Cruze 2017: motor, consumo, preços, desempenho, fotos, versões

O Cruze 2017 chegou ao mercado brasileiro como a segunda geração do modelo, anteriormente lançado em 2011. Feito sobre uma nova plataforma, o sedã médio da Chevrolet veio com uma proposta mais consistente no segmento.

Oferecido em duas versões (Cruze LT e Cruze LTZ), o Novo Cruze tinha opcionais apenas na LTZ, identificada como “LTZ2”, mas a GM não tem o hábito de classificar suas versões como nos EUA, onde seriam “1LT, 1LTZ ou 2LTZ”, por exemplo.


Com estilo renovado, o Chevrolet Cruze ficou maior e com melhor espaço interno, assim como ganhou em porta-malas e recebeu várias tecnologias novas, especialmente em segurança e conectividade.

Fabricado em Rosário, província de Santa Fé, norte da Argentina, o sedã médio da GM era feito com o Chevrolet Cruze Sport6 (hatch) e concorrente direto de Toyota Corolla e Honda Civic, ambos feitos no Brasil.

Tendo uma carroceria de linhas mais fluidas, o Cruze 2017 veio com a missão de manter a GM no segmento médio, com preços a partir de R$ 89.990. Bem completo, já trazia controles de tração e estabilidade, assim como assistente de rampa.

Cruze 2017: motor, consumo, preços, desempenho, fotos, versões

Um dos destaques era a multimídia MyLink com tela de 7 polegadas, que podia ter navegador GPS na versão LTZ, bem como projeção para Apple CarPlay, Google Android Auto e o sistema de concierge OnStar.

Este também tinha comandos no teto, como padrão, mas podia ser totalmente operado pelo MyLink. Este ainda vinha com comandos do ar-condicionado automático também, apesar dos botões físicos logo abaixo.

O Novo Cruze 2017 chama ainda atenção para o belo cluster analógico, porém, completo. Havia coisas, como carregador indutivo de smartphone, alerta de colisão e ponto cego, estacionamento automático e aviso de faixa com correção.

Na versão topo de linha, os faróis duplos tinham assinatura em LED e podiam dispor de farol alto automático. Com rodas aro 17 e bancos em tecido ou couro, o Cruze só pecava por não teto solar elétrico, primazia dada ao Cruze Sport6.

Tinha sensores de estacionamento na frente e atrás, direção elétrica, banco do motorista com ajustes elétricos, banco traseiro com apoio de braço central, entre outros. O Cruze era ainda equipado com um moderno motor que enterrou o 1.8.

Cruze 2017: motor, consumo, preços, desempenho, fotos, versões

Com 1.399 cm3, o propulsor da linha Ecotec tinha turbocompressor e injeção direta, além de tecnologia flex com pré-aquecimento da gasolina na partida a freio, entregava até 153 cavalos e 24,5 kgfm.

Junto dele, havia a transmissão automática GF6-3 com seis marchas e conversor de torque, mas com mudanças apenas por um botão na alavanca, algo bem ruim. Onde seriam os paddle shifts ficam os controles de volume e mídia.

Embora tivesse um belo design, conteúdo tecnológico de primeira e um bom desempenho com o motor 1.4 Ecotec Turbo, o Cruze 2017 não teve o mesmo apelo de Civic EXL ou Corolla GLi, ficando sempre em terceiro, mas à frente do Jetta.

Com 4,66 m de comprimento, 1,80 m de largura, 1,48 m de altura e 2,70 m de entre-eixos, o Cruze portava um porta-malas de 440 litros e um bom espaço atrás. A plataforma D2XX é superior à antiga Delta II, só usada aqui pelo modelo.

Cruze 2017: motor, consumo, preços, desempenho, fotos, versões

Essa nova plataforma sustenta também o Equinox nos dias de hoje. Tendo uma proposta mais conservadora, o sedã da GM não ousou em performance e nem tem pretensão para um desempenho excepcional.

Apesar da força de seu motor, a transmissão longa privilegia o consumo e o conforto, permitindo o Chevrolet Cuze ir de 0 a 100 km/h em 9 segundos com máxima acima de 210 km/h.

Isso permitiu um ótimo consumo de mais de 11 km/l na gasolina, na cidade, assim como 14 km/l na estrada. Já com etanol, menos de 8 km/l na cidade e quase 10 km/l na estrada.

Cruze 2017 – detalhes

Cruze 2017: motor, consumo, preços, desempenho, fotos, versões

O Cruze 2017 apresentou um design moderno, mais expressivo que a geração anterior, mas ainda sem tanta sofisticação quanto aos rivais Civic e Corolla, empregando assim faróis complexos, mas com projetor único com lâmpada comum.

Nestas lentes, ficavam ainda lanternas, repetidores de direção e assinatura em LED envolvendo a parábola principal. A grade superior ostentava o logotipo da gravata dourada na pequena grelha, que ainda recebia um friso cromado.

Abaixo, outra parte da grade, maior e com frisos cromados, ficando a placa no centro dela. Com vincos acentuados, o para-choque mostrava molduras laterais pretas e faróis de neblina circulares cromados com função curva.

Já as laterais tem rodas aro 17 polegadas com acabamento escurecido e pneus 215/50 R17, enquanto a versão LTZ tinha frisos cromados no entorno das janelas e também nas maçanetas.

Os retrovisores na cor do carro tinha repetidores de direção discretos e havia rebatimento elétrico dos espelhos na versão LTZ. No teto, uma antena comum, pouco proeminente.

Cruze 2017: motor, consumo, preços, desempenho, fotos, versões

Já a traseira empregava lanternas grandes e duplas, usando lâmpadas comuns também, tendo ainda refletores no para-choque com vincos acentuados e sensores de estacionamento. A tampa mostrava friso cromado na LTZ e pequeno spoiler.

O acesso ao bagageiro tinha ainda o suporte de placa com luz e câmera de ré. A vigia contém desembaçador e luz auxiliar de freio. Já por dentro, o Cruze 2017 tinha um bom acabamento e visual diferenciado de acordo com a versão.

Na LT, o acabamento geral é preto, enquanto a LTZ exibia padrão em dois tons com marrom-claro e cinza-claro na parte central e revestimentos. Detalhes das guarnições eram em preto brilhante no primeiro e cinza brilhante no segundo.

O painel ainda refletia o dual cockpit do anterior, mas com linhas mais suaves, tendo revestimento soft com costura dupla. O volante de três raios com revestimento em couro e acabamento cinza tinha comandos de mídia e telefonia.

Além disso, trazia piloto automático e ajuste do detector de veículos, que emitia o alerta de colisão. Também contava com um botão para ativar a função de alerta de invasão de faixa com corretor de direção. Havia comando para o computador.

Cruze 2017: motor, consumo, preços, desempenho, fotos, versões

O Cruze 2017 vinha também com controles de volume e mídia atrás do volante, que não tinha paddle shifts. A coluna era ajustada em altura e profundidade, com assistência elétrica. Com difusores laterais, dois verticais ficavam no meio.

Nesta posição, havia a tela de 7 polegadas da multimídia do sistema MyLink com projeção para Google Android Auto e Apple Car Play, bem como OnStar e navegador GPS (LTZ), além de câmera de ré e comandos de climatização.

O ar-condicionado era automático e havia entradas USB e auxiliar, bem como conexão Bluetooth. Havia ainda fonte 12V, sendo esta também com tampa como os dois primeiros citados.

Na alavanca de transmissão de pomo em preto brilhante e cromo, o Cruze 2017 tinha ainda na base seletor com mudanças manuais, mas sem modo Sport, Eco ou Inverno, por exemplo. À frente, haviam alguns botões com outras funções.

Uma delas era desativar o sensor de estacionamento, lembrando que na LTZ haviam sensores dianteiros, bem como do controle de estabilidade. Por fim, tinha o do estacionamento automático, com instruções no computador de bordo.

Cruze 2017: motor, consumo, preços, desempenho, fotos, versões

Para ativar essa função, bastava dar seta na direção da vaga, que ele ia medindo o espaço, indicando para prosseguir, parar e engatar a ré, deixando o volante contornar sozinho, sempre com o condutor ajustando a velocidade no freio.

O recurso só estava disponível no LTZ completo, mas dois anos depois, já estava no Onix Plus Premier. Havia ainda porta-copos sem tampa ou acabamento, mas um slot vertical carregava smartphone com tecnologia por indução.

Os bancos eram em tecido na LT e em couro na LTZ, sendo estes de cor cinza, mas com o banco do motorista tendo ajustes elétricos, mas sem memória. Nas portas, revestidas em tecido ou couro, o Cruze 2017 tinha botões one touch dos vidros.

Já os retrovisores e seu basculamento eram feitos por botão giratório na lateral da porta, em posição ruim, embora próxima do condutor. Na frente havia ainda apoio de braço com porta-objetos e atrás, porta-copos no apoio de braço.

O banco traseiro tinha três apoios de cabeça, cintos de três pontos, Isofix e Top Tether, além de rebatimento bipartido, ampliando assim o porta-malas de 440 litros, todo forrado em tecido e com estepe sob o assoalho.

Cruze 2017: motor, consumo, preços, desempenho, fotos, versões

Ainda dentro do Cruze 2017, alças no teto, luzes de leitura dianteiras e traseiras, espelhos iluminados nos para-sois, retrovisor interno eletrocrômico na LTZ, bem como dia e noite na LT. Havia ainda comandos do OnStar no console de teto.

Com seis airbags, o interior do Chevrolet Cruze tinha ainda cintos dianteiros com ajustes em altura e pré-tensionamento, além de alarme e travamento central elétrico com chave presencial no LTZ, que trazia botão de partida.

O porta-luvas tinha iluminação e refrigeração, ampliando bem a comodidade. Havia comando interno para abertura do porta-malas e bocal do tanque, assim como vidros verdes e para-brisa degradê. Sensores de farol e chuva eram presentes.

Cruze 2017 – versões

Cruze 2017: motor, consumo, preços, desempenho, fotos, versões

O Cruze 2017 tinha duas versões, sendo elas LT e LTZ, mas o mercado e a própria General Motors criaram uma sub-versão “LTZ2”, embora ela de fato não exista. No configurador da Chevrolet, a LTZ era apenas uma, que tinha um pacote opcional.

Este é chamado de LTZ2, um tipo de identificação inspirado no americano, onde os carros da Chevrolet podem ter 1LT, 2LT, 1SS, 2SS, etc. Contudo, isso nunca foi aplicado de fato no Brasil, sendo os pacotes opcionais descritos por códigos.

Depois da atualização de 2019, o Cruze ganhou a versão Premier no lugar da LTZ, que saiu de cena, deixando a LT, porém, em 2021, a GM retornou com a LTZ, trazendo alguns poucos diferenciais.

  • Chevrolet Cruze LT 1.4 Turbo automático
  • Chevrolet Cruze LTZ 1.4 Turbo automático

Equipamentos

Cruze 2017: motor, consumo, preços, desempenho, fotos, versões

Chevrolet Cruze LT 1.4 Turbo automático – Motor 1.4 Turbo e transmissão automática de seis marchas com mudanças manuais por botão na alavanca, mais ar-condicionado automático, direção elétrica, controle de cruzeiro, revestimento premium dos bancos, controle eletrônico de tração e de estabilidade, sistema de monitoramento da pressão dos pneus, freios ABS com EBD e PBA, multimídia MyLink com tela de 7 polegadas, sensor de estacionamento, câmera de ré, Google Android Auto, Apple CarPlay, OnStar, luz de condução diurna, sistema de áudio com CD/Bluetooth/USB, assistente de partida em rampas, sistema Isofix, vidros verdes, para-brisa degradê, vidros elétricos one touch, travamento central elétrico, retrovisores externos com controle elétrico, abertura e fechamento dos vidros por controle remoto e tomada de 12V no banco traseiro.

Chevrolet Cruze LTZ 1.4 Turbo automático – Itens acima, mais faróis com regulagem de altura e luz de condução diurna em LED, airbags laterais e de cortina, acionamento da ignição por controle remoto, retrovisor interno eletrocrômico, sensor de estacionamento dianteiro e traseiro, retrovisores externos com rebatimento elétrico e aquecimento, sensor de chuva, sensor crepuscular, abertura das portas por sensor de aproximação na chave, acabamento da grade e das maçanetas externas cromadas, partida por botão no painel, multimídia MyLink com GPS integrado e rodas escurecidas.

Opcionais: alerta de colisão frontal e de ponto cego, banco do motorista com regulagem elétrica, assistente de permanência na faixa, indicador de distância do veículo à frente, sistema de estacionamento automático, carregador de celular por indução e farol alto adaptativo.

Preços

 

  • Chevrolet Cruze LT 1.4 Turbo automático – R$ 89.990
  • Chevrolet Cruze LTZ 1.4 Turbo automático – R$ 96.990

Cruze 2017 – motor

Cruze 2017: motor, consumo, preços, desempenho, fotos, versões

O Cruze 2017 usava o motor GM SGE ou Small Gasoline Engine, uma família de motores compactos do grupo americano envolvendo as empresas Opel, SAIC, PATAC, MG Motor e Shanghai-GM.

Construído em alumínio, a linha SGE teve versões 1.0, 1.1, 1.4 e 1.5, que foram projetados com três cilindros nos dois primeiros e quatro cilindros nos demais. No Cruze é 1.4 Ecotec Turbo com 1.399 cm3.

Esse motor emprega injeção direta de combustível, coletor de admissão variável e tecnoloiga bicombustível, assim como turbocompressor com intercooler. O desenvolvimento se deu para acabar com os motores S-TEC e Família 0 e 1.

Para o Cruze, a produção foi transferida para Rosário, onde o propulsor abastece unicamente o modelo, embora tenha sido empregado também no Chevrolet Tracker da segunda geração.

A variante usada pelo sedã médio da GM é a LE2, que também equipou o Buick Encore (Trax/Tracker). Com 150 cavalos na gasolina e 153 cavalos no etanol, ambos a 5.200 rpm, o 1.4 Turbo é bem elástico.

Seus torques são de 24,0 kgfm no derivado de petróleo e 24,5 kgfm no combustível vegetal, ambos a 2.000 rpm. Com bom torque em baixa, esse propulsor tem um bom rendimento na gasolina.

No Cruze 2017, ele usa a caixa automática GF6-3 da General Motors, que tem seis marchas e conversor de torque, além de modo manual, mas sem modos de condução ou trocas no volante.

Esse conjunto motriz foi usado no Tracker importado do México. Já o 1.4 Turbo tem ainda no 1.5 Turbo do Equinox, um parente, já que ambos são da mesma família SGE.

Desempenho

Cruze 2017: motor, consumo, preços, desempenho, fotos, versões

O Cruze 2017 tem um desempenho bom para sua proposta, mas sem se destacar por isso. Mesmo com motor pequeno e turbinado, o sedã médio da GM não faz melhor que 9 segundos de 0 até 100 km/h.

Já a final alcança 214 km/h, graças também à boa relação de marchas, bem escalonada. A performance não foi o foco do Novo Cruze, pensado mais para o conforto no dia a dia e economia.

  • Chevrolet Cruze 1.4 Turbo automático – 0 a 100 km/h – 9,0 segundos
  • Chevrolet Cruze 1.4 Turbo automático – Velocidade final – 214 km/h

Consumo

Cruze 2017: motor, consumo, preços, desempenho, fotos, versões

Já o consumo do Cruze 2017 era ruim no etanol e bom na gasolina, fazendo pouco mais de 7,5 km/l na cidade com combustível vegetal e além de 9,5 km/l na estrada com o mesmo combustível.

Na gasolina, o Cruze faria mais de 11 km/l na cidade, o que era muito bom, dado o porte do carro. Conduzindo na estrada, o modelo alcança média de 14 km/l, o que está dentro de sua proposta com motor pequeno com turbo e injeção direta.

  • Chevrolet Cruze 1.4 Turbo manual – Consumo cidade – 7,6/9,6 km/l
  • Chevrolet Cruze 1.4 Turbo automático – Consumo estrada – 11,4/14,0 km/l

Cruze 2017 – manutenção e revisão

Cruze 2017: motor, consumo, preços, desempenho, fotos, versões

A rede Chevrolet tem planos de revisão para o Cruze 2017 com paradas a cada 10.000 km ou 12 meses, o que vier primeiro. No plano até 60.000 km, o custo de revisão chega a R$ 4.480.

Nas revisões, são feitas inspeções de partes do veículo, como elétrica, eletrônica, mecânica, suspensão, direção, freios, itens de segurança, recall (se houver), pneus, entre outros.

No serviço, inclui troca de óleo do motor, filtro de óleo, filtro de combustível, filtro de ar do motor, filtro de polen, velas, fluido de freio, líquido de refrigeração, correia em V, correia dentada, entre outros.

Também são feitos serviços de funilaria, pintura, balanceamento, alinhamento, cambagem, higienização, limpeza oxi-sanitária, lubrificação geral, recall (agendado), instalação de acessórios, instalação de couro, cristalização, etc.

Na rede Chevrolet, o pós-venda tem ainda troca de itens de desgaste natural, como pastilhas de freio, batentes das torres, amortecedores, discos de freio, pivôs de direção, buchas de suspensão, coxins de motor e câmbio, bieletas, entre outros.

Revisão 10.000 km 20.000 km 30.000 km 40.000 km 50.000 km 60.000 km Total
1.4 Turbo R$ 372,00 R$ 764,00 R$ 536,00 R$ 860,00 R$ 536,00 R$ 1.412,00 R$ 4.480,00

Cruze 2017 – ficha técnica

Cruze 2017: motor, consumo, preços, desempenho, fotos, versões

Motor 1.4 Turbo
Tipo
Número de cilindros 4 em linha
Cilindrada em cm3 1399
Válvulas 16
Taxa de compressão 10:1
Injeção eletrônica Direta, Turbo
Potência máxima 150/153 cv a 5.200 rpm (gasolina/etanol)
Torque máximo 24,0/24,5 kgfm a 2.000 rpm (gasolina/etanol)
Transmissão
Tipo Manual de 6 marchas ou automática de 6 marchas
Tração
Tipo Dianteira
Direção
Tipo Elétrica
Freios
Tipo Discos dianteiros e traseiros
Suspensão
Dianteira McPherson
Traseira Eixo de torção
Rodas e Pneus
Rodas Liga leve aro aro 17 polegadas
Pneus 215/50 R17
Dimensões
Comprimento (mm) 4.665
Largura (mm) 1.807
Altura (mm) 1.484
Entre eixos (mm) 2.700
Capacidades
Porta-malas (L) 440
Tanque de combustível (L) 52
Carga (Kg) ND
Peso em ordem de marcha (Kg)  1.321
Coeficiente aerodinâmico (cx) ND

Cruze 2017 – fotos

https://www.youtube.com/watch?v=7urNfXVdnKk

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.