Hatches História Toyota

Etios Cross: a trajetória do “aventureiro” exagerado da Toyota

Etios Cross: a trajetória do "aventureiro" exagerado da Toyota
Toyota Etios Cross

Em meados do ano de 2012, o mercado de compactos sofreu uma reviravolta no Brasil. Carros que até então eram considerados tradicionais no segmento, como Fiat Palio e Volkswagen Gol, passaram a ser imediatamente ameaçados por carros inéditos.

Entre eles, o Chevrolet Onix (atual líder no País), o Hyundai HB20 e o Toyota Etios – que, mais tarde, viraria o Etios Cross em uma versão de gosto peculiar.


Enquanto a Chevrolet e a Hyundai se preocuparam em desenvolver carros exclusivos para os consumidores brasileiros, atendendo aos gostos e necessidades do público local, a Toyota apelou para a “praticidade” ao adaptar para as nossas condições o compacto Etios, um hatch e também sedã que foi projetado para mercados emergentes e lançado inicialmente na Índia.

No lançamento, o novo Etios foi anunciado como um legítimo Toyota, pegando parte da fama do Corolla e de outros modelos da marca japonesa. Sendo assim, atraiu os consumidores pela robustez dos carros da empresa, com uma boa qualidade de construção e bons recursos.

E o carrinho até que era interessante: era seguro (recebeu boa pontuação no Latin NCAP) e tinha uma mecânica robusta e eficiente.


Etios Cross: a trajetória do "aventureiro" exagerado da Toyota

Por outro lado, pecava em uma série de detalhes. O visual era deprimente e o interior, mais ainda. Nenhuma parte do carro falava a mesma língua.

Na cabine, destoava o painel de instrumentos em posição central, como uma prática da Toyota para reduzir os custos ao mudar o volante de lado de acordo com o mercado em que seria comercializado – o mesmo acontecia com as saídas de ar centrais, em posição vertical ao invés de uma de cada lado.

Todavia, com o passar do tempo o Toyota Etios foi recebendo dezenas de aprimoramentos para se adequar aos gostos e necessidades dos brasileiros. E até uma versão aventureira entrou na dança, lançada em 2013 como Etios Cross.

O carro bebia da mesma fonte de outros aventureiros já conhecidos da categoria, como o Fiat Uno Way, Volkswagen Gol Rallye e CrossFox, Renault Sandero Stepway, Hyundai HB20X, entre vários outros.

Mas já vamos logo adiantar que, se o Etios convencional tinha coisas a menos, o pseudo-aventureiro Toyota Etios Cross abusava e entregava mais que o necessário. Conheça agora os principais detalhes da história do Etios Cross no Brasil:

Etios Cross: a trajetória do "aventureiro" exagerado da Toyota

Etios Cross chega ao Brasil em 2013

Os aventureiros ainda estão presentes no mercado nacional e têm como proposta entregar um visual mais “off-road” sob um carro convencional. A Toyota usou da mesma receita para o Etios Cross, que tinha como base a versão topo de linha XLS do hatch convencional e se diferenciava pelos apetrechos plásticos na carroceria e o interior com acabamento diferenciado.

Na estética, o Etios Cross exibe uma grade frontal com entradas de ar mais proeminentes, emoldurada por um grosso filete prateado que percorre toda a extensão central, dando a impressão do Toyota ter uma espécie de bigode.

Já o para-choque é formado em boa parte por um plástico preto fosco, com protetores na cor prata e faróis de neblina mais avantajados.

O carro conta também com um excesso de plástico nas laterais. As caixas de roda passaram a ter formato quadrado e moldura plástica, com um enorme aplique plástico na parte inferior das portas ligando-as. Trata-se da mesma solução usada pela Fiat no também extinto Idea Adventure, por exemplo.

Há ainda uma saia lateral com filete prateado, rodas de liga-leve diamantadas de 15 polegadas, barras longitudinais de teto também na cor prata (funcionais, com capacidade para até 50 kg) e retrovisores com repetidores de direção.

Etios Cross: a trajetória do "aventureiro" exagerado da Toyota

A traseira, por fim, repete o para-choque em plástico preto e um friso (também em plástico preto) na parte inferior da tampa do porta-malas com o nome do carro em baixo relevo, com direito também a um botão para abrir o compartimento de bagagens. O aerofólio completa o conjunto.

Essas alterações deixaram o Etios Cross maior e ligeiramente mais pesado. Ele passou a ter 3,89 m de comprimento, 1,73 m de largura e 1,54 m de altura, com entre-eixos de 2,46 m e peso de 970 kg.

Para efeito de compração, o Etios XLS é 12 cm mais curto, 4 cm menos largo e 3 cm mais baixo, com direito ainda a 5 kg a menos no peso final.

No interior, os diferenciais ficam por conta dos detalhes em prata nas maçanetas, botões de comando do ar-condicionado e na manopla de câmbio. Os bancos receberam costuras na cor branca e o nome do carro em alto relevo nos encostos dianteiros.

E só. Ao contrário de outros carros do segmento, o Etios Cross não traz qualquer alteração mecânica – nem uma suspensão elevada para melhorar a distância em relação ao solo e os ângulos de entrada e saída.

Etios Cross: a trajetória do "aventureiro" exagerado da Toyota

Entre os equipamentos de série, ele entregava airbags frontais, freios ABS, direção elétrica, repetidores de seta nos retrovisores, ar-condicionado, vidros, travas e retrovisores elétricos, sistema de som com entrada USB, volante com comandos de áudio, faróis de neblina, rodas de liga-leve, entre outros.

As primeiras unidades saíram com um motor 1.5 litro flex de 92 cv de potência com gasolina e 96,5 cv com etanol, a 5.600 rpm, e torque de 13,9 kgfm com ambos os combustíveis, a 3.100 rpm, associado a um câmbio manual de cinco marchas.

A partir da linha 2017, ele recebeu um novo motor com duplo comando variável de válvulas, bem como uma nova transmissão manual de seis velocidades ou automática de quatro marchas.

Etios Cross: a trajetória do "aventureiro" exagerado da Toyota

Linha 2015 do Etios Cross com novos recursos

As primeiras mudanças do Etios Cross foram anunciadas em setembro de 2014. O hatch compacto aventureiro e também as demais versões do Etios hatch e Etios Sedan estrearam a linha 2015 com novos equipamentos e aprimoramentos no interior.

Entre as novidades, todas as versões do compacto da Toyota receberam relógio digital, novo indicador do nível de combustível, acabamento em tecido nas portas, novo volante herdado do Toyota Corolla, maçanetas com detalhes cromados, banco do motorista com ajuste de altura, alerta sonoro de portas abertas e função de “um toque” para descida no vidro elétrico do motorista.

Houve ainda a introdução de uma nova central multimídia com navegador GPS, reprodutor de CD e DVD, TV digital e câmera de ré, na tentativa de acompanhar o Onix com a famigerada central MyLink.

Porém, tal item foi restrito ao Etios Platinum, o mais caro da gama.

Além disso, o Etios Cross 2015 ficou mais caro, passando para R$ 49.190. Ou seja, expressivos R$ 3,5 mil a mais que a linha anterior.

Etios Cross: a trajetória do "aventureiro" exagerado da Toyota

Etios Cross 2016 traz central multimídia de série

Antes ofertada somente no Etios Platinum, a central multimídia passou a equipar também o Toyota Etios Cross na linha 2016. Anunciado em julho de 2015, o novo Etios Cross 2016 adotou o equipamento e também ficou mais caro.

Ele passou a custar R$ 53.390, um aumento de R$ 4,2 mil em comparação com o Etios Cross 2015.

O novo sistema multimídia oferece uma tela sensível ao toque de sete polegadas, sistema de espelhamento de smartphones, conexão USB, entradas para cartão SD, HDMI e auxiliar, pareamento via Bluetooth, rádio AM/FM, viva-voz para ligações telefônicas, CD e DVD player, comandos no volante, entre outros.

De resto, o carro seguiu sem novidades.

Etios Cross: a trajetória do "aventureiro" exagerado da Toyota

Etios Cross 2017 com câmbio automático e painel digital

A linha 2017 foi, sem dúvidas, a de maior importância durante toda a vida do Toyota Etios no mercado brasileiro (pelo menos por enquanto). O hatch compacto passou a contar em abril de 2016 com novos motores 1.3 e 1.5 litro flex, novo câmbio manual de seis marchas, opção de transmissão automática de quatro velocidades, painel de instrumentos com tela TFT digital e diversos outros recursos.

Entre os equipamentos, o Etios Cross 2017 foi um dos modelos que recebeu o painel de instrumentos digital Toyota Smart Screen com duas telas de TFT e computador de bordo, de série em toda a gama. O recurso melhorou a visualização das informações.

Houve ainda a introdução de vidros mais espessos no para-brisa e portas dianteiras, para-lamas com nova proteção interna, aletas aerodinâmicas sob o para-choque, entre outros. Tudo isso para melhorar o isolamento acústico na cabine.

Ele ganhou também encosto de cabeça e cinto de três pontos para os cinco ocupantes.

Ainda entre as alterações, o Etios Cross 2017 passou a contar com direção elétrica recalibrada, suspensão melhorada com novos batentes hidráulicos, entre outros.

Etios Cross: a trajetória do "aventureiro" exagerado da Toyota

Já os motores 1.3 e 1.5 receberam novos cabeçotes com duplo comando variável de válvulas, melhorando o torque em baixas rotações, e adotou um novo sistema de partida a frio, dispensando o tanquinho auxiliar de gasolina. No caso do Etios Cross 2017, o motor 1.5 passou a render até 107 cavalos de potência.

Junto a ele estava o novo câmbio manual de seis marchas ou a inédita automática, neste caso com apenas quatro marchas. O piloto automático era de série.

O preço era de R$ 57.395 para o Etios Cross manual e R$ 60.895 para o Etios Cross automático. Sendo assim, o Etios Cross MT 2017 estreou por R$ 4.005 a mais que o antigo.

Etios Cross: a trajetória do "aventureiro" exagerado da Toyota

Linha 2018 do Etios Cross apenas com câmbio automático

Se o Etios Cross 2017 mudou bastante, para a linha 2018 ele foi anunciado sem alteraços expressivas. Por representar só 3% das vendas, o hatch aventureiro foi deixado de lado – as demais versões receberam uma nova grade e para-choque frontal redesenhado.

No entanto, o Toyota Etios Cross 2018 passou a ser comercializado somente na versão com câmbio automático. Ele estreou por R$ 64.290, ou R$ 3,4 mil mais caro que a linha anterior.

Etios Cross: a trajetória do "aventureiro" exagerado da Toyota

Etios Cross sai de linha em 2018

Por responder por apenas 3% das vendas da linha Etios, o Toyota Etios Cross deixou de fazer parte da gama no primeiro semestre de 2018. O hatch compacto aventureiro acabou não caindo no gosto dos consumidores brasileiros – em 2017, conseguiu vender cerca de 2,3 mil das 70 mil unidades do Etios.

Um dos principais motivos do insucesso do Etios Cross foi o seu visual bastante carregado e desproporcional.

Além disso, ele acabou ficando caro demais – saiu de linha por nada módicos R$ 66.260 –, sendo o mais “salgado” de toda a linha Etios hatch.

Galeria de fotos do Toyota Etios Cross

Etios Cross: a trajetória do “aventureiro” exagerado da Toyota
Nota média 3 de 7 votos

  • Annita Fingenberg

    Mais feio que bater em mãe. Simples assim.

    • Tosca16

      Longe de ser bonito, mas o amarelo nessa configuração ainda vai… interior que meu, não tem como defender hehe.

      • Luconces

        Pra mim o preto até vai, fica todo discreto tirando o detalhe no parachoque. O amarelo faz o carro constratar demais com os penduricalhos, fora a mistura de cores, amarelo, preto e prata…

        Ainda que demorou para sair de linha…

    • André

      Pra mim, só tem um ainda mais bizarro, o Crossfox, coisa mais ridícula com aquele estepe pendurado e engenhoca para abrir a tampa do portamalas.

      • Mas vamos ser sinceros: o Crossfox até o “segundo modelo” tinha apelo visual. Depois da segunda remodelação ele quase que virou um Fox comum com um estepe na traseira, aí se perdeu até mesmo no design.
        Já o Etios Cross sempre foi simplesmente intragável em seu design. Aos meus olhos nunca foi possível me acostumar com o Toyota, algo que costuma acontecer com o tempo, mesmo em carros de design obtuso.

        • André

          Para mim são 2 horrores, detesto essas configurações “non sense”. Estepe pendurado atras, num carro comum, é ridículo de mais.
          Mudando de assunto, desculpe a curiosidade, já trocou seu C4 Lounge?

  • Tosca16

    Eu juro que li “a tragédia” kkkk

    • Kaian Reis

      somos dois kkkk

  • FREDRED

    O carro é feinho mas cumpre o que promete, mas o desempenho do 1.3 é sofrível, é sempre a mesma estória : 4 adultos + porta lamas + ar condicionado ligado = sofrimento e passar raiva.
    É um City Car, e só.

    • el punidor

      Cumpre o que promete, mas o desempenho é sofrível? A Toyota não prometeu isso, pelo contrário.

      • FREDRED

        Você não entendeu, na circunstâncias que falei quantas vezes no mês vc estaria nessa situação: 1x? 2x talvez? No outros dias ele atenderia normalmente.

    • Joãozinho

      Pior que isso só um carro 1.0 com adultos, malas e ar

  • Clayton

    Slogan perfeito para esse carro com apenas duas palavras: “Toyota Etios Cross – Saí Capeta!”

  • Domenico Monteleone

    Um doas carros mais bizarros que já rodaram por aqui

  • Theu

    Deus tenha misericórdia, ainda mais nessa cor amarela. Etios e WRV na disputa do carro mais feio e do dono mais sem noção.

    • O Etios acaba deixando o Honda bem longe. É muito mais feio. O W-RV ao menos passa despercebido em algumas ocasiões.

  • el punidor

    Ao lado do DKW sedan, é o carro mais feio já fabricado no Brasil, nesta versão. E em minha cidade ainda por cima tem 2 amarelos :/( ao menos a versão perua do DKW, “a Vemaguete” foi algo útil, sendo o primeiro carro de passeio fabricado no Brasil, em 1956, seguindo as normas do GEIA. Já este Este Etios dá asco, e não, não é um Toyota da atualidade, deve ter sido um projeto abandonado no fim dos anos 80 e reencontrado em velhos arquivos, com a inscrição ” Se beber, não abra”.

    • gustavo

      Daqui uns anos quando todo esse plastico começar a ficar velho, vai ser um casamento para o comprador. Parece um prototipo de Gurgel.

  • Adauto Vieira Dias Júnior

    Que droga é essa que a Toyota usa? meu Deus, o único q salva é o novo corolla! de resto, pode tacar fogo em tudo.

    • Hugo Leonardo Dos Santos

      E o Camry e Rav 4 hibrida que vai chegar esse ano também

  • gustavo

    Quem autorizou isso dentro da Toyota, so queria chamar o consumidor de otário, então não conseguindo, lançou essa versao “crossta de plasticos”, pelo menos pra mim, está na lista de um dos carros mais feios do Brasil e do mundo.

  • Joãozinho

    Já tinha os airbumps muito antes do Cactus

  • Stunt

    Pode ter a melhor mecânica que for, não adianta, esse Etios é uma das coisas mais feias que o homem já fez nesse mundo.

  • Hugo Leonardo Dos Santos

    Quem comprou esse com cor de caganeira, deve ser uma pessoa muito corajosa. Parabéns

  • KevinGR

    na minha humilde opnião esse carro é um marco da industria nacional.

    O Carro mais feio ja fabricado no brasil.

  • Ricardo

    Acho menos feio que o normal!

  • Paulo_Mathias32

    Acho a existência desse carro ótima por ter cumprido uma função nobre: vingança. Os indianos nos enviaram o Etios e nós, pra dar o troco, desenvolvemos (foi lançado primeiro aqui) e mandamos esse trambolho horroroso pra eles. Como brasileiro não sabe brincar, mais tarde mandamos o WRV também.

  • Zé Mundico

    Muito interessante essa parceria da Toyota com a Lego.

  • Samuel Justus

    Vejo muitos pq moro perto da fábrica da Toyota em São Bernardo, esse carro é o cão chupando manga.

  • CanalhaRS

    Pelo jeito o NA está sem assunto. Fazendo uma matéria para falar de uma versão bizarra do Etios…olha, haja dedicação dessa equipe…hehehehe..

  • CarloAndreiDiniz

    O design da Toyota sempre é dúbia, raras exceções que vale ressaltar, sem dúvida nenhuma é o carro mais feito vendido no Brasil Hoje, além do mico da Fiat o Mobi, é um páreo duro sem dúvida os dois disputam título taco a taco.

    • Vinícius

      Na minha opinião o Mobi é mil vezes mais bonito que isso, olha que não acho o Mobi bonito. Eu acho que esse Etios Cross se compara com o QQ em feiura.

  • invalid_pilot

    Alooo Carros de Baiano !

    • É o conhecido “jumento de cigano”. kkkkkk

      • invalid_pilot

        Kkkkk

        Carros de Baiano é uma página do Instagram

  • Roger

    MEUS OLHOS!!! MEUS OLHOS!!!

  • Marcelo Alves

    Eu imagino é a cara dos vendedores da Toyota tentando oferecer isso aí para os clientes no showroom, eles devem ficar até meio sem jeito e desconfortáveis com medo de levarem umas patadas hehehe!

  • Benedict Benedito

    Faltou duas palavras mágicas para este inteior: PAINEL FILIZOLA

  • EDER ANGELO Soares

    De todos comentários abaixo, quem de vcs é dono de um ?
    Eu tenho um sedan 1.5 xls…. não troco por um novo da fiat ou ford, ótimo desempenho, sabendo trocar as marchas no tempo certo, no asfalto faz 20 km/l . Acredito que precisam melhorar no sistema de mídia, pois a reinstalaçao do programa é dificil.
    Eu prefiro um Etios usado do que um novo da fiat financiado.
    Eu desafio qualquer um, façam pesquisas com os reais proprietários e não com pessoas preconceituosas.
    Para ter uma ideia, nós mesmos trocamos um amortecedor, e todos filtros, isso praticamente em casa.
    Outra coisa, abra o capo do etios, vc monta e desmonta com praticamente algumas chaves e um alicate, tudo padrão.
    Tente fazer isso com um da fiat, para tirar uma coisa, tem que desmontar tudo.

    • Marcelo Ecosta

      Tudo bem, mas você acha o Etios Cross bonito?

      • EDER ANGELO Soares

        Não, mas hoje em dia se fizerem um carro do flinstons ( tipo o antigo Lada ) e ele fazer 30 km/l ( na mecanica atual é simples ), será mais vendido que gol e palio juntos.
        Quando disse 30 kml, pois na Europa já tem carro que faz isso, para competir com carros elétricos…. incrível que tiraram essa revolução de 2-4 anos para cá…. incrível não… Parece tipo o marido gordo que tratava mal a mulher e de repente muda para o apartamento ao lado um cara boa pinta e solteiro e com dinheiro, o cara se transforma do dia para a noite.

      • Saulo Bezerra

        Pô, tenho um carrinho desses e acho ele simpático demais.

        ok, não é lá muito bonito, mas paguei um bom valor no semi novo com 3 anos de uso e 20k rodados. Bancos de couro e tudo que um carro atual oferece.

        Se é feio, e ainda chamativo, ótimo, espanta ladrão :P, já o deixei em cada quebrada e vou e volto e ele continua do mesmo jeito.

        Como meu segundo carro, sou satisfeito demais. Queria um polo tsi, mas como estou acabando só agora a faculdade, estou satisfeito demais com esse carrinho que ficará anos na minha mão.

    • Gutemberg Ferreira

      Tá, mas ninguém disse que era ruim (mecanicamente falando), ou criticou sua manutenção. Estamos dizendo apenas se tratar de um carro que é feio que dói.

  • Adriano

    DESVER! DESVER! DESVER!

  • Vinícius

    Sem dúvidas um dos mais feios veículos zero km dos últimos anos. A Toyota Brasil é péssima. Já não tem um portifólio grande e ainda por cima é cagada atrás de cagada.

  • Louis

    Esse é o carro para quem gosta de aparecer e ao mesmo tempo tem um péssimo gosto.

  • Murilo Soares de O. Filho

    E muito bizarro este carro.

  • ChalMust

    Lixo de carro. Lixo de montadora … Hilux péssimo custo beneficio, Corolla sem tecnologias e péssimo C/B também, Etios carro porcaria com design terrível … seu Toyoteiro …vsfd!!!!

  • Paulo Santos

    Um vizinho tinha. Sempre que passava pelo carro eu dava uma risada.

  • Stunt

    Aventureiro foi quem apostou seu dinheiro nessa bizarrice automotiva de péssimo gosto. Ainda bem que essa oferenda voltou pro mar.

  • Gutemberg Ferreira

    Tá bem que gosto não se discute, mas em relação a três veículos, em especial, essa frase é colocada à prova: Etios Cross, Ka Trail e Honda WRV

  • afonso200

    É feio todas as versoes…… Só tem vantagem no consumo o 1.5 hatch automatico a 80km.h no piloto automatico sem ultrapassar nem nada. Faz 23km.l

  • Stunt

    Aventureiro foi quem apostou seu dinheiro nesse visual bizarro. Ainda bem que essa oferenda voltou pro mar.

  • Joel Oliveira

    Um dos mais feios e toscos carros da atualida no nosso país, sendo companheiro do AGILE.

  • Miguel

    O Etios deve ser a engenharia mais PORCA que a Toyota já fez nesse país!
    Design é subjetivo (nesse caso mais objeto de repulsa mesmo..kkkk).
    A pior parte pra mim é o interior, com aquele painel MEDONHO no centro do carro, com aquela saída central do ar condicionado empilhada uma em cima da outra!

    Sério, acho que já ví carros em países (não lembro se era Perú ou Bolívia) que vem dos mercados asiáticos apenas com o volante trocado, mas isso aqui no nosso mercado eu acho o fim!

  • Alessandro Rodrigues

    Nunca vi um. Ainda bem.

  • André

    Faz muito tempo que não entro no NA, não sabia que você estava com Aircross, desculpa, não tive a menor intenção de te chatear com o meu comentário sobre o estepe na tampa do porta-malas, foi pura coincidência. Já usei um C3 Picasso durante um mês, fiquei bem surpreso também, cumpre muito bem ao que se propõe a fazer, achei um carro bem honesto. espaçoso, confortável, o motor não sobra, mas também não falta.
    Eu também fiz um downgrade, troquei meu jetta 2.0 por um Virtus Comfortline. O carro é bom, muito gostoso de se dirigir, leve, espaçoso, suspensão muito bem acertada. mas infelizmente o acabamento é uma porcaria, plasticos simples, ok, já sabia, apesar de bem encaixadinhos. O que eu nao sabia é que o acabamento fosse ser tão barulhento, uma vergonha a VW continuar com esse problema cronico, sempre foi assim, não vejo isso acontecer de forma tão ostensiva em outras marcas, mesmo em carros baratos. Não é que eu tenho toque, são muitos barulhos mesmos, parece um Gol G3 surrado. Isso me tira a alegria de ter o carro. Quando comprei tinha uma Golf Variant rindo pra mim, estava co preço ótimo, mas ainda seria, 20mil de diferença e a manutencão, seguro, muito mais caro. Hoje me arrependo, a Variant deve ser menos barulhenta. O Jetta não era nenhum primor, mas bem melhor. mesmo com 200mil km a mais.

    • Fique tranquilo quanto ao estepe. Eu mesmo não sou nenhum pouco entusiasta da solução. Mas confesso que, hoje, utilizando o carro, não me incomoda.
      O Virtus eu olhei quando fui trocar o C4. Realmente algumas coisas no acabamento dele me deixaram bem desanimado. Nem o anteparo plástico lateral dos bancos dianteiros que escondem os trilhos ele tem. Isso mesmo considerando a versão de topo de linha, de praticamente noventa mil reais.
      Acaba que numa ampla análise, os 68 mil que me pediram no Aircross ficou num patamar de preços bem mais baixo que o do Virtus, e acabou se apresentando um carro com configuração de cabine muito adequada ao meu uso atual. Isso sem falar que na VW me pagariam um valor bem mais baixo pelo Lounge.
      Para pegar um Virtus Comfortline com nível intermediário de pacotes, teria que desembolsar 40 mil reais na volta pelo C4. Na Citroen me pediram 25 mil na volta pelo Aircross topo de linha. Isso com acessórios como películas, proteção de pintura, soleiras cromadas, tapetes de carpete e peito de aço inclusos. Ficou de bom tamanho. Até agora o carro tem me atendido bem demais. Praticamente não há ruídos internos (aliás, o silêncio à bordo é um dos destaques do carrinho), o motor não tem nada demais, mas empurra o carro de maneira digna, digamos assim. O câmbio de 6 marchas ficou ótimo, e no fim das contas eu reduzi pela metade meus gastos com combustível.
      O acabamento do Aircross é razoavelmente agradável, mas sem fugir dos plásticos rígidos por todos os cantos. O que mais me incomodou foi a falta de qualquer área forrada nas portas: é tudo plástico, apesar de na área dos encostos de braço ele ter uma textura bem diferente do restante.

      • André

        Paguei 72mil nele, estava numa promoção da VW, apesar de ser o Comfortline sem opcionais, só veio na cor metálica. Achei a versão com melhor custo benefício, a MSI com quase os mesmos equipamentos, completo, custa a mesma coisa. Com relação ao acabamento, o fato de ter aparência pobre, não me incomoda, sabia disso antes da compra. Resolvi bancar o acabamento fraco em troca de ter um carro up to date em relação ao quesito segurança.

        • No Virtus eu tive um “problema” que foi meio que preponderante em desconsiderá-lo: a altura do teto no banco traseiro. Meu filho tem quase a minha altura, ou seja, mais de 1,90 metro. Não cabe na traseira do Virtus, a cabeça tem que ficar inclinada, a despeito de o espaço para as pernas ser muito razoável.
          Fizemos o teste e isso ficou bem evidente. O Aircross tem o teto “nas alturas”. Acabou sendo mais confortável de alojar minha família nele que no Lounge, mesmo com uns centímetros a menos na largura. O túnel central quase inexistente também melhora muito a disposição dos passageiros no banco traseiro.

          • André

            Eu tenho 1.86 e os cabelos já ficam em contato com o teto no banco traseiro.

            • É uma pena. Os VW em geral costumam sempre oferecer uma ótima dirigibilidade, com compromisso razoável entre conforto e estabilidade.
              Mas o danado do acabamento interno é, via de regra, um “calcanhar de Aquiles”. Os ruídos internos além do razoável fizeram parte de minha vida nos dois Polos e no Jetta que adquiri zero km. No Jetta os ruídos de acabamento até que eram menos presentes e intermitentes: apareciam e desapareciam sozinhos. Mas o batidinho de suspensão em curvas com terreno mais ondulado era absolutamente desanimadora.

  • João Renam Souza

    Bem, acho que só eu vou defender o Etios Cross. É interessante que somente a internet fala que é um carro feio. Quando se vê um pelas ruas, o povo acha bonito. Vai entender.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email