Fiat Hatches Peruas Segredos-Flagras

Fiat Tipo 2021 circula camuflado com Cross, hatch e perua na Turquia

Fiat Tipo 2021 circula camuflado com Cross, hatch e perua na Turquia

O Fiat Tipo 2021 continua sua bateria de testes antes de sua estreia no mercado europeu. O motivo da demora em aparecer definitivamente, além da Covid-19, é que ele terá mais do que o visual como novidade.


Nos flagrantes mais recentes na Turquia, com fotos de @nadiraraclar, onde o médio da Fiat é produzido, revelam algo interessante. Estão sendo vistos somente o futuro aventureiro Cross, bem como o hatch padrão e a perua.

O sedã simplesmente sumiu das ruas. Como se sabe, a família Tipo é tradicional, com “pai (sedã), mãe (perua) e filho (hatch)”, porém, o primeiro tem seu mercado de fato na Turquia e no leste europeu, onde se vendem mais sedãs desse porte.

Fiat Tipo 2021 circula camuflado com Cross, hatch e perua na Turquia

Apesar da ausência, provavelmente ele continuará. Mas, o que mudará mesmo no Tipo 2021 é a mecânica. De acordo com o site italiano Passione Auto Italiane, o médio da FCA terá motor Firefly em substituição ao velho Fire. Ele também deve despedir o E.torQ 1.6, já em desuso aqui.

As mudanças não ficarão por aí, sendo adicionado um novo volante, faróis de LED, cluster digital, multimídia com tela de 10 polegadas (e provavelmente com o sistema que estreou na Toro/Strada nacionais), novo logotipo da Fiat (como na Nova Strada) e outros detalhes externos.

O Fiat Tipo 2021 terá mais tecnologia embarcada, como o sistema híbrido leve, que é relato ser de 48V. Contudo, a marca dispõe de um dispositivo mais barato, de 12V, que poderia manter o bom custo-benefício dessa família.

Fiat Tipo 2021 circula camuflado com Cross, hatch e perua na Turquia

Quase que obrigatoriamente, o pacote ADAS entra na programação do Tipo atualizado, especialmente no que diz respeito ao detector de pedestres com frenagem automática de emergência, mas pode-se esperar por outros itens desse pacote, como alerta de tráfego cruzado, por exemplo.

Por fim, o motor Firefly deve chegar com versão 1.0 Turbo de 95 ou 120 cavalos, além de um 1.3 Turbo com 130 cavalos no máximo. Mais difícil, porém, poderia ser adicionado o 1.3 aspirado de 101 cavalos também, mas para o mercado turco.

[Fonte: Passione Auto Italiane via Cochespias]

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Alaor

    Esse carro poderia ter vindo para o Brasil acima do Argo (que aliás, acima dos 55 mil não vende NADA, deveria existir só 1.0 e 1.3). Mas o pessoal de tomadas de decisão da Fiat de Betim é incrivelmente medíocre.

    • Porque eles iriam investir num segmento que está acabando no Brasil? Ford e VW já nem vendem mais Focus e Golf por aqui. O negocio é SUV.

      • Edson Fernandes

        Mas aí mediam a recepção. Ao que esse carro é…. ele fica num meio termo: ele tem medidas de médio, mas todo seu interior é de compacto (acabamentos, detalhes, funcionalidades).

        Ok, ele pode receber mta coisa tecnologica pq nosso mercado é atrasado, mas poderia medir a recepção. Lembrando que se tem hatch e sedan (nem vou citar a SW), o sedan poderia ter mais volume. Ao menos seria mais aceitavel para quem deseja adquirir um Cronos de R$80000 ou mais.

      • Alaor

        Aí que está, o Tipo não concorre com Golf e Focus, porque embora tenha dimensões de médio, é bem mais simples e custa mais barato, é um “médio de baixo custo”. Outro fato que reforça minha opinião é que o ticket médio do Argo e Cronos é baixíssimo, porque são carros que não convencem o público de hatches premium, só vendem nas versões mais baratas, enquanto as 1.8 são praticamente enfeite de showroom, ao contrário do que acontecia com o Punto, por exemplo. Eu tenho certeza que, se o Tipo viesse como hatch e sedan, estaria vendendo muito mais que Argo e Cronos 1.8, bem como acessando uma faixa até os 100 mil em que a marca Fiat não tem nada. Certamente estaria dando muito mais lucro que vendendo carro pelado. Mas a Fiat do Brasil não está preparada para essa conversa.

      • Fabão Rocky

        Infelizmente!

  • Emanuel

    Eu podia jurar que esse carro chegaria pra preencher a lacuna deixada pelo Bravo mas pelo jeito a Fiat não está tão afim de trazer, o que eu acho triste mas ao mesmo tempo também não consigo ver ele tendo altas vendas. Tempos difíceis pros hatches

  • Mauro Moraes

    Argo nem deveria existir. Erro estratégico. O Tipo deveria ter vindo, junto com o sedã. Mais simplificados, mais baratos. A Fiat poderia estar em melhor condições no mercado.

    • omaisbanidodona

      Concordo e no lugar do MOBI podeiam fabricar aqui o PANDA . Nao sei o que esses italianos estao pondo no Vinho !!!

  • Saymon Erickson

    Merecíamos o Fiat Tipo aqui… em vez disso, temos que nos contentar com Argo e Cronos.
    As dimensões são de médio, mas os preços são mais contidos que os de outros médios na Europa.
    Acho que teria chance aqui.

    • Cromo

      Olha, o novo Ônix esta, em termos de tamanho, está muito mais pra hatch médio que hatch compacto, deixando claro q há espaço (literalmente) para o retorno do Celta.

      • Saymon Erickson

        Nesse aspecto, concordo. Há espaço para um carro menor que o Onix.

        • Gabriel Parachen

          Chevrolet Joy, este é o nome.

    • 😎.

      E ainda teria espaço para um novo Uno , não precisando ser subcompacto para não ter briga interna dentro da marca .

  • 😎.

    Mataria Argo, Cronos e Mobi para no lugar ficar Tipo e nova geração do Uno . O Tipo Hatch e sedan teriam motores 1.3 aspirado e 1.0 turbo. O 1.3 MT a partir de 60 mil focando no bom custo benefício e brigando com Onix , Yaris , Polo e o futuro Honda City hatch .

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por 15 anos. Saiba mais.

Notícias por email