Ferrari 458: preço, detalhes, versões, motor, fotos

A Ferrari 458 é um dos modelos mais conhecidos da marca italiana e mesmo sem estar em produção desde 2015, é um dos mais populares e vistos nas ruas.


Substituta da Ferrari F430, a 458 surgiu com um visual bem mais expressivo e menos clássico que a anterior, incorporando linhas agressivas e uma configuração de performance realmente notável.

O bólido de Maranello surgiu também como sendo o primeiro carro de produção seriada da Ferrari não a ter transmissão manual como opção.

A 458 abandonou algo que sempre foi valorizado em carros da marca italiana, especialmente em modelos com foco mais específicos que os grandes V12, mais comuns com transmissão automática.

Assim, no lugar do manual, a Ferrari 458 adotou uma transmissão automatizada de dupla embreagem com sete velocidades feita pela Getrag, sendo o mesmo modelo usado no Mercedes-Benz SLS AMG.

Ferrari 458 – detalhes

O modelo da Ferrari usou também o motor V8 4.5 aspirado desenvolvido em parceria com a Maserati, sendo este o F136.

Trata-se de uma família de motores V8 de 90 graus usada também na F430, assim como em modelos da Maserati, sendo eles Quattroporte, GranSport, GranCabrio e Gran Turismo.

O F136 continua em produção, mas não com a Ferrari. Conhecida como Tipo F142, a 458 ganhou o sobrenome Itália, em homenagem à terra da marca de Maranello.

Desenhada por Donato Coco, designer-chefe da Ferrari que liderou o estúdio Pininfarina no projeto, a Ferrari 458 foi oferecida nas carrocerias berlinetta (Itália) e cabriolet, esta chamada Spider.

O interior foi desenhado pelo projetista francês Bertrand Rapatel, mas com detalhes desenvolvidos com base na experiência do ex-piloto de Fórmula 1, Michael Schumacher.

Assim, a Ferrari queria levar muito da F-1 para dentro da 458, usando especialmente o volante, com múltiplos controles para quase todas as funções de performance do carro.

A reprodução do volante ainda estava longe da direção de um F-1 e o mais estranho é que esse modelo ainda é usado pela Ferrari, mais precisamente na F8, assim como utilizado na anterior 488.

Para os amantes da F-1 e donos de Ferrari, esse tipo de volante é um dos pontos apreciáveis, assim como o ambiente em que se encontra, com muitos comandos voltados para o condutor.

Com detalhes estilosos, como os botões de marcha, a Ferrari 458 foi um dos modelos mais vendidos da marca italiana e teve 24.649 unidades produzidas em cinco anos.

Lançada em 2009, no Salão de Genebra, a 458 foi produzida por mais de cinco anos e ambicionada por muitos ricos (novos e antigos) em todo o mundo, inclusive aqui no Brasil.

Entregando 570 cavalos e 54,9 kgfm, a 458 ia de 0 a 100 km/h em 3,4 segundos e tinha máxima de 340 km/h. Isso com um consumo médio de 7,5 km/l.

Com linhas esguias, faróis verticalizados, boca frontal proeminente, lanternas circulares acentuadas na traseira, bem com rodas esportivas de cinco raios, a Ferrari 458 ainda é um carro apreciável.

Ela foi vendida nas variantes Itália (cupê), Spider (conversível), Speciale e Speciale A, estas duas uma revisão de estilo e desempenho, chegando a ter 605 cavalos e nas carrocerias cupê e cabriolet, respectivamente.

A Ferrari ainda construiu 20 unidades de uma série especial para a China, assim como 150 exemplares de competição da 458 Challenge.

Também surgiram os one-offs, exemplares únicos feitos sob encomenda, sendo eles a SP12 EC, Pininfarina Sérgio e 458 MM Speciale.

Ferrari 458 – preços e mercado

Ferrari 458 preço

Quanto custa uma Ferrari 458 no Brasil? Por aqui, a Ferrari 458 Itália custa em média R$ 2,1 milhões no mercado de usados de luxo, enquanto a Ferrari 458 Spider sai por média de R$ 2,7 milhões.

Esses valores são de carros anunciados fora de revendedores autorizados, onde há um processo de compra, mesmo de uma Ferrari 458 usada.

Não se trata apenas de comprar um carro, pois, no caso da Ferrari, é entrar para um clube seleto de milhares de clientes ao redor do mundo e não necessariamente donos de carros zero km.

Para a marca, Ferrari é Ferrari, seja nova ou usada, recente ou antiga. Não importa se a 458 tem 30.000 km rodados ou simplesmente 10.000 km no hodômetro.

É importante notar que, para quem for atrás de uma Ferrari 458, ela tenha passado pelo plano de manutenção incólume, ou seja, que tenha feito tudo como manda o figurino de Maranello.

Além disso, se for num revendedor autorizado, seu passado não pode te condenar aos olhos da Ferrari, caso contrário, você não terá direito a ter um carro da marca.

Geralmente, os revendedores são orientados a vender modelos usados, como a Ferrari 458, para adiante, o novo cliente dispor de um modelo zero km, seguindo suas próprias regras da marca.

Basta fazer uma busca na internet, em classificados de carros usados, e verá que uma Ferrari 458, seja Itália ou Spider, nunca estará personalizada com coisas como rodas não originais ou mesmo adesivos.

A Ferrari não gosta disso e os clientes são orientados a não fazê-lo, caso contrário serão punidos. Dessa forma, uma 458 de 10 anos será exatamente igual quando saiu da linha de produção na Itália.

Então, ao buscar uma 458, pesquise seu histórico de manutenção e veja se ainda pode ser considerado um veículo aceitável aos olhos da marca, se desejar ter intimidade com ela no futuro.

A Ferrari é como um pai — no caso seria mãe — ciumento e rígido. Contudo, dá aos filhos (clientes) o que realmente eles desejam, seguindo sempre sua orientação paternal.

Isso inclui até não contestar suas regras e em hipótese alguma, ocultar ou descaracterizar o “presente” que lhe foi permitido ter.

Uma Ferrari 458, mesmo com 10 anos nas costas, ainda vale tanto quanto nova e sempre haverá alguém jurídico ou físico interessado em comprar.

Por isso, siga as regras de Maranello com as revisões em dia, em oficinas autorizadas e com peças originais, mesmo as similares com Fiat e Alfa Romeo, no caso dos antigos.

Na 458, o motor é também de origem Maserati, mas esqueça peças do tridente de Netuno. Ainda no motor, as chances de encontrar uma 458 adulterada mecanicamente é quase nula.

O grande pai de Maranello não aceita mudanças no motor e isso reflete exatamente na hora de vender, onde o novo membro da grande família Ferrari sabe que terá 570 ou 605 cavalos originais.

Apesar de todas as regras e imposições de Maranello, no final, quem se beneficia mesmo é o novo proprietário da Ferrari 458, que terá menos preocupações e poderá curtir melhor seu Cavalino Rampante.

Ferrari 458 – versões

  • Ferrari 458 Itália
  • Ferrari 458 Spider
  • Ferrari 458 Speciale
  • Ferrari 458 Speciale A

Equipamentos

Ferrari 458 interior

A Ferrari 458 tinha 4,527 m de comprimento, 1,937 m de largura, 1,213 m de altura e 2,650 m de entre eixos, pesando 1,5 tonelada.

Ela vinha com faróis bi-xénon, incluindo luzes diurnas em LED, bem como lanternas em LED. As rodas de alumínio aro 20 polegadas eram forjadas apenas nas versões Speciale.

Estas rodas eram calçadas por pneus Pirelli P Zero e tinham medidas de 235/35 ZR20 na frente e 295/35 ZR20 atrás.

Com 230 litros no porta-malas e 95 litros no tanque, tinha direção hidráulica, ar condicionado, vidros e travas elétricas, retrovisores elétricos, piloto automático, modos de condução, bancos em couro e estilo concha, entre outros.

Tinha ainda sistema de som Hi-Fi e multimídia integrada ao cluster com navegação GPS e modos de auxílio à pilotagem por monitoramento.

Ferrari 458 – motor

A Ferrari 458 tinha motor F136, desenvolvido em parceria com a Maserati e fabricado a partir de 2001. O projeto envolve uma gama de motores V8 de 90 graus com aspiração natural.

O F136 teve volumes de 4,2 até 4,7 litros, tendo sua carreira iniciado na Maserati, a bordo de carros como o GranSport. Todavia, a Ferrari só se envolveu diretamente em 2004, com a F430.

Esta usava o F136 E, um V8 4.3 de 4.308 cm³ com 490 ou 510 cavalos, que tinha cárter seco e injeção multiponto. Em 2009, o F136 I ganhou injeção direta e cárter úmido, porém, com 4.297 cm³.

Ao mesmo tempo em que este servia à Ferrari Califórnia, um novo V8 4.5 entrava na 458, sendo este chamado F136 E.

Com 4.499 cm³, este propulsor de alumínio com 24 válvulas em quatro comandos variáveis, tinha também injeção direta e cárter úmido, além de duas versões.

A versão FB tinha 570 cavalos a 9.000 rpm e 54,9 kgfm a 6.000 rpm. Já a versão FL, introduzida em 2014, tinha 605 cavalos na mesma rotação e com o mesmo torque.

Este é das Ferrari 458 Speciale e Speciale A, que surgiram como complemento e atualização de meia vida das originais Itália e Spider.

Com posição central e sistema de refrigeração especial, o F136 E nunca teve alterações para a linha de produção, além das duas versões citadas.

Na 458, ele era acoplado a uma caixa de dupla embreagem da Getrag, devidamente preparada para a Ferrari, contando com sete velocidades e estrutura robusta para suportar os esforços elevados do modelo.

Com mudanças manuais apenas pelos enorme paddle shifts do volante da 458, o câmbio entrega a força do V8 4.5 nas rodas traseiras.

No entanto, apesar de ser motor de Ferrari, o F136 sofreu recall nos EUA e o problema era grave. Segundo relatos, o propulsor da 458 podia simplesmente travar e provocar um acidente em alta velocidade.

A Ferrari convocou um recall e descobriu que o problema estava no virabrequim, que fora montado errado na fábrica.

Tendo uma diferença básica entre o F136 E e F136 usado pela Maserati e Alfa Romeo (8C), o da Ferrari tem virabrequim tipo plano, raramente usado em motores V8.

Já o F136 das marcas citadas possuem virabrequins conhecidos como “crossplane” ou plano cruzado, é comum em motores V8 e mais adequado para carros de uso diário.

Com a iminência de travamento, não pela concepção escolhida pela Ferrari e sim devido à montagem errada, a Ferrari propôs um motor novo para o cliente envolvido.

Além disso, ofereceu também opção do motor ser consertado pela Ferrari nos EUA ou apenas o virabrequim novo para posterior troca no carro.

Neste último caso, não sabemos se houve algum “corajoso” em manter sua 458 com um potencial defeito de motor.

Desempenho

  • Ferrari 458 Itália – 0 a 100 km/h em 3,4 segundos e final de 350 km/h
  • Ferrari 458 Spider – 0 a 100 km/h em 3,4 segundos e final de 320 km/h
  • Ferrari 458 Speciale – 0 a 100 km/h em 3,0 segundos e final de 350 km/h
  • Ferrari 458 Speciale A – 0 a 100 km/h em 3,0 segundos e final de 320 km/h

Consumo

  • Ferrari 458 Itália – 5,5 km/l e 7,5 km/l
  • Ferrari 458 Spider – 5,5 km/l e 7,5 km/l
  • Ferrari 458 Speciale – 5,4 km/l e 7,3 km/l
  • Ferrari 458 Speciale A – 5,4 km/l e 7,3 km/l

Ferrari 458 – história

A Ferrari 458 surgiu em 2009 e foi inicialmente produzida apenas na versão Itália, que era o cupê. Logo depois, surgiu a versão Spider, com teto retrátil automaticamente, que se recolhia em segundos.

Com limite de até 50 km/h, o dispositivo de acionamento levantava parte da carroceria traseira para a saída da cobertura fixa, que se prendia ao para-brisa e travava sozinha.

Após o encaixe, a parte traseira se recolhia e ele virava um cupê. Por não dispor de um teto rígido e nem de um arco de teto, a Ferrari 458 Spider era mais pesada por meio de reforços.

Isso limitou sua velocidade final em 320 km/h, 30 km/h a menos que a Itália. O mesmo aconteceu com a Speciale A, tempos depois.

Falando nela, em 2014, a Ferrari anunciou a 458 Speciale como uma atualização de estilo da 458 Itália, que adotou um capô com saídas de ar, novos para-choques, spoiler traseiro maior e rodas forjadas.

Além disso, essa opção era mais potente, chegando a 605 cavalos com o mesmo torque e indo de 0 a 100 km/h em 3,0 segundos, inclusive a conversível Speciale A (Aperta).

Edições especiais e únicas

Em 2012, a Ferrari 458 China Edition surgiu com 20 exemplares destinados aos novos-ricos daquele país. A data era em comemoração aos 20 anos de presença da Ferrari por lá.

No ano de 1992, encomendaram na China um exemplar da Ferrari 348 TS, que marcou a estreia da marca no então primitivo mercado local. A 458 era pintada na cor Marco Polo Red e tinha detalhes dourados.

Ainda no mesmo ano, o cantor Eric Clapton encomendou uma Ferrari 458 modificada, batizada de SP12 EC.

Com detalhes técnicos considerados confidenciais, sabe-se que o motor é o V8 4.5 e o câmbio tem dupla embreagem, mas o carro ainda é um mistério e custou £ 3.000.000.

Meses depois, a Ferrari mostrou o conceito Pininfarina Sérgio, mas o mesmo só virou um carro de produção em 2015, com seis unidades vendidas a clientes escolhidos a dedo.

Targa, o Pininfarina Sérgio de produção era bem mais aceitável visual e legalmente que o conceito, que não tinha para-brisa.

Duas unidades foram leiloadas, com uma delas chegando a € 3.000.000.

Já em 2014, um cliente britânico de nome com sigla “MM” adquiriu a 458 MM Speciale, que lhe foi entregue em 2016.

Com detalhes em alumínio e fibra de carbono, a Ferrari 458 MM Speciale homenageia a clássica Ferrari 288 GTO.

A Ferrari 458 Challenge é uma variante de competição, que teve 150 unidades feitas, inclusive para as categorias GT2, GT3 e Grand Am.

Ferrari 458 – fotos

Autor: Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 26 anos. Há 15 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações.