Ecologia Europa Finanças Hatches Mercado Segurança

Europa: carros compactos estão ameaçados, dizem analistas

Europa: carros compactos estão ameaçados, dizem analistas

Analistas de mercado apontam uma grave ameaça aos carros compactos no mercado europeu nos próximos anos. O motivo é a elevação dos custos com níveis de segurança maiores e redução drástica nas emissões de poluentes. A União Europeia vai implementar a partir de 2020, novas regras para os automóveis de forma geral, mas serão os pequenos que irão sofrer.


O problema é que os carros menores possuem margens de lucro reduzidas em relação aos modelos maiores, assim como são mais suscetíveis ao aumento de preço. Especialistas dizem que a introdução de tecnologias para mante-los mais seguros e limpos aumentará substancialmente seus preços e isso é impensável nessa categoria de acesso.

Um carro compacto mais caro, não venderá, fazendo o consumidor considerar um irmão maior. Analistas apontam dificuldades maiores para fabricantes que dependem muito deles, como Fiat e Renault, que chegam a ter 60% das vendas, centradas em modelos pequenos como Panda, 500, Clio e Twingo.

Europa: carros compactos estão ameaçados, dizem analistas


Alguns preveem que o futuro deste modelos poderá ser colocado em questão. Em setembro de 2020, todos os carros na Europa terão de ter sistema de segurança ativo baseada em câmera inteligente. Além disso, a emissão de CO2 cairá de 120 g/km para 95 g/km, chegando mesmo a 60 g/km em 2030. Pequenos com motores diesel e gasolina sofrerão, pois, não podem absorver tecnologias como hibridização.

As montadoras calculam em acréscimo de US$ 1.100 por carro apenas no micro-híbrido de 48 volts, enquanto o híbrido comum custaria US$ 2.200 a mais. No plug-in, isso sobe para US$ 5.600. Assim, a eletrificação surge como último recurso para manter o segmento, com ações recentes de conversão de subcompactos, como o trio (up, Citigo e Mii) da VW, por exemplo.

Entretanto, a própria empresa diz que a média de preços subirá da mesma forma, passando de 12 a 14 mil euros para 18 a 20 mil euros. Para contornar isso, a Fiat imagina o Centoventi com bateria de 100 km de autonomia apenas, deixando o custo menor e dando opção por uma de 300 km. Mesmo assim, uma coisa analistas e fabricantes concordam, os preços vão subir.

Europa: carros compactos estão ameaçados, dizem analistas

No entanto, o grupo ambientalista europeu Transport & Environment, acredita que os custos dos carros elétricos pequenos cairá com o aumento do volume e evolução da tecnologia. É nisso que apostam Honda e Toyota, que possuem grande demanda por híbridos no Japão, o que ajuda a manter a ideia de compactos como Fit Hybrid e Yaris Hybrid.

Eles ainda são vitais para os fabricantes, pois ajudam a compensar a emissão maior dos modelos mais caros e de porte superior, a fim de que as empresas evitem multas milionárias por descumprimento dos limites ambientais. Algumas montadoras, por exemplo, terão dificuldades com isso e a compra de créditos de carbono, como no caso de FCA em relação à Tesla, surgem como última cartada para evitar esse encargo.

[Fonte: Auto News]

Europa: carros compactos estão ameaçados, dizem analistas
Nota média 4.7 de 6 votos

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Robinho

    sei que não é exatamente o assunto da matéria, mas estou interessado em comprar um Fiat 500 (usado) para minha mulher, alguém sabe se é uma boa compra? (tudo bem que depois desta matéria pode complicar um pouco) ela usara para ir trabalhar, percurso de aprox. 80 km (ida e volta) dia sim, dia não…ouvi dizer para fugir do modelo Polonês…

    • Victor Nunes

      Amigo, é algo subjetivo; todavia nós temos um 500 ano 2017 (mexicano) e o carro é fantástico. Recomendo. Quanto ao espaço, até para ir ao supermercado é super tranquilo. Eu aconselharia a compra. É o xodó da família. =D

      • Robinho

        então duas pessoas que eu conheço, uma teve e gostava muito, a outra uma amiga da minha esposa tem e esta no segundo…ou seja, a pouco referencia que eu tenho gostaram…

        • Victor Nunes

          Eu só aconselharia comprar um manual, por via das dúvidas. Não sei se o Dualogic deu muitos problemas.

          • Robinho

            sim, com certeza, corro de Dualogic, Powershift, DGS, Easytronic, I-Motion….kkkkk

    • Verdades sobre o mercado

      0 500 é uma delícia de dirigir, mas como é importado e teve volume reduzido de vendas a tendência é ter dificuldade de encontrar peças em caso de acidente. Quanto a mecânica creio que não seja problema, visto que usa motor 1.4 Fire(a partir do modelo 2012) e as demais peças mecÂnicas devem ser intercambiáveis com modelos Fiat nacional. Pesquise também o seguro.

      • Robinho

        então pesquisando na internet, vi que o Polones pode ser um problema, e no geral as concessionarias Fiat conheçe muito pouco do carro…rsrsrs

    • Henrique Guedes da Silva

      Se prepare para os custos da manutenção, é muito alto e demorado segundo um amigo

      • Robinho

        exatamente a minha preocupação…

        • Victor Nunes

          Os custos de manutenção do 500 não são altos amigo; ao menos é o que acho e sinto.

      • daneloi

        @henriqueguedesdasilva:disqus , não são altos. Posso falar com certa autoridade por que tive um por 3 anos e minha mãe está com o dela há 8 anos e a manutenção é praticamente idêntica à dos outros Fiat. A mecânica é quase a mesma.

    • Luyz Carvalho

      Carrinho nota mil. E tenho justo um polonês Lounge de 100cv. O único detalhe são amortecedores caros e frágeis, que junto com pneus largos e baixos fazem a suspensão socar em piso ruim… o mexicano melhorou isso realmente… mas de resto é completo, econômico, não desvaloriza muito, em 2 anos nada de mecânica além dos 4 amortecedores, estaciona em qualquer lugar e anda muito.

      • Robinho

        Muito Obrigado Luyz pelo comentário! vou juntar tudo o que disseram e conversar com minha esposa…

        • Tom Costa

          Tive um 500 prima edizione 336/500 com 1.4 multiair, bem diferente do 1.4 fire/evo. Melhor carro que tive. Minha mulher odiava por ser pequeno, eu adorava por ser uma delícia de pilotar. Teto solar, 4 airbags, couro com escudos, som bose…

          • Robinho

            imagino msm que seja um delicia ainda mais este 1.4 Multiair – mas o preocupante aqui e peça de reposição, enquanto no 1.4 fire acredito que seja mais tranquilo…

            • Tom Costa

              é verdade, mas nunca vi relato de qualquer problema com o multiair, motor muito confiável.

    • Da uma olhada no SUZUKI JIMNY. Pequeno tbm. No meu caso, vejo mais esse carro que o 500.

      • Robinho

        é sim um carro interessante, mas minha mulher não curte e como é para ela, ja viu né…rsrsr

    • Eduardo 1981

      Eu teria um sem problema algum. Já tivemos em casa um “minicarro” antes, era um Picanto. O carro é uma delícia na cidade. Te, motor suficiente pra andar até 100km/h, era extremamente econômico e cabia em qualquer vaga. Ainda olhamos outros picantos na rua com carinho.

      Se é o 500 que queres vai fundo. Não se arrependerás. Idem o Picanto. Ambos muito bom acabamento interno, silenciosos e etc.

      • Robinho

        tinha me esquecido do Picanto, fui pesquisar na internet (sites de venda) e encontrei modelos bem interessante a valores proximo do 500, basta ver se minha mulher se interessa…

    • SDS SP

      Acho uma boa. Excelente carrinho.
      Eu tentaria garimpar um exemplar pós 2012 com motor 1.4L EVO.

      • Robinho

        vamos ver, mas a ideia é um 1.4 msm…

    • daneloi

      @disqus_6iMWMnrpj8:disqus , tive um Fiat 500 1.4 fire por 3 anos. Gostava muito do carro. 0 Problemas e bastante econômico.
      Minha mãe comprou um 500 Dualogic no mesmo período também e o carro dela já está fazendo 8 anos sem nada grave e só manutenção de rotina. O único “defeito” que o carro apresentou foi no TBI aos 60.000 km, problema este comum nos motores fire 1.4. O carro é excelente e eu teria outro facilmente

      • Robinho

        muito obrigado pelo relato, estou alinhando com minha esposa…valeu!

  • Sabe o que os euro-socialistas vão fazer pra “resolver” a situação? Vão sobretaxar os carros dos demais segmentos, deixando os compactos “baratos”.

    • th!nk.t4nk

      Vão nada. A margem de lucro sobre os compactos é muito menor, logo é do interesse da indústria (e do governo, que lucra com impostos) matar esse segmento de vez. De “socialistas” como os americanos e brasileiros acham, os governos de países europeus têm beeem menos do que se imagina. Nao caia no conto da “proteçao ao meio-ambiente”, pois isso é absolutamente secundário. O que eles querem é o domínio tecnológico na eletromobilidade pra manter sua força mundial no segmento, isso sim (já que a China vai entrar de cabeça nisso de qualquer forma). Trouxas somos nós achando que a Europa tá se enforcando com um suposto “socialismo”, enquanto esses caras estao ganhando rios de dinheiro e têm tudo planejado pra décadas à frente.

      • Diego Lip

        Acho que a gente nem deveria considerar a opinião de quem fala em euro-socialistas ou Europa ser socialista, chega a ser bizarro.

        • daneloi

          @diegolip:disqus , concordo plenamente.

        • Henrique12

          Eu já visitei alguns países da Europa e eles tem uma pegada socialista sim. Tudo é regulado, tem regulações sobre internet, TV, carros, telefonia, comida, etc, etc. Um mar de regulamentos que faz o Brasil parecer desburocratizado. Na França tem uma lei bizarra em algumas cidades que não se pode andar de carro no centro das cidades em certas horas, risco de pesadas multas. Não gosto de governo ditando o que é “melhor” para as pessoas, Estado babá. Nesse ponto prefiro os EUA.

          • Diego Lip

            Isso não tem nada a ver com socialismo, se for seguir essa lógica, os EUA também são socialistas por causa das regulamentações, haha.

    • T1000

      Europa está virando cuba; forçam o gado a andar de coletivos e Uber sob pretexto do meio ambiente e carro será exclusivo de milionários.
      Tipo assim, gado, preservem o meio ambiente para que eu elite nova ordem mundial possa desfrutar dele.

  • Mmedinas

    Oxe??? Mas os veículos maiores também não sofrerão o mesmo aumento devido a eletrificação?

    • th!nk.t4nk

      Não relativamente. O custo desses sistemas é quase fixo, logo algo que acrescenta 30% de custo num modelo popular, representa menos de 10% num modelo maior. Com isso o compacto sobe tanto de preço, que mais vale a pena pegar um modelo de segmento superior de uma vez, no qual esse aumento se dilui bastante.

      • Mmedinas

        Entendo, proporcionalmente o compacto tem uma elevação maior, mas em termos gerais seria como se todos os preços subissem um mesmo degrau.

        • Alfredo Araujo

          Sua frase não tem sentido ! Se o compacto vai ter uma elevação maior, em termos gerais, os preços não subiriam “um mesmo degrau” !

          • Mmedinas

            Vou tentar esclarecer a minha colocação… Um compacto com preço 10k EUR e um médio com preço de 20k EUR, se a eletrificação tem um custo semelhante de digamos 5k EUR, o Compacto teria um aumento de 50% no seu valor passando a custar 15K EUR, já o médio passaria a custar 25k EUR tendo um aumento de 25% no seu preço. Nesse sentido, o compacto teve uma aumento percentual maior (50%) no seu preço em relação ao médio (25%), mas ambos subiram um mesmo degrau de 5k EUR no preço.

        • th!nk.t4nk

          Os preços em geral sobem sim… Mas eles tentam segurar, porque a concorrência aumentou muito nas últimas décadas. É justamente por isso que as margens de lucro sobre automóveis nunca foram tão baixas, e por isso tantas montadoras estão fazendo processos de fusão. Hoje em dia só compensa fabricar carro “comum” se for em altíssima quantidade, pra ganhar em volume. Quem escapa um pouco disso (por enquanto) são os premiums, mas mesmo pra eles a coisa tá apertando cada vez mais (nao é à toa que BMW e Mercedes irão unificar a plataforma dos próximos Série 1 e Classe A, porque sao modelos de entrada e nesse segmento volume é fundamental).

      • DrG

        Europa:
        – Custo da eletrificação = 1100.
        – consequências: Repasse de 1100 ao consumidor ou extinguir o segmento

        No Brasil, a mesma fabricante:
        – custo da eletrificação = 5000
        – consequências: Pretexto para subir 15mil o preço + pedir desconto de 5000 em imposto pro governo pelo impacto ecológico e assim aumentar o lucro em 20mil em cada carro.

  • RKK

    Uma pena, pois há carrinhos bem simpáticos como o Twingo, o Up!, etc… Além de serem mais racionais.

    • daneloi

      @disqus_LqdOd3lHhy:disqus , também gosto muito de carrinhos compactos. Sou fã dos mesmos carros que você citou justamente por que são carros mais racionais, práticos e econômicos.
      Fiz uma série de vídeos sobre os subcompactos europeus e estou liberando aos poucos no canal Diario Automotivo no Youtube. Já publiquei o vídeo do Up! GTI e em breve mostrarei em detalhes o belíssimo Twingo GT Sport, além do Citroen C1 e uma matéria específica sobre esse mercado na europa

  • Ricardo

    Estão ameaçados por pura ignorância dos consumidores e montadoras que preferem SUVs gigantes inúteis.

  • Ricardo

    Mesmo que a diferença de preço seja pequena, sou muito mais comprar um compacto moderno, equipado, rápido, confortável, estável bonito e econômico do que uma M de SUV só porque é maior e mais alta.

  • Quem mora em Condomínio classe c ou d sabe que carro pequeno é sucesso por causa das vagas. Médio e grande, meus amigos, é um porre. Para estacionar, espaço que ocupa invade outra vaga, atrapalha outro carro para manobrar.

  • kirig

    Excesso de regras não leva a progresso algum, vide a banânia. Os gazelinhas que fazem as regras, nunca produziram nada.

  • Marcus Vinicius

    Twingo e Kwid poderiam se tornar um só modelo em suas próximas gerações que com certeza deverá ter um apelo aventureiro como o atual Kwid !

  • Fábio

    Isso me cheira um grande lobby de fabricantes de veículos. Fazer o governo forçar que o mercado assuma as características que eles querem.

    Só que o mercado tem vida própria. E nem Deus sabe para que lado ele vai depois que medidas superficiais de manipulação são feitas. A adoção de carro elétrico vai ser forçada, guela abaixo.

    • Jr

      É bizarro, o correto seria irmos para a geração de carros híbridos para depois irmos para os elétricos, mas sabe como é, o Lobby das montadoras na Europa é tão ou mais forte do que aqui. No meu ponto de vista o carro hibrido seria o ideal, seria ecológico, econômico e seguro

      • Fábio

        As fábricas querem FORÇAR que o consumidor compre produtos com maior valor agregado. Para isso matam a concorrência com os pequenos carros de menor valor agregado que o consumidor poderia optar. E usam o governo para isso. Claro que divulgam que é por um objetivo nobre, mas no fundo mesmo é somente business $$$.

  • Hugo Leonardo Dos Santos

    Mas tem muitos lugares na Europa em que as ruas são tão estreitas que foi pra esse objetivo que desenvolveram esses carrinhos, se não existir mais ninguém passa nas ruas com trambolho

    • th!nk.t4nk

      Isso é mais nas áreas turísticas, com centro medieval (ex: muitas cidades na Itália). Mas na maior parte da Europa as ruas são super largas, e as vagas de estacionamento também (bem mais do que no Brasil, inclusive). Não é a toa que as peruas gigantes fazem tanto sucesso. É tranquilo de estacionar elas por aqui. Enfim, de qualquer forma creio que alguns subcompactos ainda vão sobrar, principalmente na Itália e França. Mas a moda passou.

      • Jr

        Moda ou pura e simples preção das montadoras e seus acionistas que querem gastar dinheiro em carros com valor superior de venda?

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email