Chevrolet Elétricos EUA Finanças Montadoras/Fábricas

GM: Nova família de elétricos pode levar quase US$ 7 bilhões nos EUA

GM: Nova família de elétricos pode levar quase US$ 7 bilhões nos EUA

A GM está negociando com o sindicato UAW para um investimento de US$ 7 bilhões em suas operações nos EUA. De acordo com o site Automotive News, a montadora de Detroit propõe até a reabertura de duas fábricas já fechadas. O objetivo é que a maior parte desse dinheiro vá para a produção de carros elétricos e baterias.


Por trás de um possível acordo trabalhista com a UAW, a General Motors oculta uma nova família de carros elétricos e inclusive também uma picape totalmente energizada. Além disso, há um novo tipo de bateria que a empresa quer produzir nos EUA para dar suporte à produção desses novos automóveis.

Para contornar uma greve, a GM negocia novos investimentos com o sindicato nacional americano e até revelou os planos para gama de carros elétricos que serão feitos em território dos EUA. Serão cinco modelos 100% movidos por energia, sendo que dois deles vão para Cadillac, um para a Buick e dois para Chevrolet.

Nesse último caso, a previsão é de um deles ser o sucessor do Bolt atual. A GM pretende lançar esses cinco carros novos até 2023. Todos eles serão montados sobre uma arquitetura modular e flexível, que sustentará uma nova tecnologia de bateria e sistemas avançados. A Reuters teve acesso a um relatório que indica que a GM lançará de fato uma picape de tamanho grande em 2022.


GM: Nova família de elétricos pode levar quase US$ 7 bilhões nos EUA

Aparentemente, esta picape não faz parte dessa arquitetura acima, pois, aparentemente ela deve chegar com chassi de longarinas, numa concepção semelhante ao da proposta da Ford.

Sobre os locais de produção, a empresa investiria em oito fábricas de quatro estados, mas algumas fontes dizem que os carros elétricos serão feitos em duas no Michigan, com as baterias sendo fabricadas em uma planta de Ohio. Na mesa de negociação, a GM teria aberto a possibilidade de abrir duas fábricas fechadas, sendo uma delas Lordstown, onde era feito o Cruze, e que poderia fabricar as baterias dos carros elétricos.

[Fonte: Auto News]

 

GM: Nova família de elétricos pode levar quase US$ 7 bilhões nos EUA
Nota média 5 de 3 votos

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • th!nk.t4nk

    Pickup totalmente elétrica com body-on-frame? Vai ser mais seguro pras baterias, sem dúvida, mas será também pesado e pouco eficiente. Tomara que a GM tenha conseguido células com alta densidade energética pro offset desse conjunto. Eu preferia que apresentassem algo com estrutura monobloco primeiro, pra uso mais leve (na cidade, onde estão a maior parte dos carregadores públicos).

  • Yuri Lima

    Se colocar um logo Toyota nesse veículo da foto inicial, passa tranquilo por um japonês

  • Chegar ao ponto de ter que negociar com sindicato sobre novos investimentos é o cúmulo.

  • Chegar ao ponto de ter que negociar com sindicato sobre novos investimentos é o cúmulo. Se a empresa tiver prejuízo, o sindicato pagará a conta?

    • João Silva

      Isso é realidade aqui também! A própria GM, a VW, a Ford negociam direto com os sindicatos as decisões de investimento flexibilizando aspectos previstos nas convenções coletivas em troca de continuidade das fábricas por determinado tempo. Faz parte do jogo! Mas com certeza o líder sindical leva o dele, leva e o trabalhador da industria fica sob a proposição inicial da montadora. Não é possível generalizar, mas muitos sindicatos são canceres!

    • syfus

      é a famosa mamata sindicalista que o PT germinou desde sua criação XD

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email