Corolla XEi: anos, detalhes, motor, consumo e equipamentos

Corolla XEi: anos, detalhes, motor, consumo e equipamentos

Responsável por mais da metade das vendas do Toyota Corolla, o Corolla XEi vende bem por ser a versão com a melhor relação custo-benefício da gama. Ela sempre trouxe o mesmo motor da variante topo de linha, com alguns equipamentos a menos, mas cobrando um bocado a menos por isso.


O Corolla XEi é vendido no Brasil desde 1998. Veja abaixo a história e os principais detalhes do carro:

Corolla XEi – 1998 a 2000

Corolla XEi: anos, detalhes, motor, consumo e equipamentos

A versão XEi passou a fazer parte do catálogo do Toyota Corolla com a chegada da linha nacional do sedã. Ele começou a ser produzido localmente em setembro de 1998 na planta da marca japonesa em Indaiatuba, no interior de São Paulo, que é responsável até hoje pela fabricação do Corolla para o nosso mercado.

O Corolla XEi, tal como acontece até hoje, estreou como a configuração intermediária da gama. Ele era mais caro que o Corolla GLi (modelo de entrada), porém, mais em conta que o Corolla SE-G (modelo topo de linha).

Ele chegou equipado com um motor 1.8 litro de quatro cilindros e 16 válvulas (quatro válvulas por cilindro) a gasolina, com direito a duplo comando de válvulas no cabeçote, bloco de ferro fundido, cabeçote de alumínio e injeção eletrônica multiponto. Tal propulsor conseguia desenvolver 116 cavalos de potência, a 5.800 rpm, e 15,7 kgfm de torque, a 4.800 giros.

De série, o Corolla saía de fábrica equipado com transmissão manual de cinco velocidades. Todavia, podia receber como opcional o câmbio automático de quatro marchas – esta, de série no Corolla SE-G.

Corolla XEi: anos, detalhes, motor, consumo e equipamentos

A respeito dos equipamentos, o Toyota Corolla XEi vendido entre os anos de 1998 e 2000 era dotado de airbag duplo frontal, encosto de cabeça e cinto de três pontos para os cinco ocupantes, vidros elétricos nas quatro portas (com sistema antiesmagamento no do motorista), travas elétricas, retrovisores externos com ajuste elétrico, ar-condicionado, rodas de liga-leve, coluna de direção com regulagem de altura e sistema de som da marca Alpine com CD player.

Em relação ao Corolla SE-G topo de linha, ficava devendo somente recursos como bancos revestidos em couro e sistema de freios ABS (antitravamento), além de alguns detalhes visuais e de acabamento.

Na época, o Corolla XEi 0 km tinha preços que partiam de aproximadamente R$ 27 mil.

Corolla XEi: anos, detalhes, motor, consumo e equipamentos

Apesar de se tratar de um visual clássico hoje em dia, o Corolla 1998 tinha uma aparência bastante adequada para a época em que foi comercializado. A dianteira era marcada pelo formato mais pontiagudo, com grade e faróis espichados. As laterais, por sua vez, tinham formas mais simples e ampla área envidraçada, enquanto a traseira tinha como destaque as lanternas invadindo a tampa do porta-malas.

Já o interior seguia o padrão de acabamento da categoria, com painel de instrumentos com conta-giros, sistema de som com CD player instalado no topo do painel e detalhes como porta-copos e diversos porta-objetos espalhados pela cabine.

Pecava, porém, no espaço interno limitado para o padrão da categoria. Ele tem 4,39 metros de comprimento, 1,69 m de largura e 1,40 m de altura, com distância entre-eixos de 2,46 metros. Seu porta-malas tem capacidade para 406 litros de bagagens.

Para se ter uma ideia, o rival Honda Civic oferecido naquela época conta com 16 centímetros a mais na distância entre-eixos, chegando a 2,62 m, o que beneficia o espaço para as pernas dos ocupantes que viajam atrás. Por outro lado, o porta-malas do Corolla é maior que o do Honda, que tem 337 litros.

Corolla XEi – 2002 a 2006

Corolla XEi: anos, detalhes, motor, consumo e equipamentos

A nona geração do Toyota Corolla a nível global fez a sua estreia no mercado nacional em junho de 2002. Abandonando o estilo conservador e agora com aposta num visual mais ousado, o novo modelo estreou para acirrar a briga com o Civic. Ganhou ainda um conjunto mecânico renovado, nova plataforma e novos equipamentos.

Começando pelo visual, o Corolla XEi de nova geração estreou em 2002 tendo como destaque as formas mais musculosas. Visto de frente, se sobressaía pelos faróis com duplo refletor integrados ao formato do capô e dos para-lamas. O para-choque, por sua vez, ficou mais proeminente.

As laterais seguiram com formas mais limpas, sem muitos detalhes (como vincos) marcando a lataria. Permaneceu com a boa área envidraçada. Todavia, a linha de cintura ficou mais elevada, conferindo certa personalidade ao Toyota Corolla.

Já na traseira, as lanternas foram redesenhadas herdando o desenho dos sedãs da Lexus (marca de luxo do grupo Toyota).

Partindo para o interior, o painel foi redesenhado priorizando um design mais moderno e também uma maior ergonomia para o motorista, com comandos mais bem posicionados.

Corolla XEi: anos, detalhes, motor, consumo e equipamentos

Fora isso, o carro cresceu em todas as dimensões. O comprimento, por exemplo, saltou de 4,39 metros para 4,53 m, ao passo que o entre-eixos foi ampliado de 2,46 m para bons 2,60 m. A altura foi ampliada em oito centímetros (1,48 m) e largura, em um centímetro (1,70 m). O porta-malas também foi beneficiado, ganhando 31 litros, agora com 437 litros de capacidade para acomodação das bagagens.

Graças a essas novas medidas, os ocupantes passaram a contar com um maior espaço para as pernas e também a cabeça, sobretudo os passageiros que viajam no banco de trás. A Toyota disse na época que houve um aumento de 10 centímetros para as pernas no assento traseiro.

Todas as versões passaram a sair de fábrica com ajuste de altura do volante e do banco do motorista, vidros, travas e retrovisores elétricos, ar-condicionado, sistema de som com CD player, console central com porta-copos, banco traseiro rebatível e comando interno de abertura do porta-malas e da tampa de combustível.

O Corolla XEi tinha ainda recursos como rodas de liga-leve de 15 polegadas, sistema de freios ABS, airbags frontais e alarme com acionamento a distância.

Na motorização, o então novo Corolla na versão XEi passou a ser equipado com um novo motor 1.8 litro 16V de quatro cilindros a gasolina. O propulsor recebeu bloco e cabeçote fabricados em alumínio e comando de válvulas variável, batizado de VVT-i.

Corolla XEi: anos, detalhes, motor, consumo e equipamentos

Este novo propulsor passou a desenvolver 136 cavalos de potência, a 6.000 rpm, e 17,5 kgfm de torque, a 4.200 giros. Para efeito de comparação, o 1.8 anterior gerava 20 cv a menos e 1,8 kgfm a menos. O câmbio é manual de cinco marchas ou automático de quatro velocidades.

A Toyota diz que o Corolla XEi 1.8 acelera de 0 a 100 km/h em 10 segundos com câmbio manual e 12,4 segundos com transmissão automática.

Ainda entre as mudanças, o carro passou a dispor de freio a disco nas quatro rodas (antes, usava freios traseiros a tambor). Recebei ainda suspensão traseira por eixo de torção.

O Corolla XEi 2002 chegou com preço de R$ 39.830 com câmbio manual e R$ 42.900 com câmbio automático.

Em maio de 2007, a Toyota lançou o novo Corolla Flex. O motor 1.8 16V passou a beber etanol e/ou gasolina, mantendo os mesmos números de potência e torque.

Corolla XEi – 2008 a 2014

Corolla XEi: anos, detalhes, motor, consumo e equipamentos

Já em março de 2008, o Toyota Corolla ganhou sua décima geração. O novo modelo chegou seguindo a configuração vendida na Europa, com a missão de reconquistar a liderança de mercado no segmento de sedãs médios, que havia sido tomada pelo Honda New Civic no ano anterior.

Assim como na geração antiga, o Corolla 2009 chegou apostando num visual mais elegante, sem tanta agressividade como no concorrente da Honda. Sua aparência ficou mais marcante, com formas inspiradas na do irmão maior Toyota Camry.

Na dianteira, ganhou linhas mais volumosas. Os faróis ficaram mais afilados e ganharam recorte diferenciado, ao passo que a grade ficou mais compacta e adotou dois filetes horizontais. O para-choque, por sua vez, ficou mais limpo.

As laterais também ficaram mais musculosas e ganhou linha de cintura mais elevada. Já a traseira trouxe lanternas com formato semelhante ao dos faróis.

Corolla XEi: anos, detalhes, motor, consumo e equipamentos

Já o interior assumiu formas mais modernas e ainda um acabamento mais esmerado. O Corolla XEi de nova geração já saía de fábrica com volante multifuncional revestido em couro, painel de instrumentos com iluminação Optitron (que regula a intensidade das luzes conforme a iluminação externa) e descansa-braço central na dianteira e na traseira.

Como opcional, podia receber bancos com revestimento em couro.

A arquitetura seguiu sendo a mesma do modelo antigo. Tanto é que as medidas mudaram pouco, com ganho de somente 1 centímetro no comprimento e 5 cm na largura. O entre-eixos permaneceu o mesmo. Já o porta-malas foi ampliado de 437 litros para 470 litros. O tanque de combustível também cresceu, indo de 56 litros para 60 litros de capacidade.

De série, o então novo Corolla XEi 2008 era equipado com airbags frontais e laterais, ar-condicionado automático e digital, trio elétrico, vidros com acionamento por um toque nas quatro portas, computador de bordo, alarme, faróis de neblina, retrovisores externos com rebatimento elétrico, sensor de luminosidade, entre outros.

Corolla XEi: anos, detalhes, motor, consumo e equipamentos

A respeito da motorização, o 1.8 16V VVT-i Flex ganhou algumas mudanças. Passou a gerar 132 cv com gasolina e 136 cv com etanol. Já o torque passou para 17,3 kgfm com gasolina e 17,5 kgfm com etanol. Ele podia ser associado ao câmbio manual de cinco marchas ou automático de quatro velocidades.

O Corolla XEi 2008 tinha preços de R$ 68,5 mil com câmbio manual, R$ 70,4 mil manual e com acabamento em couro, R$ 72,5 mil com transmissão automática e R$ 74,5 mil automático com couro.

Porém, dois anos após o lançamento da nova geração, a Toyota lançou o novo motor 2.0 Flex para os modelos XEi e Altis. O motor 1.8 Flex ficou restrito às versões de entrada GLi e XLi. O então novo Corolla XEi 2.0 Flex chegou com preços a partir de R$ 75.830.

O novo motor, importado do Japão, é um 2.0 Dual VVT-i Flex. Ele consegue desenvolver 142 cavalos de potência com gasolina, a 5.600 rpm, e 153 cv com etanol, a 5.800 rpm. Já o torque é de 19,8 kgfm com gasolina, a 4.000 rpm, e 20,7 kgfm com etanol, a 4.800 rpm.

Porém, diferente do 1.8 Flex que podia ser encontrado com câmbio manual ou automático, o 2.0 Flex foi ofertado somente com uma nova transmissão automática Shiftronic de quatro velocidades com paddle shifts (borboletas) atrás do volante para troca manual de marchas.

Corolla XEi: anos, detalhes, motor, consumo e equipamentos

Este modelo chegou com preço de R$ 75.830 na configuração XEi.

A última grande mudança desta geração do Corolla foi a linha reestilizada do sedã, anunciada em março de 2011. O modelo passou por leves retoques na dianteira, na traseira e no interior para encarar os novos sedãs lançados no mercado.

Do lado de fora, o Corolla G10 reestilizado pode ser percebido pelos novos faróis, grade redesenhada, para-choques com novo formato, faróis de neblina em posição vertical, novas rodas de liga-leve e lanternas traseiras com formato mais limpo.

Entre os equipamentos, o Corolla XEi 2012 recebeu lanternas traseira em LED e sistema de som com conexão Bluetooth, viva-voz para chamadas, entrada USB, conexão para iPod e MP3 player. Seu preço inicial era de R$ 76.770.

Corolla XEi – 2014 a 2019

Corolla XEi: anos, detalhes, motor, consumo e equipamentos

Em março de 2014 chegou ao Brasil a 11ª geração do Toyota Corolla. Modelo mais vendido da marca, ele estreou com visual e interior totalmente renovados, novo câmbio automático do tipo CVT e lista de equipamentos mais recheada. O modelo brasileiro seguia a mesma linha da configuração vendida na Europa.

O design do novo Corolla 2015 ficou mais agressivo, mas ainda mantendo o padrão das gerações anteriores. A dianteira ganhou faróis mais espichados e interligados à nova grade filetada com acabamento cromado. O para-choque ficou mais robusto e ganhou formas acompanhando o conjunto de faróis e grade.

Já nas laterais, assumiu vincos mais marcantes nas extremidades das maçanetas e na base das portas, enquanto a linha de cintura foi elevada. A traseira, por fim, ganhou um conjunto mais proeminente e lanternas com formato mais anguloso.

Corolla XEi: anos, detalhes, motor, consumo e equipamentos

Na cabine, o destaque era o painel com formas mais retas e acabamento mais esmerado. Além disso, o carro ficou mais espaçoso graças às novas mudanças.

Passou a ter 4,62 metros de comprimento (0,8 centímetros a mais), 1,77 m de largura (1,5 cm a mais), 1,47 m de altura (0,5 cm a menos) e 2,70 de entre-eixos (10 cm a mais). Com isso, houve um ganho de 8,5 cm no espaço para as pernas dos passageiros traseiros.

Nos equipamentos, o Corolla XEi 2015 passou a contar com central multimídia com DVD player, TV digital e tela sensível ao toque de 6,1 polegadas. Adotou ainda cinco airbags (dois frontais, dois laterais e um para os joelhos do motorista) e sistema Isofix para fixação de cadeirinhas infantis.

Corolla XEi: anos, detalhes, motor, consumo e equipamentos

O motor 2.0 Flex ganhou um sistema de partida a frio que dispensa o tanquinho auxiliar de gasolina. Consegue gerar 143 cv com gasolina, a 5.600 rpm, e 154 cv com etanol, a 5.800 giros. O torque máximo é de 19,4 kgfm com gasolina, a 4.000 rpm, e 20,3 kgfm com etanol, a 4.800 rpm.

Ele passou a ser acoplado ao novo câmbio automático Multi-Drive do tipo CVT (continuamente variável) que simula até sete marchas.

O XEi 2015 chegou com preço de R$ 79.990.

Corolla XEi: anos, detalhes, motor, consumo e equipamentos

Em março de 2017, a Toyota lançou o Corolla 2018 com retoques no visual, aprimoramentos no desenho e acabamento internos e, sobretudo, novos equipamentos de conforto e segurança.

Na repaginada no visual, o sedã recebeu faróis dianteiros mais afilados, nova grade, para-choque com desenho mais esportivo, novas lanternas traseiras com iluminação em LED, barra cromada na tampa do porta-malas, para-choque traseiro redesenhado e novas rodas de liga-leve de 17 polegadas.

No interior, o carro recebeu novas saídas de ar laterais, console central redesenhado, novos comandos do ar-condicionado e painel de instrumentos com novos grafismos.

Corolla XEi: anos, detalhes, motor, consumo e equipamentos

Entre os equipamentos de série, o Corolla XEi 2018 ganhou sete airbags (dois frontais, dois laterais, dois de cortina e um para os joelhos do motorista), controles de estabilidade e tração, assistente de partida em rampas, luzes de condução diurna em LED e rodas de liga-leve aro 17.

Adotou ainda painel de instrumentos com tela central colorida em TFT, chave presencial para destravamento das portas, partida do motor por botão, central multimídia com tela sensível ao toque de sete polegadas, navegador GPS e câmera de ré, sensor de estacionamento traseiro, entre outros.

Ainda entre as mudanças, o carro teve sua suspensão recalibrada e com uma nova altura do solo, com 0,5 cm a mais. A direção elétrica também foi recalibrada. O isolamento acústico do carro foi reaprimorado.

O Corolla 2018 na versão XEi chegou com preço de R$ 99.990.

Corolla XEi – desde 2019

Corolla XEi: anos, detalhes, motor, consumo e equipamentos

Mais recentemente, em setembro de 2019, a Toyota passou a vender a 12ª geração do Corolla no País. O carro mudou totalmente, com direito a um visual mais moderno, interior mais sofisticado, novos recursos e até a opção de motorização híbrida flex (somente no topo de linha Corolla Altis).

A nova geração do Corolla 2020 agora é construída a partir da plataforma GA-C, o que rendeu ao carro um centro de gravidade 1 cm mais baixo.

No visual, agora ele tem formas trapezoidais na grade frontal e nas laterais do para-choque. A grade superior é conectada aos faróis, estes ainda mais afilados e prolongados até as laterais do carro. A versão XEi usa faróis de neblina em LED.

As laterais seguem apostando em formas mais limpas. A traseira, por sua vez, agora tem lanternas que seguem o formato da tampa do porta-malas (com design reverso) e queda acentuada nos cantos do para-choque.

Corolla XEi: anos, detalhes, motor, consumo e equipamentos

Já o interior manteve as formas mais retas, mas agora com um painel mais abaulado, seguindo o padrão dos lançamentos mais recentes da Toyota (como o utilitário-esportivo RAV4). O painel de instrumentos tem três mostradores, sendo um para o velocímetro e o nível de combustível, outro para o conta-giros e o termômetro do motor e um terceiro com uma tela TFT colorida de 4,2 polegadas para o computador de bordo.

Em comparação com a geração anterior, o novo Corolla ficou 1 cm mais comprido (4,63 m), 0,5 cm mais largo (1,78 m) e 0,2 cm mais baixo (1,45 m), enquanto a distância entre-eixos foi mantida com 2,7 m. O porta-malas também não sofreu alterações e segue com capacidade para 470 litros.

De série, o Corolla XEi 2020 sai de fábrica com modo de seleção de condução Sport, chave presencial, partida por botão, retrovisor interno eletrocrômico, faróis de neblina em LED, sete airbags, controles de estabilidade e tração, assistente de partida em rampas, Isofix, central multimídia com tela sensível ao toque de oito polegadas, Android Auto, Apple CarPlay e câmera de ré, ar-condicionado automático, entre outros.

Corolla XEi: anos, detalhes, motor, consumo e equipamentos

Ele recebeu o novo motor 2.0 Dynamic Force de quatro cilindros, com comando de válvulas variável inteligente VVT-iE, que usa um motor elétrico capaz de modificar os tempos de abertura das válvulas de admissão. Usa ainda sistema de injeção direta de combustível.

Ele consegue desenvolver 177 cv de potência, a 6.600 rpm, quando abastecido com etanol, e 169 cv, a 6.600 rpm, com gasolina. O torque máximo abastecido com etanol ou gasolina é de 21,4 kgfm, a 4.400 rpm.

Ele agora tem um câmbio automático Direct Shift do tipo CVT que simula 10 marchas.

O Corolla XEi 2020 chegou custando R$ 110.990, mas hoje já tem preço de R$ 112.990.

Leonardo Andrade

Leonardo atua no segmento automotivo há quase nove anos. Tem experiência/formação em administração de empresas, marketing digital e inbound marketing. Já foi colaborador em mais de sete portais do Brasil. Fissurado por carros, em especial pelo mercado e por essa transformação que o mundo automotivo está vivendo.