FCA Mercado

FCA divulga plano estratégico que foca em Jeep e RAM

FCA divulga plano estratégico que foca em Jeep e RAM

A FCA divulgou seu plano estratégico para os próximos cinco anos e, no anúncio, Sérgio Marchionne focou em duas marcas especificamente, Jeep e RAM, deixando mais declarações sobre Fiat para depois, o que deve causar alguma polêmica na Itália e na Europa, mas não será motivo de preocupação por aqui, por exemplo.


Maserati e Alfa Romeo também estão sob as luzes da Fiat Chrysler e terão expansão garantida. No entanto, o foco da empresa está aonde já se esperava, o crescimento global das duas marcas americanas, que estão expandindo rapidamente, mais na primeira delas, que possui produção no Brasil.

O plano global da FCA também envolve a eletrificação de sua gama de produtos, excluindo gradativamente o motor diesel na Europa até 2022, com a introdução de carros híbridos e elétricos, que também serão conectados em termos de condução autônoma, devendo alcançar nível 3 no final do período de investimentos.

FCA divulga plano estratégico que foca em Jeep e RAM


Mas e o Brasil, aonde entra nisso? O mercado local, indicado como América Latina, terá sete lançamentos até 2022, mas parte deles será de atualização de produto. Nisso, podemos esperar uma nova geração do Renegade (além do facelift já em teste) e atualização do Compass, assim de produtos importados, tais como Novo Cherokee e Grand Cherokee revisado. O novo Wrangler chega e junto com ele um novo SUV de sete lugares, que não será o Grand Commander, focado no mercado chinês.

Os sete lançamentos – se contarmos acima – são apenas de produtos da Jeep, indicando sua importância por aqui, onde Compass é líder e o Renegade tem boa presença. Quanto ao modelo inédito, este poderia ser feito na região se fosse baseado na plataforma global dos dois modelos, mas deve ser outro derivado do Cherokee, assim como o Grand Commander. E o pequeno SUV abaixo do Renegade? Sim, existirá, mas para a Índia. Na região, a Jeep saltou de 20 mil para 160 mil unidades aos ano desde 2014, graças à produção em Goiana-PE.

FCA divulga plano estratégico que foca em Jeep e RAM

Marcas

A Jeep terá ainda outro SUV de sete lugares, que deve ser baseado no Grand Cherokee, mas não focado na região latino-americana, devendo ser explorado no mercado americano e europeu. Haverá ainda uma picape Jeep, que não virá. Outro produto é a dupla Wagoneer/Grand Wagoneer, que também parece fora do foco da região. Na Índia, haverá um subcompacto abaixo do Renegade. A gama Deserthawk deve ser explorada bem nos EUA. No total, serão 10 modelos híbridos plug-in e 4 elétricos, incluindo o Renegade.

Na RAM, a FCA revelou o projeto de uma picape esportiva derivada da RAM 1500, chamada TRX, além de uma nova geração da multivan Promaster City, mas a van Promaster não terá alterações. A falta de uma picape de porte médio atualmente, indica na apresentação da RAM que este modelo deve chegar ao mercado americano e provavelmente será vendido como RAM no mercado global. Como se sabe, o projeto está sendo tocado no Brasil.

FCA divulga plano estratégico que foca em Jeep e RAM

Já a Maserati contará com novas gerações do sedã Quattroporte e SUV Levante, bem como a chegada do cupê Alfieri (provavelmente em 2020) e o surgimento de um novo crossover, que deve ser baseado no Alfa Romeo Stelvio. Falando em Alfa Romeo, a marca italiana deverá lançar sim um SUV compacto e também um modelo de porte maior que o Stelvio. Um cupê, releitura moderna do clássico GTV, será lançado também, assim como o 8C. A marca não indicou mudanças no Giulietta e nem a presença do 4C, que pode ser substituído pelo novo carro. Fora isso, Dodge, Chrysler e Lancia ainda permanecem em segredo, mas rumores falam de uma limitação maior para Fiat no cenário europeu.

 

FCA divulga plano estratégico que foca em Jeep e RAM
Nota média 3.4 de 7 votos

  • Rodrigo

    A FCA anda tão perdida aqui no Brasil que não foi sequer capaz de trazer a nova RAM como veículo de imprensa e testes. Aplicaram a nova grade e alguns poucos elementos estéticos no modelo antigo (2015) e botaram pra rodar como “novo”.

    • Deadlock

      FCA no mesmo caminho da Ford, nada de sedans e hatches, só SUV e Pickups.

    • leandro

      Não fosse a cartada que a Fiat deu com Renegade/Toro/Compass ela estaria hoje em maus lençóis aqui no Br..
      só ia estar vendendo a Strada

    • Uranium

      A nova RAM da foto é só o modelo 1500. O 2500 (que temos aqui) e maiores continuam os mesmos de antes. Não houve isso que você falou.

      • Rodrigo

        Não estou falando dessa da foto

      • José Eduardo D’Acampora Guazzi

        Teve sim, para a apresentação a imprensa da 2500 2018, que tem facelift da grade, pegaram uma antiga e trocaram a grade. Constataram pela data de registro do veiculo que testaram.

    • Debraido

      Cara, como grupo a FCA é líder no Brasil. Está perdida em que?

      • Rodrigo

        Pode ser líder nas picapes/utilitários, mas entre os veículos de passeio a líder é a GMB

  • Eduardo T. Küll

    Mas e a Alfa Romeo e Brasil? Não sei liga?

  • zekinha71

    Daí acontece a mesma coisa que o plano anterior, era um festival de mostrar um slide com os novos produtos, era um tal de New Palio, pra cá, New Punto pra lá, e o que saiu foi Mobi e Argo, e metade do que foi planejado, foi pro lixo.

  • Cardoso (não aquele)

    FCA parece que não se importa muito com a América Latina.

    Bom, das companhias que parecem estar fazendo um esforço para ampliar as coisas por aqui só vejo mesmo Volkswagen, PSA (Peugeot pelo menos), e Chevrolet (a sua maneira).

    • Verdades sobre o mercado

      Peugeot ? Até traz alguma novidade mas não consegue fazer volume. VocÊ esqueceu da Toyota, que trabalha a passos lentos mas consistentes.

      • Cardoso (não aquele)

        A PSA está fazendo um esforço bem grande para melhorar a rede de concessionárias.

        A Toyota a meu ver só traz coisas velhas pra cá. Novidade deles aqui só o Yaris mesmo, que pelo jeito ainda vai reciclar o motor do Etios. Novo Corolla anunciado esse ano no exterior nem tem previsão de vir para cá.

        Quando você compara com a Volks, que está vindo com uma linha inteira nova, e com a Chevrolet, que também prometeu várias novidades para o Brasil, eu não acho que a toyota ligue muito para nós.

  • Sr.sousa2017

    A nova RAM só foi lançada no modelo 1500, por enquanto a 2500 (que vem pro Brasil) ainda não passou por atualização.

  • G E O

    E pensar que na crise da FIat em 2005 a filial brasileira foi muito importante para ajudá-la a sair do buraco.

    O Compass / Toro e Renegade foram bem pensados, apesar do motor 1.8 ruim (quando a marca tem motores muito mais eficientes)
    O Mobi e Argo não foram sacadas certeiras. O primeiro é um remendo mais barato do Uno, parece que feito com pressa para competir com o up!. O segundo não emplacou nas vendas e parece não fazer tanto sucesso como o Punto chegou a fazer. O Palio sumiu e não se fala mais nele….

    • Matafuego

      O Punto fez algum sucesso pq os concorrentes não eram lá grande coisa: Fiesta, Corsa e Polo foram lançados mais ou menos em 2002 e já careciam de uma nova geração. O Punto acabou nadando sozinho na onda dos “compactos premium”. O Argo chegou atrasado e no fim é só mais um na fila do pão.

  • Razzo

    Os SUVs Maserati Levante e Alfa Romeo Stelvio são lindos ! O sedan Alfa Romeo Giulia idem !

  • Natán Barreto

    Eu só não entendo como eles estão enterrando a Chrysler assim de graça. Com a faca e o queijo na mão da FCA a Chrysler poderia voltar a ser grande nos EUA e no mundo.
    Fiat nunca foi grande a nível mundial mesmo, então entendo que percam o interesse nela porque a tradição vem de carros baratos e pequenos que estão em desuso com essa onda de SUVs.

    • Saulo Gomes

      Pq não tem dinheiro para manter todas as marcas.

  • Erivelton Freitas

    Essa empresa deveria mudar o título para JRA – Jeep RAM Automobiles, porque de Fiat e Chrysler, parece que não vai sobrar muita coisa. No mais, a situação da FIAT no Brasil, que diferente da grande maioria do pessoal daqui, eu não vejo com tanto pessimismo, é de culpa exclusiva dela mesma.

    Mobi

    Poderiam simplesmente colocar os itens do UNO nele e chamá-lo de ‘Novo UNO’, porque sendo bem franco, não havia necessidade dessa ‘onda’ de subcompactos por aqui. Ou melhor, colocar o ‘Design’ do Mobi no atual UNO, mantendo os itens da categoria superior. Já que o lance da FIAT é manter a identidade visual em todos os veículos.

    Argo

    Já foi provado diversas vezes, que Brasileiro não se importa de pagar caro num carro, sendo assim, a FIAT poderia ter colocado o motor 1.3 Turbo em vez do atual 1.8 Aspirado, e colocado todos os itens opcionais como de série na versão do Topo de linha. E para chegar com chave de Ouro, poderia tê-lo chamado de ‘Novo Palio’.

    Cronos

    Repito aqui a mesma coisa… Colocava o motor 1.3 Turbo, os itens opcionais como de série na versão topo de linha, e chamava ele de ‘Novo Grand Siena’. Pronto, a FIAT estava feita, e ninguém iria se importar de pegar R$ 79.990 nele.

    E Mesmo com todas as mudanças, ainda ficaria mais barato que o Polo Highline e Virtus Highline.

    Mas a FIAT fez? Não, não fez, porque queria inovar, trazer o novo, dar a impressão que trouxe carros modernos. Por fora, até convence que é um projeto novo pelo Design e nome desconhecido, mas por dentro, desde o interior até a motorização, é a mesma FIAT do início da década.

    A quem eles querem enganar com isso?!

    • Ernesto

      Como colocar o motor 1.3 turbo se este motor não está pronto?

  • Alvarenga

    Uai, sera a Ford fazendo escola ????

  • Rafael Prado

    A Fiat, não terá vida longa, pois o pós vendas é terrível. Vai acabar com a mesma fama das Francesas. Meu carro tem problemas por todos os lados e eles nada resolvem. Caixa de marcha com folga Star e Stop que não funciona, barulhos e mais barulhos.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email