Hilux 2010: versões, preços, motor, desempenho, consumo, revisão

Hilux 2010: versões, preços, motor, desempenho, consumo, revisão

A Hilux 2010 chegou ao mercado tendo como novidade o lançamento da versão SR 4×2 com transmissão automática, o que deu mais importância para a versão de acesso da picape média da Toyota, fabricada em Zárate, Argentina.


Com 16 versões, a Hilux tinha uma boa oferta para o mercado nacional e tinha como missão destronar a líder Chevrolet S10, ainda na primeira geração. Já a picape da Toyota já estava em sua segunda geração na região.

Contando com três motores, a Hilux tinha um 2.7 a gasolina com 158 cavalos, um diesel 2.5 com 102 cavalos e outro com 3.0 litros, entregando 163 cavalos. Além disso, tinha opção de câmbio automático de quatro marchas.

Havia ainda câmbio manual de cinco marchas, além de opção de tração 4×2 ou 4×4 com reduzida. Por aqui, a Hilux 2010 oferecia carroceria com cabine simples ou dupla. A primeira era focada no trabalho, enquanto a segunda tinha uso misto.

Oferecida nas versões de trabalho, sem denominação, tinha ainda as opções SR e SRV, que empregavam uma quantidade razoável de equipamentos, entre eles direção hidráulica, ar-condicionado, piloto automático e sistema de áudio, etc.

A Toyota Hilux dividia a plataforma com a Toyota SW4, tendo uma quantidade razoável de equipamentos, nada muito sofisticado, visto que os clientes estavam mais interessados na robustez e confiabilidade do produto que no luxo.

Por isso, empregava elementos que focavam mais no conforto, como vidros elétricos, travas elétricas, bancos em couro, chave com telecomando, retrovisores elétricos, porta-copos, porta-objetos, volante em couro, cluster completo, etc.

Com uma caçamba de carga de 1.000 litros, a Hilux 2010 podia receber capota marítima, permitindo o transporte de alguns itens sem molhar ou protegidos parcialmente do alheio.

Tendo uma carroceria de aço estampado, montada sobre um chassi de longarinas em “U”, a Toyota Hilux é um produto com foco na resistência e fora de estrada, empregando suspensão dianteira de duplo braço com molas helicoidais.

Na traseira, o conjunto tem eixo rígido com diferencial, cardã e feixes de molas semielípticas, que garantem sua capacidade de carga de 1.000 kg e conforto ao dirigir em pisos ruins.

Com tanque deslocado e sistema de escape paralelo, a picape tinha ainda estepe sob o assoalho, bem como rodas aro 16 polegadas de aço ou liga leve, com pneus 205/70 R16 na 2.5 diesel e 265/70 R16 com motores 2.7 e 3.0 litros.

Os freios eram robustos com discos ventilados na frente e tambor auto-ajustável na traseira, além de direção hidráulica progressiva. Além disso, vinha de fábrica com airbag duplo, cintos com pré-tensionamento e freios com ABS e EDB.

Lançada em 1968, a Toyota Hilux está hoje em sua oitava geração, mas o modelo 2010 é da sétima geração. A primeira surgiu com motor em longitudinal e tração traseira, sendo bem baixa e parece com picapes leves.

Com motores a gasolina, ela teve uma segunda geração em 1972 e manteve seu estilo anterior, porém, foi a primeira a ser feita fora do Japão, construída nas Filipinas. Ela chegou ao mercado americano em substituição à picape Land Cruiser.

Na terceira geração, em 1978, a Hilux ganhou tração 4×4 e o primeiro motor diesel, um 2.2 litros. De 1983 a 1988, a quarta geração da picape chegou a ter quatro motores diesel diferentes e manteve o layout de suspensão baixa e cabine simples.

Já a quinta geração chama atenção por ser a primeira com suspensão elevada e cabine dupla, bem como foi a primeira vez que a Toyota mesclou uma picape com um parceiro externo, a Volkswagen, dando origem ao modelo Taro.

Embora a quarta geração tenha sido feita também no Uruguai, a quinta foi primeiro modelo global da Hilux, iniciando a produção argentina, bem como na Colômbia, Nova Zelândia, Alemanha, Tailândia, EUA (hoje a Tesla), Japão e Filipinas.

Foi a primeira geração da Hilux a durar uma década e continuou a ser feita nessa geração até 2005, na Argentina. Teve dois motores diesel da série L (2.4 e 2.8) e quatro a gasolina. Foi substituída pela Tacoma nos EUA.

Já a sexta geração não existiu no Brasil, sendo feita na Colômbia, Japão, Filipinas, Tailândia e Venezuela. Ela empregou os dois motores da série KD e mais três modelos a diesel, embora ainda com quatro a gasolina.

No caso da Hilux 2010, o modelo era da sétima geração de 2005, que durou até 2015, sendo feita, além da Argentina, Malásia, África do Sul, Paquistão, Tailândia e Venezuela. Foi a primeira a deixar a produção japonesa.

Em 2015, a oitava geração surgiu com motores KD, GD e 3L, além de três opções a gasolina, incluindo o primeiro V6 do modelo, o 4.0, que não foi usado no Brasil. Tinha os dois TR, sendo um 2.0 e o outro 2.7, este Flex no Brasil.

Foi a primeira com transmissão de seis marchas, tanto manual quanto automática, além de ter o motor 1GD 2.8 elevado para 204 cavalos e 50,9 kgfm na linha 2021, que ganhou várias tecnologias de segurança. Foi a primeira com 7 airbags.

Também foi a primeira com controles de tração e estabilidade, assim como assistente de partida em rampa. Com nona geração esperada para 2023, será a primeira Hilux híbrida a aparecer, mas ainda não se sabe de detalhes do modelo.

Hilux 2010 – detalhes

Hilux 2010: versões, preços, motor, desempenho, consumo, revisão

A Hilux 2010 tinha frente com linhas fluidas, sendo que os faróis possuíam lentes simples com piscas e lanternas, bem como uma grade com dupla tonalidade, sendo cromada na parte superior e cinza-chumbo na parte inferior.

O para-choque tinha linhas suavez e grande abertura horizontal, com grelha preta e faróis de neblina nas extremidades. Nas laterais, as saias de rodas possuíam molduras na cor do carro, enquanto os para-lamas tinham repetidores de direção.

Na versão SR, maçanetas e retrovisores eram pretos, mas na SRV as primeiras eram na cor do carro, enquanto os retrovisores eram cromados. Eles também tinham rebatimento elétrico dos espelhos.

Já as rodas de liga leve aro 16 polegadas eram as mesmas nas duas versões, tendo pneus 265/70 R16. Já as demais versões tinham rodas de aço sem calotas e com aro 16 polegadas, mas com pneus 205/70 R16.

Com antena elétrica na coluna A, a Hilux 2010 não tinha teto solar e nem grade no vidro traseiro, assim como também era vendida sem capota marítima, itens que se podia adquirir na rede Toyota.

A SRV vinha ainda com estribos laterais para facilitar o acesso ao interior, enquanto na traseira, as lanternas eram verticais, tendo na tampa maçaneta superior, além de luz auxiliar de freio.

O para-choque tinha degraus emborrachados e com rebaixo na parte central, facilitando o ingresso junto à caçamba de carga. Com 1.000 litros na cabine dupla e 1.580 litros na simples, o compartimento de carga era bem amplo.

Na cabine simples, a Hilux 2010 tinha trilhos nas bordas da caçamba, facilitando a amarração de carga. Essa versão tinha para-choques pretos, assim como grade e depois itens plásticos externos. Não tinha molduras nas saias de rodas.

Por dentro, o painel era moderno, tendo dois tons com preto na parte superior e cinza abaixo. A Hilux 2010 tinha dois espaços para objetos ao lado do rádio, assim como difusores de ar com aletas.

O sistema de áudio era 2din com CD player, MP3, USB e Bluetooth, sendo que logo acima havia um display com o famoso relógio digital, assim como luzes-espiãs. Já o volante de quatro raios tinha forração em couro e ajuste em altura.

Ele vinha com comandos de mídia, telefonia e computador de bordo, visto que o piloto automático ficava numa haste na coluna de direção. O ar-condicionado era automático na SRV e havia trio elétrico completo, bem como bancos em couro.

A tração 4×4 era por alavanca ao lado do câmbio. Luzes de leitura, retrovisor eletrocrômico, cintos completos, airbag duplo e freios ABS estavam incluídos.

Hilux 2010 – versões

Hilux 2010: versões, preços, motor, desempenho, consumo, revisão

  • Toyota Hilux 2010 CD SR 2.7 4×2 MT
  • Toyota Hilux 2010 CD SR 2.7 4×2 AT
  • Toyota Hilux 2010 Chassi 2.5 4×4 MT
  • Toyota Hilux 2010 CS 2.5 4×2 MT
  • Toyota Hilux 2010 CS 2.5 4×4 MT
  • Toyota Hilux 2010 CD 2.5 4×2 MT
  • Toyota Hilux 2010 CD 2.5 4×4 MT
  • Toyota Hilux 2010 CD SR 3.0 4×2 MT
  • Toyota Hilux 2010 CD SR 3.0 4×4 MT
  • Toyota Hilux 2010 CD SRV 3.0 4×2 MT
  • Toyota Hilux 2010 CD SRV 3.0 4×4 MT
  • Toyota Hilux 2010 CD SRV 3.0 4×4 AT

Equipamentos

Hilux 2010: versões, preços, motor, desempenho, consumo, revisão

Toyota Hilux Chassi 2.5 4×4 MT – Motor diesel 2.5 com câmbio manual, mais rodas de aço aro 16, detalhes pretos, ar-condicionado, direção hidráulica, bancos em tecidos, etc.

Toyota Hilux CS 2.5 4×2 MT – Itens acima, mais caçamba de aço com tampa.

Toyota Hilux CS 2.5 4×4 MT – Itens acima, mais tração 4×4 com reduzida.

Toyota Hilux CD SR 2.7 4×2 MT – Motor 2.7 a gasolina, mais para-choques na cor do carro, grade pintada, vidros e travas elétricos, retrovisores elétricos, rádio com CD, Bluetooth, USB, rodas de liga leve, entre outros.

Toyota Hilux CD SR 2.7 4×2 AT – Itens acima, mais câmbio automático.

Toyota Hilux CD 2.5 4×2 MT – Itens da CS 2.5, mais três lugares.

Toyota Hilux CD 2.5 4×4 MT – Itens acima, mais tração 4×4.

Toyota Hilux CD SR 3.0 4×2 MT – Itens da SR 2.7, mais motor diesel.

Toyota Hilux CD SR 3.0 4×4 MT – Itens acima, mais tração 4×4.

Toyota Hilux CD SRV 3.0 4×2 MT – Itens acima, mais estribos, grade e retrovisores cromados, maçanetas na cor do carro, ar-condicionado automático, rebatimento dos retrovisores, bancos em couro, volante multifuncional em couro, piloto automático, entre outros.

Toyota Hilux CD SRV 3.0 4×4 MT – Itens acima, mais tração 4×4.

Toyota Hilux CD SRV 3.0 4×4 AT – Itens acima, mais câmbio automático.

Preços

Hilux 2010: versões, preços, motor, desempenho, consumo, revisão

  • Toyota Hilux CD SR 2.7 4×2 MT – R$ 55.019
  • Toyota Hilux CD SR 2.7 4×2 AT – R$ 65.584
  • Toyota Hilux Chassi 2.5 4×4 MT – R$ 39.724
  • Toyota Hilux CS 2.5 4×2 MT – R$ 51.117
  • Toyota Hilux CS 2.5 4×4 MT – R$ 59.638
  • Toyota Hilux CD 2.5 4×2 MT – R$ 61.532
  • Toyota Hilux CD 2.5 4×4 MT – R$ 67.264
  • Toyota Hilux CD SR 3.0 4×2 MT – R$ 66.230
  • Toyota Hilux CD SR 3.0 4×4 MT – R$ 72.320
  • Toyota Hilux CD SRV 3.0 4×2 MT – R$ 80.350
  • Toyota Hilux CD SRV 3.0 4×4 MT – R$ 81.965
  • Toyota Hilux CD SRV 3.0 4×4 AT – R$ 84.828

Hilux 2010 – motor

Hilux 2010: versões, preços, motor, desempenho, consumo, revisão

A Hilux 2010 teve três motores disponíveis no mercado brasileiro. Dois deles eram motores diesel e outro a gasolina, pertencentes às linhas KD e TR, respectivamente.

A picape média da Toyota usou a série de motores diesel KD, que surgiu em 2000. Conhecido comercialmente como D-4D, o 1KD-FTV aparece há 20 anos como um propulsor com bloco de ferro fundido e cabeçote de alumínio.

Com duplo comando de válvulas e quatro válvulas por cilindro, o 1KD-FTV tinha ainda injeção eletrônica Common-Rail e turbina de geometria variável, empregando ainda sistema de recirculação de gases de escape (EGR).

Tendo intercooler, o 1KD-FTV tinha 2.982 cm3 e taxa de compressão de 17,9:1, entregando 163 cavalos a 3.400 rpm e 35 kgfm a partir de 1.400 rpm. O D-4D 3.0 diesel da Hilux 2010 ainda é um motor muito apreciado no mercado.

Ele era oferecido nas versões SR e SRV, entregando assim desempenho e economia para o uso no dia a dia, tendo ainda grande força em baixas rotações. Foi usado também na SW4, diferente do irmão menor, o 2KD-FTV.

No mercado exterior, o 1KD teve versões com 173 cavalos e 36 kgfm, bem como um 3.0 de 190 cavalos e 42,6 kgfm. Esta teria sido uma opção interessante aqui, mas a Toyota ainda estava numa fase de manter o status quo.

Depois de alguns anos, na atualização da Hilux da geração anterior, o motor 3.0 D-4D recebeu um ajuste para chegar a 171 cavalos. A mudança foi sutil, feito para se tornar mais econômico.

Então, com a mudança de geração da Hilux, o 1KD foi substituído pelo 1GD, uma nova geração de motor diesel da Toyota com 2.8 litros e 177 cavalos. Esta variante também poderia ter subido pouco em potência, mas a marca mudou a postura.

Com alteração no mundo todo, a Hilux 2021 recebeu um 1GD 2.8 com nada menos que 204 cavalos e 50,9 kgfm. Isso é o dobro do oferecido pelo segundo motor diesel da Hilux 2010.

Considerado como uma segunda geração da linha KD, o 2KD-FTV tinha um volume menor que o 1KD. Com 2.494 cm3, o motor surgiu apenas um ano depois do 1KD, mas era bem mais fraco que o 3.0 D-4D.

Também conhecido como D-4D, o 2.5 litros surgiu com duas potências, sendo 88 cavalos e 19,5 kgfm ou 102 cavalos a 3.600 rpm com 26,5 kgfm entre 1.600 e 2.400 rpm, o motor também tinha injeção Common-Rail e turbo com intercooler.

Com taxa de compressão maior (18,5:1), o 2KD-FTV recebeu melhorias em 2005, melhorando sua eficiência energética, mas não aumentando a potência. Usado sempre com uma transmissão manual de cinco marchas, ele foi usado na base.

Focadas no trabalho, as versões de acesso da Hilux 2010 empregavam esse motor com ou sem tração nas quatro rodas, sendo usado com cabine simples, dupla ou com chassi-cabine.

Já o D-4D 3.0 tinha a mesma opção de transmissão manual de cinco marchas, mas também uma caixa automática de quatro marchas. Podia ter tração 4×2 ou 4×4, mas nunca foi usado no modelo de cabine simples.

O 2.5 D-4D foi retirado depois de alguns anos, ficando apenas o 3.0 diesel. Mas, além deles, a linha Hilux 2010 ainda empregava um terceiro motor, este de ciclo Otto.

Em 2004, a Toyota lançou um motor de ciclo Otto abastecido com gasolina, que foi chamado de 1TR-FE. Ele foi desenvolvido para equipar veículos como Hilux, Fortuner e Innova, que existiam sobre a plataforma IMV.

O primeiro era um 2.0 16V VVT-i que teve de 136 a 139 cavalos, mas nunca usado no Brasil. Havia uma versão mais fraca, chamada 1TR-FPE, que tinha 116 cavalos, mas que também nem passou perto do Brasil.

Então, o maior 2TR-FE foi escolhido. Com 2.693 cm3, o 2.7 litros chegou a bordo da Hilux 2010 com 158 cavalos a 5.200 rpm e 24,5 kgfm a 3.800 rpm. Nessa época, ele ainda não tinha o comando VVT-i para válvulas de admissão.

Pesado, é construído com bloco de ferro fundido e tem cabeçote de alumínio, além de aspiração natural e injeção multiponto. Recebeu atualização em 2015, passando a ser flex e chegando a 163 cavalos, o que se mantém até hoje.

A Toyota, assim como a Chevrolet, são as duas únicas marcas que ainda apostam em motorização flex para picapes médias no Brasil. Foi usado com transmissão manual ou automática de quatro marchas na Hilux 2010. Geralmente era 4×2.

Desempenho

Hilux 2010: versões, preços, motor, desempenho, consumo, revisão

  • Toyota Hilux 2.7 Gasolina AT – 15 segundos e 165 km/h
  • Toyota Hilux 2.5 Diesel MT – 19,9 segundos e 154 km/h
  • Toyota Hilux 3.0 Diesel AT – 12 segundos e 176 km/h

Consumo

Hilux 2010: versões, preços, motor, desempenho, consumo, revisão

  • Toyota Hilux 2.7 Gasolina AT – 6,5/8,5 km/l
  • Toyota Hilux 2.5 Diesel MT – 10/13 km/l
  • Toyota Hilux 3.0 Diesel AT – 8,5/10,9 km/l

Hilux 2010 – manutenção e revisão

Hilux 2010: versões, preços, motor, desempenho, consumo, revisão

A rede Toyota tem revisões a cada 10.000 km ou 12 meses para a Hilux 2010, apesar de ser um modelo com motor diesel, diferente da Fiat ou Jeep, que permite trocas a cada 20.000 km, por exemplo.

Com custo de revisões não listado no site da marca japonesa, o cliente tem que consultar a rede de concessionárias para saber o valor exato. Nas revisões, são inspecionados suspensão, direção, freios, parte elétrica, hidráulica e mecânica.

São feitas substituição de filtro de óleo, filtro de ar do motor, filtro de diesel, filtro de gasolina, óleo do motor, líquido de arrefecimento, fluido de freio, filtro separador de água do diesel, filtro de partículas no diesel, velas, correias, etc.

Além disso, a rede Toyota tem serviços como funilaria, pintura, alinhamento, balanceamento, cambagem, troca de pastilhas de freio, lonas, molas, feixes, buchas, pivôs, batentes, amortecedores, pneus, recall, entre outros.

Hilux 2010 – ficha técnica

Hilux 2010: versões, preços, motor, desempenho, consumo, revisão

Motor2.72.5 Diesel3.0 Diesel
Tipo
Número de cilindros4 em linha4 em linha4 em linha
Cilindrada em cm3269424942982
Válvulas161616
Taxa de compressão9,6:118,5:117,9:1
Injeção eletrônicaIndiretaDireta, turboDireta, turbo
Potência máxima158 cv a 5.200 rpm (gasolina)102 cv a 3.600 rpm (diesel)163 cv a 3.400 rpm (diesel)
Torque máximo24,5 kgfm a 3.800 rpm (gasolina)26,5 kgfm a 1.600 rpm (diesel)35 kgfm a 1.400 rpm (diesel)
Transmissão
TipoManual de 5 marchas ou automática de 4 marchasManual de 5 marchasManual de 5 marchas ou automática de 4 marchas
Tração
Tipo4×24×44×4
Direção
TipoHidráulicaHidráulicaHidráulica
Freios
TipoDiscos dianteiros e tambores traseirosDiscos dianteiros e tambores traseirosDiscos dianteiros e tambores traseiros
Suspensão
DianteiraBraço duploBraço duploBraço duplo
TraseiraEixo rígidoEixo rígidoEixo rígido
Rodas e Pneus
RodasLiga leve aro 16 polegadasLiga leve aro 16 polegadasLiga leve aro 16 polegadas
Pneus265/70 R16205/70 R16265/70 R16
Dimensões
Comprimento (mm)5.2555.2555.255
Largura (mm)1.8351.7601.835
Altura (mm)1.8201.8201.820
Entre eixos (mm)3.0853.0853.085
Capacidades
Caçamba (L)1.0001.000 (CD) 1.580 (CS)1.000
Tanque de combustível (L)808080
Carga (Kg)8551.000 (CD) 1.095 (CS)1.000
Peso em ordem de marcha (Kg)1.7051.715 (CS) 1.8551.910
Coeficiente aerodinâmico (cx)NDNDND

Hilux 2010 – fotos

https://www.youtube.com/watch?v=DpIoURuU0gs

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações.