Ford Evos surge na China como potencial sucessor do Fusion

Ford Evos surge na China como potencial sucessor do Fusion

O Ford Evos surgiu na China como um crossover de porte médio-grande, que não teve o tamanho revelado. Com provavelmente algo em torno de 4,80 m de comprimento, o novo produto da marca americana dá uma ideia do futuro.


Unindo elementos de cupê, crossover e perua, o Ford Evos deverá servir como um sucessor do Fusion/Mondeo também fora da China, embora tenha sido lançado lá inicialmente.

Ford Evos surge na China como potencial sucessor do Fusion

Com potencial global, o Evos deverá ser exportado ou feito na América do Norte, só não se sabe onde. Na Europa, a produção poderia dar-se em Valência, na Espanha, permitindo assim o envio para os states, uma vez que a relação EUA-China pode deteriorar o comércio entre os dois países.

Mas, a Ford já se adiantou sobre o Mondeo, dizendo que ele não terá sucessor, sugerindo que o Evos não irá ao mercado europeu ou não terá nenhuma relação de posicionamento com o atual modelo europeu.

Ford Evos surge na China como potencial sucessor do Fusion

O Ford Evos tem um visual bem expressivo com linhas que se assemelham muito ao do Ford Equator, o SUV de sete lugares que a marca produz na China.

Os faróis full LED são diminutos e ficam em molduras elevadas mais abaixo das luzes diurnas em forma de gancho. A grade octogonal tem elementos hexagonais, sendo que três deles são pintados de laranja.

Ford Evos surge na China como potencial sucessor do Fusion

Nas imagens, a traseira não foi revelada, mas o Ford Evos tem o painel mostrado, tendo este uma tela enorme de 43 polegadas com cluster, navegação e entretenimento bem distribuídos. Na China, a moda agora é ter “monitores de TV” nos SUVs.

O túnel elevado tem botão de marchas e elemento vazado, enquanto o restante do habitáculo é bem minimalista. Já na parte mecânica, o conjunto é híbrido plug-in, mas a Ford não revelou o que se esconde sob o capô. No antigo Fusion PHEV, usava-se um Duratec 2.0 Atkinson com motor elétrico. Virá da China? Provavelmente não.

 

 

Ricardo de Oliveira
Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

Deixe um comentário