Hatches Hyundai Matérias NA

HB20 Turbo: anos, versões, equipamentos, detalhes, (ficha técnica)

HB20 Turbo: anos, versões, equipamentos, detalhes, (ficha técnica)

O HB20 Turbo é uma proposta intermediária dentro da gama de motorizações do compacto da Hyundai.


Esta versão surgiu para reduzir a lacuna enorme entre as versões com motor 1.0 e as com propulsor 1.6 litro. Mas, ao contrário do que se imaginava, o desenvolvimento localizado não levou em consideração a tecnologia oferecida no exterior.

Disponível em carroceria hatch, o HB20 Turbo só existe com transmissão manual de seis marchas, mas conta com tecnologia flex para atender a demanda de mercado. Atualmente, apenas a versão Comfort Plus com blueMedia é oferecida no modelo. 

O HB20 Turbo é um compacto feito em Piracicaba, interior de São Paulo, tendo surgido como um projeto da Hyundai exclusivo para o mercado brasileiro, sendo considerado um dos principais players do Brasil e vide-líder entre os mais vendido em 2018, após Chevrolet Onix.


No ano passado, o HB20 vendeu no geral 105.506 unidades. Atualmente oferecido com preços a partir de R$ 53.190 na versão hatch, mas não tem opcionais, o que contribui para evitar alta no preço quando completo.

Nos próximos meses, o compacto da Hyundai deve receber uma nova geração e o HB20 Turbo pode ter modificação no propulsor.

HB20 Turbo – detalhes

HB20 Turbo: anos, versões, equipamentos, detalhes, (ficha técnica)

Apesar de ter sido lançado em 2012, o HB20 é um carro bem atual em termos de estilo. O HB20 Turbo vem com faróis dotados de lentes com fundo preto, não sendo exatamente máscara negra. A grade hexagonal tem grelha preta, mas com bordas cromadas.

O para-choque tem grade inferior numa moldura com laterais ampliadas, mas sem faróis de neblina. As rodas são de aço estampado com calotas Palm, calçadas com pneus 185/60 R15.

Não há opção de rodas de liga leve. Os retrovisores possuem repetidores de direção e vêm pintados na cor da carroceria, assim como as maçanetas.

Na traseira, o HB20 Turbo hatch tem lavador e limpador do vidro traseiro, bem como lanternas escurecidas. No entanto, uma antena bem proeminente. Por dentro, o acabamento é bem simples, tendo bancos em tecido Woven preto e portas com pouco revestimento.

O painel de instrumentos Supervision Cluster Sport está disponível. O volante com comandos de mídia e telefonia. A multimídia blueMedia tem tela touchscreen de 7 polegadas, tendo ainda TV digital com boa recepção e sistema de conectividade com smartphone OnCar.

Os sistemas Apple CarPlay e Google Android Auto estão disponíveis e pode-se utilizar aplicativos como Waze, Google Maps, Spotify, Google Play Música, dados do Whatsapp, entre outros.

Há também conexão Bluetooth com streaming de áudio, além de acesso a agenda e histórico de chamadas.

O dispositivo também reproduz arquivos MP3 player, conexões USB e auxiliar, reprodutor de fotos e vídeos e reconhecimento de voz. Não há câmera de ré nessa versão Comfort Plus blueMedia. O HB20 Turbo tem ainda vidros elétricos nas quatro portas e todos possuem comandos one touch.

O travamento elétrico das portas com telecomando na chave e porta-malas com abertura remota. Os retrovisores externos possuem ajustes elétricos. O banco do motorista tem ajuste de altura, assim como a coluna de direção e os cintos de segurança dianteiros. O HB20 Turbo tem ainda computador de bordo com 8 funções e ar-condicionado.

Já a direção é hidráulica. O motorista pode ainda abrir o bocal do tanque por dentro. O banco traseiro é inteiriço e tem cintos de três pontas, mas somente nas laterais, pois o central é subabdominal, sendo esse um dos maiores defeitos do HB20 Turbo.

O modelo tem ainda espelho de cortesia no para-sol para motorista e passageiro, bem como alarme perimétrico.

O HB20 Turbo tem duas bolsas infláveis frontais, freios com sistema ABS e EDB, assim como dispositivo Isofix para fixação de cadeiras infantis e ainda com ancoragem Top Tether.

O modelo tem ainda bom espaço interno e porta-malas. O bagageiro tem 300 litros no hatch.

Com medidas exatas, o HB20 Turbo é um carro bem dimensionado para sua proposta. Ele tem 3,920 m de comprimento, 1,680 m de largura, 1,470 m de altura e 2,500 m de entre eixos.

O tanque tem 50 litros e o peso total do veículo é de 1.053 kg, tendo altura livre do solo de 165 mm.

HB20 Turbo – novidades

HB20 Turbo: anos, versões, equipamentos, detalhes, (ficha técnica)

O HB20 Turbo foi atualizado há algum tempo, recebendo nova grade hexagonal com apliques cromados, assim como novo desenho do para-choque e calotas revisadas. O modelo pouco mudou desde o lançamento, mantendo ainda faróis monoparabola e lanternas simples, embora escurecidas.

O para-choque traseiro recebeu alteração leve também. O HB20 Turbo ganhou a multimídia blueMedia, que foi um avanço em relação ao sistema de som blueAudio, mais simples e utilizado anteriormente.

Novidades como TV digital e os sistemas Google Android Auto e Apple CarPlay possibilitaram que o condutor pudesse evitar o uso de smartphone para navegação.

Com compartimento coberto e fonte USB, o smartphone pode ficar oculto dentro do carro e integrado ao sistema de entretenimento. Essa é a maior inovação a bordo do HB20 Turbo, que ainda carece de muitos itens de segurança e opcionais que poderiam realça-lo nessa versão Comfort Plus com blueMedia.

O compacto não tem nem faróis de neblina e muito menos opção de rodas de liga leve aro 15 polegadas. O HB20 Turbo se mantém como uma opção mais próxima da versão de acesso com motor 1.0.

Ainda assim, itens de comodidade como trio elétrico completo com one touch para o motorista e chave com controle remoto, atraem os consumidores.

O HB20 Turbo ainda tem direção hidráulica, quando na verdade já deveria estar com sistema elétrico, presente apenas em versões mais caras.

O hatch da Hyundai também falha em não oferecer controles de tração e estabilidade, ainda mais por conta de sua suspensão bem macia, que naturalmente prejudica a estabilidade. Falta também assistente de partida em rampa.

HB20 Turbo – versões

HB20 Turbo: anos, versões, equipamentos, detalhes, (ficha técnica)

O HB20 Turbo vem apenas na versão Comfort Plus com blueMedia, sendo assim uma versão intermediária com um nível de conteúdo considerado apenas bom, já que tem multimídia avançada com direito a TV digital e a dupla de sistemas de smartphone Android Auto e Car Play.

HB20 Turbo – equipamentos

O HB20 Turbo vem com ar condicionado, direção hidráulica, vidros elétricos nas quatro portas com comando one touch para abertura apenas do vidro do motorista, travas elétricas com controle remoto, abertura elétrica do porta-malas, abertura interna do bocal do tanque de combustível, tanquinho para gasolina do sistema de partida a frio no compartimento do motor, faróis monoparabola com máscara negra, lanternas simples escurecidas e alarme perimétrico.

Além disso, traz ainda retrovisores externos com regulagem elétrica, espelhos de cortesia nos para-sois, espelho retrovisor interno dia e noite, porta-objetos nas portas e console, porta-objeto no console com cobertura retrátil, banco traseiro inteiriço, cobertura da tampa do porta-malas, lavador e limpador do vidro traseiro, banco do motorista com ajuste de altura, coluna de direção com ajuste de altura, cintos de segurança dianteiros com ajuste de altura, fonte 12V, luz interna no porta-malas, luz interna no habitáculo, luzes dianteiras de leitura e acabamento em tecido nos bancos.

O HB20 Turbo conta ainda com painel de instrumentos Super Cluster Vision e computador de bordo colorido com autonomia, consumo médio em km/l, consumo instantâneo em km/l, tempo de viagem, hodômetro parcial e total, aviso de revisão e velocidade instantânea. Ele tem chave canivete com telecomando para portas e porta-malas, travamento automático das portas e do porta-malas a 15 km/h, retrovisores externos com repetidores de direção e destravamento automático das portas em caso de colisão.

Há também airbag duplo, freios ABS com EDB, carroceria com deformação programada, coluna de direção colapsável, cintos de segurança de três pontos para quatro ocupantes, cinto central e traseiro com tiras subabdominais, detalhes externos em cor preta e calotas de desenho elegante.

A multimídia blueMedia tem sistema Google Android Auto (com Waze, Google Maps, Spotyfe, Play Música e Whatsapp, etc) e Apple Car Play, bem como reconhecimento de voz, Bluetooth, entrada USB, TV digital, espelhamento de smartphone Android e iOS OnCar, streaming de áudio, reprodução de fotos e vídeos, bem como volante com comandos de mídia e telefonia.

O HB20 Turbo tem opção das seguintes cores: Branco Polar e Preto Onix, sendo estas sólidas e sem custo extra. Já as metálicas Bronze Terra, Cinza Titanium, Prata Sand e Prata Metal possuem custo adicional de R$ 950,00.

HB20 Turbo – preços

O HB20 Turbo Comfort Plus com blueMedia tem preço sugerido de R$ 53.190, sem opcionais, exceto pintura metálica.

HB20 Turbo – motor

HB20 Turbo: anos, versões, equipamentos, detalhes, (ficha técnica)

O motor do HB20 Turbo é o Kappa 1.0 Turbo, um propulsor de três cilindros com cárter, bloco e cabeçote em alumínio, tendo ainda coletor de admissão variável em plástico e coletor de escape integrado ao cabeçote, que tem 4 válvulas por cilindro, totalizando 12 válvulas.

Há também duplo comando de válvulas acionado por corrente lubrificada e sem manutenção. A variação eletrônica de abertura e fechamento de válvulas se dá apenas nas de admissão.

Com 71 mm de diâmetro dos cilindros e 84 mm de curso, o motor Kappa 1.0 tem taxa de compressão 9,5:1 e 998 cm3 de volume.

Alimentado por injeção eletrônica multiponto com tecnologia flex, o propulsor possui turbocompressor com sistema intercooler, não possuindo injeção direta, o que é uma falha no projeto, que foi simplificado em relação ao Kappa 1.0 T-GDi vendido no exterior.

Montado em transversal, ele é acoplado a uma caixa manual de seis marchas e com embreagem monodisco a seco. O HB20 Turbo entrega 98 cavalos na gasolina e 105 cavalos no etanol, ambos a 6.000 rpm.

No torque, são 13,8 kgfm na gasolina e 15 kgfm no etanol, ambos a 1.500 rpm. O sistema de partida a frio ainda é por tanque de gasolina no cofre do motor.

HB20 Turbo – desempenho

O HB20 Turbo tem propulsor 1.0 Kappa Turbo que permite aceleração de 0 a 100 km/h em 11,2 segundos com máxima de 182 km/h, quando abastecido com etanol.

O consumo é de 8,2 km/l na cidade e 10,1 km/l na estrada, sendo abastecido com etanol. Na gasolina, ele faz 11,6 km/l e 14,3 km/l, respectivamente.

Com câmbio de seis marchas, o HB20 Turbo tem boa resposta em baixa rotação, devido ao torque máximo disponível logo aos 1.500 rpm, entretanto, perde força em rotações mais altas e acaba tendo desempenho semelhante ao de um motor 1.6, sendo ainda mais fraco que o Gamma 1.6 16V usado em versões mais caras do Hyundai HB20.

Rodando a 110 km/h, ele aponta para 2.500 rpm, tendo câmbio com relação de marchas adequada, engates precisos e macios, assim como o acionamento da embreagem.

Por ser um carro leve, tem desenvoltura no trânsito, mas fica devendo mais em rodovia.

A direção hidráulica é bem leve e confortável, enquanto a suspensão tem ajuste muito macio, apesar de ter sido recalibrada há algum tempo. Mesmo assim, o HB20 Turbo ainda fica devendo em sistemas de assistência ao condutor, como controles de tração e estabilidade, assim como partida com auxílio dos freios em rampa.

Falando em freios, o conjunto é adequado para a proposta, assim como o isolamento acústico, sendo que apenas em regimes acima de 3.000 rpm, o motor se torna um pouco mais ruidoso.

A dirigibilidade do HB20 Turbo é muito boa, devido a carroceria com estrutura bem rígida. A posição de dirigir é aceitável para a proposta.

No consumo, poderia ser melhor, já que tem motor de três cilindros, turbocompressor e câmbio de seis marchas, mas a falta de injeção direta de combustível afeta seu desempenho e consumo.

HB20 Turbo – manutenção e revisão

HB20 Turbo: anos, versões, equipamentos, detalhes, (ficha técnica)

A Hyundai tem garantia de três anos sem limite de quilometragem e revisões programadas com descrição de peças, mão de obra e lavagem, com os seguintes valores:

  • 10.000 km – R$ 244,15
  • 20.000 km – R$ 466,42
  • 30.000 km – R$ 603,49
  • 40.000 km – R$ 594,51
  • 50.000 km – R$ 424,15
  • 60.000 km – R$ 735,76

HB20 Turbo – ficha técnica

Motor

1.0 Turbo

Tipo

Dianteiro, transversal e flex

Número de cilindros

3 em linha

Cilindrada em cm3

998

Válvulas

12 (4 por cilindro)

Taxa de compressão

9,5:1

Injeção eletrônica de combustível

Indireta multiponto

Potência Máxima

98 cv com gasolina e 105 cv com etanol a 6.000 rpm

Torque Máximo

13,8 kgfm na gasolina e 15,0 kgfm no etanol a 1.500 rpm

Transmissão

Tipo

Manual de seis marchas

Tração

Tipo

Dianteira

Freios

Tipo

Discos dianteiros ventilados e tambores traseiros

Direção

Tipo

Hidráulica

Suspensão

Dianteira

Independente, McPherson, com molas helicoidais e amortecedores

Traseira

Semi-independente com eixo de torção, com molas helicoidais e amortecedores

Rodas e Pneus

Rodas

Aço com calotas de 15 polegadas

Pneus

185/65 R15

Dimensões

Comprimento total (mm)

3.920

Largura (mm)

1.680

Altura (mm)

1.470

Distância entre os eixos (mm)

2.500

Capacidades

Capacidade de carga (kg) e porta-malas (litros) 

433/300

Tanque (litros)

50

Peso vazio em ordem de marcha (kg)

1.053

Coeficiente de arrasto (Cx)

0,33

HB20 Turbo – galeria de fotos

HB20 Turbo: anos, versões, equipamentos, detalhes, (ficha técnica)
Nota média 3 de 2 votos

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Domenico Monteleone

    Foi uma tremenda decepção, todo mundo esperava um motor equivalente aos tsi e veio só metade disso, espero que consertem na reestilização próxima.

    • TijucaBH

      Problema é que o mercado nao entendeu a proposta do Hb20 Turbo e todos o comparavam ao UP TSI.
      A unica ligação entre eles é que possuem motor 1.0 Turbo. Um é segmento subcompacto e o outro compacto. É como comparar um Fiesta 1.6 aspirado com o Focus 1.6 aspirado.
      A ideia da Hyundai era um carro no meio do caminho entre o 1.0 e o 1.6 pra brigar com os carros 1.3, 1.4 e até mesmo os 1.6 mais “antigos” como os VW 1.6 8V e Renault 1.6 8V.
      Se a montadora trouxesse o 1.0 Turbo com injeção direta e 125 cv, ele poderia matar a venda do Hb20 1.6 sendo que nao era essa a proposta.
      No caso da VW, como nao existia UP 1.6, nao tinha problema usar um motor mais moderno e também porque na época, o UP era quase um carro de nicho, pois as vendas eram muito baixas para o segmento. Como o UP é compacto, as chances de roubar vendas do Gol e Fox 1.6 era bem baixo, pois muitos acham o UP bem pequeno. Além disso, a VW viu no Up TSI uma boa oportunidade de aumentar sua rentabilidade, pois hoje um UP Tsi na versao mais em conta custa 58800.

      Voltando à comparação do UP TSI com o HB20 Turbo, o alemão ganha em desempenho e consumo, já o coreano ganha em espaço interno, porta malas, design, garantia, estabilidade e conforto. Hoje o Hb20 Turbo custa 53190 já com central multimidia, portanto 5 mil a menos que o VW. Com essa diferença de preço, prefiro pagar menos no HB, gastar um pouco a mais no posto de gasolina e perder décimos de segundo no desempenho além de levar os outros itens que o HB tem melhor que o Up.

      • Fanjos

        O problema é que inicialmente vendiam o 1.0T no mesmo preço do 1.6 então pelo menos em preço eles se igualavam , mas em desempenho não

        • TijucaBH

          na epoca do lançamento a diferença entre o 1.6 e o turbo eram aproximadamente 2500 reais, a mesma diferença de hoje, portanto esse nao foi o motivo.
          Pra mim tem 3 motivos pra ele nao ter “bombado”:
          1- Quem é mais aberto a novas tecnologias ou queria um rocket poket, o comparavam com o UP Tsi que anda mais e consome menos, apesar de serem segmentos diferentes.
          2- O uso do nome “turbo” faz o publico mais tradicional torcer o nariz por achar que é um carro esportivo pra boy. Se tivessem usado uma sigla como a VW usou, poderia ter menor rejeição por parte dos compradores.
          3- O Hb20 turbo nasceu exclusivamente por conta do Inovar auto, portanto a propria Hyundai nunca quis que ele vendesse muito, pois o custo de um motor 4 cilindros aspirado é menor do que um 3 turbo, portanto a marca nunca fomentou tanto as vendas. Na época do lançamento eu achava o carro caro, mas hoje por 53 mil reais já com central multimídia, acho que o preço está bem coerente, já que um Argo Drive 1.0 aspirado na cor branco com opcionais de vidro traseiro eletrico, retrovisores eletricos e central multimidia (os tres itens sao de série no HB Turbo) sai por R$ 55640, portanto 2500 reais acima do Hyundai turbinado…

          • Amauri Gomes

            Sou proprietário de um na versão Confort Style (2017) branco; infelizmente não foi possível o azul na época, no qual eu tentei por várias vezes. Aliás, está foi a melhor versão e foi uma pena a Hyundai ter tirado de linha, por possui conteúdo melhor e sta Confort Plus como rodas liga leve e lanternas da versão premium, faróis de neblina, entre outros. O torque em baixa realmente é bom, mas de fato ele entra aos 2000 rpm; em 1550 ele está “enxendo”, mas já possui certa força para subir ladeiras praticamente sem dificuldades (a maior parte). Perfeito seu comentário quanto a explicação com relação ao Up! TSI que inclusive foi cogitado na época para a compra, porém justamente outros detalhes resultou na escolha do coreano.
            Um adendo sobre o consumo: com gasolina, na cidade (SP), costumo superar com facilidade os 12km/l (utilizo somente as gasolinas grid, v-power e dt-clean). No etanol (v-power) se atinge com facilidade os 10km/l porém oscilando (entre 8.5 a 10 em média; com trânsito bem leve se chega a 11). Na estarda, com gasolina segundo o CB, facilmente chego a fazer 17km/l e por vezes com pista livre em média a 100 e 110 por hora chega a 19 e em alguns trechos a 20; etanol, média de 15 que podemos colocar).
            O isolamento acústico para a categoria é um destaque que coloco, vindo de um Palio 2013 (attractive, o último “punto empobrecido”), no qual o carro anterior era muito ruim. realmente uma pena não ter o ESP, assistente de partida em rampa e o terceiro encosto de cabeça no banco traseiro; acredito que no próximo irão corrigir. enfim. Me impressionou o pós-venda, já que da Fiat ocorreram diversas vezes a famosa empurroterapia. Na Hyundai, sempre o valor cobrado inclusive ficou um pouco abaixo dos preços tabelados das revisões. O carro atualmente tem 31.000 km rodados. As 3 revisões feitas em CSS do grupo Caoa. Salvo 1 problema de acabamento (tampa do porta luvas vibrando como se estivesse solta, mas logo corrigida aos 2000 kms rodados sem nenhum custo), agrada bastante. Na época, foi comprado com o Palio como entrada por 49.990,00. Não me recordo com exatidão a avaliação no Palio, mas s enão me engano pagaram por volta de 25.000,00.

          • Amauri Gomes

            Sou proprietário de um na versão Confort Style (2017) branco; infelizmente não foi possível o azul na época, no qual eu tentei por várias vezes. Aliás, está foi a melhor versão e foi uma pena a Hyundai ter tirado de linha, por possui conteúdo melhor que esta Confort Plus como rodas liga leve e lanternas da versão premium, faróis de neblina, entre outros. O torque em baixa realmente é bom, mas de fato ele entra aos 2000 rpm; em 1550 ele está “enxendo”, mas já possui certa força para subir ladeiras praticamente sem dificuldades (a maior parte). Perfeito seu comentário quanto a explicação com relação ao Up! TSI que inclusive foi cogitado na época para a compra, porém justamente outros detalhes resultou na escolha do coreano.
            Um adendo sobre o consumo: com gasolina, na cidade (SP), costumo superar com facilidade os 12km/l (utilizo somente as gasolinas grid, v-power e dt-clean). No etanol (v-power) se atinge com facilidade os 10km/l porém oscilando (entre 8.5 a 10 em média; com trânsito bem leve se chega a 11). Na estrada, com gasolina segundo o CB, facilmente chego a fazer 17km/l e por vezes com pista livre em média a 100 e 110 por hora chega a 19 e em alguns trechos a 20; etanol, média de 15 que podemos colocar).
            O isolamento acústico para a categoria é um destaque que coloco, vindo de um Palio 2013 (attractive, o último “punto empobrecido”), no qual o carro anterior era muito ruim. realmente uma pena não ter o ESP, assistente de partida em rampa e o terceiro encosto de cabeça no banco traseiro; acredito que no próximo irão corrigir. enfim. Me impressionou o pós-venda, já que da Fiat ocorreram diversas vezes a famosa empurroterapia. Na Hyundai, sempre o valor cobrado inclusive ficou um pouco abaixo dos preços tabelados das revisões. O carro atualmente tem 31.000 km rodados. As 3 revisões feitas em CSS do grupo Caoa. Salvo 1 problema de acabamento (tampa do porta luvas vibrando como se estivesse solta, mas logo corrigida aos 2000 kms rodados sem nenhum custo), agrada bastante. Na época, foi comprado com o Palio como entrada por 49.990,00. Não me recordo com exatidão a avaliação no Palio, mas se não me engano pagaram por volta de 25.000,00.

            • TijucaBH

              Eu fiz test drive nesse carro e gostei bastante!! Unica critica é que a primeira marcha poderia ser um pouquinho mais curta. Só nao fechei negocio porque estava em busca de um carro automatico. Mas legal o seu relato e fiquei surpreso com o consumo, sabia que era economico mas nao achava que era tanto.
              Minha esposa tem um Hyundai e também me encantei com o atendimento na concessionária no pós vendas e os carros anteriores que ela tinha era Punto (Essence e Sporting). Tive alguns problemas na rede Fiat, mas depois descobri um ex colega de trabalho que era gerente da concessionária e daí pra frente parei de me preocupar, só entregava a chave pra ele e ele resolvia tudo pra mim, zero stress.

              • Amauri Gomes

                Realmente na prática ele surpreende. Mas isto andando digamos com o pé leve rs. Condução normal, na verdade. No etanol com trânsito mais pesado e em cidade fica no razoável, mas a média do inmetro é relativamente fácil de bater mesmo. Acho muito rigoroso o teste do inmetro, mas as condições de uso influenciam diretamente. Acabei esquecendo de relatar também um rangido no banco do motorista aos 20 mil km, mas também foi solucionado pela css e até agora está ok.

            • invalid_pilot

              Seguro é caro ?

              Em 2015 desisti do HB20 pelo valor da apolice ser o dobro da do up!

              • Amauri Gomes

                Acho muito difícil afirmar sobre isto pois há muita variação de cidade, idade, etc… é um negócio maluco, muda de seguradora de 1 ano para outro. Mas para ter uma noção mesmo que vaga, está segurado pela Tokio Marine (seguro completo, roubo, incêndio e colisão + guincho ilimitado) por 2 .150.

                • invalid_pilot

                  Huummm, na média até

                  Na época tava 2,8k (hb20) vs 1,7k (up) e isso pesou demais na escolha pq o valor de ambos era quase igual.

            • F Amc

              Minha esposa também possui um HB20 Turbo Comfort Style ano 2016 e faz essas médias citadas por você.
              Me lembro que em uma das viagens que fizemos com o carro, a média no etanol foi de 15,5 km/L e com gasolina, 19,7 km/L.
              Achei que foram médias muito boas se for considerar que não se trata de um motor com injeção direta e ainda tem um bom desempenho na estrada, especialmente em subidas de serra.
              Na cidade geralmente as médias tem ficado em 8,5 a 9,3 com etanol.
              Até o momento, quase 3 anos após a compra e usando o carro diariamente, o mesmo não apresentou problemas, com exceção do acabamento da tampa do porta-malas que vibrava, fazendo um barulho chato mas que foi resolvido em uma das revisões.

              • Amauri Gomes

                É um bom carro para a o que se propõe, apesar da falta de alguns itens de segurança. Gostaria de ver este carro com o 1.0TGDI, com certeza ficaria um bom conjunto aliado a este câmbio atual. Com uma opção automática também, seria bem vindo. Acredito que surgirá em breve nesta re-estilização mais profunda.

      • 4lex5andro

        Excelente post, até o último parágrafo, do comparativo.

        Se o comprador não fizer questão da telinha no painel e nem muita bagagem, certamente a melhor performance do conjunto do Up (motor, caixa, desempenho, consumo) pesará a seu favor.

        • TijucaBH

          na verdade nao é só telinha no painel nem porta malas… O Hb20 é mais espaçoso para os passageiros também, além de mais confortável pelo acabamento melhor e suspensão mais macia.

          Eu realmente escolheria o UP apenas fizesse muita questao do desempenho e menor consumo, porém mesmo em relação a esses dois itens, tem que pensar direito porque a diferença de desempenho entre eles existe, mas nao é gritante e com relação ao consumo, pegando a média entre cidade e estrada no HB temos 13 km/l e no Up 15 km/l.
          Considerando uma média de 15 mil km por ano, a diferença de consumo entre eles é pouco mais de 50 reais por mes, e pessoalmente acho pouco visto a diferença de 5 mil reais no preço do UP em relação ao HB…

          • Diego Sampaio

            15km/L é bem pessimista para um Up TSI. Aqui em Salvador faço tranquilamente medias de 20~24km/L na gasolina. Com etanol a média baixa para a casa dos 15~17km/L. Comparando o consumo com o HB T citado aqui, há uma diferença gritante.

            Referente a espaço interno eu não tenho do que reclamar. Sair de um Fiat Palio 1.6 (modelo recente) e o espaço interno do UP é melhor. No Fiat tinha muito plástico no fazendo volume no interior e isso roubava espaço. No UP a “economia de acabamento” acaba dando essa vantagem no espaço útil ao motorista e passageiros.

            E por fim o porta malas é “maior” no Up tb, onde o espaço é mais linear e fazendo com que certas malas se encaixem perfeitamente, diferente do Palio que tinha muitas curvas e isso atrapalhava o encaixe das malas.

            • TijucaBH

              Diego, eu peguei como referencia a tabela do Inmetro, pois assim dava pra comparar ambos carros com o mesmo parametro. Como algumas pessoas já disseram aqui, hoje em dia a tabela do inmetro está bem conservadora, em várias partes do Brasil tem muita gente conseguindo valores acima do obtido no teste. Por outro lado, acho bom a tabela ser conservadora pra evitar que os “entendidos” de carro reclamem que o carro dele nao consegue fazer o consumo que está na tabela….

  • Luciotzt

    Apenas corrigindo, garantia de é 5 anos

    • Diego G. de Lima

      Motor e Câmbio somente.

      • Luciotzt

        No manual diz que a garantia é de 5 anos, exceto para rádio (36 meses), bateria (12m), vidros (3m) e acessórios instalados na concessionária (12m). Ou seja, parte eletrica também está incluída neste prazo 5 anos.

  • Bebe mais que o 1.6

    • TijucaBH

      Pela tabela do inmetro o turbo é mais economico do que o 1.6
      O problema de TODO carro turbo é que se voce andar com o pé embaixo o tempo inteiro, ele bebe MUITO mais, é desproporcional o tanto que eleva o consumo. Isso ocorre entre outros motivos porque a temperatura da camara de combustao sobe muito e com isso a injeção precisa enriquecer a mistura ar/combustível pra abaixar a temperatura evitando dandos ao motor.

      • Fanjos

        Uma coisa engraçada é que quando ando a 80…90 km de madrugada no modo Sport o meu carro faz entre 11 e 13 km/l, mas quando fica andando a 50 km o tempo todo ele fica em 7.5, 8 no máximo.
        Andar devagar gasta mais e polui mais

        • TchauQueridos

          Não é oque diz os testes da 4R.

        • Diego Sampaio

          Eu reparei que isso é bem comum nos carros turbo. Só citando como exemplo o Up a 80km/h quase a mesma coisa que andando a 100km/h devido a faixa de rotação.

          A 80 ele fica um pouco acima dos 1800rpm (onde o turbo ainda não encheu completamente). Nos 100 ele fica próximo de 2300 rpm onde a pegada do turbo já ta bem melhor e consequentemente piso menos no acelerador para manter a mesma velocidade.

      • Vc tem razão.
        Mas falei baseado nos testes e aí entra nessa questão que vc disse

    • Joildo Dias

      Bebe muito menos e ao contrário do que falam, andam idênticos, tenho vídeos no meu canal entre os dois, são dois sedãs, o meu 1.0 Turbo foi bem mais econômico e andou em certo momento mais, igual, mas quando esquentou perdeu um pouco rendimento, característica de alguns motores turbos, sem contar que passa fácil dos 200 e tem um 0 a 100 melhor que a maioria dos 2.0 aspirado, tenho vídeo fazendo na casa dos 10 segundos, ótimo carro, muito bom de guiar, principalmente na cidade, imagina quando vier o 1.0 GDi…

  • Gabriel Molina Pinheiro

    A potência em si nem é o problema, o que pega aí é o torque que acho bem pouco pra um 1.0 turbo. Fica nítido que a Hyundai capou o motor desse carro.

  • Murilo Soares de O. Filho

    Ao menos HB20 turbo náo é uma Bomba perto de alguns.

  • Eng Turbo

    O valor de produção do Kappa 1.0T é superior ao do 1.6 (Turbina, mangueiras, acessorios, etc). A justificativa era a redução do IPI. Porém, como ele não tem DI, não passa de uma adaptação do 1.0 NA para o T. Ficou devendo em desempenho e consumo

  • Bruno Rodrigues

    Estou procurando opçoes de compactos/subcompactos turbo no mercado. Será que esse hb20 turbo ainda seria uma boa opção frente ao up tsi, que é um pouco mais caro??

    • Amauri Gomes

      Acredito que possa te ajudar com este meu relato:

      Sou proprietário de um na versão Confort Style (2017) branco; infelizmente não foi possível o azul na época, no qual eu tentei por várias vezes. Aliás, está foi a melhor versão e foi uma pena a Hyundai ter tirado de linha, por possui conteúdo melhor e sta Confort Plus como rodas liga leve e lanternas da versão premium, faróis de neblina, entre outros. O torque em baixa realmente é bom, mas de fato ele entra aos 2000 rpm; em 1550 ele está “enxendo”, mas já possui certa força para subir ladeiras praticamente sem dificuldades (a maior parte). Perfeito seu comentário quanto a explicação com relação ao Up! TSI que inclusive foi cogitado na época para a compra, porém justamente outros detalhes resultou na escolha do coreano.
      Um adendo sobre o consumo: com gasolina, na cidade (SP), costumo superar com facilidade os 12km/l (utilizo somente as gasolinas grid, v-power e dt-clean). No etanol (v-power) se atinge com facilidade os 10km/l porém oscilando (entre 8.5 a 10 em média; com trânsito bem leve se chega a 11). Na estarda, com gasolina segundo o CB, facilmente chego a fazer 17km/l e por vezes com pista livre em média a 100 e 110 por hora chega a 19 e em alguns trechos a 20; etanol, média de 15 que podemos colocar).
      O isolamento acústico para a categoria é um destaque que coloco, vindo de um Palio 2013 (attractive, o último “punto empobrecido”), no qual o carro anterior era muito ruim. realmente uma pena não ter o ESP, assistente de partida em rampa e o terceiro encosto de cabeça no banco traseiro; acredito que no próximo irão corrigir. enfim. Me impressionou o pós-venda, já que da Fiat ocorreram diversas vezes a famosa empurroterapia. Na Hyundai, sempre o valor cobrado inclusive ficou um pouco abaixo dos preços tabelados das revisões. O carro atualmente tem 31.000 km rodados. As 3 revisões feitas em CSS do grupo Caoa. Salvo 1 problema de acabamento (tampa do porta luvas vibrando como se estivesse solta, mas logo corrigida aos 2000 kms rodados sem nenhum custo), agrada bastante. Na época, foi comprado com o Palio como entrada por 49.990,00. Não me recordo com exatidão a avaliação no Palio, mas s enão me engano pagaram por volta de 25.000,00.

    • Amauri Gomes

      Sou proprietário de um na versão Confort Style (2017) branco; infelizmente não foi possível o azul na época, no qual eu tentei por várias vezes. Aliás, está foi a melhor versão e foi uma pena a Hyundai ter tirado de linha, por possui conteúdo melhor que esta Confort Plus como rodas liga leve e lanternas da versão premium, faróis de neblina, entre outros. O torque em baixa realmente é bom, mas de fato ele entra aos 2000 rpm; em 1550 ele está “enxendo”, mas já possui certa força para subir ladeiras praticamente sem dificuldades (a maior parte). Perfeito seu comentário quanto a explicação com relação ao Up! TSI que inclusive foi cogitado na época para a compra, porém justamente outros detalhes resultou na escolha do coreano.
      Um adendo sobre o consumo: com gasolina, na cidade (SP), costumo superar com facilidade os 12km/l (utilizo somente as gasolinas grid, v-power e dt-clean). No etanol (v-power) se atinge com facilidade os 10km/l porém oscilando (entre 8.5 a 10 em média; com trânsito bem leve se chega a 11). Na estrada, com gasolina segundo o CB, facilmente chego a fazer 17km/l e por vezes com pista livre em média a 100 e 110 por hora chega a 19 e em alguns trechos a 20; etanol, média de 15 que podemos colocar).
      O isolamento acústico para a categoria é um destaque que coloco, vindo de um Palio 2013 (attractive, o último “punto empobrecido”), no qual o carro anterior era muito ruim. realmente uma pena não ter o ESP, assistente de partida em rampa e o terceiro encosto de cabeça no banco traseiro; acredito que no próximo irão corrigir. enfim. Me impressionou o pós-venda, já que da Fiat ocorreram diversas vezes a famosa empurroterapia. Na Hyundai, sempre o valor cobrado inclusive ficou um pouco abaixo dos preços tabelados das revisões. O carro atualmente tem 31.000 km rodados. As 3 revisões feitas em CSS do grupo Caoa. Salvo 1 problema de acabamento (tampa do porta luvas vibrando como se estivesse solta, mas logo corrigida aos 2000 kms rodados sem nenhum custo), agrada bastante. Na época, foi comprado com o Palio como entrada por 49.990,00. Não me recordo com exatidão a avaliação no Palio, mas se não me engano pagaram por volta de 25.000,00

    • Amauri Gomes

      Acredito que posso ajudar com meu relato.

      Sou proprietário de um na versão Confort Style (2017) branco; infelizmente não foi possível o azul na época, no qual eu tentei por várias vezes. Aliás, está foi a melhor versão e foi uma pena a Hyundai ter tirado de linha, por possui conteúdo melhor que esta Confort Plus como rodas liga leve e lanternas da versão premium, faróis de neblina, entre outros. O torque em baixa realmente é bom, mas de fato ele entra aos 2000 rpm; em 1550 ele está “enxendo”, mas já possui certa força para subir ladeiras praticamente sem dificuldades (a maior parte). Sobre o Up! TSI inclusive foi cogitado na época para a compra, porém justamente outros detalhes descritos na matéria (porta malas, design, medidas) resultou na escolha do coreano.
      Um adendo sobre o consumo: com gasolina, na cidade (SP), costumo superar com facilidade os 12km/l (utilizo somente as gasolinas grid, v-power e dt-clean). No etanol (v-power) se atinge com facilidade os 10km/l porém oscilando (entre 8.5 a 10 em média; com trânsito bem leve se chega a 11). Na estrada, com gasolina segundo o CB, facilmente chego a fazer 17km/l e por vezes com pista livre em média a 100 e 110 por hora chega a 19 e em alguns trechos a 20; etanol, média de 15 que podemos colocar).
      O isolamento acústico para a categoria é um destaque que coloco, vindo de um Palio 2013 (attractive, o último “punto empobrecido”), no qual o carro anterior era muito ruim. realmente uma pena não ter o ESP, assistente de partida em rampa e o terceiro encosto de cabeça no banco traseiro; acredito que no próximo irão corrigir. enfim. Me impressionou o pós-venda, já que da Fiat ocorreram diversas vezes a famosa empurroterapia. Na Hyundai, sempre o valor cobrado inclusive ficou um pouco abaixo dos preços tabelados das revisões. O carro atualmente tem 31.000 km rodados. As 3 revisões feitas em CSS do grupo Caoa. Salvo 1 problema de acabamento (tampa do porta luvas vibrando como se estivesse solta, mas logo corrigida aos 2000 kms rodados sem nenhum custo), agrada bastante. Na época, foi comprado com o Palio como entrada por 49.990,00. Não me recordo com exatidão a avaliação no Palio, mas se não me engano pagaram por volta de 25.000,00

      • Michel Soares Pintor

        Consertaram a suspensão traseira dele? Eu tinha um HB20 1.6 comfort style 2013 e a suspensão traseira batia bastante em fim de curso.
        Com relação ao consumo este é o de bomba? O de painel não é tão preciso. O meu antigo costumava fazer 14,1~14,5km/l com gasolina em trechos somente de estrada. Nunca consegui fazer mais que isso em 92 mil km que rodei até vende-lo.

        • Amauri Gomes

          Sim, estes casos são bem famosos por sinal. Mas a correção foi feita a partir dos modelos 2016. Daí para frente, suspensão ok. Estes são realmente do CB (painel). Acredito que consigo este consumo pela relativa baixa velocidade (100, 110 devido as rodovias por estes lados e também a topografia nos trechos que pego em específico desta rodovia, apesar de em viagens já ter conseguido). Cara, uma info que julgo importante é que justamente os modelos a partir de 2016 (nos 1.6 gamma) houve melhora significativa do consumo. Foram feitos alguns ajustes nesta motorização justamente pelas reclamações de consumo. Acredito que há pela net algumas matérias a respeito, mas um mecânico da Hyundai confirmo esta informação também.

          • Michel Soares Pintor

            Que bom. Pra mim como antigo proprietário era esse o problema que mais me incomodava além do pouco espaço no banco traseiro pois costumo viajar semanalmente com 5 pessoas no carro e é bem apertado na parte de trás.

    • Murilo Soares de O. Filho

      UP é um citycar bem honesto, mas não sei se vale a pena a versão TSI, isso se não quer gastar muito, se você é solteiro e anda praticamente só e tem grana, vale a pena, eu digo para todos, quem gosta de dinheiro não compra carro caro e completo, pois carro não é investimento, mas se você gosta, e não liga pra opinião dos outros, compra e seja feliz.

      • T1000

        Depende, no meu caso carro é investimento pois preciso do mesmo para conseguir trabalhar. E tem que ser um carro bom e sempre novo para não me deixar na mão e não precisar faltar toda hora para resolver problema em concessionária. Também precisa passar credibilidade no trabalho. Ser humano é um bicho complicado.

  • FREDRED

    Em 2017 cogitei a compra de um hb20 turbo, mas a css ruim de negócio, planos com juros muito alto e quase nada de desconto, desisti da compra.

    • Hugo Santos

      passei pela mesma situação. em 2016 (quase 2017) fui a uma concessionária Hyundai justamente para ver o hb20 turbo e fazer test drive, na época ele tava saindo a 47 mil, fiz o test drive mas não me agradei do desempenho (na situação de uso normal/cidade e não de corrida). Dias depois voltei a concessionária e estava decidido a levar o HB20 turbo mesmo, mas ele tinha sofrido aumento de preço (de 47 para 49 mil), não quiseram negociar desconto, não tinha nenhuma promoção de taxa zero para ele, e o HB20 1.6 estava cerca de apenas 2.300 a mais no preço e com taxa zero. Mas pela falta de interesse em vender o carro e na péssima avaliação do meu usado desisti da compra. Depois procurei uma Hyundai de outra cidade onde fui bem atendido e adquiri o HB20 1.6. Já fiz uma viagem de 1.100km onde consegui a média de 18km/l a 105km/h (a 110km/h ele já aumentava consideravelmente o consumo) carro muito econômico na estrada mas na cidade ele consome bem (é dificil eu manter uma média acima de 10km/l). O que tenho pra falar dele é: carro muito esperto, responde bem nas ultrapassagens, econômico na estrada (segundo o relato do amigo acima, fizeram uma melhoria no consumo a partir de 2016, mas foi em prol da 6ª marcha). Os pontos negativos que percebi foram: regularem do banco do motorista que não diferencia em nada praticamente, as travas dos cintos de segurança traseiro ficam quase sempre batendo no plástico que tem ao lado de fora das laterais do encosto do banco (eu sempre deixo apoiados no encosto do banco, mas sempre que pego um carona, quando ele desce, o cinto fica apoiado no plástico) e a proteção de plástico da tampa do porta malas que é um plástico duro em contato direto com a lataria da tampa ocasionando barulho chegando até a comer a pintura da tampa ( tive que colocar uma borracha entre os dois)

  • afonso200

    deveriam colocar manutençao até 100k km, pois a Hyundai tem plano de 100k km

  • Abdallah

    Achei meio beberrão,…

  • mjprio

    Concordando com boa parte dos comentários, acho que esse modelo nao deu certo, pelo equívoco de estratégia, pelo motor que apresenta pouca eficiência e tem um projeto defasado em relação ao TSI ( parece que “enfiaram” um turbo no 3L 1.0 e só, diferente do TSi) e a ausência de uma versão AT

  • Lucas

    galera, qual seria a melhor opção do mercado hoje, relacionado a custo/beneficio e manutenção barata? estou a procura de um dos modelos de populares mas estou muito em duvida, uma ajudinha seria interessante. Muito obrigado!

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email