Asiáticos Marketing/Propaganda Mercado Motos

Dafra, a terceira mais vendida entre as motos. Uma lição a ser seguida?

dafra-apache-brasil

Três anos atrás, dentro de uma onda de novas marcas de motos no Brasil, quase todas com produtos de origem chinesa, chegou a Dafra. Aparentemente ela parecia ser mais uma chinesa no Brasil, oferecendo motos com baixo preço e de mercado bastante restrito.

Bom, a Dafra tinha apenas quatro motos, todas chinesas, mas tinha um trunfo na manga. Marketing! A marca do Grupo Itavema se uniu ao Banco Itaú para financiar as motos, construiu uma fábrica em Manaus, contratou gente famosa para uma campanha publicitária em horário nobre na TV e em espaços caros na mídia impressa.

Além disso, criou um site dinâmico e interativo para atrair os consumidores. Lá, cada um poderia calcular o quanto gastava de transporte público e assim saberia qual modelo estaria acessível ao seu bolso. Resultado? Pouco meses depois já atropelava a todas em seu caminho, parando apenas na Yamaha. Isso mesmo, derrubou até a Suzuki.

Aonde iria uma marca de motos com apenas quatro modelos, todos de baixa cilindrada? Não muito longe, não é mesmo? De lá para cá, a Dafra começou a ampliar a linha com motos originárias de Taiwan e Índia, todas com aparente sucesso. Hoje ela praticamente firmou-se na terceira colocação do mercado, embora às vezes disputando com a Suzuki.

Isso nunca foi visto no mercado de automóveis pelos motivos que todos nós já conhecemos. Claro que a diferença está sendo feita pelas asiáticas, no caso, as coreanas, que mesmo tendo produtos não tão populares como os da Dafra e nem mesmo das grandes da Anfavea, ampliam cada vez mais seu espaço.

Asiáticos em expansão

Mas há um porém. As coreanas não chegaram ontem ao Brasil. Estão aqui na mesma leva que trouxe japonesas e francesas, por exemplo. Isso lá pelos anos 90. Quem parece estar seguindo uma filosofia parecida com a Dafra, no momento, é a JAC. Com marketing agressivo e aparente vantagem para os consumidores, a marca chinesa aposta na mídia para mostrar seus produtos e fixar sua imagem, chamando a atenção de todos.

Além disso, tal como a Dafra fez, alterou os produtos para que se adaptassem ao mercado nacional e as condições de piso do país, outro ponto importante. Tal como nas motos, não podemos esperar que alguma nova marca consiga tão cedo derrubar a liderança de Honda, Volkswagen ou Fiat, que lideram os mercados de motos e automóveis, respectivamente. Mas que vão tirar muitos consumidores dessas marcas tradicionais, isso é fato.

A lição tirada pelo mercado com a ascensão da Dafra poderia ser seguida por outras marcas de motos ou mesmo de carros? Com um bom marketing, estratégias definidas de pós-venda e uma linha de produtos adequada, a receita para se vender bem no país parece acertada.





  • ubiratamuniz

    só marketing mesmo, porque as motos da Dafra são MUITO RUINS.

    Tá cheio de caso de Dafra Speed (a "concorrente" da CG) e Kansas (a mini-custom) com quadro QUEBRADO. Isso é problema gravíssimo de segurança.

    • Leandro1978

      Um colega meu, que possui moto, diz que essas motos são muito ruins. Inclusive, ele diz, que há problemas de baixa confiabilidade no motor, vendo sempre motos com motor "aberto" em oficinas. Desta forma, me parece que, ainda que tenham conquistado uma fatia considerável do mercado, ainda falta confiabilidade, assim como muitas montadoras chinesas.

      • Msa o ponto citado na noticia é o fato de conseguir entrar em um mercado que aparentemente é fechado e mto lucrativo como o Brasil. E isso a Dafra o fez. Se dá problemas nas motos mas vende, o que importa? Ta dando lucro…. e as empresas pensam assim. Ela vai melhorar? Sim. Mas por enquanto vão levando com o que tem.

  • birobiro

    Realmente a Dafra tem lançado produtos com qualidade aqui no nosso país.Torço para que continue nessa caminhada vitoriosa, pois assim quem ganha somos nós consumidores.

  • wallisonlemos

    Publicidade é tudo meus amigos! A Dafra fez certo, e vem continuando a fazer. Espero que a Jac faça o mesmo, e que não fique tendo vendas simplórias como a Chery por exemplo, que tem bons produtos, em muitos casos muito melhores que os atualmente vendidos aqui, mas que investe tão pouco em marketing e publicidade.

    • FAlniezi

      A cHery está investindo no "boca a boca" não é possível!

      Em 1 mês, na minha cidade, vi 2 Tiggo(um prata e um preto), 2 Cielos Hatch(prata e preto), 1 Cielo Sedan, 2 Faces(Prata e Preto), onde moro tem 180 mil habitantes.

      A Chery está crescendo considerávelmente, ao menos aqui na região está.
      Ao menos vejo mais Chery na rua, do que Kia.

  • Marcos_Umbelino

    Imaginem……Dafra Apache, a Melhor do Mundo!!!

  • A JAC, vai investir forte. O J3, parece até que vai aparecer no Faustão, logo após o lançamento da marca.
    Mas segundo a AutoEsporte, os vendedores falam em aumentos na faixa de 10% após o lançamento. Se for real, perde o sentido a compra do modelo J3.
    Que se for bem analisado, pode fazer com que muito caiam fora da marca.
    Convenhamos, 38 mil num modelo do nível do Sandero, com desvalorização provavelmente maior. Acabamento entre o Sandero e o Agile.
    Penso que é um valor alto demais para fazer uma aposta. Ao menos pra mim é.
    Acho que seria mais fácil eu arriscar 23 mil no Chery QQ, ao invés de 38 no J3, que é de categoria superior, motor moderno, acabamento superior, mas que não deixa de ser uma aposta.
    Eu continuo com o pensamento que é muito melhor um semi-novo, que nacionais pelados ou chineses.
    Quanto a Dafra, todos que eu conheço reclamam. Só mulheres que pilotam gostam mais, pois andam com mais cautela, mesmo assim logo folga tudo.

    • Leandro1978

      Os JAC estão chegando com preços bem acima de outros chineses, ainda que aparentem melhor qualidade. Porém se chegar com ágio logo de cara e sendo marca desconhecida, não será surpesa se naufragarem.

  • CanalhaRS

    Marketing não é tudo não!!!
    Se o produto for ruim ou com má assistência, depois de um tempo, nem o marketing salva.

  • PoweredCar

    Quando ela chegou aqui no BRASIL eu nem acreditava muito mas agora ela esta ganhando seu lugar,que era dominado pela YAMAHA e HONDA.

  • Leocasemiro

    Motos??? não, obrigado.

  • luidhi

    Nossa, cheio de especialistas em motos aqui. Gente que não sabe onde fica um câmbio de moto, muito menos como troca as marchas, tirando de entendido… pffff…

    A dafra mudou toda a linha de produção dela, tirou produtos problemáticos do mercado e trocou por fornecedores mais confiáveis. Assim vem a indiana TVS trazendo a apache, que concorre com a Yamaha FZ16 de 150cm3 e que será lançada em breve aqui, traz a Dafra Smart da Haojue, que é basicamente a mesma moto e do mesmo fornecedor da Suzuki Burgman 125i.

    Fez acordo com a Sym Taiwanesa, antiga parceira da Honda na produção de motocicletas e motonetas, bem conceituada na europa, trazendo o Maxi-Scooter Citycom 300i, com injeção eletrônica da Keyhin (a mesma das Honda premium), lançando um produto inédito no mercado. Hoje tem fila de espera de 45 a 60 dias para entrega do modelo. Monta 3 modelos da BMW no Brasil, seguindo o padrão de qualidade da marca bavária, sendo a primeira fábrica a montar produtos da BMW fora da alemanha (a GS 650 G também é montada pela Aprilia na china, mas é terminada na alemanha).

    Como você vê, graças ao "zé ruela que só sabe trocar óleo da CG" ninguém sabe ao certo o que está comprando.

    Tenho uma citycom 300 i a 4 meses e utilizo ela diariamente para trabalhar levando mochila com notebook embaixo do banco. Em um percurso de 11 km gasto 1/2 litro de gasolina, ganho 40 minutos por dia, não colaboro para aumentar o trânsito e tenho a praticidade de um maxi-scooter para ir onde quiser.
    Chego a economizar 400 reais por mês entre combustível/estacionamento.

    • marvels

      cara eu fiquei fã dessa citycom 300i viu… se eu soubesse que ela existia quando comprei minha fazer tinha analisado ela… parece ser muito boa… varias analises dizendo que é muito bom para uso urbano!

  • Cil

    Eu particularmente acho que a JAC segue no caminho certo. Aliás, qualquer marca que queira se estabelecer no BR, c om raras exceções, depende da publicidade, principalmente a televisionada, até porque as TVs são o entretenimento número 1 do brasileiro.

    • CARnivoroBH

      pois é….. mas parece que a Chery não leu isto no seu "dever de casa" para operar no Brasil….. Sua chegada e suas vendas aqui no BR estão pífias porque ela não investge qse nada em publicidade… na tv então eu nunca vi…



Send this to friend