável hoje em dia em termos de geração de energia. Acho que tem futuro, mas não no curto e médio prazo.

        • Cesar

          Pode aumentar a conta que 15 não faz nem cosquinha dependendo do consumo de uma casa.

        • Saulo Gomes

          Moleza de instalar, pensa que na maioria do tempo o consumo da casa é abaixo de 500W, dê umas pesquisa no ebay que tem muita coisa já. O que está bem complicado ainda é saber qual produto é bom, como é uma tecnologia recente não há convergência, pelo menos as placas parecem que são todas do mesmo tipo. Tenho um conhecido que já fez, está com 2KW e ficou em torno de 6K com bateria.

          • leomix leo
            • Saulo Gomes
            • FrankTesl

              Esse kit que você linkou aí é off-grid, desconectado da rede. Por isso custa quase 9.000 só com duas placas.Tem controlador de carga e bateria estacionária, serve para acumular carga desconectado da rede elétrica para atender iluminação, eletrodomésticos.

              Na mesma loja Neosolar, um kit grid-tie (conectado à rede, para onde manda excedentes e capta energia quando não há sol para gerar), um kit de 1,5 kWp com potencial para até 220 kWh/mês, contendo placas + inversor + materiais de fixação + cabos custa R$9.200.

              No sistema grid-tie os excedentes gerados durante o dia são contabilizados como crédito pela distribuidora. Não precisa de bateria.

              Mas dá para projetar e dimensionar sistemas mistos, que sejam grid tie, mas também trabalhem com bateria em caso de falta de energia na rede. A energia acumulada na bateria serve como backup para sistemas de iluminação, geladeiras, sistemas de segurança etc.

              A Tesla vende isso nos EUA como Tesla Wall. Um kit de baterias para ser associado às telhas solares . Isso quando os sistemas são integrados a ponto da própria bateria do carro elétrico servir como backup adicional de energia, caso esteja conectada no sistema.

              E o pessoal daqui da ilha de Lost-Brazeelll ainda insiste no mantra ludita “não precisamos de carro elétrico, temos etanol”

              Sendo que a produção de etanol mal consegue atender com preços competitivos três dos 26 estados brasileiros. quando mais o resto do mundo… Só serve para fazer reserva de mercado e sustentar lucros de amigos do rei, que ocupam terras férteis para plantar cana para queimar em motores jurássicos com 20% de eficiência.

          • FrankTesl

            Eu admiro que faz instalação sozinho, o que se economiza dá para colocar umas boas placas a mais… no meu caso contratei uma empresa que cuidou de toda a parte técnica e burocrática na distribuidora, além da instalação.

            Acompanhava os preços dos kits desde 2013/2014 e estava pensando em instalar só no fim desse ano ou no começo do próximo.

            Mas no primeiro trimestre desse ano vi os preços e me espantei como tinham caído.

            Encomendei um kit de 10 placas + inversor. Ainda pedi para superdimensionar o inversor para um de 3,0 kWp, que suportasse algumas placas a mais no futuro (esperança de que os carros elétricos pudessem ser vendidos a preços justos num futuro próximo????), por isso ainda saiu um pouco mais caro.

            No meu caso, um kit de 1,5 kWp já bastava, e na época custaria uns R$14.500 instalado.

            Mês passado falei com o instalador e ele disse que o preço desse kit 1,5 kWp já tinha caído ainda mais, para R$11.000 com os demais custos inclusos.

            Os tempos em que o preço de um kit fotovoltaico comparava-se a de um carro popular zero já eram. Agora a base de comparação é preço de moto tipo CG titan 160…

            De lá para cá os carros ficaram mais muitooo mais caros e os kits fotovoltaicos despencaram de preços.

            A melhor forma de dar uma banana para essas montadoras pseudo nacionais exploradoras é: adiar a troca de carro e comprar kits fotovoltaicos, nos preparando para usar carros elétricos com energia gerada em casa –

            apesar de todas as propagandas contra, todos os lobistas pagos, e dos inocentes úteis que fazem o jogo dos cartéis prejudicando a si mesmos, sem falar nos boicotes e reservas de mercado da nossa legislação insana que atrasam o progresso para beneficiar quem nos vende sucata obsoleta 0km a preço de ouro…

            Se ficarem mantendo o IPI absurdo para carros elétricos, atrasando a eletrificação da frota, pelo menos já estamos dando uma banana para as bandeiras vermelhas de energia.

            • Saulo Gomes

              11.000 já acha bom negócio, mas este preço vai cair e muito. Tecnicamente é muito mais simples do que parece, bem mais fácil que instalar um aquecedor solar por exemplo, a maioria dos eletricistas e alarmeiros conseguiriam sem grandes problemas, é serviço para técnico não engenheiro. Chegou a ver gerador eólico para colocar junto?

              • FrankTesl

                quem sabe… mas é mais difìcil de achar instaladores, aqui no Brasil a maioria ainda foca no solar, e só está começando.

              • Leonardo M. G.

                Eu ia perguntar a mesma coisa, dupla geração (eólica + solar) seria o caminho pras regiões menos ensolaradas e com mais ventos, caso de onde moro.

                • Saulo Gomes

                  Tem muitos kits que já vem com a entrada para o gerador eólico e tem uns já a preço bem acessível, para quem mora onde tem bastante vento parece ser até mais barato usar o eólico.

      • Cesar

        5k é só a primeira parcela que tu vai ter de desembolsar. E o retorno, só com dez anos.

        • Rodrigo

          HAHAHAHAAHAHAAH…………
          Disse tudo, um projeto de uma casa de pequeno porte esta fica por volta de 25 mil reais. (pequeno porte)

          • Saulo Gomes

            Tem gente que compra corola também.

            • FrankTesl

              e usa menos de 2 anos, depois vende de volta para a concessionária por preço menor que da FIPE (as vezes ela é boazinha e paga preço de tabela FIPE, mas só para carros de vovó com menos de 2 anos de uso e 20.000 km rodados, e ainda assim só se todas as revisões forem feitas na mesma concessionária).
              E dá-lhe gente dando o carro semi novo só com dois anos e entrando em carnê de R$36.000, R$40.000 para comprar um 0KM que custa mais de R$100.000,00.

              Sendo que com R$11.000 já pode instalar kit fotovoltaico em casa.

              • FocusMan

                Cada un faz o que quer com seu dinheiro. Essa galera de de esquerda ate aqui vem encher o saco…

                • FrankTesl

                  educação financeira básica não é coisa de esquerda direita.
                  mas para vc falta até educação comum.

          • FrankTesl

            Atualize-se. Kit fotovoltaico de 1,5 kWp já aprovado, instalado e pronto para economizar na conta de luz, com potencial de 220 kWh/mês, custa cerca de R$11.000,00

          • FrankTesl

            um kit para casa média 220 kWh/mês já custa instalado R$11.000,00 segundo um instalador que conheço. Na neosolar um kit desses custa R$9.500, com mão de obra de instalação à parte.

          • FrankTesl

            para uma casa de pequeno porte, um kit de 1,5kWp de 11.000 reais é mais do que suficiente.

        • FrankTesl

          atualize-se. Um kit fotovoltaico hoje já dá retorno em menos de 7 anos. Se for associado com carros elétricos, deixando de gastar com gasolina, esse tempo vai para menos de 5 anos.

      • Kenedy

        Com 5 mil você não coloca nem seu chuveiro para esquentar hehehehe , que dirá fornecer energia para um carro elétrico

        • Saulo Gomes

          O chuveiro é o grande problema, todas as outras cargas da casa são bem pequenas, mesmo o carro elétrico usa uma tomada comum.

          • FrankTesl

            os engenheiros da CPFL e da Itaipu já destruíram esses mitos de que carro elétrico consome tanto que dá sobrecarga no quadro de força de uma casa.
            Segundo eles, um carro elétrico requer tanta potência e consome como um aparelho de ar condicionado.
            O impacto no sistema nacional caso houvessem 5 milhões de carros elétricos seria de um aumento de 3% na demanda.

            • FocusMan

              Então pra recarregar um carro todo dia vou gastar o mesmo que gasto com ar? É quase o que gasto de gasolina!

              • Saulo Gomes

                Igual a um ar condicionado se você fizer carga completa, rodar uns 500Km por dia, mas para rodar dentro da cidade coloque a mesmo consumo de um computador.

        • FrankTesl

          tem razão, para esquentar água de chuveiro um kit de aquecimento solar é muito melhor, por menos de R$2000 já se compra um kit de placa de aquecimento + boiler que vai te dar água quase fervente, para ser misturada com fria.

          • Dario Lemos

            Li seus comentários e agradeço pelas experiências relatadas já que nem me passava pela cabeça dar uma pesquisada na área de geração de energia solar para residências. As pessoas deveriam começar a mudar suas prioridades em determinadas áreas e esta é uma delas pois o custo para termos energia elétrica em casa ficará cada vez maior devido às particularidades políticas de nosso país.

      • José Barbosa

        Eu ainda só não pus o kit solar porque mudo muito. Mas aqui onde moro (GO), é falta de vergonha na cara da população esta tecnologia ainda não ter sido difundida. Aqui temos seis meses de seca ABSOLUTA, faz um sol imenso boa parte do ano, ar condicionado não é luxo e ainda temos uma distribuidora que cai a luz com uma frequência avassaladora.

        • Dario Lemos

          Aqui no MT também é assim, tanto potencial energético vindo da luz solar sendo subaproveitado, ou melhor, não aproveitado.

      • Franco da Silva

        Não é 5, mas por 15 dá e vale a pena! Sem falar que, se fuçar muito, acha problema na gasolina, no etanol… a eletricidade é sempre melhor.

    • th!nk.t4nk

      Já eu achei o texto bem ruim e cheio de desinformação. Não comenta sobre o andamento atual das tecnologias pra encarar os problemas citados na eletromobilidade, nem diz que a participaçao de termoelétricas vem caindo fortemente ano a ano no mundo todo. Enfim, essa matéria só serve pra alimentar o povo com mais medo, ao invés de mostrar tudo o que está sendo feito pra encarar os desafios no setor.

      • Leandro

        Vem caindo na Europa, mas na China, como contexto diz, a matriz se baseia no carvão, barato e sujo. Vai convencer o chinês a trocar um energia barata por uma cara…

        • th!nk.t4nk

          Mês passado o governo chinês declarou que em breve vai colocar data pra banir carro à combustao. Isso força a adoçao de energias limpas num prazo mais curto. Aliás, a China já é o país que mais investe nisso. É um desafio enorme, concordo, mas os caras estao se mexendo.

          • FocusMan

            Em 2030 espero estar ainda aqui e o NA tb para eu voltar e falar que vocês estavam errados.

  • Louis

    ” esse tipo de veículo agora é considerado a salvação para o meio ambiente”
    Essa frase resume o quão tendenciosa é a matéria, e tenta distorcer os objetivos dos carros elétricos. Nunca ouvi alguém falar que carro elétrico seria a salvação em termos ambientais. É somente uma tentativa viável de se diminuir a poluição.
    Se o mundo dependesse desses céticos, a humanidade nunca evoluiria.

    • RPM

      Concordo…..e digo mais….nunca vi ninguém preocupado com a poluição e descarte dos carros a combustão que compramos hj em dia….

      • Louis

        Sim, um só exemplo, no interior do país tem muita gente que troca o óleo do carro em casa e descarta o óleo velho no quintal….

        • Dario Lemos

          Ou na rede de esgoto.

      • Lucas maoam

        Os componentes de motores s combustão são recicláveis, além de terem maior durabilidade. A preocupação principal é em relação às baterias, que possuem durabilidade bem limitada e não podem ser descartadas ou recicladas com a tecnologia atual.

        • th!nk.t4nk

          Correção: já existem tecnologias para a reciclagem total destas baterias sim, porém é um processo bastante caro, mas é questão de pouco tempo até essa barreira ser vencida. O problema é que o povo só olha pra trás, ao invés de olharem pro que está sendo desenvolvido nesse exato momento em dezenas de centros de P&D focados exclusivamente em eletromobilidade. É muito dinheiro sendo investido na área, as pessoas não têm ideia.

          • Leandro

            Não reciclam nem pilha no Brasil, que dirá baterias enormes…

            • FocusMan

              Grande verdade

        • BillyTheKid

          Maior durabilidade? Olha, você vai me desculpar, mas eu não entendo como trocas de óleo, filtros, e etc. a cada 10 mil km (ou menos) são sinônimo de “durabilidade”. Isso tá mais pra sinônimo de poluição.

          O TeslaBjorn fez a primeira revisão do seu Tesla Model X recentemente, aos 110.000km… Pensa em quanto lixo de peças gastas o teu carro usou (ou usaria) em 110.000km. No meu, em menos de 40 mil, já foram uns 14 litros de óleo de motor, filtros de ar (motor), de combustível e de óleo, além de um jogo velas. Tudo isso nem existe num carro elétrico.

          Sobre durabilidade das baterias, tem vários donos de Teslas que rodaram mais de 100 mil km com degradação de 5%. Ou seja, dá pra rodar bem mais que isso com uma bateria antes de ela ter de ser reciclada, ou usada como armazenamento para domicílios.

          • RPM

            Ótimo comentário….troquei recentemente todos os óleos da minha caminhonete,7 l de óleo de motor,8 l da cx automática,2 l de óleo de freio e dh,mais 6 ou 7 l(não me recordo ao certo) dos diferenciais dianteiro/traseiro + cx de transferência….

          • Lucas maoam

            Me referi a maior durabilidade por tempo de uso. Motores a combustão resistem tranquilamente 50 anos, já baterias são garantidas apenas por 8 a 10 anos. Por esse motivo vc consegue vender seu carro a combustão usado, mas no caso do elétrico a bateria precisa ser trocada. Filtros de ar são parcialmente recicláveis, e óleo de motor é 100% reciclável.

            • th!nk.t4nk

              Atualmente o padrao da industria (objetivo) sao 20 anos pra bateria (10 no carro + 10 no acumulador). Mas isso é hoje. Dentro de 10 anos pode esperar uma realidade totalmente diferente. Fiquem de olho que vem muita novidade em tecnologia de baterias dentro de poucos anos, tem muita gente envolvida no desenvolvimento disso.

              • FocusMan

                Meu telefone está quase descarregado no momento. Vivo isso desde que comprei meu primeiro smarphone em 2010. 7 anos se passaram e nada melhorou. O tel faz muito mais coisas mas as baterias continuam ruins.

      • Dario Lemos

        Aqui neste país a reciclagem não é prioridade em muitas áreas. Acho que deveriam criar incentivos (conscientização ambiental também é fundamental mas os custos acabam desestimulando as empresas) para que cada vez mais aproveitarmos o que já está aí.

    • Maycon Farias

      Acabei de comentar isso. Cada coisa de cada vez. Agora os carros e depois os outros meios. Assisti um documentário que um cientista conseguiu gerar energia de um tornado controlado em laboratório, outro com energia solar, outro com as ondas do mar. Ou seja tudo está caminhando para grande mudanças. Não tem porque questionar que ainda usam usina a carvão. Mais cedo ou mais tarde essas coisas também deixaram de existir. É um caminho sem volta.

      • Lucas maoam

        Sim, concordo que a energia solar e éolica são o futuro com emissões zero. Porém, já tem um bom tempo que a tecnologia existe, mas ainda não é aplicada em larga escala.

        • th!nk.t4nk

          No Brasil né? Pois tem pelo menos uma dezena de países que já aplicam em larga escala. Aqui perto de casa mesmo tem fazendas gigantes de energia solar, e usam painéis fotovoltaicos nos telhados a rodo. E mesmo quem contrata alguma empresa de energia, tem a opçao de receber energia 100% renovável (que na verdade já é o contrato-padrão atualmente). Nao vai mudar o mundo todo de uma vez, mas aos poucos a revoluçao no setor tá acontecendo sim.

    • Maycon Farias

      Eu virei seu fã viu.

      • Louis

        kkkk

    • Lucas maoam

      Acredito que o enfoque da matéria foi em relação ao marketing sobre os elétricos, sobre a ideia que é vendida como ideal sem demonstrar o lado negativo da história.

      • th!nk.t4nk

        Deveriam falar também sobre como a indústria do petróleo alimenta o financiamento da expansão do radicalismo islâmico no mundo (é MUITA grana que vai pra centenas de organizaçoes no planeta), mas curiosamente desse ponto de vista ninguém fala, porque vai contra a posiçao política dos jornalistas que escreveram matéria. Conheço bem esses caras aqui na Alemanha.

        • Leandro

          Uma coisa que o povo ignora é que petróleo não serve só pra combustível. Olhe para sua casa e eu te digo que quase tudo nela usa derivado de petróleo. Até no seu remédio também tem…

          • FrankTesl

            mas que ótimo. Não quero me sentir culpado para todos os poços de petroleo sem uso depois da eletrificação da frota. Pelo menos o petróleo vai servir para diversas outras coisas, mas vai deixar de ser um componente de submissão das pessoas a cartéis, vai ser uma mercadoria comum.

            • FocusMan

              E ai você acha que vai acontecer o que com a eletricidade? Que você vai poder continuar a prodizir em casa e usar? Duvido… Vão criar um imposto sobre geração de energia e vai continuar como hoje.

        • Lucas maoam

          Além do oriente médio, o petróleo alimenta um ditador maluco vizinho do Brasil, é muito próximo da nossa ex presidenta e do nosso provável próximo presidente. Mas sobre esse tema, existe vasto material publicado também. Acredito que os meios de comunicação deveriam prezar mais pela imparcialidade, pois a maioria adota apenas um lado da história.

    • tiago

      Se não houvessem os céticos – que, muitas vezes, apontam duras realidades, quebraríamos a cara e falharíamos muito mais.
      O texto é razoável e aponta desafios reais, não dá pra se jogar no oba oba sem considerar a maior parte das consequências.
      O carro elétrico não está pronto para substituir totalmente o motor a combustão.
      Acredito piamente que esse dia vai chegar, mas fechar os olhos para os desafios não é a postura.

      • FocusMan

        Eu acho que vai aparecer alguma outra tecnologia que tornará carros eletricos obsoletos em um curto espaço de tempo

    • SDS SP

      “Se o mundo dependesse desses céticos, a humanidade nunca evoluiria“. De pleno acordo, isto serve também para os detratores dos motores turboalimentados.

  • afonso200

    e quem ganha sao os ditadores desses paises,

  • Maycon Farias

    Eu acho que não é motivo de preocupação. Da mesma forma que os carros deixarão de poluir, os outros meios poluidores também sofreram muitas mudanças cada um em seu tempo. Não dá pra mudar toda a estrutura de consumo da terra de uma vez só pois a base da sociedade foi criada em cima disso. Eletrificar carros nunca foi dito como a salvação final para salvar a terra de um desastre ecológico. Existem cientistas trabalhando arduamente para criar todo tipo de fonte energética, trabalham para suprir a demanda de alimentos, água, para acabar com todo tipo de doenças e etc. Tudo caminha a um passo por vez para muitas mudanças. Cada passo evolutivo da sociedade de uma vez. Da mesma forma que todos nós fomos surpreendidos com carros elétricos e autônomos em tão pouco tempo, no decorrer das próximas décadas seremos surpreendidos por outras grandes mudanças. Existem muitos documentários na TV a cabo sobre o futuro próximo e é fantástico.

  • Ken Moromisato

    https://www.youtube.com/watch?v=xsafBG1Hsvc

    https://www.youtube.com/watch?v=JuqLfH1SW98

    O petróleo também não tem sido exatamente uma benção pra muitos países

    • FrankTesl

      Venezuela que o diga. Lá petróleo só serve para sustentar a ditadura bolivariana e por tabela os parasitas dos irmãos Castro em Cuba. Já o povo da Venezuela e povo cubano (por tabela) só se F@#$& com a manutenção dessas tiranias no poder dos respectivos países, sustentados pelo que resta dos lucros dos petrodolares estatais .

  • Ricardo Blume

    Não adianta, tudo tem seu preço, mesmo que cobrem lá no final. Querem realmente reduzir emissão de CO2, descarte de bateria, impacto ambiental e coisas do tipo, incentivem ao máximo o uso de transporte de massas, mas ai o buraco é mais embaixo. Fico imaginando também a Arábia Saudita do Lítio, com toda essa riqueza concentrada nas mãos do Estado centralizador de Morales; mais miséria pela frente. Quem não conhece o Salar de Uyuni o faça o quanto antes.

  • Rbs

    Um pequeno motor a combustão associado a um compressor de ar comprimido. O motor a combustão com tecnologia poluindo quase zero e continuando a gerar empregos, O compressor carrega o cilindro sem deixar resíduos como as baterias que ate hoje ninguém sabe o que fazer com elas.

    • Lucas maoam

      Concordo que motores a combustão mais eficientes, ou híbridos, principalmente movidos a etanol, são soluções mais viáveis que os elétricos no presente momento.

  • João Cagnoni

    Fonte: Deutsche Welle/BBC – Em outras palavras, a realidade brasileira é outra. As hidrelétricas são uma das fontes mais limpas de energia.

    • Lucas maoam

      Energia limpa apenas solar e éolica. As hidrelétricas não soltam fumaça, mas causam também grande impacto ambiental. Além disso, o Brasil também tem muitas termelétricas.

      • João Cagnoni

        Você está enganado, a energia proveniente das hidreléticas são tidas mundialmente como uma das fontes mais limpas de energia. O impacto ambiental não é tão grande como divulgado por aí. https://atomberg.com/top-10-renewable-energy-sources/

        • SDS SP

          Energia oriunda das hidroelétricas tem suas vantagens, mas em época de seca (como agora) é um perigo. Precisa diversificar ao máximo pra não ficar dependente de uma só fonte.
          Aqui a energia elétrica é uma das mais caras do mundo, e um dos grandes vilões dos custos operacionais das empresas.

          • Cesar

            O problema é que na cabeça dos gênios, as novas hidrelétricas estão sendo construídas sem reservatório. Belo Monte por exemplo, só funciona na metade do ano.

            • SDS SP

              Falta de planejamento e o pior que destruíram uma grande área para abrigar o complexo.
              Enfim, pra mim viabilizaram o projeto não por razões técnicas e sim políticas.

              • FocusMan

                A culpa deve ser de Deus q n fez chover kkk

            • Rodrigo

              Todos sabem os reais intere$$es que motivaram a construção de Belomonte, não?
              O mundo dá tantas voltas que há 3 anos atrás quando SP estava na crise hídrica e a jumenta foi eleita, cansei de ouvir de pessoas do Norte e Nordeste: chora na Cantareira que é melhor. Hoje são elas quem choram e todo mundo que paga a conta…

        • Lucas maoam

          Sim, as hidrelétricas são uma das mais limpas, mas não se comparam às eólicas e solares. O impacto ambiental ocorre em relação à destruição massiva de fauna e flora, sem contar alteração climática causado por um enorme lago artificial. Vale lembrar que florestas inundadas emitem grande quantidade de carbono na atmosfera. E o ciclo hidrográfico é totalmente alterado rio abaixo.

          • João Cagnoni

            Hidrelétricas são mais limpas que eólicas, mas de fato as solares são melhores (porém caras e muitas vezes inviável). Hidrelétricas são uma realidade.

      • th!nk.t4nk

        Energia hidrelétrica tem seu lado poluente também, mas não se compara com uma termelétrica. Nem em sonho. É uma escala absulutamente diferente. Curiosamente no Brasil usou-se muito do discurso de que hidrelétrica seria ruim pra que aprovassem a construçao de termelétricas, e conseguiram.

        • SDS SP

          O problema das hidroelétricas é que regiões aptas para abrigarem uma usina próxima aos grandes centros urbanos estão acabando. O que restou foi regiões mais ao norte, mas que implica em grandes custos de transmissão.

          De longe, o mais viável hoje em dia é o painel solar. Infelizmente depende da vontade do governo

          • Lucas maoam

            Outro problema da região norte é que o lago inunda área florestal, o que causa emissão de carbono na atmosfera. O desastre ambiental de Balbina é um dos piores exemplos.

        • Lucas maoam

          Concordo. Mas a hidrelétrica também nao se compara à éolica por exemplo. Se a área do lago fosse substituída por parque eólico, a produção de energia seria bem maior com menor impacto ambiental.

          • Dario Lemos

            Só um detalhe: a geração através de energia solar só funciona por cerca de 12 horas e não acho que gere 100% neste período devido ao movimento de rotação do planeta; já a energia proveniente das hidrelétricas ocorre nas 24 horas do dia, variando conforme a demanda. Cada sistema de geração tem suas vantagens e desvantagens.

      • Cesar

        Energia eolica e solar não são totalmente limpas. Causam poluição também.

        • Lucas maoam

          Sim, nenhuma é 100% limpa, mas das opções que temos são as melhores. Temos também as usinas que usam como combustível gases de aterros sanitários.

          • Dario Lemos

            Bem lembrado no que se refere à geração proveniente de gases de aterros sanitários mas não sei se existe alguma usina aqui no país.

    • Alexandre Volpi

      Creio que tratando-se de Brasil o problema não seja tanto a origem da energia, mas estrutura. Com uma frota crescente de carros elétricos rodando aqui, somado ao investimento baixo feito no setor de minas e energia, vejo poucas possibilidades: bandeira vermelha permanente ou algo semelhante aos ‘apagões’ da década passada.

      Basta lembrar o grande fiasco que foi Belo Monte, e que hoje Itaipu não representa a enorme parcela de produção da energia nacional, como antigamente. Parece que o país não tem mais interesse em construir hidroelétricas, pois o uso de térmicas tem crescido bastante (ainda mais nesse período de estiagem que passamos). Some isso a uma demanda por Kw cada vez maior e temos uma tragédia em mãos.

      • Cesar

        Não temos apagão porque estamos em recessão. Se estivéssemos com crescimento da economia em cerca de 3%, teríamos apagões. Em tempo: O apagão da década passada não foi por falta de energia. Havia energia excedente o que não havia era como transporta-la. Faltavam linhas de transmissão.

        • SDS SP

          Exato, por isso às fontes geradoras precisam ficar o mais próximo possível da fonte receptora. Os custos de transmissão são elevados.

          • Cesar

            Aí que reside o problema das hidrelétricas principalmente no Brasil onde o consumo se concentra basicamente no Sul e Sudeste.

            • SDS SP

              Pois é, aí fazem aquelas usinas gigantescas no norte do país, que no final das contas foram para fornecer dinheiro de propina à turma de Brasília.

          • Dario Lemos

            Quando eu fazia faculdade, um dos professores disse que o mais certo seria construir pequenas usinas em cada Estado, aproveitando o potencial energético de cada rio e, por tabela, diminuiria os custos de construção, geração e transmissão de energia elétrica e, claro, o impacto ambiental seria menor mas decidiram por um caminho diferente, a construção de grandes usinas e pela escolha de um sistema interligado; nesse caso, se dá algum problema em Itaipu, haveria um efeito “cascata” deixando vários Estados sem luz.

  • Alvarenga

    Caro eletrico ainda vai dar muito o que falar. Primeiro pelo motivo óbvio que finalmente tem sido abordado, de que nem sempre a sua energia é “limpa” como muitos pensam. Depois por outras implicações mais “sutis”, como por exemplo:
    1-Falta de ruido que alerte pedestres e ciclistas em seu caminho
    2-Comportamento e riscos sob umidade ( entenda-se uso fora de estrada , enxurrada, enchente, etc….)
    3-Calefação em paises frios ( imagine ficar preso em uma nevasca na estrada isolada sem um motor a combustão para aquecer o veiculo por algumas horas pelo menos ).
    So pra citar alguns exemplos.

    • Ken Moromisato

      por outro lado um transito mais silencioso seria muito bem vindo (especialmente nas motos), temos veículos elétricos rodando diariamente no transito de sp, nunca foi um problema considerável mesmo competindo com motores à combustão

      um carro elétrico provavelmente tem muito mais facilidade de ser completamente selado

      os países europeus já tem uma frota de elétricos rodando faz tempo, nunca foi uma questão problemática, baterias esquentam (muito) também, todos os carros tem refrigeração ativa por causa disso e você pode esquentar ou resfriar a cabine remotamente no Tesla e Bolt

    • FrankTesl

      gozado que motos fazem um barulho dos diabos e nem por isso deixam de se envolver em menos acidentes.

      Essa história de que carro elétrico é ruim porque não faz barulho e por isso vai haver epidemia de atropelamento de cegos só não é pior do que o mantra ludita de que Itaipu vai secar quando as pessoas começarem a usar carros elétricos.

      • Alvarenga

        Negativo, a comparação com as motos não é valida. A situação delas é um caso à parte e são totalmente diferentes os fatores de acidente. Carro elétrico é tão “morto” que deve dar sono até no motorista. Por sorte poucos dormirão porque não da pra fazer viagem muito longa com um elétrico ja que a bateria acaba com 2 horas de estrada, kkkkkk !!!!

        • FrankTesl

          Natural. Cavaleiros e carreteiros do século 19 também deviam reclamar que “as carruagens sem cavalo” recém inventadas não relinchavam e não podiam ser reabastecidas com capim e água.
          Ferreiros também reclamavam que as carruagens sem cavalos não precisavam de ferros torcidos pregados com cravos quentes nas patas do motor…

          • Alvarenga

            Bom, na verdade não faz muita diferença ja que dirigir vai cair de uso pois sera tudo autônomo mesmo ! E tambem não havera mais atropelamentos pois os veiculos frearão sozinhos se um pedestre entrar na frente. Sera o sonho de consumo de qualquer bandido de arrastão, tô fora, kkkkk.

  • SDS SP

    O mais viável em termos de geração de energia é o painel solar. Contudo, para massificar o uso, certamente levará algumas décadas.
    Enfim, para viabilizar o carro elétrico deverá ocorrer uma grande mudança na matriz energética e isso depende da vontade dos mandantes de cada país.

    • Louis

      A mudança da matriz já está acontecendo em muitos países. Até por aqui, praticamente sem incentivos, fontes eólicas estão sendo implantadas. E já li sobre uma “fazenda” de energia fotovoltaica no sertão nordestino, onde até cacto morre de sede, gerando renda para os pequenos proprietários de terra árida.

    • FrankTesl

      ela já existe. Muita gente que não se pode dizer que seja ignorante torra 100 mil para trocar carros com menos de 2 anos de uso e que teria muito tempo de vida útil ainda, mas acha caro investir menos de 15% desse valor em um kit fotovoltaico grid tie para colocar no telhado de casa, que tem vida útil de 25 anos. Com menos de metade do dinheiro que gastariam para financiar o restante do preço de um carro 0km, poderiam ficar mais um ou dois anos com o mesmo carro e investir em um kit fotovoltaico.

      • SDS SP

        Você tem um kit fotovoltaico instalado? Tenho interesse em fazer isso um dia e gostaria de saber à experiência de alguém.

        • FrankTesl

          sim. já escrevi bastante, tem posts meus por aí.

  • Diego Teixeira Da Costa Diniz

    Marchionne fazendo todos refletir…

  • Lucas maoam

    NA, o final do texto está cortado

  • VaeVictis

    Isso é o que disse Sergio Marcionne, CEO da Fiat Chrysler:

    -O carro elétrico é uma solução que nos permite adaptar-se à os regulamentos de emissões (que não levam em conta as emissões para a produção de baterias). Mas é uma solução a curto prazo.
    -Produzir carros elétricos usando formas atuais de energia vai duplicar as emissões de CO2 portanto a imposição de carros elétricos pelos governos poderia causar um desastre ambiental.
    -As emissões de CO2 do setor de transportes são 14% do total, as emissões dos carros 7%. Isso não significa que não precisamos fazer a nossa parte, mas não há soluções fáceis ou fórmulas mágicas.
    -O carro elétrico é um projeto que deve ser considerado com realismo.

    • FrankTesl

      o capo Machione quer fazer é ganhar tempo, pois dos grupos automotivs globais, o grupo FCA é o mais atrasado na eletrificação ou mesmo na motorização híbrida, então ele quer arrolar um monte de sofismas para justificar não ter feito investimentos consistentes na eletrificação automotiva, para não ficar tão para trás de quem já está muito mais adiantado que ele.

      • tiago

        A verdade é que o carro elétrico, AINDA, não gera lucro, mesmo com subsídios governamentais.
        Tenho certeza que vão chegar á receita de produzir e lucrar, mas a realidade, por mais que doa, é que a montadora que vende um veículo elétrico perde dinheiro. Só continuam a vender e insistir porque é uma tecnologia promissora.
        O veículo elétrico deve substituir o veículo a combustão, mas sem oba-oba, nos dias de hoje essa substituição não é viável.

  • Ricardo

    Isso tudo sempre foi óbvio para mim, ou seja, carros elétricos terão muita mais desvantagens do que vantagens, a única vantagem é tirar a poluição concentrada dos grandes centros. Cidades de 1° mundo serão limpas e toda a sujeira cairá fora dos grandes centros e nos países subdesenvolvidos. Acho que carros a energia solar são os únicos quase 100% limpos.

  • A.T.

    Apenas alguns dados interessante que a DW/BBC esqueceram de citar:
    1- os motores elétricos possuem uma eficiência energética da ordem de 90% contra os cerca de 25% dos motores à combustão. Mesmo que a origem da energia elétrica de um pais seja de fontes fósseis há um óbvio ganho energético e consequentemente ambiental e econômico em se usar menos energia para realizar o mesmo trabalho.

    2- se a reciclagem das baterias e a extração do lítio preocupam, também devem preocupar os resíduos da indústria de petróleo e gás, que também não são recicláveis e tem sido extraídos há mais de um século. Milhões de toneladas de água contaminada com metais pesados e hidrocarbonetos juntamente com resíduos sólidos de perfuração são produzidos por segundo sem poderem ser reciclados.

    3- o Brasil é líder mundial em produção eletricidade “limpa” proveniente essencialmente de nossas hidrelétricas. Certamente somos os maiores beneficiados em utilizar nossa energia essencialmente limpa para substituição de combustíveis fósseis.

    • D136O

      Apenas uma correção, no item 1 para sua comparação vc deve utilizar a eficiência das usinas termoelétricas que é onde se transforma a energia presente no combustível em energia elétrica.

      • A.T.

        Não amigo: “os motores elétricos possuem uma eficiência energética da ordem de 90% contra os cerca de 25% dos motores à combustão.” , ou seja , os motores que movem os carros.

        • D136O

          Leia seu argumento “Mesmo que a origem da energia elétrica de um país seja de fontes fósseis há um óbvio ganho energético”. Se a fonte for combustível fóssil ela passará por uma usina com 30 à 60% de eficiência antes de chegar no seu motor com 90%. Ainda se tem ganhos de eficiência, mas em seu raciocínio ou explanação estas equivocado.

          • A.T.

            vlw. flw.

  • Cesar

    Olha aqui tem uma calculadora para tu ter uma ideia.
    Isto é caro mesmo. Ao que muitos pensam, não são somente as placas. Tem outros equipamentos como inversores e baterias, etc.
    Não tenho instalado em casa. Coloquei apenas o aquecimento de água e gastei quase uns 5k com o aquecedor, mão de obra e tubulação.
    Muitos aqui esperam incentivo do Governo, mas eu pergunto qual o interesse do Governo em te ajudar se ele é dono da empresa de energia e ganha duas vezes: Na conta da energia que te vende e no imposto cobrado desta.

    https://www.neosolar.com.br/simulador-solar-calculadora-fotovoltaica
    O tempo de retorno do teu investimento é por volta de uns 10 anos.

    • Louis

      Já li outras fontes em que falam em retorno em menos de 7 anos, sendo que hoje as placas duram mais de 20 anos. E certamente elas evoluirão em eficiência.

    • FrankTesl

      só precisa de baterias se for grid off – desconectado da rede –
      os preços que falei foram passados pelo instalador e já incluem placas, inversor, cabos, suportes e serviços de projeto na distribuidora e instalação.
      os links da neosolar incluem tudo menos serviço de instalação.

  • FrankTesl

    texto horrível. totalmente parcial, só passa desinformação.

    NÃO PASSA DE UMA ODE LUDITA AO CATASTROFISMO.

    -Carro autonômo não precisa ser elétrico. Pode (e muitos vão ser) a combustão ou híbridos. Carro individual pode ser tanto um elétrico,híbrido ou gasolina. Uma coisa não está ligada à outra, apenas estão chegando juntas, mas podem ser compradas separadas…

    – Ignora fontes alternativas de energia. Com kits fotovoltaicos cada vez mais baratos, o carro pode ser recarregado com eletricidade feita em casa.
    Atualmente o retorno do investimento num kit fotovoltaico já se dá em menos de 7 anos, se for considerar apenas o consumo elétrico normal de uma residência padrão.

    Se considerar que uma pessoa vai deixar de gastar cerca de R$200 (ou mais) por tanque de gasolina num posto para recarregar com eletricidade feita em casa, o tempo de retorno de investimento em um kit fotovoltaico vai para menos de 5 anos.

    Se a pessoa gasta um tanque por semana, gasta em gasolina por um ano cerca R$10.400,00 (52 semanas – sem contar mudanças de preços); pouca coisa menos que o preço de um o kit fotovoltaico de 1,5 kWp, que atualmente custa R$11.000 instalado.

    Como dura 25 anos, depois de pago a energia feita em casa custa praticamente de graça…

    -Ignora que mesmo se a eletricidade vier de usinas termoelétricas, o ciclo todo é muito mais eficiente da usina de geração à tomada, da tomada à bateria e da bateria ao motor elétrico do que do poço ao posto, e do tanque ao motor à combustão.

    – Sem falar que é muito mais fácil controlar e filtrar a poluição em algumas usinas do que controlar e evitar a emissão de poluentes em milhões de carros os quais não se sabem qual o estado de conservação.

    – Ignora que qualquer progresso na geração de energia elétrica é imediatamente aproveitado pelos carros elétricos, enquanto que qualquer tecnologia nova em motores à combustão demoram décadas até a substituição dos carros antigos pelos novos.

    – Ignora todo o ciclo de poluição, desastres ambientais, consumo insano de matérias primas nas estruturas de extração, refino e distribuição de petróleo e derivados;

    – Ignora os problemas militares, geopolíticos e sociais causados pela extração, refino, distribuição e consumo de derivados de petróleo.

    – Já é realidade: Eletricidade já pode ser gerada em qualquer lugar. Não é preciso ficar sustentando tiranos de petro-ditaduras ou cartéis bilionários.

    – GEREM sua própria eletricidade em casa. Por 10% do preço de um carro à combustão 0 km novo (em torno de 100k), já se compram kits fotovoltaicos que atendem uma casa com quatro ou cinco pessoas.

    Condomínios e prédios de apartamento também podem instalar, e o custo fica ainda menor, pois há mais pessoas para dividir os custos, e quanto mais placas se instala, o custo por kWh gerado fica menor. JÁ EXISTEM SOLUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE CARREGADORES ELÉTRICOS EM CONDOMÍNIOS. NÃO É COISA DE FUTURO. É DO PRESENTE.

    – no caso de indústrias e comércios. o consumo maior ainda tem que ser suportado pelas usinas atuais, mas kits fotovoltaicos já permitem diminuir muito o consumo das fontes tradicionais. Os telhados de galpões industriais ou supermercados são excelentes para geração em grande escala de eletricidade, e o que não puder se atendido, continua vindo das fontes tradicionais, só que a conta de luz vai ser bem menor.

    – Não é a tecnologia do carro elétrico que mantém o menino da foto em trabalho insalubre (truque desonesto de péssimo gosto para causar comoção). Mas há inúmeros tiranos que submetem populações a ditaduras odientas em países cujo principal ativo é o petróleo. Noruega é uma exceção, e lá o ciclo do petróleo já está se encerrando. Completa desonestidade de argumentos dizer: extração de cobalto provoca exploração de países, então por isso carros elétricos não prestam. Como se em países marcados pela extração de petróleo a situação não fosse igual ou pior.

    – Escassez de matérias primas para baterias? Novas tecnologias de baterias que usam menos lítio ou mesmo nenhum.
    E mesmo se usarem lítio, um material que nem era tão procurado há poucos décadas, por isso sua extração está se modernizando somente nos últimos anos. Antes não se vislumbrava sua utilidade em diversos setores da indústria, seja eletro-eletrônica, seja de carros elétricos.

    Baterias de ferro fosfato da BYD. Até mesmo baterias de ions de sódio, as inovações só estão começando. Já se fala até em baterias feitas à base de açúcares vegetais…

    LUDITAS SÓ VÊEM O PROBLEMA PELO LADO ERRADO, COMO SE FOSSE UMA TRAGÉDIA.

    POR ISSO NÃO ENXERGAM SOLUÇÃO.

    E o carro elétrico é uma tremenda solução, associado com microgeração distribuída, smart-grids e também, porque não dizer (apesar do texto demonizar) o compartilhamento de veículos, se for o caso.

    Então os catastrofistas apelam para essa estratégia odienta de espalhar F.U.D. (Fear Uncertain Doubt) como nesse texto sem noção.
    Quem cair nessa ladainha vai ficar com a mão na brocha vendo o progresso passar.

    • Louis

      Já disse isso aqui, assim que eu conseguir comprar um elétrico “acessível”, eu coloco placas fotovoltaicas em casa. Só não coloco hoje porque meu consumo é mínimo, nos meses que mais consumo pago R$ 150 de energia. Mas se eu conseguisse economizar os mais de R$ 500,00 que gasto de combustível, em pouco tempo eu pagaria as placas fotovoltaicas.

      • FrankTesl

        Uma sugestão é comprar um kit com inversor com suporte até 1,5 kWp ou 2 kWp, ponha apenas três ou quatro placas (cada placa tem 250 Wp ou 260 Wp, depende do modelo) que gerarão mais ou menos o que você consome.
        3 placas, uns 750 Wp. 4 placas, 1,0 kWp (kiloWatt pico, o seja potencial maximo).
        Com umas 4 placas talvez consiga gerar uns 90 ou 100 kWh/mês – confira com uma empresa ou engenheiro especializado – depende da região, insolação etc.
        Procure um fornecedor na sua região com o portal solar
        http://www.portalsolar.com.br
        Eles também encaminham para fazer um orçamento sem compromisso.

        Lembre-se que as distribuidoras locais ainda exigem que se pague o consumo mínimo, cobrado de acordo com o padrão da sua residência (bifásico, 50 kWh/mês; trifásico, 100 kWh/mês). Na conta de luz mostra qual o padrão da sua casa.

        Com o passar do tempo e o aumento do seu consumo (e se sair o carro elétrico) vá comprando placas adicionais até o limite suportado pelo inversor.

        Eu também estava nessa de ficar adiando, mas esse ano vi que os preços tinham baixado muito e fui em frente.

        Se você tiver disponibilidade financeira, é uma das melhores coisas que se pode fazer. Chega de ficar se preocupando com bandeiras, em ficar regulando ventilador e ar condicionado. ATé gás de cozinha estou economizando, de uns tempos para cá só panela e forno elétricos…

        O ruim é só ficar na ansiedade de esperar que quem manda nessa país tenha um mínimo de visão de futuro e menos corporativismo com as montadoras, e parem de boicotar o carro elétrico com esse IPI de 25%.

        Lidar com os luditas deste e de outros forums que insistem em só ver catastrofe (fogo na floresta, itaipu vai secar, a conta vai ficar R$1000,00 por mês), acaba virando uma diversão, quase uma terapia de queimar capetas…

  • octavio cesar godoy

    Etanol de cana de açucar, beterraba, milho, soja, sorgo, muito melhor que essas porcarias de carros eletricos, carro eletrico é bonito no papel, mas inviavel, para se produzir energia eletrica, polui-se muito mais que a gasolina, etanol, sorgo , milho

  • Kemosabe53

    Será que o carro elétrico é mesmo viável em escala universal?
    Vejam esse link:
    https://www.flatout.com.br/sera-que-o-carro-eletrico-e-mesmo-viavel-em-escala-universal/

  • durango

    Matéria interessante.
    Com o tempo vários dos problemas citados acima serão equacionados.
    O problema sério é a acumulação da energia, algo em foco nas pesquisas, que devem gerar resultados no médio prazo.
    No caso de veículos, a geração para a recarga, me parece bem viável com unidades autônomas que não dependem do poder público, quer seja pela fotovoltaica ou eólica.
    o tempo vai mostrar

  • francisco

    onde está o impacto ambiental do caro a combustão???
    isso ninguém fala, poluição do ar, poluição do mar, poluição da terra, tudo causado pelo petróleo.

    este texto foi deliberadamente escrito pelas petrolíferas para destruir de novo o carro eléctrico.
    digo de novo porque o carro eléctrico existiu há 100 anos e foi destruído pelo carro a combustão.
    O ÚNICO INIMIGO DO CARRO A COMBUSTÃO É O CARRO ELÉCTRICO.
    isso eles não querem no mercado.

    • Renato Duarte

      Impacto ambiental de uma usina hidroelétrica,,, arvores inundadas e animais acuados e mortos.

    • Maycon Farias

      Concordo totalmente.

  • Fernando Bento Chaves Santana

    Concordo. Como a reportagem mostrou se não trata de optar pela eletrificação para tornar os automóveis menos poluentes, pois considerado todo ciclo do produto – desde prospecção das matérias primas até o descarte do produto – o carro elétrico causa maior impacto na natureza. Trata-se da mudança de paradigma da indústria automobilística de produtora de bens de consumo para prestadora de serviços de mobilidade e neste intuito a eletrificação é importante por que a longo prazo diminuirá custos de manutenção e aumentará longevidade dos carros que serão cedidos e não mais vendidos. Pois a longevidade dos produtos e o baixo custo de atualização e manutenção também serão uma mudança de paradigma para as atuais fabricantes.

    Porém penso que este novo paradigma de venda de serviços de mobilidade tardará a chegar em todos os países do terceiro mundo por que esta mudança necessitará de grandes investimentos em infraestrutura que muitos estados, dentre eles o Brasil, não poderão fazer, por que as empresas locais não terão know-how e nem o capital necessários para tal investimento e também por que estes países não serão prioridade para as grandes empresas do setor que estarão interessadas nos mercados centrais.

    Outro ponto importante é a preocupação dos Estados em adotar leis para forçar esta transição. A preocupação mais visível é retirar dos grandes centros urbanos um dos principais emissores poluentes. Não se trata de diminuir as emissões, mas apenas retirá-las das regiões com alta densidade populacional e concentrá-las em lugares menos habitados: não haverá a emissão de poluentes na cidade, mas a queima de petróleo poderá ser concentrada em termelétricas localizadas em lugares isolados. Seria uma medida semelhante ao movimento ocorrido na primeira metade do sec. XX de banir as atividades industriais dos centros urbanos e transferi-las para as zonas industriais.

    Mas talvez mais impontante do que retirar focos de emissão dos grandes centros urbanos seja a preocupação dos Estados em tornar a mobilidade, e logo a economia, menos dependente diretamente do petróleo. Pois com uma frota de veículos 100% elétrica será mais fácil gerenciar várias matrizes energéticas para a geração de eletricidade, assim as fontes fósseis, biomassa, eólica, solar ou nuclear poderão ser mais ou menos incentivadas ou combinadas de acordo com seus custos ou disponibilidade.

    • Renato Duarte

      Eu só concordo com a idéia do carro elétrico como carro limpo,, se a fonte energética for eólica ou solar. Vier com a conversa de usina hidroelétrica ou usina nuclear,, aí é desonestidade tremenda

      • Fernando Bento Chaves Santana

        Mas aí é que está: o principal objetivo não é a redução de emissões e sim gerenciamento do uso das fontes de energia

  • Diego

    Sempre toquei neste ponto aqui no NA quando se falam em carros ecológicos, isso é apenas modismo, um dos projetos mais ambiciosos é do carro movido exclusivamente a hidrogênio com captação do combustível pelo ar, carros elétricos representam uma grande farsa, mas a conta chegará.

  • D136O

    O texto está adaptado de forma groseira. Quanto ao impacto ambiental e social nada mais é do que o visto em tantas outras formas de extração e exploração, a industria raramente se preocupa com o impacto de todo ciclo de vida mesmo em um produto onde o maior apelo é o ambiental. Acredito nos carros elétricos como futuro, mas as baterias de ions de lítio talvez possam ser substituídas por outra tecnologia em breve, baterias de estado sólido baterias de fluxo parecem mais promissoras.

  • Sergio

    a grande vantagem do carro elétrico é tirar a poluição do ar das cidades, o que pra mim, já seria a maior revolução da nossa geração.!

  • MaCaRyS

    Pra mim é a visão do apocalipse! Rsrsrs
    “O fim do motores a combustão é um vislumbre para os próximos anos, onde não existirá mais lugar para o cheiro da gasolina e muito menos a fumaça do óleo diesel. Além disso, há uma nova forma de se encarar o automóvel, não mais como uma propriedade particular, mas como um coletivo.”

  • Vattt

    Esse texto em assustou definitivamente sobre o carro elétrico, creio que dessa forma vai acelerar o processo de degradação do planeta!!!

  • FocusMan

    Venho falando ha algum tempo. Essa onda de carro elétrico é uma criação da Indústria para vender carros novos nos mercados estagnados.

  • ralves58

    So quero saber de uma coisa: quando o carro eletrico ficará mais barato que o carro a combustao, vai ter o mesmo desempenho (potencia!), mesma autonomia e, principalmente, vai se abastecer em apenas 5 minutos, desde o momento que se aproxima o carro da “bomba” ate o momento de pagar e sair do posto?… Enquanto ele nao for assim, a mim nao interessa! (so se for obrigado na marra, por imposiçao dos g*vernos).

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend