Chevrolet Mercado Sedãs

Cobalt foca em frotistas e aplicativos para sobreviver por enquanto

Cobalt foca em frotistas e aplicativos para sobreviver por enquanto

Com a chegada do Novo Onix Plus, o Chevrolet Cobalt agora está completamente ameaçado pelo sedã compacto feito em Gravataí-RS. O modelo foi um importante intermediário entre o antigo Prisma e o Cruze, tendo atributos até agora não superados pela concorrência, como amplo espaço interno e porta-malas bem grande: 563 litros.


No entanto, o tempo passa e a idade chega. O mesmo desde 2011, o Cobalt teve seu melhor momento em 2012, quando emplacou 66,6 mil unidades. Porém, no ano passado, o sedã compacto “grande” teve somente 21,5 mil emplacamentos. Agora, com a chegada do Onix Plus, que tem porte semelhante, embora com menos bagageiro, o velho Chevrolet pode estar perto de dizer adeus.

A GM, no entanto, sai de defesa de seu produto, que agora tem um papel redefinido, que é atender as vendas diretas. Em entrevista para o site Automotive Business, Hermann Mahnke, diretor executivo de marketing da General Motors para a América do Sul, disse:

“Como líder de vendas no mercado, a General Motors vê o Cobalt como forma de manter a lealdade aos taxistas, frotistas e motoristas de aplicativo, que gostam muito do carro”. Ele completou: “Ele tem um porta-malas, bom espaço interno e por isso o mercado define até quando permanece em linha”.


Em busca de um cliente que queria algo acima dos sedãs de entrada, o Cobalt acabou encontram as locadoras e os taxistas inicialmente. Depois foi a vez dos motoristas de aplicativo, que buscam o espaço interno, conforto e porta-malas do sedã da Chevrolet. No ano de 2016, o modelo recebeu um importante facelift, que o deixou mais leve, porém, isso não ajudou a recuperar suas vendas.

Cobalt foca em frotistas e aplicativos para sobreviver por enquanto

Feito em São Caetano do Sul, o Chevrolet Cobalt teve mais de 275 mil unidades vendidas no Brasil, sendo que em agosto passado, ele emplacou 1.416 unidades, o que lhe valeu a 35ª posição entre os automóveis mais vendidos no mês, mas no ano só vendeu 9.121 unidades, o que lhe dá o 41º lugar entre os mais vendidos.

De design controverso e com carroceria volumosa, o Cobalt sempre pareceu maior do que realmente é. Com 4,48 m de comprimento e 2,62 m de entre eixos, o sedã tem formas que o colocariam no segmento médio há algum tempo. A aparência mais pesada do primeiro modelo, foi trocada por visual mais leve no segundo.

Estreando com um inadequado 1.4 Flex, o Cobalt recebeu pouco depois o 1.8 Flex, que mesmo com arquitetura antiga, lhe dá um desempenho aceitável para sua proposta. Por seu custo-benefício, ele se torna uma interessante ferramenta de trabalho para estas operações. Com queda nas vendas de 29% em 2019, o modelo ainda sofre pressão de Onix e Prisma Joy, que serão mantidos para atender essa demanda.

[Fonte: Automotive Business]

Cobalt foca em frotistas e aplicativos para sobreviver por enquanto
Nota média 4.5 de 4 votos

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • LL

    Se fosse a gm faria uma versão advantage (uber), sem roda, milha, cromados, retrovisor eletrico por 59.990,00…

    • Por R$ 59.990, tem que vir recheado com tudo isso e mais, haja vista o Novo Onix Plus vir básico, com motor turbo, por menos que isso.

    • Roberto

      O Onix plus de entrada tem quase tudo e câmbio automático por 58.990
      Daria para vender o Cobalt mais barato… Tipo uns 55 com 1.4at6 do antigo prisma.
      Mas sinceramente, o Onix plus é imbatível.
      A gm podia fazer um novo Cobalt para o lugar do Cruze, inspirado no custo benefício do Onix plus, tipo os sedãs alongados da China.
      2,70m de entre-eixos, 4,60m de comprimento e quem sabe um pouco mais largo.
      De repente rola até um visual estilo coupê como o HB20S.
      Versão de entrada 1.0 turbo at6 por 69.990, e versão Premier por 79.990.
      Com 1.500 vendidos atualmente, chegaria fácil nos 3 mil e rivalizaria com os médios focando em preço.

      • mjprio

        Mas teria que ser um 1.0 mais potente. Ou então aumentar a cilindrada pra 1.2 e chegar aos 130CV. Isso sem contar que o mercado de médios seria abandonado. Nao da pra competir com um modelo desses contra Civic Corolla e Jetta

        • Roberto

          Vai ter um motor maior para o Tracker, então poderia ser na versão mais cara.
          O 1.0 serve pro de entrada, provavelmente seria um carro bem mais leve que um médio.

        • Paulo Lustosa

          O CSS Prime 1.2 turbo de 130 cv já existe e a Opel usa, porém tiveram a cara de pau de chamar de Puretech sendo que é um motor totalmente diferente do Puretech próprio da PSA e somente é usado no Astra facelift de 2019 pra frente.

          • mjprio

            Aí é brincadeira.

            • Paulo Lustosa

              Pra você ver como a PSA foi pilantra hauhahuauhahu nego achava que era o mesmo Puretech dos Peugeot e dos Greenland e Crossland X, quando abre o capô, vê o mesmo bloco do Onix Plus aumentado pra 1.2 e com dupla injeção.

      • Já tem o Monza na China, no lugar do Cobalt.

        • Aristênio Catanduva

          só que um Monza completo com Motor 1.3T iria ficar mais atrativo que um Cruze de entrada

          • Roberto

            Esta é a intenção. Oferecer um produto bom, mais barato e de dimensões similares aos médios.

        • Roberto

          Mas é outra plataforma.
          Podiam fazer o visual do Monza com a plataforma do Onix.
          Mas se tiver como fazer exatamente como o Monza, quem sabe não rola um hatch hehehe

          • Paulo Lustosa

            Na verdade a plataforma já existe, que é a Gamma II. Tá mais fácil ainda pra fabricar.

      • LL

        No site achei onix plus aut á partir de R$66.000,00

        • Roberto

          A versão sem nome é 58k. A LT que é 66.

      • Edson Fernandes

        Se for para fazer tudo isso para vender 1500 por mês, desfaça o Cobalt e mantenha o Cruze mesmo.

        • Roberto

          1500 ele já faz, se tivesse melhorias como teve o Onix, poderia ocupar a faixa 70 a 80 (ou até 90 num RS) e vender, quem sabe, uns 3000. Ou mais, como faz o Corola.

          • Edson Fernandes

            Dificil. Isso porque o Cobalt certamente terá menos vendagens com “roupagem atual” do que a novidade Onix plus. Brasileiro adora novidade.

            Mas que seja novidade visual.

      • Eric PB

        Errado. Onix plus AUTOMÁTICO a partir apenas da versão LT por 66mil. Esta versão que vc citou por 58 mil ”sem nome” é a inicial com motor turbo e cambio MANUAL, não há opção de AT nela.
        Esta versão de 58mil é a inicial pé de boi, não tem nada demais nela. Não tem rodas de liga, nao tem farol de neblina, não tem retrovisores e maçanetas na cor do carro, não tem mylink, nao tem hill holder dentre muitas coisas. A LT de 66mil e AUTOMATICA aí sim adiciona mylink, rodas de liga, pintura de retrovisores e maçanetas, entre outros.
        Portanto um cobalt advantage com rodas de liga, um cambio at, por 59900 e qm sabe até mylink não seria nada mal.

  • SDS SP

    Na prática isso já está acontecendo faz algum tempo.

  • Kaian Reis

    a chevrolet poderia fazer uma versão “joy” do cobalt voltando com o motor 1.4 e tirando itens como retrovisores elétricos, mylink, faróis de neblina, banco de couro e o preço por uns 54 mil

    • Roberto

      55k 1.4 at6

    • mjprio

      E ainda estaria caro. Fora que 1.4 ele fica meio manco

    • Por R$ 49.990… por R$ 54.990 tem que ser o 1.8, e nem tão capado assim.

    • ViniciusVS

      Para táxi sempre existiu essa versão 1.4 LT

      Vem com banco de tecido, motor 1.4, calota, sem antena e sem rádio… Bem básico. Não tem no site pois é para frotistas…

      • João Silva

        Está por 48500 o LTZ 1.8 2020 para táxi em Florianópolis.

  • mjprio

    55 pilas o LTZ (último dos moicanos) com taxa zero em 36X eu levo e abro mão do novo Onix rsrsrs

    • Edson Fernandes

      Trocará seu Versa?

      • mjprio

        Foi só uma brincadeira rsrsrs. A grana ta curta e o Versinha ta atendendo bem. Fazendo quase 13 na cidade com ar ligado e não da problema.

        • Edson Fernandes

          Meu pai faz 12km/l no dele. Comentei com ele do Fluence que uso no alcool pq o antigo dono do Versa só usava gasolina e meu pai encafifou que deve então só manter nesse combustivel…rs

          Vai ser dificil seu carro dar problemas… ele é bem robusto.(e vc não teria essa economia no Cobalt…rs)

    • Malvino Jose Moreira Junior

      Esse versa é o 1.0 ou 1.6? Pessoal tem falado muito bem do versa!

      • mjprio

        O meu é 1.6 SL. Tenho a 3 anos e nenhum problema grave.

  • Eduardo Sad

    Comprei um em 2012 e vendi em 2017. Foi um grande companheiro, me dando um excelente retorno financeiro em quase 5 anos de convívio. Na época, precisava de espaço, não podia gastar muito (valor de compra, manutenção, seguro, IPVA e depreciação). Achava-o bastante confortável com boa posição de dirigir, comandos de câmbio, pedais e volante leves e bem localizados. Ainda acho que, repisicionando o valor, a GM tem um bom produto dependendo da finalidade do comprador.

    • Robson

      Uma versão 1.4 com ar, direção, vidros, travas, retrovisores elétricos e sem neblina ou roda de liga por 49.990,00 ia vender bem. Aparência a parte da versão antiga, sempre achei um bom carro, dirigi por um tempo um 1.4 LTZ 2013 e era bem agradável, mesmo o motor era ok apesar do tamanho do carro, não é show de desempenho mas fica longe de passar vergonha como os pilotos de teclado gostam de julgar.

      • Eduardo Sad

        Verdade. O meu era 1.4 também e adorava viajar nele. Anda normal, principalmente depois de embalado. Cheguei a rodar 1600km num único dia, numa viagem de 5mil km em 3 semanas. Não descarto comprar outro como segundo carro, pro dia a dia, quando baratear um pouco mais.

  • Gustavo

    Com o Onix Plus chegando a 76k e o Cruze começando em 100k, tem espaço suficiente para o Monza chinês ocupar essa lacuna com versões LT, LTZ e Premier. Acho dificil a GM não fazer uma nova versão do Cobalt ou trazer o Monza chines na mesma plataforma do Onix.

    • Paulo Lustosa

      Dá pra deixar o carro, mesmo com essa carroceria, mais equipado e mais seguro, já que foi desenvolvido em cima do Sonic Sedan. Se a GM colocasse 6 airbags nele, ESP, ar condicionado digital emprestado da S10 e todos os equipamentos do Onix Sedan, mas com o Ecotec 1.8L do antigo Cruze, iria vender bem. Outra alternativa seria o Monza nacionalizado, mas com o 1.8L Ecotec e ser vendido como Cobalt.

      • João Silva

        Esse 1.8 Ecotec bebe mais que a minha turma do futebol toda junta! Está totalmente queimado no mercado por isso, e foi dificil para a GM difundir o consumo baixo do novo Cruze turbo…
        Acredito que esse motor não será ressucitado por aqui!

        • Paulo Lustosa

          Bebe mais que nós tudo por conta do Cruze antigo que pesava quase 1500kg… lá fora esse motor equipava o Opel Astra H Sedan, que era o nosso Vectra, e este por pesar 1180kg, tinha um consumo muito bom, e lá usava câmbio de apenas cinco marchas. E na real, ele é o mesmo família I do Cobalt, só muda cabeçote, periféricos e possui refrigeração do filtro de óleo.

          • João Silva

            Sempre soube que o do Cobalt é Familia I, ok! E o Ecotec era desenvolvimento a partir do Monzatec, Familia II. Não é isso?

            • Paulo Lustosa

              Não, é Família 1 Gen3 igual ao N18YFL do Cobalt, por sinal o código dele é N18XFF

              • Gustavo

                Apostaria mais no Monza. Para mim o Cobalt ainda fica no mercado mais uns dois anos. É o tempo que a GM precisa para lançar o novo Tracker e a nova Montana. Depois vem o Monza, cujo nome ainda tem força no mercado. O Cruze não deve ter sucessor, uma vez que ele já saiu de linha em vários mercados e a GM está focando nos SUVs. A chegada do Monza substituiria o Cobalt e o Cruze com um produto mais refinado que o Ônix, e motor 1.3T. E abriria espaço para o Tracker e a nova Blazer. O Monza poderia ficar na faixa de 80k (LT) a 100k (Premier). Acima de 100k Tracker Premier, Blazer e Equinox. Sedan médio daqui uns anos, só Corolla e Civic.

                • Paulo Lustosa

                  Eu ainda acho que esse 1.3T não será usado aqui e sim o SGE 1.4T, já que este já é feito em Joinville desde 2016.

                • Fabão Rocky

                  Se a GM lançar o Monza por aqui, aposto q a VW lança o Santana tbm p/ concorrer.

      • Fabão Rocky

        Se vier prefiro q se chame Monza msm.

    • Edson Fernandes

      Não entendo… se o Onix plus é o Monza citado, pra que tentar colocar ele em faixa maior de preço?

      Não seria o caso então de criar uma nova versão mais simples do Cruze para preencher essa lacuna? (lembrando que a Chevrolet está preparando o Tracker nessa faixa de preço)

    • João Silva

      Cruze LT é 96.990 na tabela, mas na prática fica por 91/92 dependendo da região. Recentemente soube de promoção no interior de SP a 89.990, nas cores Cinza Satin e Vermelho Edibleberries.
      Se colocarem outro no meio, a proposta de valor do Onix Plus pode ser prejudicada. Ele não seria o concorrente de Virtus, Yaris, City, etc., seria o Monza. Portanto, vejo como possibilidade somente uma nova geração do Monza daqui a uns 3 ou 4 anos para substituir o Cruze com um valor camarada e um nome conceituado por aqui.

      • Gustavo

        Mas o Ônix não é concorrente de Virtus, Yaris e City. Ele não tem tamanho para isso, ainda que sendo maior do que o antigo, ele ainda é menor que o Cobalt. A faixa de preço tb está muito diferente. Os acima citados nas versões automáticas mais simples, City Personal, Yaris XL, Virtus MSI começam na faixa dos 70k, enquanto o Ônix Premier é 73k. Onix é concorrente do Cronos, do Etios, do Voyage, do Ka+ e do Versa atual. Foi assim que a GM precificou ele no mercado.
        Ele é o sucessor do Corsa Sedan, enquanto o Cobalt é o sucessor do Astra sedan.

        • João Silva

          Para mim, a GM veio para pegar as 2 frentes com o Onix/Onix Plus. Junto com os Joy as versões de entrada, batem essa faixa de baixo entregando um projeto melhor mais moderno.
          As versões superiores, entregam similaridades de conteúdos ou em vários exemplos mais, a um preço bem mais baixo!
          Com os hatches então nem se fala! Ou você acha que o Onix não bate de frente com o Polo? O Joy já acabou com o Gol, esse novo é para meter briga com o Polo também. Nem o novo HB20…
          A GM deu uma baita acertada com essa linha!

        • Fabão Rocky

          Cobalt n é sucessor de carro nenhum. A GM quis fazer uma espécie de “Logan”. Astra sedan era um médio. Cobalt, apesar do tamanho, não está na categoria de médio. É um compacto de dimensões maiores q disputava c/ Fiesta sedan, City, Logan nas versões mais caras, etc. Astra sempre foi um médio. Como estava ficando antigo no mercado, a GM lançou a nova geração do Astra chamando de Vectra.

    • Fabão Rocky

      A não ser q o Monza chinês se chame Cobalt aqui.

  • Yuri Lima

    O Cobalt tinha surgido para ocupar o lugar do Astra, inicialmente.
    Depois do facelift, tentou posar de sedan compacto premium e fazer disputa com o antigo New Festa Sedan e os atuais City/Virtus/Yaris Sedan.
    Agora, com a vinda do Onix, ele volta a ser “carro de taxista”, ocupando a vaga que foi do Astra em fim de carreira.

  • Alberto Rigattoni

    Detalhes técnicos à parte, é um bom carro para táxi e aplicativos. É espaçoso, tem porta malas de bom tamanho e manutenção barata.

  • Marcelo Dosec

    Meu pai é taxista e comprou um LTZ AT ano passado. Bom carro, consumo honesto (7,5 km/l de etanol na cidade e 11 na estrada), desempenho satisfatório (17,7 kgfm de torque a 2600 rpm), mecânica robusta, bem equipado e confiável. Só tenho a lamentar o disco de freio pequeno que ele usa na dianteira, tanto que o LTZ 1.4 2012 anterior do meu pai tinha discos maiores (e freava mais). Outro detalhe que incomoda é a redução da capacidade máxima de carga de 450 para 350 kg em virtude dos novos amortecedores e molas (que deixaram o carro mais baixo quando introduziram a linhagem ECO, melhorando a aerodinâmica). E deveria contar com ESP.

  • João Silva

    Em Florianópolis tem Ltz 1.8 2020 em promoção para taxi por 48500 . Por esse preço é bem interessante para os motoristas de praça! Frotista deve ser com valor bem parecido! Muito acima disso, complica!
    O problema é ter taxista e frotista suficiente para garantir uma venda considerável que justifique manter em produção.

  • Fabão Rocky

    Assim como aconteceu c/ o Agile, acontecerá c/ o Cobalt. Um concorrente dentro de casa mais moderno custando o mesmo. O Agile n fazia mais sentido (p/ falar a verdade nunca fez sentido). Assim como o Cobalt agora n faz mais sentido.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email