Coréia História

Daewoo: Coreana teve apoio da GM, mas acabou engolida pela americana

daewoo_royale_diesel-700x525 Daewoo: Coreana teve apoio da GM, mas acabou engolida pela americana

Daewoo Royale Diesel



Apesar de já não existir como uma montadora estabelecida na Coréia do Sul, a Daewoo Motors ainda não desapareceu como marca, sendo comercializada em alguns países ex-URSS, tais como Ucrânia e Uzbequistão, por exemplo.

A história da Daewoo como empresa é até recente, mas sua origem remonta à 1937. De lá para cá, uma sucessão de companhias surgiu na Coréia do Sul até o estabelecimento da marca do qual estamos falando.

Em 1937, é fundada a National Motors em Incheon, a primeira montadora estabelecida no país, sendo sempre baseada na cidade de Incheon. Em 1962, a empresa passou a ser denominada Saenara Motors, fabricando e distribuindo carros da japonesa Datsun através de joint-venture.

daewoo_le_mans_racer-700x525 Daewoo: Coreana teve apoio da GM, mas acabou engolida pela americana

Daewoo Le Mans Racer

No entanto, em 1965, a empresa faz uma parceria com a Toyota e muda o nome para Shinjin Motors. No ano de 1972, a japonesa saiu do negócio e a americana General Motors (Korea) assume a produção local. Ainda assim, não dura muito, pois em 1976, a Shinjin volta ao negócio junto com a GM e então surge a Saehan Motors.

Da Saenara até a Saehan, a montadora de Incheon produziu vários modelos, tais como o Datsun Bluebird, GMK Rekord (Opel Rekord) e Holden Torana (Chevrolet 1700), entre outros. Somente em 1982, o Grupo Daewoo decide formar uma nova joint-venture com a fabricante de veículos local, rebatizando-a de Daewoo Motors.

daewoo_imperial-700x525 Daewoo: Coreana teve apoio da GM, mas acabou engolida pela americana

Daewoo Imperial

Daewoo Motors

Até 1996, os carros da Daewoo foram derivados de modelos da GM. Foi nessa fase que a marca sul-coreana desembarcou no Brasil. Na década de 80 surgiu a série Royal, destacando-se os XQ e Duke (1982), Prince (1983), Super Saloon (1986) e Imperial (1989), sendo que este último se inspirava nos rivais da GM: Chrysler Imperial e New Yorker.

Outro modelo dessa época que chamou bastante atenção foi o Daewoo Le Mans, baseado no Opel Kadett E. Ele chegou a ser vendido em vários países do mundo como Pontiac Le Mans, Asüna GT/SE e Passport Optima. A van Nissan Vanette também foi feita localmente.

daewoo_tico-700x525 Daewoo: Coreana teve apoio da GM, mas acabou engolida pela americana

Daewoo Tico

Já nos anos 90, o Kadett da Daewoo passou a ser chamado Cielo. No entanto, em 1990, a Daewoo lançou o famoso Espero, um sedã com mecânica Chevrolet. Outra novidade era o kei car Tico, que foi lançado no ano seguinte. A empresa também produziu alguns utilitários de origem Suzuki. Por fim, a GM deixa a joint-venture em 1992.

Independente, a Daewoo Motors lançou o Arcadia em 1994, uma versão local do Honda Legend, sendo seguido depois pelo primeiro produto 100% próprio, o famoso Lanos. O compacto surgiu em 1996 e oferecia carrocerias hatch e sedã. Um ano depois, a empresa apresenta o Nubira, um modelo maior e oferecido nas versões sedã e perua. Um mês depois, surgiu o sedã grande Leganza.

daewoo_espero-700x525 Daewoo: Coreana teve apoio da GM, mas acabou engolida pela americana

Daewoo Espero

No ano de 1998, a Daewoo Motors apresenta o ainda mais famoso Matiz, fruto do conceito Giugiaro Lucciola de 1992. O projeto foi feito para a Fiat como um substituto do envelhecido Cinquecento. A empresa também adquire a SsangYong nesse ano, pois a mesma não tinha condições de se manter depois da crise asiática e foi vendida dois anos depois. Por fim, a década de 90 terminou com o Magnus (que já foi vendido como Chery), um novo sedã feito a partir do Leganza.

O ciclo dos anos 90 terminara bem para a Daewoo, que em pouco mais de três anos renovou a gama de produtos quase que completamente. No ano 2000, surge a minivan Rezzo e as ações da SsangYong são vendidos no seguinte, os modelos Lanos, Nubira e Matiz receberam facelift. Desde 1999, as ações da montadora tinham voltado para as mãos de GM (GM-Daewoo) e em 2002, a divisão de veículos comerciais foi separada e vendida para a Tata Motors em 2004.

daewoo_lanos-700x525 Daewoo: Coreana teve apoio da GM, mas acabou engolida pela americana

Daewoo Lanos

Após esse período, a Daewoo Motors ficou como mais uma das marcas da GM. Modelos como Tosca (Chevrolet Epica), Winstorm (Chevrolet Captiva), Lacetti (Chevrolet Cruze), o Novo Matiz e o Aveo foram alguns dos produtos originados pela filial sul-coreana.

Em 2011, a GM encerra a marca Daewoo no mercado local após 29 anos de existência. Os desenvolvimentos mais recentes do grupo americano na Ásia têm em grande parte base Daewoo, especialmente o Lacetti anterior ao Cruze (Chevrolet Optra), que deu origem ao Buick Excelle, ainda vendido junto com os “alemães” Excelle XT e GT (Opel Astra) na China.

daewoo_rezzo-700x525 Daewoo: Coreana teve apoio da GM, mas acabou engolida pela americana

Daewoo Rezzo

Exterior

A Daewoo Motors teve boa presença no mercado internacional. Nos anos 90 ela se estabeleceu com fábricas e parcerias no Uzbequistão, Ucrânia, Rússia, Polônia (Daewoo-FSO), Romênia, República Tcheca (Daewoo-Avia) e Egito. No Vietnã, a operação era controlada pela GM-Daewoo e encerrou junto com a matriz em 2011. A última filial administrada pelo Grupo Daewoo terminou em 2012 (Egito).

daewoo_nubira-700x525 Daewoo: Coreana teve apoio da GM, mas acabou engolida pela americana

Daewoo Nubira

Brasil

A Daewoo chegou nos anos 90 ao Brasil, aproveitando a “abertura dos portos às nações amigas” e vendendo inicialmente os modelos Super Saloon e Prince, bem como o Espero e Tico. Depois chegaram Lanos, Nubira e Leganza.

A importação durou apenas até o começo dos anos 2000. Ainda assim, o legado da marca no Brasil aparece hoje em dia na forma do Chery QQ (similar ao primeiro Matiz) e Chevrolet Cruze. Os demais modelos da GM surgiram após o fim da marca na Coréia do Sul.

  • RKBerg

    Antigamente, quando ainda era lançamento, achava o Espero um carro muito bonito. E quem tinha um, falava muito bem.

    • Aida Vilarinho

      Aqui em casa tivemos um ESPERO CD dourado! Na época eu era criança!

      O carro até falava (sim, gravações para alguns eventos pré-programados). Mas era um luxo (considerando a época). kkkkkkkkkkk

      O legal é que a manutenção era basicamente a do Vectra A.

      • Diggo

        Todos os carros da Daewoo era GM. A linha menor era todo do Corsa, até hoje utiliza-se peças do Corsa nele. Só assim mesmo pra encontrar.

      • Pacheco

        Ele saiu uma vez naquela parte de Usado do Mês da Quatro Rodas e falaram exatamente isso. Que toda a mecanica, suspensão, cambio… é tudo do Monza e Vectra A. Algo bom para quem procura um carro abaixo de 10 mil reais e nao pode gastar muito com manutenção.

        • pedro rt

          monza nao e tudo do vectra A

        • Edson Fernandes

          Entretanto, experimenta bater ele.,..rs

  • João_Paulo.GTI

    O Espero é muito bonito, gostaria de ter espaço na garagem para um deles, já encontrei em bom estado por 10 mil.

    • Mazembe 2X0

      Sim tbm acho bonito e dizem que tem algums peças do Monza, mas não teria um rsrs.

  • Gustavo Miranda

    1. Os “Kadetts” da Daewoo tiveram grande êxito nos nossos vizinhos, destaque para o Racer, com o mesminho design do Opel / Chevrolet Kadett e na segunda geração, com o design da versão Pontiac de 1992, com uma frente alongada tal como a do Monza Tubarão, mas com faróis puxados, seguido pela versão mais sóbria feita em 1994, o Cielo, que infestou Buenos Aires nas frotas de Táxis substituindo o “bumbum caído” Peugeot 404. Vi uma vez uns sketchs (ilustrações) de um designer da Opel e dentre eles havia exercícios de design das versões LeMans da Daewoo (lê-se Daewoo “Liúman”), o que pode significar que eles saíram das pranchetas da Opel, mas não posso afirmar isso.

    2. Um bom bocado de Daewoo Racer sedã ETi foi vendido aqui no Brasil, bem como um pouquinho de Daewoo Cielo, mas conta a lenda que a GMB entrou na justiça para que a Daewoo não vendesse o seu Kadett aqui, visto que ele era no todo idêntico ao nacional, (e ainda com a vantagem de ter uma versão sedã), completamente equipado, era de longe mais barato que um Kadetão 1.8, que só tinha duas portas…

    3. O sedã Prince era o Opel Rekord E, uma geração anterior ao Omega, mas com frente alongada e traseira redesenhada, se assemelhava muito ao Monza e conquistou de cara os amantes de GM. Seu preço barato e motor de Monza fez dele um importado naturalizado de cara. Era o carro que a GMB deveria ter trazido para o Brasil nos anos 80 para substituir o Opala.

    4. O Daewoo Espero foi obra de arte da Bertone, na mesma época em que saíra de lá o igualmente charmoso Citroën Xantia, de lado os dois são desconfortavelmente iguais…

    5. As propagandas do Daewoo Racer / LeMans dos anos 80 lá da Coreia parecem episódios do Jaspion hehehe…

    6. Quando a GM readquiriu o braço automotivo do Grupo Daewoo, transferiu toda a sua linha para a Chevrolet, confundindo todo mundo a Europa, o Daewoo Kalos virou o Chevrolet Aveo, Viva e Holden Barina, substituíndo o nosso Corsa sedã, que era exportado para diversos países. Com o Daewoo Kalos a GM resolveu investir pesado nos nicho de hatch e sedã compacto nos EUA, antes disso, o Suzuki Swift da Chevrolet, o Metro e o Kia Avella da Ford, o Ford Aspire, que tinha o mesmo design do Renault Megane I hatch tinham presença tímida e escassa por lá. Através do Daewoo Kalos / Chevrolet Aveo a GM acostumou o mercado yankee e abriu caminho para a Ford com o Fiesta hoje.

    7. Giugiaro fez o Daewoo Lacetti, parecia o Astrão enfeiado, mas com ele a GM vendeu muuuuito, ferrou com a Opel e conquistou o mercado de carros baratos asiáticos, pois o Lacetti brigava direto em preço, economia e proposta com o Hyundai Elantra e o Kia Shuma, que seria hoje o Cerato. A GM gostou tanto do Lacetti que vendeu ele como Suzuki, como Holden e como Pontiac, só não vendeu ele aqui… O último Lacetti a sair dos estúdios da Daewoo é nada mais, nada menos que o Cruze!

    • Aida Vilarinho

      Muito bom! Pesquiser por LACETTI no google e qual não foi minha surpresa… O Cruze com emblemas da Daewoo.

    • Lucas Moretto

      Tem comentário que dá gosto de ler. Parabéns

    • Filipe Augustus

      O Kadett sedan da Daewoo, aqui em São Caetano existe um prata!
      E eu te falo, se ele caísse em minhas mãos, pode ter certeza que eu colocaria os parachoques e as rodas do Kadett GSI e os emblemas da Opel, tiraria muita onda com ele em encontros de carros! Se algum dia eu tiver a oportunidade de comprá-lo eu vou fazer isso =D

      • Gustavo Miranda

        Nossa homem, nem fale, vejo um bordô e um prata aqui em Curitiba quase sempre e eu me coço pra ter um desses hehehehe… o bordô o dono colocou a logo da Pontiac, mas no interior aqui do PR tem muito mais… Não sei como estariam os motores deles hoje, mas se visse um à venda, acho que me arriscaria…

        • Eduardo Brito

          O Cruze não é um projeto da daewoo?

          • FocusMan

            É sim, ele

        • Edson Fernandes

          Curiosidade… qual a motorização deles que veio a nosso mercado?

          • Gustavo Miranda

            Olá Edson, era um 1.5, só não sei se era de origem Opel ou da Daewoo mesmo.

  • Handlay Pinho Brandão

    Infelizmente essa marca anda esquecida pela GM, pesquisei pelo sites da marca em Uzbequistão e Ucrânia e não achei, só o site da Rússia (http://www.uzdaewoo.ru/) e vi que os modelos estão muito desatualizados, ano passado, acho que lançaram o “Gentra” na Rússia que nada + era o antigo Optra…

    ps.: Mesmo assim prefiro que o Matiz não receba nenhuma alteração…

  • EuMeSmObYmYsElF

    meu pai teve um Nubira… cara, que carro! muitas saudades…

  • FocusMan

    Não concordo com a reportagem.

    Na verdade a Daewoo hoje é a responsável pelo desenvolvimento dos carros classe B e C para países emergentes para a GM. Alguns modelos como o Cruze, Lanos entre outros, surgiram primeiro como Daewoo, antes de chegarem as versões com gravatinha.

  • Jonas Augusto

    O Daewoo Rezzo tem a mesma semelhança do Renault Scenic e o Mégane, o GM Kadett foi o maior dos icones automotivos esse foi marcante, e o Espero é outro clássico da gosto quando vejo um bem conservado.

  • Minerius Valioso

    Ainda gosto mais da Opel.

  • José Cardoso Ferrão Neto

    Tenho um Daewoo Espero TODO ORIGINAL DE FABRICA, que comprei ZERO OK, e que esta com 57.000, com quase 20 anos, e esta guardado numa garagem a 7 chaves!!! É O MAIS NOVO DO BRASIL !!!

    • Marcelo Henrique

      Me tira um dúvida, este carro era vendido nas concessionárias GM?

      • José Cardoso Ferrão Neto

        Não, a Daewoo tinha concessionarias próprias, o meu eu comprei na do Itaim Bibi , se não me engano na Rua Pedroso Alvarenga!!!

    • GPE

      Massa. Fotos?

      • José Cardoso Ferrão Neto

        Aqui estão algumas fotos!!

        • GPE

          Novíssimo!

        • Guilherme Alcântara

          Poxa, que máximo. Uma relíquia mesmo, tivemos um versão CD branco comprado zero em 95. Esse seu é um DLX 1994, com os bancos mais requintados de veludo e os logotipos antigos da Daewoo. Parabéns pelo carro!!!

  • johnnyburanelo

    saudosa daewoo
    eu gostava do espero e do super salon qdo foram lançados

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend