Antigos Ford História Matérias NA Pickups

F250 4×4: detalhes, anos, motor, dimensões e capacidade de carga

F250 4x4: detalhes, anos, motor, dimensões e capacidade de carga

A F250 4×4 foi uma versão da picape grande produzida pela Ford no final dos anos 90 e início dos anos 2000 no Brasil.


Herdeira da F1000, a picape chegou com o mesmo visual da versão americana e trouxe consigo a força de um segmento forte por lá. Com grande capacidade de tração e reboque, a F250 4×4 é usada ainda hoje em diversas atividades no meio rural.

Regiões bem afastadas e em estradas de terra em estado muito ruim, ela é empregada muitas vezes no reboque de outros veículos atolados, inclusive usando lastro sobre a caçamba.

Nesse caso, a F250 4×4 é bem popular na internet, onde vários vídeos mostram-na puxando carretas, muitas vezes carregadas.


Sua força e robustez são apreciadas por muitos e hoje ela é valorizada ao máximo, visto que a Ford encerrou sua produção. Como o mercado só dispõe da RAM 2500 por um preço muito alto, ter uma F250 4×4 em bom estado é vantagem.

Tendo cabine simples ou dupla, essa picape enorme da Ford explorou bem suas capacidades para oferecer bom custo-benefício.

Por aqui, o modelo teve apenas uma motorização turbo diesel e sistema de engate elétrico.

Apesar de sua enorme capacidade no fora de estrada com a tração nas quatro rodas, o sistema 4×4 chegou bem tarde.

Apenas em 2006, a Ford se mexeu diante da (Dodge) RAM 2500 e adicionou o dispositivo.

F250 4×4

F250 4x4: detalhes, anos, motor, dimensões e capacidade de carga

Em 2006, a F250 4×4 surgiu como parte da linha 2007 e com algumas melhorias para enfrentar a picape da Dodge.

Os faróis foram modificados, agora recebendo repetidores de direção e luzes diurnas na mesma lente, agora lisa.

A grade ganhou barras horizontais cromadas e aberturas laterais verticalizadas.

O para-choque cromado da F250 4×4 ganhou três aberturas para refrigeração e ficou mais parrudo.

A picape também ganhou novas rodas de liga leve aro 16 polegadas e sempre com pneus bem altos, todo-terreno.

A logotipia associada com o modelo foi alterada, especialmente com a chegada da nova versão, que estampava um vistoso “4×4” nas laterais da caçamba.

A F250 4×4 era bem robusta e imponente, sendo fabricada pela Ford na planta de Taboão, em São Bernardo do Campo, que hoje está sendo negociada oficialmente com o grupo CAOA.

Essa picape era fabricada junto com a F350 e a F4000, que atuavam em segmentos de peso acima dela.

Mesmo assim, a picapona tinha PBT de 3.500 kg, o que obrigava o condutor a ter CNH categoria C, sendo classificada como caminhão.

F250 4x4: detalhes, anos, motor, dimensões e capacidade de carga

Pesada, a F250 4×4  media 5,755 m de comprimento, 2,025 m de largura, 1,950 m de altura e 3,480 m de entre eixos na cabine simples.

Com uma caçamba enorme, a F250 4×4 CS tinha 2.203 litros para transportar cargas atrás.

A carga útil era de 1.165 kg e o peso vazio era de 2.825 kg.

Essa versão da picape tinha suspensão elevada, com vão livre de 21 cm.

O ângulo de entrada era de 31 graus, enquanto o ângulo de saída era de 26 graus.

Já o ângulo central era de 27 graus, podendo a F250 4×4 CS transpor cursos d´água de 90 cm.

Com espaço para três pessoas, a picape tinha portas com maçanetas embutidas e retrovisores bem grandes.

Havia também estribos laterais curtos, próprios para facilitar o acesso à cabine.

F250 4x4: detalhes, anos, motor, dimensões e capacidade de carga

A picape da Ford também tinha antena elétrica do rádio e vigia traseira basculante.

A luz de freio auxiliar, assim como iluminação da caçamba ficavam no alto da cabine, logo acima da vigia.

Sobre a caçamba, não havia capota marítima, mas proteção plástica conservava as partes mais suscetíveis ao tempo.

Com lanternas traseiras verticais, a F250 4×4 CS tinha também para-choque traseiro cromado e tampa da caçamba de fácil acesso.

Não trazia santantônio, proteção do vidro traseiro ou rack no teto, assim como também era ausente a capota marítima.

Vendidos como acessórios dentro e fora da rede Ford, ajudaram a dar um visual mais bacana ao modelo.

F250 4×4 Cabine dupla

F250 4x4: detalhes, anos, motor, dimensões e capacidade de carga

Entretanto, a versão mais anabolizada da F250 4×4 era mesmo a cabine dupla.

Com 6,243 m de comprimento, 2,031 m de largura, 1,950 m de altura e 3,968 m de entre eixos, ela era enorme.

Sua caçamba era menor que a da CS, tendo 1.835 litros.

A cabine era bem ampla e tinha quatro portas, sendo que as traseiras também recebiam maçanetas embutidas.

Assim como na CS, a F250 4×4 CD tinha janelas dianteiras rebaixadas, mas as traseiras eram quase quadradas.

Ela mantinha as demais características da cabine simples, tais como engates no para-choque e rodas de cinco raios duplos.

A CD oferecia ainda estribos laterais maiores para o acesso de quem ia atrás.

Com cinco lugares, ela diferia em sua configuração interior.

Interior da F250 4×4

F250 4x4: detalhes, anos, motor, dimensões e capacidade de carga

Embora não fosse luxuosa, a F250 4×4 tinha o seu conforto e praticidade, além de bom espaço interno.

O painel era amplo e tinha dois tons de cinza, oferecendo instrumentação atualizada.

Esta passava a ter conta-giros e velocímetro distanciados, tendo entre eles um display digital com hodômetros e luzes-espia.

Nas extremidades, ficavam os medidores de combustível, temperatura da água, manômetro do óleo e voltímetro.

Havia quatro difusores de ar e ao centro um sistema de áudio 2din com CD player, rádio e entrada auxiliar.

No lado esquerdo, havia o seletor de tração do 4×4.

A F250 4×4 tinha volante em dois raios com ajuste de altura e direção hidráulica.

Com janelas baixas, apresentava boa visibilidade e tinha comandos dos vidros elétricos (todos) no apoio de braço das portas.

Tinha ainda ajustes elétricos dos retrovisores e travamento central elétrico.

F250 4x4: detalhes, anos, motor, dimensões e capacidade de carga

O ar condicionado tinha comandos manuais, tendo a F250 4×4 também diversos porta-objetos e copos.

Na versão de cabine simples, o banco era quase inteiriço e tinha lugar para três pessoas.

Na cabine dupla, a Ford criou um apoio de braço com um grande porta-objetos entre os bancos dianteiros, individuais.

O banco traseiro era uma reprodução dos assentos da cabine simples, com o esquerdo individual.

A F250 4×4 tinha dois porta-luvas e uma boa altura interna.

Motor e desempenho

F250 4x4: detalhes, anos, motor, dimensões e capacidade de carga

A F250 4×4 chegou já na segunda motorização da picape no mercado brasileiro.

Quando chegou ao Brasil em 1999, a picape tinha um motor diesel 4.2 de seis cilindros em linha e com 180 cavalos.

Algum tempo depois, a Ford substituiu-o pelo mais potente Cummins ISB4 MaxPower de 3.9 litros.

Com quatro cilindros em linha, turbocompressor e sistema de injeção direta de combustível, o Cummins era bem grande.

Usado em caminhões leves e médios, ele tinha cabeçote com quatro válvulas por cilindros.

Feito de ferro fundido, o Cummins ISB4 tinha 3.920 cm3 de volume e trabalhava com taxa de compressão de 17,3:1.

Atendendo à norma Euro III, era um motor mais limpo que o anterior.

F250 4x4: detalhes, anos, motor, dimensões e capacidade de carga

Com tudo isso, a F250 4×4 entregava 203 cavalos a 2.900 rpm e 56 kgfm a 1.500 rpm.

Ela tinha transmissão manual ZF S5420 de cinco marchas e embreagem de acionamento hidráulico.

 

As relações de marcha foram alongadas e o acelerador passou a ser eletrônico.

O diferencial também passou a ter relação mais longa, devido ao motor mais forte.

O sistema de tração nas quatro rodas eras do tipo 4×4 com opção de 4×2, 4×4 e 4×4 com reduzida.

No engate da 4×4, a F250 4×4 tinha que rodar até 80 km/h no máximo.

No caso do 4×4 com reduzida, que era de 2,72:1, o seletor no painel só podia ser acionado com a picape parada.

Além disso, era preciso acionar a embreagem e o freio ao mesmo tempo para que as engrenagens de redução acoplassem.

No seletor de tração no painel, o condutor podia deixar a roda livre no modo Auto, tanto no 4×4 quanto no 4×4 com reduzida.

Já se a opção fosse anular a roda livre, era preciso acionar a posição Lock, que também podia ser usada para eliminar a roda-livre em caso de falha no modo automático.

F250 4x4: detalhes, anos, motor, dimensões e capacidade de carga

Na F250 4×4 CS, o desempenho com esse conjunto era de 0 a 100 km/h em 14,2 segundos e com máxima de 160 km/h.

Nessa versão, o consumo era de 6,7 km/l na cidade e 8,8 km/l na estrada, lembrando que o tanque tinha 110 litros.

Assim, a autonomia teórica era de 968 km com a cabine simples.

No caso da cabine dupla, a F250 4×4 CD também era limitada em 160 km/h e mais lenta: 14,8 segundos para chegar a 100 km/h.

O consumo era quase igual, fazendo 6,6 km/l no ciclo urbano e 8,7 km/l no rodoviário.

A F250 4×4 nunca teve transmissão automática no Brasil.

A Ford só usou caixa de transmissão manual da ZF, mas a empresa Tropical Cabines, do Paraná, adicionou uma caixa automática por conta própria em seus veículos adaptados e personalizados.

A F250 Tropivan era um exemplo, sendo ela testada pelo NA.

Esse modelo da Ford foi produzido até 2011, quando saiu de cena junto com a F350 e o F4000, que retornaram posteriormente.

Suspensão com 4×4

F250 4x4: detalhes, anos, motor, dimensões e capacidade de carga

Diferentemente da versão 4×2, a F250 4×4 não tinha suspensão dianteira Twin I-Beam clássica.

O conjunto frontal era composto por um eixo rígido com diferencial e feixe de molas semi-elípticas.

Na traseira, o eixo também é rígido com diferencial, tendo também feixe de molas.

Os amortecedores foram colocados do lado de fora das longarinas do chassi, facilitando sua substituição.

O conjunto era muito robusto e fácil de se elevado para ampliar as capacidades no off road.

F250 4×4: detalhes, anos, motor, dimensões e capacidade de carga
Nota média 5 de 4 votos

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Alvarenga

    Então….única nacional no segmento no mercado, mais barata que a RAM, bem vista para trabalho pesado, etc, etc….e a Ford parou de fabricar enquanto ainda vendia, apenas por questões internas de engenharia, que seriam perfeitamente superaveis se a diretoria da empresa não fosse tão mal preparada e incapaz.

    • 😎.

      Nem aplicaram a simples restilização da picape americana.

    • Lucas

      Acredito que não seriam problemas muito fáceis de superar. A questão estrutural provavelmente não atendia mais aos requisitos de segurança internacionais e o motor com toda a certeza estava longe de ser aprovado na legislação de emissão de poluentes. Teriam que remendar o carro inteiro e provavelmente trocar ou capar a potência do conjunto mecânico.
      Por outro lado, trazer o modelo americano seria inviável por conta do alto valor final… Morreu e não volta mais.

  • Ademir Junior

    Dirijo um F 4000 ano 2000 desta msm época e já e gostosa de andar mesmo sendo um caminhão leve e bem grande, já peguei 120 km/h fácil imagina essa ai q é menor e mais forte, meu sonho de consumo

  • Fabão Rocky

    F250 vs Toro = picape raiz vs picape nutella.

    • Raul Cotrim de Mattos

      Até a Courier é melhor que a Touro pra serviço

    • Vitor

      São propostas diferentes. Nesse caso nem cabe a comparação.
      Você poderia comparar no máximo a F250 com uma Ranger básica para trabalho, sendo que ao meu ver nem assim é uma comparação ideal, a Ford não tem hoje uma picape com as características da F250.

    • Marcio Marques

      Só tem uma pick-up em sua comparação. A outra é automóvel com cacamba.

  • Zé Mundico

    Se não me engano, foram produzidas algumas unidades em 1998 ou 1999 sem tração 4×4 e com motor Perkins a gasolina, mas a coisa ficou tão tenebrosa que tiraram logo do mercado devido ao altíssimo consumo, coisa de 3 ou 4 km/l.
    O feliz proprietário só podia fazer viagem entre 2 postos de gasolina….rsrsrsrs

    • Racer

      No meu trabalho tiveram a infeliz ideia de comprar duas destas a gasolina…consumo era isso aí pra menos. Colocaram GNV…não adiantou muita coisa, já que ficaram se arrastando…Tiveram vida bem curta antes de venderem….

  • Coffinatorᴮᴿ

    Ou seja, pararam de fabricar porque SÓ TEM BURRO “gerindo” a Ford BR.

  • Baetatrip

    Bela F250…..!
    Admiro muito esse pick up….
    Pena que saiu de linha e criou legião de fãs…!

  • Delto Sampaio

    Meu pai tem uma Cs 4×4 2007, já possuiu Hilux CS (pior carro que tivemos, carro não presta pra nada), não troca a Fordona por outro, a não ser que pegue uma 2010 ou 2011 CS também, trabalho é com ela mesmo, não quebra e manutenção barata, força demais, Ford errou demais em tirar esses carros do nosso mercado, carro que quase não tem sensores elétricos, bruto e que aguenta o tranco

    • Jackson

      Ah Mano Manutenção desse carro é pika das galaxias motorzão MWM cambio bom eixos tbm são top eu digo se o cara tiver uma grana pra comprar uma Toro,Oroch é muito mais futuro pegar uma F-250 mesmo Usada é mais carro que essas tranqueiras 0km

  • Jackson

    F250 é carro pra Homem Toro é carro de muleke…..

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email