Ford: há um ano, montadora americana deixava produção no Brasil

Ford: há um ano, montadora americana deixava produção no Brasil

11 de janeiro de 2021. Nesse dia, uma segunda-feira, o mercado automotivo brasileiro foi impactado por uma decisão que pegou todos de surpresa, a saída da Ford da produção nacional após mais de um século de atividades industriais no país…

Com “vantagem” de cinco minutos sobre a imprensa automotiva, os famosos “distribuidores” da Ford não sabiam o que fazer e, instantes depois, nem os clientes da marca.

Presente no Brasil desde 1919, o oval azul “fechou” as portas num movimento que decepcionou os que pensaram “forte” na “raça” de uma marca que esteve sempre em sintonia com as mudanças do país.

Ford: há um ano, montadora americana deixava produção no Brasil

De imediato, sucumbiram Ka, Ka Sedan e EcoSport, na moderna e enorme fábrica de Camaçari, que de uma hora para outra viu seus 4 mil funcionários não saberem o que aconteceria no dia seguinte.

Em Taubaté, a longeva fábrica que um dia foi da Willys Overland do Brasil, também fechou com mais gente, deixando de fazer motores. Então, a notícia bateu em Horizonte com ar de esperança em meio ao caos: a venda da Troller.

A promessa parecia de continuidade, mas após negociações que fizeram perder tempo interessados, empregados e governo cearense, fechou-se a fábrica, acabou-se a marca. T4 teve sobrevida de meses, mas a sentença foi cumprida, morreu.

Ford: há um ano, montadora americana deixava produção no Brasil

Já tendo encerrado em processo semelhante, a histórica fábrica de Taboão — também originária da Willys — virou pátio de contêineres e os que lá trabalhavam, ou seguiram outro rumo, ou mudaram-se para uma sede de “importadora” num bairro chique de São Paulo.

Assim, de uma hora para outra, a Ford encerrou um processo que se arrastava por anos, um prejuízo de mais de R$ 60 bilhões em uma década.

Ford: há um ano, montadora americana deixava produção no Brasil

Da mesma forma, nessa mudança radical, decidiu-se por um portfólio de importadora e amenizou o mercado com lançamentos que já eram esperados, porém, não mais com o mesmo entusiasmo.

Saiu de volume para atender um segmento premium. Da rede, menos da metade. Dos clientes, o desespero inicial de vender seus carros temendo uma maxidesvalorização, todavia, não contavam com a alta geral da Fipe devido à crise dos chips, valorizaram.

A Ford decidiu se reinventar no Brasil, mas de forma tão abrupta que minou a confiança de muitos consumidores.

Agora, vem do Uruguai e da Argentina para abastecer o mercado nacional, tão necessitado de seus produtos em uma escassez de carros novos, que não olhará para trás.

Você foi afetado pela “saída” da Ford? Comente.

 

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações.