EUA Finanças Ford México Mercado Montadoras/Fábricas

Ford: mexicano que vendeu terreno para fábrica se ressente com saída da empresa

ford-mexico-3 Ford: mexicano que vendeu terreno para fábrica se ressente com saída da empresa

Jose Puebla Ortiz tinha um enorme terreno em San Luis de Potosí, região desértica ao norte do México. Então, veio a Ford e comprou a área para ser construída uma enorme fábrica, cujo investimento chegaria a US$ 1,6 bilhão. O valor chamou a atenção de muita gente e revelava duas coisas importantes.



A primeira era a busca da Ford pelo aumento da produção de carros pequenos no país vizinho, objetivando reduzir custos com automóveis que naturalmente são menos rentáveis que picapes e utilitários esportivos, que assim podiam ser feitos nos EUA, onde a mão de obra é muito mais cara que no país latino, mas que pode ser absorvida pelo maior valor agregado destes produtos. Ainda tem o fator das baixas vendas do segmento dentro de casa, dada a preferência do consumidor por picapes e SUVs, motivados pela gasolina barata.

A segunda era que o México mais uma vez levava um grande investimento para o setor automotivo, fato quase que rotineiro nos últimos anos, bem diferente dos EUA, onde fábricas são fechadas e funcionários dispensados. Diante disso, a postura da montadora foi duramente criticada por Donald Trump, candidato à presidência, que prometeu mudar a situação. Após eleito, o projeto de San Luis de Potosí rapidamente mudou de rumo.

ford-mexico-2 Ford: mexicano que vendeu terreno para fábrica se ressente com saída da empresa

Puebla Ortiz, que comprou um caminhão para futuramente trabalhar para a Ford na fábrica, viu seus planos virarem areia após a decisão da montadora de cancelar o projeto e sair do local. Diante dessa situação, Jose se ressente pela decisão da empresa e agora não sabe o que o futuro reserva. Desde que a marca foi embora, o mexicano não consegue encontrar um emprego com bom salário. Na mesma situação, encontram-se outros que trabalharam nas fundações da planta, que virou um esqueleto abandonado no deserto.

Para o México como um todo, a saída da Ford representou apenas o fim da esperança de muitos da região de San Luis de Potosí, mas não o de sua indústria automotiva, que nos últimos anos acumulou tantas fábricas e empregos que, já existe disputa por mão de obra qualificada, uma guerra por vagas que acabou por elevar os rendimentos daqueles que têm experiência no setor, assediados devido ao lento progresso na qualificação profissional em um país onde o trabalho informal é dominante.

Depois da Ford, Trump mira o fim do Nafta ou pelo menos uma alteração profunda que beneficie os EUA, pois também o Canadá produz automóveis que vão para as concessionárias americanas. O objetivo é elevar o emprego no país, promessa de campanha que o presidente quer manter a qualquer custo. O maior alvo dessa política é o vizinho do sul, mas o setor automotivo mexicano lembra que o presidente americano está desinformado sobre o acordo de livre comércio e o ritmo da indústria automobilística na região.

ford-mexico-1 Ford: mexicano que vendeu terreno para fábrica se ressente com saída da empresa

A AMIA, associação dos fabricantes de veículos no México, lembra que taxar produtos do país latino é o mesmo que barrar os próprios dos americanos, já que peças, componentes, veículos e matéria-prima cruzam a fronteira pelo menos oito vezes dentro do processo industrial. O vai e vem pelo Rio Grande é devido ao fato de o México não montar apenas veículos, assim como faz os EUA. A troca é necessária por conta dos custos, a fim de manter um equilíbrio saudável nas operações automotivas.

Com isso, analistas mexicanos estão mais confiantes que Jose Ortiz, pois a manutenção do Nafta é vital para o equilíbrio da indústria americana que, devido aos custos mais altos, não pode se dar ao luxo de fazer tudo sozinha. Como bem lembrou o site Jalopnik, em artigo recente, um mercado protecionista pode gerar alguns dos piores carros do mundo, já que não há concorrência externa para melhora-los. A certa tranquilidade latina se baseia no equilíbrio de poder institucional que existe nos EUA, onde o presidente não tem todo o poder para tomar decisões cruciais do país.

Essa semana, Trump disparou contra a Alemanha, criticando o país por praticar políticas injustas no comércio com os EUA e prometeu rever as importações germânicas. Ele quer taxar em 35% a entrada de carros alemães. Anteriormente, criticou os japoneses pelo mesmo motivo. Assim como o México, o país europeu desenvolveu sua indústria para exportação, tendo gerado um superávit de € 253 bilhões em 2016. FMI e a França criticaram. Só com os EUA, a Alemanha obteve € 64 bilhões a seu favor somente no ano passado.

ford-mexico Ford: mexicano que vendeu terreno para fábrica se ressente com saída da empresa

E o México? Mesmo com 77% de seus carros exportados, enviados diretamente para os EUA, o país latino tem acordos comerciais com 45 países. Sua indústria já está em nível mundial, pois abastece o exigente mercado americano. No caso da Ford, a empresa decidiu buscar uma oportunidade melhor em seu país de origem, apoiada por Trump, mas com investimento menor. A indústria mexicana perdeu uma fábrica, mas provavelmente ganhará outras adiante, ainda mais agora com um interesse chinês pelo deserto.

Falando nela, a China, seus custos de produção já superam em algumas regiões costeiras as do próprio México e também do Brasil. Assim, o país da América do Norte pode se tornar também a base de exportação para os fabricantes chineses – como é para outros players asiáticos – não só em sua busca pela “América”, mas também por posicionamento global. Afinal, a plaqueta “made in México” é bem aceita até na Europa.

Enquanto isso, Jose Puebla Ortiz espera por dias melhores, que podem vir com mais um anúncio de fábrica na região, onde outras fábricas de automóveis já estão estabelecidas.

[Fonte: BBC Brasil/Deustche Welle/Jalopnik]

Leia avaliações, notícias sobre carros e compare modelos em NoticiasAutomotivas.com.br.

  • Coffinator

    Só se ele vendeu o terreno a preço de banana ou gastou tudo na aquisição do caminhão. Se foi isso ele se danou por culpa própria.

    • Pablo Henrique

      Pois é. Não faz sentido algum. Se a área era realmente gigantesca como diz a matéria, ele deve ter ganho um dinheiro suficiente pra investir com força em alguma outra coisa… E não é apenas um caminhão que levaria esse dinheiro embora. Se fosse uma frota, ao menos…

    • Junoba

      Na verdade ele deve ter vendido a um preço bem mais alto, porque a fábrica já tinha decidido fabricar por ali.

    • ####Carlao GTS

      Deu foi sorte.

  • Ricardo Blume

    1999. Foi quando a Ford desistiu de se instalar em Guaíba/RS e montou sua nova planta em Camaçari/BA (onde hoje é fabricado o Ka e o Ecosport). Questões políticas, claro, deixaram os gaúchos a ver navios e, segundo o governo, os planos de ficar no RS eram quase certos. Incentivos fiscais, doação do terreno e até beijinho na boca fora prometido mas não teve jeito. Ano passado, a Ford foi obrigada a pagar uma dívida de mais de R$ 200 milhões ao Estado do RS encerrando assim uma grande briga judicial. Cria-se uma expectativa tão grande ao anunciar uma nova planta (e eles sabem) sem tamanho e a classe política fica eufórica na ânsia de ganhar os méritos pela conquista, para que possam usar de exemplo de “competência e trabalho sério” diante do povo. Enfim, pura politicagem.

    • CharlesAle

      Era certo já, já estavam fazendo até a terraplenagem..Mas o gov. à epoca(Olivio Dutra, PT) arrumou uma quizumba tão desgraçãda com a Ford, que ela desistiu e aceitou a vantajosa( e põe vantajosa nisso$$$) oferta do governo Baiano e se instalou por lá.. Aos gaúchos, sobrou a frustração de perder um mega investimento produtivo bastante gerador de empregos..

      • Ricardo Blume

        Muitos dizem que faltou força política do RS frente a BA em Brasília. Talvez nunca saberemos a verdade.

    • Djalma

      Na realidade mais uma herança petista, cujo governador Olívio Dutra se meteu a brincar de socialismo mequetrefe.

  • HENRY ME

    Parece Eua estão dando um tiro no pé.

    • Elfo Safadão.

      Só se for no pé do globalismo.

    • DinhoRoxxx

      Correto estão eles de manter o dinheiro no mesmo país do que mandar pra fora

      • Diogo Augusto

        Essa história de nacionalismo, protecionismo e patriotismo extremo me lembra uma certa coisa…

        • Pedro Henrique

          me lembra até duas kkkk

        • Rafael Lima

          Alguns certos países da America do Sul que quebraram feio

        • Bruno_O

          Patriotismo extremo? Agorar incentivar fabrica no seu proprio pais eh extremo?
          Preferir que brasileiros tenham emprego ao inves de mexicanos, eh extremo?
          Falem oq quiserem do homem, mas nisso ele esta completamente certo. E nao comparem com o Brasil, pois la eh industria eh moderna e altamente competitiva, eles podem se dar ao luxo de incentivar (ou taxar) de acordo com seus criterios, afinal seu mercado automotivo eh gigantesco (sem precisar de auxilios artificiais do governo).

          • Luis Burro

            Nunca fui a favor do lula ou do PT.
            Mas nao acho errado um certo protecionismo,ainda mais qndo eh contra multinacionais,q exploram muito mais q contribuem!
            Elas podem ateh contribuir com investimentos,impostos e empregos,mas se elas se preocupassem tanto com as pessoas de seu pais de origem nao iriam deixar de oferecer tdo isto construindo uma fabrica em outro lugar.
            E ligam tanto pras pessoas do pais de instalacao q nao fecham a fabrica qndo acham q o lucro nao vale mais a pena e trocam pela importacao.

          • CharlesAle

            Sim.. Enquanto o Brasil perde empresas até para o Paraguai, vamos assistindo, tomando cervejinha, vendo futebol e novela da Globo( sim, o futebolzinho também, ninguém é de ferro) Nosso parque industrial cada vez mais se desmantelando, perdendo competitividade e sendo sucateada.. EM poucas palavras, o Brasileiro não está nem ai com a competitividade do País, essa é a verdade..

          • Wagner

            Sim amigo, o incentivo deve ser por baixos impostos, baixo custo de produção e não na caneta como foi o inovar auto e vemos o resultado ai até hoje com carros absurdamente caros e com a maior parte da população sem acesso a um carro novo, nem que seja popular, com certeza os custos de se fabricar no mexico eram abaixo dos de se fabricar nos EUA, senao a ford teria optado pelos EUA primeiramente.

        • 1 Raul

          Me lembra 9 dedos.

          • Diogo Augusto

            Me lembra uma barbichinha

        • Leonardo Vitor Alexandre

          Imagino que não seja disso que está falando, mas me isso me lembra um certo ditador muito conhecido aqui no Brasil: Getúlio Vargas;

          • Diogo Augusto

            E eu também lembro de um ditador muito conhecido no mundo: Adolf Hitler…

            • Leonardo Vitor Alexandre

              A diferença é que Getúlio era louco, homem de várias personalidades, apesar de não querer destruir todo mundo como Adolf. Mas Hitler, por outro lado, era frio e calculista, apesar de sua uma ideologia extremamente perigosa e maquiavélica. Para quem leu biografias dessas duas icônicas figuras (ou muitos trechos delas, como eu fiz) isso fica claro.

      • Pedro Henrique

        isso, faz mais, porque o ser humano que nasceu da linha imaginária pra cá é melhor do que oque nasceu da linha imaginaria pra lá…

      • G.Alonso

        Deu certinho com Inovar Auto por aqui, né?

  • Evandro

    Me desculpem, mas se o cara vende um terreno desse tamanho, deve ter recebido muito bem, e agora fala de emprego? Esquisito…

    • ricmoriah

      então, é o que fala a fonte.

    • afonso200

      Provavel gastou com pprcarias

    • invalid_pilot

      Exatamente, muito mal contada a história

    • Licergico

      o texto ta confuso …(escrevi la em cima / ou em baixo … )
      o cara vendeu um terreno …
      depois comprou um caminhão pra trabalhar pra Ford… (?!)
      e agora não vê futuro e tem medo de não conseguir um emprego (!!!???)

      • Evandro

        exatamente

    • FearWRX

      Foi o que a maioria aqui deve ter pensado. Aparentemente, péssimo planejamento pessoal do mesmo.

  • duhehe

    “Como bem lembrou o site Jalopnik, em artigo recente, um mercado protecionista pode gerar alguns dos piores carros do mundo”
    Somos testemunhas vivas disso.

    • Pior que aqui não é de hoje, desde a Era Militar, não, desde a Era JK, não, desde a Era Getulio, não, desde a Era de D. Pedro II, não, desde a epoca dos portugueses heheh ou seja, nunca tivemos um livre mercado real (talvez uma amostra na Era Collor), e é provavel que nunca teremos.

      • duhehe

        Nunca tivemos, quando a barreira não era tão alta, a moeda era fraca e a renda do povo pifia, quando a moeda ficou um pouco melhor e a renda melhorou, entrou um governo socialista que tratou de implantar muros fiscais.
        É uma ciranda de perrengues.

    • Bruno_O

      Nao compare EUA com Br amigo. A industria deles eh moderna, competitiva, e eles tem mercado consumidor gigantesco, com poder de compra fortissimo (e nao ficticio como aconteceu aqui). Eles podem se dar ao luxo de taxar/incentivar como quiserem, assim como a China, afinal sao os maiores mercados consumidores do mundo.

      • duhehe

        To longe de comparar, até pq é impossível, povos completamente distintos construíram realidades distintas.
        Alias nosso governo e empresas também acreditam fielmente que pode fazer oq quiser, regular como quiser que as pessoas vão comprar mesmo assim ( uma parcela vai, mas não todo mundo), e a realidade se mostrou bem diferente.

      • Miguel

        Eu quero ver a hora que a Europa taxar os carros americanos, o Japão e todos os outros países. As grandes americanas vão se entupir de carros dentro das fábricas porque o mercado americano não vai dar conta da demanda mundial!
        Protecionismo não é bom pra ninguém, até porque os exportadores dos EUA não estão numa ilha…

        • Ernesto

          Mas quantos automóveis os EUA exportam para Europa, Japão e outros países?

    • CharlesAle

      OK..Mas ele não está restringindo a competitividade, que continuará enorme.. Só que com uma maior manufatura de produtos dentro do País..Na minha visão, ele não está errado. Por mais rico que um país seja, as suas massas precisam de empregos…

  • Don Ramón

    A “indústria mexicana” não é mexicana de fato. Comparar os casos da “indústria mexicana” com a japonesa é sacanagem.

  • Luis Burro

    Ngm mandou ele contar com o ovo no cu da galinha!Totalmente pretensioso.

  • ToyotaHondaSony

    ficou no prejuizo

  • Roger Bersch

    Engraçado é que a esquerda crítica o Trump, e a atitude dele foi o que a esquerda fez recentemente, barrou importados e taxou, criam barreiras fiscais, como o IPI de 30%, aumento de IOF em 200%.

    • MMM

      Engraçado é achar q economia tem a ver com ideologia.

      • Roger Bersch

        Não, não tem. Marx que o diga. Cada ideologia, seja ela socialista, capitalista ou liberalista, tem sua visão de economia. Do quanto o estado se envolve, do poder que ele detém sobre a economia de um país.

        • MMM

          Esse é meu ponto. O Trump, que nada tem de esquerda, quer fazer exatamente o que a esquerda fez no Brasil. Que foi o mesmo que os militares fizeram no passado.

          Ser economicamente idiota independe da ideologia.

          • Miguel

            O modelo capitalista é cruel às vezes, mas é o melhor que temos hoje. O que ele precisa ser é sempre melhorado.
            Caras como o Trump vem achando que conseguem reinventar a roda, e assim como nos exemplos que tivemos aqui no Brasil, pode sair muito caro para o país deles.

  • arzanette

    historia pra boi dormir …..

  • ####Carlao GTS

    Engraçado é ver que : todo mundo odeia o “duck ” mas ,ama os EUA … e aí ? Como faz?

  • jkpops

    isso aí não bate pois um camarada vai vender um terreno desse tamanho à que preço? não é possível que ele tenha sido tão idiota pra vender o terreno por um valor irrisório qualquer casa vale o preço de um caminhão … realmente acho que essa matéria não condiz com a verdade pois aqui no brasil com a venda de um terreno de apenas 2,3 mil metros quadrados o dinheiro dá pra viver o resto da vida de boa….

  • Ibrahim Shehata

    O Brasil vai beber do seu próprio veneno, com os mercados grandes fechando seus mercados para importação que nem o Brasileiro está fazendo……….Danou se……..

  • Licergico

    o texto ta confuso …
    o cara vendeu um terreno …
    depois comprou um caminhão pra trabalhar pra Ford… (?!)
    agora não vê futuro e tem medo de não conseguir um emprego (!!!???)

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend