Chevrolet Hatches Matérias NA Sedãs

Corsa Premium: a versão elegante do hatch dos anos 2000

Corsa Premium: a versão elegante do hatch dos anos 2000

Topo de linha, embora não totalmente, o Corsa Premium era a versão mais elegante do hatch compacto da GM, assim como de sua variante sedã, já que na época o nome Prisma era usado pelo sedã derivado do Celta.


O Corsa Premium substituiu a antiga GLS, que existia na primeira geração do modelo, conhecido como Corsa B. No “C”, a versão só perdia em preço para a SS (Super Sport), que tinha apelo mais esportivo, embora sem a performance devida.

Na linha do Corsa C, havia ainda as versões de acesso Corsa VHC (1.0), Corsa Joy e Corsa Maxx, que completavam a gama. É interessante notar que o Corsa Premium não teve motor 1.8 no hatch, existindo este apenas no sedã.

A versão Premium teve ainda motores 1.0 e 1.4. Diferente dos anos 80, a General Motors do Brasil nunca adicionou transmissão automática ao Corsa C por aqui, o que foi uma pena, dada as boas característica do produto.

Corsa Premium

Corsa Premium: a versão elegante do hatch dos anos 2000

O Corsa Premium era o topo de linha original, que tomou o lugar do antigo GLS da geração anterior. Essa opção era a mais elaborada, sem detalhes esportivos, que eram características da versão SS.

Apesar da proposta alusiva, dada pelo próprio nome, a versão Premium não era equipada apenas pelo motor mais forte. O Corsa hatch teve ainda opção 1.0 com essa mesma configuração, além do motor 1.4 e 1.8 no hatch.

Essa primazia ficou com o Corsa Sedan Premium, uma vez que o Corsa Premium 1.8 poderia atrapalhar as vendas do Corsa SS 1.8, devido à performance e pacote oferecido.

Então, a GM eliminou o motor mais forte, que acabou estranhamente ficando nas versões Joy, Maxx e na própria SS. Deve-se lembrar, no entanto, que o Corsa C foi vendido de 2002 a 2004 sem denominações.

Corsa Premium – Estilo

Corsa Premium: a versão elegante do hatch dos anos 2000

A segunda geração do Corsa foi muito bem sucedida no Brasil e na Europa, com a Opel. O compacto tinha linhas harmoniosas e mostrava evolução natural para seu antecessor, o Corsa B.

Com espaço interno adequado, porta-malas bom e boa robustez mecânica, o Corsa Premium era o máximo em elegância do produto. Essa versão vinha com grade dotada de friso preto com logotipo circular da Chevrolet, inspirada na Opel.

Tendo faróis parcialmente arredondados, o hatch “premium” tinha faróis de neblina para se destacar. Além disso, contava ainda com rodas de liga leve diamantadas e com aro 14 polegadas com pneus 185/60 R14.

O Corsa Premium tinha ainda retrovisores, frisos laterais e para-choques na cor do carro, bem como antena no teto. Estranhamente, as colunas eram também pintadas.

Corsa Premium: a versão elegante do hatch dos anos 2000

Até as portas traseiras, hatch e sedã eram iguais, inclusive com suas conhecidas maçanetas embutidas. Porém, no primeiro, tinha vigias laterais nas colunas C mais curtas.

Essas colunas eram pequenas e as lanternas verticais ficavam nelas, sendo parcialmente arredondados, fundidas com a vigia traseira, que era bem ampla.

O Corsa Premium tinha logotipia que identificava a versão nas portas dianteiras e também na tampa do bagageiro, que tinha uma maçaneta preta. Já o para-choque curto e envolvente apresentava refletores nas extremidades.

O hatch media 3,833 m de comprimento, 1,646 m de largura, 1,432 m de altura e 2,491 m de entre eixos, além de 44 litros no tanque e porta-malas com 260 litros.

Corsa Premium: a versão elegante do hatch dos anos 2000

Por dentro, o Corsa Premium tinha padronagem exclusiva nos assentos, além de parte central do painel em cinza, bem como moldura do cluster e maçanetas.

O Corsa tinha tinha interior “by Opel”, chamando atenção por alguns elementos, como o volante volumoso com couro e airbag do motorista, além de difusores harmônicos e alavanca de marchas com couro e pomo cinza.

O cluster vinha com conta-giros, velocímetro, nível de combustível e temperatura da água, além de várias luzes-espia. A iluminação era amarela e bem chamativa. Já a parte central tinha um display digital com relógio e temperatura externa.

A sensação do Corsa Premium era o sistema de áudio com CD player e MP3 embutidos no painel, o que dava mais destaque à versão, que reproduzida os dados do aparelho no display acima.

Corsa Premium: a versão elegante do hatch dos anos 2000

Bem equipada, a versão Premium tinha ainda direção hidráulica, ar condicionado (opcional), vidros elétricos dianteiros, travamento central elétrico com controle na chave, além de alarme. Rodas e faróis de neblina eram opcionais, assim como o som.

Podia receber ainda airbag duplo e freios ABS, algo que torna o Corsa Premium bastante completo. Essa versão tinha ainda alguns itens de destaque, como banco traseiro bipartido com apoios de cabeça e cintos de 3 pontos nas laterais.

Havia também porta-óculos no teto e também apoio de braço central na dianteira. Porém, havia limitações. ABS, airbags e rodas de liga leve aro 14 polegadas eram disponibilizadas apenas com motor 1.8, ficando o 1.0 sem o mesmo cuidado.

O Corsa Premium, assim como a linha 2005, podia vir nas cores Branco Mahler, Preto Liszt, Azul Santorini e Vermelho Lyra, sólidas.

Havia ainda as opções metálicas Verde Adhara, Prata Escuna, Bege Nevada e Cinza Colima, sendo a primeira novidade na linha 2005. A cor Azul Antares era a única perolizada.

Raro mesmo é o teto solar elétrico opcional, um item que hoje em dia valoriza bastante um Corsa Premium usado. O dispositivo surgiu no lançamento em 2002 e foi vendido até 2005.

Sedan

Corsa Premium: a versão elegante do hatch dos anos 2000

No Corsa Premium em versão sedã, o visual frontal era o mesmo do hatch, porém, a traseira era diferente. As colunas C eram maiores e mais avançadas, tendo estas igualmente vigias com área superior.

Mais elegante, o Corsa Sedan reunia elementos mais equilibrados no design, tendo porta-malas mais proeminente, equipado com uma tampa vincada na parte superior, onde havia ainda luz auxiliar de freio.

As lanternas grandes e triangulares davam mais charme e remetiam em estilo ao Astra da época. As lentes ainda eram normais nessa época (2005), enquanto o para-choque era bem envolvente e resolvido esteticamente.

O Corsa Premium em versão sedã media 4,170 m de comprimento, 1,646 m de largura, 1,430 m de altura e 2,491 m de entre eixos. Com o mesmo tanque de 44 litros, seu porta-malas era bem maior: 432 litros.

Atualização

Corsa Premium: a versão elegante do hatch dos anos 2000

Em 2008, a GM introduziu o motor 1.4 no Corsa Premium e nas demais versões, sendo assim eliminados os motores 1.0 e 1.8. É importante lembrar que o hatch teve apenas o motor 1.0 até então, enquanto o 1.8 era exclusividade do sedã.

Na mesma época, cogitou-se uma versão Easytronic do Corsa Premium 1.8 em versão sedã, mas este só existiu em protótipos testados e no marketing da GM, como é possível ver nessa rara foto (acima) da versão automatizada.

Na atualização para a linha 2009, o Corsa Premium manteve airbag duplo e ABS como opcionais, recebendo ainda um leve facelift.

Corsa Premium: a versão elegante do hatch dos anos 2000

A grade frontal passou a ter uma barra cromada, com o logotipo Chevrolet dourado, mas ainda dentro de um aro cromado. O para-choque ficou mais esportivo, ganhando grade inferior treliçada preta e recortes mais acentuados no centro.

Novas rodas de liga leve aro 14 polegadas e com seis raios foram introduzidas, além de lanternas escurecidas e colunas pretas. Contudo, o Corsa Premium na carroceria sedã vinha também com saias laterais e traseiras.

O Corsa Premium tinha uma ampla gama de acessórios, inclusive rádios 1din, spoilers, saias laterais, aerofólios, entre outros. A produção do Corsa C foi encerrada em julho de 2012, pouco antes da chegada do Onix.

Corsa Premium – Motores

Corsa Premium: a versão elegante do hatch dos anos 2000

O Corsa Premium foi produzido com três motores, sendo que até 2008, havia apenas a opção dos 1.0 e 1.8, enquanto a partir dessa data, somente o 1.4 ficou disponível.

Tanto hatch quanto sedã poderiam ter recebido uma caixa automática logo de início, sendo que o mais próximo disso foi a cogitada versão automatizada Easytronic, que acabou ficando apenas para Meriva e Agile.

A embreagem semiautomática foi oferecida apenas na primeira fase do Corsa C no Brasil, antes das nomenclaturas das versões. Então, o Corsa Premium foi um carro que apenas serviu câmbio manual de cinco marchas no cardápio.

Na linha 2005, o modelo chegou com oferta de dois motores, ambos da Família I da GM. O primeiro era o 1.0 VHC, que então não era flexível, sendo abastecido somente com gasolina.

1.0 VHC

Corsa Premium: a versão elegante do hatch dos anos 2000

Com quatro cilindros e cabeçote de 8 válvulas, esse propulsor tinha taxa de compressão de 12,6:1, bem como 71 cavalos a 6.400 rpm e torque de 8,8 kgfm a 3.000 rpm.

Oferecido para hatch e sedã, o VHC garantia desempenho fraco ao Corsa Premium, que no hatch ia de 0 a 100 km/h em 15,5 segundos com máxima de 157 km/h.

Ainda assim, o consumo era bom, fazendo 12,3 km/l na cidade e 16,6 km/l na estrada. Esse motor morreu sem ser flex na linha Corsa, em 2008.

1.8 FlexPower

Corsa Premium: a versão elegante do hatch dos anos 2000

Também da Família I da GM, o 1.8 FlexPower equipou o Corsa Premium até 2008, tendo quatro cilindros e cabeçote de 8 válvulas, mas com tecnologia flex na injeção eletrônica, como dizia o nome.

Tornado flex na linha 2005, o 1.8 tinha taxa de compressão de 10,5:1 e entregava 105 cavalos na gasolina e 109 cavalos no etanol, ambos a 5.400 rpm. O torque era de 17,3 kgfm quando na gasolina e 18,2 kgfm no etanol, obtidos em 2.600 rpm.

Nesse caso, o desempenho do Corsa Premium era bem melhor, sendo que no sedã, o tempo até 100 km/h era de 10,4 segundos e a máxima chegava a 184 km/h.

Oferecido apenas no sedã, o 1.8 permitia que o mesmo fizesse 7,6 km/l na cidade e 11,0 km/l na estrada, quando abastecido com álcool. Na gasolina, o Corsa Premium fazia 11,0 km/l na cidade e 16,3 km/l na estrada.

Mais adiante, esse motor foi atualizado para 112 cavalos na gasolina e 114 cavalos no etanol.

1.4 Econo.Flex

Corsa Premium: a versão elegante do hatch dos anos 2000

O Corsa Premium foi a última versão da geração C do modelo no Brasil e morreu em 2012 com o motor 1.4 Econo.Flex, que também era um derivado da Família I da GM e tinha tecnologia flex.

Era o 1.4 aspirado mais potente da época, sendo que na gasolina entregava 99 cavalos, enquanto no etanol despejava 105 cavalos, ambos a 6.000 rpm, superando até mesmo o Agile em números.

O torque era de 13,1 kgfm na gasolina e 13,3 kgfm no etanol, mas era obtido em rotação bem alta: 4.800 rpm. Com cabeçote de 8 válvulas, o quatro cilindros permitia consumo de 12,6 km/l na cidade e 17,5 km/l na estrada, com gasolina.

O Corsa Premium na versão sedã alcançava 176/180 km/h, respectivamente.

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Robson

    O meu Corsa é o Premium 1.4 (07/08) exatamente igual ao da foto que abre a reportagem porém na cor prata. A versão foi capada nessa “atualização visual” de 2008, no Premium não existia vidro elétrico traseiro nem como opcional, ar condicionado não era de série, assim como farol de neblina e as rodas de liga, o som original que dá um pouco mais de utilidade ao TID também era opcional. Estou desde Nov/2009 com o meu e o comprei com 18.000km. Nesse período poucos problemas com o carro, citarei abaixo (excluindo trocas de itens de desgaste como pneu, suspensão, freios etc). Atualmente o carro está com 140.000km.

    – 85.000 km Troca de compressor do ar condicionado
    – 105.000 KM troca da caixa do filtro de ar (que vem completa com o tubo já) pois a dele estava ressonando, como não ocorreu nada anormal com o carro, suspeito que tenha sido em alguma troca de óleo que forcaram algo quebrando ela.
    – 120.000 KM vazamento do liquido de arrefecimento por uma mangueira que ressecou e quebrou, carro não chegou a ferver pois percebi cedo o problema
    – 130.000 KM Troca de conjunto de rolamentos do cambio e conserto de um pequeno vazamento de óleo, o carro ficava com barulho nas saídas como se o coxim estivesse estourado, mas eram os rolamentos. Considerando que 90% da vida do carro foi em anda e para de transito, não considerei absurdo o problema.

    No mais acho um carro honesto, confortável e com bom desempenho, não cabe aqui falar de espaço interno pois se trata de um Hatch e era alinhado ao que existia na época. No meu uso em cidade não é econômico devido ao meu trajeto de muito transito, mas em 4 viagens grandes que fiz com o carro comprovei que ele não é o problema, pois na estrada cheguei a fazer 16km/l com gasolina (carro cheio e andando entre 80 e 110km/h e AC ligado o tempo todo).
    Acho o TID um baita desperdício, poderia existir ali um computador de bordo que o Palio na época já disponibilizava, mas isso são detalhes, a dirigibilidade do carro acaba compensando isso. Hoje mesmo após mais de 10 anos com ele sinto prazer em dirigi-lo e considerando a distancia entre $$$ dele para um carro 0KM não penso em troca-lo.

    • Aqui é um 1.8 Maxx 05/05

    • Geraldo Xavier

      Tinham 2 versões de premium. A mais basica que é o seu e a mais completa que na época custava 2 mil reais a mais e vinha com roda de liga, farol de milha e vidro elétrico traseiro que era a versão que eu tinha. Tive ambos hatch e sedan 2008 pretos comprados juntos, ambos zero km

      • Robson

        O meu é a mais completa também, o pacote que não lembro o código agora, com farol e lanterna de neblina + rodas de liga. Porém vidro elétrico traseiro não possuía como opcional de fábrica. O que as concessionarias faziam era instalar como acessório e ai a que você comprou os seus pode ter feito isso dentro desse valor a mais. Lembro bem que era uma critica forte a GM na época justamente porque as versões topo em anos anteriores já vinham os 4 elétricos de fábrica.

        • Geraldo Xavier

          Pode até ser. Fiquei 7 anos com o hatch e 8 com o sedan e zero problemas com vidros ou travas

  • 1 Raul

    Me lembro de uma edição especial com teto solar, um colega tinha um preto.

  • Leandro

    Corsa Premium 1.0? Não sabia dessa versão.

    • Geraldo Xavier

      Um parente meu teve um sedan desse. Adorava o carro

    • Paulo Lustosa

      Teve, tanto 1.0 quanto 1.4 e 1.8 inclusive no hatch

  • David Diniz

    Existiu sim corsa c easytronic, em 2006 eu vi um com placas do paraguai(ou argentina) lá em Pedro Juan Caballero.

    • Robson

      Aqui no Brasil não teve, essa bomba ao menos aqui só saiu nas Merivas

      • Moisés Silva

        e nos Agiles também

        • Robson

          Verdade, eu esqueço completamente do Agile (ou talvez finja que ele nunca existiu)

    • Filipe Augustus

      Ele sempre foi fabricado aqui para exportação!

      • David Diniz

        Ele era fabricado na Argentina também…

  • Tom Costa

    Tive um 1.8 premium. Era goela, mas gostoso na estrada. Mas o meu tinha uma pira na elétrica, sempre pifava alguma coisa, e comprei 0km.

  • Matafuego

    “O Corsa hatch teve ainda opção 1.0 com essa mesma configuração, além do motor 1.4, porém, nunca teve o 1.8 no hatch.” -> Isso não é verdade, existiu o hatch 1.8 Premium sim.

    • ricmoriah

      ok. corrigido.

  • Fabão Rocky

    Os anos 2000 deixou muitas saudades. Época boa!!! O Corsa C é o que eu chamo até hoje de PERFEIÇÃO DO DESIGN. Não existia compacto mais bonito do que ele naquela época. E ainda continua mais bonito até do q o seu sucessor. Ótimo carro, manutenção barata, mecânica robusta e confiável, não quebra. Mas como nada é perfeito, seu único defeito é o consumo muito alto. Mas sinto saudades do Corsa C até hoje. Se a GM ainda estivesse fabricando ele, com certeza compraria um 0km.

    • Francisco Vieira de Bem

      Faço minhas suas palavras. O Hatch até hoje daria um caldo

    • Dennes S.

      Cara, também acho o Corsa C muito bonito. Acredito que ele seja mais bonito até que muitos carros mais modernos.

  • Gabriel Molina Pinheiro

    Como assim não teve Corsa Premiu Hatch 1.8? Claro que teve! Conserta o texto ai, editor.

  • Gabriel Molina Pinheiro

    Outra coisa: O corsa 1.8 teve essa potência declarada durante um tempo, depois subiu para 112/114.

    • ricmoriah

      já corrigido.

      • Gabriel Molina Pinheiro

        Valeu, irmão!

  • Leonardo C.

    O motor VHC 1.0 teve sua versão Flexpower já na linha 2007, onde foi por um tempo o motor 1.0 aspirado mais potente.

    • Paulo Lustosa

      05/06 todos os GM 1.0 VHC eram flex

  • RicardoVW

    Os acabamentos internos dos Chevrolet dessa época eram sofríveis!

  • João Senff

    Ano de 2018 estava a procura de um compacto usado não podia ser 1.0 e teria que ter ar condicionado e direção hidráulica. Um lojista conhecido meu me avisou que estava entrando um Corsa C Hatch 1.4 completo vidro trava e etc … Fui ver o carro não havia ar condicionado :( . Olhei o KM 20 mil km último ano de fabricação . Comprei e instalei o ar condicionado o carro seria para minha madrinha rodar em Paranaguá PR lá faz muito calor então o ar era indispensável. Hoje o carro está com 32 mil km e impecável. Pois é o segundo carro e quase não utilizado. Única coisa que acho ruim nesse carro são os retrovisores muito pequenos e ruim de achar uma posição .

  • Samuel Campos da Silva

    Eu tenho um 1.4 e o consumo não chega nem perto disso ! 9.8 na cidade e 15 na estrada , com gasolina. No começo achei estranho, mas pesquisei em diversos fóruns e o carro do pessoal faz médias bem parecidas .

  • Paulo Lustosa

    “O torque era de 13,1 kgfm na gasolina e 13,3 kgfm no etanol, mas era obtido em rotação bem alta: 4.800 rpm. Com cabeçote de 8 válvulas, o quatro cilindros permitia consumo de 12,6 km/l na cidade e 17,5 km/l na estrada, com gasolina.”

    Torque do 1.4 EconoFlex N14YFH do Corsa Premium é de 13,2 kgfm na gasolina e 13,4kgfm no álcool a 3000 rpm, na mesma faixa de rotação que era atingido no Agile e Montana até 2014 e nos Prisma e Celta (sim, teve Celta 1.4 Flex Spirit em 2010 onde uma leva foi vendida a público para ser homologado para o campeonato brasileiro de rally), onde possuíam o maior pico de torque em relação ao resto da galera (13,7kgfm a 3200 no Prisma vs 13,5kgfm no Agile e Montana derivado do mesmo e 13,4 kgfm no Corsa, Meriva e Montana derivado do Corsa C). Pico de torque a 4800 rpm no família 1 foi o 1.4 SPE/4 do Onix e do Cobalt LT facelift.

  • Ric53

    Tive um Corsa hatch Premium com facelift e lanternas fume e o ainda por cima o audio embutido da foto que era idêntico ao do Vectra Elite, foi o meu primeiro carro, andava muito, bebia pouco e era bonito, que saudade!

  • Filipe Casagrande

    Minha vó teve um Corsa Premium Sedan branco, versão básica sem ar e nem direção. O carro era muito bonito na época, mas bem pato pra andar. Não tinha pique, custava a chegar no 100 km/h

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email