_Destaque _Featured Fiat Hatches Lançamentos Test Drive

Fiat Uno 2017: Impressões ao dirigir

fiat-uno-2017-impressoes-na-2

O Fiat Uno 2017 já está disponível no mercado nacional com preços a partir de R$ 41.840, sendo oferecido agora nas versões Attractive, Way e Sporting, equipadas com os novos motores GSE Firefly 1.0 de até 77 cv e 1.3 com até 109 cv.

Além da nova motorização, o Uno 2017 também traz alterações no visual e acabamento, bem como novos itens de segurança, tais como controles de tração e estabilidade, bem como assistente de partida em rampa.

fiat-uno-2017-impressoes-na-34

Outra novidade é o Start&Stop, agora disponível para todas as versões com motor 1.3, incluindo Dualogic. A direção agora é elétrica e tem a função City. O quadro de instrumentos tem visual repaginado, enquanto o console central adota conexão USB reposicionada com câmbio manual.

O Uno 2017 tem multimídia como opcional. As padronagens dos bancos foram atualizados, assim como o acabamento central do painel. Por fora, nova grade e para-choques atualizados, além de rodas de liga leve aro 15 polegadas para as versões Way e Sporting redesenhadas.

fiat-uno-2017-impressoes-na-35

Impressões ao dirigir

Belo Horizonte/MG – Os novos motores Firefly chegaram como uma opção interessante para o Uno 2017. Na versão Way com motor 1.0, o compacto da Fiat apresentou desempenho suficiente para o trânsito urbano, tendo saída um pouco mais lenta que o esperado. Para uma condução adequada, as trocas são feitas a partir de 3.000 rpm, quando o 1.0 GSE embala.

Nas retomadas, novamente é necessário elevar bem o giro para ultrapassagens mais seguras. A rotação sobe muito rapidamente e rodando a 110 km/h, o ponteiro marca 3.400 rpm. Durante a condução, o motor apresenta ronco semelhante ao do Fire e seu funcionamento é suave, mesmo sendo um três cilindros.

fiat-uno-2017-impressoes-na-60

Apenas na partida do motor, um tranco incômodo é sentido e pouca vibração é notada. O nível de ruído fica na média da categoria, sendo um pouco mais alto nas saídas, evidentemente. A direção elétrica mesmo sem o modo City é leve e tem boa precisão.

Nesta função, fica tão leve, que dá para empurrar o volante sem nenhum esforço extra. Os freios são apenas suficientes para a proposta do carro. Não houve alterações em estabilidade e comportamento da suspensão.

fiat-uno-2017-impressoes-na-31

Firefly 1.3

No test drive promovido pela Fiat, andamos também no Sporting Dualogic 1.3. O propulsor apresenta boas respostas e ronco um pouco diferente do Fire 1.4. Com 109 cv, o motor GSE dá conta do recado no Uno 2017, tendo boa aceleração e retomadas satisfatórias, só não foram melhores por conta do câmbio automatizado Dualogic.

Este continua com a pausa nas trocas, característica dessa tecnologia. O sistema também impede melhor aproveitamento do motor, roubando parte do brilho da novidade. Rodando na estrada, o ponteiro marca 3.000 rpm a 110 km/h. No modo Sport, ele até ensaia uma reação, mas nada como câmbio manual para extrair melhor performance.

fiat-uno-2017-impressoes-na-23

Falando na opção com embreagem mecânica, o Uno Sporting 1.3 2017 surpreendeu em performance na comparação com o antigo Uno Sporting 1.4. Mesmo com um motor menor, o compacto anda bem mais que o anterior. O ronco mais grave do GSE nas saídas, já denuncia uma disposição efetiva de fazer jus ao nome da versão, entregando boa aceleração e retomada, onde não é necessário reduzir muitas marchas e nem afundar o pé na esperança de compensar fraqueza.

O Firefly 1.3 com câmbio manual dá ao Uno Sporting 2017 algo que ele nunca teve, performance. Com essa carga extra de energia, o hatch canta pneu muito facilmente, mesmo após a segunda engatada. E nem é preciso sair exageradamente rápido no farol, basta apenas estar com pressa…

fiat-uno-2017-impressoes-na-57

Diante do bom desempenho, o Fiat Uno Sporting 2017 poderia ter um ajuste mais acertado da suspensão, que se fosse mais firme, o tornaria melhor nas curvas e daria mais prazer ao volante. Controle de tração e estabilidade apenas ajudam, tal como o assistente de partida em rampa, muito útil em cidades com aclives acentuados como Belo Horizonte.

O Firefly 1.3 já apresenta um bom torque a partir de 2.000 rpm e nos 3.000 rpm, já oferece uma condução muito animadora para quem espera um desempenho mediano, surpreendendo-se pela agilidade do compacto da Fiat. Pelo visto, esse propulsor fará uma grande diferença em outros modelos da marca, especialmente no Mobi.

fiat-uno-2017-impressoes-na-12

No geral, o Firefly 1.0 no Uno 2017 respondeu de forma mediana e poderia ter oferecido mais. Já o 1.3 no Sporting Dualogic sofre com o automatizado da Fiat. Por fim, este último com câmbio manual, mostrou exatamente o que pode fazer, superando muito o Fire 1.4. Com esse coração novo, o best seller da Fiat ganha vida nova. Agora resta esperar o mesmo batimento para outros modelos.

Galeria de fotos do Fiat Uno 2017:

Viagem a convite da Fiat.





  • Diogo Oliveira

    Melhorou bastante em relação ao anterior, mas continua caro demais…

    • Tosca16

      Se eu fosse a FIAT abortava o MOBI e deixaria o Uno nos mesmos valores do Mobi, seria bem melhor .

      • Diogo Oliveira

        Com certeza, o Uno já é bem pequeno por dentro, o Mobi então, é um miata hatch de 4 portas.

      • Italo Pereira

        Ou acabaria com as versões mais caras do Mobi pelo menos, deixando a Way só pro Uno.

    • T1000

      O editor disse que o 1.0 é mediano.
      Não entendi. É melhor ou pior q o anterior? E em relação aos outros 1.0 do mercado, é melhor ou pior?

      • pedro rt

        e bem melhor q o antigo 1.0 mas ta no msm nivel de um hb20 1.0 como exemplo

        • Netto

          Não senhor, O Uno 1.0 só perde para o Ka. Mas ganha de todos os demais 1.0.

      • Netto

        Os números mostram que o motor 1.0 tri-cilíndrico FireFly do Uno 2017, mesmo adotando uma arquitetura de 2 válvulas por cilindro, consegue oferecer um desempenho superior a quase todos os concorrentes com motores 1.0 tri-cilíndricos com 4 válvulas, exceto o Ford Ka 1.0. Detalhe, perde no 0 a 100. Mas na retomada o Uno ganha com quase 2s de vantagem sobre o Ka.

        • T1000

          sim, mas em que medida estes números contribuem para uma boa experiência de condução? Em que medida ele parece melhor ou pior q outros carros? Ao subir o giro numa ultrapassagem, ele mantém um bom torque ou perde muito, tal como outros motores de 2V/cil? Achei a análise muito fraca.

          • Netto

            Por isso eu citei a retomada. O uno firefly foi o melhor 1.0 na retomada. O uno 1.3 deixou para trás o UP TSI e o hb20 turbo na retomada também. A Fiat acertou em cheio nesses motores.

    • Franco da Silva

      E, pelo visto, as 2 válvulas por cilindro no 1.0 não adiantaram em nada para melhorar o torque em baixa perto da concorrência; só atrapalham para não conseguir consumo melhor.

      • Netto

        Pelo contrário, o firefly é o melhor 1.0 no teste de retomada, onde se exige o torque. O 1.3 também deixou para trás Up TSI e hb20 turbo nas retomadas.

    • Mario

      A grande novidade é o motor 1.3, com seus 109cv. O antigo 1.4 tem 75cv apenas. No Uno, deve fazer uma grande diferença. Espero que tenham melhorado a estabilidade do carro, pois mesmo nas retas, a 100km/h, o carro balançava muito. Não sei se por conta do ‘pneus verde’. Talvez colocando um pneu mais esportivo, esse problema seja sanado.

      • Diogo Oliveira

        Colocaram os Pneus Superverde, ganhou Start Stop e até Hill Holder, coisa que só era disponível acho que no Fiat 500. Admito que a versão Sporting ficou Beem completa, mas mesmo tendo motores novos, 56 Mil tá um preço absurdo, a Fiat deveria pelo menos ter colocado um 1.3 GSE Turbo na versão Sporting…

  • invalid_pilot

    Só acho que poderia ter versão 1.3 sem essas palhaçadas de Sporting e Way, que pessoalmente, acho de péssimo gosto

    • Mr. Car

      Também acho. Façamos a campanha por um 1.3 “normal”, he, he!

      • invalid_pilot

        Ditadura dos carros carnavalescos… Já achei bem forçado e pesada a frente com essa nova grade

    • G.Alonso

      Tambem acho. Cabe perfeitamente um Uno Essence 1.3 manual por 45 mil e Essence Dualogic por 49. Do jeito que a Fiat colocou, ou o consumidor leva um Uno 1.0 normal, ou ele leva um Way ou Sporting 1.3.

      • invalid_pilot

        Sim, bota a 1.3 chama de Evolution com opção de Dualogic, sem visual carnavalesco , mais barato e com poucos opcionais

    • Italo Pereira

      Também pensei a mesma coisa. Acho essa versão Sporting muito papagaiada na aparência externa.

  • meneghelli1972

    Nunca dirigi um carro com câmbio dualogic será que realmente incomodam os trancos ou é exagero do pessoal ? Acho bacana o carro com aletas atrás do volante e se não for tão ruim como falam pode ser uma boa opção…
    Alguém já dirigiu ou possui esse modelo de transmissão ?

    • Alessandro

      dirigi dos primeiros stilo e punto, eram péssimos muito lentos e realmente davam trancos.

      recentemente andei nos do Bravo e do Linea. em 95% do tempo voce nao vai ter trancos que incomodam, é bem suave e atende sem problemas.

      quais sao os outros 5%? quando voce quer andar mais forte na cidade ele acaba que da um pouco de tranco de primeira para segunda e fica um pouco indeciso a solução é colocar no manual nessa situação que voce controla.
      outro ponto incomodo é quando voce da uma reduzida para cruzar uma rua e logo depois acelera, o cambio fica um pouco na duvida se mantem segunda ou engata a primeira e voce perde um pouco de tempo, nesses casos se voce contar com pouco espaço pode ser um problema.

      na estrada nao percebi nenhum problema para andar, atende perfeitamente, quando quer reduzir puxa pela borboleta e acelera,já é o que faço normalmente em todo automatico pois sempre me incomoda o tempo de redução de marcha.

      • meneghelli1972

        Se eu opinar pelas trocas pelas aletas eu consigo assumir o câmbio numa boa, tanto pra reduzir como pra aumentar as marchas? Ou não é bem assim, como num câmbio manual? Grato pela resposta :)

        • Alessandro

          Se voce comanda pela aleta mesmo ele estando no automático sobrepoe a ação automatica e atende sua escolha sim, ele fica no seu comando por uns 10 segundos e depois volta para o automatico.

          se voce joga no manual ele responde so o seu comando inclusive se voce nao troca a marcha quando chega no corte de giro ele fica cortando giro e nao passa para a proxima marcha.

        • Alessandro

          Recomendo fazer um test drive, nao é o mundo perfeito, mas nao é esse lixo que o pessoal fala tambem nao.

        • Daniel

          Em teoria você assume o comando. Os comandos manuais, sejam nas aletas ou alavanca, sobrepõe-se à programação do câmbio. De negativo, as trocas serão mais lentas do que um manual convencional, principalmente em reduções.

        • Marcelo SR

          Já tive Palio Sporting mecânico e dualogic com borboletas no volante. Pra mim, não tem nem dúvida. O mecânico dá de 10 a zero no dualogic.

    • Rbs

      O meu primo tinha um Palio dualogic. Uma vez andei de carona e não sentir absolutamente nada, comentei sobre isso a resposta que ele deu foi que no começo você estranha um pouco porem depois que pega o tempo do carro fica tudo normal.

    • Felipe

      Já dirigi um Punto dualogic e um Polo I-motion. Nos dois casos vc consegue eliminar os trancos tirando o pé do acelerador na hora que o câmbio está trocando de marcha. Isso dirigindo numa boa e a transmissão em modo automático. Em marchas mais altas tipo de 3ª pra 4ª e de 4ª pra 5ª aí o tranco já não é perceptível e vc não precisa tirar o pé do acelerador nas trocas.

      • meneghelli1972

        Grato pelos esclarecimentos pessoal, minha duvida maior era se dava muitos trancos pelas aletas mas como colocado pelo Alessandro nas trocas manuais se assume o controle do carro como em um manual sem a necessidade da embreagem, creio eu que nessa opção fica mais interessante na cidade e na pista coloca-se no automático para ficar mais confortável, vou fazer um teste drive para conhecer, valeu.

        • Verdades sobre o mercado

          Trabalhei como gerente de vendas de CSS Fiat por 4 anos (só para situar, não sou fã da marca, muito pelo contrário), e tive um Idea Adventure Dualogic (que não era bom o câmbio) e um Punto Dualogic (que tinha um câmbio muito bom). Os Dualogic que funcionam bem são os da versão Plus que surgiram com o Punto 2013 e depois foram colocando no restante da linha aos poucos. Hoje todos os Dualogic da Fiat são da versão Plus. É um câmbio muito bom em funcionamento, dá leve tranco na passagem da 1a para 2a marcha e vice-versa, no mais funciona muito bem. Agora há que se entender que o câmbio automático com conversor de torque é superior em funcionamento ao Dualogic (é como comparar uma direção hidráulica com uma elétrica), ou seja, se você está acostumando com câmbio automático tradicional você vai achar o Dualogic inferior, agora se vocÊ está saindo de um manual o Dualogic vai te atender muito bem. O senão do Dualogic é que ele é caro, deveria custar entre R$ 2.000,00 e R$ 2.500,00, e além disso normalmente ele começa a dar manutenção entre 70.000 e 100.000km(e não é barata), coisa que o automático convencional normalmente vai bem mais longe para começar a dar despesa mais significativa.

        • Rafael

          Isso ai. Se for de seu interesse faça um teste drive. Te garanto que é melhor do que o pessoal fala. Internet é ótimo para obter informações mas também é perigoso com muitos exageros. Eu particularmente nunca tive um Dualogic pois realmente prefiro carro manual. Nos que andei de carona fiz questão de observar. O comportamento é diferente de um AT convencional mas nada de tranco a ponto de causar desconforto.

        • Luciano Lopes

          Sabe como vc usa um automatizado ? No manual, um toque pra frente /traz, tirando o pe do acelerador.Funciona perfeito , rapido ! Auto, so em transito pesado anda/ para, ainda assim suave. Se ficar pisando fundo no auto, ele vai quebrar, vai dar tranco, porque lembre-se, ele nao e automatico, e tbem se trocar marcha num manual sem tirar o pe vai dar tranco do mesmo jeito. Portanto, automatizado e para usar no manual, por mais contraditorio q isso seja.

    • Paulo Lustosa

      Os primeiros automatizados realmente continham muitos trancos, mas os de agora só se o cara querer dar uma de Ayrton Senna, que é como se você fosse trocar marcha soltando o pé de vez do pedal de embreagem ao invés de soltar apenas quando tiver no ponto de embreagem.

    • Paulo Henrique

      Tenho um Fiat Idea dualogic 1.6, e o carro nunca da tranco, a única excessão, em que ele pode dar um pequeno tranco, que é bem desconfortável, e que pode ser evitado, é se você começar a subir uma ladeira muito ingrime com pouca velocidade, ai o carro começa a perder potência, as rpm vão diminuindo e quando ele troca a marcha, a rotação já está tao baixa que o carro da sim um tranco, e perde bastante velocidade, é muito desconfortável quando isso acontece, mas isso so acontece se voce comecqr a subir a ladeira devsgar e é muito facil evitar esse tranco. Basta quando você começar a subir a ladeira bastante íngreme, basta reduzir uma marcha, o giro sobe bastante, o carro nao perde potência e nao da tranco, e caso você perceba que as rotações estao diminuindo, e o carro desacelerando, basta reduzir mais uma marcha e nada de trancos, e a troca de marcha é feita de maneira muito rápida. O meu carro por ser mais antigo, modelo 2012, nao tem as borboletas atras do volante para as trocas de marcha, mas basta dar um toque na alavanca do câmbio para frente, ten um sinal de menos no câmbio, ai ele reduz na hora. Outra opção para nao dar tranco e nem ao menos precisar tocar na alavanca do câmbio é dar uma pisada mais forte no acelerador, que o módulo eletrônico do câmbio entende que você está precisando de mais potência no momento rm que você pisa um pouco mais fundo o pé e reduz automaticamente a marcha para elevar as rpm e garantir mais força. Um exemplo disso, eu moro em Salvador, cidade cheia de ladeiras, algumas muitooooo ingrimes, logo que saio de casa sempre passo por uma bem inclina, o carro está na terceira marcha, a 2000 rotações por minuto, a 40km/h, ao começar a subir a ladeira as rpm vão diminuindo, o carro vai perdendo velocidade, e ao chegar aos 1500 rpm, e estando a uns 28km/h o carro reduz pra segunda, como o carro ja estava perdendo forca, desacelerando mesmo engatado, quando ele faz a troca de marcha, por menos de um segundo o carro perde totalmente a aceleracao e ai da o tranco, e é bem desconfortável, por um segundo parece q vc deixou o carro morrer, da a impressao que o carro para de andar, mas na verdade ele ta ali a uns 24km/h. Para evitar isso, antes mesmo da ladeira começar, ou logo aque o carro começa a subir a ladeira eu ou dou um pisada dorte no acelerador e o carro entende que preciso de força e ele mesmo reduz pra segunda marcha, ou dou um empurrãozinho pra frente na alavanca do câmbio e o carro também reduz pra segunda, ai o giro que tava em 2000 rpm, sobe pra quase 3000 rpm, o carro nao perde força e ganha ate mais aceleração e consigo ate aumentar a velocidade do carro e nao tem tranco nenhum. Mas tem gente que quando começa a dirigir o cs rro, é uma miséria, o carro da um monte de tranco, algumas pessoas, logo de início nao se dao bem com o cambio, meu pai mesmo quando dirige, sempre da uns trancos, mas comigo, desdo primeiro dia, nunca deu, eu ja tinha lido na internet um pouco sobre o funcionamento desse dualogic, entendi como era, e logo na prática nao tive problemas. Eu ando acelerando muito forte, pra o csrro chegsr o mais rápido possivel na velocidade máxima permitida na via, são muitooooooo boas as arrancadas do carro, quando to num semaforo no vermelho e estou logo atras da faixa de pedestres, com algumas motos ao meu lado, e até alguns carros automáticos ao meu lodo, quando o semáforo fica verde, eu acelero forte, a saida é vigorosa e o carro nem chega a cantar pneu, ja aprendi o limite de aceleração pra nao chegar a cantar, e tenho uma aceleração que chega a ser superior a das motos ao meu lado, é muito legal quando você percebe o espanto do motociclista de ficar olhando pra o carro, meio sem acreditar que ele ta sendo ultrapassado pelo carro numa saida de semáforo, os outros carros entao, nem se fala, eu ja to a muitos metros de distância e os carros ainda tao começando a sair, ate mesmo quando to parado do lado de civic e corolla, o meu idea dualogic deixa eles muito pra trás nas areancadas, e tudo issosem cantar pneu, sem exceder o limite de velocidade da via, sem oferecer riscos a ninguem e sem trancos, mesmo com aceleradas muitoomuitoooo fortes.

    • Austin&Katya

      Minha tia tem um uno 1.4 dualogic e parece um cambio automatico pq é muito suave, mas minha irma tinha um palio dualogic que era péssimo

      • Paulo Henrique

        Acho que o problema nao é o palio da sua irmã, e sim como sua irmã dirigia, tenho um idea 1.6 dualogic e o carro nao da trancos comigo, mas quando meu pai dirige, sempre da uns trancos as vezes.

    • Leônidas Salazar

      A primeira geração do dualogic era bem indeciso no modo automático, não tinha a função creeping, e nem HSA, agora estar perfeito.

    • Thales Sobral

      Eu andei no Palio Sporting 2012, e achei bem aceitável. Andei no Grand Siena Dualogic 2014, e também achei razoável. Andando tranquilamente, não dá pra reclamar não. Só incomoda um pouco quando você quer andar rápido.

    • Johnny Boris

      Temos um uno dualogic. Com o tempo você entende os momentos que o câmbio não responde bem, aí você assume o controle nessas horas com as aletas. Funciona muito bem. Aliviar o acelerador no momento em que você percebe que ele vai trocar de marcha (de primeira pra segunda, geralmente) reduz bastante o “tranco” e melhora o consumo. Enfim, se você encarar que tem que se acostumar com ele, vai se dar bem.

    • MMM

      O problema maior do Dualogic é a Fiat cobrar nele o mesmo que a GM e Hyundai cobram em automáticos com 6 marchas. A idéia desse cambio era popularizar as trocas automáticas por um custo menor e por isso oferecendo um equipamento inferior. Hoje, por mais que tenha evoluído, ainda é inferior a um automático com conversor de torque, porém custa o mesmo.

    • Rodrigo

      Eu tive um 500 Cult 1.4 Dualogic e não tive nenhum problema.
      Carrinho bom e câmbio normal!
      Tem alguns cuidados a tomar, mas está explicado no manual!
      Quem leu sabe usar!

    • Luis_Zo

      Saí de um Fiat 500 AT6 para um Palio Sporting Dual. Tu precisa 1 a 2 dias pra aprender a dirigir o carro. COnfesso que no primeiro dia tive quase ânsia de vomito. No terceiro dia, tudo certo. Nada de trancos.

      Se for fazer um test drive, leve isso em consideração. Tu pode acabar sentindo alguns trancos, exatamente por não saber ainda dirigir “direito” o carro.

      Agora quanto ao Uno, quando ele vem com o ESP – Hill Holder, acredito que vai ser igual o 500 Dual. Bem suave (claro nunca vai ser um AT) mas que compensa pelo preço.

    • Daniel

      Ande em um. Só assim para responder essa pergunta. As variáveis são inúmeras. Depende do ambiente em qual você trafega e, principalmente, do seu estilo de guiar. Eu não resido em grandes centros, o que não quer dizer que não enfrento engarrafamento. Para o meu estilo de tocar, com método carga, sem economizar em trocas de marcha na cidade, o dualogic esteve longe de ser satisfatório. Gosto do carro solto, e de trocas de marcha rápidas. Definitivamente o dualogic, mesmo o plus, não se adapta ao meu estilo de dirigir. Quase sempre espero mais do que o câmbio entrega, e isso é frustrante para mim. As trocas ascendentes até que fazem seu papel na estrada (ainda assim mais lentas se comparadas à um automático epicíclico ou um bom manual convencional). No anda e pára típico de marginais, creio que o dualogic também se sustente numa boa. Mas se você gosta de guiar com um ânimo a mais, de uma maneira mais autoentusiasta, mesmo que seja no trânsito, o dualogic vai te frustrar bastante. As trocas são invariavelmente mais lentas que os outros tipos de câmbio e alguns comandos de redução são simplesmente ignorados. Sabe aquela curva de média que você vai se aproximando com vontade, reduz marcha esperando a transferência de peso para a frente apontar e a traseira acompanhar? Vais perder o ponto! kkkk. O câmbio simplesmente ignora o seu comando, e vai engatar a marcha que você buscava só no meio da tangência. Pode parecer conversa de pista, mas não é. O câmbio realmente joga contra qualquer tentativa de tocada mais alegre. Nada contra em um Uno, Idea e afins… Mas um Punto, um Bravo, submetidos à essa castração química; acho lamentável. São carros que mereciam um automático convencional. Chegar a um cruzamento com segunda engatada, a preferencial é sua, reduz velocidade por haver uma valeta ou para certificar-se de que não vem ninguém em perpendicular… Se precisar pisar rápido para transpor o cruzamento e o câmbio decidir que é melhor engatar uma primeira… Aí é tenso. De verdade. Os segundos perdidos são preciosos nessa situação. Às vezes você fica exposto lateralmente, esperando uma reação do câmbio. Isso é bem errado na minha opinião.
      O fato é que esses automatizados de embreagem simples que equipam nossos carros de entrada, foram concebidos para serem uma alternativa barata ao automático convencional e uma ferramente de auxílio urbano a carros citadinos. O problema é que não são realmente mais baratos (em nosso país), equipam carros que não mereciam ter esse tipo de câmbio e ainda implica que o condutor faça concessões ao seu modo natural (ou prazeroso) de guiar. O carro é que deveria se adaptar à forma de condução do operador, não o contrário.
      Resumindo, nada contra aos dualogic, easyR ou imotion. Eles terão imensa serventia para a grande maioria dos condutores convencionais. Mas se corre alguma gotinha de autoentusiasmo em suas veias… Tenho certeza que depois de andar bastante em um, será carta fora do baralho. Só experimentando.

    • Joel Oliveira

      Ja dirigi o Punto Sporting Dualogic em 2015. Não é pessoal. É realmente incômodo.

    • MaurícioVSP

      Tive um Siena HLX 2010 com o dualogic. Ainda era uma versão anterior, sem o tal crepping que reduz os trancos e faz com que o carro ande lentamente ao tirar o pé do acelerador como se fosse um automático. Também testei um Punto com este e achei isso muito bom, pois o maior problema do dualogic anterior era isso, ao manobrar, se bobeasse andaria mais rápido do que deveria, principalmente fazer uma baliza numa subida onde teria que acelerar mais. Outro problema era entrar em algum estacionamento cheio de pedregulhos, as rodas giravam em falso mesmo acelerando pouco, chegava a atolar nos pedregulhos se estivesse muito cheio/alto. Sobre os trancos, os dois dão, mas depende de quem usa, eu não sentia, ou melhor, não dava trancos pelo simples fato de entender que é um câmbio MANUAL automatizado. Não é um automático com conversor de torque, então se você acelerar e deixar o pé lá, ele vai mudar de marcha como se você fizesse isso num câmbio manual sem tirar o pé do acelerador. O correto é acelerar leve que ele troca leve e, ao se acostumar com a mudança de marcha, ao sentir que ele vai mudar, aliviar o pé do acelerador e pronto! Como se faz no câmbio manual. Mas se meter o pé até o fim pra ele andar rápido, com certeza vai sentir o tranco.

  • Luís Paulo

    meu Deus, os números das marchas na manopla do câmbio parecem que foram feitos com canivete tamanha a quantidade de rebarbas!!!!!

    • Pablo Moreira

      kkkkkkkkkkkk eu pensei que era um “6” mal feito pra indicar sexta marcha, mas ampliei a foto e vi que era um “R” de ré bem tosco.

    • Murilo Soares de O. Filho

      não força vai….

    • Rodrigo

      Rapaz… especialista de internet é Flórida…
      Vê rebarba até em vidro!

  • Mr. Car

    O teste bateu com aquilo que eu imaginava: este motor 1.3 seria bem interessante quando em conjunto com o câmbio manual.

  • Austin&Katya

    O Uno Sporting tem um jogo de rodas lindas que na minha opinião não combina muito com o carro…

  • The Monster Man

    Quero uma Strada com este 1.3…

    • pedro rt

      chega ano q vem como linha 2018

    • automotivo

      … com preço de PJ. ..

  • esse 1.3 parece bem interessante
    engraçado que no configurador essas cores azul e verde não aparecem, tem os sólitos 50 tons de cinza, branco e vermelho

  • CÁSSIO

    curiosa esta avaliação , fiquei na expectativa de um Mobi Sporting 1.3 este sim por ter carroceria leve teria um bom desempenho mas estes motores são bem espertinhos com um bom custo benefício me refiro a manutenção pois tem uma construção robusta com todo o conjunto em alumínio a corrente no lugar da correia vai ser uma pedra no sapato das concorrentes …….parabéns pelo novo visual do site ! ! !

  • Gustavo75

    Acho que para o Uno “Sporting” ostentar a letra R na lateral, lembrando o saudoso Uno 1.6R, ele teria que ser equipado com o motor 1.6 16V e torq, 1.0 turbo ou 1.3 turbo. Lamentável! Bons tempos. Pelo menos temos o Sandero RS.

    • Leônidas Salazar

      Este Uno Sporting deve andar melhor do que o último “R”(Palio 1.8 R), a versão Way que é mais pesada, mais alta, e calça pneus de uso misto, fez o 0-100 em 10,8 s no teste da revista Auto esporte, então podemos esperar algo em torno de 9,8 s da versão Sporting 1.3 manual.

      • Gustavo75

        Olá Leônidas; estamos falando de Uno e não de Palio. Felizmente o Uno viveu em uma época áurea da Fiat. Ele recebeu atenção que o Palio nunca recebeu. Não sei qual era a sua idade em 1994, quando a fiat lançou o Uno 1.6R MPI (92cv), era um carro desejado, inclusive por mim, com os meus 19 anos de idade, e era um motor exclusivo da versão R, não como é hoje, que até a Way vem com o mesmo motor. Nos dias de hoje, para o Uno 1.3R ter o mesmo significado, poder de sedução e importância do 1.6R, ele teria sim que ser equipado com um motor mais forte, o ideal seria o 1.6 16V e-torq. Lembrando que no mesmo ano a Fiat lançou um sonho (pra mim), o Uno 1.4turbo ie. Para substituir esse, nos dias de hoje, apenas um Uno com motor 1.3 turbo GSE. Abraço.

    • Zoran Borut

      Isso é relativo, pense que outras marcas como Audi e BMW não equipam as versões esportivas de seus compactos com o motor mais potente que houver na marca, reservando-o para linhas superiores. A Fiat faz o mesmo, embora saibamos que por ser marca generalista e brasileira só temos a estética esportiva.

      • Gustavo75

        Olá Zoran; Felizmente o Uno viveu em uma época áurea da Fiat. Não sei qual era a sua idade em 1994, quando a fiat lançou o Uno 1.6R MPI (92cv), era um carro desejado, inclusive por mim, com os meus 19 anos de idade, e era um motor exclusivo da versão R, não como é hoje, que até a Way vem com o mesmo motor. Nos dias de hoje, para o Uno R ter o mesmo significado, poder de sedução e importância do 1.6R, ele teria sim que ser equipado com um motor mais forte, o ideal seria o 1.6 16V e-torq. Lembrando que no mesmo ano a Fiat lançou um sonho (pra mim), o Uno 1.4turbo ie. Para substituir esse, nos dias de hoje, apenas um Uno com motor 1.3 turbo GSE. Abraço.

        • Zoran Borut

          Eu lembro do lançamento do Uno 1.5R no fim dos anos 80, que depois virou 1.6R e posteriormente o famoso 1.6R MPI.

          Mas depois, bem mais recente história, a Fiat usou o R no Palio 1.8, motor do HLX, e também lançou as versões Sporting que eram apenas diferenciação estética (e quando muito em suspensão) dos modelos “comuns”.

          Desde Tempra e Uno Turbo, as versões “legitimamente” esportivas da Fiat passaram a ser as Turbo (depois T-Jet) e mais recentemente as Abarth – que cá entre nós, significa menos para os brasileiros mais velhos do que o R gigante após a cilindrada com tampa traseira preta.

          • Gustavo75

            Bom, não sei se com os meus 41 anos posso me considerar um brasileiro velho, mas sei da importância da divisão abarth. Os carros da abarth são para pouquíssimos no brasil. Temos o Fiat 500 abarth, figura raríssima nas ruas, principalmente por ser um carro muito caro. Meus comentários acima se limitam em modelos mais dentro das possibilidades de uma parcela maior de brasileiros. Tanto é que nem considero o punto tjet pelo seu alto preço. Me refiro a carros realmente modificados com bom custo benefício, como sandero rs, o único representante da classe hoje. Você me fez lembrar de um carro que tive, palio 1.8 hlx. Não me deixou saudades. Ficava devendo motor e torque, que teoricamente não era pra dever, mas foi essa experiência que ele me deixou.

    • Luciano Lopes

      Exat

    • Luciano Lopes

      Exato. Sempre digo que O sandero RS 2.0 por 59mil esta otimo, pois fiz o test drive em um e tornou meu objetivo. O carro e demais ! Mas o conjunto desse Sporting, se comparar com Onix LTZ , ele e mais completo, espaco interno parecido, anda mais, gasta menos, mais completo por 5 mil a menos. Fiat ta sabendo o que faz. P.s. Tenho um Sporting em casa, com 230.000km, so faltava motor, o carro e mto bom. Segue foto ds 200.000km

      • Gustavo75

        Olá Luciano Lopes; também prefiro o Uno Sporting 1.3 do que o Onix LTZ, sem dúvidas. Cara! seu carro está com 230 mil kms? manutenção básica ou já te deu algum problema sério? Você fala com bastante conhecimento de causa hehe. Não me imagino ficando com um carro até essa kilometragem kkk.

  • Eduardo

    O 1.4 da Fiat sempre foi sofrível. Tive um Punto 2009 ELX. Carro com uma ótima dinâmica: direção direta, suspensão que aliava conforto e boa estabilidade, mas o motor, uma droga. Não era econômico, áspero no funcionamento e o carro não era nada ágil. Vendi o carro pois não aguentava mais arrumar a porta (com funilaria e pintura): arrombada por ladrões 3 vezes. Nem animei com os novos motores.

    • Lucas086

      O 1.4 EVO desenvolve bem no punto, e até tem certa folga no Uno.

      • pedro rt

        nao msm, eu tenho um punto 1.4 2014 e o carro anda igual esses 1.0 3 cilindros aspirado…

        • Lucas086

          Em casa tem um 1.4 Italia 2015. O punto é pesado, mas acho o desempenho dele até compatível. Eu tenho um uno 1.4 2015 que anda mais, mas o punto naodeixa muito a desejar não.

  • Reginaldo Ferreira Campos

    Não gostei dessa economia em tecnologia com cara de inovação nos novos motores da FIAT. Essa versão Sportingvada do Uno merecia um propulsor do mesmo quilate que um TSi para resgatar o velha botinha turbo.

    • CharlesAle

      Pessoas t a padas como você não compreendem mesmo

      • automotivo

        Talvez seja só ignorância mesmo…

    • automotivo

      Tem uma reportagem bem legal sobre esse motor aqui mesmo na NA. Leia, releia, observe atentamente os números de performance e economia e verá que ele não deverá muito ao motor mpi , e o tsi da vw. Que são bons mas….mesmo assim as pessoas não compram… Por que será?

  • Lucas086

    Esse 1.3 ficou muito bom, esperando para andar nesse carrinho.

  • Franklin Diego

    Uma coisa engraçada nesse carro é o apoio para o ocupante do meio no banco de trás.. Mal cabe 2 pessoas ali kkkkk

  • pgoytaca

    Achei muito alto o giro a 110km/h, 3000 rpm com o motor 1.3. Esse giro e bem parecido com o do antigo ka 1.0 que é beberrão. O etios automático mesmo com apenas 4 marchas mantém essa velocidade com 2500 rpm.

    • automotivo

      Ja viu os números que esses motores alcançaram?

    • T1000

      os números de consumo estão aí.
      não entendi a problemática dos 3mil giros.

      • pgoytaca

        Vi que o consumo aferido dele é muito bom. Me causa espanto como ele é econômico na estrada mesmo com o giro alto, comparando aos carros que dirijo sempre. Qualquer hora vou tentar achar e ler como é feito o teste do inmetro. Essa velocidade, 110km/h costuma ser a que eu mantenho o carro na estrada, acima dela tanto faz o consumo, já abaixo não seria uma boa referência, considerando meu modo de direção.

  • Jackson A

    Não tem um misero cambio AT de verdade, mais uma vergonha.

  • pedro rt

    a melhor opcao da linha UNO e agora o sporting 1.3 manual, olhei hj de tarde a ficha tecnica dele e anda mais q o etios hatch 1.5 manual por incrível q pareça!

  • Douglas

    Completamente absurdo o aumento de preço, e o curioso é que o Uno Sporting custa R$49.340, enquanto que o Palio Sporting custa R$53.410.
    Se isso não for lucro abusivo não sei o que é, o imposto continua o mesmo e o preço subiu absurdos.

    • invalid_pilot

      Sendo que o Palio é 1.6 16v e o Uno 1.3

  • jkpops

    Esse nosso país é uma miséria mesmo em termos culturais,econômicos e automobilístico. O que chega aqui agora já está presente há decádas lá fora, e nem tão fora assim os carros populares na Argentina e no Uruguay por exemplo são bem mais seguros e equipados que os nossos e mais baratos.. e são os mesmos modelo Gol palio uno fiesta etc só que vem completos com cambio AT coisa que não existe em popular nesse nosso paisinho.

  • Rodrigo

    R$60 mil em um Uno… Ainda não consegui superar isso.

    • IBoost

      E pensar que a 3 anos atrás se comprava um Cruze com esse valor.

      Quanto ao câmbio dualogic a minha percepção é que falta um pouco de informação a respeito do funcionamento. O mesmo acontece com os câmbios de dupla embreagem que tem um funcionamento diferente em relação ao automático epiciclico.

      Sabendo usar se evita muito dos trancos.

  • Andre Henrique Melo

    Imagina esse 1.3 no Mobi. Vamos ver nos próximos modelos onde este motor vai entrar.Palio deve ser ano que vem.

  • Licergico

    resumindo:
    o motor é só suficiente;
    quando liga da um tranco;
    é lento na saída;
    top estão pedindo 59k !!!!

  • Rafael Trindade

    A versão sporting é simpática como a anterior, acredito que seja um bom carrinho para deslocamento urbano, nada de longas viagens.

  • Marcelo SR

    Gostei de ver que Sporting mecânico melhorou bastante.



Send this to friend