*Featured Avaliações Ford Hatches Volkswagen

Golf e Focus no confronto da modernidade

Golf e Focus no confronto da modernidade

Não faz muito tempo, quem queria comprar um hatchback moderno acabava mesmo optando por um sedã, porque, enquanto Fluence, Jetta, Civic, 408 e Cruze promoviam uma renovação no segmento dos três volumes, os hatches ficavam apenas assistindo, em suas cadeiras de balanço.


Não mais. Aos poucos, com 308 e Cruze, os modelos de dois volumes também começaram a sacudir a poeira e o marasmo na área. Agora, principalmente ao volante do Golf 7 e do Focus 3, já dá até para pensar em ter um hatch sem ser confundido com um colecionador.

Golf e Focus no confronto da modernidade

Mas qual deles? Juntamos as duas maiores novidades do segmento para ver qual é melhor. Golf 1.4 TSI (R$ 67.990) e Focus SE 1.6 (R$ 63.990) fazem um belo mano a mano (ou manual versus manual). Vamos ver no que dá esse pega.


Motor

O 1.6 Sigma do Focus é um dos melhores do segmento. Com bloco de alumínio, 16 válvulas e comandos variáveis na admissão e no escape (TiVCT), rende 135 cv com etanol e 131 cv com gasolina. É praticamente potência de 1.8. O torque também impressiona: 16,7/16,2 kgfm (álcool/gasolina). Basicamente, trata-se do mesmo motor que dá aquela vivacidade toda ao New Fiesta. Só que, para entrar no Focus (que é mais pesado), a Ford fez um trabalhinho na programação, o que garantiu potência e torque superiores. No modelo menor, os números de potência são 130/125 cv, enquanto o torque é de 16,0/15,4 kgfm (etanol/álcool). Você anda no carro e diz: “Nossa, isso é que é motor”. Até entrar no Golf…

Golf e Focus no confronto da modernidade

Disse que o Sigma é “um dos melhores do segmento” porque o melhor, mesmo, é este 1.4 FSI do Golf. Graças ao sopro do turbo, este pequeno motor é uma joia de 140 cv, e com torque de 25,5 kgfm a apenas 1.500 rpm. São quase 10 kg a mais de torque, e em giro mais baixo. Nota-se nitidamente que a partir dessa rotação o motor empurra que é uma beleza, e faz você jurar que ali pulsa um motor maior. Tem, como o concorrente da Ford, comando duplo (variável na admissão) e bloco de alumínio, mas – ao contrário do oponente – ainda dispõe de injeção direta de combustível. Há até quem diga por aí que ele tem mais de 140 cv.

Golf e Focus no confronto da modernidade

Membro da nova família EA211 da VW, por enquanto ele não é flex, mas tenho de dar a mão à palmatória. Sou defensor da tecnologia bicombustível (o que já me rendeu algumas polêmicas aqui mesmo no NA), mas temo que, quando se tornar flex (o que deverá ocorrer ao ganhar cidadania nacional), esse motor talvez não fique tão econômico como é o alemão. Vamos falar de economia em outro tópico. Por enquanto, ponto para o Golf.

Câmbio

Pode-se considerar o duelo Golf x Focus um verdadeiro clássico. Um embate de times grandes, entre modelos que são concorrentes no mundo inteiro. Dirigindo um e outro a gente entende por quê. São excelentes em quase tudo, o que inclui o câmbio. Os dois modelos manuais agradam. O do Focus tem alavanca bem posicionada, engates macios e bom escalonamento de marchas, capaz de aproveitar muito bem a força do motor. É uma ótima escolha, mas…

Golf e Focus no confronto da modernidade

Golf e Focus no confronto da modernidade

Aí vem o Golf, com sua caixa manual de seis marchas, alavanca ainda mais bem posicionada, engates ainda mais macios e igualmente uma ótima relação de marchas. Graças à marcha adicional, foi possível deixar a primeira um pouco mais curta, para dar aquela agilidade nas arrancadas, e a sexta mais longa, para reduzir o ruído e o consumo em estrada, sem perder a força. Dois a zero para o Golf.

Suspensão

Taí outro quesito em que eles brigam em alto nível. Os dois têm suspensão independente nas quatro rodas, o que não é comum nessa categoria. Isso garante estabilidade superior, pois mantém as rodas perpendiculares ao solo mesmo em curvas rápidas. Isso deixa o carro mais preso ao chão, porque a carroceria demora mais para “puxar” para cima a roda de dentro da curva. Em resumo, tende a tirar o pneu do chão num limite bem superior, em relação ao sistema de eixo rígido na traseira.

Golf e Focus no confronto da modernidade

No circuito sinuoso, ambos se saíram muito bem, mas o Focus atingiu o limite antes do Golf, cantando pneus e exigindo alguma correção de trajetória no volante. Mas é preciso fazer a ressalva de que o Golf veio com pneus anabolizados, mais largos, e rodas maiores (225/45 R17), opcionais. De série, o VW vem com pneus 205/55 R16, o mesmo que equipa o Ford. Por ser mais largo e ter perfil mais baixo, o Golf foi um carro mais na mão o tempo todo, com muito mais “chão” que o Focus. Golf, três a zero.

Economia

Aqui a disputa fica um pouco desequilibrada, porque o Focus é flex, o Golf, não. E, como se sabe, o preço dessa versatilidade é o consumo um pouco maior, seja com um, seja com outro combustível. Abastecido com etanol, o Focus obteve média de 6,3 km/l na cidade e 11,2 km/l na estrada. Se o Golf fosse uns 30% mais econômico, poderíamos dizer que na prática haveria um empate. Mas o modelo da VW gastou muito menos. Na cidade, alcançou 11,7 km/l. Na estrada, a média foi de 15,1 km/l. Resumindo, os dois têm muito tecnologia, mas o VW leva a melhor, com folga. Golf quatro a zero.

Golf e Focus no confronto da modernidade

Dirigibilidade

Você já deve ter ouvido por aí que o Golf é um carro agradável ao volante, não? Isso vale para qualquer Golf, incluindo o velho modelo de quarta geração, ainda produzido no Brasil. Só que no novo hatch, de sétima geração, essa característica foi aprimorada. O modelo produzido na Alemanha, e que agora emprega a nova plataforma modular MQB, é o tipo de carro que você pega e não tem vontade de largar.

A direção eletromecânica é precisa, os freios respondem imediatamente, a suspensão é firme, o pedal do acelerador é seu amigo – basta você relar nele para o carro ganhar vitalidade incomum. Os bancos de couro têm bons apoios laterais, e uma textura que prende melhor o corpo nas curvas. Dessa vez, minha esposa não reclamou de ficar sambando de um lado para o outro. Como não mudei o modo de dirigir, agradeço aos bancos.

Golf e Focus no confronto da modernidade

Golf e Focus no confronto da modernidade

O Focus é um carro muito bom de dirigir. Prazer ao volante sempre foi uma característica dos Focus, e isso desde a primeira geração. A suspensão é acertadinha, a direção (eletromecânica) também é obediente. Mas não dá para encarar o Golf. No modelo da VW, só achei a embreagem um pouco pesada. Só isso. Golf cinco a zero.

Equipamentos

O Focus SE é um carro bem equipado. Na versão SE, como a testada, tem quatro airbags, sensor de estacionamento traseiro, bancos de couro, controlador e limitador de velocidade, comandos de som no volante e tela de 4,2 polegadas, além dos equipamentos disponíveis na versão de entrada, S. Porém, para chegar perto do Golf testado só mesmo a versão Titanium, que adicionalmente oferece sistema de estacionamento (o que inclui sensores também na dianteira), bancos elétricos, ar digital com regulagens independentes, teto solar e faróis de xenon, entre outros itens.

O Golf veio com tudo isso, mais uns extras não disponíveis no Focus Titanium, como sistema start-stop, uma tela multimídia gigante, de oito polegadas, luzes direcionais, etc. A tela tem sensor de aproximação. Quando a mão se aproxima, ela exibe os principais comandos, para facilitar o manuseio. A definição da câmera de ré é a melhor que eu já vi até hoje. Golf seis a zero.

Golf e Focus no confronto da modernidade

Golf e Focus no confronto da modernidade

Estilo

São representantes de escolas diferentes. O Golf é um dos melhores exemplos da escola alemã, que procura a longevidade do design, e a manutenção da identidade básica mesmo com o passar dos anos. É um estilo mais perene. Não causa aquele frisson logo de cara, mas também não cansa. Demora muito mais para envelhecer. Se você olhar Golf de qualquer geração vai saber mesmo a distância que se trata de Golf.

Golf e Focus no confronto da modernidade

Quem tem um modelo da quarta geração, por exemplo, vai se sentir em casa quando entrar no novo e notar a parte superior do painel. A linha que tende a aproximar o painel do motorista está praticamente intocada no Golf 7. O mesmo vale para o exterior. A larga coluna traseira, com formato de taco de golfe (que justifica o nome), continua ali. A ideia da VW é atualizar o modelo em termos de mecânica e eletrônica, mas sem mexer nos pontos sagrados do carro.

Golf e Focus no confronto da modernidade

No Focus, a filosofia é outra. A primeira geração chegou com estilo ousado. A segunda foi mais comportada. A terceira voltou a ser agressiva visualmente. Some-se a isso o fato de a Ford ter mandado um modelo na cor vermelho-pecado, e vocês podem avaliar o furor que é andar com esse carro nas ruas. Chama atenção de qualquer ângulo. De frente, por conta dos para-choques que parecem de carro de competição, com as enormes (falsas) entradas de ar. De traseira, por conta das lanternas, grandes e de formato igualmente agressivo… E o Focus sai do zero. Seis a um.

Acabamento

A Ford já foi excelente nesse quesito, mas perdeu espaço. O Focus “passa de ano”, mas agora sem louvor. O acabamento é correto, mas não impressiona como outrora. A Volkswagen, que era “carro do povo”, fez o traçado inverso e evoluiu. No Golf, você tem a impressão de estar em um Passat. Tudo muito bem cuidado, bem ajustado, portas batendo com ruído abafado, interior agradável aos olhos e ao tato, por conta da textura caprichada. E alguém por favor me explique o que são aqueles caninhos tortos no apoio de cabeça dos bancos do Focus. Sem mais, meritíssimo. Golf sete a um.

Golf e Focus no confronto da modernidade

Golf e Focus no confronto da modernidade

Segurança

O Focus SE vem com quatro airbags. A versão básica, S, tem dois. A Titanium, seis (frontais, laterais e de cortina). No crash test do Latin NCAP, o modelo ganhou cinco estrelas. O Golf tem sete airbags (oferece o de joelho a mais que o oponente da Ford). No mais, ambos são equivalentes em quase tudo: utilizam aço de alta resistência na carroceria, têm suspensão independente nas quatro rodas, bons freios, direção bem calibrada e de respostas rápidas… Pode-se considerar empate técnico.

Espaço

O Focus é um pouco maior por fora. Tem 11 cm a mais no comprimento (4,36 m, contra 4,25 m), 2 cm a mais no entre-eixos (2,65m, ante 2,63 m). Além disso, é 1 cm mais alto (1,48 m) e 2 cm mais largo (1,82 m). Mas essa vantagem não aparece no interior. Por dentro, os dois se equivalem, seja nos bancos dianteiros, seja atrás, onde o Golf leva até uma pequena vantagem. O porta-malas também reforça mais um empate técnico: Focus, 316 litros; Golf, 313 l. Na prática, tudo igual no quesito.

Golf e Focus no confronto da modernidade

Golf e Focus no confronto da modernidade

Preço

Aqui a Volkswagen cobra muito bem a superioridade de seu produto. O Focus custa de R$ 60.990 (S) a R$ 87.990 o Titanium Plus, com motor 2.0 e câmbio Powershift. Esse é até demais, na minha opinião. Pelo bom desempenho do motor 1.6, considero o SE (R$ 63.990) uma boa pedida.

O Golf 7 reacendeu a paixão de legiões do modelo, e a VW resolveu capitalizar em cima. O modelo de R$ 67.990 só existe na teoria. O modelo só é encontrado com opcionais (rodas 17, GPS, partida sem chave, etc.), mas preço cerca de R$ 10 mil acima do inicial. Achei um esta semana em São Paulo por R$ 77.700 nessas condições.

Golf e Focus no confronto da modernidade

Além disso, há a questão do seguro. Tudo indica que não existe razão para o Golf 7 ter seguro tão caro como os modelos antigos. Afinal, seguro sobe quando o carro fica muito tempo em produção sem mudanças profundas. O Golf 4 tem custo impraticável em grandes capitais, como São Paulo e Rio de Janeiro, por causa do alto índice de roubos. Vamos ver como o novo se comporta nesse campo. Por enquanto, o passado o condena. Enquanto isso, o Focus chega com a já tradicional parceria com a Mapfre, que prevê preço muito competitivo, pelo menos no primeiro ano. É o tal do preço fixo, independente do perfil do usuário. O Ford leva essa. Golf sete a dois.

Golf e Focus no confronto da modernidade

Conclusão

O Golf é o carro do momento. Basta andar com um que a gente se encanta. Estilo sóbrio, dirigibilidade irretocável, bom acabamento, desempenho. O Focus ganharia o comparativo contra qualquer hatch médio do segmento, mas não leva a melhor sobre o VW. Se você estiver com a grana contada, o Ford talvez seja a melhor opção. Se a vida (financeiramente dizendo) lhe sorri, vá de Golf.

Fotos Fabio Aro

Volkswagen Golf Highline – Ficha Técnica

Motor
1.4 TSI 1.395 cm³
140 CV – 4.500 rpm
25,5 kgfm – 1.500 rpm

Transmissão
Manual de 6 velocidades ou automática DSG de 7 velocidades com função Tiptronic

Compartimento de Carga 313 litros
Direção Eletromecânica
Rodas 6,5J x 16
Pneus 205/55 R16
Reservatório de Combustível 50 litros
Aceleração de 0 a 100 km/h 8,4 s (G)
Velocidade Máxima 212 km/h
Freios Dianteiros Disco ventilado
Freios Traseiros Disco
Comprimento 4.255 mm
Distância Entre Eixos 2.630 mm
Largura 1.799 mm
Altura 1.468 mm
Peso em ordem de marcha 1.218 kg
Carga útil máxima 562 kg

Ford Focus SE – Ficha Técnica

Altura do veículo (mm) 1484
Capacidade de carga (Kg) 515
Combustível Gasolina / Etanol
Comprimento do veículo (mm) 4358
Direção Elétrica
Distância entre-eixos (mm) 2648
Freios dianteiros A Disco
Freios traseiros A Disco
Largura do veículo com espelhos (mm) 2010
Largura do veículo sem espelhos (mm) 1823
Motor 1.6 Sigma TiVCT
Número de cilindros 4
Peso do veículo em ordem de marcha (Kg) 1310
Peso bruto total (Kg) 1825
Pneu 205/55 R16
Porta-malas (L) 316
Potência (cv) 131 (G) / 135 (E)
Roda Liga Leve 16″
Sistema de partida a frio Ford Easy Start
Suspensão dianteira Independente tipo Macpherson
Suspensão traseira Independente Multilink
Tanque de combustível (L) 55
Torque (Nm) 159 (G) / 164 (E)
Tração Dianteira
Transmissão Manual 5 Velocidades

Golf e Focus no confronto da modernidade
Nota média 4 de 1 votos

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email