Citroen Hatches História Matérias NA Peruas

Citroen Xsara: história, modelos, motores e a perua Xsara Break

Citroen Xsara: história, modelos, motores e a perua Xsara Break

Houve uma época em que a Citroën tinha um portfólio de carros mais tradicionais e um desses produtos era o Citroen Xsara, que chegou ao Brasil no fim da década de 90, trazendo sua perua.


O modelo seguiu a linha do anterior ZX, abrindo caminho para os sucessores C4 e C4 Pallas, utilizando um recurso revolucionário para a época, mas que se mostrou problemático ao longo do tempo.

O Citroen Xsara chegou ao Brasil em 1998 com três versões, incluindo uma esportiva com bom desempenho. Além disso, viu a perua Break chegar logo depois e ganhou algumas opções interessantes no mercado.

De porte médio, o produto não ousava tanto quanto o irmão maior, o Xantia, que tinha a famosa suspensão hidropneumática Hydractiv.

Citroen Xsara: história, modelos, motores e a perua Xsara Break

Infelizmente, o tempo passou muito rápido para o Citroen Xsara no Brasil, que saiu de cena em 2003 após 25.864 unidades vendidas.

Com sua saída, abriu-se uma lacuna enorme do portfólio da Citroën, que só foi preenchido em 2007 com o C4 Pallas e no ano seguinte com o hatch C4.

Entretanto, a maior proeza da família do Citroen Xsara foi criar um legado que durou uma década após seu fim no país. Neste caso, trata-se da minivan Citroen Xsara Picasso, que foi produzida no país.

Citroen Xsara

Citroen Xsara: história, modelos, motores e a perua Xsara Break

O Citroen Xsara era um carro médio da marca francesa, lançado em 1997 na Europa. Embora fosse o sucessor do ZX, ele mantinha a mesma plataforma do modelo anterior, um meio-irmão do Peugeot 306.

Criado sob uma carroceria elegante, o modelo tinha forma de hatchback com duas ou quatro portas, além de perua de quatro portas, chamada Break. O francês não ousava nas formas, mas assim como todo Citroen, trazia alguma novidade.

Esta era a CATT, um sistema de eixo traseiro direcional, função que os franceses gostam até hoje (leia-se geração atual do Renault Megane), mas sendo conservador nos motores.

Fabricado na França, o Citroen Xsara teve duas linhas de montagem na Espanha, uma na China, outra no Egito e até no vizinho Uruguai.

Citroen Xsara – estilo

Citroen Xsara: história, modelos, motores e a perua Xsara Break

Quando chegou ao Brasil, o Citroen Xsara era bem recente e veio nas versões GLX e Exclusive, que eram equipadas com motor 1.8 16V, enquanto a esportiva VTS tinha propulsor 2.0 16V.

A carroceria de duas portas podia ser adquirida na GLX e, exclusivamente, na VTS. Assim, o hatch francês chegou ao mercado nacional.

Visualmente, o Citroen Xsara tinha linhas bem equilibradas e até certo ponto, conservadoras. Fiel aos hatchbacks da marca parisiense, o modelo tinha frente baixa com capô vincado triplamente, integrando também a grade.

Nesta, o duplo chevron da Citroen estava presente de forma discreta. Os faróis duplos incorporavam os piscas e tinham desenho fluído.

Citroen Xsara: história, modelos, motores e a perua Xsara Break

O para-choque era integrado e tinha um bumper preto bem destacado e que dominava toda a parte superior da peça. A impressão de proteção contra pequenas batidas e arranhões era compartilhada pelos protetores laterais e para-choque traseiro.

Faróis de neblina bem desenhados se harmonizavam com a grade inferior. Havia ainda um pequeno spoiler sob o para-choque. O nome “Xsara” vinha nos borrachões laterais, enquanto os para-lamas tinham repetidores de direção.

Retrovisores pequenos na cor do carro e maçanetas embutidas formavam o conjunto lateral, que ainda tinha portas traseiras amplas, graças ao bom entre eixos.

As colunas C eram largas e a vigia caía sobre uma pequena extensão da carroceria, formando um conjunto que lembrava muito o Ford Escort da época, que estava saindo de cena.

Citroen Xsara: história, modelos, motores e a perua Xsara Break

Aliás, tal como esse, o Citroen Xsara portava também um limpador traseiro, incluindo lavador e desembaçador do vidro. A tampa tinha uma pequena proeminência e portava luzes auxiliares de freio na parte central.

Ela também levava a placa de identificação e os nomes Citroen e Xsara, sendo moldada lateralmente pelas lanternas compactas e de desenho harmônico.

Com exceção do bumper preto, o para-choque traseiro era até que bem limpo visualmente, tendo apenas um recorte para o cano de escape.

Por dentro, o Citroen Xsara tinha um ambiente espaçoso e aconchegante, tendo painel com formas arredondadas e voltada para o condutor.

Citroen Xsara: história, modelos, motores e a perua Xsara Break

Os difusores de ar integrados seguiam a mesma linha, enquanto havia espaços definidos para airbag do passageiro e porta-luvas, com direito a aplique diferenciado na fechadura.

O rádio com CD player era integrado de 1din, tendo seu visor em uma tela acima. Ele tinha controles no volante, que mais pareciam botões de vidros elétricos…

Aliás, o volante tinha airbag do motorista e ajuste em altura. O Citroen Xsara tinha ainda ar condicionado manual e botões dos vidros elétricos, estranhamente menores que os citados do volante, na parte inferior do console.

Citroen Xsara: história, modelos, motores e a perua Xsara Break

O cluster era analógico com velocímetro, conta-giros, nível de combustível e temperatura da água. Os bancos tinham bom acabamento e padronagem jovial.

O Citroen Xsara tinha ainda freios ABS, direção hidráulica, travas elétricas e retrovisores elétricos, além dos itens já citados.

Com 4,167 m de comprimento, 1,698 m de largura, 1,401 m de altura e 2,540 m de entre eixos, o modelo tinha 408 litros no porta-malas e mais 54 no tanque de combustível.

Xsara VTS

Citroen Xsara: história, modelos, motores e a perua Xsara Break

Com duas portas, o Citroen Xsara VTS até que era um carro discreto para um esportivo que realmente andava no fim dos anos 90. Seu visual era bem limpo e não havia elementos estéticos exagerados.

Na frente, o único diferencial era um spoiler mais pronunciado na parte inferior do para-choque, que era igual ao das demais versões. A grade tinha apenas um friso cromado, como no Exclusive.

Diferente dos demais, que tinham rodas de liga leve aro 14 polegadas com pneus 185/65 R14, o Citroen Xsara VTS tinha rodas de liga leve aro 15 polegadas com desenho mais esportivo e pneus 195/55 R15.

Elas formavam lâminas que identificavam o VTS em qualquer lugar. Além disso, o esportivo francês tinha borrachões laterais com a sigla da versão.

Citroen Xsara: história, modelos, motores e a perua Xsara Break

Com duas portas grandes, o Citroen Xsara nessa carroceria tinha linha de cintura que se elevava suavemente em direção à extensão da traseira. As janelas laterais eram amplas e basculantes, enquanto as colunas C eram mais estreitas e elegantes.

No teto, havia vidro com abertura elétrica e antena frontal, como nos demais. Na traseira, o Xsara VTS chamava atenção pelo aerofólio pouco elevado, mas esteticamente interessante. As lanternas tinham a parte central escurecidas.

O escape não era projetado para fora e nem cromado, criando um visual estranho com o recorte aparentemente vazio no para-choque.

Citroen Xsara: história, modelos, motores e a perua Xsara Break

Outra exclusividade era a suspensão alguns milímetros mais baixa e os freios reforçados, sendo discos nas quatro rodas, como nos demais.

Por dentro, o Citroen Xsara VTS tinha bancos mais esportivos, acabamento diferenciado e volante em couro. O modelo tinha como maior diferencial, o motor 2.0 16V de 167 cavalos.

Atualização

Citroen Xsara: história, modelos, motores e a perua Xsara Break

Em 2001, o Citroen Xsara recebeu um facelift de meia vida. Hatchback e perua ganharam um layout inspirado no C5 e na minivan Picasso, ganhavam faróis complexos de formato amendoado e grade estilizada com duplo chevron ampliado.

Os para-choques ficaram mais envolventes e agora em cor única, além dos borrachões laterais. As rodas de liga leve aro 15 polegadas tinham cinco raios e aparência bem elegante, parecendo maiores do que realmente eram.

O ambiente ganhou novas texturas e tonalidades, além de um novo volante de quatro raios, sem os comandos anteriores, agora resumidos a uma haste na coluna de direção.

Citroen Xsara: história, modelos, motores e a perua Xsara Break

O Citroen Xsara trocou o motor 1.8 16V pelo 1.6 16V na versão GLX, enquanto o 2.0 16V com câmbio automático ficava mais potente: 138 cavalos.

Em 2002, entra a versão Paris no lugar da Exclusive, também com motor 2.0 16V de 138 cavalos, mas o VTS passava a ter essa mesma opção, não dispondo mais do 1.8 16V desde o ano anterior.

No ano seguinte, apenas o Citroen Xsara GLX 1.6 16V automático, estava disponível e assim saiu de cena, junto com a perua Break.

Citroen Xsara – motores

Citroen Xsara: história, modelos, motores e a perua Xsara Break

O Citroen Xsara chegou com motor 1.8 16V nas versões GLX e Exclusive. Esse propulsor era o XU7 de 1.761 cm3 e que tinha duplo comando de válvulas no cabeçote, acionados por correia dentada.

Ele entregava 112 cavalos a 5.500 rpm e 16,1 kgfm a 4.250 rpm. A transmissão era manual de cinco marchas e o hatchback ia de 0 a 100 km/h em 10,7 segundos com máxima de 195 km/h.

O consumo médio na cidade era de 7,2 km/l, ruim, mas fazia na estrada 13,5 km/l. Ele pesava 1.100 kg.

Já no Citroen Xsara VTS, o propulsor 2.0 16V era o XU10J4RS, que também tinha injeção multiponto e entregava 167 cavalos a 6.500 rpm e 20,1 kgfm a 5.500 rpm.

Citroen Xsara: história, modelos, motores e a perua Xsara Break

Com 1.998 cm3, ele fornecia a energia necessária para o esportivo atingir os 100 km/h em excelentes 6,9 segundos e atingir 225 km/h, usando um câmbio manual de cinco marchas curtas. Fazia 14 km/l na estrada e 7,3 km/l na cidade.

Em 1999, o Citroen Xsara Exclusive ganha câmbio automático de 4 marchas com motor 2.0 16V de 126 cavalos a 5.500 rpm e 18,7 kgfm a 4.200 rpm, indo assim de 0 a 100 km/h em 11,9 segundos com máxima de 192 km/h.

Dois anos depois, o 1.8 16V dava adeus e em seu lugar, chegava o 1.6 16V usado pelo Xsara Picasso. O TU5JP4 tinha 1.587 cm3 e entregava 110 cavalos a 5.750 rpm a 5.750 rpm e 15,3 kgfm a 4.000 rpm.

Citroen Xsara: história, modelos, motores e a perua Xsara Break

Oferecido com câmbio manual de cinco marchas ou automático com quatro velocidades, o Citroen Xsara nesse último caso, ia de 0 a 100 km/h em 14,2 segundos e tinha máxima de 192 km/h.

Na outra ponta, o 2.0 16V pulava para 138 cavalos a 6.000 rpm e 20 kgfm a 4.100 rpm. A Citroen Xsara Break fazia de 0 a 100 km/h em 11,7 segundos nesse caso, mas a final era de 207 km/h.

O 2.0 16V de 167 cavalos morreu. Os motores maiores eram inclinados para trás, de modo a reduzir o centro de gravidade.

CATT

Citroen Xsara: história, modelos, motores e a perua Xsara Break

A designação é brasileira – só foi usada aqui – mas a tecnologia é 100% francesa. O sistema CATT é o famoso eixo autodirecional da PSA, que equipou o Citroen Xsara.

Usando um eixo com barras de torção e braços semi-arrastados, o sistema utiliza um conjunto de buchas elásticas, que se deformavam diante do deslocamento de peso da carroceria em curvas.

Essa deformação programada, fazia com que o ângulo das rodas traseiras seguisse a mesma direção das dianteiras, mas em muito menor grau.

O efeito era apenas o suficiente para que a traseira do Citroen Xsara ficasse mais dentro da curva, garantindo maior estabilidade, conforto e segurança.

Citroen Xsara: história, modelos, motores e a perua Xsara Break

 

Quando rodando em linha reta, as buchas retornavam às posições originais, mantendo as rodas traseiras centradas novamente. Apesar da revolução em dirigibilidade, o CATT apresentava alguns inconvenientes.

Com o passar do tempo, essas buchas perdiam suas propriedades elásticas e geravam problemas no posicionamento das rodas, o que ocasionava desgaste prematuro dos pneus.

O desgaste dos mancais do eixo também era outro problema, sendo obrigatório a substituição do mesmo.

Familiar Break

Citroen Xsara: história, modelos, motores e a perua Xsara Break

Com 4,350 m de comprimento, 1,700 m de largura, 1,400 m de altura e 2,540 m de base, a perua Citroen Xsara Break era a variante familiar do hatchback francês no Brasil.

Até as colunas C, incluindo as portas traseiras, ela era exatamente igual ao hatch, porém, acrescentava a extensão traseira familiar, que vinha com vigias inclinadas.

As colunas D eram estreitas e a tampa do bagageiro era ampla, descendo até o meio do para-choque, que era exclusivo dela. Com 517 litros apenas no bagageiro, ela completava a família do Xsara.

A Break chegou em 1999 nas versões GLX e Exclusive, ambas com motor 1.8 16V. Com barras no teto discretas, ela ganhou opção 2.0 16V com câmbio automático na versão mais cara e atualização visual de meia vida em 2001.

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Acho um erro caracterizar o Xsara (assim como o Escort e o Astra II) como hatchback. Como eles são dois volumes e meio (por causa da traseirinha) o correto seria chamá-lo de notchback. Passei os anos 1990 inteiro (minha adolescência) aprendendo assim.

    • Daniel Deichmann

      Concordo. Pena aqui no BR nunca vi nenhum site ou revista usar essa denominação.
      Sobre o carro, o VTS é sensacional. Estamos falando de um carro de 1998, a longos 21 anos atrás que tinha 167cv originais pesando pouco mais de 1100kg. Excelente relação peso x potência. Qual carro hoje a venda no BR que não seja turbo que tem uma relação dessas?
      Eu montei um motor desses em um 306. Quase fui a falência mas toda vez que sai para dar uns rolê com o carro, abria uma sorriso de orelha a orelha.

      • Gabriel M. Vieira

        O VTS é um espetáculo de carro! Os franceses são assim mesmo, te dão prejuízo no bolso e sorriso no rosto hahahaha

        • leomix leo

          Nem sempre, se vc tiver dinheiro pra manter, e fazer preventiva, não vai gastar com corretiva. Tenho atualmente um C4 2011 e um C4L 17/18, o banheirão faz 7.5 km/l na minha cidade com trânsito infernal de travado, em Ssa ele consegue fácil fazer 10 km/l, isso com ar ligado, na estrada andando no limite da via antes fazia 13.8/14km/L, atualmente peguei o cutoff correto do carro, faço 15 km/l, e sem falar de peças de reposição muito baratas comparadas com os populares, em relação ao câmbio, peguei o carro de um conhecido e ele não tinha feito nunca uma revisão de câmbio, o carro não apresentava trancos aos 82 mil quando peguei, chegou aos 100mil, troquei correia ( manual pedia pra rodar 60mil km com ela) todos os fluidos, pastilhas, discos, e fui pro câmbio, troquei selenoides e óleo, fiz toda suspensão ( só utilizar peças da Viamar ou Axion, o resto não presta, amortecedores Katana) carro bem confortável e estável, não vou pra um popular novo nunca, o C4L só uns grilos que foram resolvidos em garantia. Pretendo ter um PUG 3008, mais pra frente, se vc tiver Dinheiro e tempo, são ótimo carros.

          • Luconces

            Dinheiro, tempo e realmente gostar de carro. Não é todo mundo que entende isso.

            Parabéns pelos carros e por como você cuida deles.

            • leomix leo

              O problema é que brasileiro não gosta de ler, se todo mundo desse uma lida no manual, pararia para observar que o carro lhe avisa tudo, só que 90% usa carro e quer descartar para o próximo dono, pois não quer gastar para manter, sendo que é muito mais barato manter, do que pegar um novo, pois o custo do seguro e emplacamento vai ser muito mais altos do que gastar no carango velho. O C4L eu peguei com PDC, por isso peguei zero, meu primeiro carro foi um celta zero, me arrependo até hoje, na sequência um Civic usado de um amigo da família, depois esse C4L( deixo pra pegar a estrada) e em fevereiro essa banheira C4 Hatch. Todos os carros que tive, o próximo dono fica falando pra todo mundo que pegou um carro com dono(cuidados e atencioso com a manutenção).

          • Leo

            Esse consumo do C4 2011 é na Gasolina? Com câmbio MT deve ter médias ainda melhores né?

            • leomix leo

              Sim AL4, Manual dever ser muito melhor na cidade.

  • Baetatrip

    Que belo carros nos fim dos anos 90…..!
    Xsara Break era linda de ser e era espaçosa e era sucesso aqui no BR….
    Era muito comum de ver aqui no RJ naquela epoca…….!

  • Walber Assis

    esse sistema CATT e excelente. porem em pais aonde as pistas sao tapetes, por aqui nas nossas ruas esburacadas igual superfície da lua ele sofria e dava manutenção….

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por 15 anos. Saiba mais.

Notícias por email