Fazendo o primeiro emplacamento sem pagar propina

Fazendo o primeiro emplacamento sem pagar propina

Leia abaixo o relato de um leitor – que preferiu ficar no anonimato – sobre o processo de emplacamento com ou sem pagamento de propina para reduzir o tempo de espera:


Essa semana passei por mais uma situação típica de nosso país de tolos onde tudo se faz no “jeitinho”.
Resolvi eu mesmo fazer o processo de emplacamento do meu carro novo na Ciretran da minha cidade uma vez que o despachante pediu R$ 700,00 + IPVA. Todo o passo a passo está disponível no site do Detran. Então reuni os documentos, paguei as taxas, preenchi o formulário do RENAVAM, obtive o número da placa e montei o processo.

A primeira sacada é na placa. Se escolhemos a placa padrão (preço incluso na taxa de lacração) do Detran ela demora 3 dias para ser emitida após o CRV (o famoso DUT) ser emitido e retirado pelo proprietário (isso tudo no setor de placas na CIRETRAN), e teoricamente, não se pode escolher o final da placa. Mas, se optarmos por uma placa “especial” ao custo de R$ 110,00 reais, podemos escolher o número, bem como emplacar já no dia em que liberarem o documento.

A segunda sacada é no tempo de espera. Se o processo de emplacamento é montado pelo despachante, no dia seguinte o CRV é emitido e mais um dia pode-se emplacar o carro, ou seja, 2 dias. Mas caso, o sujeito queira economizar com o despachante, e não participar do “esquema” ou pagar o “café” para agilizarem o documento, teria de esperar 10 dias pela emissão do CRV, ir novamente à CIRETRAN buscar o documento, tirar uma cópia e deixar no setor de placas e esperar mais 3 dias para poder emplacar o carro, ou seja 13 dias sem contar o dia para montar o processo.

Vou esperar por 10 dias sendo que, se tivesse feito com o despachante, o carro sairia emplacado da concessionária. Uma forma de escapar desse esquema, é pagar a taxa de lacração referente ao emplacamento “domiciliar” (+ R$30,00 sobre a taxa padrão) e não a taxa comum, aí eles que tem que correr. Como já tinha pago a taxa comum fiz o processo comum, porém economizei R$ 410,00.

O pior é que eles falam na cara dura e sem pudor algum. O atendente disse o seguinte: – Você paga o leite das crianças do despachante, ele vem aqui e entra pela “porta do meio”, se você vem direto, você entra pela “porta da frente”, aí demora mais, mas eu posso resolver isso com o meu encarregado finalizou, deixando subentendido que “quem quer rir, tem que fazer rir”.

Esse é o país em que vivemos, ou se mama na teta do governo com licitações fraudulentas ou se mama na teta do consumidor que tem que sustentar essa corja corrupta. A maioria que vai lá, não sabe disso e acaba sendo prejudicada como ocorreu comigo.

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.