Cobalt 2015: fotos, detalhes, motor, consumo, desempenho, preços

 

Cobalt 2015: fotos, detalhes, motor, consumo, desempenho, preços


O Cobalt 2015 foi o último ano/modelo do sedã compacto da General Motors antes da atualização visual presente de 2016 até o derradeiro 2019. Esta atualizada no modelo daria não só um visual melhor ao produto, mas traria algumas mudanças técnicas antes do fim de sua produção.

Entre as poucas novidades, a linha do Cobalt 2015 trouxe botão para acionamento elétrico da tampa do porta-malas e do bocal do tanque de combustível. Fora isso, a GM introduziu mais acessórios, que viriam a ser itens opcionais e de série adiante.

Nesse caso, câmera de ré e módulo de TV digital eram integrados à multimídia MyLink, ainda da primeira geração. A função tilt down para o retrovisor direito e o acabamento em couro de bancos e portas passaram a ser incluídos.

Todos eles eram adquiridos e instalados na rede Chevrolet, ampliando assim a personalização do Cobalt 2015, que continuava a oferecer os itens anteriores, como sistema de áudio com CD/MP3/USB e multimídia MyLink, por exemplo.

Esta última vinha com algumas aplicações para mídia e navegação, usando um app dedicado, mas com o uso de 4G do smartphone. Utiliza apenas Bluetooth, auxiliar e USB, além de comandos no volante.

O Chevrolet Cobalt 2015 tinha ainda ar condicionado, direção hidráulica, vidros elétricos nas quatro portas, retrovisores elétricos, travamento central elétrico, rodas de aço ou liga leve aro 15 polegadas, faróis de neblina, entre outros.

Embora tivesse o porte de um Nissan Versa, o Cobalt tinha muito mais espaço interno e o maior porta-malas entre os compactos com 563 litros. Ele media 4,47 m de comprimento, 1,73 m de largura, 1,51 m de altura e 2,62 m de plataforma.

Robusto e de bom custo-benefício, o Cobalt tinha um visual controverso, mas estrutura adaptada para o Brasil, tendo suspensão dianteira McPherson e traseira por eixo de torção.

Construído sobre a plataforma Gamma II da GM, o Cobalt teve sua base compartilhada com a minivan Chevrolet Spin, mas também com os menores Chevrolet Onix e Prisma.

Diferente destes, feitos em Gravataí-RS, ele era produzido em São Caetano do Sul-SP com a Spin. Projetado inteiramente no Brasil, o sedã foi criticado no lançamento por conta de seu estilo pouco ortodoxo.

Com frente alta, ele chamava atenção pelos enormes faróis de projetores simples e circulares com lentes puxadas, que correspondiam às formas quadradonas e linha de cintura elevada, com janelas sem quebra-ventos falsos.

Assim como a Spin, que ganhara apelido por seu estilo, o Cobalt 2015 deixou de sofrer tanto os efeitos de imagem, por conta de seu custo-benefício interessante, que atraiu especialmente os motoristas de frota e taxistas.

A estratégia da GM era ter um sedã compacto com mais espaço e porta-malas que o Prisma, orientado para seu segmento com números menores. Contudo, ao estrear, a GM errou em lançá-lo com motor 1.8, o fazendo com o 1.4 litro.

Isso desestimulou o interesse do consumidor no carro, logo de início. Embora pesasse menos de 1,1 tonelada, o propulsor GM Família I 1.4 está aquém do desejado para um carro de seu porte, entregando até 102 cavalos.

Passaram-se apenas meses até que o Chevrolet Cobalt empregasse o GM Família I 1.8, que não era tão espetacular em potência, porém, tinha o torque necessário para movê-lo com  desenvoltura, tendo até 108 cavalos e 17,1 kgfm em baixa.

Para completar, a GM introduziu a caixa automática GF6 de seis marchas no sedã com motor 1.8, permitindo assim dispor de maior conforto ao dirigir, algo que a mesma fizera com o Prisma. Este, no entanto, tinha motor 1.4 litro de até 106 cv.

A montadora nunca lançou um Cobalt 1.4 com transmissão automática, limitando este ao câmbio manual de cinco marchas F17 com close ratio. A marca ainda poderia usar o Ecotec 1.6 de até 120 cavalos do Sonic.

Contudo, este motor era fabricado no México, envolvendo investimentos que a GM não queria fazer no país. Assim, a empresa simplesmente empurrou a longeva Família I adiante, que ainda continua em produção no país.

Tirando o design pouco atraente e o fraco motor 1.4, o Cobalt se deu bem com o restante, não chegando a ser um carro gastão, apesar dos propulsores antigos. A atualização do Econo.Flex melhorou muito a eficiência energética.

Ainda assim, esta não foi a última mudança na Família I, que ainda receberia no Cobalt 2016 alguns melhoramentos (SPE/4) que lhe renderam até 111 cavalos e mais de 18 kgfm de torque a 2.600 rpm. É usado pela Spin 2021.

Fabricado inicialmente no Brasil, o Cobalt chegou a ser feito na Colômbia, assim como no Uzbequistão e Bielorrússia. Chegou a ter sua patente divulgada na China, assim como foi visto rodando por lá, mas nunca foi vendido.

Cogitou-se ainda sua ida para a Indonésia e Filipinas, mas apenas a Spin atuou brevemente nessa região, de onde a GM já se retirou por completo. Lançado em 2011, o Cobalt saiu de cena após oito anos de mercado nacional.

O modelo foi substituído pelo Onix Plus, que assumiu sua posição em porte, mas não em espaço interno ou mesmo porta-malas, tendo até menos que o antigo Prisma, nesse caso.

Mesmo não tendo preenchido totalmente o vazio deixado pelo Cobalt, o Onix Plus ainda pode ter a companhia de um segundo sedã compacto. Fala-se na chegada do Monza chinês, mas o atual é feito na base antiga do Cruze.

Então, como substituto nato do Cobalt, o Monza teria de ser feito sobre a VSS-F, a atual plataforma do Onix. Isso deve ocorrer em 2023 ou 2024, quando o mesmo deve substituir parte da proposta do Cruze.

Cobalt 2015 – detalhes

Cobalt 2015: fotos, detalhes, motor, consumo, desempenho, preços

O Cobalt 2015 mantinha o visual de 2011, com frente alta e enormes faróis simples, que incorporavam também repetidores de direção e lanternas. A grade com molduras cromadas era dividida por uma barra na cor do carro.

Nela havia o logotipo da Chevrolet, a famosa gravata dourada. O para-choque era baixo e tinha faróis de neblina (LTZ) e grade simples ao centro, tendo ainda prolongamentos na parte inferior do protetor.

Com vincos ressaltando os para-lamas, o Cobalt tinha lateral lisa e cintura alta, chamando atenção para os vidros sem quebra-ventos falsos, ampliando a sensação de maior visibilidade e conforto.

As maçanetas eram embutidas e na cor do carro, assim como os retrovisores, que tinham bom tamanho. Com antena pronunciada no teto, o Cobalt 2015 tinha colunas C largas e tampa do porta-malas curta.

Já as lanternas eram verticais e tinham lentes elaboradas, com a tampa do bagageiro recebendo vinco pronunciado e a nomenclatura. O para-choque podia ter sensor de estacionamento e câmera de ré, sustentando a placa de identificação.

As rodas eram de aço com calotas ou liga leve, ambas com aro 15 polegadas, porém, quando equipado com motor 1.4, os pneus eram 185/65 R15, enquanto o 1.8 tinha 195/65 R15.

Por dentro, o Cobalt tinha um painel simples, porém, bem desenhado para sua proposta. Ele tinha cluster análogo-digital em Ice Blue, assim como o display com velocímetro, nível de combustível, temperatura da água e computador de bordo.

O volante de três raios podia ser em couro e com comandos de mídia e telefonia, bem como piloto automático. A haste dos limpadores do para-brisa acionava o computador de bordo.

A coluna de direção, que tinha assistência hidráulica, tinha ajuste em altura. Já a parte central do painel podia ter acabamento em cinza brilhante, envolvendo a multimídia MyLink com tela sensível ao toque de 7 polegadas.

Ela tinha apenas funcionalidades de imagem, vídeo e áudio, bem como aplicativo de navegação por GPS, mas podia receber como acessório câmera de ré e módulo de TV digital, que era bloqueado com o carro em movimento.

O ar condicionado era manual e o porta-luvas tinha bom tamanho. Os bancos em tecido eram confortáveis e o do motorista tinha ajuste de altura do assento. O Cobalt 2015 tinha ainda como acessório, bancos e portas em couro.

O banco traseiro tinha apoios de cabeça e podia ser rebatido, assim como tinha cintos de segurança de 3 pontos, exceto para o quinto passageiro. Já os dianteiros tinham ajustes em altura e pré-tensionadores por causa dos airbags frontais.

No teto, alças e espelhos sem iluminação nos para-sois, tendo ainda retrovisor interno dia e noite. Os vidros podiam ser elétricos nas quatro portas com one touch e função de descompressão, comum aos carros da Chevrolet.

Com travamento elétrico central, o Cobalt 2015 tinha ainda retrovisores externos com controle interno ou elétrico, sendo que este último tinha a função tilt down como acessório. A chave era do tipo canivete com telecomando e havia alarme.

Porta-malas e portinhola do bocal do tanque de combustível receberam comandos elétricos no interior. Já o porta-malas tinha 563 litros, mais estepe fino na parte inferior e iluminação. O vidro traseiro era térmico e os vidros eram verdes.

Cobalt 2015 – versões

Cobalt 2015: fotos, detalhes, motor, consumo, desempenho, preços

  • Chevrolet Cobalt LS 1.4 MT
  • Chevrolet Cobalt LT 1.4 MT
  • Chevrolet Cobalt LTZ 1.4 MT
  • Chevrolet Cobalt LT 1.8 MT
  • Chevrolet Cobalt LTZ 1.8 MT
  • Chevrolet Cobalt LTZ 1.8 AT

Equipamentos

Cobalt 2015: fotos, detalhes, motor, consumo, desempenho, preços

 

Chevrolet Cobalt LS 1.4 MT – Motor 1.4 litro com transmissão manual de cinco marchas, mais ar condicionado, direção hidráulica, coluna de direção ajustável em altura, airbag duplo, freios com ABS e EDB, cintos dianteiros com pré-tensionadores, rodas de aço aro 15 polegadas com calotas, pneus 185/65 R15, vidros verdes, vidro térmico traseiro, bancos com acabamento em tecido, banco traseiro rebatível, cintos de segurança de 3 pontos nas laterais, cinto traseiro central de três pontos, travas elétricas nas portas, alarme, vidros manuais, retrovisores externos com controle interno, retrovisores na cor do carro, espelho no para-sol direito, retrovisor interno dia e noite, banco do motorista com ajuste em altura, estepe fino, luz no bagageiro, fonte 12V, cluster com conta-giros, preparação para som com quatro alto-falantes e antena, travas de segurança para crianças nas portas traseiras, entre outros.

Chevrolet Cobalt LT 1.4 MT – Itens acima, mais vidros dianteiros elétricos, chave-canivete com telecomando, sistema de áudio 1din com entrada USB e Bluetooth, bancos com padronagem diferenciada, computador de bordo, rodas de liga leve aro 15 polegadas, espelho no para-sol esquerdo e comandos de áudio e mídia no volante.

Chevrolet Cobalt LTZ 1.4 MT – Itens acima, mais retrovisores externos com controle elétrico, vidros elétricos nas portas traseiras, mutimídia MyLink com tela de 7 polegadas sensível ao toque, volante em couro, padronagem diferenciada dos assentos e portas, acabamento em cinza brilhante no painel, faróis de neblina, sensor de estacionamento, alarme com fechamento dos vidros, banco traseiro bipartido e abertura interna do porta-malas e tanque.

Chevrolet Cobalt LT 1.8 MT – Itens do LT 1.4, mais motor 1.8 litro.

Chevrolet Cobalt LTZ 1.8 MT – Itens do LTZ 1.4, mais motor 1.8 litro, piloto automático e apoio de braço para o condutor.

Chevrolet Cobalt LTZ 1.8 AT – Itens acima, mais transmissão automática de seis marchas com mudanças manuais em botão na alavanca.

Preços

Cobalt 2015: fotos, detalhes, motor, consumo, desempenho, preços

  • Chevrolet Cobalt LS 1.4 MT – R$ 44.496
  • Chevrolet Cobalt LT 1.4 MT – R$ 46.996
  • Chevrolet Cobalt LTZ 1.4 MT – R$ 51.196
  • Chevrolet Cobalt LT 1.8 MT – R$ 49.396
  • Chevrolet Cobalt LTZ 1.8 MT – R$ 53.796
  • Chevrolet Cobalt LTZ 1.8 AT – R$ 57.096

Cobalt 2015 – motor

Cobalt 2015: fotos, detalhes, motor, consumo, desempenho, preços

O Cobalt 2015 tinha dois motores da Família I da GM, um projeto de engenharia da Opel de 1982, que teve duas variantes, sendo uma a Família 0, surgida nos anos 90 (Ecotec) e a Família II, que era a linha “pesada” dessa gama.

Esta última chegou ao Brasil a bordo do Chevrolet Monza, sendo oferecida inicialmente em versões de 1.6 litro e 1.8 litro, sempre com cabeçote de alumínio com duas válvulas por cilindro, além de bloco de ferro fundido.

Ele evoluiu até chegar ao enorme 2.4 litros que equipou diversos carros da GM, como o Omega, Blazer, S10 e até Astra (Argentina), sendo o 2.0 litros o mais difundido por aqui.

Nos anos 90, a GM trouxe ao Brasil a Família I com o 1.0 8V de 60 cavalos do Corsa Wind, além de sua versão de 16V, 1.4 8V e 1.6, tanto com 8V quanto 16V. Contudo, surgiu um outro 1.8, menor que o antigo do Monza e que equipa o Cobalt.

Com o mesmo volume do antigo, este Econo.Flex 1.8 do Cobalt 2015 é menor e mais leve, mantendo a arquitetura de bloco de ferro fundido e cabeçote de alumínio com duas válvulas, mas com comando roletado, acionado por correia dentada.

O propulsor tinha ainda bobinas individuais sobre a tampa de válvulas, ligadas às velas por cabos. O motor ainda empregava injeção eletrônica multiponto sequencial, com sistema de partida a frio com injeção de gasolina.

Esta utilizava um reservatório localizado no compartimento do motor, sendo necessária a reposição para a partida em dias frios e com etanol no tanque de combustível.

Assim como o 1.8 Econo.Flex, o Cobalt 2015 também vinha com o 1.4 Econo.Flex, que reproduzia as mesmas características do irmão maior. Neste caso, ele tinha 1.389 cm3 e 12,4 :1 de taxa de compressão.

No Cobalt, cuja calibração era diferente daquele presente nos Onix e Prisma, o 1.4 entregava 97 cavalos na gasolina e 102 cavalos no etanol, ambos a 6.200 rpm. Já os torques eram de 12,8 kgfm no primeiro e 13,0 kgfm no segundo, a 3.200 rpm.

Ele não foi usado com transmissão automática no Cobalt. Já o 1.8 tinha 1.796 cm3 e taxa de compressão de 10,5:1, dispondo de 106 cavalos no derivado de petróleo e 108 cavalos com combustível vegetal, obtidos a 5.400 rpm.

Os torques eram de 16,4 kgfm na gasolina e 17,1 kgfm no etanol, obtidos igualmente em 3.200 rpm, uma rotação baixa para os dois motores de concepção antiga.

Ambos seriam atualizados para SPE/4 tanto no Prisma quanto no Cobalt, tendo a GM trocado quase tudo, incluindo novos anéis, pistões, bielas, virabrequim, lubrificante, juntas, sedes de válvulas, guias de válvulas, entre outros.

Isso sem contar em mudanças no sistema elétrico, protetor de carga de bateria, alternador com recuperação de energia, ventilador do radiador sem escovas, entre outros. O próprio Cobalt teria ainda mudanças na suspensão e carroceria.

Isso tudo mostra que o sedã ainda podia oferecer mais que o projeto original, embora não tenha resistido a pressão do mercado e à ascensão dos SUVs, embora talvez ainda tivesse chance de prosseguir, tal como a Spin, mas de outra forma.

A transmissão manual do Cobalt 2015 era a F17 com cinco marchas e close ratio, tendo engates rápidos, precisos e macios. O automático era a caixa GF6 com seis velocidades e conversor de torque, tendo mudanças manuais por botão e modo M.

Esse modo permitia essas trocas através de um botão no pomo da alavanca, porém, com posição pouco ergonômica. Também funcionava como um modo Sport disfarçado, pois, elevava a rotação do motor nas marchas automáticas.

Desempenho

Cobalt 2015: fotos, detalhes, motor, consumo, desempenho, preços

  • Chevrolet Cobalt MT 1.4 – 11,5 segundos e 170 km/h
  • Chevrolet Cobalt MT 1.8 – 10,5 segundos e 170 km/h
  • Chevrolet Cobalt LTZ 1.8 AT – 10,9 segundos e 170 km/h

Consumo

Cobalt 2015: fotos, detalhes, motor, consumo, desempenho, preços

  • Chevrolet Cobalt MT 1.4 – 7,2/9,9 km/l e 9,4/12,9 km/l
  • Chevrolet Cobalt MT 1.8 – 7,1/9,7 km/l e 9,2/12,6 km/l
  • Chevrolet Cobalt LTZ 1.8 AT – 6,9/9,5 km/l e 8,9/12,3 km/l

Cobalt 2015 – manutenção e revisão

Cobalt 2015: fotos, detalhes, motor, consumo, desempenho, preços

Revisão 10.000 km 20.000 km 30.000 km 40.000 km 50.000 km 60.000 km Total
1.4 R$ 284,00 R$ 524,00 R$ 824,00 R$ 504,00 R$ 504,00 R$ 1.156,00 R$ 3.796,00
1.8 R$ 292,00 R$ 532,00 R$ 840,00 R$ 512,00 R$ 512,00 R$ 1.172,00 R$ 3.860,00

Cobalt 2015 – ficha técnica

Cobalt 2015: fotos, detalhes, motor, consumo, desempenho, preços

Motor 1.4 1.8
Tipo
Número de cilindros 4 em linha 4 em linha
Cilindrada em cm3 1389 1796
Válvulas 8 8
Taxa de compressão 12,4:1 10,5:1
Injeção eletrônica Indireta Flex Indireta Flex
Potência máxima 97/102 cv a 6.200 rpm (gasolina/etanol) 106/108 cv a 5.400 rpm (gasolina/ etanol)
Torque máximo 12,8/13,0 kgfm a 3.200 rpm (gasolina/etanol) 16,4/17,1 kgfm a 3.200 rpm (gasolina/ etanol)
Transmissão
Tipo Manual de 5 marchas Manual de 5 marchas ou automático 6 marchas
Tração
Tipo Dianteira Dianteira
Direção
Tipo Hidráulica Hidráulica
Freios
Tipo Discos dianteiros e tambores traseiros Discos dianteiros e tambores traseiros
Suspensão
Dianteira McPherson McPherson
Traseira Eixo de torção Eixo de torção
Rodas e Pneus
Rodas Aço e liga leve, aro 15 polegadas Liga leve, aro 15 polegadas
Pneus 185/65 R15 195/65 R15
Dimensões
Comprimento (mm) 4.479 4.479
Largura (mm) 1.735 1.735
Altura (mm) 1.519 1.519
Entre eixos (mm) 2.620 2.620
Capacidades
Porta-malas (L) 563 563
Tanque de combustível (L) 54 54
Carga (Kg) 488 488 (MT) 471 (AT)
Peso em ordem de marcha (Kg) 1.072 1.122 (MT) 1.149 (AT)
Coeficiente aerodinâmico (cx) 0,33 0,33

Cobalt 2015 – fotos

https://www.youtube.com/watch?v=ogUUu0v6sVE

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.