Corcel 2: a segunda geração que fez sucesso e depois gerou o Del Rey

Depois do enorme sucesso da primeira geração do modelo, o Corcel 1, e mais de 650 mil unidades vendidas, a Ford estava preparando a chegada triunfal da segunda geração que seria apresentada em 1977 como modelo 1978 e seria conhecida como Corcel 2.

Corcel 2 chega em 1977

Com novos concorrentes e modelos antigos recebendo atualizações importantes, a Ford não poderia deixar o Corcel para trás.

Mesmo com as excelentes vendas, o Corcel 1 precisava de qualidades para entrar de cabeça nos anos 1980.

Para isso a Ford aproveitou a mesma plataforma com algumas melhorias e refez completamente a carroceria do modelo, criando o Corcel 2.

Foi assim que o Corcel 2 perdeu a carroceria de quatro portas – pois o mercado nessa época não aceitava muito bem modelos com esse tipo de carroceria – e apostou apenas na perua e no cupê meio sedan.

Corcel 2: a segunda geração que fez sucesso e depois gerou o Del Rey

Corcel 2 – visual

As linhas gerais do Corcel 2 eram mais retilíneas e condizentes com as propostas apresentadas pelos concorrentes.

Saem de cena os faróis redondos e entram no lugar faróis maiores e retangulares, com uma grade maior e toda filetada com o logo da Ford ao centro.

Já na traseira do Corcel 2 as lanternas retangulares de tamanho menor da última atualização de estilo são trocadas por um novo conjunto maior e que tem mais presença junto da tampa do porta malas.

Corcel 2: a segunda geração que fez sucesso e depois gerou o Del Rey

Com essas alterações o Corcel 2 parecia ligeiramente maior que a primeira geração, e bem mais moderna também.

Outro detalhe de design interessante era a queda suave do sedan de três portas, o que fazia com que o modelo tivesse um aspecto de fastback.

Mesmo com uma carroceria nova, o comprimento do Corcel 2 era muito semelhante ao da geração antiga, por conta da mesma plataforma.

O Corcel 2 tinha 4,47 metros de comprimento e entre eixos de 2,44 metros. As únicas diferenças para o Corcel 1 estavam na largura – 1,62 para 1,66 metros – e na altura de 1,37 metro para 1,35 metro – o que fazia com que o Corcel 2 parecesse mais esguio e comprido.

O Corcel 2 também tinha ganho peso na troca de geração, cerca de 15 kg a mais que o cupê tinha em relação ao modelo anterior.

Corcel 2: a segunda geração que fez sucesso e depois gerou o Del Rey

A linha do Corcel 2 era acompanhada pela perua Belina, que adotava a mesma dianteira do Corcel 2 com seus faróis retangulares e grade filetada.

Um dos maiores trunfos da perua era o amplo espaço interno que acomodava com muito conforto ate cinco ocupantes e suas bagagens.

Já um defeito eram as enormes e pesadas portas dos modelos da linha Corcel 2, que eram demasiadamente compridas e muito pesadas, dificultando o abre e fecha mas também ajudando a entrada e saída dos passageiros para dentro do veículo.

Corcel 2: a segunda geração que fez sucesso e depois gerou o Del Rey

Corcel 2 – motores

No quesito motorização, a linha Corcel 2 vinha com o mesmo motor 1.4 litro da geração anterior, só que com menos potencia a princípio.

Originalmente o motor que chegou a render 85 cavalos na primeira geração do modelo, no Corcel 2 passou a contar com apenas 72 cavalos.

E como o novo modelo era 15 kg mais pesado que o anterior, o pequeno motor 1.4 sofria quando o carro estava carregado.

Seus números também não eram dos mais impressionantes. Agora o ele fazia o 0a100 em 20,9 segundos e conseguia atingir a máxima de 130 km/h.

Se a potência não justificava, os itens de segurança e tecnologia faziam a contraproposta. O Corcel 2 apostava em estabilidade e um nível de ruído muito melhores do que a primeira geração por exemplo.

Corcel 2: a segunda geração que fez sucesso e depois gerou o Del Rey

Corcel 2 – concorrentes

Os principais concorrentes do Corcel 2 eram o Volkswagen Passat e o Dodge Polara, e no quesito economia o Ford conseguia bater os dois modelos com grande facilidade.

Sem falar que o Corcel 2 tinha desenho mais moderno, elegante e tinha um interior muito mais confortável para os passageiros que os modelos citados.

Era também mais robusto que o Dodge Polara também. Por falar no interior, ele era considerado um dos mais belos e ergonômicos pela mídia especializada da época.

Corcel 2: a segunda geração que fez sucesso e depois gerou o Del Rey

1979

Um novo motor era apresentado em 1979 para poder bater de frente com seus concorrentes, entra em cena o motor 1.6 litro com 90 cavalos e torque de 13 kgfm e sai de cena o antigo motor 1.4 que acompanha o Corcel desde sua primeira geração.

Junto com o novo motor a Ford introduz um novo câmbio de 5 velocidades com engates curtos e bem precisos, fazendo do Corcel 2 um dos modelos mais econômicos da categoria.

O Corcel 2 GT continuava a fazer parte da gama e contava com o mesmo motor 1.6 litro das versões comuns, mas com um acerto diferenciado para o escalonamento das marchas, e na suspensão, para que ficasse mais esportivo.

Corcel 2: a segunda geração que fez sucesso e depois gerou o Del Rey

1980

Para 1980 a maior novidade mecânica da linha Corcel 2 era a adição do motor movido à álcool, que segundo revistas especializadas da época era mais moderno e mais econômico que vários concorrentes com o mesmo tipo de combustível.

Apesar de ser menos potente que a versão a gasolina, o modelo à álcool tinha um torque maior que os dos concorrentes, com 71 cavalos e torque de 12,2 kgfm mais especificamente.

Corcel 2: a segunda geração que fez sucesso e depois gerou o Del Rey

Corcel 2 Hobby

Outra novidade para o início dos anos 80 era a nova versão Corcel 2 Hobby, que tinha um apelo mais jovial e tirava os frisos laterais cromados e da dianteira.

No interior destacava-se um acabamento em preto e vermelho e um novo volante mais esportivo do que o convencional.

A perua Belina passava a contar apenas com o motor 1.6 litro, o que fazia muito mais sentido, devido ao seu peso extra.

E o Corcel vira Del Rey

A linha Corcel 2 ganhava em 1981 uma nova linha de luxo denominada Del Rey, com sedan de quatro portas e perua de duas portas.

O desenho geral do Ford Del Rey era elegante e sofisticado, e contava com as quatro portas – duas a mais que na linha Corcel 2 – e contava também com um interior mais incrementado que no modelo que lhe deu origem.

O interior trazia itens de conforto e segurança que só eram vistos em carros de categoria superior.

Corcel 2: a segunda geração que fez sucesso e depois gerou o Del Rey

Itens como vidros elétricos com comandos na porta do motorista, ar condicionado integrado ao painel e teto solar poderiam ser encontrados nos Del Rey.

O painel de instrumentos também era bem completo e incluía conta giros, manômetro de óleo e voltímetro.

Corcel 2: a segunda geração que fez sucesso e depois gerou o Del Rey

Para 1983 a linha Del Rey ganhava um novo câmbio automático de 4 velocidades, e algumas melhorias no acabamento interno.

Já para 1985, tanto a linha Corcel 2 quanto o Del Rey ganham uma última remodelação.

Ford Pampa

Como já dito em outro artigo, a linha Corcel 2 ganhou também ganhou a companhia de uma picape chamada Pampa, que ficou em vigor até 1997 quando deu lugar para a Ford Courier derivada do Fiesta.

A Pampa, no seu curto período de existência, conseguiu ser a mais moderna e prática picape derivada de carro de passeio da sua época.

Com versões a álcool e até com tração nas quatro rodas a Ford Pampa elevou o patamar das picapes derivadas de carros de passeio.

Corcel 2: a segunda geração que fez sucesso e depois gerou o Del Rey

Fim de linha para o Corcel 2

A linha Corcel 2, que agora só atendia pelo nome de Corcel, saiu de linha em 1986 e a perua Scala saía de linha no mesmo ano, ficando em linha a Belina, perua do Del Rey.

Os remanescentes foram os Del Rey que continuaram em linha até 1991 e a versão picape – o Pampa – que saiu em 1997. Depois disso a Ford passou apenas a apostar em carros menores e compactos como o Fiesta por exemplo.

Curiosidades

O Corcel 2 com motor 1.6 litro foi primeiro modelo da Ford a contar com a insígnia “1.6” na traseira, pois antes dele as demais marcas e a própria Ford apenas se referiam aos motores de seus carros de acordo com o deslocamento em cm³ e não pela chamada “litragem”.

O que significava que o 1600 cm³ seria tratado como 1.6, por exemplo, e depois outras marcas passaram a adotar e até a arredondar o valor para cima, como 1499 cm³ virava 1.5 litro, por exemplo.

Corcel 2: a segunda geração que fez sucesso e depois gerou o Del Rey

Outro ponto curioso é que a linha Corcel 2 se restringia ao cupê e à perua, mas em contrapartida a linha Del Rey contava até com uma picape e a versão com 4 portas para o sedan.

Corcel 2: a segunda geração que fez sucesso e depois gerou o Del Rey

O motivo disso era que carros “pequenos” como o Corcel 2 com quatro portas eram mal vistos pela mídia especializada e pela população como um todo, agora um sedan dito como “médio” como era o caso do Del Rey, era mais que obrigação ter as portas traseiras.

Mas qualquer outro modelo que tivesse quatro portas nessa época seria considerado carro de taxista, quase o mesmo tipo de pensamento que temos atualmente com carros brancos em São Paulo ou amarelos no Rio de Janeiro, que são facilmente associados com os táxis.

Ficha Técnica

Ford Corcel 2 GT 1979

Motorlongitudinal, 4 cilindros em linha, 1555 cm3, carburador de corpo duplo
Diâmetro x curso79,9 x 83,5 mm
Taxa de compressão8:1
Potência90 cv (SAE) a 5600 rpm
Torque13 kgfm a 4000 rpm
Câmbiomanual de 5 marchas, tração dianteira
Dimensõescomprimento, 446,8 cm; largura, 166 cm; altura, 133,8 cm; entre eixos, 243,8 cm
Peso950 kg
Suspensão dianteiraindependente com braços triangulares inferiores e simples superiores
Suspensão traseiraeixo rígido com braços tensores longitudinais
Freiosdisco na frente e tambor atrás
Direçãopinhão e cremalheira
Pneus185/70 R13 radiais

Kleber Silva

Kleber, 28 anos, designer e apaixonado por carros desde pequeno. Formado em design gráfico pela UNIP, ouvinte assíduo de música pop e master chef nas horas vagas.