Celta 2010: motor, consumo, equipamentos, ficha técnica

O Chevrolet Celta 2010 era um carro popular muito básico, mas pronto para enfrentar a realidade brasileira com economia e baixo custo de manutenção. Verdadeiro meio de transporte, foi um produto que a GM explorou bem por aqui e vendeu mais de 1,5 milhão.


O hatch compacto feito em Gravataí-RS foi produzido por 15 anos e teve um papel fundamental na motorização, ainda que tenha recebido poucas mudanças e equipamentos ao longo da vida, como o modelo 2010.

Nesse caso, pelo menos, o Celta 2010 teve algo bom adicionado, o motor VHC-E, que recebera mudanças que o deixaram mais econômico e com maior potência e torque. Com até 78 cavalos ante os 72 cavalos anteriores, ficou mais ágil.

Também recebeu acelerador eletrônico, que tornou a resposta ao pedal mais rápida e eficiente, evitando assim desperdícios. Outra novidade para o Celta foi o aumento do tanque de combustível, passando de 47 para 54 litros.

Isso sem contar a adição da versão Spirit, que chegou trazendo de série vidros elétricos dianteiros com função one touch para subida e descida, assim como sistema antiesmagamento e abertura automática de descompressão, característica da Chevrolet.

Celta 2010 – detalhes

Tendo perfil aerodinâmico interessante e linhas fluidas, o Chevrolet Celta 2010 foi um carro que o brasileiro aprendeu a gostar, com a praticidade de dispor de duas ou quatro portas, tendo ainda um porta-malas com 260 litros.

Ainda que não tivesse bom espaço atrás, o Celta foi o carro suficiente para muita gente, que necessitava de um veículo barato e com manutenção acessível em custo, ajudando especialmente quem estava começando a vida financeira.

Derivado do Corsa B, foi uma versão simplificada do mesmo, que usou a plataforma GM 4200 e o motor da Família I da GM por todo o tempo de mercado. Dotado de faróis grandes e simples, tinha frente esguia e traseira com colunas C largas.

O desenho das janelas era igualmente simples, assim como as lanternas, de modo a custar o menos possível e assim ter um preço acessível. Por ser o mais em conta da GM, foi o Chevrolet mais vendido do lançamento até a chegada do Chevrolet Onix.

Compartilhando componentes com o Chevrolet Prisma, foi rival do Fiat Uno Mille e do Fiat Palio, assim como do Volkswagen Gol e do Ford Ka. Simples, oferecia apenas o necessário para atender a legislação de trânsito nacional.

Em segurança, por exemplo, só teve airbag duplo e freios ABS por força de lei em 2014, mas com eles durou muito pouco, devido ao alto custo e à proeminência do Onix, que ganhou a versão Joy para substituí-lo em 2016.

Na linha 2010, o Chevrolet Celta era oferecido nas versões Life e Spirit, com preços a partir de R$ 24.963, tendo a primeira opção de duas ou quatro portas, com a segunda apenas tendo essa configuração.

Com muitos plásticos de baixa qualidade, painel com conta-giros, bancos comedidos e pouquíssimo equipamento, o Celta enfrentou concorrentes igualmente fracos em conteúdo, qualidade e segurança, numa época em que tudo era opcional.

Nas revendas Chevrolet, ainda existia a opção de adicionar acessórios ao Celta 2010, para o mesmo ficar mais equipadinho e agradável, mas isso só deixava o carro mais caro no final, ainda que a desvalorização do mesmo fosse mais baixa que o de muito carro acima.

No mercado de usados era e ainda é um carro que não para na loja, buscado por consumidores de baixo poder aquisitivo, que precisam de alternativa ao transporte público e carro de aplicativo.

Com tantos carros na praça, o Celta tem larga oferta de peças e componentes, especialmente no mercado de autopeças, garantindo assim o acesso ao que é necessário. Também é amplamente conhecido em qualquer oficina de carros comuns.

Provado e aprovado por muitos, o Celta é um produto confiável se em bom estado de conservação e manutenção. Ainda que longe do conforto dos carros atuais, mesmo com ar-condicionado e direção hidráulica, o hatch da GM atende bem ao lema: “te leva do ponto A ou B”.

Além disso, tinha a economia como aliada. Diferente de hoje, com preços exorbitantes, em sua época ainda dava para encarar gasolina e álcool nos postos. Com o Celta, oficialmente se fazia 13,8 km/l na cidade e 16,9 km/l na estrada, usando gasolina.

Com o combustível vegetal, o Celta 2010 era mesmo bom: 9,5 km/l na cidade e 12,2 km/l na estrada. Usando uma caixa de câmbio manual de cinco marchas, confiável, bem como tendo baixo peso (menos de 900 kg), o popular da Chevrolet podia rodar até 912 km com um tanque…

O Celta 2010 tinha faróis grandes com lentes simples, incorporando lanternas e repetidores de direção. A grade era na cor preta ou na cor do carro, dependendo da versão, tendo entradas de ar sob frisos. Com capô encimado com o molde da grade, alinhava-se com o para-choque.

Este tinha grade inferior ampla e moldes para faróis de neblina, vendidos como acessórios. Tinha cor preta na Life e na cor do carro na Spirit. Já as rodas eram de aro 13 polegadas com calotas integrais de dois estilos, a depender da versão.

Os pneus eram 165/70 R13, mas havia na rede Chevrolet a opção de rodas de liga leve aro 14 polegadas com pneus 185/60 R14, enquanto os retrovisores e maçaneras eram pretos ou na cor do carro, com vidros verdes e o traseiro térmico.

Havia ainda para-brisa laminado e lavador e limpador do vidro traseiro, com desembaçador. Atrás, as lanternas eram verticais e de iluminação simples.

Por dentro, o Celta 2010 tinha cluster analógico com iluminação amarela, contendo conta-giros, velocímetro e nível de combustível, além de temperatura da água. Tinha também difusores de ar circulares, ar-condicionado opcional, assim como direção hidráulica.

Ao centro do painel, espaço 1din para rádio Positron com USB, além de quatro alto-falantes e antena. Os bancos eram em tecido e as portas tinham acabamento em plástico, com vidros elétricos one touch na frente e travas elétricas centralizadas.

Os vidros traseiros eram manuais na versão 4 portas e os bancos dianteiros eram reclináveis na versão 2 portas. Já o banco traseiro era rebatível e com apoios de cabeça. O bagageiro tinha 260 litros e iluminação.

Celta 2010- versões

  • Chevrolet Celta Life 1.0 VHC-E 2 portas
  • Chevrolet Celta Life 1.0 VHC-E 4 portas
  • Chevrolet Celta Spirit 1.0 VHC-E 2 portas
  • Chevrolet Celta Spirit 1.0 VHC-E 4 portas

Equipamentos

Chevrolet Celta Life 1.0 VHC-E 2 portas – Motor 1.0 VHC-E com transmissão manual de cinco marchas, mais para-choques pretos, maçanetas e retrovisores pretos, rodas de aço aro 13 polegadas, calotas integrais, pneus 165/70 R13, vidros verdes, para-brisa laminado, vidros manuais, travas manuais, retrovisores externos com controle interno, banco traseiro rebatível, ventilador, cluster com conta-giros, fonte 12V, bancos dianteiros reclináveis, apoios de cabeça nos bancos dianteiros e traseiros, cintos de segurança de três pontos nas laterais, cinto subbdominal no centro do banco traseiro, iluminação interna, retrovisor interno dia e noite, para-sol do lado do passageiro com espelho, limpadro do para-brisa com intermitência, bancos em tecido, porta-malas com iluminação e forração de assoalho, alça de teto para passageiro dianteiro, cobertura do bagageiro, entre outros.

Opcionais: ar-condicionado, direção hidráulica, vidros elétricos dianteiros one touch, travamento central elétrico, para-choques na cor do carro, ar quente, desembaçador traseiro, limpador e lavador do vidro traseiro, preparação para som com quatro alto-falantes e antena, rádio com USB e alarme.

Chevrolet Celta Life 1.0 VHC-E 4 portas – Itens de série da Life 2 portas, mais portas traseiras com vidros manuais e travas de segurança para crianças.

Opcionais: ar-condicionado, direção hidráulica, vidros elétricos dianteiros one touch, travamento central elétrico, para-choques na cor do carro, ar quente, desembaçador traseiro, limpador e lavador do vidro traseiro, preparação para som com quatro alto-falantes e antena, rádio com USB e alarme.

Chevrolet Celta Spirit 1.0 VHC-E 2 portas – Itens de série da Life, mais para-choques na cor do carro, vidros elétricos dianteiros one touch, travamento central elétrico, desembaçador traseiro, limpador e lavador do vidro traseiro, bancos com padronagem diferenciada, preparação para som com quatro alto-falantes e antena.

Opcionais: ar-condicionado, direção hidráulica, ar quente, limpador e lavador do vidro traseiro, rádio com USB, alarme, retrovisores e maçanetas na cor do carro, rodas de liga leve aro 14 polegadas, pneus 185/60 R14 e faróis de neblina.

Chevrolet Celta Spirit 1.0 VHC-E 4 portas – Itens de série da Spirit 2 portas, mais portas traseiras com vidros manuais e travas de segurança para crianças.

Opcionais: ar-condicionado, direção hidráulica, ar quente, limpador e lavador do vidro traseiro, rádio com USB, alarme, retrovisores e maçanetas na cor do carro, rodas de liga leve aro 14 polegadas, pneus 185/60 R14 e faróis de neblina.

Preços

  • Chevrolet Celta Life 1.0 VHC-E 2 portas – R$ 17.796*
  • Chevrolet Celta Life 1.0 VHC-E 4 portas – R$ 20.286*
  • Chevrolet Celta Spirit 1.0 VHC-E 2 portas – R$ 18.264*
  • Chevrolet Celta Spirit 1.0 VHC-E 4 portas – R$ 23.050*

(*) Tabela Fipe.

Celta 2010 – motor

O Celta 2010 tinha motor GM Família I chamado VHC-E, o “E” está relacionado com ecológico, econômico e energético. Com isso, o motor ficou mais potente, dada a mudança em pistões, bielas, bronzinas, juntas, óleo lubrificante e junta de cabeçote.

Os ajustes ainda incluíram mudanças na ECU e outras alterações que deixaram o VHC-E mais leve de funcionar e com isso mais econômico. Reduzindo assim o atrito entre as partes, a GM também ampliou a vida útil do motor, que ainda passaria por mais atualizações.

Hoje, o VHC-E não existe mais, sendo substituído pelo SPE/4, que deve sair de linha em breve por causa do Proconve L7. Desenvolvido pela Adam Opel AG em 1982, o Família I surgiu com a Família II, que chegou aqui em 1983 a bordo do Monza, que era um carro médio.

Na Opel, para equipar carros menores, como a primeira geração do Corsa, a empresa desenvolveu um modelo menor do Família II, que teve de 1.0 a 1.8 litro, dependendo da época e aplicação. O Família I é um motor menor e que assim cabia em carros como o pequeno hatch.

No Brasil, com o Chevette ainda sendo produzido até 1993, a GMB não tinha como trazer o Família I, que só chegou em 1994 a bordo do Corsa B. Com bloco em ferro fundido, ele tem cabeçote de alumínio com duas válvulas por pistão e comando de válvulas roletado.

Utilizando tuchos hidráulicos, o VHC-E tem câmara de combustão de fluxo cruzado, que permite melhor rendimento, além de bobina eletrônica e injeção eletrônica multiponto com tecnologia flex, usando tanquinho de gasolina para partida a frio.

O comando é acionado por correia dentada e vem ainda com bomba de óleo de alta pressão. Assim, a GM manteve as características originais do projeto com grande confiabilidade e durabilidade.

Com 999 cm³, o VHC-E tinha taxa de compressão de 12,6:1 e entregava 77 cavalos na gasolina e 78 cavalos no etanol, ambos a 6.400 rpm. Já o torque tem 9,5 kgfm no derivado de petróleo e 9,7 kgfm no combustível vegetal, ambos a 5.200 rpm.

A transmissão manual tem cinco marchas e embreagem de acionamento mecânico, sendo uma caixa de câmbio F17 Minus HR, que é bem confiável e tem sistema Close Ratio.

Desempenho

  • Chevrolet Celta 1.0 VHC-E 2 portas – 0 a 100 km/h em 13,4 segundos
  • Chevrolet Celta 1.0 VHC-E 4 portas – 0 a 100 km/h em 13,4 segundos

Consumo

  • Chevrolet Celta 1.0 VHC-E 2 portas – 9,5/12,2 km/l e 13,8/16,9 km/l
  • Chevrolet Celta 1.0 VHC-E 4 portas – 9,5/12,2 km/l e 13,8/16,9 km/l

Celta 2010 – manutenção e revisão

A rede Chevrolet tem planos de revisão a cada 10.000 km ou 12 meses para o Celta 2010. O compacto da GM tem parada de manutenção com inspeção de itens básicos de direção, suspensão, freios, motor e transmissão.

Além disso, as revisões incluem troca de óleo, filtro de óleo, filtro de ar, fluido de freio, velas, correia dentada, correia em V e palhetas de limpadores. Também tem serviços adicionais, como funilaria, pintura, alinhamento, balanceamento, cambagem, recall, instalação de acessórios, entre outros.

O Celta 2010 também tem troca de itens de desgaste natural nas revendas ou oficinas especializadas, tais como pastilhas de freio, lonas de freio, discos de freio, rolamentos, buchas de balança, coxins de motor e câmbio, bucha de barra estabilizadora, batentes das torres, molas, amortecedores, pneus, coifas, pivôs de direção, pneus, entre outros.

Toda a parte mecânica e estrutural do Celta 2010 pode ser reparada em oficinas especializadas, sendo assim um veículo que permite completa manutenção e restauração de seus componentes, peças e arquitetura de aço ou plástico.

Celta 2010 – ficha técnica

Motor1.0 VHC-E
Tipo
Número de cilindros4 em linha
Cilindrada em cm3999
Válvulas2
Taxa de compressão12,6:1
Injeção eletrônicaIndireta
Potência máxima77/78 cv a 6.400 rpm (gasolina/etanol)
Torque máximo9,5/9,7 kgfm a 5.200 rpm (gasolina/etanol)
Transmissão
Tipo5 marchas
Tração
TipoDianteira
Partida
TipoMecânica
Freios
TipoDiscos dianteiros e tambores traseiros
Suspensão
DianteiraMcPherson
TraseiraEixo de torção
Rodas e Pneus
RodasAço aro 13 polegadas
Pneus165/70 R13
Dimensões
Comprimento (mm)3.788
Largura (mm)1.626
Altura (mm)1.408
Entre eixos (mm)2.443
Capacidades
Porta-malas (L)260
Tanque de combustível (L)54
Carga (Kg)470
Peso em ordem de marcha (Kg)890
Coeficiente aerodinâmico (cx)ND

Celta 2010 – fotos

Autor: Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 26 anos. Há 15 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações.

Deixe um comentário