Australia GM Mercado Montadoras/Fábricas Sedãs

Holden apaga a luz com o último carro australiano

holden-commodore-final-1 Holden apaga a luz com o último carro australiano

Na foto acima, apesar dos sorrisos, o semblante alegre provavelmente esconde algo triste. Para os amantes de carros e também para aqueles que precisam de seus empregos, ver uma montadora chegar ao fim da produção seriada não é motivo para comemoração. O Holden VFII Commodore Redline, que aparece na foto, carregará consigo o fim de um ciclo de quase um século de produção automotiva na Austrália. Em uma comparação simples, este carro se tornou um tigre-da-tasmânia sobre rodas.



Há 69 anos, a Holden conseguia certa independência da GM com um projeto de carro nacional para os australianos, que antes apenas produziam modelos do grupo americano. Em quase sete décadas, a marca local – fundada em 1856 – sustentou parte da pequena, porém forte, indústria automotiva do país, sempre disputando com a rival Ford. Começando com selas para cavalos em meados do século 19, a empresa acabaria iniciando seu primeiro carro em 1948.

holden-commodore-final-4 Holden apaga a luz com o último carro australiano

De lá para cá, a Holden produziu 7.687.675 de unidades que, assim como a Ford, gerou um DNA único de estilo e proposta no isolado e distante continente da Oceania. Como os marsupiais, os carros australianos ditaram seu próprio rumo, gigantes por causa do enorme espaço disponível para eles e muito potentes, ostentando poderosos motores seis em linha e os indispensáveis V8. Ainda assim, o mercado local mantinha a porta aberta para outras tendências, especialmente a europeia, equilibrando bem essa mistura.

No entanto, a pressão da alta nos custos de produção, gerados após a crise econômica mundial de 2008, pegou a Austrália em cheio. Como um meteoro da extinção, as finanças dos fabricantes internacionais precisavam recuperar-se e a Austrália, longe e distante, não tinha mais as condições para brigar por exportações em concorrência com players mais fortes, como os ex-tigres asiáticos, por exemplo. Com isso, manter um parque automotivo num mercado onde as importações são fortes, ficou difícil para GM, Ford e Toyota.

holden-commodore-final-3 Holden apaga a luz com o último carro australiano

Como a General Motors, que quase se extinguiu na pior crise econômica desde 1929, jogou a toalha primeiro, anunciando o fim da produção de automóveis na Austrália, a frágil cadeia de suprimentos – que dependia do trio de montadoras para se sustentar – rompeu-se, obrigando também ao fim da produção de Ford e Toyota, pois os custos (já bem altos) arruinariam de vez qualquer tentativa de manutenção das linhas de montagem.

holden-commodore-final-2 Holden apaga a luz com o último carro australiano

Segundo a Holden, 85% dos funcionários conseguiram transferência para novos empregos e a empresa pretende manter um programa de dois anos de assistência para mudança de postos de trabalho na cadeia de fornecedores. Ainda assim, a empresa diz que manterá pelo menos mil pessoas nas demais operações que restaram. Com o Commodore vermelho, o “last car”, a marca apaga a luz e decreta a extinção do carro australiano.

  • No_Name

    Já precisei encerrar uma atividade comercial e é uma sensação muito melancólica, nos últimos instantes passa um filme na cabeça de tudo que vivemos ali, a tristeza é geral, de todos. Imagino que não deva ter sido diferente com a Holden e todos seus colaboradores. É uma pena. Mas, que bom saber que quase todos já estão recolocados em outras atividades. Agora fica a saudade.

    • Deadlock

      O fato é que a situação da Austrália é bem diferente da nossa. A Austrália cresce sem parar há 25 anos e eles têm uma economia diversificada, capaz de absorver os desempregados e conviver com a falta de fábricas de automóveis. Aqui se fechar uma fábrica dificilmente se consegue recolocação, ou então a fábrica ia pedir dinheiro público para sobreviver.

      • Mr. Pennybags

        O problema da Austrália é que o salário mínimo é muito alto que deixa a situação complicada para as industrias que tem a China praticamente ali do lado.

        • Marcio Almeida

          Acho que não, na verdade o salario minimo alto, nao siginifca baixa capacidade industrial, que dira Alemanha, Suecia, Noruega, a diferença é que estes paises produzem alta tecnologia mesmo para massas, acho que o caso da Australia é um caso a parte, eles entenderam que : são mais competitivos em outras áreas como mineracao, serviços, ti, turismo etc, e entendem que a outros players proximos , podem suprir com menor custo produtos duráveis, não significa que eles não tenho capacidade tecnica, simplesmente abdicaram por entender que alguem podem fazer isto com menor custo.

          • th!nk.t4nk

            Lembrando que a atividade de mineraçao na Austrália vem dando sinais claros de que vem morro abaixo. É um setor cuja dependência pode causar grandes problemas ao país, principalmente em relaçao às exportaçoes de carvão. A situaçao da Austrália nao é essa belezuda toda nao, eles estao perdendo competitividade e irão depender muito dos resultados de empresas inovadoras na próxima década. Há um componente de risco crescente na Austrália.

      • Ygor Soares

        Infelizmente a minha esposa está passando por isso há 1 ano!

        Nem uma entrevista até hoje ela conseguiu e amigos que trabalhavam com ela passam dos 2 anos desempregados.

        Não quero discutir política, porém quando alguém enaltece o governo do PT a vontade que eu tenho é de perguntar quantos KG de estrume esse cidadão comeu ou em que planeta ele estava durante toda administração!

        • Lucas

          Incrível, os cara tem que falar do PT até em fórum que não tem nada haver.

          • Ygor Soares

            Algum problema?

            O PT gerou a situação de desemprego no Brasil e a matéria cita como a empresa está contornando o desemprego na Austrália, já aqui não tem empresa para contornar, pois a maior parte quebraram!

            Já você deve estar bem confortável com a situação do país!

            É cada um nesse Brasil!

            • Lucas

              Blá blá blá, Pt quebrou o país, Pt gerou desemprego. Não sou petista cara, mas também não sou burro. Enquanto pessoas como você continuam culpando apenas um partido político, os outros continuam roubando tranquilamente.

              • Diego Franco

                Meu caro, o PT é sim muito pior, tomando por base a falácia q usaram p eleger, eu votei no sapo barbudo na primeira eleição, era um voto de escape estávamos apostando no incerto tendo em vista que sabíamos q oq estava lá era ruim.
                Digo q é pior pq fomos enganados por bandidos da pior espécie, se Henry Ford revolucionou os automóveis o PT o fez p a roubalheira e corrupção. Hj ainda se apoiam nos mais pobres ainda nas mesmas lorotas mas com toda certeza serão reduzidos a nada.
                Por fim não tenho partido e nem ladrão de estimação mas PT nunca mais e sobre o comentário do outro usuário, se coloque no lugar dele c a esposa já a um ano sem emprego.
                Obs.: Primeira vez q falo sobre política aqui, infelizmente não deu p segurar , o cara lá desabafando p está em uma condição difícil é vem o outro falar bobagem.

                • Ygor Soares

                  O problema é que a situação para ele está confortável e suave! Muitos pensam assim, muitos acham que os “benefícios” do PT justificaram a roubalheira deles.

                  O dia que o brasileiro pensar que precisamos de um administrador no governo e não um mero político nosso país decola. Precisamos de um governo que governe para o Brasil e não para o povo com soluções tapa buraco!

                  Quanto a minha esposa, a maioria das empresas do ramo de petróleo quebraram e as poucas as que sobrevivem estão cada vez mais reduzindo seu quadro de funcionários.

                  Isso vale para todos os setores da área privada!

                  • Louis

                    Olha, minha situação até que está confortável, mas nem por isso vou deixar de falar mal dessa quadrilha que se diz partido político. Além de extremamente incompetentes, roubaram e deixaram roubar, mentiram e ainda mentem, lotearam a máquina pública, quebraram um país, acabaram com sonhos e prejudicaram o futuro de uma nação inteira. Se a vida fosse justa, Loola e Dilma teriam que ir para a forca.

                    • Ygor Soares

                      Que bom que a situação para o amigo está confortável, infelizmente muito não estão. Não sei realmente aonde o Brasil vai parar. No meu círculo de amizade 3 casais já saíram do país e eu estou cogitando isso.

                  • Ernesto

                    Puxa Igor, lamento muito pela situação de sua esposa. Meu vizinho também é do ramo petrolífero, formado em geofísica. Trabalhava numa empresa petrolífera britânica no Rio de Janeiro e há uns 2 anos perdeu o emprego e até agora também não conseguiu realocação. Está tentando mudar de ramo, mas o mais triste é que ele está em depressão.
                    Pensar que esse ramo petrolífero poderia trazer bons frutos para o País…e aí vem um cara que se diz não petista (engraçado que hoje os petistas dizem exatamente isso) e vem falar um monte de baboseiras porque você criticou, e com razão, o desgoverno petista.

                    • Ygor Soares

                      Desculpe, seu amigo trabalhava na Premier Oil?

                      Minha esposa em 1 ano não recebeu nem 1 entrevista de entrego! É brincadeira, anos estudando para nada!

                    • Ernesto

                      Ygor, não me recordo o nome da empresa. Triste essa realidade…

                • Racional

                  Blá blá blá mesmo. É só olhar a nuvem negra que paira sobre o País. Roubalheira e podridão moral sem fim.

              • Ygor Soares

                Falei que não ia discutir política aqui, porém como você ignorou esse fato demonstra o quanto é ignorante e burro, não respeitando a opinião de outros.

                • Fica assim não, Ygor: este tipinho de gentinha foi completamente emburrecida pelo marxismo cultural que foi implantada pelos comunistas, – (todos os partidos politiqueiros envolvidos nas Teorias das Tesouras) – desde o início da década de 20 (vide os canais abertos, como a Globolixo, a cultura como os museus que incitam a pedofilia, zoofilia e vilipêndios a valores cristãos, as igrejas, as escolas públicas). Se o povo NÃO for para as ruas, já já ficaremos muito pior que a Venezuela e a Cuba juntos, bastando-se mudar a Constituição da República Federativa do Brasil para Constituição da República Socialista do Brasil , em que todo e qualquer trabalhador qualificado ou não receberão salário de USD 10.00, 200 gramas de frango e 2 litros de leite POR MÊS.

                  • Ygor Soares

                    Esse aí tem o vale coxinha, vale mortadela, vale jaca! Kkkkk

              • Dag Drollet

                O que tem corrupção a ver com gestão econômica catastrófica?

              • Ernesto

                Hoje os petistas têm exatamente esse discurso: não sou petista, mas eu os defendo!

          • leomix leo

            Incrível é alguém ainda achar que não foi a gestão Ptista que acabou com a economia do país.

        • ocampi

          Passo pelo mesmo problema colega. O Brasil não tem mais jeito. Pior mesmo é ver pessoas defendendo este partido comunista.

          • Ygor Soares

            Não tem como conversar com pessoas de mente fechada que defendem um partido sujo como esse, afinal, essas pessoas já possuem uma mente suja.

            Eu particularmente não apoio nenhum partido político e gostaria muito de uma reforma política bem severa no Brasil.

        • Marcel

          Na maioria que defende é funcionário público que não corre o risco de perder o emprego, princialmente mas não somente professores de humanas, na inciativa privada o tipo mais comum é jornalista. Ah não se pode faltar estudantes de classe média que não tem obrigação nenhuma na vida, e os miseráveis que recebem bolsa família totalmente anielados, infelizmente alguns do tipo zima são os formadores de opinião.

          • José Barbosa

            Eu, como funcionário público, sei bem como é a situação de ter sido contra todas as políticas do PT, e ver o ranso que se deixou depois. Enquanto discutimos corte de gastos, os que estão no poder lá se manterão às custas de dinheiro público. O grande problema do Brasil é o Estado que impede o crescimento, que vai desde o fato dele ser do tamanho que é e drenar nossa potencialidade com custo e burocracia, ao fato de que boa parte da população só pensa em como ser sustentada por ele, ainda que miseravelmente. Dos cidadãos que tem perfil empreendedor, ou estão num emprego público, ganhando mais do que numa empresa; foram para o exterior, lutam ou “desistiram”.

        • fabricioaguirre

          Agora o PT é o culpado até pela crise industrial da Austrália…

          • Ygor Soares

            Que nada, ele só é culpado por ter criado acéfalos como você ;)

          • Ernesto

            Tá querendo passar vergonha, não é?

      • José Barbosa

        E o mais interessante é que a Austrália tem algumas questões econômicas interessantes ao Brasil: lá havia muita interferência do Estado, é um país grande e relativamente isolado dos demais players econômicos mundiais; suas virtudes econômicas estão voltadas ao setor primário. É um ótimo caso a ser estudado se quisermos transformar o Brasil.

      • fabricioaguirre

        Na verdade, o PIB da Austrália teve quedas em 92, 93, 98, 99, 2001, 2009 e de 2013 até hoje em dia enfrenta uma forte queda, tendendo a voltar a valores da década passada. Sugiro revisar tuas fontes, eu costumo usar o Google: https://www.google.com/publicdata/explore?ds=d5bncppjof8f9_#!ctype=l&strail=false&bcs=d&nselm=h&met_y=ny_gdp_mktp_cd&scale_y=lin&ind_y=false&rdim=region&idim=country:AUS&ifdim=region&tstart=656647200000&tend=1477188000000&hl=pt_BR&dl=pt_BR&ind=false

  • Tosca16

    Se a Austrália não consegue ter uma indústria automotiva que dirá nós…. e se fosse aqui nós teríamos mais de 85%, DESEMPREGADOS.

    • thi

      Verdade cara

    • Racional..

      Medo do mesmo acontecer com o Brasil.
      A China, continua avançando esmagadoramente na produção de automóveis. Será ela resolver despejar no mercado. Ferrou.

      • Raul Cotrim de Mattos

        Sem falar do México, não só na indústria automobilística… estamos ficando para trás.

      • Marcelo Henrique

        Já está acontecendo.
        Os chineses estão de olho nas empresas de energia, saneamento e petróleo brasileiras.

        Procure e confira que já existem muitos chineses entre nós representando a Stategrid e outras.

    • Ducar Carros

      A Austrália tem 30 milhões de hab., nós temos 210, sete vezes mais. E eles são ricos para importar e têm salários altos, nós; não.

      • José Barbosa

        Cara, não diga besteira. A renda per capta australiana é 50 mil dólares. A nossa? 8,6k. Ou seja, embora tenha uma população 7 vezes menor, a renda é seis vezes maior. E carro é um produto que a pessoa tem que estar no mínimo na classe C. Ou seja, enquanto boa parte da nossa população ganha o suficiente para mal atender às necessidades básicas de comida e moradia, um australiano médio pode tranquilamente ter um carro para uso urbano e um mais confortável para viagens.

        • Ducar Carros

          Acho que você não entendeu (e foi agressivo). Indústria automobilística é uma indústria que precisa de escala, e o tamanho da população dá o tamanho potencial do mercado. A Austrália vende 1 milhão de carros por ano, e não dá para aumentar muito mais, pois, por mais dinheiro que você tenha, você não vai comprar mais carros (a não ser colecionadores), e sim, carros mais caros. O Brasil, mesmo sendo pobre, já vendeu mais de 3,5 milhões, e na maior crise de sua história, vende 2 milhões.

          O salário alto reduz a competitividade da Austrália, de forma que, para produzir internamente esses carros, eles seriam muito caros, pois, além dos salários, não teriam escala. Como eles são ricos para importar, eles conseguem trazer esses carros de fora.

          • José Barbosa

            O Brasil tem um número inflado de vendas devido à deficiência de frota. Raras pessoas da classe média já conseguiram comprar um zero, ou mesmo um seminovo. Ainda temos uma grande demanda reprimida, o que explica nossas vendas acima de vários mercados com renda mais alta. E outra coisa, os nossos salários são menores, mas o custo dos trabalhadores, não sei, graças aos absurdos encargos sobre a folha no Brasil.

        • RIP Brazil

          Vou falar um palavrão aqui: PRODUTIVIDADE!

          https://www.youtube.com/watch?v=wEFLF4YkKc0

          • José Barbosa

            Exato. No Brasil, entre inúmeros problemas, mas também pela inflação, queremos ter reajustes salariais. Mas só é possível manter ganhos reais via aumentos reais, ou seja, ganhos em produtividade. O Neymar ganha mais que trocentos milhares de outros atletas brasileiros porque ele num time de 11 em 90 minutos é o capaz de produzir mais. Daí ele trabalha com marketing, para aumentar seus ganhos, e consegue muitos contratos porque ele vende uma imagem desejada. Processadores são cada vez mais rápidos porque graças à evolução da tecnologia consegue-se colocar mais transistores num mesmo espaço, aumentando a capacidade de processamento, sem aumentar o preço.

  • Davi

    A Austrália percebeu que esse papo de “indústria nacional” em um país que não tem capacidade para tal coisa não dá certo. O fim da Holden é triste mas nem de longe significa algum baque para a economia australiana, que já importa a maioria dos seus automóveis de lugares com mão de obra mais barata. São os prós e contras de um país pequeno vivendo próximo ao gigante da Ásia. Mais prós do que contras, há de admitir-se.

    Enquanto isso no Brasil, tem gente que ainda insiste nas políticas do InovarAuto, acreditando piamente que certas montadoras vão vir investir em um país geograficamente inútil e com porca infraestrutura, tendo o México, Índia e China logo ali no centro do mundo. Esperto foi o Chile que percebeu isto primeiro que todo mundo da região e hoje em dia tem o mercado automotivo mais diversificado do continente.

    • Zé Mundico

      Concordo plenamente. Ainda acreditamos que devemos “fazer tudo” quando o mais correto e sensato é investir em determinados setores e nesses setores atingir a excelencia.

    • Cincinato

      Excelente, o chile foi esperto.
      La tem que vender barato.
      Se não só boicotar. Não vai ser refletir em desemprego.

      Mas aqui é arriscado fazer isso.
      O Brasil depende muito disso.
      Mas seria uma boa expulsar essas exploradoras daqui sem causar desemprego.

    • Sato Trebzonte

      Chile importa tanto carro novo quanto usado, logo não tem como extorquir no valor final do carro ao contrário da babânia

  • Henrique12

    E assim funciona o livre mercado, na divisão internacional do trabalho, a Austrália certamente possui produtos e serviços mais competitivos e adequados para si, e a população não cria problemas, pois sabem do potencial do país, em outros segmentos.

    Que fique de lição para certos países, que, sem o menor talento, aprisionam industrias ineficientes, sendo que poderiam canalizar esforços em algo que são realmente competitivos.

    • Tosca16

      Então, nosso Brasil resumisse ao AGRONEGÓCIO.

      • Danilo

        E qual o problema se nós ficássemos no agronegócio? O único mercado que não vê crise é o de alimentos. E mais, o agronegócio hoje que mantém esse país de pé!

        • Tosca16

          Eu não disse nada contra, aliás faço parte do mercado que atua diretamente no agronegócio… Apenas reafirmei nossa vocação agrária.

          • Danilo

            Eu também consigo uma rendinha extra com consultorias em empresas do agronegócio, por isso defendo esse ramo, que ao meu ver, carrega o país no lombo e ainda sofre um imenso preconceito da sociedade.

          • Além do agronegocio diria que existem outros setores fortes , como por exemplo redes de varejo devido ao alto público consumidor, e temos uma empresa que fabrica aviões (que não é pouca coisa). A própria petrobras se não fossem os problemas de corrupção e má gestão é um grande player do setor. Em fim, o Brasil tem alto potencial, desde que políticos e a própria população não atrapalhe.

        • MMM

          Talvez pelo fato da populacao ser majoritariamente urbana?

          • Tosca16

            E para alimentar a população majoritariamente urbana o campo se faz não só importante como necessário.

            • MMM

              Obviamente que o agronegócio é importante mas não pode ser o maior gerador de empregos de um país como o Brasil

              • Tosca16

                Setor terciário sempre gera maior mão de obra, basicamente em qualquer lugar do mundo, mas a questão é dividendos ao pais, aí o agronegócio gera e muito.

          • Danilo

            Mas existe trabalhos urbanos ligado ao agronegócio como bancos, indústria de suporte ao setor, etc. É só ver as grandes cidades do centro oeste que verá como podem existir grandes e boas cidades ligadas ao agronegócio.

        • Ducar Carros

          O Brasil é populoso demais para viver só do agronegócio. E viver de commodities tem um problema, os preços variam muito mais que os industriais e os de serviços.

          O melhor é ser como os EUA, UE e China: tem o agronegócio muito desenvolvido, mas não se restringem a isso.

          • Danilo

            Mas o q vislumbro é mais ou menos isso mesmo, o que acontece hoje, não somos exclusivamente agronegócio, mas grande parte de nossa economia vem dele. Em que outro país no mundo tem essa qualidade e quantidade de terra e clima pra produção de alimentos e outros produtos do agronegócio como algodão , biocombustíveis, etc? Estamos com o bico dentro d’Água e morrendo de sede!

      • Zé Mundico

        Claro que não. Não só em agricultura, mas o Brasil é referencia mundial em indústria aeronáutica, petroquímica e biotecnologia. Sem falar em tecnologia industrial de alimentos e calçados.
        Nosso problema é gastar em coisa errada e se preocupar com coisa sem futuro…..rsrsrsrs

        • Tosca16

          Tem a pecuária também kkkk.

        • Marcio Almeida

          Referencia mundial é um pouco demais kk, mas concordo contigo que aqui se gasta dinheiro com muita coisa errada e o maior problema de todos é capital na mão de poucos e baixa distribuição de renda, não existe nação rica sem que ocorra a distribuição ao menos mais equilibrada.

      • José Barbosa

        Sabe qual é a minha teoria sobre o agronegócio? É onde o Estado está mais longe e menos atrapalha. Como os demais setores, sofre com problemas de infraestrutura, burocracia etc. Mas é aquele que mais pode visar produtividade sem fiscalização estatal, sindicatos etc. Pensa se uma indústria fala que vai automatizar a pintura em nome da proteção do meio ambiente, mas que vai gerar a demissão de um monte de trabalhadores. Ela não consegue isto. Já uma fazenda pode, por exemplo, comprar uma colheitadeira de cana que elimina o trabalho manual de uma centena de boias frias. O meio ambiente sofre menos, o produto pode chegar por um preço melhor, gerando empregos noutras áreas. É onde estamos mais próximos do liberalismo, embora a política de campeões nacionais tenha criado alguns verdadeiros monopólios para o campo.

      • Sato Trebzonte

        A austrália é um grande exportador de carne.

    • leomix leo

      Agro é tec, Agro é pop, Agro é tudo. Rsrsrsrsrsrs!!!

  • Rbs

    Logo logo ela volta e bem provável nas mãos de quem trabalha com os olhos fechados!

  • afonso200

    aquela pickup V8 é top

  • Racional..

    Medo do mesmo acontecer com o Brasil.

    • Zé Mundico

      Medo? Pois eu queria ver um governo que não desse mais um tostão para essas montadoras e deixasse elas se virarem sozinhas…rsrsrs

    • Ducar Carros

      Brasil tem um mercado consumidor grande, será difícil deixarem de produzir aqui, até porque o governo nunca vai deixar.

  • Zé Mundico

    Primeiro foi a GM, depois Ford e Toyota que desistiram da Austrália. Isso foi ruim para a Austrália? De forma alguma!!
    Em todo lugar do mundo, a indústria automotiva precisa de uma ”ajudinha” do governo, seja atráves de isenções, incentivos ou financiamentos. Na Austrália não foi diferente. Claro que indústria automotiva gera empregos, arrecadação, movimenta negócios de logística, transporte, metalurgia, siderúrgia, serviços, comércio e toda uma corrente de negócios derivados.
    Sem falar que indústria automotiva também gera a formação de sindicatos patronais e trabalhistas, que podem ser usados como forma de pressão política e até coisas piores…
    Mas o governo australiano, depois de fazer as contas, chegou a simples conclusão que financiar indústria automotiva não estava sendo tanto negócio assim e que entre fazer em casa e comprar feito, sairia mais barato comprar feito. E decidiu isso sem ufanismo nem patriotada boboca. Optou por fechar os cofres e deixar GM, Toyota e Ford se virarem sozinhas ou caírem fora.
    Isso só pode ser feito por um governo sério, sólido, competente e que não se deixa intimidar por ameaças ou chantagens de empresários espertos e sindicatos pilantras. Da mesma forma, só pode ser feito numa economia estabelecida, diversificada e com os fundamentos e regras econômicas em dia.
    A Austrália vai sair perdendo? Não vai perder nada, pois agora será compradora (ou importadora) e como tal poderá impor suas regras e condições, incluindo formas e prazos de pagamento. Nesse ramo, quem compra é que manda.
    E os desempregados? Os desempregados serão na sua maioria absorvidos por outros setores da economia, desde indústrias de mecânica pesada, indústria naval, indústria de implementos agrícolas, indústrias metalúrgicas até mesmo serviços de reparação automotiva e oficinas.
    E quem não quiser, pode mudar de ramo e achar outra profissão. Só não vale vir com chantagem e chororô.

  • delvane sousa

    No chile tambem nao existe industria automotiva e nao tem ninguem reclamando disso la. Quase nao existe imposto de importacao, todo mundo andando de carro novo, mas tem uns carros coreanos muito feios.

    • From Rivia

      se forem feios e bons, beleza. O duro é feio e ruim, aí dói no bolso e nos olhos.

    • Ducar Carros

      País pouco populoso, rico e de economia aberta não faz sentido ter indústria automotiva baseada em escala. O Canadá ainda mantém a dele por causa do NAFTA.

      • Evandro

        Depois metem o pau no regime que comandava o País, se não fosse ele, o Chile seria pior que o Brasil, Paraguai e Uruguai….

    • Sato Trebzonte

      Pode importar usados também, do japão saem muitos usados(até 5 anos) rumo ao Chile e de lá vai para bolívia,paraguai…

      • Ernesto

        Com direção inglesa? Tem certeza disso?

        • Sato Trebzonte

          Sim, o importante é a idade e outra lá ou na bolívia e no paraguai eles “desviram” o volante

        • Sato Trebzonte

          Sim, inclusive muitos carros japoneses vão para bolívia e paraguai e no destino final esses carros tem a direção invertida.

          • Ernesto

            Olha, eu nunca ouvi falar disso. Os carros não são como o Etios, por exemplo, que a troca é facilitada pelo painel ser central, mas o Etios é uma exceção e não regra. Como eles fazem com o painel? Tem alguma matéria que fala sobre isso?

            • Sato Trebzonte

              Só sei que a Bolívia só inverte a direção nem muda o painel no paraguai eles invertem o painel, eu estava vendo uns vídeos do Gustavo Fogasa que é brasileiro e é mecânico e mora no paraguai, mas esses carros japoneses eles fazem muita gambiarra para inverter a direção…

  • Ricardo Blume

    Fico feliz que 85% dos funcionários conseguiram novos empregos. A Nova Zelândia, um país vizinho a Austrália, a não muito tempo atrás decidiu reduzir o seu rebanho ovino do país, afim de se tornar um país mais verde (a flatulência das ovelhas é prejudicial a camada de ozônio). Seu rebanho foi reduzido drasticamente e ao invés de sentar e chorar, os produtores foram incentivados a aumentar o rebanho de gado leiteiro do país. Hoje o país se encontra em oitavo na colocação mundial de produtores de leite. Isso se chama competência e não é por acaso que a Austrália não conhece recessão a mais de 25 anos, pois segue a mesma linha. No nosso país, eu fico imaginando como seria.

    • Racional..

      Vaca peida mais que ovelha.
      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • Ducar Carros

      Concordo com o colega abaixo, a mudança não foi para se tornar mais verde, foi mercado. Viram potencial maior de lucros no leite.

  • Junoba

    Oque elevou tanto o custo da produção ? Dólar Australiano perdeu valor ?

    • Mr. Pennybags

      Salário minimo mto alto e a China logo ali do lado.

    • Gomes

      O que elevou a produção está materia: quebra da cadeia de fornecedores pela GM e na sequência Toyota e Ford. Ou seja, não tem volume para “brigar” com fornecedor e reduzir custos. Aqui no Brasil acontece a mesma coisa, porém, a solução adotada por algumas montadoras foi desenvolver carros low cost, como Ônix, HB20, Ka, Sandero, Kwid, etc, coisa que em mercados mais ricos não funciona. Mas mesmo aqui no Brasil temos exemplos de montadoras que sofrem com custos, como a PSA por exemplo. Baixa nacionalização porque não tem volume importante para fazer barganha com fornecedor.

  • Gueu Barboza

    Mas o que eu queria saber é… a marca Holden vai acabar junto com a produção ou haverá GM’s com o emblema dela?

    • Marcus Vinicius

      A exemplo da S10(Colarado) provavelmente sim !

    • No_Name

      A marca deve permanecer, está para ser lançado o Equinox lá com a insígnia da Holden.

    • Sato Trebzonte

      A holden ainda continua, mas sem produto nacional.

  • Marcus Vinicius

    Agora só montadoras chinesas para montarem carros em CKD na austrália !

  • Wolfpack

    Se não existe a demanda para os carros da Holden, o capitalismo impera e o negócio acaba. Simples assim. Somente aqui no Brasil, que se faz o milagre do BNDES para salvar empresas deficitárias e ineficientes.

    • MarcioMaster

      Muito pelo contrario. Tanto Australia como Nova zelandia, os carros da Holden vendem bem e são os Top da região. O problema é que a cada ano ficam mais caros, os usados tem alta valorização e os custos ficam inviáveis.

  • Alvarenga

    Bom, eu não vou dizer que o Brasil ainda vai chegar la porque existem algumas diferenças importantes entre nos e eles. Não somos uma ilha isolada, podemos complementar produção para paises vizinhos, integramos um mercado maior, etc, etc,…porem não duvidaria que algumas montadoras insatisfeitas possam se retirar ou encolher, ou ainda vender suas participações ou fazer fusões. Outro complicador que se aproxima é a eletrificação e os veiculos autonomos. Aqui no Brasil veiculo elétrico ainda esta um pouco longe e o autônomo é impensável dada nossa absoluta falta de padrão nas vias. Tem tambem a questão da segurança publica. Voce quer um carro que freia sozinho e não deixa voce acelerar quando alguem entra na frente ? Os bandidos vão adorar isso ! É o sonho de consumo pra fazer arrastão !

  • Léo Dalzochio

    Sucessivos desgovernos de esquerda ou da canalhice-de-gravata chamada social-democracia acabam com qualquer país…

  • Eder Kambara

    Bora exportar nossos incríveis carros brasileiros para Austrália, então!!!

    Pera…

  • Schack Bauer

    País de dimensões continentais, ao sul do equador, colonizado por degredados e prisioneiros, grande exportador de commodities. O Brasil tem tanto em comum com a austrália que deveríamos parar de mimimi e fazer mais coisa como eles, quem sabe assim a gente começava a deixar de ser o país do futuro, e virava o país do hoje, que nem eles lá.

  • Hodney Fortuna

    Muito triste fim!

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend