Chevrolet Ecologia EUA Governamental/Legal Pickups SUVs

GM: Chevrolet vai manter redução de consumo mesmo com governo americano afrouxando metas

Chevrolet-Suburban-LTZ-Texas-Editio GM: Chevrolet vai manter redução de consumo mesmo com governo americano afrouxando metas

A Chevrolet anunciou nos EUA que, apesar do relaxamento oficial das metas de consumo de combustível nos EUA, vai manter os planos de redução já iniciados após o governo Obama, que decidiu por um consumo médio de 23,2 km/litro para os automóveis entre 2022 e 2025. Como se sabe, imediatamente as montadoras protestaram contra a decisão da administração anterior, mas não adiantou. Porém, tendo que aceitar os fatos, os fabricantes começaram a investir nas novas metas de consumo até que Donald Trump se tornou presidente.



O milionário logo anunciou que relaxaria as metas em favor dos fabricantes, desde que os mesmos retornassem a produção de veículos e a geração de empregos para os americanos. Agora, a nova administração da EPA já anunciou que o afrouxamento da meta de consumo para o período entre 2022 e 2025 ocorrerá. Diante disso, como marca, a Chevrolet anunciou que manterá os programas de redução de consumo já estabelecidos desde Obama.

Chevrolet-Suburban-LTZ-Texas-Editio GM: Chevrolet vai manter redução de consumo mesmo com governo americano afrouxando metas

Em declaração, a Chevrolet – e não a GM como um todo – alegou que havia assumido um compromisso de redução de consumo de combustível e que todos os esforços – incluindo diesel – feitos até o momento vão de encontro ao que a marca deseja para o futuro, citando inclusive o Equinox como exemplo de redução de consumo. Parece estranho tal declaração da marca, quando se sabe que a General Motors foi uma das que mais se empenharam em convencer Trump a relaxar as metas de consumo.



Porém, a GM não trabalhou apenas isso. Para mostrar que o objetivo não é apenas se livrar de metas consideradas agressivas, a montadora buscou apoio para a criação de incentivos na instalação de Start&Stop nos carros, bem como a revisão do cálculo de emissão de CO2 que a EPA aplica sobre a taxação de carros elétricos. Em realidade, a empresa quer mesmo é que o caminho para o carro elétrico não seja interrompido por regulação da EPA.

Assim, ao mesmo tempo em que atira para que as metas sejam revistas, pede também uma compensação para os carros elétricos. A declaração da Chevrolet é o melhor indício disso, pois a GM acredita que essa viagem ao mundo do carro elétrico não terá retorno. Ela foi a primeira montadora a anunciar que seu modelo de negócio irá mudar radicalmente, deixando de servir o cliente individual em favor da concessão de serviços de assinatura e compartilhamento. Ou seja, a produção se dará para atender frotas próprias e particulares em detrimento do consumidor comum.

Chevrolet-Suburban-LTZ-Texas-Editio GM: Chevrolet vai manter redução de consumo mesmo com governo americano afrouxando metas

Isso só será feito com carro elétrico e condução autônoma, duas coisas que a GM gastou bilhões de dólares para colocar em prática. Mas, para se chegar a isso, é necessário que se ganhe dinheiro para financiar essa mudança, que será a maior da história da empresa. Para ganhar esse dinheiro, no entanto, a GM precisa vender picapes e SUVs aos montes e só com o relaxamento das metas, fica mais fácil manter esses dois segmentos rentáveis.

Isso, porém, está matando outros segmentos. Recentemente a GM anunciou que a fábrica de Lordstown, Ohio, vai cortar metade de seus 3.000 empregados, usados na produção do Cruze. O motivo é a queda nas vendas do modelo, que já é pressionado pelas vendas de carros grandes, devido à gasolina barata, crédito fácil e estabilidade econômica. Com a EPA relaxando as metas, conforme indicou um congressista, locais onde se produz carros pequenos enfrentarão o desemprego como consequência, em detrimento das regiões produtoras de picapes.

[Fonte: CarscoopsTTAC]

COMPARTILHAR:
  • Natán Barreto

    Pq qualquer pessoa com o mínimo de bom senso sabe que a próxima administração vai reformar decisões importantes que o doido do Trump tomou.

    • Everson Favaro

      A próxima administração será do próprio Trump, principalmente se ele continuar com o ótimo trabalho que vem desempenhando até o momento.

      • Natán Barreto

        KKKKKKKKKKKKKKKKKKK OK

      • Natán Barreto

        Acho que vc não está ciente q Trump tem a pior aprovação de um presidente americano na história moderna. Pesquisa sobre o primeiro ano de governo dele.

        • Everson Favaro

          Você pode rir à vontade.. e pode até estar certo quanto a ele não conseguir o próximo mandato. Mas eu opinei a respeito justamente porque acompanho o assunto, de forma que não preciso fazer pesquisa nenhuma a respeito.
          Há mais de 03 anos toda a imprensa só fala mal de Trump. Até durante a transmissão da apuração dos votos, mesmo com clara vantagem de Trump, a imprensa e os institutos de pesquisa não admitiam o que estavam vendo. Justamente eles, que vivem pra isso.
          Mas uma coisa é analisar o cenário. Outra bem diferente é fazer torcida. E o cenário é o seguinte:
          Menor desemprego em 20 anos;
          Mercado de ações operando com recordes acima de recordes;
          Crescimento do PIB em níveis muito expressivos, inesperados;
          Confiança do consumidor também as mais altas em quase 2 décadas.
          Pesquisas de aprovação mudam ao sabor do vento.. um mês está de um jeito, outro mês está de outro.
          Mas o “doido” vêm cumprindo todas as promessas que fez, numa porcentagem muito maior que qualquer outro político.
          E se continuar desse jeito.. podem fazer pesquisas fajutas à vontade, como fizeram antes dele ser eleito.
          Vão ir pro brejo de novo.

        • zekinha71

          Mas o cara inventou uma guerra agora, e os gringos piram em explodir os outros, agora a aprovação dispara.

        • sepchampions

          Duvido que o americano não vote no Trump com o mercado tão bom para eles.

    • yurieu

      Qualquer pessoa com bom senso sabe que a próxima admnistração será Trump. Esses brasileiros gurus…

      • Fernando Bueno

        Brasileiros que ficam expeculando governo dos outros ..mas mal sabem decidir o seus…aff…brasillllzao!

  • Francisco Helio

    Gasolina barata, crédito fácil e estabilidade econômica; promessas de Trump para o seu eleitorado.
    Interessante, também, como o capitalismo se regula, a Chevrolet mantém o compromisso de redução de emissões em virtude do alto investimento em carros elétricos/híbridos.

  • Raimundo A.

    Lendo os comentários do Natán e do Francisco, se complementam e há outras coisas em jogo. Motores são compartilhados e há exportações. Motores usados em veículos que vendem mais ou menos, o veículo com pior venda sai, mas o motor fica e este mantendo avanços para aumentar a eficiência, servirá para novos projetos cujas regras podem mudar.

    Pensando nas exportações, ainda que fabricantes consigam fazer motores com ajustes diferentes ou até motores específicos para certos mercados, a depender do produto e mercado, o motor mais eficiente será opção porque as regras onde vai ser comercializado não teriam o afrouxamento que o presidente dos EUA está concedendo. Assim, ou atende a legislação de destino ou deixa de vender e isso é notório quando há produtos de origem americana a venda em países europeus. Se quiser continuar vendendo nestes, vai ter investir em eficiência.

    • Natán Barreto

      Até porque nenhum presidente é maior do que o avanço dos tempos. Eficiência energética não é uma necessidade passageira, é necessidade permanente até pra sobrevivência.
      O Trump sim, é passageiro. Apesar das evidências de que ele não passa do primeiro mandato, mesmo que seja reeleito, a necessidade da eficiência continuará na porta.

      • Everson Favaro

        Interessa a todo fabricante produzir o propulsor mais eficiente possível. Desde sempre foi assim. Vocês acreditam mesmo que todo o time de engenheiros das melhores indústrias do mundo são contratados para fazer motores piores, mais poluentes e menos econômicos, e isso só não aconteceu nesses últimos 8 anos por conta de São Obama? : ))
        A meta de Barack Hussein Obama não tem nada a ver com isso.
        Ele sabia muito bem que é impossível conseguir que caminhonetes imensas carregadas com americanos de 2 metros de altura e largura, sejam ecológicas e potentes.
        Mas, ao impor tal média de eficiência – 23,2km/l – o objetivo é simplesmente forçar o mercado de elétricos e híbridos, para que, na média, os carros vendidos em tal ano atinjam 23,2km/l.
        A chiadeira de todos os fabricantes tradicionais aconteceu porque julgaram não conseguir atender a toda essa demanda tão rápido, já que envolve troca de tecnologia, e gosto do consumidor, que obrigatoriamente deverá comprar e pagar pela ideia. Trump apenas deu tempo à indústria.

  • Schack Bauer

    parabéns à chevy! agora redução deve ser porque a Anfavea de lá age igual à daqui. Alguém duvida?

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email

receber-noticias Notícias por email