Fiat Hatches Preços

Fiat Argo Trekking 1.8 AT já está disponível a partir de R$ 68.990

Fiat Argo Trekking 1.8 AT já está disponível a partir de R$ 68.990

O Fiat Argo Trekking 1.8 AT já está disponível para configuração e compra no site da marca italiana, custando a partir de R$ 68.990. Sua chegada, porém, não elimina a opção anterior, que é movida por motor 1.3 e com transmissão manual, partindo esta de R$ 59.990, preço R$ 1.000 acima do sugerido no lançamento, em abril.


Já a novidade chega com motor E.torQ Evo 1.8 16V com 135 cavalos na gasolina e 139 cavalos no etanol, entregando assim respectivamente 18,8/19,3 kgfm. Além disso, o compacto assume a transmissão automática de seis marchas da Aisin, já disponível nas demais versões com esse conjunto.

Com isso, a Fiat reforça a proposta de seu aventureiro urbano, que tem visual diferenciado com adição de elementos estéticos próprios, como saias de rodas protegidas, saias laterais, protetor frontal e traseiro, escape esportivo, faixas decorativas em toda a carroceria, assim como retrovisores e teto em preto, além de barras longitudinais.

Fiat Argo Trekking 1.8 AT já está disponível a partir de R$ 68.990


Dotado ainda de rodas de liga leve escurecidas e com aro 15 polegadas, o Fiat Argo Trekking 1.8 AT tem ainda os pneus de uso misto 205/60R15 91H S-ATR WL. De série, ele já vem com ar condicionado, direção elétrica, vidros elétricos nas quatro portas, faróis com assinatura visual em LED, faróis de neblina e grade preta.

Fora isso, oferece ainda retrovisores com repetidores de direção e ajustes elétricos, travamento central elétrico, spoiler dianteiro, difusor de ar traseiro, suspensão mais elevada, bancos com textura exclusiva e acabamento personalizado, detalhes visuais na cor laranja e com o nome Trekking e multimídia Uconnect com Google Android Auto e Apple Car Play.

O Fiat Argo Trekking 1.8 AT ainda ostenta logotipo da marca escurecido, oferecendo ainda três pacotes de opcionais: câmera de ré (R$ 990), kit Stile (R$ 2.900) e kit Tech (R$ 3.530), alcançando assim R$ 76.410. O hatch é oferecido nas cores preto Vulcano (sem custo), branco Banchisa (R$ 800), vermelho Monte Carlo (R$ 800), cinza Silvestone (R$ 2.000) e branco Alaska (R$ 2.300).

 

 

Fiat Argo Trekking 1.8 AT já está disponível a partir de R$ 68.990
Nota média 5 de 2 votos

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Porto Velho

    Assim como o Trekking 1.3 matou o Drive 1.3, essa aí vai matar tanto o Precision quanto o HGT. Ficou mais barato que essas versões igualmente equipadas.

    • Hernan Carlos Granda

      eu tenho um hgt e de nenhum modo compraria esta versao

    • Saraiva

      Talvez até morram mas pela versão do até então SUVinho q está por vir

    • O Precision DEPENDE.

      Pois se essa aí for a unica 1.8 sem ESP, já começam errando aí. Ao que parece pelos opcionais, parece uma variação do Precision só que mais cara. (e sem ESP)

      No momento não parece ser a ooção mais acertada. E se atingir 76000 sem descontos? Melhor continuar com a HGT que é bem mais equipada nessa faixa de preço(e passa a ter o ajuste da direção em profundidade, que essa aí não oferta).

      • Porto Velho

        As pessoa não sabem nem o que é ABS, vão ligar pra ESP?

        • Diante de existir concorrentes com tal recurso, sim.

          E não são poucos por R$69000:
          – Polo MSI e TSI
          – Yaris
          – Etios
          – Ka
          – Onix novo
          – HB20 novo
          – Sandero Intense(ou Zen CVT)

          Ou seja, um carro do porte do Argo no valor que estão pedindo, ao menos deveria ter mais itens para justificar sua venda.

  • dallebu

    Estou vendo muito Argo Tracking nas ruas, realmente essa versão ficou bem interessante, a Fiat sabe fazer suspensões pra aguentar nossas estradas, e com os pneus de uso misto e ótima altura em relação ao solo dá pra ir mais longe numa estrada de terra. A versão 1.3 tem uma boa relação preço/robustez se comparar com a concorrência e suas suspensões europeias/koreanas.

  • Natán Barreto

    Em terra de Onix, Polo e HB20 esse carro se torna uma piada de mau gosto

    • Porto Velho

      Argo é bem superior ao HB20 novo.

      • Natán Barreto

        KKKKKKKKKKKKKKKKK amigo, eu entendo que você goste do seu carro. Mas não sei em que planeta Argo é superior ao HB20 novo. Uma única coisa seria explicável: seu Argo ser modelo top de linha e o HB20 que você alugou é o básico.

        • Porto Velho

          Você andou neles ou tá falando isso com base em achismos?

          • Sino Weibo

            Eu já andei em ambos e digo, o Argo não é superior nem ao HB20 atual, que dirá ao novo. Coitada da Fiat, mas tomara que continuem tentando, que sorte eles tem o Brasil pra vender né, senão a marca já teria desaparecido há tempos, vendendo praticamente só na Itália e Turquia. A Fiat vende menos que a Dacia na Europa.

            • Eu nunca andei no HB20 atual, mas quanto ao anterior eu posso dizer…

              O Argo Drive (vou me basear nele entendendo que a saida do HB20 1.0 é do confort plus…) tem um interior melhor pensado ainda que o porta objetos com tampa do HB20 seja otimo. Isolamento acustico de ambos são mto bons com destaque ao motor firefly que é bem mais economico. Espaço interno do Argo é melhor e ainda conta com direção elétrica(que so no modelo atual do HB20 1.0 tem), entretanto, considero de longe que alavanca do cambio, posição de dirigir mais agradavel no HB20, algo que para quem é alto como eu que tenho 1,87m tem uma caracteristica estranha do Argo é a alavanca na segunda marcha se estiver com o banco recuado, pegar nela.

              Outro ponto que melhoraram no HB20 foi o ajuste de altura do banco inteiro e não apenas como no anterior que era do assento. Então na minha opinião vai depender da prioridade da pessoa. Se a Fiat corrigisse e não fosse tão mesquinha nos itens de série, o Argo venderia mto mais.

              Mas ela fica renegando mtos itens como opcional e isso estraga o modelo. Eu nunca teria esse Trekking 1.8 automatico. Ele é mto mal equipado qdo se coloca o preço em conta. EU prefiro pegar um HB20X 1.6 no lugar. (isso ficando nos altinhos já que tem até o Sandero que é outra opção do segmento).

              Me voltando aos compactos num geral, eu ficaria na lista a seguir por ordem:
              – Polo
              – Onix
              – HB20
              – Yaris (se for até 76000, pois eu acho que é caro para o que oferece, igual a esse fiat)

              Ou seja… o Argo apesar de eu gostar do produto, o preço dele é bem fora da caixinha mesmo que os outros tbm sejam caros, mas ofertem mais itens de série. Destaque principalmente a Polo Comfortline Pack 2 e HB20X 1.6(de topo por R$69900 que já tem desconto)

              Isso pq não citei a versão diamond do HB20 1.0 turbo….

              Outro que consideraria antes de qualquer Argo dessa faixa de valor e fugindo de compactos e olhando preço… Arrizo 5.

              • Sino Weibo

                Mas a Fiat sempre teve esse problema, sempre lançam um carro num segmento, mas sem qualidades para aquele patamar, ae rebaixam ele de segmento. Ae o carro não fica nem lá nem cá. Acredito que no lançamento acharam que o Uno poderia tomar o lugar do Palio em preço e patamar, o Argo acima e o Mobi abaixo, mas o mercado não aceitou assim.

                • Bom vamos lá….

                  Historicamente falando, das 4 mais velhas a Fiat foi a ultima a chegar no Brasil. Ela até conquistar seu lugar ao sol, sempre foi motivo de chacota.

                  Qdo o 147 veio, havia essa sina de carro minusculo mas que tinha um desenho e funcionalidade tão grandes que era comparado a médios da epoca. (Fusca que o diga)

                  Qdo veio o Uno, a tentativa da VW impor que o Gol fosse o atual médio veio por agua abaixo: Era um carro de dimensões compactas e mto menos espaçoso que o Uno. E nem podemos falar em melhor acabamento, já que o Gol sempre foi espartano, exceto em suas versões obviamente de topo. (ou esportivas)

                  Diante disso, o mercado começou a reconhecer que a Fiat tinha seu valor e até então era um player mto agressivo trazendo por diversas vezes carros com algum ponto mecanico a frente do tempo.

                  Voltando agora, para proximo de 2019, o problema da Fiat era a concentração de compactos em linha. As fabricantes em um determinado periodo viram que ter mais opções de compactos / subcompactos ajudaria a criar uma forma de venda entre produtos da mesma fabricante.

                  E fizeram vários na linha. Na Fiat:
                  – Palio Fire
                  – Mille
                  – Punto
                  – Uno
                  – Palio novo

                  VW:
                  – Gol
                  – Fox
                  – up
                  – Polo

                  Em 2012 em que a Chevrolet tinha Celta e Corsa, esses que seriam substituidos pelo Onix. Só que ainda havia um médio desatualziado porém de custo x beneficio interessante que era o Astra.

                  Veja novamente, são hatches.

                  Em 2013 ela já não contava com Corsa e Astra e logo mais em 2014, matou o Celta para manter só o Onix lidando num nicho de compactos de entrada e invadindo em preço os compactos ditos premium. A VW tentou impor as vendas de todos seus compactos, o que matou de certa forma o Fox tendo que pra ele ter uma ou duas versões e torna-lo um carro em fim de linha porém com custo x beneficio. Hoje devido as boas vendas, mantém o produto com uma unica versão.

                  O Gol não vende mal, mas certamente é um carro que teria que ser o modelo de grandes vendas da marca. Hj vede melhor pela versão automatica que tem grandes descontos. E o up é aquele mal vendido pq a VW concentra mta força em promover o Polo(que canibaliza mto os demais compactos)

                  A Fiat:
                  Matou Palio fire, mille, punto… ficou um tempo com o Uno tentando emplacar o que não deu certo…. matou o Palio novo pq segundo ela nõa foi bem aceito (na minha visão ele teve precificação e versões qu enão condiziam com o nicho que disputava) e ela matou.

                  Hoje temos um Mobi, Uno (que é esquecido pela fabricante ainda que tenha dado a ele motores firefly mas convive com o motor fire) e o Argo. Argo alias que canibaliza forte o Uno e ficam tentando emplacar Argo e se esquecendo do Uno que tem mto potencial, mas ela não aproveita isso do carro.

                  Ou seja, tirando coisas com Linea, o Argo é apenas uma melhoria perante os compactos anteriores. Não é essa distancia absurda que tentam impor e por isso não conseguiram colocar junto do Polo na disputa. Pra mim foi um erro o sedan não ter ganho mais espaço (todas as fabricantes adotam um ganho de entreeixos nos sedans oriundos dos seus hatches, apenas a Fiat se limita a não aumentar) e talvez é algo a repensar na Fiat.

                  Outro ponto que aí eu penso que a Fiat deveria tbm rever é a quantidade de versões especiais mto soltas dos carros.

                  Eu não consigo enxergar motivo pelo qual a Fiat vá e faça uma versão especial para um produto de baixas vendas. Não faz sentido e obriga a concessionaria a fornecer um produto que não é bem aceito, mas está lá como demonstração.

                  • Sino Weibo

                    OU seja, resumindo, a Fiat só faz c*g*d*, por isso que só tem relevância na Itália, pelo pratiotismo deles, e Brasil, que é um mercado fraco, de carros ruins, e alguma parte do leste europeu como Turquia. A relevância da Fiat na Europa é menor que a Dacia atualmente.

                    • O problema é que as grandes fabricantes concentraram em uma produção mto grande de produtos que atingiam o mesmo consumidor (na epoca em que Palio chegou a ser lider de vendas, tinhamos quase 50% dos carros vendidos sendos os compactos!)

                      Ou seja, nossos produtos eram vendidos e lucrativos por quantidade. E é por isso que existiam tantos compactos de uma mesma marca. Agora a estrategia mudou. A redução do numero de compradores de compactos se deu pela redução de crédito disponivel ou de juros a valores considerados bons no passado.

                      A partir do momento em que vc tira essas condições, quem pode comprar um carro 0km são pessoais de um poder aquisitivo mais alto. E é aí que vc deixa de ver as compras de carros compactos 0km, aumento da exigencia de itens de série nos carros(pq se for caro, ao menos precisa ser melhor equipado), além de uma concorrencia que ajudou no período e aumento de demanda de carros superiores.

                      E repare…a Fiat hoje tem 3 carros hatches sendo dois compactos e um subcompacto. O Uno se não houver algum tipo de mescla junto ao Mobi no futuro, ficará sendo um carro mto apagado em vendas, pq a Fiat junto da VW adora queimar um produto para vender outro.

                      E o Uno é certo que em algum momento irá morrer, resta saber se a Fiat vai usar o nome Mobi no futuro ou irá usar o nome Uno unificando ambos. Pois a ideia é ter um unico compacto e um subcompacto.

                      A Chevrolet temporariamente irá ter dois compactos até o Onix novo assumir as vendas . E terá no futuro uma versão joy do novo Onix que certamente será o carro depenado em segurança. (talvez, pois para ela se manter no Latin NCAP com suas notas ela precisa se manter com os itens já ofertados hoje além de que novos modelos não poderem ser vendidos sem ESP)

                      Hyundai com um compacto, Ford com um compacto, Peugeot logo mais terá dois compactos até acabar com o 208 atual, Citrone com um compacto e assim por diante.

                      Esse enxugamento vai atingir a Fiat e tbm a VW. Ela irá com certeza pegar o up e mesclar junto ao Gol. Certamente como o nome Gol é vbem forte em nosso mercado, ele irá se manter sendo um unico carro que terá atributos de up, do proprio Gol e do Fox. E assim ela fica com um compacto de entrada e outro acima (Polo).

                    • Sino Weibo

                      A marca que teve mais êxito foi a GM, e a Hyundai. Ou seja, na percepção do consumidor, ter um só compacto com várias opções é a preferência, até pq brasileiro quando compra carro, quer algo que pareça superior. Por isso os modelos da Fiat não pegaram, somente o Argo depois de baixarem bem o preço. A Fiat deve manter apenas um abaixo dos 40 mil, e outro acima, com variações diferentes de motor e equipamentos apenas.

                    • Bem provavel.

                      Mas perceba que o que antes causava confusão para a pessoa se manter na marca, agora se torna algo ruim. Isso porque mtos deles podem parecer num primeiro momento(e a depender da versão) mto parecidos.

                      E isso começou a afastar o potencial comprador. Ter um unico automovel nesse nicho se tornou uma opção ame ou odeie. A diferença é que as pessoas que já não gostam de fazer test drive, irão conhecer alguns produtos e já ter uma decisão mais rapida pelo menor numero de escolhas.

                      E ter um unico carro significa que ele precisa ser bom aos olhos do consumidor. Logo, se vc vê dois ou tres de uma mesma marca com caracteristicas similares, isso afasta o consumidor daqueles produtos. (mesmo que ela tenha conhecido apenas 1 deles).

                      Mas sobre a estrategia da Fiat, ela terá que ir por esse caminho mesmo.

              • Porto Velho

                O HB20 2020 ganha no câmbio mesmo, é bem melhor. Mas, apesar de nos números ser superior, o espaço interno é inferior. Não sei como conseguiram pegar um carro com comprimento e entre-eixos maior e deixar com espaço útil inferior ao Fiat.

                Acabamento é péssimo, tem rebarbas pra todo lado. Além disso, o carro com 2000 km rodados já tá parecendo uma escola de samba. O meu Argo vai pra 50 mil km e tá como se fosse novo ainda. Não escuta um único barulho de acabamento. Outra coisa ruim no HB20: o rádio. Não sei se é diferente com a central multimidia, mas o som é de péssima qualidade. Caixas de som pirata da JBL tem mais definição de graves e agudos. O Argo mantém a mesma qualidade (ótima) tanto no rádio simples quanto na central. Já escutei diversas vezes a pergunta: “você instalou ou é original?”.

                • O HB20 sempre apelou para suas formas e em certo ponto, para segurança.

                  A Hyundai qdo fez o HB20, pegou e considerou carros como Polo(geração anterior) e Fit (segunda geração) para incluir o que acharia interessante no modelo compacto da marca.

                  Então segurança exige pontos com maior segurança no produto e esse sendo cheio de vincos e curvas, acaba por perder espaço interno. Repare que uma sensação bem ruim seja ele hatch ou sedan está concentrado naquele desenho da porta traseira onde devido ao vidro ficar mais inclinado para acompanhar as linhas do carro, nisso deixando numa altura de vidros mais alta e atrapalhando a visão (e assim criando certo ambiente claustrofobico).

                  É o preço da ousadia nas formas…

                  Veja que o Argo apela para um visual moderno, mas sem grandes curvas tendo até em alguns pontos formato retilineo e como padrão na Fiat, bancos mais altos que deixam a pessoa mais proxima do teto, porém ganahndo espaço interno com isso. É sempre uma solução para ganho de espaço, mas que pode causar cansaço se ficar em tempo prolongado na mesma posição.

            • Rodrigo Cherigatto

              que tanto ódio da Fiat,credo!aqui em casa ja tivemos varios Fiat,e sempre nos supriu muito bem!

              • Sino Weibo

                Não é ódio, são números. A Fiat não é relevante na Europa, perde até pra Dacia no continente, uma marca de baixo custo da Romênia. A Fiat só vende na Itália, pelo nacionalismo deles, na Turquia razoável e no Brasil. Aliás, não fosse o Brasil a Fiat seria uma montadora insignificante no mercado mundial. E o que oferecem aqui? Porcarias mal acabadas. Eles ainda mantém em linha o Dobló, por quase 100 mil. Vendem produtos jurássicos. No caso o que tem salvado a empresa é o grupo FCA, no caso a Jeep, e agora a PSA, pq até os carros deles são melhores. Os brasileiros não servem muito de base pra avaliar carros, pq o nosso mercado é pior que dos nossos hermanos latinos, está pior até que Índia, China e Rússia, que evoluíram bastante. Mas nosso mercado já foi bem pior. Estamos melhorando aos poucos com mais concorrência.

          • Rodrigo Cherigatto

            com certeza na base do achismos!

    • Rodrigo Cherigatto

      nao exagere o carro ta caro mas é um otimo carro tao o melhor os que voce citou!

  • Denis

    Não onde a Fiat conseguiu tirar o valor de R$ 69 mil no Argo Trekking 1.8 Automático sabendo que o conteúdo da versão é a mesma da motorização 1.3 Manual. O pior nisso, é o que a versão 1.8 também não oferece os controles de tração e estabilidade que se quer não existem no pacote opcional, sabendo que logo logo se tornará obrigatórios este dois equipamentos em 2022….. (mais uma mancada hein Fiat)

    • Porto Velho

      O 1.3 igualmente equipado sai por R$63.000 (ele não tem a liga leve o 1.8), o Trekking 1.8 sai por R$69.. essa diferença praticamente qualquer marca cobra pelo câmbio automático mantendo o mesmo motor.

  • Sino Weibo

    Se custasse 10 mil a menos ainda estaria caro.

  • Selsu Brass

    Mas não vão aposentar nunca esse motor EVO E torq?????

    • Jose Silva

      Pra que voce vai aposentar algo que esta dando certo ?

  • Rodrigo Cherigatto

    O preço ta salgado mas esse na cor vermelha ta show!se tivesse 69 mil compraria de boa!

  • Jose Silva

    Não sei o que pessoal da fiat pensa, já tem 1.0 turbo e 1.3 turbo firefly flex prontos com 120/150 e 180cv. Vão ficar enrolando até quando ? 3 anos para soltar ? Por isso seus ex clientes sumiram. Cade o Crono 1.0 e 1.3 Turbo completo por uns 75.000 ? É isso que falta, se não for pra ter essa política para competir com ONIX PLUS pode desistir e fechar.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email