Finanças Ford Governamental/Legal Hatches Manutenção

Casal ganha ação judicial contra fabricante após veículo 0 km apresentar defeitos

new-fiesta-x-novo-ka-1 Casal ganha ação judicial contra fabricante após veículo 0 km apresentar defeitos

Um casal do Rio Grande do Sul, proprietário de um Ford New Fiesta 2014, ganhou uma ação judicial contra o fabricante americano por causa de defeitos apresentados pelo veículo após a compra. O carro foi comprado com um usado na troca, bem como entrada e financiamento.



De acordo com o concessionário Ford, o New Fiesta estava no estoque da loja e seria entregue alguns dias depois, devido a procedimentos administrativos. No dia da entrega, os donos ficaram sabendo que as entregas do modelo haviam sido suspensas por causa de um recall.

O veículo em questão já estava emplacado e liberado pelo Detran-RS. Sem mais explicações por parte do concessionário, o casal decidiu reclamar publicamente em um site especializado e três dias depois o veículo acabou sendo entregue. Até aí tudo bem, mas uma semana depois, o New Fiesta começou a apresentar uma série de defeitos.

Entre eles o não fechamento do vidro traseiro, baixo nível de óleo, alerta de mau funcionamento do motor e falhas no ar-condicionado. Após reparos no centro de assistência da fábrica, o veículo continuou com problemas. O carro teria sido levado várias vezes para análise e reparo, mas chegou a ter pane generalizada.

Num primeiro momento, o carro ficou 17 dias parado e no total, foram cerca de cinco meses de idas e vindas até que o veículo ficou em condições de uso. A Ford teria alegado que a demora na entrega do veículo se deveu ao fato do mesmo ser produzido na Argentina e por conta disso as peças demorariam a chegar, de acordo com o publicado pelo Tribunal de Justiça do RS.

Nesse caso, há uma certa confusão, já que o New Fiesta é feito em São Bernardo do Campo desde 2013. Antes disso, ele era importado do México. Bom, no período em que o veículo ficou parado – cerca de 50% do tempo, segundo os proprietários – o casal teve de utilizar o transporte público e locar outro automóvel.

O pedido de indenização foi considerado procedente em Juízo de 1º Grau e foi determinada a restituição dos gastos com locação de veículo, bem como indenização por danos morais no valor de R$ 10.000. A montadora entrou com recurso. De acordo com o desembargador Jorge André Pereira Gailhard, o “o mínimo que um consumidor espera quando adquire um produto novo, cuja marca é de grande renome, é que este não venha a apresentar problemas logo após a compra”.

O juiz ainda ressaltou que “os problemas apresentados pelo veículo colocaram a vida dos autores em risco, o que é inadmissível”. O magistrado completou: “Em decorrência dos inúmeros vícios ocultos reiteradamente apresentados pelo automóvel comercializado, os quais sequer foram solucionados em tempo razoável, tenho que deve ser mantida a condenação da fornecedora por danos morais”. Por conta disso, a condenação da Ford foi mantida.

[Fonte: TJ-RS]

Agradecimentos ao Samuel de Oliveira Cursini.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend