Chevrolet Fiat Finanças GM Mercado Montadoras/Fábricas

Crise americana afetando nosso mercado? Montadoras anunciam férias coletivas

fiat-linea-t-jet-turbo-oficial-1 Crise americana afetando nosso mercado? Montadoras anunciam férias coletivas







Nos últimos meses as vendas de carros no Brasil foram pra lá de ótimas. Só que agora uma certa nuvem negra começa a se aproximar, com aumento nas taxas de juros, com a crise americana, etc. Tanto a GM quanto a Fiat anunciam que vão dar férias coletivas para milhares de funcionários.

No final das contas, as férias vão atingir mais de 10.000 funcionários das duas empresas. A medida afeta as fábricas da GM em São Caetano do Sul, São José dos Campos e Mogi das Cruzes. No caso da Fiat, afeta a sua única fábrica nacional, em Betim.

Perguntadas sobre porque estão fazendo isso, a GM não informou nada. É claro que a crise no país de origem da empresa pode estar ajudando bastante. Entre os dias 20 e 29 de outubro, todos os 6.000 funcionários de São Caetano do Sul vão ficar em casa, e a fábrica vai ficar ás moscas.

A Fiat informa que preferiu dividir as paradas de final de ano em duas partes, evitando suspender a produção como um todo. Cerca de 1.700 funcionários da Fiat vão ter férias coletivas de 10 a 30 dias.

[Fonte: Estado de São Paulo]



  • fr_amaral

    E outra coisa, isso foi uma jogada sem querer(ou querendo) inteligente, pois aí eles param de produzir o modelo 08/09 um pouco pra não precisar da akeles descontos gigantes nos duas cabeças ano que vem.Bom pra eles, ruim pra gente.

  • macarrone

    Acho cedo para afirmar isso. os reflexos demorarão pouco mais pra chegar….isso deve ser estratégia de vendas, conrme disse o FR Amaral… :drinkk:….

  • Rodrigo

    Afetar vai, mas acho ainda muito cedo pra toamr medidas. Mas como empresas grandes que são eles já podem estar diminuindo o ritmo de produção viasando q tem bons estoques e que o consumo vai cair!

  • antoniokings

    Se a crise afetar o mercado brasileiro, certamente os lançamentos de Linea e Voyage terão sido em péssima hora. Acredito (lógico, na minha opinião) que o Voyage seria mais afetado. Por ser um carro popular, que depende em grande parte de financiamento para aquisição, pode ter vendas afetadas por restrição ao crédito. E pior, se a crise demorar, pode deixar de ser novidade enquanto o mercado estiver desfavorável. Vamos ver.

  • LFSP2

    A crise veio pra ficar, e não vai demorar para deixar o prédio da Bovespa e atingir a economia real(já atingiu, mas não com força), já o Mulla demorou tanto para reconhecer a crise que o estrago já estava feito, Bovespa chegou a cair 15% hoje, tiveram de interromper o pregão, no momento em que eu postei esse comentário estava com queda de 13,5%.

  • DarK_FlooD

    [Comentario #107874 sera citado aqui]

    Já falei, se os preços dos carros não baixarem, é pura picaretagem no mercado interno.. o preço dos carros subiu desde 2002 juntamente com a valorização do aço, que a poucos meses chegou a incriveis U$550, hoje o US Steel está em U$200 e ainda não vingou a queda. Deve começar só daqui uns 2-3 meses.

    Anotem isso.. quem comprar popular de 30k hoje e ainda parcelado, no fim vai dar uns 45k[?], ano que vem vai estar valendo no máximo 18k.

  • DarK_FlooD

    [Comentario #107876 sera citado aqui]

    A demora na queda deve-se, acredito, aos estoques, mas com a produção aquecida tende-se acabar e ocorrer a recompra..

    US Steel hoje -16% = 170U$

    Quando chegar U$60 teremos carros populares a preço realmente popular.. não essa palhaçada de hoje.

  • martto

    Funcionário diz:
    – UHUUUL férias !!!
    Outro funcionário diz:
    por quanto tempo ?
    Chefe diz:
    Se a crise da economia continuar… pro resto da vida !
    :eyess:

  • lucianorj

    Esse papo me parece meio estranho a menos de dois meses se falava da dificuldades que os fabricantes nacionais tinham em dar conta da demanda, falava-se da existência de filas de espera de até 2 meses para receber o pedido. Comentava-se também sobre a inflação por excesso de demanda e distribuidores trabalhando quase no limite de sua capacidade. Em menos de um mês querem me convencer que tudo mudou, mesmo sabendo que as vendas continuam bem acima do esperado…. tem alguém querendo tirar proveito desta crise….

  • Diguinho

    Óia baçêra começando a ser feita :eyess: vixe maria :eyess: que bagaçêra isso vai dar ja tô vendo :!:

  • paulomazzotta

    muito bem lembrado.

  • Rodrigo

    [Comentario #107883 sera citado aqui]

    Meu caro não é assim. O fato é que hj tudo está interligado, os paises estão interligados e consequentemente as suas esconomias. Não h[a previsão do como será essa crise no Brasil, mas seba-se que irá nos afetr, pois é a maior economia do mundo indo pro “buraco”. As empresas sabem disso e já comçam a botar a mão no freio na produção e investimento, e nos memso ao depararmos com noticias ruins ficamos mais prudentes e paramos de gastar. É efeito cascasta, por enquanto o quadro no Brasil não mudou, mas vai mudar e todos começam a se precaver. É só isso nada é de uma hr pra outra e acredito q ninguem quer tirar vantagem de crise. Era muito melhor nós continuarmos comprando, as empresas aumentando seus lucros, empregos surgindo, do que esses problemas batendo a nossa porta.

  • ACB

    SÃO PAULO (Reuters) – Um eventual impacto da crise de crédito internacional sobre as vendas internas de veículos no Brasil ainda não se fez sentir, apesar dos prazos de financiamento terem se reduzido, e a indústria de veículos continua confiante na manutenção de investimentos de 23 bilhões de dólares entre este ano e 2011, informou a entidade que reúne as montadoras instaladas no Brasil, Anfavea.

    A entidade divulgou nesta segunda-feira que as vendas de veículos novos no Brasil cresceram 9,8 por cento em setembro em relação a agosto, para 268,7 mil unidades, e subiram 31,7 por cento na comparação com o mesmo mês de 2007.

    “Não houve nada de diferente em setembro, estamos em ritmo normal. Aliás, os primeiros dias de outubro mostram crescimento de vendas sobre setembro… Ainda é muito cedo para se imaginar qualquer tipo de restrição ao mercado vinculado ao crédito”, disse o presidente da Anfavea, Jackson Schneider.

    Os comentários foram feitos em resposta a perguntas de jornalistas sobre um eventual impacto da crise internacional no Brasil, num dia em que a Bolsa de Valores de São Paulo teve seus negócios interrompidos por duas vezes, após queda que chegou a 15 por cento, e depois que duas montadoras anunciaram férias coletivas.

    A General Motors anunciou no final da tarde de sexta-feira que vai conceder férias coletivas a trabalhadores de algumas linhas de três fábricas do país entre 20 de outubro e 2 de novembro. Além disso, a Fiat, divulgou férias coletivas para cerca de 2 mil funcionários a partir da próxima semana.

    Para Schneider, as decisões das duas montadoras não têm relação com o mercado interno.

    O presidente da Anfavea afirmou que no caso da GM a decisão decorre de parada de algumas linhas de produção por conta de queda de compras de clientes externos na África do Sul, México e Argentina e no caso da Fiat a decisão foi tomada para cumprir férias que já estavam atrasadas e não foram concedidas entre junho e julho, como estava previsto, por causa das vendas aquecidas do mercado interno.

    “A fotografia que temos neste momento do mercado interno é que nós não tivemos um impacto (da crise internacional)”, afirmou Schneider, evitando fazer previsões sobre os desdobramentos da crise no país.

    “Qualquer previsão não pode ser feita em cima de um período curto de tempo. Quem planeja no olho do furacão tende a tomar decisões erradas.” Para ele, as reduções nos prazos de financiamentos, para uma média de 42 meses ante prática anterior de parcelamentos que chegavam a ficar acima de 60 meses, decorre da “emoção” do mercado.

  • lucianorj

    [Comentario #107895 sera citado aqui]
    Caro colega, o que eu acho estranho é que em pouco tempo (um mês) a crise inflacionária que nos ameaçava por falta de capacidade produtiva conforme os nosso “Economistas”, se transformou em uma possibilidade de recessão e a inflação que vinha pelo mesmo motivo, vem agora do antigo remédio, a desvalorização do dólar. A verdade é que a cobertura de assuntos econômicos no Brasil é levada muito a sério… nos EUA e na europa aonde as pessoas estão perdendo dinheiro neste instante ( e não no futuro) a crise é tratada com muito mais clama do que aqui. Como nosso amigo aí em cima disse estamos correndo o verdadeiro risco do “self- fullfiling prophecy”: as pessoas acham que tem uma crise e consomem menos, antes de sentirem qualquer efeito os empresários demitem e investem em juros e aí não tem saída mesmo!

  • Rodrigo

    [Comentario #107931 sera citado aqui]

    BOm mas ai entraremos em outro aspecto. Sempre no Brasil o minimo sinal de crise lá fora chegava até nós como uma catastrofe. Hoje pode ser e deverá ser em menor grau os efeitos, mas fica lá na memoria as tragicas crises que nos atingiram, mesmo quando a fotne era em pequena escala. Acho que só iremos parar de sentir isso ao passar por vairas crises que não se transformem em tempestades aqui na Brasil. Essa será talvez a primeira vez que isso ocorra. Mas vamos ver….o passado de tantas crises não é tão distante, basta retornar ao fim de 97 e 98 com a crise asiatica. Que vai atingir vai. Mas qual será a magnitudo só deus sabe!

  • marcelolynx

    O que me assusta é acharem que o “Mulla” tem alguma coisa a ver com a queda da Bovespa, a não ser que ele seja o maior investidor por lá (que não duvido) isso é reflexo dos especuladores que aproveitam esse mal-estar do mercado pra ganhar ou pra perder o mínimo possível, agora que vamos sofrer efeitos da crise isso sem dúvidas, vamos pagar o pato como sempre com juros ainda mais altos e até uma pequena redução no crescimento da economia culpa da queda provável das exportações, e por falar nelas essas férias coletivas podem ser para cortar a produção dos carros que vão pra fora do país, com o dólar alto é consumo baixo lá fora o melhor é usar o estoque. Sobre a crise dos EUA, tenho um amigo que voltou de lá a mais de 01 ano e me contou tudo isso que os jornais mostram hj (crise, desemprego, falta de dinheiro,calotes) como pode? Acho que ele veio num DeLorean (de volta para o Futuro) rssss

  • Luis.J.R.

    [Comentario #107857 sera citado aqui]

    Concordo?

  • Rodrigomc

    [Comentario #108000 sera citado aqui]

    tbm concordoo!!


Send this to a friend