Hilux SRV 1997-2022: detalhes, consumo, motores, desempenho, etc

Hilux SRV 1997-2022: detalhes, consumo, motores, desempenho, etc

A Toyota Hilux SRV é uma versão que, por muitos anos, serviu como topo de linha para o modelo da marca japonesa. Ao longo dos anos, essa opção agrada muitos consumidores no Brasil, mas perdeu a posição para a SRX em 2015.


Tendo atravessado três gerações da picape média, a sigla SRV começou em sua proposta original, a SR5. A SRX, por exemplo, seria a SR10. Essa alteração de fato nunca existiu estampada na caçamba do veículo, mas era chamada assim.

Tudo isso começou em 1997 e, de lá para cá, apenas em um ano/modelo, a Hilux SRV não deu as caras. Geralmente bem equipada, esta versão chama atenção pela profusão de cromados na carroceria e acabamento interno em couro bege.

No mercado, a SRV é uma equivalente da LTZ de Chevrolet S10 e da XLT de Ford Ranger, por exemplo. Ela se posiciona sobre a SR, a proposta inicial para clientes particulares da Hilux, enquanto aquelas sem identificação, são de trabalho.

De acordo com o ano/modelo, a Hilux SRV vem com mais que couro nos bancos e portas, trazendo ainda couro no volante, ambiente normalmente na cor bege ou cinza-claro, ar-condicionado automático e direção hidráulica ou elétrica.

Hilux SRV – Versão

Hilux SRV 1997-2022: detalhes, consumo, motores, desempenho, etc

Também adiciona piloto automático e tem opção automática de quatro, cinco ou seis marchas, a depender da geração. Muitas unidades vistas com santantônio e estribos, são em realidade equipadas com estes acessórios.

Contudo, as rodas de liga leve vêm de fábrica, assim como faróis de neblina e detalhes cromados nos retrovisores, grade e maçanetas, por exemplo. Capota marítima ou rack de teto, assim como protetor de caçamba, eram só como acessórios.

Em seu histórico, a Hilux SRV teve motores diesel que foram de 77 cavalos até 204 cavalos, incluindo aí atualizações com 90, 116, 163, 171 e 177 cavalos. Isso sem contar o uso de motores a gasolina e flex.

O primeiro surgiu em fins de 2008 e passou a equipar brevemente a SRV, até que foi convertido para flex pouco depois. De 156 cavalos no derivado, o 2.7 passou a ter até 163 cavalos com etanol. Ele dura até hoje com os mesmos números.

Com suspensão dianteira de duplo braço, traseira com feixe de molas e chassi reforçado com cabine de aço dotada de caçamba, a Toyota Hilux SRV é apta para o fora de estrada, tendo geralmente tração 4×4 com reduzida.

Hilux SRV 1997-2022: detalhes, consumo, motores, desempenho, etc

A Hilux SRV era inicialmente chamada de SR5 e era versão única no final da década de 90, chegando ao Brasil através da importação argentina, onde até hoje a picape média para o mercado nacional, se origina.

Feita em Zárate, a Hilux teve ainda a versão DLX nos primeiros anos, até que a Toyota limitou o produto às opções de trabalho e a SRV, que reunia basicamente tudo o que a marca queria oferecer para os clientes focados no lazer.

Somente em 2003 surgiu a versão SR, que se tornou um complementar da SRV, que era agora a opção topo de gama. Assim, a picape manteve três opções para os clientes brasileiros.

Na primeira geração, a Hilux SRV teve somente o motor diesel 2.8 com 77, 90 e 116 cavalos, dependendo do ano/modelo. Somente quando mudou de geração, passando da sexta para a sétima, numa contagem global, a versão modernizou-se.

Saiu o 2.8 diesel e entrou um novo motor 3.0, que logo de cara elevou a cavalaria da SRV para 163. Além disso, a Hilux mais completa adicionou transmissão automática de 4 marchas.

Hilux SRV 1997-2022: detalhes, consumo, motores, desempenho, etc

Mais adiante, o mesmo 3.0 passaria a ter 171 cavalos e o câmbio automático pularia de quatro para cinco marchas, melhorando a eficiência da Hilux SRV. Ainda assim, o bom conjunto ficou ainda melhor na oitava geração, a atual.

Contudo, de olho no mercado de veículos flex e também como uma forma de reduzir preço para atingir clientes mais urbanos, a Toyota introduziu o motor 2.7 a gasolina na SRV, isso em fins de 2008. Mas, na década seguinte, virou flex.

A Hilux SRV Flex tinha (e ainda tem) 158 cavalos na gasolina e 163 cavalos no etanol. Automática, essa versão teve tração 4×2 ou 4×4, sendo mais em conta, porém, mantendo o nível de equipamento.

Lançada em 2016, a Hilux atual adicionou o motor diesel 2.8 com 177 cavalos na SRV e outras versões, mas na linha 2021, a Toyota deu um enorme salto, pulando para 204 cavalos na picape.

Em ganho, ela só perdeu para a Hilux SRV de sexta geração, que saltou 47 cavalos ante 27 cavalos do modelo 2020 para o 2021. Na versão Flex, nada mudou, mas agora somente com tração 4×2 e a necessária caixa automática.

Mercado

Hilux SRV 1997-2022: detalhes, consumo, motores, desempenho, etc

A Hilux SRV é a versão mais valorizada da picape média da Toyota, visto que é a mais completa depois da SRX. Ainda que esta seja mais cara, abrange apenas uma das três gerações do modelo e é bastante cara.

Assim, em custo-benefício, a SRV é a melhor opção para os consumidores que buscam uma picape completa, robusta e confiável, que também é econômica e tem baixíssima desvalorização no mercado.

Hoje em dia, com a escassez de carros novos no mercado, os veículos usados dispararam de preço, inflacionando os valores e tornando a Hilux SRV mais cara no mercado de usados, uma boa para quem vende e ruim para o comprador.

Hilux SRV 1997 a 2005

Hilux SRV 1997-2022: detalhes, consumo, motores, desempenho, etc

A Hilux SRV aparece como SR5 em 1997, na sexta geração da picape média da Toyota, que vinha da Argentina e trazia consigo um pacote simples de conteúdo, mas já tinha um visual prometendo algo mais em luxo.

Detalhes

Hilux SRV 1997-2022: detalhes, consumo, motores, desempenho, etc

Visualmente, a Hilux SRV trazia para-choque dianteiro cromados, assim como grade com molduras cromadas, que envolviam ainda os faróis quadrados e simples, bem como luzes de posição e lanternas.

Os repetidores de direção ficavam no para-choque e a parte inferior era em cinza. Com rodas de aço texturizadas, tendo aro 16 polegadas e pneus 215/80 R16. Retrovisores e maçanetas eram cromados, havendo ainda estribos grandes.

Na traseira, lanternas verticais simples e detalhes cromados, igualmente no para-choque. A Toyota Hilux tinha ainda para-barros grandes e trilhos externos para amarração de carga na caçamba.

Esta tinha 776 litros de volume e a carga útil era de 1.000 kg. Com cabine dupla, a SRV de 1997 tinha ar-condicionado, direção hidráulica, vidros elétricos nas quatro portas e travas elétricas com comando centralizado.

A Hilux SRV tinha ainda freio de estacionamento por trava de mão, assim como alavanca para mudanças da tração 4×4 e tecido nos bancos e portas. Havia também um sistema de áudio com rádio e toca-fitas, algo típico da época.

Hilux SRV 1997-2022: detalhes, consumo, motores, desempenho, etc

Nos anos seguintes, a Hilux recebeu mudanças na grade dianteira e rodas modificadas, além de alterações na padronagem dos assentos. Como uma geração pouco mudava na época, as maiores alterações eram mecânicas.

Em 2001, a mudança de motor trouxe um facelift com grade preta e maior, além de cromado que envolvia até o capô. A Hilux SRV já portava freios com ABS, garantindo mais segurança.

O para-choque se tornava mais envolvente e o painel fora revisado, adicionando cluster de fundo azul, nova padronagem de bancos e portas, assim como volante com airbag do motorista. Havia também uma bolsa inflável para o passageiro.

Motores

Hilux SRV 1997-2022: detalhes, consumo, motores, desempenho, etc

O propulsor diesel 3L com 2.8 litros, equipava a Hilux SRV nessa época e com turbo dotado de intercooler, entregava somente 77 cavalos a 3.800 rpm e 17,7 kgfm a 2.400 rpm. Ainda usava bomba injetora e tinha câmbio de cinco marchas.

A tração tinha opções 4×2, 4×4 e 4×4 com reduzida. Com chassi de longarinas e eixo rígido atrás, dotado de feixe de molas, ela era bem robusta. Em 1999, o motor 3L foi trocado pelo 1ND 3.0 litros, que entregava 90 cavalos e 19,6 kgfm.

Mas, em 2001, a Toyota adicionou uma atualização no 1ND, passando-o para 116 cavalos a 3.600 rpm e 31,8 kgfm a 2.000 rpm. Ela podia engatar o 4×4 até 80 km/h com a reduzida sendo feito com o veículo parado.

Desempenho e consumo

Hilux SRV 1997-2022: detalhes, consumo, motores, desempenho, etc

Na Hilux SRV 2.8, o consumo de diesel na cidade era de 7 km/l, enquanto na estrada fazia 11 km/l. Já o modelo 2001 fazia 9 km/l e 11 km/l, respectivamente. A primeira precisava de 25,5 segundos para chegar a 100 km/h.

No modelo 2001, a SRV fazia o mesmo em 17,1 segundos e seu tanque de 65 litros garantia alcance de 715 km. O motor 1ND 3.0 manteve o desempenho e a economia até 2005, quando houve a mudança de geração.

Hilux SRV 2006 a 2015

Hilux SRV 1997-2022: detalhes, consumo, motores, desempenho, etc

A segunda geração da Hilux SRV veio com porte maior e linhas mais suaves, englobando um conjunto mais confortável e agora com painel mais moderno, com direito até à multimídia. O acabamento em couro ampliou o status da versão.

Detalhes

Hilux SRV 1997-2022: detalhes, consumo, motores, desempenho, etc

Com linhas expressivas e fluidas, a Hilux SRV tinha faróis puxados e grade com friso central na cor do carro. Agora com rodas de liga leve aro 15 polegadas e pneus 255/70 R15, a picape tinha para-choques envolventes e detalhes cromados.

Bem elegante em suas linhas, era 40 cm maior que a anterior e tinha caçamba com 1.036 litros, mesmo com a cabine dupla. Tinha estribos laterais, enquanto seu interior tinha um painel sofisticado e tinha difusores de ar escamoteáveis.

O rádio era 2din e tinha CD player, com ar-condicionado manual e porta-copos retráteis. Os bancos ainda eram em tecido inicialmente, mas a atualização de 2009 trouxe acabamento em couro bege, mantendo o padrão de dois tons do painel.

Nessa revisão, a SRV adicionou ar-condicionado automático e um novo volante de quatro raios, que adicionava comandos de computador de bordo e mídia, além de piloto automático em haste.

Hilux SRV 1997-2022: detalhes, consumo, motores, desempenho, etc

Nesta geração, a Hilux SRV já tinha freio de estacionamento por alavanca manual e o sistema 4×4 continuava igualmente por alavanca, mas agora ao lado do câmbio ou à frente do automático.

Uma nova enorme grade cromada e faróis sobressaltados marcaram a Hilux SRV 2014, que trazia revisão dos para-choques e lanternas, assim como das rodas de liga leve.

A SRV ganhou uma adição, a SRV Top e trazia multimídia com navegação por GPS e reprodução de DVD, mas a câmera de ré era vendida como acessório. Como anteriormente, a alavanca da transmissão automática era por seletor tipo escada.

Motores

Hilux SRV 1997-2022: detalhes, consumo, motores, desempenho, etc

O motor diesel 3.0 1ND foi atualizado para 163 cavalos a 3.400 rpm e 35 kgfm a 1.400 rpm, adicionando ainda uma caixa automática de quatro marchas à Hilux SRV 2006. Isso permitiu que a picape tivesse um ótimo desempenho.

O conjunto se manteve o mesmo até 2014, quando a potência subiu para 171 cavalos e o torque chegou a 36,7 kgfm. Nesse modelo, a SRV trocou o câmbio automático por um de cinco marchas, ampliando o conforto e a eficiência.

Desempenho e consumo

Hilux SRV 1997-2022: detalhes, consumo, motores, desempenho, etc

Agora, a Hilux SRV 3.0 ia de 0 a 100 km/h em 11,8 segundos com caixa automática e menos que isso na manual. Tendo airbag duplo e freios com ABS, ele recebera ainda controle de tração e estabilidade antes da mudança de geração.

No consumo, ela fazia ótimos 9,5 km/l na cidade e 11,2 km/l na estrada. Seu tanque de 80 litros garantia quase 900 km de autonomia. A suspensão e a direção receberam melhorias também, assim como o acabamento.

Hilux SRV 2016 a 2022

Hilux SRV 1997-2022: detalhes, consumo, motores, desempenho, etc

A atual geração da Hilux SRV nasceu com um motor diesel 2.8 totalmente novo, assim como transmissão de seis marchas, manual ou automática. Ficou mais equipada, mas perdeu o posto de topo de linha para SRX e, depois, GR Sport.

Detalhes

Hilux SRV 1997-2022: detalhes, consumo, motores, desempenho, etc

Adicionou a Hilux SRV, faróis com projetores, luzes diurnas em LED, lanternas em LED, para-choque mais volumoso e grade hexagonal. Maior que a anterior, tem caçamba de 1.000 litros e mesma capacidade de carga de uma tonelada.

Mais robusta e segura, adicionou sete airbags, multimídia com DVD/CD/GPS/TV digital, câmera de ré, ajustes elétricos da tração 4×4 e controle de descida, assim como rodas de liga leve aro 18 polegadas com pneus 265/60 R18.

Em 2021, a SRV ganhou faróis de LED e lentes revisadas, assim como grade maior, para-choques novos e acabamento revisado. Ajuste na suspensão, direção e chassi permitiram melhor desempenho e conforto com a motorização mais forte.

Recebeu o pacote Toyota Sense com alerta de colisão e frenagem automática de emergência, alerta de faixa e ponto cego, farol alto automático, entre outros. A direção passou a ser elétrica.

Motores

Hilux SRV 1997-2022: detalhes, consumo, motores, desempenho, etc

O motor diesel 1GD 2.8 tinha 177 cavalos e 45,9 kgfm quando surgiu na oitava geração da Hilux SRV, mas foi atualizado para 204 cavalos a 3.400 rpm e 50,9 kgfm a 2.800 rpm.

Assim como na sétima geração, o motor 2.7 está presente, com 156 cavalos e 24,5 kgfm em 2009, ele virou flex em 2014, passando a ter 158 cavalos na gasolina e 163 cavalos no etanol, o que se manteve até agora. Oferece somente tração 4×2.

Desempenho e consumo

A Hilux SRV vai de 0 a 100 km/h em 12 segundos e tem máxima de 180 km/h, fazendo 9 km/l na cidade e 10,5 km/l na estrada. Na Flex, o consumo é de 4,8/6,9 km/l na cidade e 5,6/8,1 km/l na estrada, respectivamente etanol e gasolina.

Hilux SRV 1997-2022 – Fotos

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações.