Chevrolet Zafira – Defeitos e problemas

A Chevrolet Zafira foi uma minivan de sete lugares fabricada no Brasil entre 2001 e 2012, tendo tido enorme sucesso por aqui. Sua origem Opel esconde outra coisa: foi projetada pela Porsche. Mas, quais seus defeitos e problemas?

Em 11 anos de produção no Brasil, a Zafira conquistou famílias inteiras e foi um carro bem apreciado por quem precisava utiliza-lo como táxi ou veículo comercial de passageiros, já que seu espaço para sete era bem amplo e racional.


Várias unidades da Chevrolet Zafira receberam kit gás para dar aos proprietários, profissionais ou particulares, mais eficiência nos custos com combustíveis.

Essencialmente a mesma desde 2001, a Zafira teve apenas retoques em uma década. Ainda bem valorizada, ela foi sucedida pela Chevrolet Spin e gerou reclamações de muitos por conta disso.

Ela começou sua carreira com motores GM Família 2.0 8V com 116 cavalos e 2.0 16V de 136 cavalos, passando depois para o 2.0 FlexPower de 121 cavalos, que foi atualizado para 140 cavalos. O câmbio automático de 4 marchas era uma opção.

Com muitas virtudes, o que depõe contra na Chevrolet Zafira, de acordo com os donos? Além dos problemas com cabeçote, eles reclamam de falha estrutural, ruídos internos, vazamentos de água e dificuldade de partida, entre outros.

Chevrolet Zafira – defeitos e problemas

Um dos defeitos e problemas mais graves da Chevrolet Zafira é a trinca da solda entre a coluna B e o teto. Alguns relatos de defeitos e problemas nessa parte do carro, falam que o mesmo só é identificado na vistoria para revenda ou seguro.

Existem depoimentos de donos de Zafira alegando que não podem fazer seguro ou que seu carro é reprovado para revenda, devido a uma folga aberta entre as colunas B e o arco do teto.

Um proprietário chegou a dizer que foi detectada uma folga de 3,5 cm junto ao teto, sendo seu veículo imediatamente reprovado na vistoria. Os clientes buscaram a rede autorizada, mas não conseguiram solução.

Chevrolet Zafira – cabeçote

Chevrolet Zafira - Defeitos e problemas

A Chevrolet Zafira tem um histórico ruim com cabeçote e muitos donos da minivan relatam os defeitos e problemas relacionados com o mesmo.

Alguns dizem ter dificuldade para dar partida no motor 2.0, assim como também relatam que o propulsor produz um ruído elevado e mesmo em relação ao consumo excessivo.

Existem casos de contaminação da água com óleo. Um técnico da assistência autorizada, chegou a relatar ao cliente que vários carros da Chevrolet apresentam o mesmo problema.

Os clientes não falam em travamento do motor ou queima de óleo, indicando que o problema não se ampliou até a data da publicação do depoimento na internet.

Sabe-se que vários modelos da Chevrolet sofreram com problemas comando de válvulas devido ao óleo errado na especificação, assim como pelo sensor de rotação do mesmo e pelo assentamento de válvulas no 2.0 FlexPower atualizado.

Ainda em relação ao cabeçote, alguns donos falam de vazamento de óleo na tampa de válvulas, exigindo a troca da junta. Outros casos envolvendo esse mesmo problema já foram vistos na internet.

No caso do motor, o 2.0 da Zafira tem mais relatos apontando para o sistema de refrigeração, que apresenta vazamentos de água em muitos casos.

Alguns solucionados com troca de mangueira ou válvula termostática, mesmo em carros pouco rodados, como em um com apenas 26.000 km.

Também reclamam dos coxins, que não duram o que deveriam, sendo obrigados a trocar antes de 50.000 km.

Chevrolet Zafira – Barulhos

Chevrolet Zafira - Defeitos e problemas

Na Chevrolet Zafira, barulho interno é um dos defeitos e problemas mais recorrentes.Com muitas partes plásticas, os donos reclamam de ruídos do acabamento e também dos bancos, em especial o da terceira fileira.

Este tem um sistema de rebate o assento para baixo da segunda fileira e tem dono que reclama do ruído produzido por ele durante a condução. Também relatam que os assentos da segunda fileira também contribuem.

Alguns proprietários se queixam ainda do não funcionamento do velocímetro, sendo que nos casos relatados, nenhum havia conseguido encontrar o defeito de imediato, chegando mesmo a trocar sensor de rotação e outros componentes.

Mesmo na assistência técnica, os donos de Zafira com esse defeito não acharam a solução.

A bordo do minivan, outro defeito que também não solucionaram é o do porta-luvas que trava fechado ou simplesmente não trava. Um dos clientes da GM disse que em sua Zafira, a tampa do porta-luvas não fechava direito, gerando transtorno.

Outros casos falam ainda de vazamento de água no interior do carro em decorrência de problemas com o aquecimento, segundo dizem. Alguns relataram defeitos no sistema de ar quente, mas com solução e sem vazamento de líquidos.

Por fim, o alarme é um item que deu dor de cabeça para muitos donos de Zafira, sendo aquele que aciona portas e porta-malas.

Os relatos falam de dificuldades para o travamento das portas ou seu destravamento involuntário. O mesmo em relação ao bagageiro, onde falam da dificuldade em abrir a tampa.

Muitos proprietários reclamam ainda do consumo excessivo de combustível e até de queima de óleo, gerando um consumo alto de lubrificante entre as trocas.

Direção hidráulica com folga na caixa de direção é outro defeito recorrente, tendo vários relatos e até tutoriais de mecânicos na internet.

Recall

Chevrolet Zafira

A Chevrolet Zafira – apesar de a maioria dos relatos mencionar defeitos e problemas – ainda é tida como um bom carro e muitos reclamam que ela tenha saído de linha, criticando a sucessora Spin.

Em seu tempo de mercado, a Zafira foi chamada para recall das pastilhas de freio do modelo feito em 2007, já que poderia haver o desprendimento do material de fricção com eventual perda de eficiência na frenagem.

Dessa forma, o espaço para parar totalmente seria aumento e com possível risco de colisão com vítimas potencialmente fatais tanto no carro como também em veículo de terceiro.

Ela também foi chamada por causa do eixo da caixa do diferencial para o modelo 2005 com transmissão manual. O componente em questão é substituído por outro.

Nesse caso, a quebra do eixo provoca a perda de tração do veículo, colocando em risco motorista, passageiros e terceiros, visto que sem a força do motor, o carro pode simplesmente parar em uma via de grande movimentação.

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.