Hilux 2018: versões, motores, consumo, manutenção, revisão

Hilux 2018: versões, motores, consumo, manutenção, revisão

A Hilux 2018 foi um modelo importante para a Toyota manter sua boa posição entre as picapes, segmento que sempre foi muito importante para a marca aqui no Brasil.


Essa linha foi a última antes da reestilização que chegou em 2019, a primeira mudança na nova geração oferecida por aqui desde 2016.

Também foi um dos modelos com mais versões disponíveis, entre as configurações convencionais e algumas versões especiais.

Confira todos os detalhes da Hilux 2018!

Hilux 2018 – detalhes

Hilux 2018: versões, motores, consumo, manutenção, revisão

Leia também sobre a Hilux 2021.

O visual da Hilux 2018 mantinha pelo último ano o que havia sido apresentado na linha 2016, quando a picape recebeu sua nova geração aqui no Brasil.

A aparência da picape continuava moderna, se assemelhando bem mais ao Corolla em vários aspectos, mas mantendo a robustez que os fãs desse segmento não abrem mão.

Em sua dianteira, a Hilux 2018 se destacava pela chamativa grade cromada. Especialmente nas versões mais caras, essa parte central parecia invadir os faróis pelo uso das luzes de condução diurna em LED, o que gerava um efeito bem interessante.

O para-choque continuava musculoso, tendo ao centro a abertura para entrada de ar e nas extremidades os faróis de neblina, que também eram de LED.

Das extremidades da grade cromada surgiam dois vincos mais pronunciados no capô, que se estendiam em direção aos espelhos retrovisores laterais.

Tudo isso foi pensado pela Toyota para dar à Hilux 2018 um visual de veículo de passeio, com forte inspiração no Corolla. A boa receptividade do público mostrou que a marca acertou ao fazer isso.

Hilux 2018: versões, motores, consumo, manutenção, revisão

Apesar disso, vale destacar que a picape japonesa não perdeu sua imponência, o que era visto claramente na dianteira. Ela parecia ainda mais alta, mesmo que na ficha técnica vejamos o oposto.

Falando sobre suas medidas, a Hilux 2018 mantinha uma carroceria maior que a geração anterior.

Ela tinha 5.330 mm de comprimento (7 cm a mais) e 1.855 mm de largura (+ 2 cm), enquanto seu entre-eixos foi mantido nos 3.085 mm. Por outro lado, a Toyota decidiu reduzir sua altura em 4,5 cm, a deixando com 1.815 mm, o que ajudou a melhorar a dirigibilidade.

Hilux 2018: versões, motores, consumo, manutenção, revisão

Voltando a falar sobre seu visual, vemos que a picape tinha uma lateral harmônica e discreta.

Dependendo da versão, os espelhos recebiam um acabamento cromado e ainda ganhavam repetidores de seta. Abaixo deles, como de costume, estava o emblema do modelo e sua versão, e na parte inferior das portas apareciam os estribos pintados de preto.

Sem qualquer vinco mais chamativo, a Hilux 2018 mantinha um volume maior nas caixas de roda, que variavam entre 17 e 18 polegadas, com pneus 265/65 ou 265/60.

A coluna C era mais grossa, mas sem qualquer aspecto marcante como vemos na rival Mitsubishi L200, por exemplo. A separação clara nesse ponto da carroceria ajudava a reforçar a ideia de que até ali você se sentiria num carro de passeio, mas sem esquecer da volumosa caçamba na parte traseira.

Os vidros eram divididos pela coluna B com pintura preta, e as maçanetas poderiam ter acabamento simples em plástico nas versões mais baratas, receber a pintura da carroceria nas opções intermediárias ou o acabamento cromado nas mais caras.

Hilux 2018: versões, motores, consumo, manutenção, revisão

Chegando à traseira, vemos ali que a Hilux 2018 tinha um aspecto mais conservador, sem detalhes tão chamativos como a Toyota aplicou na dianteira. Mas isso não quer dizer que o visual perdia sua harmonia.

A tampa da caçamba mantinha um visual mais limpo, com lanternas verticais que invadiam as laterais e lembravam até certo ponto o que a geração anterior apresentava.

O para-choque e a maçaneta recebiam um acabamento cromado em algumas versões, além da câmera de ré. Acima da maçaneta, a Hilux 2018 também tinha um brake-light embutido.

Ao abrir a caçamba, outra mudança percebida pelos olhares mais atentos eram as duas peças de metal que substituíam o fio de aço, sustentando melhor a tampa aberta.

O espaço ali variava de acordo com a versão, tendo 1.000 litros ou 1.005 kg de capacidade nas versões com cabine dupla, as mais procuradas.

Já a configuração com cabine simples, totalmente voltada para o trabalho pesado, apresentava números superiores, com 1.580 litros ou 1.020 kg de carga útil. Em qualquer versão, a proteção plástica e a capota marítima eram vendidas como acessórios.

As novidades internas

Hilux 2018: versões, motores, consumo, manutenção, revisão

Se a dianteira da Hilux 2018, e outros aspectos de seu exterior, lembravam um carro de passeio, o interior fazia isso com ainda mais força. E tendo um campeão de vendas como o Corolla em sua gama de produtos, nada mais natural para a Toyota do que aproveitar vários itens do sedã para aprimorar a picape.

A posição de dirigir, por exemplo, era bem superior à geração anterior e realmente lembrava qualquer coisa menos uma picape. O volante vinha com um desenho muito elogiado, com comandos de fácil acesso e ótimo acabamento.

A única reclamação poderia aparecer em relação aos comandos do piloto automático, que apareciam numa alavanca do lado direito e não no próprio volante. Mas parece que isso já se tornou algo rotineiro para os fãs da picape.

O acabamento geral era bom, apesar da Hilux 2018 não se livrar do plástico rígido como material mais usado. Para diminuir a sensação de algo inferior, a Toyota deixou tudo mais agradável ao toque e com detalhes que traziam um pouco mais de refinamento.

Hilux 2018: versões, motores, consumo, manutenção, revisão

Nas versões mais caras, a picape tem um friso metálico no painel que casa muito bem com o acabamento em black piano. Todo o painel foi feito voltado para o motorista, e isso torna a vida a bordo bem melhor para o condutor.

Entre os equipamentos, o grande destaque era a central multimídia de 7 polegadas. Ela era sensível ao toque e trazia funções como GPS, TV digital, câmera de ré, Bluetooth e outros. Já o painel de instrumentos vinha com a nova iluminação em azul, transmitindo mais modernidade.

Os ocupantes da Hilux 2018 ainda poderão usufruir de equipamentos como chave presencial, partida por botão, banco do motorista com ajustes elétricos, saída do ar-condicionado para o banco traseiro e até porta-luvas refrigerado.

Em termos de condução, as novidades apresentadas incluíam assistente de rampa e controle automático do freio em descidas, deixando claro que a Toyota não pensou apenas em itens tecnológicos para aprimorar sua picape.

Mesmo com tantas novidades e equipamentos, você ainda vai encontrar o tão conhecido relógio digital que já virou uma marca registrada em modelos da Toyota. Sim, ele continuava a bordo da renovada e caríssima Hilux 2018, e o motivo para isso apenas a própria marca poderia explicar.

As melhorias que ninguém viu

Hilux 2018: versões, motores, consumo, manutenção, revisão

Não há como negar que o segmento das picapes cresceu muito nos últimos anos, e isso fez com que novos clientes (que nunca haviam experimentado esse tipo de veículo) fossem à sua procura.

O resultado foi que um número cada vez maior de marcas fosse transformando suas picapes em veículos de passeio com caçamba. A Toyota fez o mesmo com a Hilux 2018, mas isso não significou que a picape perdeu sua essência.

Para deixar isso claro, a marca sempre ressaltou que essa geração havia recebido chapas mais grossas no chassi, estrutura reforçada e mais pontos de solda. Isso resultou num aumento considerável da rigidez e mais firmeza de todo o conjunto.

A suspensão ainda ganhou feixe de molas alongado, além de terem sido colocados mais próximos das extremidades laterais. Além disso, o curso da suspensão foi ampliado em 50 mm e a barra estabilizadora ficou mais espessa. Essas mudanças, segundo a Toyota, resultaram em mais estabilidade, menos inclinação e vibrações reduzidas.

Em termos de segurança, a Hilux 2018 manteve as novidades apresentadas nos anos anteriores, como três airbags de série (chegando a sete bolsas nas versões mais caras), freios ABS com EBD, controles de tração e estabilidade e assistente de rampas.

Com isso, ela alcançou cinco estrelas no Latin NCAP, algo inédito para uma picape até então.

Nova versão SR Challenge

Hilux 2018: versões, motores, consumo, manutenção, revisão

Uma das principais novidades da Hilux 2018 foi a chegada da versão SR Challenge, baseada na versão SR com motor diesel.

As principais mudanças dessa nova versão estavam no visual, com novas rodas pintadas em preto, faróis com máscara negra e lanternas escurecidas, protetor no para-choque, santo-antônio, adesivos por toda a carroceria e interior com costuras vermelhas.

Em sua lista de equipamentos, a Hilux SR Challenge 2018 ainda recebeu a central multimídia com tela de 7 polegadas, seis alto-falantes, volante multifuncional, vidros elétricos com função um toque para subida e descida, entre outros.

Com a chegada dessa edição especial, a anterior versão SR turbodiesel saiu de linha. Poucos meses depois, porém, essa configuração voltou ao catálogo da Hilux 2018 por R$ 156.970.

Um ano com problemas

Hilux 2018: versões, motores, consumo, manutenção, revisão

A Hilux 2018 também teve um ano com alguns problemas. Em fevereiro, a picape foi incluída num extenso recall da Toyota que também afetou os modelos SW4, Prius e Lexus NX200t.

O problema estava nos sensores dos airbags, que poderiam não detectar um impacto e falhar em abrir as bolsas de proteção. A Hilux foi a mais afetada desse grupo, com 8.435 unidades envolvidas no chamado.

Em maio do mesmo ano, outro recall foi anunciado, mas dessa vez envolvendo os modelos produzidos entre 2015 e 2016.

Tanto a Hilux, como o SW4, poderiam apresentar falhas no acionamento dos airbags, novamente em seus sensores com falha de funcionamento.

Vendas tranquilas

Hilux 2018: versões, motores, consumo, manutenção, revisão

Apesar dos problemas citados acima e da concorrência cada vez maior no segmento das picapes, a Hilux 2018 não teve muitos problemas para se manter como um dos comerciais leves mais vendidos no Brasil.

Ao final de 2018, a picape da Toyota havia ficado em 4º lugar no geral ao acumular 39.278 unidades, perdendo apenas para as mais baratas Strada, Toro e Saveiro. Falando sobre seu segmento, ela só não liderou se considerarmos a picape maior da Fiat no mesmo grupo.

Olhando apenas para suas reais concorrentes, a Hilux 2018 sobrou.

Suas quase 40 mil unidades emplacadas ficaram bem acima do apresentado pelas rivais Chevrolet S10 (31.761), Ford Ranger (20.552) e Volkswagen Amarok (18.766), o que lhe rendeu uma participação de 19,62% (levando em conta a participação de 29,21% da Toro).

Hilux 2018 – versões

Hilux 2018: versões, motores, consumo, manutenção, revisão

A Hilux 2018 teve uma das linhas mais completas da picape aqui no Brasil, oferecendo 11 versões no total. Eram 4 versões com motor flex e 7 configurações com o propulsor diesel, incluindo as opções chassi, cabine simples e STD, voltadas para a venda direta.

Veja a linha completa da Hilux 2018:

  • Hilux SR 4×2 MT Flex Cabine Dupla
  • Hilux SR 4×2 AT Flex Cabine Dupla
  • Hilux Chassi 4×4 MT Diesel Cabine Simples
  • Hilux Cabine 4×4 MT Diesel
  • Hilux SRV 4×2 AT Flex Cabine Dupla
  • Hilux SRV 4×4 AT Flex Cabine Dupla
  • Hilux STD 4×4 MT Diesel Narrow Cabine Dupla
  • Hilux STD 4×4 MT Fiesel Cabine Dupla
  • Hilux SR Challenge 4×4 AT Diesel Cabine Dupla
  • Hilux SRV 4×4 AT Diesel Cabine Dupla
  • Hilux SRX 4×4 AT Diesel Cabine Dupla

Hilux 2018 – equipamentos

Hilux 2018: versões, motores, consumo, manutenção, revisão

Hilux SR – vem com três airbags, chave canivete, direção hidráulica, ar-condicionado, computador de bordo, coluna de direção com ajuste de altura e profundidade, banco do motorista com ajuste de altura, piloto automático, faróis de neblina, sistema de som com Bluetooth, DVD e entrada USB, rodas de liga leve de 17 polegadas, entre outros.

Hilux SRV – itens acima + painel de instrumentos com tela TFT colorida, controle de estabilidade e tração, assistente de partida em rampas, central multimídia com GPS e TV digital, ar-condicionado digital com terceira saída, entre outros.

Hilux SR Challenge – vem com rodas de liga leve de 17 polegadas pintadas em preto, protetor de para-choque, faróis e lanternas escurecidos, santo-antônio, adesivos da versão, interior com detalhes em preto e vermelho, entre outros.

Hilux SRX – itens acima + airbags laterais e de cortina (sete bolsas), bancos em couro com ajustes elétricos, luz diurna em LED, controle de descida, chave presencial, partida por botão, rodas de liga leve de 18 polegadas, entre outros.

Hilux 2018 – preços

Hilux 2018: versões, motores, consumo, manutenção, revisão

Os preços da Hilux 2018 em seu lançamento variavam entre R$ 108.990 e R$ 193.270. Os valores mais baixos eram relativos às versões flex com cabine dupla ou diesel com cabine simples, essas últimas voltadas para o trabalho.

A diferença para as configurações mais completas equipadas com motor diesel era de quase R$ 85 mil, mas ainda assim a busca pelas versões a diesel sempre foi maior.

Atualmente, esses modelos usados variam entre R$ 107.400 e R$ 188.500 (segundo a tabela Fipe), o que mostra o quanto o preço dos carros subiu no Brasil, além de expor a baixa desvalorização dos modelos da Toyota.

Confira a tabela de preços completa da Hilux 2018:

  • Hilux SR 4×2 MT Flex Cabine Dupla – R$ 108.990
  • Hilux SR 4×2 AT Flex Cabine Dupla – R$ 115.000
  • Hilux Chassi 4×4 MT Diesel Cabine Simples – R$ 119.550
  • Hilux Cabine 4×4 MT Diesel – R$ 123.520
  • Hilux SRV 4×2 AT Flex Cabine Dupla – R$ 124.380
  • Hilux SRV 4×4 AT Flex Cabine Dupla – R$ 135.090
  • Hilux STD 4×4 MT Diesel Narrow Cabine Dupla – R$ 135.780
  • Hilux STD 4×4 MT Fiesel Cabine Dupla – R$ 136.280
  • Hilux SR Challenge 4×4 AT Diesel Cabine Dupla – R$ 161.990
  • Hilux SRV 4×4 AT Diesel Cabine Dupla – R$ 171.260
  • Hilux SRX 4×4 AT Diesel Cabine Dupla – R$ 193.270

Hilux 2018 – motor

Hilux 2018: versões, motores, consumo, manutenção, revisão

Uma das grandes novidades apresentadas pela nova geração da picape, e mantida pela Hilux 2018, era o novo motor diesel. Saía de cena o antigo 3.0 para dar lugar ao 2.8, seguindo a tendência de downsizing.

Esse propulsor de 2.8 litros é longitudinal, com turbocompressor e injeção direta. Seu turbo de geometria variável (ou TGV) melhorava consideravelmente o desempenho e o consumo. Além disso, ele tinha 4 cilindros em linha e 16 válvulas.

Usado até hoje pela picape, ele entrega 177 cavalos a 3.400 rotações por minuto e 45,9 kgfm de torque a 1.600 rpm. Com câmbio manual, o torque cai para 42,8 kgfm, mas de qualquer forma ele é bem superior ao entregue pelo antigo motor 3.0.

Já as versões mais baratas da Hilux 2018 faziam uso do motor 2.7 flex, também com disposição longitudinal, mas com aspiração natural e injeção multiponto. O resultado era uma potência de 159 cv com gasolina e 163 cv com etanol, sempre a 5.000 rpm. O torque era sempre de 25 kgfm, a 4.000 giros do motor.

A transmissão da Hilux 2018 poderia ser manual de cinco marchas ou automática de seis velocidades, enquanto a tração era 4×2 ou 4×4.

Hilux 2018 – desempenho

Hilux 2018: versões, motores, consumo, manutenção, revisão

Confira os números de aceleração de 0 a 100 km/h e velocidade máxima de cada versão da Hilux 2018:

  • Hilux 2.7 Flex MT – 15 segundos e 165 km/h
  • Hilux 2.7 Flex AT – 15 segundos e 165 km/h
  • Hilux 2.8 Diesel MT- 11,8 segundos e 180 km/h
  • Hilux 2.8 Diesel AT – 13,8 segundos e 180 km/h

Hilux 2018 – consumo

Veja qual a versão da Hilux 2018 que menos consumia combustível:

CONSUMO CIDADE:

  • Hilux 2.7 Flex MT – 4,8 km/l com etanol e 6,9 km/l com gasolina
  • Hilux 2.7 Flex AT – 4,8 km/l com etanol e 6,9 km/l com gasolina
  • Hilux 2.8 Diesel MT- 9,3 km/l
  • Hilux 2.8 Diesel AT – 9 km/l

CONSUMO ESTRADA:

  • Hilux 2.7 Flex MT – 5,6 km/l com etanol e 8,1 km/l com gasolina
  • Hilux 2.7 Flex AT – 5,6 km/l com etanol e 8,1 km/l com gasolina
  • Hilux 2.8 Diesel MT- 11,2 km/l
  • Hilux 2.8 Diesel AT – 10,5 km/l

Hilux 2018 – manutenção e revisão

Revisão

Custo

Custo

Custo

Quilometragem

Preços Diesel

Preços Flex 4×2

Preços Flex 4×4

10.000 km

R$ 785,17

R$ 425,38

R$ 431,88

20.000 km

R$ 1.242,00

R$ 852,00

R$ 912,00

30.000 km

R$ 1.416,00

R$ 744,00

R$ 750,00

40.000 km

R$ 2.025,00

R$ 1.725,00

R$ 1.980,00

50.000 km

R$ 1.068,00

R$ 723,00

R$ 750,00

60.000 km

R$ 1.488,00

R$ 1.554,00

R$ 1.617,00

Total

R$ 8.024,17

R$ 6.023,38

R$ 6.440,88

Hilux 2018 – ficha técnica

Motor

2.7 Flex

2.8 Diesel

Tipo

Dianteiro longitudinal, Etanol e Gasolina

Dianteiro longitudinal, Turbo e Diesel

Número de cilindros

4 em linha

4 em linha

Cilindrada em cm3

2694

2755

Válvulas

16

16

Taxa de compressão

12:1

15:1

Injeção eletrônica de combustível

Multiponto

Direta

Potência Máxima Líquida (ABNT NBR 5484)

Gasolina: 159 cv @ 5000 rpm / Etanol: 163 cv @ 5000 rpm

Diesel: 177 cv @ 3600 rpm

Torque Máximo Líquido (ABNT NBR 5484) 

Gasolina/Etanol: 25,0 kgfm @ 4000 rpm

Diesel: 42,8 kgfm @ 1600 rpm (45,9 kgfm na versão AT)

Transmissão

Tipo

Manual 5 marchas / Automática 6 marchas

Manual 5 marchas / Automática 6 marchas

Tração

Tipo

4×2 / 4×4 com reduzida

4×4 com reduzida

Freios

Tipo

Disco ventilado / Tambor

Disco ventilado / Tambor

Direção

Tipo

Hidráulica

Hidráulica

Suspensão

Dianteira

Braços sobrepostos, barra estabilizadora

Braços sobrepostos, barra estabilizadora

Traseira

Eixo rígido

Eixo rígido

Rodas e Pneus

Rodas

Liga Leve aro 17 polegadas

Liga Leve aro 17/18 polegadas

Pneus

265/65 R17

265/65 R17 / 265/60 R18

Dimensões

Comprimento total (mm)

5260

5330

Largura sem retrovisores (mm)

1835

1855 / 1800 (cabine simples)

Altura (mm)

1860

1815 / 1795 (cabine simples)

Distância entre os eixos (mm)

3085

3085

Capacidades

Porta-malas (litros)

1036

1000 / 1580 (cabine simples)

Tanque (litros)

80

80

Carga útil, com 5 passageiros mais bagagem (kg)

730

1000 / 1020 (cabine simples)

Peso em ordem de marcha (kg)

1805 (4×2) / 1830 (4×4)

2090/ 1980 (cabine simples)

Ângulo de entrada/saída

31/26 graus

31/26 ou 30/25 graus

Hilux 2018 – fotos

Viny Furlani

Formado em Gestão de Negócios, trabalha no segmento automotivo há mais de 17 anos. Em 2009, passou a escrever avaliações e notícias sobre carros, totalizando mais de 2.000 artigos, em vários sites. Além das matérias escritas para o NA, também cuida das mídias sociais do site.