Crossovers Elétricos EUA Ford Lançamentos

Ford Mustang Mach-E inicia eletrificação da marca nos EUA

Ford Mustang Mach-E inicia eletrificação da marca nos EUA

A Ford inicia a eletrificação de seu portfólio com o primeiro modelo 100% elétrico, nascido com um nome clássico, mas pronto para enfrentar o futuro, que será plugado na tomada e não mais no bico da bomba de gasolina, como o pony car tradicional. O Ford Mustang Mach-E também chega no formato da moda.


Já visto antes da hora, o crossover elétrico da marca americana surge com visual expressivo e proposta de performance que permite a ele seguir o esportivo ícone da Ford desde 1964. Com linhas musculosas e logotipo alusivo ao Mustang, o Mach-E também quer ser protagonista na nova ordem do mercado automotivo mundial, liderada pelos SUVs.

Ford Mustang Mach-E inicia eletrificação da marca nos EUA

Com reservas abertas, mediante sinal de US$ 500, o Ford Mustang Mach-E está disponível nos EUA nas versões já conhecidas, no caso Select, Califórnia Route 1, Premium e GT, sendo que as vendas iniciam com a First Edition, que custa US$ 59.900. Nas demais, os preços vão de US$ 43.895 a US$ 60.500.


A Ford não revelou o porte do Mach-E, mas aparentemente ele parece ter porte um pouco maior que o Escape, tendo 821 litros no porta-malas (1.6588 litros com o banco traseiro rebatido) e mais 136 litros no bagageiro dianteiro. Além disso, pode levar cinco pessoas.

Ford Mustang Mach-E inicia eletrificação da marca nos EUA

Por fora, faróis e lanternas triplos em LED com rodas aros de 18 a 20 polegadas, tendo ainda opção de teto panorâmico. No interior, o Ford Mustang Mach-E tem cluster digital com tela 10,25 polegadas e multimídia SYNC 4 com tela vertical de 15,5 polegadas, que tem botão de partida digital, gerenciamento de energia e conectividade ampliada.

Com plataforma dotada de baterias de lítio planas, o Ford Mustang Mach-E tem 75,3 kWh nas versões Select e Califórnia Route 1 com tração traseira, onde o motor elétrico nesse eixo tem 286 cavalos e 41,7 kgfm. Já na tração integral, o Mach-E 4 tem 338 cavalos, sendo 102 cavalos no motor dianteiro. O torque combinado chega a 57,4 kgfm.

Ford Mustang Mach-E inicia eletrificação da marca nos EUA

Nessas configurações, a autonomia é de 483 km e 435 km, respectivamente. Este último para a First Edition e Premium. No caso do Ford Mustang Mach-E GT, os dois motores entregam 465 cavalos e 84,3 kgfm. Nesse caso, as baterias de lítio possuem 98,8 kWh e garantem alcance de 378 km.

De 0 a 100 km/h, o Ford Mustang Mach-E vai de 6 segundos nas versões RWD, 5 segundos nas AWD e 4/3 segundos na GT/GT Performance Edition. No mais importante, que é a forma de carregamento, o crossover dispõe de cabo interno que permite adicionar 51 km a cada hora numa tomada doméstica de 240V. Num carregador DC de 150 kW, o Mach-E pode ter até 80% da carga reposta em apenas 38 minutos.

Ford Mustang Mach-E 2021 – Galeria de fotos

Ford Mustang Mach-E inicia eletrificação da marca nos EUA
Nota média 4.5 de 2 votos

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Wilson Bernardes

    Meu Deus, que tela ridícula no painel.

  • Wilson Bernardes

    Meu Deus, que coisa ridícula essa tela parecendo um tablet de Itu no painel!

    • leitor

      Essa ainda foi a melhor parte.

    • vicegag

      Para min, trocaram o tradicional Tablet de Itu, por um BlackBerry da mesma cidade.

  • Robinho

    na minha opinião um dos SUVs mais belo, com exceção desta TV no meio do painel

  • Victor Freire

    o fim de uma era, o início de outra.

  • Felipe Kai

    pouco autonomia com baterias de 100kWh,tá certo isso?No meu Tesla 75kWh eu já consegui fazer 400 kilômetros

  • leitor

    Que saudade dos modelos antigos! Lá se foi o Eclipse e agora o Mustang pra ser SUV. Quem será o próximo? Charger? Camaro? Corvete?

    • Piston head

      Era só chamar de Mach-E. Ford Mach-E, simples. Mas não, eles foram vorazes em usufruir do nome Mustang (Que é mais uma marca) nessa coisa. Se pelo menos fosse bonito, nem isso.

  • Gostei não.

  • Éder Sibilin

    Traseiro ficou esquisita.. frente ficou bonita. Tablet interno duvidoso, mas moderno.

  • João Carlos Ribeiro Previdi

    4 portas num esportivo?

  • Fernando Bento Chaves Santana

    É interessante, mas não propriamente bonito. Está mais para Focus do que para Mustang e por isto deveria chamar-se apenas Match-E

  • Fernando Bento Chaves Santana

    Sem maçanetas visíveis.

    • Julio Alvarez

      Pelo que li tem um sensor de presença perto da coluna. Aguardando vídeos pra ver como funciona.

      • TchauQueridos

        Deve ser igual da Tesla e RR.

    • Luconces

      Tem vídeo no YT existe uma alça estranha na base da coluna B, com o app tem sensor de aproximação. Caso acabe a bateria tem os pads na coluna. Eu quero ver como abre a porta traseira.

  • G. de F.

    A Ford não anda muito bem das pernas em diversos mercados, correto? Será que lançando um tablet gigante que vem com um carro como acessório, e se utilizando do nome de um ícone, como é o Mustang, seria a sua salvação? Eu, sinceramente, não apostaria minhas fichas nisso…

  • TchauQueridos

    Agora todo SUV vai ser lançado com o nome de um esportivo de sucesso?
    Mustang, Eclipse…

  • Piston head

    Não faço o tipo saudosista implacável, mas achei uma pu%$& falta de consideração com o nome Mustang. Lamentável

  • RicardoVW

    Mustang SUV e elétrico! Essa heresia era óbvia, mas achei que demoraria um pouco mais.

  • leomix leo

    Que desgraça, quem aí da for abastado de dinheiro, que compre seu V8, pois a coisa só vai piorar.

  • Mauricio

    Demoraram, porém conseguiram problematizar o Mustang e transformar nisso daí…

  • Wolfpack

    A próxima onda dos ecobobos será a guerra ao lixo eletrônico. Em um automóvel a coisa mais importante de todas é sua disponiblidade no verão no inverno, de dia e de noite, em uma emergência ou no passeio. 38 minutos com criança e família dentro de um carro parado não será fácil para a família americana acostumada a chegar abastecer e ir embora com carros com autonomia para ir de um Estado a outro. Na prática a realiadade será cara e diferente para o americano.

    • Wolfpack

      Reportagem do Habib dono da marca JAC no Brasil é interessante. Ele está trazendo carros elétricos para o Brasil, é interessado em sua venda e promoção, mas afirma que carro elétrico é para uso urbano. E os carros com autonomia de 400 km na realidade serviriam para viagens de no máximo 200km, e elenca várias razões. Ar condicionado ligado reduz em 20% autonomia, pé embaixo reduz ainda mais, e nenhum consumidor irá deixar a carga nas baterias chegar abaixo de 20% de autonomia para reabastecer, e se o camarado estiver algum problema nos postos de abastecimento como filas, se sugeitará a cargas rápidas e isso diminui a vida e autonomia da bateria, logo um carro com autonomia de 400 km na realidade terá 200km reais de autonomia. Os veiculos hibridos também não são a solução pois tem dois motores para manter além de continuarem a emitir CO2. Logo não existe almoço grátis. A neurose européia não deveria ser copiada nos trópicos. Eles querem alguém para ajudá-los a pagar essa aventura. Eu não vou ajudar.

      • th!nk.t4nk

        Neurose européia? Foi a Tesla (americana) que iniciou essa onda dos elétricos. E hoje são os chineses que mais investem nisso, seguidos dos próprios americanos. Os europeus são os conservadores lanterninhas em elétricos, isso sim. Se dependesse deles ainda continuaríamos queimando gasolina e diesel por décadas.

  • Natán Barreto

    Ficou menos pior agora em outras cores. Aos puristas, superem, até Ferrari, Lamborghini e Bentley já se renderam aos SUVs, pq o Mustang não iria pelo mesmo caminho?

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email