*Destaque Mercado Tecnologia

Conteúdo maior graças à concorrência acirrada

fiat-uno-sporting-dualogic-13-avaliação-NA-1 Conteúdo maior graças à concorrência acirrada

Lembra-se do kit visibilidade? E do chamado pacote “completo”? Pois é, parece que foi ontem quando os anúncios em jornais, revistas e TV colocam tais pacotes em destaque nas ofertas de veículos. Itens de segurança então, nem mesmo eram citados na maioria dos casos. Isso parece algo dos anos 90, mas sabemos bem que há poucos anos desta década, era isso o que o consumidor acabava comprando. Ele queria isso mesmo ou eram as montadoras que desejavam oferecer o básico aos seus clientes?



Para as duas questões, uma resposta: não havia concorrência acirrada como agora. Mesmo com o IPI majorado de 30% como impedimento para a importação de automóveis em larga escala, bem como a defasagem cambial e, por fim, a crise, o mercado brasileiro não ficou livre de uma disputa por clientes entre os fabricantes. O motivo é simples. A crise fez as vendas despencarem e, quando poucos compram, fazer a diferença é essencial para sobreviver.

Se antes, limpador/lavador do vidro traseiro, retrovisores com controle interno e o quarteto “ar, direção, vidro e trava” eram incluídos em algumas ofertas como um verdadeiro “prêmio” para quem comprasse naquele feirão de fim de semana, agora ofertar um carro sem eles é quase uma blasfêmia.

chevrolet-cobalt-2016-android-auto-2 Conteúdo maior graças à concorrência acirrada

 

Existe sim, para quem ainda quer se apegar ao passado, carros sem “ar e direção”, mas isso para fazer preço chamariz que, em alguns casos, dá até confusão na loja. Afinal, o consumidor atual se acostumou com um popular completo e quando vem a surpresa da ausência de itens básicos, a casa cai. No entanto, na maioria dos casos, o popular se renovou. Subiu de preço, é claro, mas ganhou mais conteúdo. Essa elevação nos valores, porém, esbarrou no segmento superior.

Assim, quando não dá para cobrar mais – também por conta das vendas em baixa, onde preços mais altos significarão perder clientes para os rivais – o conteúdo extra entra como arma. Os kits visibilidade da vida e os “ar, direção, vidro e trava” agora são de série em boa parte dos compactos e mais, agora adiciona-se uma kit multimídia e um layout mais sofisticado para dar uma impressão de valor agregado maior. Não é luxo, mas conta muito um ambiente envolvente e com qualidade percebida mais elevada.

Nesse novo espaço dos populares, a conectividade se tornou a principal arma para atrair os consumidores, agora em menor número, oferecendo integração de smartphones com aplicativos diversos, especialmente de navegação, bem como câmera de ré e sensores de estacionamento. Mas estes itens há cinco anos atrás, não eram de carros de luxo? Na média sim. Agora, eles já fazem parte do jogo no segmento de acesso.

fiat-argo-2018-23 Conteúdo maior graças à concorrência acirrada

E tem mais, a briga pelo cliente fez sistemas mais complexos entrarem de vez na dança, tais como Start&Stop, câmbio automático, concierge, LEDs diurnos, serviços online, piloto automático, paddle shifts, sensor de pressão dos pneus, hotspot WiFi, Bluetooth, bancos em couro, chamada de emergência para o SAMU, entre outros. Para atrair ainda mais os interessados, as diferenças de preços entre as versões caíram bastante, a fim de forçar uma mudança para uma versão mais cara, mas de melhor conteúdo.

Esse movimento em decorrência da disputa pelo mercado menor, também se reflete em segmentos superiores, onde as tecnologias de carros de luxo muito caros hoje já estão disponíveis para uma boa parcela do mercado. O segmento médio, por exemplo, acabou avançando sobre a lacuna deixa pelos luxuosos, que após o período de chegada (das fábricas) ao país, acabaram por elevar bem os preços para compensar as perdas em decorrência do menor volume.

ford-ka-samu Conteúdo maior graças à concorrência acirrada

Mas, isso fez com que tecnologias associadas aos luxuosos acabassem chegando ao segmento. Assim, estacionamento automático, frenagem automática de emergência, alerta de invasão de faixa com correção, controle de cruzeiro adaptativo, alerta de colisão e fadiga, aviso de ponto cego e tráfego traseiro, por exemplo, são alguns dos itens. E muitos deles entraram até nas picapes médias e logicamente nos SUVs. Mesmo entre os luxuosos, oferecer tecnologias para dar exclusividade é uma tarefa bem difícil, mas importante para não ficar nivelado no mercado.

Não vai demorar muito para que algumas dessas tecnologias acabem nos modelos de entrada. Para o consumidor, a vantagem é que não irá precisar migrar mais cedo para ter acesso a alguns itens de carros mais caros. Para os fabricantes, a garantia de que ele não irá buscar estes dispositivos tecnológicos na concorrência. Por fim, teremos consumidores “mal acostumados”. Mas, pelo preço que se paga em um carro novo, quem não quer ser também?

[Com informações da Folha]

 

  • leandro

    E até hoje no anúncio vem um pomposo “com airbags e freio ABS”

    • Tosca16

      Depois que eu li, “vidros com acionamento manual” como opcional de um VW, duvido mais nada kkkkk.

      • sepchampions

        Kkkk, tira esse “opcional” e me dá um desconto maior

        • Tosca16

          Deve tirar uns 500 reais das manivelas kkkk

        • Cuidado, vai que a empresa tire o vidro e coloque um plástico no lugar kkk.

      • Felipe Sebben

        Esqueceram do incrível e fodástico para-choques na cor do veículo… e pensar que isso até pouco tempo atras era opcional até nos carros de luxo nacionais, como omega, vectra e santana.

        • ViniciusVS

          Santana tudo era opcional. A versão básica tinha manivela nas 4 portas, retrovisor com regulagem interna manual, calotas 14, maçanetas e retrovisores sem pintura ( ainda que tinha os dois retrovisores de série), parachoque sem pintura, relógio analógico no lugar do conta giros…

          Única coisa de série era Direção Hidráulica. Nem ar condicionado era de série, um total absurdo…

          Vejo a geração atual reclamando que carros de entrada como Mobi e Kwid não tem ESP, Airbag de cortina, etc… Fico imaginando esse povo na época do Chevette 1.0, Gol 1000 caixote…

          O mercado pode até não ser o ideal, mas não da para negar que ele melhorou muito.

          • Pedro154

            Já ouvi falar que a versão básicas dos Corollas pré-2002 também não tinham A/C de série.

            • José Barbosa

              Ar condicionado ainda era um item opcional mesmo de compactos premium até a virada da década.

          • lheu

            SUPERCALOTAS. Pra mim era o máximo ler isso! rsrs

            • El Gato Negro

              Fui lendo esse tópico, postagem após postagem, só esperando quem ia falar das “supercalotas” da VW… Hahahahaha!!!

              • lheu

                hahah. muito anos 90! :)

              • MauroRF

                kkkkkkk, confesso que fui lendo e esperando o primeiro a comentar isso. Acho que até na década de 2000 eles anunciavam carros com “supercalotas”. E detalhe: tinha Gol que saía sem o intermitente do limpador do para-brisa dianteiro e sem miolo para chave do lado direito. Meu sogro teve um desses.

                • Davi Millan

                  Como assim sem miolo da chave do lado direito?

                  • MauroRF

                    Isso mesmo, em vez de ter o miolo da chave na porta do passageiro do Gol Mi 97, não tinha nada, só na porta do motorista. E não tinha temporizador do limpador do para-brisa. O carro era pelado que só. Nem espelho do lado direito tinha.

                    • Davi Millan

                      Nossa, sem retrovisor do lado direito? Esse eu nunca vi, e olha que andei em gol nos anos 90… mas deve ser daquelas versões tão peladas que até na época o pessoal não queria, como o fusca pé de boi. Legal saber dessas versões que são pouco conhecidas, pelo menos eu nunca tinha visto.

            • MauroRF

              Vidros verdes eram opcionais também nos anos 90. As supercalotas ainda existiram nos anos 2000.

          • Muito bem ViniBoy, agora acrescente ainda que por volta de 1994, comprava-se o Gol 1000 caixote por 100 salários mínimos no preço de tabela e ainda tinha ágio de 35% em média.
            O Gol bolinha 1000i e o Corsa Wind pelados, saiam por 150 salários mínimos.
            Carro é caro hoje sim, mas 20 anos atrás era absurdamente mais caro e pelado.

            • Luis Burro

              Mas o q mudou em relacao a antigamente?Soh a adicao de alguns equipamentos,a qualidade dos materiais continua sofrivel!

            • Iann Alvarenga

              nesta época o salario minimo não chegava a 100 dólares.

        • Gu92

          E pensar que um dos primeiros carros nacionais que trouxeram o para-choque da cor do carro de série foi o Fusca Itamar em 1993!!

          • Angelo Lucca

            Já tinha os Escorts XR3 em 1984…mesmo em aço, eram da cor do carros. Após 1990 com os parachoques envolventes (lançados em 86/87) os XR3 já vinham na cor do carro.

        • Whering Alberto

          Tempra também.

        • Whering Alberto

          E tem as super-calotas.

          • mjprio

            Pessoal ta esquecendo do volante espumado rsrsrsrsr

            • MauroRF

              kkkkkkk, bem lembrado, tinha esquecido disso.

      • FearWRX

        Você sabe quando o carro não tem nada quando eles começam com esse tipo de encheção de linguiça.
        o Kia Cerato também tinha um monte dessas no folder de propaganda.

      • Hendel Marques

        Nada supera as supercalotas!

      • Henry

        Opcional kkkk.
        Também depois li no site Vw super calotas.

    • 1 Raul

      Esquereceram do kit visibilidade e calotas integrais…

      • mjprio

        volante espumado, calotas parciais e desembaçador traseiro. E não vamos esquecer do encosto de cabeça que em certos casos nem no banco dianteiro tinha!!!

    • Edson Fernandes

      E as versões completas de algo quee nem é completo?

      • MauroRF

        Famoso completo, menos ar e direção. kkkkkkkk, até o Monza tinha isso, principalmente os SL/E.

        • Edson Fernandes

          Pior que mesmo os carros atuais, vc procura modelos médios, o cara coloca “completo” e vai ver, é a versão basica. Só porque tem ar e direção.

          Está na hora de mudar esse conceito porque muitos compactos e demias produtos nõa tem mais essa de não ter os itens de conforto. Então chama-lo de completo é ruim nessa situação.

  • Cleidson

    Concorrência ajuda a aumentar o nível? Concordo em partes. Corolla só foi ter ESP agora enquanto os outros já tinham há muito tempo. Ka, Sandero e Uno tem ESP em algumas versões e o líder Ônix não tem.

    • Matheus

      E você acha que se não houvesse concorrência (nova geração de Civic e Cruze), o Corolla teria colocado ESP?
      Ou se o Ônix não fosse líder disparado o Ka, Sandero e Uno teriam ESP???

    • Bruno Costa

      E por que você acha que o Corolla ganhou ESP desde a versão de entrada? Bondade da Toyota? Não, foi a concorrência oferecendo e os consumidores já achando algo normal ter. Era colocar ou começar a encarar cara feia do consumidor com “como assim não tem?”

      • igomd

        Exato, vejo muito os senhores “tios” proprietários do Corolla anterior XEI jurando que o carro possui controle de estabilidade e “câmbio de 5 velocidades”
        Como assim não tem?
        Não, é um câmbio normal eles dizem, econômico

        Hoje é tão mais comum que é obvio que o Corola, completo, lider de mercado deve ter. Só que não.

  • Catucadao

    Uno Azul!

  • Tosca16

    Se for como tenho lido, e não tiver mais barreiras comerciais, os chineses irão fazer essa concorrência crescer ainda mais… vê o pacote de modelos como T40, com até câmera frontal, mesmo que opcional. Mas duvido que tenhamos lá esses preços que muitos acreditam mesmo com o fim do Inovar Auto e IPI majorado em 30%.

    • ViniciusVS

      O problema dos Chineses nem é preço e sim o preconceito e falta de estrutura.

      Os preços hoje são bem abaixo da concorrência mesmo com o inovar auto, só se venderem os carros de graça como meio de transporte “descartável”, por exemplo o T40 por 30k.

      Infelizmente quem tem mais de 50k para dar em um carro não quer chinês.

      • Tosca16

        Cara, justamente o contrário, mais fácil vender um TIGGO7 por 100 mil que um New QQ por 30, quem tem menos é o que é mais receoso em investir em marcas e modelos novos no mercado, o erro maior foi esse, focar em populares quando na verdade deveriam ir em veículos maiores tais como sedans médios e SUV’s.

        • Mayck Colares

          Penso o contrário, pelo menos com meu dinheiro se não quero dar 30 mil em um chinês com certeza não vou dar 100. E olha que já comprei citroen de 100 e quero um peugeot de 140 (mas esse acho q vou esperar desvalorizar pra comprar com um ano)

          • Tosca16

            O mercado não diz o mesmo, os chineses quando apostam em modelos mais caros aumentam sua participação de mercado.

            • Ernesto

              A Chery aumentou a participação vendendo mais QQ em vez de Celer que é mais caro.

              • Tosca16

                A questão do Celer não é preço, e sim categoria, disputa com os líderes de mercado, e o New QQ nadava sozinho abaixo dos 30 mil, agora terá o Kwid a esse preço, mas numa versão pelada. Veja que ano passado, ou a dois anos seguidos o mais vendido entre os chineses foi um SUV, era o X60 depois passou a ser o JAC T5; QQ cresceu de abril pra cá.

          • Matthew

            É que você está considerando dois extremos. A ideia do carro chinês é que pelo preço de um Onix LTZ (algo na casa dos 60 mil), você consegue levar um SUV chinês. Mesma coisa com celulares. Pelo preço de um Motorola G5 Play (1,2 k) dá pra pegar um de marca xing ling com especificações muito superiores…

            • Eu fiz isso com celular kkk e to esperando um bom carro chinês da GWM Haval ou da Geely, aquele GC9 é um dos meus desejos. E tem o belo GAC Trumpchi, mas poderia ser um BYD Tang também. Tem alguns modelos que eu fico “namorando” de longe hehehe, mas depende claro do preço que será cobrado aqui.

          • Rodrigo

            Vai pegar o 3008? se sim, baita carro, vai mandar bem.

          • Compara com Hyundai e Kia, chegaram por cima, os japoneses também, pra depois investir em popular. Primeiro tem de fazer um nome. E se vc oferecer algo melhor e mais equipado que a concorrencia nessa faixa entre 50 e 100 mil, a classe média compra sim, principalmente se for SUV hoje.

    • José Barbosa

      O problema dos chineses é não entender exatamente o nicho do mercado que se destinam. Acho um absurdo venderem seus carros como “completos” e na absoluta maioria deles não ter câmbio automático nem como opção. Além disto, gostaria de ver as marcas principais, como SAIC e um retorno da Geely.

      • Tosca16

        Não trazer câmbio automático é um erro enorme, e o “completo” não deixa de ser marketing, veja que quando a JAC por exemplo chegou aqui muitos mecânicos elogiaram por ser um popular com tecnologia VVT por exemplo… um pacote de equipamentos bom, muito bom, pra época… depois o mercado se equiparou, e os chineses começaram a ter um pacote similar demais, mesmo que sendo mais baratos que os concorrentes diretos. Veja só o nível de equipamentos do T40 e do Sandero Stepway, se tivesse o AT o JAC seria imbatível neste segmento.

      • A melhor marca nesse momento chinesa pra vir para o Brasil é a GWM Haval, por ela ser lider em Suvs na China. Vai bombar por aqui.

  • Ricardo

    Qualquer item opcional de R$ 100 é R$$ 2000 reais a mais no valor do carro! Otários!

  • João Cagnoni

    E tudo é culpa de quem? Do comprador que não valoriza o seu dinheiro. Popular 0km pra mim nunca mais, não vale metade do que cobram.

  • Licergico

    “kits visibilidade” confesso que mesmo acompanhando o mercado automotivo a mais de 20 anos nunca tinha me deparado com este termo . Deve ser coisa de SP ( assim como a bizarra mania de medir consumo de carro com álcool ) .

    • Tosca16

      Se em SP é o único lugar do país que vale a pena usar Etanol, porque não medir o consumo no mesmo ? E se tratando de desempenho, boa parte, pra não dizer todas montadoras, usam o combustível da cana-de-açúcar pra fazer suas medições.

      • Guedes

        Simplesmente porque o Brasil não é só SP,né?

        • Tosca16

          Se for por isso, as fabricantes deveriam extinguir os flex… mas o maior mercado consumidor não pode ser renegado, birrinha de vocês com SP, sou de Sergipe e nem por isso tenho essa inveja toda.

          • Guedes

            Não é birrinha, seria um dado prático. Se, sei lá, em 80% do Brasil rodarem com álcool não é vantajoso quase nunca, não vejo motivo para os testes mostrarem consumo no álcool.

            • ViniciusVS

              Só por São Paulo ter a maior frota do País ( quase 40%) e pouco mais de 20% da população Brasileira já acho plenamente relevante a pesquisa mostrar o consumo no Etanol mesmo que só tenha vantagem em São Paulo. Se existe a pesquisa é porque é uma informação relevante e existe mercado para o Etanol…

              Informação nunca é demais, basta ser seletivo e garimpar aquilo que te interessa.

              • Guedes

                Entendi. Essa frota de 40% é mais importante do que os 60% dos outros estados.

                E os 20% que vivem em SP são mais importantes do que os 80% do Brasil.

                • ViniciusVS

                  Não, você não entendeu…

                  Ninguém falou que São Paulo é MAIS importante que outros estados, o que falamos é que é um mercado importante também.

                  Se você acha que alguma montadora vai abrir mão de um mercado como São Paulo, realmente você não tem noção das coisas.

                  • Guedes

                    Eu disse pra abrir mão? o que eu disse que seria mais relevante se as REVISTAS considerarem a gasolina nos testes, não as montadoras;

                    • Ernesto

                      Se o maior mercado no Brasil ainda há vantagem de uso de etanol, então é por isso que os testes são com etanol.

        • Ernesto

          Sim, não é, mas o mercado em São Paulo é muito maior que de qualquer outro Estado.

    • Guedes

      Pois é. Não seria “kit dignidade”?

    • Guedes

      E de chamar loja de automóveis de “garagem”.

      • Marcos Souza

        Aqui é picareta de carros…RS
        Então garagem é até mais “pomposo”

        • Guedes

          Po, mas pra mim “garagem” é onde se estacionam carros, não onde se vende.
          “O seu prédio tem garagem”?
          “Tem sim.”
          “Então lá vendem-se carros?”
          kkk

  • NaoFaloComBandeirantes

    Lembro até hoje de um amigo que comprou um gol sem limpador e desembaçador, mas tinha roda de liga!!! hahahaha
    Prioridades são prioridades…

  • Conteúdo maior, mas também o preço…

  • Todos esses opcionais custam caro. Procurar um bom carro, com o básico de acessórios, porque você não quer gastar muito, ficou quase impossível.

  • afonso200

    entao aumentaram preço devido a baixa venda,,,,,humm interessante esse brasil

  • Luis Burro

    Este texto eh uma facada nas costas!
    Nao sei se mais algm achou q estah em favor das montadoras,como se tivessem fazendo uma gentiliza aos consumidores.
    O valor de entrada gira em torno dos 40 mil e soh recentemente diminuiu com os sucompactos apesar do tombo nas vendas a mais tempo.
    A qualidade continua a msma porcaria de 20 anos atras se nao pior(algns adaptados da india q se mostram completamente inferiores naquele pais).

    • Marcos Souza

      Não notei isso no texto, mas já notou o quanto os hatchs pequenos aumentaram de tamanho? Os subcompacto a de hj tem o mesmo espaço interno que o Palio, uno, corsa e gol tinham na década de 90. Sentar no banco traseiro de um Corsa bolinha era mais apertado que sentar no banco traseiro de um up hj.

      • Luis Burro

        Ah,do Up!Jah entrou no mobi?Nao cabe nem cadeirinha direito.

  • Luis Burro

    A descricao dos itens de serie jah era pra matar,qnta imaginacao

  • Luis Burro

    Se mudou,foi pela alteracao de comportamento dos proprios consumidores q nao aceitam mais pagar o msmo valor por menos,e provavelmente nao de iniciativa das montadoras.

  • Marcos Souza

    Garagista aqui na minha cidade disse que não compra mais carro usado que não tenha ar/d.h.
    Só na troca por um carro dele e ainda paga bem abaixo da FIPE.

  • Rodrigo

    surreal ainda o câmbio automático, uma tecnologia tão velha, ser tão cara ainda para nós, é inacreditável.

  • Rodrigo Lagoa

    nao quero nem ver a lerdeza que vai ser quando todos esses populares estiverem com modos autônomos de direção no transito! AI SIM VAI ENGARRAFAR!!!

  • Davidsandro18

    Me fez lembrar do meu primeiro carro, um celta life que comprei zero km no final de 2009, fiz questão do kit visibilidade, e tava me achando o foda por isso kkkkk… usava um celta de primeira geração de uma tia e era um saco ficar limpando o parabrisa e o vidro traseiro com um pano rs… depois no começo de 2012 troquei por um outro Celta LT com ar, direção, vidro e trava. Depois peguei um up! TSI, que tive que vender pra investir na minha casa… agora tô com um crossfox já modelo 2018 com aquela sopa de letrinhas. Que venha o novo Polo! rs…

  • André Gonçalves

    O Uno é bem completo, mas o preço é fora da realidade. Não é a toa que ele vendeu menos de 1000 unidades.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend