Chevrolet GM Mercado

Chevrolet: veja o que vem por aí nos próximos lançamentos da marca

Chevrolet: veja o que vem por aí nos próximos lançamentos da marca

A General Motors Mercosul está preparando 20 lançamentos, além de 10 versões e séries especiais até 2022. A estratégia da marca americana é manter a liderança no mercado brasileiro e por isso terá um novo portfólio que, na maior parte, estará associado diretamente com a SAIC-GM, na China. O compartilhamento entre as duas divisões da empresa promete reduzir enormemente os custos de desenvolvimento e produção.


Após a atualização da Spin, a GM Mercosul deve proceder para o lançamento das novas gerações de Onix, Prisma e Cobalt, começando pelo último, já que este deve ser associado localmente ao chinês Buick Excelle, apresentado recentemente. O layout da Chevrolet deve ser reproduzido dos dois lados do mundo. A Montana também terá uma nova geração, que se espera ser de fato uma evolução do produto. Todos os compactos serão feitos sobre a nova base GEM (Global Emerging Market).

Chevrolet: veja o que vem por aí nos próximos lançamentos da marca

A picape S10 é outra que deve ganhar uma sucessora. O Tracker é outro produto importante para a GM Mercosul e também será renovado completamente. Cruze, Cruze Sport6 e Equinox deverão ter facelift de meia vida nesse período, mas a montadora prepara uma gama de produtos inéditos, que deverão fazer enorme diferença nos planos de liderança do fabricante.

Um deles será um crossover derivado do próximo Onix, algo que permitirá à GM criar um produto na gama de entrada para brigar com Renault Stepway, JAC T40 e Chery Tiggo 2, por exemplo. Outro será um SUV compacto que se espera ficar abaixo do Tracker, que deve surgir como um rival direto do Volkswagen T-Cross. Então pense em algo com cerca de 4,15 m.

Chevrolet: veja o que vem por aí nos próximos lançamentos da marca

Outra proposta da GM é um SUV de porte médio entre Tracker e Equinox. Note que hoje esse espaço existe e este bem poderia ser o próximo Orlando, que será lançado em breve na China. Mas a enxurrada de SUVs ainda promete um sucessor da Spin com sete lugares e um maior, que substituirá a Trailblazer. Uma picape médio-compacta para rivalizar com a  Fiat Toro deve surgir.

Além de tudo isso, se espera obviamente pelo elétrico Bolt e agora pela nova Blazer, que tem tudo para ser vendido no Brasil. Com este, seriam 21 produtos, mas alguns dos citados poderiam ser representados pelo SUV mexicano, em realidade, o utilitário esportivo médio entre Tracker e Equinox. Poderia também naturalmente ficar acima deste último, equipado com motor V6 3.6 de 310 cavalos.

Mas, no geral, a projeção de lançamentos exclui um produto básico, um subcompacto barato para fazer volume. A GM já pensou duas vezes em fazer tal projeto e teria desistido por causa dos custos e da pequena margem que o produto entregaria.

[Fonte: Fernando Calmon/UOL]

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Bruno Silva

    Espero que dessa vez não se esqueçam da segurança e de motores modernos.

    • Filipo

      É melhor não esperarmos por motores tão modernos na linha abaixo do Cruze para não nos decepcionarmos. A probabilidade de a modernização chegar pela metade é alta, como fez a Fiat com o Firefly sem cabeçote multiválvulas e injeção direta. Ai só com mais alguns anos para completarem a atualização.
      Muitos gostam de falar mal da VW, apenas por hobby, mas ela está de parabéns. Há vários anos trouxe de volta o motor 3 cilindros ao Brasil, com cabeçote multiválvulas (12v), com duplo comando, VVT em ambos, sem falar no turbo com injeção direta. Enfim, o único antiquado é o EA-111 VHT de 1,6L, o qual equipa Gol/Voyage/Saveiro. O resto, ou é de concepção recente ou de concepção atual.

      • com 11% de meta de redução, só se a engenharia da GM fizer milagre com o atual SPE/4… mas não será assim, motores 1.0 3c e 1.3 4c é o que deve vir mesmo, não dá mais para “dar um tapa” nos monzatec da vida.

      • Matthew

        De fato a GMB tem fama de ficar majorando motores antigos até o talo, a exemplo do Família I empregado até hoje nos modelos abaixo do Cruze, tal como você lembrou. Entretanto, devemos lembrar que ela também passou décadas com os motores Família II em seus modelos de gama média, e quando adotou o Ecotec no Cruze a evolução foi relativamente rápida, já com turbo na segunda geração (em todas as versões).

        Há de se considerar as pressões por redução de consumo e emissões por parte do Rota-2030, assim como por reduções nos custos de produção, o que forçará maior sinergia com a operação chinesa. Portanto, acredito que eles adotarão motores em linha com o que é oferecido em outros mercados, nem que seja por uma questão de escala global de produção.

    • SDS SP

      Motores modernos é uma certeza.

    • Hodney Fortuna

      Se vende bem e a própria GM sabe que brasileiro compra carro por aparência apenas, porque ela estaria preocupada em investir nesses dois quesitos? Infelizmente é assim!

  • Phantasma

    Que não venham com alguma coisa que estrague tudo, como um interior pobre ou motor fraco demais, ausência de equipamentos relevantes, espero que a fase de desenho controverso ou feio mesmo tenha ficado pra trás , a menos que a GM não tenha aprendido a lição. A propósito, um carro como da projeção ficaria muito bonito.

  • Carlos

    Especulação vazia. Típico do Fernando Calmon.

    • Filipe

      Fernando Calmon, o puxa saco das montadoras

  • vicegag

    “A Montana também terá uma nova geração, que se espera ser de fato uma evolução do produto”
    Realmente, pois o que a GMB fez com a picapinha foi uma involução da Corsa para a Monstrana, tirando subchassi etc.

  • Fabão Rocky

    Ao invés de fazer um novo compacto abaixo do novo Onix, a Chevrolet poderia manter o Onix atual como versão de entrada. Além de ter menos custo p/ empresa, terá um grande volume de vendas, assim como a Fiat fez c/ o Palio e manteve as 2 gerações à venda.

    • Matheus Conrado

      Isso é quase certo,ja que acontece com a geração atual,que tem a versão joy… O novo deve bater de frente com polo,argo e yaris..

      • Unknown

        Mas o Ônix atual já é mais caro do que o Argo. Se vier uma versão acima, brigaria com Yaris e Polo, somente.

  • Wendel Cerutti

    Que coisa não , já foram parceiros de Opel , Daewoo e agora Saic … Como diria um colega de trabalho , DÁ MEDO HEIN . Mas aguardemos os próximos capitulos .

  • Hodney Fortuna

    A Blazer saltou em design!

  • Eu tenho minhas dúvidas quanto à essa “sincronia” de produtos com o que é vendido lá na China…mas vamos manter a esperança, tomara que o que venha por aí seja legal, tá fácil de ser melhor que o Cobalt, espero que os novos Onix e Prisma não decepcionem…

  • Matthew

    Nenhum motor surge do além, não é mesmo? O 1.8-16v surgiu nos anos 1990 com 116 cavalos, e desde então recebeu diversas melhorias, dentre as principais o coletor de admissão variável que aumentou a potência pra 125 cavalos, e posteriormente a adoção dos comandos de válvulas variáveis que o fez alcançar 140 cavalos. Já o 1.4 Turbo usado no Cruze é muito mais recente, do início do século.

    De qualquer forma, ambos são muito mais recentes do que o Família II da década de 1980, que por sua vez teve como base o motor do Chevette dos anos 1970. Se caçar o histórico de todos os motores, qualquer um terá mais de 30 anos de projeto.

    • Fernando Bueno

      Isso aí….tudo se recria e melhora…..só não concordo em.meter a língua nos motores vw….sendo que os da GM não são nem um pouco modernos

  • Rodrigo

    Que beleza esse chevrolet blazer, hein? carai!

  • Paulo Lustosa

    Ecotec 1.8 16V DOVCP é Família I, mas o 1.4T de injeção direta é motor novo sim, é GSE Family, não o Família 0 que atualmente só equipa o Tracker americano.

    • Fernando Bueno

      Esse 1.4 turbo pode até ser mais recente…mas leva um pau dos thp da Peugeot e Citroen por exemplo…aliás..gse family não seria um motor Fiat?

      • João Silva

        Já tive THP num C4 Lounge e agora tenho um Cruze. A diferença de desempenho é muito pequena, imperceptível no dia a dia. Já o consumo… Absurdamente mais econômico no Cruze, quase 20% a menos… Fazia 9 km/l no máximo na cidade com o Lounge, agora, passa de 11 km/l no Cruze…

        • Fábio A.

          Também tenho um Cruze 1.4T e acho que esse motor está muito acertado, com bom desempenho e econômico.

        • Ernesto

          O maior problema do C4 Lounge é o seu peso que compromete o consumo de combustível.

          • João Silva

            Diferença de peso é insignificante entre os dois, 100Kg. Não justifica a tamanha diferença de consumo. O motor do Cruze com capacidade volumétrica menor é mais eficiente para a proposta, simples assim.

            • Ernesto

              C4 Lounge THP 2018 pesa 1.500 Kg, enquanto o Cruze LTZ 2018 pesa 1.321 Kg. É uma diferença de 179 Kg.

            • Unknown

              Insignificante, na casa dos 10%!!!!!!!!!!!!

        • Fernando Bueno

          quem tem carros desse porte e preço…não se preocupa com consumo amigo

      • Paulo Lustosa

        SGE é diferente de GSE

      • Paulo Lustosa

        E também comparar um 1.4 com um 1.6 é covardia, se for comparar de igual pra igual compara com o GM F1 1.5T de 173CV da Equinox que anda em homologação no BR.

  • RTEC30

    Um crossover do Onix e um SUV compacto abaixo do Tracker…
    Ainda tem a pachorra de dizer que serão carros diferentes. Fala sério, faz um produto decente ao invés de 2 gabiarras!

  • Julio Cesar Galli

    Espero que venha logo um SUV nacional do porte da Tracker porém mais barato, mais econômico e com um porta malas maior.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por 15 anos. Saiba mais.

Notícias por email