Antigos Chevrolet EUA História

Chevrolet Cavalier, o Monza dos americanos

chevrolet-cavalier-eua-1

Chevrolet Cavalier

Antes de ficar famoso no Brasil, o nome Monza havia sido utilizado pela GM em outro produto, um cupê 2+2 lançado na América do Norte em 1975. Este era bem diferente da proposta mundial da plataforma J, que no começo dos anos 80 começou a tomar conta de vários projetos da montadora.

Em 1982, surgia tanto o Opel Ascona na Alemanha, quanto o Vauxhall Cavalier no Reino Unido. No Brasil, um ano depois, surgia o Chevrolet Monza. Nos EUA, esse nome foi substituído pelo Cavalier, que já foi um conceito da AMC e identificou dois modelos anteriores, sendo um da Packard e outro da Opel.

chevrolet-cavalier-eua-3

Chevrolet Cavalier Convertible

O Chevrolet Cavalier era bem diferente em estilo de seu homônimo inglês, adotando frente quadrada com faróis duplos e grade sóbria. No entanto, a plataforma era a mesma do Monza brasileiro e de outros da plataforma J, inclusive sendo identificados pelo estilo de portas e janelas.

chevrolet-cavalier-eua-4

Chevrolet Cavalier Coupe

Para ter mais porta-malas proeminente, a GM estreitou as colunas C, mas preservando o estilo geral da J. O único modelo que se distanciava mais do projeto global da GM era a versão perua, bem mais ao estilo americano. Havia também um hatchback chamado Type 10, que lembrava o Monza hatch brasileiro, embora mais alongado. O sedã podia ter duas ou quatro portas.

chevrolet-cavalier-eua-2

Chevrolet Cavalier Wagon

O Cavalier recebeu motor 1.8 OHV de 88 cv, diferente do OHC oferecido no Monza. No segundo ano, surgiu um 2.0 de 86 cv, seguido por outro de 90 cv. Por fim, antes do facelift de 1988, o compacto da Chevrolet recebeu um 2.8 V6 de 130 cv, todos montados em transversal e OHV.

chevrolet-cavalier-eua-6

Chevrolet Cavalier Sedan

Visual muda e surge até versão Toyota

Em 1988, a GM lançou a segunda geração, que deixou o visual mais moderno, apesar de preservar muito do anterior. O entre-eixos, por exemplo, foi mantido. Sedã e perua tinha quatro portas, enquanto cupê e conversível completavam a gama.

chevrolet-cavalier-eua-5

Chevrolet Cavalier Coupe Z24

O motor 2.0 de 90 cv anterior foi mantido, mas um novo 2.2 de 95 cv e depois 110 cv, dominou a gama. O V6 2.8 foi acompanhado por um novo V6 3.1, que entregava 140 cv. Apesar de já entrar nos anos 90, a transmissão automática ainda era de três marchas. Um facelift em 1990 alterou pouco o entre-eixos e criou um estilo sem grade no Cavalier.

chevrolet-cavalier-eua-7

Chevrolet Cavalier

Em 1995, o Cavalier alcançou a terceira geração, que de fato fez jus ao termo, pois era um carro totalmente novo. Com 2,64 m de entre-eixos, o modelo chegou a ser vendido no Japão como Toyota Cavalier. Seu estilo era mais arredondado e seguindo a tendência dos anos 90.

toyota-cavalier

Toyota Cavalier

Nas versões, perdeu a opção perua. Além disso, o Chevrolet perdeu os V6, ganhando no lugar 2.3 e 2.4, além de novos 2.2, todos DOHC. A maior potência era de 150 cv nos dois motores maiores e chegou a ganhar um supercharger no esportivo Z24, mas era um kit feito pela Eaton, que entregava 190 cv.

chevrolet-cavalier-eua-8

Em 2005, o Cavalier se despediu das linhas de montagem para dar lugar o Cobalt, cujo nome foi ressuscitado alguns anos depois no Brasil. Da mesma forma, recentemente a GM apresentou um sedã compacto na China com o mesmo nome desse “Monza americano”.





  • Gian

    Como o Brasil esteve fechado para importações por tantos anos, o Monza por aqui evoluiu bem menos durante sua trajetória.

    Num mercado com poucas opções, ele facilmente se manteve como “o carro moderno” por muitos anos e foi o sucesso que conhecemos.

    Acho que foi em 92 que morreu no Brasil. Se não me engano, foi pouco depois de quando começaram as importações. Foi uma época interessante porque, de uma hora para a outra, os veículos deram um salto em tecnologia.

    • DPSF

      96 foi ultimo ano de fabricação do monza no Brasil. Não resistiu a chegada do vectra. Na reestilização, feita em 91 (frente tubarão) a GM BR deu uma bola fora e manteve praticamente o mesmo painel do lançamento. O carro merecia um painel mais moderno…

      • Marcelo Paiva

        A bola fora da GMB foi ter mexido só nas extremidades do carro. Nisso a VWB fez um melhor serviço no “novo” Santana de 91: alterou tb o formato do teto, tirou as calhas, botou painel novo, etc. Mas também pecou ao manter as mesmas portas do modelo anterior.

        O Monza foi quase sempre muito similar ao Opel Ascona, que era bem mais bonito que o Chevy Cavalier.

        • Pedro Cunha

          Concordo com você, mas o Cavalier norte-americano seguia as tendências estéticas daquele mercado naquele tempo, uma escola muito diferente do quê se via na europa. Mesmo na Europa, havia o Vauxhall Cavalier, que era o “Ascona da terra da rainha Elizabeth”… Legal é ver que mesmo “feio”, o “Cavalier usa-spec” inspirou vários fabricantes de fora-de-série por aqui, sendo mais expressivo a ENVEMO com vários bodykits e conversões completas para Monzas Hatch e sedã.
          Podemos responsabilizar as “linhas quadradas” dos americanos da década de 80 pelas exigências legais para proteção de impactos, bem como a necessária redução de peso das carrocerias, eliminando párachoques de aço por modelos em fiber-glass ou plástico, o que determinou uma ligação entre forma e função.

          • Marcelo Paiva

            Os kits da Envemo transformando o Monza em Pontiac são um clássico da época! :D

            • Marcelo Paiva

              Clássico!

          • Marcelo Paiva

            Os kits da Envemo transformando o Monza em Pontiac são um clássico da época! :D

            Ficava bem parecido!

    • Marcelo Paiva

      É. Relendo as edições antigas da 4Rodas é legal ver que em 91 eles elogiavam o visual de um carro, e em 93 já chamavam o mesmo carro de obsoleto visulamente. Foi uma época de grandes mudanças.

    • pedro rt

      o monza foi lançado em abril de 1982 no brasil e saiu de linha em 21/08/1996

  • Fabão Rocky

    Gostei mto do coupé c/ faróis duplos quadrados c/ a coluna C bem inclinada. Um estilo meio notchback/coupé. Pena q não vemos mais carros assim c/ esse estilo.
    Só vejo uma poluição visual nas ruas de hatches curtos, apertados e altinhos como novo Uno, Fox, UP, c/ formato de bota ortopédica, isso qdo não querem se parecer c/ uma minivan tbm, sem falar nessa modinha de SUV.
    Onde foram parar as Station Wagon, os notchbacks, os coupés e conversíveis derivados de modelos mais acessíveis, os sedans médios de 2 portas, os saudosos esportivos como Kadett GSi, Gol GTi, Escort XR3 (sendo q Escort e Kadett tinha até versão conversível)?
    Saudades desse tempo em que tínhamos uma maior variedade de carros!

    • Marcelo Henrique

      O que ocorreu foi justamente o que você disse, o povo vive de modinhas.
      Quando a Fiat lançou o Stilo com aquele teto solar diferente, via muito nas ruas. Idem para o lançamento do Renegade e HRV.

    • pedro rt

      o mercado so faz oq o consumidor deseja e o consumidor ja ha muito tempo nao quer mais sedan 2 portas, perua 2 portas, conversivel, cupe e notchback. carros 2 portas hj so se forem de entrada ou de nicho assim como tmb e com cupe e conversivel. ja as peruas e uma tendencia mundial elas desaparecerem assim como foi com os sedans 2 portas e peruas 2 portas.
      qto aos esportivos mais baratos pelo menos isso esta voltando com o up! tsi, hb20 turbo, sandero RS e 208 GT

  • Ediomar

    Assim como esse Cavalier que usava a mesma base do nosso Monza a GM teve uma versão americanizada do Vectra b entre os anos 90 e 2000 vendida pela extinta Saturn como LS1 e LS2,inclusive utilizava o mesmo 2.2 16v vendido aqui e o 2.5 V6 ecotec europeu.

    • Marcelo Henrique

      As versões americanas eram bem feinhas. Os Opel eram bem mais elegantes.

      • Marcos Souza

        A Opel sempre fez carros bonitos. Os chevrolets bonitos sempre foram feitos por ela: Monza, Vectra 1, 2, 3(astra), o astra, zafira, corsa(1 e 2) etc…

      • Marcos V. S. Santos

        Rapaz é mesmo! olha as janelas do Vectra B no LS1.. sem contar a perua, que tem a “mesma” traseira do Vectra Caravan, mudando alguns detalhes apenas…

        • Ediomar

          Se o olhar o painel esse muda bastante mas vemos muitos elementos iguais ao Vectra como partes das portas posição dos botoes dos vidros elétricos entre outros,fora que esse carro tinha bem mais luxo que o Vectra inclusive com bancos elétricos e com aquecimento e airbags laterais e de cortina coisa que o Vectra B nacional nunca conheceu.

    • Pedro Cunha

      Achei bonito… lembra algo dos Saab na dianteira e ostenta bem a identidade da falecida Saturn.

      • Filipe Augustus

        Na verdade, mesmo a GM tentando, não tem como deixar o Vectra B feio!

        • Cesar Mora

          Achei a lateral bem Taurus… ele não é feio, mas o “nosso” era muito mais fluido, moderno e de aparência leve…

  • Mr. Car

    Gostei do conversível e da Station.

  • Gustavo Miranda

    O Cavalier inglês que era em tudo igual ao Ascona e ao Monza também teve uma versão SW, talvez antes da Ipanema um Monza SW teria se saído melhor no mercado nacional, talvez com um trato melhor nas lanternas traseiras em relação ao Vauxhall, mas ainda seria bem melhor do que aquele pavoroso serviço de funilaria de fundo de quintal que apareceu na 4 Rodas nos anos 80…

    • Filipe Augustus

      Existiu uma única produzida no Brasil, com carroceria duas portas, não se tem ideia da onde esse carro esteja! Nessa foto ela tem a traseira igual a alemã, porem com carroceria 2 portas!

      • Gustavo Miranda

        Caraca! Deve ter sido um produto para clínica de aceitação pública e que acabou nas mãos de um funcionário ao invés de ser sucateada. Bom, se eu fosse um dos envolvidos no projeto teria torrado as paciências da presidência da GM até conseguir a criatura para mim, hehehe…

  • Luccas Villela

    Achei o Cavalier americano bem mais bonito. Não entendo essa babação pela Opel.

    • Marcelo Paiva

      Gosto é gosto. Só acho que o Cavalier parecia mais antigo que o Opel/Vauxhall/Monza equivalente.

    • Gustavo Miranda

      O legal da Opel é sua organização e como eles costumavam criar uma unidade em toda a sua linha de produtos, a Chevrolet americana é errática, dava e ainda dá tiro para todos os lados, possui poucos carros com tradição, o restante são produtos que não ajudaram em nada a criar uma relação afetiva entre consumidor e a marca, mas isso é algo que atinge muito mais a empresa que a gente. A exceção do primeiro Cavalier dos EUA, os demais sempre foram melhor resolvidos esteticamente que o Monza e o Ascona. A Opel tentou resolver um problema de produção criando outro problema estético ainda pior, os faróis, grades e lanternas do Ascona tinham chanfros e frisos enormes com a lataria para reduzir a necessidade de alinhamentos na montagem, idem para as frestas enormes entre portas, parachoques e a carroceria, deixando o conjunto todo desengonçado desde novo. Isso prejudicou muito as primeiras gerações do Ascona em relação ao Jetta e o Sierra da Ford. E o nosso Monza herdou esse defeito do Ascona. Note que tanto o Cavalier dourado como o prata contemporâneo do nosso Monza não tiveram esse problema, aliás, quando eu era criança aqui em Curitiba via bastante desse Cavalier prata da foto, ele era tão bem construído como um Civic enquanto o nosso Monza cabia um dedo em qualquer junção da lataria. A Chevrolet americana teve mais carros que eram até mais charmosos que um Opel, como o Corsica e o coupé Beretta, dois belos exemplos de carros bem desenhados e que tinham mais cara de GM brasileiro que o Omega. Quanto aos dias de hoje, felizmente a GM da China está resolvendo os desastres estéticos dos Chevrolets coreanos dessa última década, vem coisa boa nos próximos anos.

      • Luccas Villela

        Acho que a sua opinião foi a mais acertada. Por mais que eu prefira exageros estéticos a carros sem sal, em certo ponto concordo com você.

      • Usa8

        Concordo em partes. A GM nos idos de 80 e 90 era confusa, com produtos ora excelentes, ora ruins; e muito sobrepostos, tinha uma dúzia de marcas que se tornaram anacrônicas, mas dizer que a Chevrolet possui poucos carros com tradição é olhar apenas para o segmento dos compactos.
        E a Coréia continua desenvolvendo carros Chevrolet, vide o novo Spark. Mas a tutela parece ter passado pelo é para a GM USA.

  • Carolina V.

    Eu sempre gostei desses Chevrolet’s estadunidenses.

  • pedro rt

    o opel ascona/vauxhall cavalier foi lançado em 1981 na europa e em 1982 no brasil, a materia esqueçeu de citar esse detalhe. inicialmente na versao hatch com motor 1.6 e sedan 2 portas com motor 1.8, em 1983 chegou o 4 portas e em 1985 o face lift da linha, em 1986 chegou o motor 2.0. em 1991 como linha 92 chegou a unica reestilizacao do monza q durou ate 96.

  • Osni Duarte

    Acho que os anos 80 foi o período em que o mau gosto mais predominou na indústria americana. O estilo europeu era bem mais agradável aos olhos!

  • fbl

    Saudoso Monzão EF500 com seu 2.0i. Da época que a GM fazia carros interessantes no brasil e honrava sua tradição.



Send this to friend