Longform Manutenção Mercado

Carros usados com bem mais de 100 mil km

hodometro-200.000

Há algum tempo atrás, muita gente nem sonha em chegar aos 60.000 km com um carro, já que a rotatividade a cada três anos ou menos zerava o hodômetro com a troca de modelo de veículo. Hoje, com o mercado em recessão, poucos se atrevem a realizar essa manobra.

Para quem decidiu ir em frente, a barreira dos 100.000 km pode assustar e a troca por um menos rodado ou novo começa a ser considerada. Mas, existe vida após os 100.000 km? Falar em comprar um carro com mais de uma centena de milhar no hodômetro parece insano para a maioria.

No entanto, se o veículo for tratado como se deve – sem exageros, fazendo o que é o recomendável – um veículo pode ir muito além dessa marca. Mas e a marca conta, não é? Nenhum veículo, por mais sofisticado ou simples que seja, não está isento de problemas. Não existe a máquina perfeita.

civic-milhagem-2

Partindo desse princípio, acreditamos que a grande maioria das marcas sejam confiáveis a ponto de garantir a durabilidade de seus produtos após os 100.000 km. Para quem torce o nariz para coreanos ou chineses, especialmente no segundo caso, confira a Avaliação NA do JAC J3 usado.

Mas, voltando ao “além dos 100.000 km”, podemos ver na internet vários anúncios de carros usados com quilometragem muito, mas muito alta. Antes, porém, devemos notar que muitos de alto km são picapes ou utilitários diesel, assim como em carros de passeio, as versões mais completas apresentam números bem mais altos que os de versões de entrada ou intermediárias.

Em um site de venda de carros, por exemplo, a busca por um usado com km entre 100.000 e 1.000.000 apresentou 34.001 resultados.

dodge_dakota_r-t

Picape

Nos casos citados acima, pensando em uma picape diesel, podemos observar alguns anúncios interessantes, porém, surpreende a quantidade de anúncios com veículos em torno de 100.000 km. Parece que tem muita gente evitando ir além disso.

Mas, encontramos, por exemplo, Nissan Frontier Attack 2.8 2006/2007 com 383.795 km rodados por R$ 45.000. Com a mesma quilometragem, mas 2000/2001, uma Dodge Dakota Sport 2.5 CE é oferecida por R$ 34.990 e está com 390.927 km. Da mesma época, uma F-250 XLT CS 4×2 sai por R$ 55.000, mas com 357.259.

Para os saudosistas, uma Chevrolet D20 Custom 4.0 diesel 1994/1995 sai por R$ 39.900, mas o km está em 393.244 km e a aparência é muita boa. Por fim, a oferta mais com km mais confiável – sem os 999.999 – é de uma Ford F-4000 3.9 1983 com 613.868 km. O caminhão leve custa R$ 28.000.

toyota_bandeirante_jipe

SUV

Os utilitários esportivos também marcam presença em peso após os 100.000 km rodados. Numa rápida busca, encontramos dois modelos manuais com praticamente a mesma quilometragem, mas com preços e idades bem diferentes.

De um lado, Chevrolet Blazer DLX Executive V6 4.3 4×4 com 298.000 rodados e R$ 20.000 para levar para casa. O outro é uma Toyota SW4 SRV 3.0 4×4 2006/2006, que tem 298.400 km e sai por R$ 75.000. Na busca, encontramos chineses também. Um Chery Tiggo 2.0 4×2 2010/2010 tem 139.546 km rodados e estão pedindo R$ 24.790.

Neste segmento, chamou a atenção a quantidade de clássicos 4×4 com uma quilometragem aceitável para as idade e proposta. Um Toyota Bandeirante 1976 com 308.565 km está sendo anunciado por R$ 23.000. Outro exemplo é uma Ford Rural 1971 3.0 4×2 tem 704.468 km. Esse já está quase chegando da Lua e custa apenas R$ 21.990.

Para quem temia a barca cinza escura, mas hoje quer ter uma na garagem, tem uma Chevrolet Veraneio diesel 1974 por R$ 30.000. Ela já rodou bastante também: 648.000. Para quem não era dessa época, tem uma da segunda geração com 372.621 km rodados e custando R$ 46.950.

chevrolet-corsa-hatch

 

Popular

Até agora, picapes e utilitários esportivos bem rodados não parece problema. Afinal, são robustos e projetados para aguentar bem o tranco, durando muitos anos com o cuidado devido. Mas o que falar dos populares? Será que ele carrinho barato sobrevive além da “fronteira final”?

Para deixar a pesquisa mais interessante, listamos apenas os hatches com motor 1.0 entre 100.000 e 1.000.000 km. Assim, olhe só o que encontramos. Um Ford Ka 2007/2007 oferecido por R$ 12.990 tem em seu hodômetro 782.587 km. Se o da Ford anda muito, outro da Chevrolet também. Um Corsa Maxx 2008/2009 tem 814.310 km e sai por R$ 24.000. Detalhe: cor cinza. Ou seja, longe de parecer carro de frota, embora não seja impossível isso acontecer.

ford-10-supercharged

Acima desse, as órbitas de anúncios suspeitadamente fora da realidade. Há franceses entre os muito rodados, geralmente criticados por conta da resistência e custo de manutenção. Um Renault Clio RN 2001/2002 no Paraná tem 204.000 km rodados e custa R$ 13.500. Outro igual, mas de cor cinza, tem o mesmo km e sai por R$ 11.900. Este último está no interior de SP.

Como falamos em vida após 100.000 km no começo da matéria, lembramos de um motor peculiar que na época foi anunciado com vida útil estimada em 240.000 km. Este era o Zetec Supercharger do Ford Fiesta e achamos um perto disso: 211.943 km. Trata-se de um modelo 2002/2003 sendo oferecido por R$ 14.900. Bom, é uma estimativa que pode não refletir na realidade.

volvo-p1800-3-milhoes-milhas-2

Volvo e Porsche

Entre os sedãs, chama atenção um Volkswagen Bora 2.0 MI 2008/2008 com 791.037 km e preço de R$ 23.700. As revisões foram feitas pela agenda do carro ou concessionário, de acordo com o anúncio.

Acima de 1.000.000 km rodados, os anúncios apresentam erros de digitação da quilometragem. Ainda assim, podem existir carros com mais de um milhão de quilômetros rodados. No exterior, exemplos de um Volvo P1800 de Irv Gordon e Porsche 356 de Guy Newmark chamam atenção pelas enormes distâncias percorridas em décadas de uso.





  • Tosca16

    “Chery Tiggo 2.0 4×2 2010/2010 tem 139.546 km rodados e estão pedindo R$ 24.790.”; não sei quanto o meu professor está cobrando no dele, mas creio que a quilometragem seja bem inferior apesar de serem do mesmo ano. Mas quilometragem não é tudo, o gol de um tio meu com menos de 40 mil km estava já o bagaço, e não que o carro seja ruim, longe disso, mas o cuidado dele é praticamente zero, trocou o óleo só quando teve outro problema no carro e aproveitou e fez o pacote “salvação” na oficina, trocando amortecedores, correias, óleo do motor e o que mais tinha pra fazer .

    • Davi Millan

      Exato! KM não é tudo e sim só mais um indicador para se verificar na hora da compra. Muitas vezes um carro de 100mil Km pode estar melhor que um de 40mil Km, basta comparar “carro de estrada” e “carro de cidade”. Sem falar no cuidado que o dono tinha com ele.

      • Tosca16

        Sim, são N coisas a se observar na compra de um veículo usado; especialmente se for um veículo mais antigo; recentemente vi um Corcel II para venda, estava na rua e fomos olhar, eu juntamente com os motoristas da associação universitária, os que nos levam nos ônibus para a universidade, olhamos por fora, por dentro e tal, num veículo mais antigo a integridade da funilaria e demais itens que podem sofrer com a ferrugem é fundamental, visto que o carro tinha placa de Aracaju, e por certo sofreu com a maresia de uma região litorânea…

    • leomix leo

      Esse gol é um guerreiro de verdade.

  • Brenno

    Ao infinito e além!
    Nascimento: 17 de Novembro de 1999
    hahahahahaha

    • MauroRF

      Esse aí aguenta, viu? Tive um Street 2004 que rodei 120 mil km, quando vendi, tava normal, lembro dele até hoje. Esse Zetec, se deixar ele redondo, vai longe. Eu fazia 12 km/l na cidade com ele, era uma maravilha.

      • João Cagnoni

        Aqui em casa tem um Endura… Na verdade não faço idéia da quilometragem, mas já passou dos 100 mil há muito tempo. Dependendo da manutenção eu mesmo faço, o carro é bem resistente e fácil de mexer. ps.: é o modelo Espanhol, ano 96.

        • Edson Fernandes

          }Visualmente falando, eu só vejo esse tipo de fiesta bem mal tratado, mas até hoje servindo para o pessoal que usa esse compacto para trabalho.

          • João Cagnoni

            Sim, isso acontece, mas peças são tão baratas que é fácil manter um desses em bom estado.

    • Paulo Reis

      Meu ford focus 1.6 roncam 2008, tenho desde 0km, hoje esta com 212 mil KM!! Sem surpresas, preventiva na veia” Lógico que há barulhinhos nos 2 primeiros segundo da primeira partida em dias frios, porém, ao andar dois quarteirões ja esta liso. No mais, o consumo de combustível não atinge os records de antes, porém, do contrário, óleo e agua estão muito bem, tendo o consumo de óleo ainda bem abaixo de 1 L ( a cada 10 mil KM o nível fica quase entre o máximo e mínimo, pouco acima). Motor longe de borra e detalhe: sempre usando somente óleo especificado. Há muito preconceito e falta de informação no Brasil quanto a durabilidade de um motor, se o dono fizer somente as preventiva e respitar as trocas de peças basicas e primordias, ja teríamos carros muito mais confíaveis no comércio de usado. No começo da vida do carro, a falta de troca de peças chaves, de giro médio, desencadeia problemas irreversíveis no futuro. O básico: óleo, agua, velas/ignição e alinhamento, sendo religiosamente respeitado já fazem do carro de qualquer marca um guerreiro!

  • FPC

    Meu pai em 1990 comprou um Voyage CHT, em 2001 fez uma retifica aos 350.000 kms, vendeu em 2008 com 400.000 kms.

  • Guilherme Matheus

    tenho um c4 pallas com 314 mil kms rodados motor original e continua andando igual quando era novo…. comprei 0 km e faço manutenção recomendada a cada 10 mil que é de lei…. fora isso vou na quarta correia dentada com rolamento e tensor, segunda embreagem, primeira troca de amortecedores traseiros e dianteiros e pivôs dianteiros, troquei tambem a bateria, recarga de gás no ar-condicionado…. foram esses itens de desgaste que foram trocados, o carro está todo original motor é inteiramente o mesmo, continua com 100% de pontencia e se colocar alcool vc sente os 21,6 de torque que o carrinho ainda oferece…. so vou troca-lo quando o motor bater…. o carro desvaloriza demais…. pretendo ir pro lounge thp

    • Guilherme Matheus

      ta ai a prova

      • christian

        Cambio manual ou automático?

        • Guilherme Matheus

          manual

          • Alexandre Monteiro

            Guilherme cara você está fazendo o que todos deveriam fazer, eu memso vou entrar nessa seara, minha Ranger está com 45 mil km, a intenção é não vende-la e rodar até pelo menos 5 trocas de pneus, pelo menos, podendo ir mais longe.

            • Guilherme Matheus

              pois é quando conhecemos o carro não adianta vender sabendo que o dinheiro apurado não vai dar pra comprar nem um popular…. do jeito que as coisas estão é melhor manter…. eu tambem possuia uma ranger 2011 xlt a diesel mas a crise me fez a vender… mesmo assim aproveitei bastante ela… foi meu primeiro carro a diesel e com ela eu não tomava cuidado igual eu cuido do c4… resultado ela começou a dar problema primeiro…. agora só problemas de motor e eletronica… a suspensão é fastastica pro trabalho so é meio perigosa na estrada molhada… lembro que os ultimos problemas incluiam a turbina que estava jogando oleo no intercooler e ela perdeu muita potencia e um sensor que fica perto dos bicos que estava quebrado e fazia o carro não ligar de primeira.. so ligava colocando white lub no coletor

            • R.C.B.

              Cara, conservando a sua vai longe , tínhamos uma s10 2.8 CD 04/05 vendida a uns 3 anos, rodamos pouco mais de 400 mil km, usada para passeios, viagens da minha família e viagem a trabalho (sempre com uma carga em torno de 400 a 600kg, era pau pra toda hora) e vendemos com um pequeno desconto no valor pedido, lataria e motor estava muito boa, e a manutenção imediata compensava, pois ela se pagava trabalhando.

            • Gustavo Cruz

              Penso igual. Eu tenho um Cerato 1.6 e já está com 100mil kms. Manutenção só a preventiva, nada a fazer. De peças, só trocou pneu e, mês passado, a bateria. Pretendo ficar com ele pelo menos mais uns 5 anos.

              Se brasileiro cuidasse do carro direitinho, mesmo com essas ruas sofríveis nossas, não teria tanta sucata rodando na rua.

      • Davi Millan

        “Mentira! Frances é ruim e se desmancha com 60mil Km” DA ESQUINA, Zezinho.
        Qualquer carro pode ser bom ou ruim, depende de como se cuida dele, mas é claro que alguns tem suas peculiaridades e “calcanhares de Aquiles”.
        Além de que muitos donos do Pallas não curtiram o Lounge, pois gostam do jeito “extravagante” do Pallas. Eu tenho um amigo que tem um C4 lounge Exclusive MT e esta com 90mil Km e não pretende trocar de carro.

        • Guilherme Matheus

          pois é no quesito estilo o louge é muito conservador acho que adotou a ideia da vw….. o que realmente me agradou no lounge foi a suspensão e o motor… pqp são otimos cara

          • Davi Millan

            Quando eu fiz o TD no Lounge eu também reparei nisso. Conforto, motor e câmbio excelentes.

        • Rodrigo Alves Buriti

          Há uns 4 anos vi um Megane 2.0 (acho que 2008 ou 2007) com 340mil km sem nada de absurdo fora a manutenção programada.

          É como eu afirmo, basta cuidar que anda muito. Meu avô teve um chevette 87 que foi taxi e até hoje funciona e anda.

        • João Cagnoni

          Coloca o meu nome na lista, pois tirando o powertrain eu acho que o Lounge piorou.

      • Carlos H. Ferreira

        Deveria ganhar um belo desconto da PSA só pela fidelidade a marca e por provar que usado de forma correta , dura igualmente a dupla Nipônica!

      • Saulo Mendes

        Puxa Guilherme, excelente! eu comprei um C4 Pallas Manual em 2013 (0km) e pretendo fazer o mesmo que você. Só trocar quando o motor bater. rsrsrs.
        Ainda uso o Militec a cada 20.000KM. Hoje está com 71.000KM. Já troquei a correia dentada, rolamentos e tensor. O carro está novo e estou super satisfeito.

        • Guilherme Matheus

          cara é um otimo carro se souber manter direitinho vai longe…. o motor 2.0 não está atrasado muito pelo contrario no quesito torque/potencia dos aspirados é superior ao corolla 2016, sentra 2016, fluence 2015, perde apenas pro focus que tem injeção direta….. e pode ser comparado aos 1.4 tsi da volks… ja fiz o teste e em alta anda igual ao golf 1.4 tsi so perde nas arrancadas…

    • saosao

      Com 314k, vc é o chefe aqui. Estou na fila, com 190k.

      • Daniel Moreira

        Opa, então passei sua KM por pouca margem… Desde maio/2015 tou c/ Corsa sd 1.8 flex+gnv ex-táxi, beirando os 380.000KM. Branco, recem pintado( na hora de lixar as portas surgiu o antigo logo “taxi Olinda”). Parte elétrica meio zoada devido aos antigos donos ja q recuperei o carro mecanicamete(estava 1 caco). Consta hj A/C , desembaçador e ar quente desastivados

    • João Cagnoni

      Também tenho um. Infelizmente as pessoas tem preconceito com o carro e não sabem como ele foi feito pra durar. A parte de suspensão depende das condições de rodagem, mas aqui na Zona Oeste de SP qualquer carro abre o bico cedo…

    • João Cagnoni

      Ah, o meu está com 130 mil km… Ainda dá a sensação de carro novo rsrs

      • Zoran Borut

        E se você entregar como parte do pagamento de um carro novo, na semana seguinte ele aparece à venda com apenas 52 mil km no hodômetro. Até por isso achei a matéria meio ingênua, sem pé nem cabeça, como essas citações a carros antigos de coleção. Quisessem falar sobre quilometragem, fossem entrevistar taxistas, frotistas etc.

        Além do que ma parece que seria muito mais útil fazer uma lista de itens que devem ser trocados por quilometragem ou por tempo de vida, dicas para adiar a necessidade de retífica ou o custo de uma, por exemplo, ajudando a ter noção de como cuidar de um carro após os 100 mil km. Do jeito que foi feita, a matéria diz apenas que existem carros que rodam mais de 100 mil km, e só. Qualquer pessoa que já pôs as mãos em um carro com 20 anos de uso sabe disso.

        • T1000

          Concordo. Um parente meu pos a venda um vw com mais de 280mil km, e na semana seguinte quando foi tirar outro 0km na css viu o carro com 60mil km. Acho que certos carros rodam mais do que as pessoas pensam.

          • Ernesto

            Até concessionária está mexendo no hodômetro? Isso mostra o quão complicado é comprar carro usado.

        • João Cagnoni

          Bem falado! Eu repito isso diariamente, vejo muitos carros com 100 mil km e nenhum carro com 200 mil km pra vender. Está óbvio que sempre adulteram a quilometragem. Uma vez vi uma Fielder com 260 mil km pra vender, estava melhor do que muitos outros carros que já vi com 100 mil km, até mesmo outras Fielders.

    • Pipo pipo

      Grand vitara daqui de casa 56.000km 12/13 da patroa desde zero, desvaloriza demais. Está como novo, a ideia é chegar nos 200.000 km, aí se decide alguma coisa.

  • Doccar

    Pelos precos que estao cobrando por um carro 0km, acho que essa moda vai pegar

    • ViniciusVS

      Na maioria dos casos não por vontade do dono e sim por falta de recursos.

      • Elizangela Oliveira

        O problema é que se for por falta de recursos há o risco de aparecer muita bomba, pois a manutenção pode ser negligenciada.

  • Cassiano Rogatto

    Tenho um vectra 1995 de estimação que está com 115mil originais rodados, sou 2º dono e comprei diretamente do primeiro dono. Ninguem aredita quando falo ,mas quando algum vê diz que parece 0km. Tudo depende do cuidado do dono quanto às manutenções. Nunca comprei carro apenas vendo a quilometragem.

    • invalid_pilot

      Já peguei Zafira Taxi com quase 500.000 km e segundo o motorista, em perfeito estado.

      Quem sabe cuidar do motor e faz tudo certinho não tem porque ter problemas

    • Filipe Augustus

      O meu é 93/94 e está com 140 mil, tbm sou segundo dono, porem ele é automático, e nos quase 7 anos que está comigo, eu tive que fazer uns 3 ou 4 reparos no câmbio que nunca foram baratos! Mas gosto do carro, embora ultimamente quase não ando com ele, e já perdi 3 baterias em 2 anos!

      • Andrew B.

        Quer vender?

        • Filipe Augustus

          Eu anunciei no Mercado livre, da uma olhada no anuncio, e podemos negociar!

      • Kranz

        Parabéns pelo carro! muito pouco rodado pelo ano e a aparência está ótima.

  • Ricardo Blume

    Já tive carro com mais de 350 mil km. Manutenção sempre em dia e muito bem cuidado. Se fizer isso, seu carro vai longe. E vai se acostumando por que pelo preço que os carros zero estão, esta será a única maneira de ter carro no Brasil, ou seja, com sorte, comprando um a cada dez anos.

  • Bruno Albuquerque Borges

    Meu Celta 2002 ta com 205 mil km e ainda continua uma tétéia!!!

  • Fernando S.

    Seguindo o manual do veículo sobre trocas, peças, óleos, fluídos etc, dá pra passar dos 250 mil km sem maiores problemas. Agora aqueles q compram um carro e acham q é só por combustível (cupim de carro), com 40 mil o carro dá impressão que tem 300 mil. Tudo depende do dono, manutenção preventiva e 1 lavadinha semanal q o carro sempre estará “filé”

    • Andrew B.

      Em outubro de 2014,efetuei atendimento em um carro de ano 2004/2005,sendo este impecável.Até uns 6 meses atrás,ainda com o mesmo proprietário,perfeitamente inteiro.Ontem,quando vi novamente,um susto.Com outro dono,interior com peças quebradas,sujo,faltando calota…enfim,parecia que tinha passado 10 anos.

  • Mr. Car

    Se forem 100.000 Km (ou mais) rodados comigo, podem comprar sossegados, he, he! E ainda hei de comprar um Toyota Bandeirante, me amarro neste “jipe”, he, he!

  • Louis

    Meu peugeot 206 está com 160 mil km. Mês passado gastei bastante com ele, mas pretendo ficar até 200 mil km no mínimo. Carro bastante rodado tem que fazer manutenção, senão não aguenta mesmo… Mesmo assim sai mais barato que trocar de carro todo ano.

    • thiagobs

      Uma dica para seu 206 durar bastante: Tive um 206 1.6 que teve ‘combustão espontânea’… Existe um pequeno erro de projeto nesse carro, dependendo da motorização e ano.. A linha do fluido da direção hidráulica passa exatamente por cima do coletor do motor, e é de borracha (eventualmente trocaram por um tubo de aluminio). Essa borracha, com o tempo, resseca e, ao esterçar o volante próximo do limite, a pressão aumenta e estoura a mangueira… o jato de fluido espirra em cima do coletor quente e pega fogo. Só dá pra perceber que o volante ficou um pouco mais duro e de repente sobe um fogaréu do capô (quando o fogo é perceptivel pelo lado de fora, já era).
      Se no seu caso a mangueira for de borracha, de tempos em tempos, dá uma verificada nela, ve se tá ressecada, se tá bem presa e qualquer sinal de desgaste, troque-a :)

      • Louis

        Valeu pela dica, vou reparar para ver se é de borracha, mas o meu é 1.4

  • Uma observação. O texto fala da grande quantidade de carros a venda beirando os 100 mil km. Talvez o motivo seja o seguinte, quando o carro é muito rodado (acima dos 200 mil km) no geral não possui mais as revisões carimbadas no manual, dessa forma muitas revendas e particulares optam em diminuir a kilometragem para algo dito aceitável. Isso porque carros muito rodados realmente espantam a maioria dos clientes com intenção de comprar um usado, por outro lado um carro que tem 5 ou mais anos que tem pouca kilometragem (50 mil kilometros) também geram desconfiança por parte de potencial cliente. Resumindo, a kilometragem apresentada em muitos usados não é necessariamente a kilometragem original. Por último a kilometragem em si só também não quer dizer muita coisa.

    • Sandro Alves Lima

      Em 2011, comprei um Polo 2010 com 37.000 km. Fiquei até 2016 com ele e dei como parte de pagamento de um Focus 2014. O revendedor depreciou meu Polo, apesar de o mesmo estar em um estado de conservação impecável, sem nenhum retoque e com a manutenção rigorosamente em dia. Argumentou que seria muito difícil vender um carro com 156.000 km. Mesmo assim, acabei fechando o negócio. Uma semana depois, fui à revenda entregar o manual e a chave cópia do Polo, dei uma bisbilhotada no carro, que havia sido cristalizado, bancos lavados, volante revestido em couro, manopla do câmbio trocada, rodas diamantadas e a quilometragem reduzida para 72.000 km. Até os selinhos da troca de óleo e alinhamento, havia tirado do vidro. Reclamei, pois ele havia alegado que estava pagando menos pelo meu carro devido aos 156.000 km. Mas não teve jeito.

      • MauroRF

        Um estelionato isso, dava vontade de chamar a polícia.

        • Sandro Alves Lima

          Arrependi-me de não ter feito isso. E eu tinha provas (notas de serviço etc).

          • Fernando Oliveira

            Amigo, você perdeu uma grande oportunidade de exercer sua cidadania. Isto que fizeram com o seu ex-carro é ESTELIONATO. Como já diziam: Para o mal prevalecer, basta que os homens de bem sejam omissos…

      • Tyrion Lannister

        Foi em uma concessionária? Por isso que não confio nesta raça!

        • Sandro Alves Lima

          Não, foi em uma revenda de “semi novos”. Por isso, às vezes dá vontade de comprar só carro zero km (vontade apenas, pois com esses preços não dá).

          • Tyrion Lannister

            Os chamados picaretas (que na maioria das vezes, fazem jus ao nome).

          • Edson Fernandes

            Isso que me revolta. Eu prefiro muitas vezes ter todas as notas d emanutenção de um carro “rodado” do que ter um “novo” sem notas.

            Eu teria mais garantia das manutenções.

        • Matafuego

          Em concessionária é um pouco mais difícil de acontecer isso, pois se dá alguma merda, o cara pode perder a representação da marca. Quando um carro que entrou em uma negociação passa de uma certa idade ou está muito rodado, eles costumam passar para essas revendas de semi-novos.

    • Tyrion Lannister

      Meu transporte tem 46800 km e vai fazer 5 anos em outubro. A ideia era trocá-lo após 4 anos, mas mudei de pensamento e estou querendo ficar com ele até 2019 ou até desmanchar na minha mão (eu sigo a manutenção descrita no manual a risca).

  • Dill

    minha Classe a 190 2002 tem 204.680Km e também minha escort sw(comigo há 10 anos) já virou o hodômetro, fora que aqui em curitiba ainda existe o preconceito das placas só compram placa “A” segui o contrario das pessoas, a escort a placa é “J”

    • Alligator

      aqui no RS é I e desde de 2008 estão usando junto a J, aqui ninguém quer carro com placa A por também serem de SP., outros que também são vistos com maus olhos são os veículos de SC L e K

      • thiago_lacerda88 .

        Aqui em Londrina o carro tem que ser com placa “A”, se não o povo olha torto.. mania besta.. eu não estou nem aí, a última coisa que olho é a placa.
        Ps. Em SP tem placa “A”?? nunca ouvi falar isso, sei que aqui agora esta saindo placa B também..

        • MauroRF

          Não, SP vai de BFA a GKI. E também SAV 0001 a SAV 1000. Paraná vai de AAA até BEZ. Aqui no estado de SP, as F já estão acabando e já tem carro saindo com G. Comprei um carro em junho de 2016 que saiu com FXX. Eu lembro que as primeiras combinações de B começaram em 1991 por aqui.

        • Alligator

          A é Paraná mesmo B que é São Paulo e Paraná. aqui a sequencia do Paraná e SP : AAA0001 BEZ9999 Paraná e BFA0001 GKI9999 São Paulo

      • Tyrion Lannister

        Placa A é do PR. Em São Paulo os usados com até 4 anos de uso são placas D,E ou F (atual).

        • Alligator

          São paulo vai do BFA0001 ao GKI9999 São Paulo e ainda tem essa do SAV0001 SAV9999 São Paulo com essas 9999 placas

      • Carlos H. Ferreira

        Aqui no RJ as placas são L e K , e geralmente também há um certo preconceito com placas de SP, MG e PR (A / B /C /D / H / O / J)

    • M_13

      Pois é amigo nunca entendi essa frescura de placa A ,inclusive os vendedores do PR colocam no anúncio quando aceita troca, !”somente placa A”

      • MauroRF

        Talvez medo de carros de outros estados. Aqui em SP tem alguns revendedores que torcem o nariz para placas de outros estados.

      • Tyrion Lannister

        Aqui em SP há preconceito com carro de placa A. O motivo é que tem muitas locadoras e empresas de telefonia (no caso dos populares) que licenciam os carros no PR devido o menor imposto. Carros destas empresas são mal vistos por aqui.

        • invalid_pilot

          Placa A e placa P (BH)

          • Tyrion Lannister

            Eu não lembrava da placa de MG, por isso não coloquei, valeu!!

          • Rodrigo Santos

            MG inicou sua sequência em GKJ 0001. Depois usou muitas variações de H, umas poucas de N e agora realmente está finalizando o P.

            • Thiago Cheibub

              a sequencia no aqui no ES tb se inicia com P.

      • Carlos H. Ferreira

        Mal sabem eles que todos os carros locados pelo RJ/SP/ e até pelo Nordeste são emplacados em MG ou PR.

        • M_13

          È verdade kk

      • Dill

        fico imaginando quando ocorrer a mudança das placas aqui no Br(padrão mercosul), quero ver a cara do povo sem ter como escolher carro placa “A” auhahua

        • M_13

          È mesmo ,mais ai eles vão inventar outra besteira pra diferenciar

    • Mauricio

      Aqui no Paraná realmente tem essa palhaçada da placa A. Mês passado fui trocar um Civic 2008 com placa M, o vendedor desdenhou e jogou o preço pra baixo alegando que seria difícil de vender etc. Fiz negócio em uma outra garagem e a loja vendeu o carro 10 dias depois por 2 mil acima da Fipe.

  • Paulo

    Tudo depende de como o carro foi cuidado e se rodou mais em rodovia ou cidade. Todo carro deveria ter um marcador de horas de uso, além da quilometragem. Na maioria dos casos o tempo que o carro permaneceu ligado é mais importante que a KM.

    Eu tenho um Sentra 2008 com 180mil kms, e meu irmao uma Hilux 2012 com 190mil. Ambos muito conservados e que passariam tranquilamente como carros com 70mil km rodados ou menos

  • TijucaBH

    Achei a matéria meio sem sentido, apenas buscaram os carros mais rodados nos classificados. Mais interessante seria contar historias de carros com KM alta e em perfeito estado.
    Falou-se mais de motorização e a grande maioria dos motores passa facilmente dessa quilometragem e achei um certo preconceito falar de chineses, coreanos e franceses. Os chineses usam muitas vezes motores toyota, os coreanos já aprenderam a fazer seus proprios motores à muito tempo e hoje estão com um nivel de qualidade altissimo (Kia e Hyundai) e os franceses nunca tiveram fama de problemas de motor, pecam mais na suspensao e cambio at.
    Em compensação, os motores GM costumam dar problema nos retentores de valvula antes dos 100 mil km.

    • Walter Augusto

      Alguém aí com motor fiat que bateu nos 200.000 km?

      • Andrew B.

        No canal Mec Fire,uma Strada 2012 1.4 com quase 250.000km.Motor ainda original,e inacreditável,a primeira vez trocando embreagem.

        • Ernesto

          Deve rodar praticamente em estradas. Se for na cidade, dificilmente chega nessa Km com a embreagem original.

          • Andrew B.

            Pelo KM e ano,com certeza.

    • Zoran Borut

      Também achei sem sentido. Quisessem falar sobre manter um carro com quilometragem elevada, bastaria entrevistar algum responsável por manutenção de frotas, falar sobre os cuidados necessários etc. No fim temos apenas uma matéria que se resume a “os carros podem rodas mais de 100 mil km” e “veja alguns anúncios de carros antigos que rodaram bastante”.

      Sem contar a costumeira adulteração de hodômetros no mercado de usados.

  • Ricardo

    O meu está chegando nos 220 mil.

  • Rodrigo Doliveira

    Tenho um prisma 1.0 2014. Esta com 75mil km. 70% estrada. Troca de oleo e filtros sempre em dia, correia dentada, tensor, velas e cabos e pastilhas tambem sempre trocados na epoca certa. O carro parece zero ainda. Com esses preços de carros zero km pretendo ficar com o meu pelo menos mais 4 anos. Isso dara aproximadamente 200mil km.
    Para quem cuida o carro vai longe.

  • Douglas Luz

    Aproveito para relatar minha experiência com um Cobalt táxi que peguei no Aeroporto de Viracopos. O carro estava com 370.000km e não fazia um barulho sequer, não tinha luz acesa no painel e não tinha nenhum detalhe no acabamento! Fiquei realmente supreso!

    Estou atrás de um carro pra ser o de estimação… mas pra isso pretendo comprar um 0km. A idéia é ficar com ele até o valor da sucata ser maior que o de venda do carro, hehe.

  • 1945_DE

    Dirigi um Santana Evidence 2.0L Até 170.000 Km e quando vendi estava como 0Km. Excelente carro. Principalmente depois das alterações que fiz. Tinha freio a disco nas 4 rodas do Gol GTI (Tudo original). Rodas 16 do Golf GTI e pneus Pilot Sport 3. Se cuidar, o carro vai longe.

    • Silvio

      Já andei algumas vezes de carona em um Santana com 800.000 km. Novo!

      • Leon Gonçalves

        Eu tive um, com o qual
        rodei 350 mil km, troquei o motor – coloquei um motor zero – e rodei mais 100 mil. Aí vendi, porque estava com vários pontos de ferrugem na lataria.

  • Lucas086

    Andei em corolla 2010 com 150 mil rodados, que faz menos barulho que meu 2015 com 30 mil. Carros médios, suportam mais km que os populares, isso é fato.

    • Ernesto

      Meu amigo tinha um 2003, XEi. Também o mesmo caso, sem barulho algum, mesmo com quase 150 mil Km.

  • PrGirafales

    e esse bora ai com quase 800 mil km e todas as revisoes, o cara compra o carro e precisa de uma biblioteca para guardar o tanto de caderninhos da revisao carimbados pelas css …kkkk

  • Lorenzo Frigerio

    Aposto que um monte desses anúncios de carros com quilometragem absurda têm erros. E carros mais antigos, como a Rural, viravam o velocímetro aos 100 mil km. Não dá para saber quantas vezes já rodou.

  • Gabriel Mariano

    Fui até 180 mil no meu Logan 2008 1.0. Até quase essa km, só manutenção de rotina, quando chegou, os amortecedores dianteiros começaram a dar sinal de falecimento. Desfiz do carro, não por esse motivo. Mas que aguenta, aguenta…

  • Pedro Cunha

    O hodômetro hoje em dia não passa de um referencial para o dono acompanhar a manutenção. Claro que observá-lo no ato da compra é importante, mas não fundamental. Veja o caso das motocicletas: Há no mercado, principalmente as cilindradas inferiores á 500, uma oferta enorme e dentre essas,muitas que foram de empresas, moto-táxi, moto-frete e então, dá pra considerar o hodômetro? É claro que não. E como na compra de um caminhão, ou utilitários comerciais em geral. Você até espia o hodômetro, mas presta atenção mesmo no motor, transmissão, freios, chassi, rodas, pneus e integridade de monobloco/cabine. Nas motos você verifica alinhamento, possíveis remendos no quadro, vazamentos no motor, engate de marchas, funcionamento da elétrica. Definitivamente, em tempos de mercado saturado de oferta, com(quase) todo mundo usando carro/moto pra ir até mesmo na esquina, o hodômetro é secundário. Você precisa prestar atenção mesmo é nos “sinais” que o carro dá/apresenta.

  • Zé Mundico

    A palavra chave é MANUTENÇÃO. Como todo sistema fechado, carro precisa de manutenção das partes para o bom funcionamento do todo.
    Peças de desgaste sempre precisarão ser repostas, sob pena de forçar e sobrecarregar componentes acessórios.
    Mas o problema é a negligência e achismo da maioria dos proprietários que, até mesmo por condições financeiras, vão adiando revisões, trocas de lubrificantes, uso de filtros, ou mesmo recorrendo ás velhas gambiarras de peças recondicionadas ou peças “genéricas” indicadas pelo mecânico “entendido” ali debaixo do viaduto.
    Geralmente o brasileiro faz isso, vai adiando o problema até dar no osso e depois sai falando que o carro não presta e tem manutenção caríssima.

  • Rubem

    Só manutenção preventiva e troca do kit de embreagem aos 120 mil. Mas pelo ano, 1995, essa quilometragem é de 0 km..

    • Edson Fernandes

      Acho simplesmente lindo esse painel! Andei em um Kadett GSI e sempre ficou na memoria. Que carro sensacional!

  • Filipe Augustus

    Esse Honda Civic At ano 2000, foi do meu pai, ele comprou com 95 mil rodados, em 2006, aí depois de algum tempo eu fiquei com ele, inclusive essa foto eu quem tirei, depois comprei outro carro e ele ficou mais um tempo com o meu pai até os 208 mil rodados, aí meu pai vendeu alguns meses atrás, porem o carro nunca deu problemas no motor e nem no cambio automático! Esses carrinhos da Honda são indestrutíveis!

  • LondrinaMatsuri

    toyota bandeirantes

  • Matozao

    Hoje está com 203 mil km, corsa 2008

  • Valdemir Souza

    Na verdade chegar aos 200 km com o carro deveria ser a regra e não a exceção. Automóvel sempre foi bem durável, as fabricantes é que, através de marketing, mudaram a cabeça das pessoas, mas essa tendência de ficar mais tempo com o carro está voltando, hoje, principalmente nos EUA, o que tem de oficina especializada em cuidar de automóveis antigos. Com o tempo essa tendência também deve chegar aqui.

  • Marcos Souza

    Carros com mais de 10 anos(2006 pra trás) tem que estar com mais de 100mil km, dificilmente alguém anda menos de 10 mil km por ano… Ao em cidades muito pequenas e se forem de aposentados que saem pouco de casa.
    Eu sempre digo, carro usado com baixa km é loteria. O meu ta com 3 anos e 80.000 km! Imagina se um 2002 vai estar com 70 mil por exemplo?!?
    Aí o que normalmente acontece é que o cara compra um gol de 15 anos com 70 mil km, usa 4 meses o motor funde e aí ele sai falando que o carro não presta pq o motor fundiu antes dos 100 mil km. Mal imagina ele que o motor pode estar perto dos 500 mil!

    • invalid_pilot

      Eu rodo pouco, é possível sim carros mais velhos com km baixa, porém sao raros de se encontrarem

    • “Perguntador”

      Não é só aposentado não, eu comprei meu carro em 03/15 e hoje está com 9mil km rodados. Uns 6mil desses foram em estrada (em viagens de férias/feriados etc). Meu carro fica parado durante a semana (só uso a noite e nos findis).

    • Licergico

      meu pai acabou de vender um escort hobby 1995 com 35000 km ( é aposentado )

  • Ricardo Rangel Lirio

    Acredito que tudo depende de “onde, como e com quem anda” o carro, além do cuidado dado ao mesmo.

    Carros com o chamado “uso severo”, geralmente urbano, com pequenos percursos que não permitem o perfeito aquecimento e lubrificação do motor, tendem a torná-lo menos confiável que veículos que rodam grandes quantidades de quilômetros por dia, que rodam a maior parte do tempo nas condições perfeitas.

    O respeito aos intervalos de manutenções e o uso de peças e insumos de boa qualidade complementam esse quadro.

    De nada adianta ter um carro pouco rodado se nada nele fora feito preventivamente, ou se o proprietário o utilizou como “Bombril” ariando as vias ou sendo “Piloto” de fuga.

  • saosao

    Meu Civic já beira os 190 mil km. Alguém se habilita?

    • Bibendum

      Que ano?
      Vendi o meu LXS 2009 com 110 mil. Ainda estava bom, mas os amortecedores tinham perdido carga (não tinha mais a mesma estabilidade) e a embreagem já pedia água (na verdade ela já estava pesada desde os 80).
      E em longas viagens com umas boas aceleradas baixava meio litro de óleo.

  • saosao

    O cabra está todo orgulhoso que o carro dele está com 150 mil km e andando como um reloginho suíço, e aí vai na concessionária e ouve do avaliador que nem vai pegar o carro, que o carro com essa quilometragem é uma bomba, que vai dar muito problema, que é melhor vender para ele logo pela metade do preço para se livrar logo senão vai ter prejuízo ainda maior.
    E ele vende. Pela metade do preço.
    Aí, uma semana depois, na mesma css, encontra o carro dele com a metade da quilometragem vendida.

    • invalid_pilot

      Fato… Por isso que quando vou vender carro, prefiro vender para particular . Hoje com internet é mais fácil

    • Elizangela Oliveira

      Se isso acontece comigo, chamo a polícia!

  • Alexandre

    A curto prazo, prevejo uma enxurrada de carros com alta quilometragem no mercado, pois nesta crise, muitas pessoas estão colocando carros na Uber, na qual se roda tranquilamente 5 mil km/mês.

  • Na minha família, meu tio tinha uma Parati bola que chegou aos 220000 km, como todo VW da década de 90 parecia que ia desmontar, mas aguentou até que bem com as manutenções preventivas. Meu tio optou em trocar por um novo, em poucas CSS o aceitavam porque era um modelo 2 portas 1.0 16v e estava muito rodado. Como ele precisava de dinheiro, decidiu colocar uma placa de vende-se, UMA semana já tinha dois interessados, e no começo da segunda semana vendeu para o primeiro que foi conhecer o carro pelo dobro do que a CSS ofereceu. Detalhe, ele tinha o manual com todas as revisões anotadas e todo o histórico do carro, tudo que ele tinha trocado, uma pasta cheia de notas de quase 20 anos! Na hora que meu tio mostrou o rapaz fechou negócio na hora! Resumindo, é possível achar bons carros com alta km, mas é preciso ter algum tipo de procedência. No caso do meu tio foram a nota fiscal com o nome dele, e todo o histórico de revisões. E pelo que eu soube depois, o atual proprietário refez toda a suspensão, no mesmo lugar que meu tio levava o carro para revisão.

  • Bruno Luís

    Tenho um Palio 1.4 Attractive 2011 desde de zero sem nenhum problema 99 mil km rodados , nunca troquei amortecedores . Revisões básicas sempre respeitando troca de óleo a cada 5 mil km e correia dentada a cada 15 mil km.

    • Elizangela Oliveira

      Correia dentada a cada 15mil?

      • Bruno Luís

        Região onde moro tem muita mineração que proporciona muita contaminação entre correia e polia dentada sempre troco por prevenção aos 15 mil

        • Licergico

          taí um item que nunca troquei em carro nenhum que tive ( gol 130k km, courrier 195k, km ranger 100k km … )

          • Bruno Luís

            Gol motor CHT?

            • Licergico

              pô nem sei te dizer se era mais pelo ano acho q sim (1994). O item que eu mais trocava nesse gol era a descarga que furava ou quebrava a cada 6 meses .

            • nbj

              O motor CHT não tem correia dentada e sim corrente de comando (parecida com as de motocicletas).

              • Bruno Luís

                Já estava ciente sobre isso!

  • pedro

    Sinceramente, 100mil km pra um carro não é nada. Na minha família é raro o carro que não chegou nos 100 mil km. Eu nunca rodei tanto com um carro, mesmo usado, porque a minha cidade não é tão grande e pra trabalhar não se anda tanto, mas na maioria das pessoas que conheço, já tiveram carros com essa quilometragem.

  • Luis Burro

    Tive uma professora q tinha um Corcell 2 q parecia recem sair da fabrica.Ela soh usava ele na cidade e duvido muito ter chegado a velocidade máxima algum dia.

    Obs:Como fica a garantia de carros comprados Jah muito tempo mas nunca usados e 0 km?

    • Elizangela Oliveira

      A garantia é por km ou tempo, o que vencer 1º.

  • Elizangela Oliveira

    Duas coisas determinam a qualidade de um usado: 1) Manutenção; 2) Cuidado no uso. Compramos um palio de locadora com 31mil km e vendemos com 80mil km, não foi preciso nem trocar pastilhas. Uma troca de pneus, a bateria, e correia e tensor preventivamente aos 60mil, como manda o manual. Vi o carro depois de um ano com o outro proprietário, tava um bagaço.

  • André Pira

    Meu Mille 2007 tá com 120mil/k e tá muito bem! Compressão normal, Consumo e etc também! Vai do cuidado de cada um, eu só levo em mecânico especializado!

  • Yuri Lima

    Meu pai tem uma Quantum 99 Exclusiv (modelo com bancos Recaro de fábrica)
    Ela usa GNV e está com saudáveis 270mil km sem nunca ter aberto o motor.
    E anda (muito) bem!

  • Bibendum

    Eu sinto um desperdício em trocar um carro com baixa km.
    Até porque prefiro carro zero.
    Só que vai chegando a 70, 80, 100 mil, e dá pra notar nitidamente a decadência do carro no geral.
    Nessa faixa já precisa de discos (se ainda não foram trocados), amortecedores já perderam muita eficácia, buchas/coxins provavelmente já estão desgastados, se ele for manual a embreagem já está mal das pernas (se o uso for urbano), se for automático tem que fazer a troca do fluido, o carro faz barulhos internos, talvez já foi batido, tem riscos, etc.
    Hoje em dia tem a vantagem que a elétrica é mais robusta. Mas os carros dos anos 90 começavam a incomodar vidros elétricos, travas, alternador e tudo mais.
    Motor é o de menos: com óleo e líquido de arrefecimento em ordem, dura muito.
    Agora que o fato de nos obrigarem a consumir mais e mais e mais e mais é uma sacanagem eu concordo totalmente. Um carro não precisa ser trocado antes de 5 anos.

  • Nós tivemos um Corsa Maxx 1.0 2005 em casa, rodou até os 70 mil km com a gente. Depois passei o danadinho para o meu irmão, e ele passou para a esposa dele depois. Pois ele está com 135 mil km e esbanjando saúde. Valente, o carrinho.
    Manutenções? Trocou disco de freio uma vez, pastilhas a cada 45 mil km em média, óleo a cada 5 mil km, pivôs perto dos 100 mil km. E foi só.
    Agora, já rodei muuuuito com carros acima dos 100 mil km. Fusca (meu primeiro carro), Passat, Parati, Vectra G1 (o G2 que tive passei para frente perto dos 100 mil km). Via de regra, não tem muito drama em rodar com carros de quilometragem avançada, não. É só cuidar direito que pouca coisa muda com relação aos carros pouco rodados. Claro, os ruídos internos vão aumentando, mas nada que incomode muito, não.

  • Rodrigo

    O meu está com pouco mais de 127.000km (Clio authentique 2007/2008)
    E ainda vai somar muitos km, pois trocar de carro nem passa pela minha cabeça …. vai ser usado até que vire pó.

  • Tarcizio

    tenho um HB20 2014, 105.000 hj, fiz as revisões ate 100k na css, e foi a ultima, quando fui fazer a de 100k não tinha nem cadastrado no sistema quanto custava e o que iria trocar. De fato as CSS não estão esperando o consumidor passar dos 100k, o carro tem que pintar tudo (arranhados e pequenas colisões) mas não quebrou nem nunca tive que trocar peça nenhuma alem das revisões básicas. que venha 200k 300k, vou ficar com ele mais uns 6 – 8 meses com o carro e depois vou dar pro meu pai, o land rover defender 2000 dele esta com 280k e firme e forte ainda.

  • rodrigo

    Ja vi hilux 2006 fechando 500.000km segundo proprietario fazendo apenas revisoes periodicas e alguns defeitos cronicos que a marca se responsabilizou pela troca.

  • Fernando Fagundes

    Tive um Fiat Uno Fire 2003, comprado zero quilômetro e rodei em 4 anos 115.000 Km.

    Troca de pneus aos 60.000 km, já estavam na hora de troca de novo.

    Além dos pneus, tive que trocar os braços axiais e o coxim do câmbio aos 80.000 km. Houve troca de bateria tb. Ele utilizava uma bateria de baixa amperagem, menos de 30 A. E de manutenção corretiva foi só.

    O resto foi apenas manutenção preventiva.Um ótimo carro.

    Em 2010 adquiri um Ford Focus Hatch GLX 1.6, zero quilômetro. Rodei mais de 139.000 Km em quatro anos e meio de uso. Carro maravilhoso.

    Pneus trocados aos 80.000 km e quando vendi dois deles já tinham passado da hora de trocar de novo, isso porque aos cem mil, rodando por São Vicente, caí em uma cratera e rasguei um deles, sendo obrigado a trocar o par do mesmo eixo. De manutenção corretiva uma bobina e duas trizetas, trocadas em garantia. Houve troca de bateria tb.

    Esse focus foram quase 140 mil quilômetros sem trocar uma peça da suspensão, apenas alinhamentos e balanceamentos. Um dos melhores carros que tive, o único senão era pegar estrada carregado, apesar do sigma ser um motor esplêndido, 115 cv eram poucos para seus 1300 kg.

    Minha conclusão é que, se for ficar bastante tempo com o carro e rodar bastante, vale a pena comprar zero e cuidar dele direitinho. Se fizer as revisões preventivas conforme o manual, sem mesquinharia, o carro devolve o zelo com confiabilidade de um convívio sereno.



Send this to friend