FCA Fiat Finanças Jeep Montadoras/Fábricas

FCA: Goiana receberá R$ 7,5 bilhões para fazer mais carros

FCA: Goiana receberá R$ 7,5 bilhões para fazer mais carros

A FCA anunciou um investimento de R$ 7,5 bilhões no Brasil, mas apenas para uma fábrica, aquela do Polo Automotivo Jeep Fiat em Goiana, interior do Pernambuco. De acordo com a empresa, o aporte será para produção de novos carros e implantação de tecnologias mais atuais.


O volume de dinheiro será gasto até 2023, incluindo ainda a ampliação da capacidade produtiva na planta nordestina, passando dos atuais 250 mil por ano para 350 mil/ano. O incremento de volume em Goiana pode, por exemplo, atender às vendas de pelo menos dois modelos de grande volume, como utilitários esportivos compactos ou médios.

FCA: Goiana receberá R$ 7,5 bilhões para fazer mais carros

Isso significaria, por exemplo, ter na linha Fiat dois produtos que aos segmentos citados, como um crossover compacto mais familiar que o Jeep Renegade e um SUV médio de sete lugares, podendo ser baseado na Toro, por exemplo. Com 13.600 empregados, a fábrica de Goiana deve ter um adicional de 9.000 vagas nos próximos anos.


Atualmente, a FCA produz em Goiana os modelos Fiat Toro, Jeep Renegade e Jeep Compass, todos muito bem vendidos no mercado nacional. A picape médio-compacta da marca italiana vendeu 17.824 unidades no quadrimestre. Se mantiver o ritmo, pode fechar o ano com mais de 53,4 mil emplacamentos.

FCA: Goiana receberá R$ 7,5 bilhões para fazer mais carros

O Jeep Renegade, por exemplo, é o líder dos SUVs em 2019. O estiloso SUV compacto já emplacou 21.383 unidades no mesmo período, podendo assim, se continuar como está, vender expressivos 64,1 mil carros no ano. Já o Compass, que foi líder nos últimos anos e está na vice-liderança, vendeu 17.884 exemplares, pouco a mais que a Toro. Se os outros dois quadrimestres se repetirem para ele, o volume anual será de 53,6 mil.

Para os produtos atuais, a FCA prepara a chegada dos motores Firefly Turbo 1.0 e 1.3, entregando aí 120 cavalos no primeiro e 150 ou 180 cavalos no segundo. O ganho em performance e economia, além de emissão, será muito bom no trio.

[Fonte: UOL]

FCA: Goiana receberá R$ 7,5 bilhões para fazer mais carros
Nota média 5 de 4 votos

  • Mendes

    Estou querendo trocar meu carro num Compass, e fiquei até contente com essa notícia.
    Diferente da GM e Mercedes-Benz, que exigiram incentivos à custa de ameaças de deixar o País.

    • Nao… não é bem assim. Esse investimento formalizado agora é a contraparte da FCA para o pedido de extensao dos benefícios fiscais que a empresa recebe na fábrica de Goaina, a FCA também prometeu demitir se nao conseguisse renovar os benefícios fiscais. Que contemplam IPTU da fábrica e demais instalações em Goiana e o mais importante, a isenção de IPI. Motivo pelo qual Toro, Compass e Renegade conseguem conceder bons descontos principalmente nos modelos diesel.
      Iria acabar ano que vem, mas foi extendido para 2025.
      Mas ao menos a FCA repassa essas isenções na forma de descontos, mesmo que seja PCD, vendas diretas e de forma mais timida no varejo. Dureza é a Ford que tem isenções similares na fábrica de Camaçari-BA.

      • Mendes

        Incentivos todas recebem, mas o comunicado da GM e, principalmente, da Mercedes-Benz (cujo chefe também é o chefe da ANFAVEA) foi muito mais agressivo, um desrespeito público aos brasileiros.

        A propósito, outro ponto que me faz gostar da FCA no Brasil: A Toro foi desenvolvida aqui, o que é raro.
        Outras marcas – e isso é de conhecimento notório – penam para permitir que designers brasileiros desenvolvam uma mera atualização visual dos produtos, como o caso da Peugeot recentemente citado (facelift do 2008).

        • Natán Barreto

          Não sei de onde se acha que os designers automotivos brasileiros não tem prestígio.
          Temos que parar com essa síndrome de vira lata. Apesar de não termos marcas próprias, temos no currículo veículos desenvolvidos aqui desde os primórdios. Primeira Meriva projeto totalmente brasileiro, EcoSport que nasceu do zero aqui… e a lista ainda tem Fox, Santana que os chineses nos compraram aos montes e usaram nossas reestilizações.

          Apesar de não vendermos carros lá fora, temos muito prestígio em design automotivo.

          • th!nk.t4nk

            Nenhum destes carros foi “desenvolvido do zero” no Brasil. O Ecosport é derivado do Ford Fusion europeu, enquanto a Toro foi feita na base do Jeep Renegade. Fox é basicamente o Polo antigo super simplificado. Motor e transmissão de todos eles são projetos estrangeiros, assim como a plataforma. Só a carcaça destes veículos é projetada no Brasil. Sinceramente, nunca ouvi falar em “prestígio de engenharia automotiva brasileira”, pois são meras adaptaçoes em cima de projetos de fora. A única coisa que até hoje realmente chamou a atenção internacional foram os veículos “flex”, mas o hype foi curto também (até porque passava longe de ter alguma grande sacada tecnológica por trás: foi e é ainda basicamente uma gambiarra). Fonte: sou justamente engenheiro do setor automotivo e me orgulho muito de nosso potencial sim, mas infelizmente não temos nem em sonho esse prestígio no mundo que alguns imaginam.

            • Cesar

              “O Ecosport é derivado do Ford Fusion europeu”

              ?????

              • Dan RF

                O Fusion a que o colega acima se refere não é o sedan que conhecemos hoje, importado. Fusion foi o nome dado ao derivado minivan do Fiesta europeu construído naquela época, e quando essa mesma geração do Fiesta começou a ser fabricada aqui, a Ford local optou não por um derivado minivan, mas um derivado SUV. Daí nasceu o primeiro EcoSport.

          • zekinha71

            Santana era um Passat alemão com outro nome.
            O desenho até pode ser criado aqui, mas a base e mecânica já vem pronta de fora, na época do lançamento do Gol bolinha, tinha um colega de faculdade que trabalhava na VW e atuava na criação do interior.
            Veio da alemanha o desenho base do Gol e a equipe aqui adaptou pro “gosto do brasileiro”, seguido daquele corte de custos básicos, e o 4 portas demorou o maior tempo pra ser lançado, pois não conseguiam encaixar direito as portas traseiras, era a primeira vez que surgia 4 portas na linha Gol.
            E também tiveram problemas com as forrações, o meu colega sempre faltava nas aulas, pois tinha que ficar fazendo hora extra pra conseguirem terminar o carro até a data programada do lançamento.

          • Jefferson BC

            A Toro é TOP…quero comprar esse caro futuramente, muito bom. A FCA está de parabéns por tudo!

      • T1000

        Se deixassem o desenvolvimento de carros nas mãos de engenheiros brasileiros, só iria sair br800 e agile.

        • Tibúrcio

          O Ecosport a partir de 2012 e o Ka a partir de 2014 foram totalmente desenvolvidos no Brasil.
          Acho que estão bem longe dos BR800!

    • Ueldes Damasceno

      Eu tenho um Compass Trailhawk (diesel) há 2 anos. Até hoje não tenho o que reclamar.

  • Domenico Monteleone

    Enquanto uns investem, lançam bons produtos, outros preferem fechar fábrica por não confiar no próprio potencial, né dona Ford?

    • Jefferson BC

      A Ford é uma empresa pilantra…fizeram maior esquema de propina na época do Lula, saíram do Rio grande do SUL (governador petistas) para a Bahia (governador petistas), um esquema onde somente as FORD ganhou…os baianos pagaram uma fortuna para a Ford. Isso é uma vergonha…governo tem que cuidard e funções estatais e não esquemas com empresas bilionárias.

  • Eskarmory .

    Dentro de pouco tempo arrisco a dizer que a Jeep, abstraindo o restante da operação FCA, deverá ter a operação mais ”limpa” e lucrativa e menos residual entre todas que aqui estão. O crescimento que tiveram a partir de 2015 vendendo praticamente apenas 2 modelos é impressionante.

    • Cesar

      3 a menos que esteja falando apenas da Jeep, mas ali você fala em FCA.

      • Eskarmory .

        Falei ”abstraindo o restante da operação FCA”

        • Cesar

          ok

  • Ricardo Blume

    A economia indo de mal a pior e gigantes como a FCA e a Renault/Nissan anunciando investimento de bilhões no país. Exatamente quando estávamos no auge da crise e a GM e a VW anunciando o mesmo. Vai entender.

    • Jose Antonio

      Anunciar investimentos com nosso dinheiro ou melhor do BNDES é fácil quero ver eles investirem alguma coisa com recursos próprios, mais o pior de tudo é saber que o governo financia mais não exige qualidade.

      • Jefferson BC

        O governo brasileiro, especialmente os anteriores de esquerda, foram criminosos, o BNDES virou uma máquina de propina e o Estado instaurando aumento de impostos, burocracia e travas para privilegiar e fechar o mercado para “alguns” com a FARSA de desenvolver o Brasil. A Ford fez parte de um esquema enorme com os governos petistas, a VW nem se fala…por isso que eu defendo politicas de cunho liberal, o Estado tem que cuidar de setores coletivos, funções naturalmente estatais e NÃO entregar dezenas de bilhões para grandes empresas, mais de 500 bi em uma década…pior, isso gera uma desigualdade imensa, centraliza riquezas e mata a concorrência.

  • Vae Victis

    Os motores Firefly Turbo vão custar muito mais do que o 1.8 Flex. Eu acho que vai ser um preço parecido com o diesel.

    • Raimundo A.

      Custo tem muitas variáveis, então dizer que o valor será parecido com o diesel em que sentido? Os motores turbo são baseados nos aspirados feitos aqui, mas com modificações e mais recursos. Nacionalizar os turbo a depender de onde serão feitos pode economizar onde são feito os aspirados, pois o bloco principal é usado aqui em vários modelos que usam 1.0 e 1.3.

      O 1.8 é utilizado em veículos mais caros e é diferente dos Firefly, então o custo é diferente e não há aproveitamento. Contudo, por ser mais simples e ofertado em vários veículos, maior volume reduz custos e isso pode ocorrer com os Firefly turbo se feitos na mesma unidade onde faz os Firefly aspirados. O volume seria ainda maior comparado ao E-torQ porque várias peças e o bloco são comuns.
      Aí, você estima custo comparado ao diesel. O motor diesel não é feito aqui, mas pode ser que nacionalizem. Nós já temos um custo de produção alto comparado a outros mercados. Observando a Europa, onde motor a diesel vende muito, não é um erro dizer que o Multijet 2.0 pode ser pouco mais caro que o T-Jet, até porque o Multijet não é tão moderno e com o alto volume dele lá, os custos podem ser compatíveis com os Firefly turbo, que tem pouco tempo a oferta.
      Custo pode envolver tributo, então Firefly turbo feito aqui e usando estrutura dos aspirados, claro, com mais investimento para aumentar o volume e agregar as tecnologias que os aspirados não tem, evita tributação e variação maior no custo de componentes importados. O diesel não sendo feito poderia ser mais em conta, mas recebe tributos que não iriam incidir no motor feito aqui.
      Some isso a tributação por conta do tipo de combustível no produto final, cujo veículo com motor a diesel tem tributação maior que o mesmo com motor a gasolina ou flex.
      O que pode ocorrer aqui e a fez na Europa, é termos algumas versões com dois motores turbo flex e a mais cara, sim, poderia ter preço próximo a mecânica diesel, mas não custa lembrar que a legislação nossa não prever SUV diesel 4×2. Não bastasse a tributação para o diesel ser maior, impõe a utilização da tração 4×4 que torna mais caro o produto. Nessa linha, preço final, tende algum SUV com motor novo turbo 1.3T ser mais caro que o 1.0T, mas o primeiro ainda seria mais barato que o diesel mesmo numa configuração flex 4×4, pois a tributação no diesel é maior.

    • Edison Bardella

      A questão essencial é economia de escala. Se praticamente todos os modelos da JEEP e FIAT tenham turbo compressor, o custo pela grande demanda cairá significativamente. Vide Cruze e THP da Peugeot / Citroën

    • Jefferson BC

      Vai nada, isso vai ser excelente para a FCA, os carros dela já vendem muito sem os motores, imagina com os novos motores.

  • zekinha71

    A FCA sempre está com novidades na linha Jeep, Ram, Dodge e até Fiat, mas na Chysler que dá nome ao grupo, não surge nada, nem sei que carros ainda existe, qual é o futuro da C?

    • MonHoe

      Chrysler Pacífica e 300, mas eles tão revitalizando as marcas por etapas pelo visto, agora é a Alfa e Fiat e depois acho que será a vez da Chrysler

    • Dick Buck

      Coitada é da Lancia, tá natimorta.

      • Vitor Meireles

        Deixa ela quietinha lá até a Alfa se firmar e a Maserati evoluir. Depois disso, aí acho que tem $$$ pra investir na Lancia.

  • Alexandre Aleixo Santos

    Pelo visto a fábrica de Betim virou o patinho feio da FCA na América Latina…

    • T1000

      deve ser depressivo ver saindo só moby, uno, strada e fiorino.

      • Vae Victis

        …Argo, Doblo, Ducato, Siena.

    • Jefferson BC

      Patinho feio não, a fábrica é enorme…tem tudo para receber as nova fábrica de motores da FCA. A ideia é não centralizar as operações. Betim é a queridinha da FCA.

  • Leonardo costa

    Tive a oportunidade de conhecer a fábrica da jeep em goiana PE, e realmente é uma fábrica de primeiro mundo. Na oportunidade testei o Compass e o Renegade, na propria pista da fábrica, e a partir daí decidir comprar um Compass trailhawk, o carro é show, não me arrependo nem um segundo por essa aquisição. Parabéns ao grupo FCA por esta investindo no Brasil e gerando empregos diretos e indiretos.

  • Jefferson BC

    Parabéns a FCA! Mais crescimento e competitividade.

  • Daytona

    Parabéns a Jeep por trazer produtos extremamente competitivos no cenário nacional.
    Tirando o consumo, todos os donos de Jeeps que conheço só elogiam seus carros.

    Curioso é ver concorrentes chegarem agora com menos espaço, péssimo acabamento pelo preço…
    Não entenderam nada do exemplo da Jeep no Brasil…

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email