*Destaque Combustíveis

Etanol prejudica motor flex?

combustivel-brasil Etanol prejudica motor flex?

Automóveis nacionais são praticamente um sinônimo de motorização flex. Boa parte dos veículos comercializados em nosso mercado, sejam eles produzido localmente ou importados, são dotados de um propulsor bicombustível capaz de rodar tanto com gasolina como etanol, seja individualmente ou misturados. Isso vem desde 2003, quando foi lançado o primeiro carro flex no mercado nacional – uma versão do Volkswagen Gol de terceira geração, que recebeu o sobrenome de “TotalFlex”.



Ou seja, a saga de automóveis flex acontece no cenário brasileiro há quase 15 anos. Entretanto, apesar de todo este tempo, há uma série de mitos e verdades que costumam ser proferidos durante uma conversa entre amigos que contam com pelo menos um veículo estacionado na garagem de casa. Entre elas, a questão de que um motor bicombustível pode ser prejudicado caso o proprietário utilize somente etanol.

Etanol prejudica o motor?

No entanto, já vamos logo adiantar: isso não é verdade! O motor flex foi projetado para rodar com qualquer proporção de ambos os combustíveis. Até porque não adiantaria em nada equipar um veículo com um propulsor que possa ser prejudicado futuramente caso seja abastecido com somente um tipo de combustível por durante anos.

Alguns especialistas informam que o etanol pode sim prejudicar o conjunto de um veículo flex. Segundo eles, quando o proprietário abastece seu automóvel somente com o combustível derivado da cana por um longo período, forma-se uma espécie de “geléia”, que se assemelha com aquele açúcar queimado que é formado no fundo da panela de pudim. Ao endurecer, essa “geléia” pode provocar estragos nos bicos injetores, bomba de combustível, filtro de combustível, roscas das velas e boia de combustível.

Todavia, as montadoras informam que não há problemas em abastecer o carro somente com etanol. Além disso, os próprios condutores de automóveis afirmam que isso se trata de uma inverdade, baseando-se em suas experiências. Aliás, tal problema pode sim acontecer, mas em casos de etanol adulterado. Sendo assim, procure abastecer o seu veículo sempre um posto de combustível de confiança.

combustivel-brasil Etanol prejudica motor flex?

Do mesmo modo, um motor flex apresenta durabilidade equivalente à de uma unidade monocombustível. O propulsor bicombustível é projetado desde o início para rodar com etanol e/ou gasolina e acaba recebendo proteção contra os depósitos deixados pela gasolina e também contra a corrosão provocada pelo etanol. Contudo, os combustíveis alterados também podem prejudicar a vida útil do motor, resultando em gastos adicionais (e desnecessários) no bolso do proprietário do veículo.

Por outro lado, uma verdade é que o etanol pode provocar alguns problemas (sem qualquer relação com à durabilidade do conjunto). O combustível pode provocar falhas na partida do motor a frio, já que ele tem uma vaporização mais complexa em temperaturas inferiores a 14 ºC. Isso é mais recorrente em veículos mais antigos, sobretudo os movidos somente a etanol.

No caso de um carro bicombustível, tal problema raramente aparece, visto que praticamente todos os modelos são dotados de um reservatório de gasolina (também conhecido como “tanquinho”), que injeta o combustível fóssil na admissão do motor no momento da partida e melhora o arranque e o funcionamento do aparato antes de atingir à temperatura adequada. Sendo assim, lembre-se sempre de verificar as condições de gasolina inserida no tanquinho – ele tem capacidade para cerca de meio litro, sendo que o recomendado é fazer a substituição do combustível a cada seis meses para evitar que ele fique velho e sem boas condições para o uso.

Em alguns automóveis mais recentes há uma nova tecnologia de partida a frio, que dispensa o reservatório auxiliar de gasolina e aquece o etanol antes de ser injetado, com o uso de uma vela em cada bico injetor.

O etanol é a melhor opção ao abastecer o meu carro?

Tanto o etanol como a gasolina apresentam vantagens e desvantagens. Como vantagem, o etanol emite uma quantidade bem menor de gases nocivos do que os combustíveis fósseis (contribuindo para menor danos à camada de ozônio), tem um menor impacto ambiental também pelo fato de ser solúvel em água (em vazamentos, pode ser diluído facilmente) e é uma fonte renovável. Por outro lado, uma das principais desvantagens é que o etanol é menos eficiente, sendo necessário queimar mais o combustível derivado da cana para produzir energia equivalente à da gasolina. Além disso, o consumo de combustível do carro aumenta consideravelmente com etanol no tanque.

combustivel-brasil Etanol prejudica motor flex?

Já a gasolina apresenta como uma das vantagens a maior eficiência, fazendo com que o veículo entregue um menor consumo de combustível e seja “mais amigo” do bolso do proprietário. Além disso, a gasolina aditivada, por exemplo, como o próprio nome indica, conta com aditivos para limpar parte dos componentes internos do motor, facilitando a queima de combustível e até mesmo contribuindo para uma melhora no consumo de combustível. Contudo, ela provoca uma maior emissão de monóxido de carbono (CO2), é uma fonte não renovável (ou seja, uma hora vai acabar) e tem preços altos demais e com muita variação.

Ou seja, pensando pelo lado do meio ambiente, o etanol é uma melhor opção para abastecer um automóvel. Fora isso, o carro passa a entregar um desempenho mais vigoroso com o uso deste combustível. Porém, a gasolina consegue oferecer uma eficiência maior quando o assunto é o consumo, beneficiando as finanças do usuário.

Troquei o combustível do meu carro. E agora?

Se você estava rodando somente com etanol, esperou o combustível acabar por completo no tanque do seu carro e abasteceu posteriormente somente com gasolina, há uma dica em específico. De acordo com especialistas, é recomendado dirigir por pelo menos oito quilômetros após promover a troca completa do combustível para que o sistema do carro consiga detectar a mudança e recalibrar o aparato para a nova mistura.

O sistema do motor consegue reconhecer o combustível através da quantidade de oxigênio resultante da queima – daí o tempo necessário para fazer o reconhecimento, visto que é preciso esperar que o combustível seja queimado pelo motor e o gás resultante, emitido pelo sistema de escape.

Caso o motorista não realize este procedimento, é provável que o veículo apresente falhas ao tentar dar a partida anteriormente. Entretanto, basta insistir para que o sistema entre em funcionamento.

COMPARTILHAR:
  • Paulo Henriq

    o sistema “FLEX” é uma forma que o experto governo brasileiro encontrou para sua ineficiencia em combater a mafia que adultera a gasolina, o carro funciona mesmo com o acrescimo de etanol na gasolina, e ainda permite que o o mesmo governo faça reajustes na gasolina pura, sem descontar a percentagem de etanol adicionado, o combustivel flex funciona no carro mono, e o bicombustivel fica apenas em algumas regiões como boa alternativa no etanol, então o governo controla até onde compensa o etanol.

  • Filipo

    Etanol: o que era pra ser não só uma alternativa ecológica, mas principalmente econômica, praticamente não cumpre sua função, pois na maior parte do país o etanol é muito caro.
    Enquanto isso nos EUA, onde o etanol provêm do milho, de extração mais cara, o mesmo é bem mais barato.

  • Evaldo Avelar Marques

    Depois que a gasolina passou dos R$ 4,00 em BH, já estou indo para o 5º tanque seguido rodando somente com Etanol…

    • Ricardo

      Em Curitiba também compensa abastecer com etanol, mas na maioria das cidades brasileiras, não!

      • Vitor Barcellos

        Aqui na minha cidade, a cada reajuste da gasolina, os pontos tbm reajustam o etanol, rs… Gasolina R$ 4,49 e o Etanol R$ 3,59

        • Ricardo

          Isso aí já é filha da putagem de brasileiro!

        • Andre Henrique Melo

          Rio de Janeiro indo pela mesma sacanagem também.

        • Emanuel Schott

          Aqui o preço do etanol tá estacionado em R$3,59 a uns dois anos, sem queda e nem aumento. Tanto que, antes do aumento de impostos na gasolina, ela chegou a ser vendida pelos mesmos R$3,59 do etanol, deixando ambos os combustíveis com o mesmíssimo preço. Agora pulou pra R$4,50. Ainda não vale a pena usar o combustível de cana, mas já já chega lá.

      • Holandês Louco

        Exato.
        Meu Focus 2.0 na cidade economiza 9,0 km/l (G) e 7,0 km/l (A), com os preços de 4,099 (G) e 2,999 (A) reais/litro.
        Então cada real em combustível rende 2,196 (G) e 2,334 (A) km rodado. Ou seja 6,3% mais econômico rodar com álcool em Curitiba. Meu gasto é pouco mais de 100 litros (G) no mês, rodar no álcool faz sobrar pelo menos R$ 25… (R$ 300-350 por ano)

        • MauroRF

          Você tem o Focus MK2 de 148 cv ou o MK3 de 178cv?

          • Holandês Louco

            Sedan 2012 de 148cv

            • MauroRF

              Tive um hatch manual 2012. Fazia essas médias aqui em Santo André-SP. Excelente carro. Eu só achava o motor fraco em baixas rotações, mas passou de 2500 rpm, anda bem, na estrada então, sai de perto.

              • Holandês Louco

                Na estrada uso gasolina, a relação se inverte. Adoro ele, é meu segundo, tive um 2.0 2009 gasolina antes. Eu trabalhava em outro lugar quando tinha o 2009 e fazia 6,5 km/l de gasolina na média, devido ao trânsito muito mais pesado.

                • MauroRF

                  Eu conseguia fazer 13 na estrada rodando em média a 110 km/h. Com álcool fazia em torno de 9. Ou seja, inverte mesmo.

                • Rodrigo

                  Faço o mesmo que vc em todos os meus carros flex que tive ate hoje: alcool pra rodar na cidade e gasolina quando ia pegar estrada. Só não viajo usando álcool também pois normalmente a autonomia passa pouco dos 500 km e nessa distância de São Paulo capital já está caro o álcool. Mas já cheguei a fazer São Paulo – Porto Real (RJ) com um tanque de álcool e ar ligado, andando de boa.

                • Elton Lopes

                  Tenho um Doblò e-torq e na estrada só gasolina, no presente momento vim de Goiânia/GO até Recife/PE 2400km, mas depois de um tempo motor grilando, então completei com etanol, para parar de “grilar”.

      • Daniel

        Eu moro em Curitiba e ainda não encontrei nenhum posto no meu trajeto onde vale a pena abastecer com etanol… o custo/autonomia fica levemente favorável à gasolina no meu caso. Em qual bairro fica o posto no qual você abastece?

        • Ricardo

          Maioria dos postos da cidade a gasolina está R$ 3,9 e o etanol R$ 2,9.

        • Wander Souza

          Daniel, morei em ctba por 5 anos e o cartel dos postos de combustíveis era famoso na época. Preços sempre iguais ou muito próximos. Isso acabou?

    • Pedro Cunha

      Aqui no sul do RS a média do etanol já ultrapassou os R$4,10. A gasoroba já não se acha por menos de R$4,45.
      Por aqui quase já não compensa abastecer. Melhor comprar comida pra se alimentar e andar á pé ou bicicleta.

      • Cmenusi

        Eu ia dizer pra vender o carro e um rim pra importar um elétrico, mas aí lembrei do preço da energia elétrica e…. deixa quieto …

        • Pedro Cunha

          Aqui no sul recentemente recebemos um aumento de 30% na conta de energia, fora o ICMS que já é um dos mais elevados do brasil.
          Por isso, quando vejo algum comentário de brasileiro berrando “O FUTURO É ELÉTRICO!”, “LOUCO PARA QUE VENHAM OS CARROS ELÉTRICOS!” não sei se dou risada ou caio em prantos.
          O futuro pode até ser elétrico, NÃO NO BRASIL.

  • FearWRX

    Há dois anos que tenho carro à gasolina somente e não troco. Essa joça de carro flex que inventaram foi uma das piores tranqueiras de engenharia já inventadas. Não queima direito nem um nem outro e não rende da forma que deveria render com nenhum dos dois.

    É só ver que muito carro antigo somente a gasolina rende muito mais que os mesmos flex. E os somente a álcool também são bem mais fortes que os equivalentes a gasolina e assim por diante.

    Mas o pior de tudo é que, além de termos que engolir essa mistureba, ainda temos que lidar com a mijolina brasileira e pior ainda, além de mijo, ainda pode vir adulterada com muita facilidade.

    Brasil, país de idiotas.

    • Wilson Junior

      Infelizmente não temos com fugir das excelentes Leis dos nossos excelentíssimos politicos!
      Compramos gasolina e levamos 27% de etanol.

      • Dario Lemos

        Eu acho que tem solução mas o brasileiro está mais preocupado com a Copa, carnaval, novelas, etc….

      • FearWRX

        Isso quando “de brinde” não levamos 40, 50% de álcool, que por sinal, deixa o módulo louco porque ele mesmo (que dizem que se adequa sozinho) não consegue reconhecer o que está no tanque.
        Ou um álcool que cheira a cachaça de bar da esquina.

    • Louis

      Os motores flex mais modernos são tão econômicos quanto os só a gasolina. Se tiver diferença, é mínima. O consumo mais alto no Bananistão é devido à mistura de 27% de etanol.

      • Dario Lemos

        Considero injusto o não fornecimento de um combustível adequado para os carros importados, tenho 02 carros ( 2007 e 2009 ) e sou obrigado a comprar essa “gororoba” sem esquecer que a mistura pode variar conforme o “humor” da Petrobrás.

        • Gabriel Loio

          Ué, vai no posto BR e coloca a Podium, de maior octanagem ou na Ipiranga e coloca a Octa Pro. Lógico, pagando módicos quase 6R$/L.

      • FearWRX

        Sim. Justamente. Se eles já são econômicos com essa gambiarra, pense como renderiam se fossem monocombustível e tivéssemos gasolina decente. Sossegadamente a grande maioria dos a gasolina fariam no mínimo 15 km/l e os 1.0 Turbo e/ou 3 cilindros já esbarrariam nos 22 km/l.

    • Cláudio Lima

      Seu carro é só a gasolina, mas o combustível que vc coloca é misturado com álcool. Qual a grande vantagem nisso?

      • FearWRX

        O fato de ele ser calibrado pra essa mistura.

        • Se vem de fora, ou é de antes do aumento do porcentual do álcool, não é calibrado pra 27% de álcool.

          • FearWRX

            Então você sabe mais que o manual do proprietário do carro?

  • Aristeu Junior

    Pior gambiarra da industria automobilística brasileira aliado a malandragem dos usineiros

  • Jefferson Ferreira

    O ideal seria projetar um motor exclusivamente flex e não adaptar(gambiarriar) um motor mono para torna-lo flex…

    • Pedro Henrique

      e como você vai produzir um flex? os combustíveis operam com taxas de compressão diferentes.
      ainda é muito novo a tecnologia de taxa de compressão variável (e cara)

      • Jefferson Ferreira

        Por isso eu falei que teria que produzir um motor exclusivamente flex! Com taxa de compressão variável, fora outras grandes alterações que teria que ter no sistema de admissão e escape! Não é nova a tecnologia de compressão variável, o problema é que esse tipo de motor (flex) só é usado aqui! Então para as montadoras não compensa investir nisso! Já que aqui não é mercado de ponta então é mais barato adaptar motores existentes! Mesmo que isso sacrifique e muito o consume e parte da vida útil de vários componentes!

        • Pedro Henrique

          taxa de compressão variável só começou a ser utilizada recentemente e em marca de luxo… uma espcificamente, a lexus que apresentou o motor só, nem sei se ta usando na pratica
          e não sacrifica tanto o consumo não, hoje com os motores bem mais eficientes a diferença de um mono pra um flex não é tão gritante.
          oque mais sacrifica o consumo atualmente é a mistura de etanol na gasolina, pois pensamos que é gasolina mas 1/4 é etanol(isso sem adulteração né)

          • konnyaro

            É apenas questão das montadoras quererem fazer, pois a tecnologia é simples, como no caso dos motores ciclo atkinson simulados do Prius e dos Fusion Hybrid, onde ocorre o atraso no fechamento das válvulas de admissão.
            No caso da gasolina funcionaria no ciclo atkinson, já rodando no álcool as válvulas fechariam no tempo correto. A única desvantagem é que ocorreria uma diferença grande de desempenho e consumo abastecendo com álcool ou gasolina.
            Por exemplo em um motor 2.0 de deslocamento real, no álcool funcionaria como um motor 2.0 com taxa de 14:1 (potência), enquanto que na gasolina funcionaria como um motor 1.6 com taxa de 10.5:1 (economia e maior eficiência).

            • Pedro Henrique

              não colega, o sistema funciona diferente, com um mecanismo a mais atrelado a biela e virabrequim que ao acionado encurta ou distancia o curso do pistão, não é sobre atraso e abertura de válvula isso é VVT…
              tem marcas que já estudam compressão variável a vários anos e a lexus foi a primeira a expor um resultado.
              agora, quando os veículos a combustão estão “próximos” do fim…

              • Jefferson Ferreira

                Não amigo, a SAAB em 2000 já testou um motor de compressão variável que nada tem a ver com VVT

              • konnyaro

                Como expliquei anteriormente, é o Ciclo Atkinson Simulado, que não é o real ciclo atkinson onde de fato o curso do pistão na compressão é menor que na expansão. É uma forma de conseguir melhor eficiência térmica sem apelar para os altos custos de um motor atkinson de verdade.

            • Daniel

              E, quem disse que taxa de 10.5:1 na gasolina traz economia e maior eficiencia?
              Pesquise a taxa de compressão dos carros gasolina atuais, vai ver que muitos passam dos 11:1
              Já tivemos caso de 12,6:1 em carros somente gasolina (VHC), justamente para maior eficiencia e economia.
              As taxas de 10, 10.5:1 é por causa das gasorobas com baixa octanagem e que davam pré-ignição (batida de pino). Hoje, com a evolução tanto da gasolina, quanto dos sensores pre-detonação, é possivel “apelar” para taxas mais altas para melhor desempenho e menor consumo.

              Já sobre a taxa de compressão dos carros a etanol, o limite dos monocombustiveis era na casa dos 11,5:1 até 13:1. Faixa em que a gasolina opera “normalmente” e com melhor desempenho.

              Se alguem poderia ganhar alguma coisa com a volta do monocombustivel, seria o etanol. Mas, duvido que os fabricantes iriam trabalhar com taxas mais altas que 13:1.

              Logo, essa questão de “maldição da taxa de compressão intermediaria” não faz muito sentido.

              • konnyaro

                A taxa de compressão varia de acordo com o projeto do motor, mas a taxa 10,5 para 1 seria uma média para o motor que funcionasse com gasolina pura, e não com 27,5% de álcool, que neste caso serve como antidetonante para as taxas maiores que se vê nos motores flex atuais, mas mesmo assim quando roda na gasolina esses motores tem que ter seu ponto atrasado para evitar batidas de pino, ou seja não funcionam na sua melhor eficiência.
                Quanto ao álcool puro, a taxa poderia ser bem maior que 14:1, podendo chegar a 16:1, mas neste caso o motor teria de ser projetado desde o início para funcionar com estas altas taxas, que chegam perto dos motores diesel.

                • Daniel

                  Ninguem usa “gasolina pura”.
                  Mas, vamos lá, nos EUA, que eles usam o “E10” (90%gasolina, 10%etanol) veja a taxa de compressão dos motores. Um camaro V8 tem taxa 11.5:1!
                  Os que tem taxa de compressão por volta de 10:1 normalmente são com motores turbo a gasolina! (aqui, o Cruze turbo flex usa essa taxa).

                  Ou seja, para maior eficiencia, usa-se a maior taxa de compressão possivel, Nos motores turbo, isso é ajustado de acordo com a pressão que se usara na turbina também. O motor THP usa 10.5:1 de taxa lá fora (só gasolina) e o flex usa taxa 10.2:1 mas aumenta pressão do turbo (tanto que o THP flex consegue mais potencia). E o THP flex é mais economico que o THP gasolina – ambos na gasolina!

                  Com os motores turbo atuais (e com injeção direta tbm, que ajuda), já é possivel explorar muito bem ambos os combustiveis.
                  Mas já desde lá de trás ficou provado que motor flex podia ser mais economico com as evoluções do familia I e familia II GM. Quando foram “flexibilizados” a potencia era qse a mesma dos monos e gastava um pouco mais (afinal, ainda estavam aprendendo a fazer carros flex), poucos anos depois, fizeram um upgrade nos motores, que passaram a potencia e torque maiores, e melhor consumo!
                  Tive varios conhecidos que tiveram Astras, Zafiras, Vectras antes e depois das alterações, alguns tiveram os ainda só gasolina e um teve um Astra 1.8 Alcool (que era bem economico na epoca!), todos eles são unanimes em dizer que o motor flex de 140cv era o mais potente e bem mais economico que os mono (e os primeiros modelos flex).

                  Pessoal tem birra com motor flex por achar que isso é coisa de brasileiro… mas, se eu falar que motor flex é realidade nos EUA desde os anos 90 (ou antes disso, sei lá), dai todo mundo vai chamar eles de inovadores e blablabla…

                  Pra mim, o importante é ser eficiente. Se for eficiente e permitir a escolha do combustivel, melhor ainda! E, até hoje (fora os primeiros flex, que ainda eram qse prototipos), ninguém me convenceu que motor flex é mais beberrão que gasolina.

                  • konnyaro

                    Só posso dizer-lhe que não é possível um motor flex ser tão eficiente como um motor monocombustível especificamente projetado para tal, a não ser que tenha taxa de compressão variável. No caso dos motores turbo isso pode ser compensado pela maior pressão no turbo quando rodando com álcool, mas os fabricantes não o fazem porque a diferença de desempenho seria muito grande dependendo do combustível utilizado. O flex comum que se vê nas ruas é um motor penalizado em sua eficiência, pois na gasolina tem que rodar com o ponto de ignição atrasado e no álcool não aproveita o potencial antidetonante do combustível. Isso é fato e não opinião de leigos sobre o assunto.

                    • Daniel

                      Cara, acabei de citar motores que ficaram mais economicos após virar flex. Motores GM, motores Ford, motores VW, todos eles ganharam potencia na gasolina e ficaram mais economicos.
                      O que acontece que dá a percepção de maior consumo são varios fatores, vou citar alguns:
                      – Os carros ficaram mais pesados (seja por ficarem maiores, ou pra atender normas de segurança)
                      – Os carros ficaram mais equipados (antes, DH, AC, trio eletrico era coisa de “carro de luxo”, hoje, acho que só frotista consegue comprar carro sem isso). Os sistemas eletricos tbm ficaram mais complexos e os alternadores tiveram que ficar mais potentes (roubando mais “energia” do motor a combustão).
                      – Os pneus ficaram mais largos (antes tinha uno com pneu 145/80 r 13, hoje, o 165 do Kwid é um escandalo!!!)
                      – O combustivel agora tem mais etanol do que antes (já foi 20, 22, 25, e agora 27,5% de etanol), dai o cara lembra da epoca que ele andava de corcel I (leve, pneu fino, sem nada de equipamento pra roubar potencia do motor, tão estável que 80km/h era o maximo pra andar com segurança…

                      – O transito ficou pior! (sim, tem mais carro na sua frente, logo vc tem que usar mais o freio e isso transforma a energia cinetica do carro em calor, desperdiçando o combustivel queimado pra fazer o carro acelerar)

                      Pegue hoje dois carros do mesmo modelo, com os mesmos equipamentos mas na versão mono e flex. Coloque gasolina no mesmo posto, pois, tem muito posto ai que vende etanol na bomba (e a preço) de gasolina!!! – já fomos vitimas disso! e faça o mesmo trajeto, mesmo motorista, etc. vai ver como o flex é mais economico!

          • Jefferson Ferreira

            Sim o fato da gasolina ser uma mistura de produtos sacrifica o consumo mas como a compressão é fixa o combustível não tem o seu total valor energético aproveitado resultando em um consumo maior também. Em relação a taxa de compressão variável motores de antes de 2000 já testaram esse tipo de compressão

    • Cláudio Lima

      Na minha opinião, o governo deveria oferecer gasolina “pura”sem adição de etanol e as montadoras oferecerem motores para gasolina pura, flex ou motores desenvolvidos somente para etanol. Acredito que assim o consumidor iria comprar o que melhor lhe atenda e poderia escolher qual destes é mais eficiente.

    • Cmenusi

      Parafraseando um texto que ví a muito tempo atrás: “o motor flex é igual a um pato: ele nada e voa, mas não faz nenhuma das duas coisas direito.”

  • Pedro Henrique

    “é uma fonte não renovável (ou seja, uma hora vai acabar)”
    a audi ja provou que isso está errado, da pra produzir gasolina e diesel sem xixi de dinossauro.
    se compensa é outra história….

  • Louis

    Aqui, 180 mil km, 90% rodados no etanol!

    • FPC

      Aqui 60 mil kms, 60% rodados no etanol, nos últimos 12 meses 100%.

    • Esquilo Tranquilo

      Aqui 20 mil km 100% na mijolina(acho que meu carro nunca viu etanol desde que saiu da css) kk

    • Daniel

      Já tive carros que nunca viram etanol e outros que nunca viram gasolina… hehe
      Como mudei do RJ pra SP, provavelmente vou passar a usar etanol (o preço aqui é bem mais interessante)
      Mas, vou fazer teste de consumo e custo/km pra decidir, pois essa regrinha dos 70% sempre foi meio furada… hehe

  • Lázaro Ventreschi

    (contribuindo para uma redução no aquecimento global)………. Parei de ler kkkkkkkkkkkkkk

  • George Gurgel

    se os usineiros fossem um pouco mais espertos fariam o lobby pra diminuir consideravelmente o etanol da gasolina, com maior oferta do etanol puro o preço cairia e ia todo mundo abastecer com etanol, no nordeste fazem muitos anos que não compensa abastecer com etanol, em são paulo tá valendo?

    • Alexandre Viotto

      Em SP tá praticamente pau a pau, fazendo a conta dos 70%.

      • Louis

        Estamos na entressafra, daqui uns meses o preço deve cair um pouco.

        • Rodrockvet

          Acho que estamos na entressafra o ano todo, pq nunca vi o preço cair…

        • Esquilo Tranquilo

          A gasolina vive na entressafra também kkk

          • MauroRF

            O problema são os “entressalafrários” do setor de combustíveis.

  • yurieu

    Prejudica, já que ele é hidratado, embora isso seja insignificante.

  • Ricardo

    A opção de escolher qual combustível utilizar deveria ser do consumidor, mas na verdade é do governo. Carros monocombustíveis são muiiiiito mais eficientes, mas no Brasil, se ainda existisse a opção de adquirirmos carros mono, não valeria o risco, pois de uma hora para outra o preço do etanol pode ir às alturas, assim como o da gasolina. Lembram da época onde vários transformaram seus carros de álcool para gasolina e vice-versa?

    • Esquilo Tranquilo

      Assim como magicamente o etanol sobe junto com a gasolina kk

      • Alexandre Maciel

        É não, é? E ao mesmo tempo em todos os postos da cidade. O Brasil é um cabaré.

  • carloscomp

    Dúvida: quem roda a maior parte do tempo com gasolina precisa (ou recomenda-se) utilizar etanol às vezes para realizar a limpeza de componentes do motor?

    • cepereira2006

      Já ouvi dizer que o etanol, se não for bem filtrado, pode entupir os bicos injetores dos carros com injeção direta. Então me parece que é mais fácil o etanol sujar do que limpar alguma coisa.

    • Emanuel Schott

      Sim, o etanol limpa os resíduos da gasolina. Mas a gasolina aditivada faz a mesma coisa.

  • Thiago Ramos

    Eu só abasteço com etanol. Pra mim, ele é o mais amigo do bolso. Acho o consumo do meu carro alto pra gasolina (10.5km/l) e excelente com etanol (9km/l). Na conversão direta, financeiramente, o etanol a $3,09 vale muito mais a pena do que a gasolina a $4.29. Além ainda de achar que ele fica mais linear com etanol, com maior entrega de potência e força.
    Estou no meu quinto Fox, com motor Flex, abastecendo só com etanol e NUNCA tive problemas.

  • cepereira2006

    Monóxido de carbono é CO. Dióxido de carbono que é CO2. Corrijam a matéria.

  • Henrique Bittancourt Gouveia

    Muito difícil produzir etanol em casa? Será que ficaria mais barato?

    • FrankTesl

      mais fácil instalar painéis fotovoltaicos e quem sabe até mini turbinas verticais, e gerar eletricidade em casa.

  • Geraaaaldo

    Camada de Ozonio? kkkkkkkk

  • Bikudin

    A verdade é uma só, motor flex é gambi, a não ser que eles consigam fazer compressão variável. Tem o problema do nosso combustivel q tb é uma gambi, gasolina tem quase 30% de etanol e o etanol tb tem uma porcentagem de água e isso é muito pior, não tem cabimento um motor a combustão funcionar com combustivel e água, só aqui no Brasil mesmo.

  • Zé Mundico

    Lá nos saudosos anos 80/90 tive 2 carros a Etanol: Uma GM Bonanza e uma Belina Delrey.
    Naquela época era o bom e velho carburador e realmente criava essa gosma, que se transformava numa laca e entupia tudo. Geralmente a cada 6 meses tinha que desmontar o carburador para lavar com querosene.
    Fiquei tão traumatizado com aquilo até hoje nunca quis ter carro flex, apenas a gasolina.
    Os dois bebiam muito, mas naquela época o álcool era fortemente subsidiado pelo governo e o preço compensava, tanto que carro a gasolina era raridade.
    Se me lembro bem, a Bonanza com motor 4.0 não passava de 5 km/l na estrada(!!) e a Belina DelRey com motor Renault não passava de 7 km/l.

  • Cláudio Lima

    O correto seria existir carro a gasolina “pura”, ou seja, sem adição de etanol e, desta forma, teríamos o motor preparado especialmente para este combustível e trabalhando em plena capacidade. Por outro lado, estudos mostram que um motor especialmente desenvolvido para trabalhar somente com o derivado de cana seria tão ou mais eficiente que um motor a gasolina. Outro dia li um artigo em que dizia que o motor a etanol poderia ser até mais eficiente que o Diesel. Acredito que a obrigação do Flex e a obrigação em misturar álcool na gasolina acabou engessando a industria e pesquisas sobre o verdadeiro desenvolvimento do combustível de cana.

  • Pedro Cunha

    #SDDS lula e dilma…
    Roubavam ás pampas, mas tínhamos mais empregos, a gasolina e a eletricidade estavam á custos acessíveis e a grande “massa” da população podia fazer planos pro futuro.
    Mas então, pararam de roubar(???), endireitaram os serviços públicos(??????) e salvaram a petrobras(??????????????), mas temos mais de 12 milhões de desempregados, empresas fechando as portas e abrindo no paraguai(!!!!!!!!!!!!), segurança pública e saúde em colapso.
    Juro, juro mesmo que adoraria entender a “mágica” desse brasil.
    Pronto. Me julguem.

    • Daniel

      Se você analisar com mais critério, vai ver que tudo de ruim que está ocorrendo hoje no Brasil é reflexo de políticas populistas de lula e dilma, que sucatearam o país em prol de se perpetuarem no poder. Mais um mandato desses incompetentes e caminharemos a passos largos para o mesmo destino da Venezuela. Por favor, abra os olhos, estude e se informe mais.

      • Pedro Cunha

        Bem amigo, fato é que estudo há quase 30 anos, atualmente estou na 2º graduação e a única conclusão que consigo chegar é que não entendo o brasil, ele não tem lógica, coerência ou cadência.
        Discordo da sua visão em culpar os mandatos petralhistas pelo atual cenário, bem como dizer que “sucatearam o brasil” é discurso falacioso e revela parcialidade política de sua parte.
        Francamente não arrisco em dizer “culpa de quem” o brasil estar como está. Só consigo ver uma coisa como certa: Politicamente estamos desmantelados, nossos “representantes” TODOS bandeados pro mesmo lado, de proteger a si mesmos e a classe. Acabou a “dualidade” esquerda x direita(e me questiono profundamente se ela existiu um dia).

        • FrankTesl

          aqui não é a esgotosfera de blog filopetistas

      • Pedro Cunha

        PS: Só pra constar que pouco me importa se era azul ou vermelho. Se roubava ou se era sério. Fato que me importa é que na época deles eu(e muitos milhões) tinha emprego, enchia o tanque do carro 1 vez por mês e viajava sossegado no final de semana. Em nada me importa se a “gangue” do PT desviava dos meus impostos e etc. Eu via mais investimentos, eu via obras em estradas(que hoje estão paradas), eu pagava menos na água e na energia elétrica.
        Não sou falso-moralista, fazendo pose de altruísta estando quebrado quase na fome, vendo o temer perdoar dívidas bilionárias de bancos, empresas e latifundiários que nem sabem que eu existo. Nesse brasil que TODO MUNDO ROUBA, QUE TODO MUNDO FALSIFICA e ADULTERA, EU SÓ QUERO A MINHA PARTE.

        • Daniel

          Com uma postura dessas, que pensa somente na própria parte e não se importa com corrupção, vejo que suas 2 graduações e 30 anos de estudo de nada serviram. Sem a corrupção que afetou o Brasil em TODOS os governos, mas especialmente no do PT, teríamos um país bem mais rico e competitivo, onde muito mais pessoas teriam “suas partes”. Você realmente está no país certo e tem o governo e políticos que merece, com a visão ignorante do “antes eles do que eu”.

        • FrankTesl

          mentalidade de leitor do Brasil 171, vulgo BR 24/7 e blog do cafezinho

    • FrankTesl

      Volta para o conversafiada, oferenda!!
      os desempregados já existiam na época da dilma, as empresas já estavam indo para o paraguai durante os governos petistas, e saúde e segurança sempre estiveram em colapso. Dilma e Lula não abrem mão dos seguranças que pagamos para eles, e só se tratam no Sírio Libanês, embora berrassem no palanque que o SUS é o melhor sistema de saúde do mundo.

  • armtoos2

    Eu já trabalhei em concessionária de veículos, e fiz muita análise destes motores em questão, tenho inclusive, fotos para comprovar o que eu falo. Sim, o Etanol, por mais puro que seja, gera sim o resíduo…e o mesmo é parecido com uma manteiga, só que altamente viscoso e aderente. E quando o cliente coloca gasolina, que é um solvente, essas placas de resíduos são descoladas e vão para todo o sistema de injeção do veículo, danificando todo o mesmo. Quem for mecânico aqui, que me desminta, mas falo por experiência própria, de dentro de concessionária, especialmente com relação ao impuro combustível nacional ( e nem falo aqui, só de etanol).

  • rodrigo

    O que vejo é que alguns carros funcionam muito legal com etanol, tanto no quesito de funcionamento, quanto no consumo, mas tem outros que é so na gasolina mesmo, e outro fator é a temperatura que é bem alta aqui na maior parte do ano e ajuda no funcionamento. Aqui no MT muita gente abastece com etanol 2,69 X 4,15 Gasolina, me falaram que em Cuiabá esses dias estava 2,00 o litro.

  • F30FLORIPA

    O carro que eu uso de segunda a sexta não se comporta bem quando abastecido apenas com gasolina (batidas de pino e desempenho ruim), por isso sempre abasteço com etanol, mas coloco peno menos 10% de gasolina para reduzir os malefícios causados pelo uso prolongado de etanol.

    • armtoos2

      Isso não adianta amigo. O problema do álcool é que ele é extremamente corrosivo, e a própria gasolina nacional já tem alta adição de álcool. Velas e todo o sistema de injeção é desgastado pelo uso de álcool.

  • F30FLORIPA

    Podiam ter citado que a longo prazo os motores abastecidos apenas com gasolina sofrem com o acúmulo de borra, algo que não ocorre com o uso de etanol.

    • armtoos2

      O Etanol é muito mais prejudicial do que a gasolina, que sim, acumula borra, mas o efeito é bem menos nocivo do que o resíduo do álcool.

  • Schlatter70

    Vale ressaltar que nenhum carro roda exclusivamente com gasolina, uma vez que a nossa gasolina é batizada com 27% de etanol. Acredito que se a pessoa não se importar com o trabalho que dá a mais, pode abastecer com 70% de gasolina e 30% de etanol e terá uma mistura que não prejudica tanto o consumo, evita maiores problemas de adaptação de um ou outro combustível e até consegue um desempenho um pouco melhor do carro.

  • Fábio A.

    Em Brasília nem consigo mais me recordar qual foi a última vez que o etanol valeu a pena. Deve ter pelo menos uns 8 anos que não vale mais a pena. Meu atual carro do dia a dia, flex, com 80 mil km rodados, viu etanol no tanque apenas uma vez, quando estive em Goiânia e lá o etanol compensava mais. Bons tempos em 2007, quando tive meu primeiro carro flex e enchia o tanque com aproximadamente R$ 40.

  • Renato Almeida

    De maneira geral, a solução de projeto usada nos veículos flex fuel é a mesma dos movidos à etanol (E100): filtros, selos de vedação, materiais e tratamentos superficiais dos componentes. Isso é ditado pela viscosidade, corrosividade e condutividade do etanol. Logo, não há problema em usar somente etanol nos carros flex. Sistemas de injeção exclusivos para gasolina (E0-E22) podem usar soluções de projeto diferentes, com “menos” proteção aos componentes. Daí o problema em usar etanol nos motores projetados para gasolina.

    Vale lembrar que o álcool adicionado à gasolina é o anidro (“sem água”) e o álcool vendido como combustível é hidratado, que tem de 4 a 5% de água na sua composição, proveniente do processo de fermentação nas usinas.

  • Emanuel Schott

    Pessoal falando que deveria ter opção de gasolina pura, considerando que teria maior economia. Mas é uma coisa a se colocar na balança. Com a economia vem perda de desempenho. Os mesmos motores vendidos em outros mercados e aqui transformados em flex tem potências diferentes. O brasileiros são sempre os mais potentes. O 1.0 TSi do Golf por exemplo tem 112 cv na Europa e aqui 117 cv (com gasolina). O Firefly 1.3 do Argo tem 101 com gasolina aqui e 95 cv na Argentina. Parte dessa diferença é por conta da falta de etanol na mistura deles.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email