Ecologia Etc Governamental/Legal Manutenção Mercado Trânsito

Descarte de carros no Brasil

reciclagem1 Descarte de carros no Brasil

Ele já rodou muito e agora não tem mais condições de oferecer segurança durante a condução. Por conta disso, o descarte do carro foi a única saída aceitável e honrosa para aquele veículo que fez tanto pelo dono. Abandona-lo na rua não foi opção e nem é recomendável, aliás, é condenável! Isso configura um risco em termos de saúde pública e segurança. Além disso, impede o estacionamento no local ou trânsito.



O problema é que de acordo com a resolução 371/10 do Contran, se o veículo estiver em local onde não há proibição de estacionamento, nada pode ser feito e nem é considerada infração. O texto diz: “o simples abandono de veículo em via pública, estacionado em local não proibido pela sinalização, não caracteriza infração de trânsito, assim, não há previsão para sua remoção por parte do órgão ou entidade executivo de trânsito com circunscrição sobre a via”.

No entanto, em algumas cidades existem leis municipais sobre o assunto, como em São Paulo, onde o estacionamento em via pública por mais de cinco dias é considerado proibido. Felizmente, esse não foi o carro desse nosso carro hipotético, que ainda precisa de uma ação burocrática, mas essencial para não dar problemas póstumos.

Baixa no registro e desmanche



Para isso foi necessário iniciar um processo administrativo para dar baixa no documento do veículo. Para efetuar isso, foi preciso levar documentos do veículo e do proprietário até o Detran local. Esse processo só deve ser feito em três situações: veículo irrecuperável, perda total em sinistro e venda ou leilão como sucata.

Nada consta apresentado e todos os débitos do veículo quitados para que não houvessem pendências fiscais ou jurídicas em relação ao registro que seria eliminado. A não realização desse procedimento junto ao Detran acarreta multa de R$ 127,69 e cinco pontos na CNH do proprietário, previstos no Código de Trânsito Brasileiro. Paga-se uma taxa de R$ 45,29. Depois disso, o carro foi enviado para ser descartado em desmanche regulamentado, um fim triste realmente, mas feito da maneira correta.

reciclagem1 Descarte de carros no Brasil

Descarte e reciclagem muito baixos

O exemplo acima é apenas mais um de muitos que acontecem por este país. Antigamente, não havia qualquer regulação sobre o descarte de veículos no Brasil, mas a partir de 2014, foi sancionada a chamada Lei do Desmanche, que visava regular esse mercado, até então informal. O estado de São Paulo também criou uma lei para regular e fiscalizar a venda de peças, bem como certificou os desmanches locais.

Com a regulamentação na venda de peças usadas de veículos descartados, iniciou-se um movimento em busca de novos negócios no setor, tanto que duas seguradoras conhecidas no mercado criaram empresas dedicadas à reciclagem de veículos e comercialização de peças de segunda mão, algo até então impensável no cenário brasileiro.

Segundo as empresas do setor, 95% de um automóvel pode ser reciclado. As seguradoras envolvidas já reciclaram milhares de veículos em pouco tempo de atividade e estão crescendo nesse novo negócio. No entanto, apesar disso, a estimativa é que o descarte regulamentado de veículos no Brasil represente apenas 1,5% da frota, que hoje é de 52 milhões de veículos. O índice é muito baixo se comparado aos EUA e Japão, onde 80% dos carros são desmanchados e reaproveitadas suas partes.

A reciclagem se tornou um bom negócio após a regulamentação, pois coíbe o comércio ilegal, inibe o roubo de automóveis com esse fim e dá ao consumidor a segurança de poder comprar uma peça usada de forma legal e barata. Além disso, ajuda a reduzir a poluição ambiental com contaminação do solo e também da atmosfera, bem como o acúmulo de sujeira, que pode acarretar problemas de saúde pública. Os desmanches regulamentados também precisam cumprir tais obrigações.

Algumas empresas nacionais também decidiram por sua própria conta incentivar o descarte seguro e a reciclagem, como uma rede de pneus, que já reciclou mais de 4 milhões de pneus, bem como promoveu ações que reaproveitaram 700 mil pneus, 500 mil baterias e um milhão de peças de suspensão. Apesar disso, o volume de 1,5% da frota indica que o Brasil ainda está muito atrasado no descarte seguro de automóveis e na reciclagem de peças.

reciclagem1 Descarte de carros no Brasil

Renovação da frota

Um dos motivos pelos quais o Brasil ainda não tem um índice aceitável de descarte seguro e reciclagem automotiva é não haver um programa nacional de renovação da frota. Com 52 milhões de veículos, o país ainda tem um frota bem mediana e relação aos mercados consolidados quando numa comparação per capita. Com 207 milhões, a taxa de motorização é de quase 4 pessoas por veículo.

Diante de tamanho espaço, um programa de renovação da frota – que visa substituir os carros mais velhos e poluentes – não é tão importante na esfera política nacional. Sem esse incentivo para troca do carro usado pelo novo, dificilmente os consumidores procurarão uma forma de descartar seus carros já bem usados e poluentes por modelos novos e mais limpos.

Todo o processo de renovação da frota consiste em descartar e reciclar o carro recebido na troca, mesmo que este esteja em condições de rodar. O Rota 2030 prevê isso entre as propostas, mas como o regime automotivo ainda está ameaçado e talvez saia apenas em 2019, teremos de esperar até lá. Um programa nacional dessa envergadura necessitará obviamente de um enorme incentivo fiscal, que evidentemente sairia de uma desoneração fiscal.

Para o atual governo, isso é algo impensável. Sem isso, como fazer alguém dar o seu carro na troca por um novo, assumir novas dívidas e ainda ter um bom desconto nisso. O lojista não vai conseguir o mesmo valor do carro usado num processo de descarte e venda das peças nos moldes atuais, por melhor que seja. Apesar da idade da frota estar pouco acima de 9 anos contra 11 dos EUA e 8 da Europa, a quantidade de carros em condições ruins por ruas e estradas é elevado.

O problema é a falta de manutenção devido ao alto custo de reparo. Além disso, alguns estados incentivam a propriedade de carros mais velhos, como no estado de São Paulo, onde carro com mais de 20 anos não paga IPVA, enquanto os mais novos pagam 4%. Aliás, o imposto não decresce de forma gradual, ele simplesmente cessa aos 20 anos do carro, não importando o seu valor, pode ser até uma Ferrari 1997.

Em alguns países, como o Japão, o imposto só aumenta com o passar do tempo, inibindo a propriedade do mesmo, que assim é enviado para o descarte e posterior reciclagem. No Brasil, como a carga tributária é grande, quem compra carro novo arca com um peso enorme, mas quem roda com veículo mais antigo, quase que fica isento de tributos.

reciclagem1 Descarte de carros no Brasil

Outros países

O descarte de veículos em outros países ocorre de forma mais organizada, convertendo-se em uma verdadeira indústria, como ocorre nos EUA e Japão, por exemplo, onde os centros de reciclagem são verdadeiras usinas de processamento de peças e materiais. Nos EUA, a desvalorização dos carros é tão acentuada pela alta rotação do mercado, consolidado há décadas, que o único destino é mesmo o descarte por falta de valor, dando assim oportunidade para negócios de venda de peças já fora de produção, o que se torna rentável para quem possui carros antigos ou colecionadores.

Na Europa, alguns países do bloco econômico realizaram individualmente programas de renovação de frota com bônus na troca de carros usados mais antigos e especialmente movidos a diesel, por carros híbridos, elétricos, GNV ou carros econômicos. Os veículos antigos são obrigatoriamente descartados e reciclados, impedindo mesmo sua exportação ou aproveitamento para qualquer outra finalidade.

COMPARTILHAR:
  • Fanjos

    Por aqui o que mais se vê é sucata caindo os pedaços andando pelas ruas

    • Wellington Myph13

      Essa semana mesmo, parei no posto abastecer, e veio do lado um corcel, verde folha (já pintado, e parecia esmalte sintético de tão ridículo que estava), a porta da direita não tinha maçaneta, o capô estava amassado, meio levantado e com uma corda passada no meio, de uma ponta a outra (Provavelmente segurando alguma coisa lá dentro além do capô)… Quando o passageiro abriu a porta, os bancos já nem tecido tinham, era só espuma com uns rasgos de tecido “mantendo” a espuma em formato de banco… O cambio era só a vareta sem a bola em cima… O Volante era a única coisa que parecia inteira de onde estava vendo… Quando ele foi sair, parecia que estava manobrando em shopping… Virou o volante umas 10x pra esquerda pra fazer uma leve curva… Nem tem folga…
      Eram 5 pedreiros dentro do carro… É soda não ter grana, e sinto por eles, mas isso é mais risco pra nós do que pra ele… Se ele não tem grana pra ter algo ao menos “levemente” melhor que aquilo, imagina bater em alguém com essa jabironga? Até parece que vai pagar…

      • RRodrigo Souza

        vamos morrer de tétano kk por aqui em SP Guarulhos o que tem de chevette /monza e afins tudo cortado para ficarem como uma pick up para coletores de reciclaveis é impressionante, tem mais ferrugem do que carro, os carros sao no mesmo padrao que voce informou só que muitas vezes nem assoalho tem, colocam umas madeiras para o banco nao cair kk

    • Catucadao

      é mais pelo menos é melhor assim…

  • Maycon Farias

    Diferença enorme entre 1.5% daqui e 80% de lá. Realmente temos um longo caminho.

    • Supernescau

      A diferença é que os 78.5% são sucatas que ainda estão em circulação no Brasil.

      • Fernando Elias

        Bom, acredito que a indústria é muito importante, a circulação do dindin, etc.
        Mas existe a SUSTENTABILIDADE.
        Não se come dinheiro. Não se respira juros.
        Incentivar o consumismo DESESPERADO (desde os anos 80 o PIB do Japão só patina, por uma conjunção de fatores, entre os quais a flexibilização das relações de trabalho, moderna pra caramba, mas que ferrou o Japão…), como no caso do Japão, certamente não é uma opção sustentável.
        Claro, tem as sucatas … É, lugar comum também é argumento, e para esse problema temos uma gama considerável de soluções sustentáveis … ou podemos ir pela solução insustentável mesmo, e os nossos filhos que paguem o preço…

  • Fernando Elias

    Bom, acredito que a indústria é muito importante, a circulação do dindin, etc.
    Mas existe a SUSTENTABILIDADE.
    Não se come dinheiro. Não se respira juros.
    Incentivar o consumismo DESESPERADO, como no caso do Japão (desde os anos 80 o PIB do Japão só patina, por uma conjunção de fatores, entre os quais a flexibilização das relações de trabalho, moderna pra caramba, mas que ferrou o Japão…), certamente não é uma opção sustentável.
    Claro, tem as sucatas … É, lugar comum também é argumento, e para esse problema temos uma gama considerável de soluções sustentáveis … ou podemos ir pela solução insustentável mesmo, e os nossos filhos que paguem o preço…

  • vicegag

    A primeira foto, é uma montagem, não é?

    • RRodrigo Souza

      primeira foto é desmache internacional, aonde a sucata é totalmente esmagada, compactada e depois eles vendem apenas o metal para serem reutilizados e etc

      • Edu

        Pelo porte dos carros provavelmente nos EUA.

        • RRodrigo Souza

          sim com certeza

    • Rbs

      É sim! Um monte de carros montados em cima do outro. rsrs

  • afonso200

    IPVA Azera ou fusiom 2011 fica em torno de 900reais aqui no RS,,, dai o cara compra um carro popular ja ta 60mil com cambio automatico, ja se vai a 2000mil de IPVA, ou seja tem coisa errada

  • kravmaga

    O que é também ridículo é a isenção de IPVA para carros mais velhos. Só serve para estimular o uso dessas velharias por gente mais pobre como uma forma de economia.

    Carro velho deveria pagar um valor fixo de IPVA a partir de uma certa idade, de tal forma que uma hora o valor do IPVA tornasse a permanência de uso do carro inviável. Só colecionadores continuariam com carros muito antigos.

    • invalid_pilot

      IPVA nem deveria existir, a verdade é essa.
      Imposto sobre propriedade que não gera lucro é palhaçada demais.

      • Edu

        Ao contrário, só gera prejuízo. Mas tem brasileiro que ainda acredita que carro é investimento. Bom para nosso desgoverno que só pensa na arrecadação. Acorda Brasil!!

        • invalid_pilot

          Ao meu ver a tributação deveria ser pra carro de empresa e taxista, uber e qualquer um que ganhe dinheiro com carro.

          Carro de passeio faz zero sentido .

          • george

            iriamos pagar por tabela, quando pegássemos táxi, uber, no preço do frete…. melhor que dobrasse o valor do licenciamento e acabasse de vez com ipva

          • Eles iriam usar essa cobrança como justificativa de preço… é melhor zero IPVA pra todos.
            Cobrar mais para vc usufruir é uma coisa, agora cobrar mais pq tem de pagar o estado, ai é foda.

            • invalid_pilot

              Cobrar porque nego faz dinheiro com carro – igual pagar IR e IOF em operações bancárias.

              Mas é claro que o Governo vai pelo caminho mais comodo e de maior arrecadação.

    • Ducar Carros

      O carro antigo é isento do IPVA, mas paga o licenciamento e o DPVAT.

  • Jefferson

    “Em alguns países, como o Japão, o imposto só aumenta com o passar do
    tempo, inibindo a propriedade do mesmo, que assim é enviado para o
    descarte e posterior reciclagem.”

    Aí também é foda, como fica quem é colecionador ou tem um carro antigo mas bem cuidado?

    • Cosi fan Tutti

      Se é colecionador tem condição, se tem condição tem grana, se tem grana…

    • zekinha71

      Eles não ligam pra carro, é igual uma tv ou geladeira ficou velho manda amassar.
      Minha prima mora lá, e cada vez que ela vem passar as férias aqui, ela leva o carro pra amassar, quando volta vai na ccs e compra um novo e bem barato. Já foram váriios Toyotas e Civics amassados, e lá praticamente não existe funilaria, bateu, amassou, recicla.

      • Catucadao

        pra mim é uma porcaria o japão simples assim kkk

  • Cincinato

    Ou seja o governo quer que se lasque os carros velhos, e quer continuar arrecadando do jeito que está.

  • “A reciclagem se tornou um bom negócio após a regulamentação, pois coíbe o comércio ilegal, inibe o roubo de automóveis com esse fim e dá ao consumidor a segurança de poder comprar uma peça usada de forma legal e barata.”

    Ahhhhhhh Tá… Vai vendo…

  • Catucadao

    carro “sucatas” não faz acidentes…. mais os novos sim.

  • José Barbosa

    Esta legislação me lembrou um carro que outro dia vi abandonado (em situação até não tão ruim), um C3. Todo o dia caminhava no parque e via o veículo no mesmo ponto. Depois os pneus murcharam, continuava ali. Liguei para a polícia (imaginando que poderia ser objeto de furto ou roubo), passei a placa e nem sei se conferiram, mas disseram que não havia nada. No final das contas, pensei que ou o dono precisava do carro, e não tinha uma maneira eficaz de comunicá-lo, ou ele não valia a pena, e deveria ser recolhido para não atrapalhar outros veículos (trata-se de um local que o estacionamento é grátis, mas com frequência fica lotado).

    • Catucadao

      tipico cara que cuida da vida dos outros….

      • José Barbosa

        Faz parte de viver em sociedade. Como disse, havia me preocupado com o fato de que aquele carro poderia ser de alguém que teve o bem furtado/roubado e não sabia do paradeiro.
        Outro dia, num concurso que ocorreu perto de onde moro, ao caminhar pela manhã, flagrei um carro que havia sido vítima de furto. Liguei para a polícia (advinha o que responderam?) pensando não apenas naquele caso (o carro estava aberto e poderiam levar outras coisas), como em outras potencias vítimas e oh, que coisa, por que não, em mim mesmo e na minha segurança, da minha família e dos meus vizinhos?

        Não cuido da vida dos outros, mas quando estão na condição de vítimas, ajudo com muito gosto, até porque sei que brasileiro pró-ativo e que quer um mundo diferente na ação, não no discurso, são poucos.

        • Catucadao

          você diz no começo que “faz parte de viver em sociedade” depois diz “Não cuido da vida dos outros” duvido muito que vc não é do tipo que se uma mulher estiver na rua apanhando do marido não corre para chamar a policia e querer ser heroi, dizendo que em mulher não se bate… mais continuando, quando se trata de algo que faça bem para todos, como vc disse em relação ao asfalto onde um cano de água estava vazando até pode considera como uma boa ação, mais sobre o carro eu discordo pelo que entendi o carro não estava em lugar que é comum de abandono e muito menos parecia ser de roubo… então acho que vc as vezes comete uns erros… eu mesmo se ver um carro assim to nem ai, já sei que o dono já teve o carro pago pelo seguro e ta pouco se lixando e outra que não sou x9 não confio nas informações e sabe que dependendo do lugar onde mora vai morrer cedo ou pela policia ou pela criminalidade porque vc sabe que o que mais tem é policiais envolvidos em roubo de carros e outras acoes do tipo assim como a própria criminalidade o negocio é lucrativo.

          • José Barbosa

            Faça o que quiser, deixe o mundo a seu lado explodir.
            Já tive carro furtado e, até por isto, faço questão de avisar quando vejo algo suspeito. E dentro do possível, não quero que meu bairro vire alvo de descarte. Tenho uma hipótese que bandido vai para onde dá menos trabalho. Se vir que num lugar vai dar dor de cabeça, vai preferir ir para outro com pessoas mais acomodadas.

  • zekinha71

    Eu queria saber como funciona no Chile?
    Vi raríssimas velharia lá, é praticamento tudo semi novo.
    Agora aqui em Sampa está lotada de sucatas largadas pelas ruas, ou como eu vi ontem circulando, uma carniça que 3 décadas atrás foi um Elba, o cara simplesmente cortou o teto pra catar papel, prendeu com arame o que sobrou das portas traseiras, para brisa totalmente quebrado, lanternas e faróis só sobraram os buracos, e como jogou fora a tampa do porta malas, simplesmente ficou aquele buraco e nem chapa tem, pois era fixa na tampa.
    E tava dirigindo igual um louco, passando farol vermelho e nenhum policial para e apreende uma desgraça dessas.

    • Catucadao

      esses carros não causam acidentes uma porque não passa nem de 50…. e a condição aki no brasil é assim mesmo custo de vida aki não é barato é normal que tenha pessoas que precisam fazer isso pra viver, e larga a mão de um cara chato sem maldade. kk

      • zekinha71

        Pega um lixo desses enche com uma tonelada de sucata e solta numa descida sem freio, vamos ver se não causa acidente.
        E sempre vem essa desculpa que precisa viver, traficante também precisa viver, então o que ele faz é normal?
        E legal entrar em todos os posts e ficar chamando todo mundo de chato, vc fazendo isso passou a ser o maior chato do NA.

        • Catucadao

          a lataria pode estar ruim mais a mecânica em dia… eu mesmo tinha um carro assim sei do que to falando nunca deu um problema nem deixo na mão

  • Johne Edder

    Aquele Lifan 620 da foto tá no lugar certo.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email

receber-noticias Notícias por email