Chevrolet Minivans

Chevrolet Spin: taxista relata sua experiência ao rodar 60.000 km em 7 meses

Chevrolet Spin: taxista relata sua experiência ao rodar 60.000 km em 7 meses

Olá, sou taxista no Rio de Janeiro e gostaria de compartilhar com os leitores do site Notícias Automotivas minhas experiências dos primeiros 60.000 km do Chevrolet Spin rodando como táxi. Adquiri o Chevrolet Spin para usar como táxi em dezembro de 2012 mas só fui começar a rodar com ele em fevereiro de 2013.


A média mensal percorrida é de 9.000 km de segunda a sexta-feira e também final de semana mas não por mim, e sim por um amigo. Meu antigo carro de trabalho era uma Chevrolet Meriva que trabalhei nos últimos 3 anos.

Vou relatar tudo que a Chevrolet Spin apresentou, tanto de positivo quanto de negativo, o que foi gasto com manutenção e também peças nesses primeiros 6 meses. Como ponto positivo posso dizer que o carro é bem confortável.

Além disso ele tem um porta-malas gigante mesmo com cilindro de GNV de 16m³, e as peças e manutenção tem um bom custo benefício. Ponto fraco principal é o consumo elevado do Spin (apenas 120 km com o cilindro de 16m³, rodando na cidade com ar condicionado ligado; já com gasolina ele faz em torno de 6 ou 7 km/l), também vem sem itens básicos como marcador de temperatura e tampa da mala.


O primeiro mês de atividade seguiu sem grandes problemas, exceto pelo ajuste da instalação do GNV. Logo com 10.000 km no período da 1º revisão de fábrica, o catalizador do cano de descarga quebrou o qual não foi coberto pela garantia porque havia instalado o GNV. Então pedi para retirar o catalizador quebrado,- já que esse carro tem 2 – até poder comprar outro, pois na autorizada custava a bagatela de R$ 1.200,00.

Efetuei apenas a troca de óleo e filtro na revisão (R$150,00). Com 20.000 km o amortecedor traseiro esquerdo começou a bater, não me deram garantia de novo por causa do GNV (amortecedor + mão-de-obra R$200,00).

Aos 24.961 km chegou a vez da pastilha de freio que na minha opinião durou muito pouco, a que instalei depois dessa já está com 37.000 km rodados e ainda está boa, sinal de má qualidade da pastilha original.

A troca da pastilha com a mão-de-obra ficou R$180,00 mais a troca de óleo R$ 92,00, essas manutenções já não foram feitas na autorizada.

Chevrolet Spin: taxista relata sua experiência ao rodar 60.000 km em 7 meses

Agora com 48.000 km foi necessário fazer a troca dos pneus R$ 592,00 (pneu+balanceamento+alinhamento) e mais uma troca de óleo de R$92,00. Aos 55.839 km troca da vela de ignição R$35,24.

Com 56.447 km o ar condicionado parou de funcionar, ao diagnosticar o defeito descobriram que na verdade o defeito não era do ar condicionado e sim do sistema de arrefecimento do motor que cortava o funcionamento do ar condicionado.

A peça defeituosa era a válvula termostática, aproveitei e troquei logo a correia dentada e o esticador. Todo serviço ficou em R$ 350,00 porque comprei as peças em uma outra autorizada Chevrolet aqui no RJ que vende as peças com um preço mais justo.

Por último com 60.000 km fiz a atual troca de óleo e filtro no valor de R$92,00. Um último detalhe, não recomendo a ninguém fazer revisão nas autorizadas, pelo motivo que você vai gastar muito mais e em muitos casos não se tem um serviço satisfatório, o que se deve sempre é comprar peças originais e levar o carro em uma oficina de confiança.

Por Wanderson Gomes

Chevrolet Spin: taxista relata sua experiência ao rodar 60.000 km em 7 meses
Nota média 5 de 1 votos

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email