Enquanto fecha aqui, Ford contrata mais para Ranger na Argentina

Enquanto fecha aqui, Ford contrata mais para Ranger na Argentina

A Ford trouxe de volta Steven Armstrong para gerenciar o fechamento das fábricas no Brasil e concluir a venda da Troller (assim se espera…). Contudo, enquanto fecha aqui, a marca americana contrata mais pessoal para a linha de produção da Ranger, na Argentina.


Em General Pacheco, 256 novos empregados foram admitidos para a planta hermana, que produz somente a picape média. O motivo dado pela Ford é que a crescente demanda no Brasil e América Latina obrigou a empresa a aumentar a produção.

Desde ontem (29), a Ford Argentina aumentou a cadência em Pacheco para 286 veículos por dia, alcançando assim um nível 30% superior ao período pré-pandêmico.

Com isso, foi necessária a contratação desse grupo, que soma aos 323 trabalhadores contratados no ano passado. Em 2020, a Ford Argentina teve que recriar o segundo turno na planta próxima de Buenos Aires para dar conta da demanda.

Dessa forma, a Ford reafirma sua posição de não sair do Brasil completamente, com aumento de produção na Argentina e com o investimento de US$ 580 milhões para fazer a próxima geração da Ranger.

Enquanto fecha aqui, Ford contrata mais para Ranger na Argentina

No país vizinho, ela será filha única de Pacheco, visto que a VW desistiu da Nova Amarok localizada, que será exclusivamente sul-africana com uma similar da Nova Ranger.

Com adição da versão Black, a Ford Ranger passou incólume diante da crise gerada pela marca americana, que encerrou a produção de carros no Brasil, acabando instantaneamente com Ka, Ka Sedan e EcoSport, além de destituir mais da metade de rede de distribuidores. Isso sem contar 5 mil empregados…

Mas, de volta à “picape sem crise”, de janeiro a março, a Ford Ranger vendeu 5.619 unidades no mercado nacional, isso sem contar mais 1.619 vendidas nas parciais de abril.

Isso mostra que o produto continua sendo muito apreciado, especialmente no interior do país, impulsionado fortemente pelo agronegócio, que é de fato o que movimenta as vendas de picapes no mercado nacional.

[Fonte: Autoblog Argentina]

 

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.