Hilux 2016: preços, motor, consumo, equipamentos, revisão

Hilux 2016: preços, motor, consumo, equipamentos, revisão

A Hilux 2016 chegou ao Brasil carregada de novidades e, ao mesmo tempo, como uma grande aposta da Toyota para enfrentar suas principais rivais, como Chevrolet S10, Ford Ranger e companhia.


Afinal, foi nessa linha que a picape japonesa trouxe sua oitava geração, com mudanças visuais, interior totalmente renovado, novo motor diesel e mais equipamentos de conforto e segurança.

Mesmo com seu alto preço logo de cara, a representante da Toyota entre as picapes ultrapassou as concorrentes e garantiu o primeiro lugar nas vendas.

Confira em detalhes a Hilux 2016!

Hilux 2016 – detalhes

Hilux 2016: preços, motor, consumo, equipamentos, revisão

A expectativa em torno de qualquer lançamento sempre começa vários meses (às vezes, até mais de 1 ano) antes do modelo ser exibido em sua forma final ao público, e não foi diferente no caso da Hilux 2016.

Por ser um produto mundial, seus primeiros flagras começaram a surgir na Ásia bem antes da hora, como as fotos tiradas dentro de uma fábrica da marca na Tailândia no início de 2015.

Esse flagra revelou o visual da dianteira e da traseira, indicando que profundas mudanças estavam por vir.

A Toyota fez um ótimo trabalho ao guardar a sete chaves o desenho de sua nova picape, mas a curiosidade do público costuma falar mais alto (assim como o oportunismo de quem tem acesso a informações confidenciais).

Meses antes do lançamento oficial na Ásia, que ocorreria em junho de 2015, uma imagem do catálogo da Hilux 2016 foi colocada na internet para revelar por completo seu visual externo. Isso acabou confirmando o que as projeções anteriores indicavam sobre seu desenho.

Mesmo assim, ainda faltava um detalhe para acabar com a expectativa em torno desse lançamento: as fotos do interior. Mas isso também foi resolvido pouco tempo depois do flagra citado acima, e tais imagens mostraram que as mudanças na cabine seriam ainda maiores.

Depois de tantos flagras, a nova Hilux 2016 finalmente foi lançada simultaneamente na Tailândia e na Austrália em 21 de maio de 2015. Para a Toyota, a oitava geração de sua picape era uma das maiores revoluções do segmento. Será que foi mesmo?

Leia também sobre a Hilux 2017.

Visual externo com mudanças pontuais

Hilux 2016: preços, motor, consumo, equipamentos, revisão

Ao enumerar todas as novidades apresentadas pela Hilux 2016, podemos dizer que o visual sempre chama mais atenção, ainda que nesse caso esse não tenha sido o ponto mais importante.

Com diferenças muito sutis para o modelo que seria lançado no Brasil posteriormente, a Hilux 2016 vista em seu lançamento mundial apontava para uma direção sem volta, que era a aparência cada vez mais similar aos produtos de passeio (nesse caso, o Corolla).

A picape ganhou uma dianteira mais espichada, com faróis remodelados (e maiores) que invadiam bem mais a lateral do que a geração anterior. A aposta nos cromados também era vista claramente na grade frontal, onde quatro barras com esse acabamento abraçavam o logotipo e se juntavam de forma sutil ao desenho dos faróis.

O para-choque da Hilux 2016 também havia ficado ligeiramente mais musculoso, tendo uma boa abertura na parte central e contando com os faróis de neblina nas extremidades. Aqui vale citar que o ângulo de entrada da picape teve uma ligeira melhora, passando de 30 para 31 graus.

Hilux 2016: preços, motor, consumo, equipamentos, revisão

Vista de frente, a novidade da Toyota ficou mais moderna e refinada do que agressiva. A estratégia da marca era exatamente essa, especialmente pela procura cada vez maior dos chamados “clientes urbanos”.

Mas ali também era possível ver um enorme deslize da marca, visando a economia: deixar o para-choque com pintura fosca, diferente do restante da carroceria. Sim, a versão SRX que custava quase R$ 190 mil vinha desse jeito.

No caso das versões mais caras vendidas em nosso país, a Hilux 2016 ainda contava com filetes de LED nos faróis para as luzes de condução diurna, além de mais partes cromadas. Fora isso, o visual era basicamente o mesmo.

Hilux 2016: preços, motor, consumo, equipamentos, revisão

Em sua lateral, a picape era ainda mais simples e não tinha vincos tão chamativos como vemos em outros segmentos. Dependendo da versão, ela contava com maçanetas e espelhos cromados, que ainda vinham com repetidores de seta.

A janela traseira da nova geração agora era dividida em duas partes, enquanto as caixas de rodas haviam sido ampliadas. Estribos laterais, como de costume, continuavam presentes, e as rodas variavam entre 17 e 18 polegadas.

Já na traseira, a Toyota manteve o tradicional para-choque cromado, mas apostou em lanternas maiores e com a costumeira invasão nas laterais. A abertura da caçamba era feita por uma peça cromada e sua sustentação quando aberta trocava o fio de aço por peças de metal mais resistentes.

Pensando no mercado mais convencional que temos por aqui, a nossa Hilux 2016 não veio com a gigante inscrição “Toyota” que o modelo asiático costuma ter.

Interior de Corolla

Hilux 2016: preços, motor, consumo, equipamentos, revisão

As mudanças no interior da Hilux 2016 foram bem maiores do que as externas, lembrando bastante o que conhecemos do Corolla. Para alguns, a picape ficou com um habitáculo ainda mais interessante e harmonioso que o sedã.

O novo volante era menor, tinha ótima empunhadura e comandos de fácil acesso, a central multimídia oferecia uma tela sensível ao toque com sete polegadas e o painel de instrumentos apresentava uma visualização excelente.

Para o motorista, a posição de dirigir podia ser vista como um grande avanço, pois o deixava mais confortável e com as pernas esticadas, lembrando o que vemos em sedãs e em alguns SUVs. A direção ainda era hidráulica, mas parecia elétrica por sua leveza nas manobras.

A qualidade dos materiais ainda foi outro ponto elogiado. Ainda que boa parte tivesse um acabamento em plástico, a picape recebeu detalhes metálicos e em black piano que conferiam um nível de refinamento bem superior à geração anterior.

Mas também é preciso destacar que, além dos novos itens de série e dos materiais agradáveis ao toque, o interior da Hilux 2016 ficou melhor em um aspecto mais importante: o espaço para os ocupantes.

Comparada à Hilux anterior, a nova picape estava 8 cm mais longa e 2 cm mais larga, apesar de manter seu entre-eixos em 3,09 metros. Isso resultou em mais conforto para os passageiros de trás, que ganharam mais espaço para os ombros (+ 1,9 cm), para a cabeça (+ 0,8 cm) e para os joelhos (+ 3,5 cm).

Estrutura mais resistente e segura

Hilux 2016: preços, motor, consumo, equipamentos, revisão

Lembra quando falamos que o visual se destaca, mas outras novidades são mais importantes? Algo que comprova isso é que a Hilux 2016 ganhou um chassi reforçado, deixando claro que sua disposição off-road não ficou para trás.

Essa base foi feita com materiais mais leves e mais resistentes, contando ainda com reforços na estrutura em diversos pontos. Para quem não tem medo de colocar a picape na lama, a experiência ficou ainda melhor.

Itens como assistente de partida em rampas, controle de tração ativo, assistente de controle de descida e bloqueador do diferencial traseiro estavam presentes. Além disso, a picape ganhou suspensão com pivôs reforçados e feixes alongados, bem como um curso na suspensão traseira ampliado para 520 mm.

O lançamento no Brasil

A chegada da reformulada Hilux 2016 ao Brasil dependia do início da produção em Zárate, perto de Buenos Aires. A fábrica argentina recebeu um volumoso investimento de US$ 800 milhões para produzir a picape e abastecer vários países da América Latina.

Depois de finalizar a linha de montagem da geração anterior (feita desde 2005 e com um acumulado de quase 800 mil unidades), a marca começou a produzir a nova geração no início de novembro de 2015.

Seu lançamento oficial para a região ocorreu nesse mesmo mês em Mendoza (Argentina), mostrando quase que exatamente o mesmo modelo que já havia sido lançado em outros países.

Um detalhe importante é que a Hilux 2016 chegou ao Brasil apenas com seis versões a diesel, já que as opções flex só foram lançadas no ano seguinte.

Sua extensa lista de equipamentos foi um importante destaque, pois a picape vinha com até sete airbags, porta-luvas refrigerado, central multimídia Toyota Play com GPS, câmera de ré e TV digital, ar-condicionado digital com saída traseira, direção hidráulica progressiva, volante com ajustes de altura e profundidade, vidros, travas e retrovisores elétricos, entre outros.

Vendas (e preços) nas alturas

Hilux 2016: preços, motor, consumo, equipamentos, revisão

Os altos preços praticados pela Toyota no Brasil não são novidade para ninguém, por isso não foi nenhuma surpresa quando a Hilux 2016 chegou com valores bem salgados.

Sua versão SR, a opção automática mais barata, foi lançada por aqui com preço sugerido de R$ 163.320, enquanto a topo de linha SRX era vendida por absurdos R$ 188.120. Quando olhamos para a Hilux 2022, esses valores não são tão assustadores, mas estavam cerca de R$ 30 mil acima das concorrentes diretas.

Mas para quem pensava que isso atrapalharia as vendas da nova Hilux, os números comprovaram que a Toyota sabia o que estava fazendo. E isso vinha desde a Hilux 2015, modelo anterior que mesmo sendo defasado dava muito trabalho para a líder de vendas Chevrolet S10.

Em seu primeiro mês completo nas lojas (dezembro de 2016), a nova Hilux 2016 bateu a S10 ao emplacar 3.479 unidades, ficando atrás apenas da Fiat Strada e suas 6.865 unidades vendidas.

E antes que alguém diga que isso foi sorte de principiante, veja o que aconteceu durante todo o ano de 2016. Ao final desse período, a renovada picape da Toyota acumulou 34.031 unidades contra 26.558 emplacamentos da rival da Chevrolet.

Esse número foi o suficiente para colocar a Hilux na terceira posição entre os comerciais leves, perdendo apenas para a eterna líder Strada (59.449) e uma tal de Fiat Toro 2016 (41.283).

Hilux 2016 – versões

Confira a gama de versões da Hilux 2016, lembrando que inicialmente ela vinha apenas com o novo motor 2.8 turbodiesel e câmbio (manual ou automático) de seis velocidades.

Suas opções de carroceria incluíam as versões chassi, cabine simples (CS) e cabine dupla (CD).

  • Hilux Chassi 2.8 Diesel 4×4 MT6
  • Hilux CS 2.8 Diesel 4×4 MT6
  • Hilux CD STD 2.8 Diesel 4×4 MT6
  • Hilux CD SR 2.8 Diesel 4×4 AT6
  • Hilux CD SRV 2.8 Diesel 4×4 AT6
  • Hilux CD SRX 2.8 Diesel 4×4 AT6

Hilux 2016 – equipamentos

Hilux 2016: preços, motor, consumo, equipamentos, revisão

Hilux Chassi 2.8 Diesel 4×4 MT – motor 2.8 turbodiesel de 177 cv e 42,8 kgfm de torque, com câmbio manual de seis marchas e tração 4×4.

ITENS DE SÉRIE: ar-condicionado, aviso sonoro de chave na ignição e luzes acesas, airbags frontais e para o joelho do motorista, coluna de direção com regulagem de altura e profundidade, direção hidráulica progressiva, limpador do para-brisa com temporizador e nivelador dos faróis, medidor de economia de combustível, entre outros.

Hilux CS STD 2.8 Diesel 4×4 MT– motor 2.8 turbodiesel de 177 cv e 42,8 kgfm de torque, com câmbio manual de seis marchas e tração 4×4.

ITENS DE SÉRIE: itens acima + modos de condução Eco e Power e Isofix.

Hilux STD 2.8 Diesel 4×4 MT – motor 2.8 turbodiesel de 177 cv e 42,8 kgfm de torque, com câmbio manual de seis marchas e tração 4×4.

ITENS DE SÉRIE: mesmos itens da versão STD cabine simples.

Hilux SR 2.8 Diesel 4×4 AT – motor 2.8 turbodiesel de 177 cv e 45,9 kgfm de torque, com câmbio automático de seis marchas e tração 4×4.

ITENS DE SÉRIE: itens acima + câmera de ré, chave canivete, central multimídia com leitor de DVD, porta-luvas refrigerado, rodas de liga leve de 17 polegadas, vidros, travas e retrovisores elétricos, volante multifuncional, entre outros.

Hilux SRV 2.8 Diesel 4×4 AT – motor 2.8 turbodiesel de 177 cv e 45,9 kgfm de torque, com câmbio automático de seis marchas e tração 4×4.

ITENS DE SÉRIE: itens acima + ar-condicionado automático digital com saída para os bancos traseiros, assistente de reboque, assistente de subida de rampas, bancos de couro, controles de tração e estabilidade com controle de tração e reboque, faróis de neblina, central multimídia com navegador GPS e TV digital, controle automático de velocidade (piloto automático), painel em TFT, tomada elétrica 220V, entre outros.

Hilux SRX 2.8 Diesel 4×4 AT – motor 2.8 turbodiesel de 177 cv e 45,9 kgfm de torque, com câmbio automático de seis marchas e tração 4×4.

ITENS DE SÉRIE: itens acima + airbags frontais, laterais, de cortina e para os joelhos (totalizando sete bolsas), assistente de descida, faróis com acendimento e nivelamento automático, faróis em LED, luzes de condução diurna, partida sem chave, rodas de 18 polegadas, entre outros.

Hilux 2016 – preços

Veja os preços de lançamento da Hilux 2016 (e seus valores atuais, de acordo com a tabela Fipe):

  • Hilux Chassi 2.8 Diesel 4×4 MT6 – R$ 114.860 (R$ 87.700)
  • Hilux CS 2.8 Diesel 4×4 MT6 – R$ 118.690 (R$ 92.680)
  • Hilux CD STD 2.8 Diesel 4×4 MT6 – R$ 130.960 (R$ 105.660)
  • Hilux CD SR 2.8 Diesel 4×4 AT6 – R$ 162.320 (R$ 156.470)
  • Hilux CD SRV 2.8 Diesel 4×4 AT6 – R$ 177.000 (R$ 164.680)
  • Hilux CD SRX 2.8 Diesel 4×4 AT6 – R$ 188.120 (R$ 174.030)

(Valores retirados da tabela Fipe em junho de 2021).

Hilux 2016 – motor

Hilux 2016: preços, motor, consumo, equipamentos, revisão

Além das mudanças visuais e na lista de equipamentos, a nova Hilux 2016 também preparava interessantes novidades debaixo do capô, especialmente em suas versões movidas a diesel.

De início, acreditava-se que o propulsor 3.0 turbodiesel teria um aumento de potência e outras atualizações, mas a Toyota tinha outro plano em mente e isso acabou sendo muito bem recebido em todos os mercados.

O antigo motor 3.0 citado acima, que entregava 171 cv e 34,9 kgfm, saiu de linha, dando lugar ao novo propulsor 2.8, parte da família batizada de GD. Além dele, que veio para o Brasil, a marca também lançou o GD 2.4 para substituir o anterior 2.5.

Mas falando sobre o motor que conhecemos por aqui, o propulsor 2.8 tem 4 cilindros em linha, 16 válvulas, disposição longitudinal, turbocompressor de geometria variável e injeção direta de combustível.

Sua potência é de 177 cavalos a 3.400 rotações por minuto, ou seja, um aumento de 6 cv em relação ao motor anterior. A maior mudança veio mesmo no torque, que chega a 42,8 kgfm nas versões manuais (aumento de 22%) e 45,9 kgfm nas opções automáticas (acréscimo de 25%), sempre a 1.600 rpm.

A diferença de torque entre as versões com câmbio manual e automático, segundo a Toyota, ocorre para preservar o câmbio em caso de uma marcha ser engatada de forma errada pelo condutor.

Além dessas mudanças, a Hilux 2016 também veio com a novidade do acionamento eletrônico da tração 4×4, o que substituía o antigo sistema de alavanca dos modelos anteriores.

Hilux 2016 – desempenho

Hilux 2016: preços, motor, consumo, equipamentos, revisão

Quer saber como a Hilux 2016 se comporta quando o assunto é seu desempenho?

Veja seu tempo de aceleração de 0 a 100 km/h e também a velocidade máxima das versões a diesel:

  • Hilux 2.8 Diesel – 13,8 segundos e 180 km/h

Hilux 2016 – consumo

Em relação ao consumo, a Hilux 2016 teve números oficiais que a colocavam na média do segmento, mas que na prática muitas vezes se mostravam ainda melhores (especialmente na estrada).

Para ajudar, a marca também adicionou o modo Eco, que podia ser acionado através de um botão no console e ajudava o motorista a controlar (em tempo real) o consumo da picape.

Confira os números:

CONSUMO CIDADE

  • Hilux 2.8 Diesel CS – 9,3 km/l
  • Hilux 2.8 Diesel CD –  9 km/l

CONSUMO ESTRADA

  • Hilux 2.8 Diesel CS – 11,2 km/l
  • Hilux 2.8 Diesel CD – 10,5 km/l

Hilux 2016 – manutenção e revisão

Revisão

Custo

QuilometragemPreços Diesel
10.000 kmR$ 827,01
20.000 kmR$ 1.284,00
30.000 kmR$ 1.458,00
40.000 kmR$ 2.115,00
50.000 kmR$ 1.110,00
60.000 km(não informado)
TotalR$ 6.794,01

Hilux 2016 – ficha técnica

Motor

2.8 Diesel

TipoDianteiro longitudinal, Turbo e Diesel
Número de cilindros4 em linha
Cilindrada em cm32755
Válvulas16
Taxa de compressão15:1
Injeção eletrônica de combustívelDireta
Potência Máxima Líquida (ABNT NBR 5484)Diesel: 177 cv @ 3400 rpm
Torque Máximo Líquido (ABNT NBR 5484)Diesel: 42,8 kgfm @ 1600 rpm (45,9 kgfm na versão AT)
Transmissão
TipoManual 6 marchas / Automática 6 marchas
Tração
Tipo4×4 com reduzida
Freios
TipoDisco ventilado / Tambor
Direção
TipoHidráulica
Suspensão
DianteiraBraços sobrepostos, barra estabilizadora
TraseiraEixo rígido
Rodas e Pneus
RodasLiga Leve aro 17/18 polegadas
Pneus225/70 R17 ou 265/65 R17 ou 265/60 R18
Dimensões
Comprimento total (mm)5330
Largura sem retrovisores (mm)1855 / 1800 (cabine simples)
Altura (mm)1815 / 1795 (cabine simples)
Distância entre os eixos (mm)3085
Capacidades
Porta-malas (litros)1000 / 1580 (cabine simples)
Tanque (litros)80
Carga útil, com 5 passageiros mais bagagem (kg)1000 / 1195 (cabine simples)
Peso em ordem de marcha (kg)2075 a 2090
Ângulo de entrada/saída31/26 ou 30/25 graus

Hilux 2016 – fotos

Viny Furlani

Formado em Gestão de Negócios, trabalha no segmento automotivo há mais de 17 anos. Em 2009, passou a escrever avaliações e notícias sobre carros, totalizando mais de 2.000 artigos, em vários sites. Além das matérias escritas para o NA, também cuida das mídias sociais do site.