Fazer 150: preço, detalhes, motor, consumo, cores, etc

fazer 150 10

A Fazer 150 é uma motocicleta street que a marca japonesa vende no Brasil como modelo intermediário entre a Yamaha Factor 150 e a Yamaha Fazer 250.


Com visual focado na esportividade, a pequena da Yamaha não chama muita atenção por se parecer com produtos de marcas chinesas que foram ou ainda são vendidos no Brasil.

A Fazer 150 também se distancia do perfil da Fazer 250, praticamente tendo com esta apenas o nome e nada mais.

Como a Factor – 125 e 150 – é um produto de acesso para o dia a dia, a Fazer 150 fica em um nível acima, mas poderia oferecer mais, especialmente freios com ABS.

Com preço atual de R$ 14.590, a Fazer 150 é uma concorrente direta da Honda CG 160 Titan, com diferença de preço de R$ 30,00 a mais para a rival da Yamaha.

Fazer 150 – novidades

fazer 150 8

A Yamaha Fazer 150 vendeu 8.620 unidades de janeiro a abril de 2022, menos que a Fazer 250 e a Factor 150, sendo oferecida no mercado nacional com três cores, sendo elas Matt Red, Midnight Black e Racing Blue.

Com garantia de três anos, a Fazer 150 tem plano de manutenção com revisões previstas com preços fixos em todo o território nacional, garantindo assim que o proprietário tenha previsibilidade quanto aos gastos.

Tendo motor monocilíndrico de quatro tempos com refrigeração a ar, a Fazer 150 conta com injeção eletrônica flex e câmbio de cinco marchas, entregando 12,2 cavalos na gasolina e 12,4 cavalos no etanol.

Já o torque é de 1,30 kgfm nos dois combustíveis, permitindo assim a boa condução independente do que esteja no reservatório com 15,2 litros. O consumo médio é de 44,3 km/l, dando assim alcance de 673 km teoricamente.

A Fazer 150 tem ainda suspensão convencional, com bengalas tradicionais na frente e balança na traseira, tendo dois amortecedores. Com farol simples e painel análogo-digital, a moto da Yamaha tem ainda tanque com tampa convencional.

fazer 150 9

Com banco em dois níveis, a Fazer 150 tem alças de liga leve para o passageiro e freios com disco dianteiro ventilado e traseiro a tambor, dotados de sistema UBS, que é o nome pelo qual a Yamaha chama os freios combinados CBS, obrigatórios por lei.

Tendo detalhes em preto e escape com acabamento preto-fosco, inclusive no protetor, a Yamaha Fazer 150 igualmente dispõe de motor e câmbio na mesma tonalidade, assim como suspensões e rodas de liga leve aro 18 polegadas.

As cores e grafismos ajudam a vender o produto, que lembra muito a Dafra Riva 150, já fora de linha no mercado nacional, tendo muitas semelhanças de conceito e estilo, ainda que a Yamaha tenha injeção eletrônica e tanque maior.

fazer 150 12

Com defletores de ar laterais, que ampliam a carenagem, a Fazer 150 poderia seguir a FZ15 indiana em estilo, pelo menos em parte, adicionando suspensão monoamortecida, bocal aeronáutico no tanque, cluster 100% digital, disco traseiro e sistema ABS.

Na configuração atual, a Fazer 150 perde para o custo-benefício da Factor 150 e para a esportividade da irmã maior, já atualizada com farol de LED e outras coisas.

O modelo foi atualizado em 2018 e logo mais deverá receber mais mudanças para se manter em dia com a concorrência.

Fazer 150 – detalhes

fazer 150 11

A Fazer 150 tem visual com proposta esportiva, tendo farol simples com lanterna diurna, mais máscara na cor da moto e piscas de cor clara, com painel protegido por uma capa preta sobre a lente do farol.

O cluster tem conta-giros analógico e display digital com velocímetro, nível de combustível e indicador do modo Eco, tendo o guidão acabamento preto com manetes em aço e manoplas ergonômicas.

Há também comandos de farol, piscas, buzina, corta-corrente, botão de partida e lampejador de farol. No guidão, há um reservatório de fluido de freio e retrovisores ajustáveis.

Tendo tanque de 15,2 litros, a Fazer 150 tem nele um visual fluido e com carenagens laterais, tendo aletas para fluxo de ar e perfil bem aerodinâmico.

O bocal do reservatório é cromado e removível, não sendo aeronáutico como em motos mais esportivas ou rivais, como a Honda CG 160 Titan.

O banco duplo tem dois níveis e as alças laterais de liga leve são feitas para uso do garupa. Já a rabeta tem lanterna dividida em duas partes, com repetidores de direção presos em um suporte sob a carenagem.

Este sustenta o para-lama com refletor e suporte de placa, mas ainda sob a lanterna traseira, sendo criada apenas para se aproximar visualmente da Fazer 250.

A carenagem envolvente da rabeta tem pintura da cor da moto, separada das laterais em tom preto, pelos amortecedores com molas pretas e amortecedores.

As pedaleiras do passageiro são sustentadas por suportes de aço no quadro, tendo abaixo a balança de suspensão convencional com coroa e corrente com proteção plástica.

O freio da roda traseira é a tambor com 130 mm e sistema UBS, além de barra de estabilização presa ao quadro.

Já o escapamento tem acabamento fosco em preto e silencioso com protetor de pernas de mesma cor.

A roda traseira é de liga leve aro 18 polegadas com pneu 100/80-18 sem câmara.

O motor e o câmbio são pintados de preto, além de pedais do piloto sem rebatimento, cavalete lateral e central.

Na frente, a suspensão tem bengalas não protegidas com roda dianteira em liga leve com acabamento preto, como a traseira, além de disco de freio ventilado com 245 mm.

Com pinça de dois pistões e sistema UBS, a Fazer 150 tem ainda para-lama rente ao pneu, fechando assim o pacote visual da motocicleta da Yamaha.

Versões

fazer 150 2

A Fazer 150 tem três versões com cores exclusivas que remetem à proposta de cada uma para o consumidor.

A moto com pintura Matt Red tem como destaque o vermelho para enaltecer a proposta esportiva do produto, dando assim mais destaque no meio urbano.

Já a Midnight Black indica uma proposta mais descolada com visual escurecido, deixando-a mais discreta na noite e estilisticamente mais agradável.

Por fim, a Racing Blue enaltece o braço de competição da Yamaha, pois, se trata da cor usada pelas equipes da Yamaha em várias categorias.

A Racing Blue praticamente é obrigatória na maioria dos modelos da marca, tanto no Brasil quanto no exterior.

  • Yamaha Fazer 150 UBS Matt Red
  • Yamaha Fazer 150 UBS Midnight Black
  • Yamaha Fazer 150 UBS Racing Blue

Equipamentos

fazer 150 5

Yamaha Fazer 150 UBS Matt Red – Motor de 150 cm³ e câmbio de cinco marchas, pintura vermelha, farol simples, piscas de lente branca, rodas de liga leve aro 18 polegadas e pneus 2.75-18 na frente e 100/80-18 atrás.

Freios a disco ventilado na frente com 245 mm e traseiro a tambor de 130 mm, suspensão traseira com ajuste de carga, escape em preto-fosco, conta-giros, computador de bordo, partida elétrica e freios combinados UBS.

Grafismos diferenciados, guidão com acabamento preto, retrovisores ajustáveis, pneus sem câmara, pedaleiras do passageiro com suporte preso ao quadro, motor e câmbio com acabamento preto, função Eco e corta-corrente.

Yamaha Fazer 150 UBS Midnight Black – Itens acima, mais pintura preta.

Yamaha Fazer 150 UBS Racing Blue – Itens da primeira, mais pintura azul.

Preços

  • Yamaha Fazer 150 UBS Matt Red – R$ 14.590
  • Yamaha Fazer 150 UBS Midnight Black – R$ 14.590
  • Yamaha Fazer 150 UBS Racing Blue – R$ 14.590

Fazer 150 – motor

fazer 150 6

A Fazer 150 tem motor monocilíndrico de quatro tempos com refrigeração a ar, com comando de válvulas no cabeçote acionado por corrente, tendo duas válvulas de admissão e escape.

Com injeção eletrônica flex, o propulsor tem 149 cm³ e diâmetro x curso do pistão de 57,3 mm x 57,9 mm, tendo taxa de compressão de 9,6:1.

O motor entrega 12,2 cavalos na gasolina e 12,4 cavalos no etanol, ambos a 7.500 rpm. Já o torque é de 1,30 kgfm a 5.500 rpm nos dois combustíveis, não gerando assim vantagem com etanol.

A transmissão cíclica tem cinco marchas com acionamento por pedal e embreagem multidisco em banho de óleo com acionamento manual.

O propulsor tem filtro de ar alojado na parte central da moto e saída de escape com cano em preto-fosco.

Desempenho e consumo

fazer 150 3

A Fazer 150 tem consumo médio de 44,3 km/l e com seu tanque de 15,2 litros, garante uma autonomia realmente muito boa de 673 km, teoricamente.

O baixo consumo da Fazer 150 é bem reconhecido, especialmente no que diz respeito à irmã de 150 cilindradas, a Factor.

Com injeção eletrônica e bom torque em baixa rotação, o propulsor da Fazer 150 ainda tem ajuda do câmbio de cinco marchas com relações longas, permitindo manter o giro sempre adequado.

Já o desempenho da Fazer 150 é bom para sua proposta, ainda que tenha menos potência que a CG da Honda.

Acelerando de 0 a 100 km/h em 14 segundos e com velocidade final de 136 km/h. Isto se dá pela relação longa da motocicleta.

Fazer 150 – concorrentes

Honda CG 160 Titan

honda cg 160 titan 6

A Honda CG 160 Titan é a moto mais vendida do país e custa R$ 14.620, sendo mais cara que a Fazer 150 e oferecida nas cores Vermelho Perolizado, Cinza Metálico e Amarelo Perolizado.

Com visual moderno, ainda que dentro da proposta de ser uma moto simples e versátil para o dia a dia, a CG Titan surge como o principal player do segmento de motos populares no mercado nacional.

Com seu motor monocilíndrico de quatro tempos e refrigeração a ar, com comando no cabeçote OHC e injeção eletrônica flex, a CG Titan tem 162,7 cm³ em seu propulsor.

Ela entrega 14,9 cavalos a 8.000 rpm na gasolina e 15,1 cavalos a 8.000 rpm no etanol, tendo torque 1,40 kgfm a 7.000 rpm no primeiro combustível e 1,54 kgfm a 7.000 rpm no segundo.

O câmbio de cinco marchas é suficiente para a proposta da Titan, que pesa 117 kg e com tanque de 16,1 litros, que garante autonomia de 644 km, pouco mais que a Fazer 150.

Por ser mais potente, seu desempenho é superior ao da Fazer 150, sendo esta uma das vantagens da motocicleta da Honda, que vai de 0 a 100 km/h em 10,7 segundos e com máxima de 130 km/h.

Tendo câmbio com relações mais curtas, a Titan ganha em agilidade e desempenho, sendo assim preferida pela maioria dos motociclistas do país, que a fazem vender mais de 400 mil unidades ao ano.

Com cores chamativas, a Titan tem painel 100% digital, bocal do tanque aeronáutico e rodas de liga leve, além de freio a disco na roda dianteira e tambor na traseira, ambos com sistema CBS.

Shineray JEF 150

shineray jef 150

A Shineray JEF 150 não tem preço divulgado atualmente e se encontra com estoque esgotado nas lojas, mas como ainda está sendo anunciada, então é uma rival da Yamaha Fazer 150.

Com motor monocilíndrico de quatro tempos e refrigeração a ar, tendo comando no cabeçote com duas válvulas, tendo 149,4 cm³, ele entrega 11 cavalos a 7.500 rpm e 1,22 kgfm a 6.000 rpm.

Alimentada apenas por gasolina, a JEF 150 tem ainda injeção eletrônica e os obrigatórios freios combinados CBS, com disco ventilado na roda dianteira em forma de pétala.

As rodas de liga leve são de aro 17 polegadas e pneus 110/80 na frente e 130/70 atrás, com suspensão traseira monoamortecida.

No visual, a Shineray JEF 150 tem como destaque o farol dianteiro full LED vertical, dotado de luzes diurnas em LED.

O cluster é digital e o tanque tem carenagens laterais avançadas, que dão à moto um visual mais esportivo.

Só a suspensão monoamortecida já lhe confere um ar mais sofisticado que as demais do segmento, sempre com duplo amortecimento.

O para-lama segmentado preso à balança e rente à roda traseira, também chama atenção, assim como o escape preto com protetor em preto brilhante.

Haojue DK 150 S FI

haojue dk 150

A Haojue DK 150 S FI é a sucessora da conhecida Dafra Riva, projeto da mesma marca de Taiwan, que aqui custa R$ 13.686 e se torna uma rival direta da Yamaha Fazer 150.

Disponível nas cores azul, vermelha e preta, a DK 150 tem farol simples com luzes diurnas, além de piscas de lentes claras e lanterna convencional.

Seu painel é 100% digital com LCD, enquanto on tanque tem tampa aeronáutica e o banco é duplo em dois níveis, com a rabeta tendo alças de liga leve para o passageiro.

Com rodas de liga leve aro 18 polegadas, a DK 150 tem freios com sistema CBS e disco ventilado na roda dianteira.

Seu motor monocilíndrico tem quatro tempos com OHC e refrigeração a ar, contendo sistema TSR de duplo comando de válvulas no cabeçote e injeção eletrônica de combustível.

Com 149 cm³, ele entrega 12,1 cavalos a 8.000 rpm e 1,24 kgfm a 6.000 rpm, a DK 150 S FI tem câmbio de cinco marchas e transmissão final por corrente, coroa e pinhão.

Seu tanque é de 12,5 litros e o consumo médio fica em 39,4 km/l com autonomia de 492 km, bom para sua proposta urbana.

A moto da Haojue tem ainda suporte para bauleto e garantia de dois anos sem limite de quilometragem.

Fazer 150 – fotos

Autor: Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 26 anos. Há 15 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações.