Honda CB1000R: preço, motor, potência, desempenho

cb1000r 20

A Honda CB1000R é a naked “Neo Sports Café” mais potente da marca japonesa no mercado brasileiro, ficando bem acima da Honda CB 250F Twister e da Honda CB 500F, por exemplo.


Ela também supera a CB 650F e está anos-luz da clássica Honda CB 300. Com design inspirado em café racer, a motocicleta da Honda é um convite para acelerar, porém, com conforto.

Estilosa, a moto da Honda se apoia em um poderoso quadricilíndrico de 4 tempos que a empurra para um desempenho realmente empolgante.

Com suspensão monobraço, a CB1000R tem ainda suspensão dianteira invertida, freios da Tokico, farol full LED, lanterna em LED, detalhes em alumínio, painel digital, escape duplo vertical e outras coisas.

A CB1000R tem ainda controle de tração, modos de condução, acelerador eletrônico, mesa de alumínio, guidão de alumínio, tanque recortado e banco em dois níveis.

CB1000R – detalhes

cb1000r 18

Seu motor de quatro cilindros de 1.000 cilindradas tem 141,4 cavalos, com 10,2 kgfm de torque, tendo ainda câmbio de seis marchas.

Com tudo isso, ela vai de 0 a 100 km/h em 2,9 segundos e com máxima de 233 km/h.

Esse desempenho também coloca seu consumo em um patamar similar ao de um carro, fazendo média de 16 km/l.

Batizada de SC80, essa é a segunda geração da CB1000R, que surgiu em 2018, mas o modelo original apareceu em 2008 e foi até 2016 na geração SC60.

O primeiro modelo era muito parecido com a Honda CB 300, chamando atenção para a pequena luz diurna em LED, bem abaixo do farol simples, de estilo Diamond.

cb1000r 17

Seu motor de quatro cilindros e mil cilindradas tinha 124,7 cavalos, entregando um bom desempenho.

Esse modelo foi vendido no Brasil também, iniciando assim a carreira da CB1000R entre os brasileiros.

A inspiração da CB1000R veio da clássica CB1000 dos anos 90, feita entre 1992 e 1998.

Com mesmo estilo naked, a antiga moto nunca foi vendida oficialmente por aqui, mas foi um best seller lá fora.

Custando R$ 62.750, a Honda CB1000R é oferecida nas cores preto e vermelho metálico. A garantia é de três anos com serviço de revisão gratuito pelo mesmo período.

cb1000r 19

A Honda CB1000R é uma moto de design expressivo, chamado Neo Sports Café, uma releitura moderna do clássico Café Racer, porém, mais esportivo.

Com 2,117 m de comprimento, 0,789 m de largura, 1,094 m de altura e 1,452 m de entre -eixos, a CB1000R tem altura livre do solo de 138 mm e altura do assento de 830 mm.

Ela pesa 199 kg a seco e tem suspensão dianteira com garfo telescópico, cujo curso é de 120 mm. Na traseira, a suspensão monobraço Mono-Shock tem curso de 131 mm.

Essa naked tem frente com farol circular com luz diurna em LED envolvendo, com aplique em cinza no centro da lente, onde ficam os projetores de LED de fachos alto e baixo.

Próximos, ficam os diminutos piscas em LED com lentes claras. O painel digital é chamado Multicolor-Line com Upshift Light, tendo conta-giros gráfico e velocímetro numérico.

cb1000r 15

Também tem indicador de marcha, nível de combustível e temperatura da água, modos de condução, funções do controle de tração, computador de bordo, entre outros.

A mesa de alumínio sustenta um guidão de alumínio com manoplas estilizadas, tendo ainda manetes de alumínio e comandos de partida elétrica, corte de corrente, faróis, piscas, lampejador de farol e buzina.

A chave é simples, apesar da proposta da moto, tendo ainda trava eletrônica do veículo.

Já o tanque tem 16,1 litros com bocal esportivo e vincos acentuados em corte, tendo ainda faixa prateada e cor da moto.

O assento duplo tinha dois níveis com costuras aparentes, alça e para-fuso central para rebatimento do garupa.

cb1000r 5

Envolvente, o banco para dois se integra à lanterna traseira em LED, num formato de “U”.

Ao lado dessa lanterna, piscas de LED com mesmo formato dos repetidores de direção dianteiros.

Com estrutura de liga leve em preto fosco para sustentação, os dois lugares acompanham pedais retráteis do garupa.

Logo abaixo, o amortecedor central da suspensão traseira tem mola pintada de vermelho e ajuste de pressão.

O braço traseiro fica do lado esquerdo com acabamento metálico, incorporando disco de freio de 256 mm com pinça da Tokico e sistema ABS.

cb1000r 9

Com curso de 131 mm, o monobraço possui relação final com coroa externa, corrente de aço resistente e pinhão. Tem ainda capa de proteção para a corrente.

A balança tinha ainda braço sustentando o para-lama curto com fixador de placa e luz de LED para sua iluminação, tendo ainda refletor.

Pintado de preto, o motor conta com apliques metálicos na injeção eletrônica e radiador. Outro suporte de alumínio sustenta o pedal do piloto.

Os quatro canos de escape anodizados se unem abaixo do motor em um silencioso.

cb1000r 11

Dele sai um cano direto para um silenciador maior, com duas bocas de escape de tamanhos diferentes e capa metálica anticalor, além de ponteira preta.

Na frente, a suspensão dianteira tem bengalas pretas e sistema invertido Upside Down, com para-lama curto e dois discos ventilados de freio de 310 mm, além de pinças da Tokiko.

As rodas são de liga leve aro 17 polegadas com design esportivo, tendo pneus 190/55 ZR17 atrás e 120/70 ZR17 na frente.

CB1000R – preço e versão

cb1000r 16

Honda CB1000R Neo Sports Café 2022 – R$ 62.750

Equipamentos

Honda CB1000R – motor 1.000 cm³ e câmbio de seis marchas, mais farol full LED, luz diurna em LED, piscas em LED, lanternas em LED, banco em dois níveis, tanque de 16,1 litros, painel digital, suspensão dianteira invertida, suspensão traseira monobraço, freios a disco de 310 mm na dianteira (2) e 256 mm na traseira, freios ABS, controle de tração com três modos, quatro modos de condução, rodas de liga leve aro 17 polegadas, pneus 120/70 ZR 17M/C na frente e 190/55 ZR 17M/C atrás, injeção eletrônica, detalhes em alumínio, pintura sólida ou metálica, escape 4×2, guidão de alumínio, mesa de alumínio, para-lama traseiro integrado à balança, retrovisores ajustáveis, alerta de frenagem de emergência, acelerador eletrônico, entre outros.

CB1000R – motor

cb1000r 14

A CB1000R tem motor de quatro cilindros em linha feito em liga especial e sustentado sob um quadro Diamond de viga central, com estruturas externas.

O propulsor tem injeção eletrônica multiponto PGM-FI.

Ele tem partida elétrica e seu diâmetro x curso é de 75,0 mm x 56,5 mm.

Abastecida somente com gasolina, a naked da Honda tem motor de 4 tempos com refrigeração líquida forçada, com 998,4 cm³.

O cabeçote tem quatro válvulas por cilindro em dois comandos acionados por corrente.

Esse motor enorme tem ainda câmbio integrado de seis velocidades sequenciais, entregando ainda 141,4 cavalos a 10.500 rpm e 10,2 kgfm a 8.000 rpm.

Com taxa de compressão de 11,6:1, o motor garante um bom rendimento.

O motor da Honda CB1000R tem 3,6 litros de óleo lubrificante, mas apenas 2,7 litros são trocados nas revisões, com o restante no sistema de transmissão cíclica.

A relação final é realizada por pinhão, corrente e coroa, com esta última montada externamente na balança de suspensão monobraço.

Desempenho e consumo

cb1000r 3

A Honda CB1000R tem um excelente desempenho, graças à força de seu poderoso quatro cilindros, a naked esportiva acelera de 0 a 100 km/h em 2,9 segundos e tem máxima de 233 km/h.

Com quatro modos de condução, a CB1000R tem as opções Sport, Standard, Rain e Individual, sendo a primeira para uma tocada mais rápida e agressividade.

A Standard é para a condução do dia a dia, sem perder muito em performance. Já a Rain reduz bastante o torque na roda traseira, de modo a evitar uma saída de traseira que seria queda fácil em piso molhado.

No modo Individual, o piloto pode ajustar os parâmetros para uma tocada mais particular.

Além disso, a CB1000R tem três níveis de controle de tração, com uma praticamente zerada, outra com ação parcial e a terceira com ação total.

No geral, são três níveis de freio motor, entrega de potência e de controle de tração.

Já no consumo, a Honda CB1000R tem consumo médio de 16,1 km/l, mas em velocidade moderada.

Andando em altas velocidades, o tanque de 16,1 litros é pouco para o consumo, obrigando a parada.

Com ótima estabilidade, a CB1000R tem respostas em bom nível para quem gosta de acelerar, com bom peso e ciclística apurada para manter sua posição no mercado de esportivas nakeds.

CB1000R – história

cb1000r 4

A Honda CB1000R surgiu em 2008. A motocicleta da marca japonesa apareceu como sucessora da CBR 900F, mas se inspirou na menor CBR 600F. Fora isso, para compor a proposta, a Honda adicionou o motor da CBR 1000RR, mas do modelo 2007, que tinha 110 cavalos.

Após essa união de componentes de duas motos conhecidas para eliminar uma terceira também famosa, a CB1000R foi apresentada na EICMA de 2007.

O modelo rapidamente chegou ao Brasil, trazendo um visual chamativo, com farol enorme e luz diurna em LED, com visual em “V”. Com capa superior ovalizada, a CB1000R tinha guidão alto e suspensão dianteira invertida, com freios a disco de 310 mm, sendo duplos na roda de 17 polegadas.

Tinha ainda um tanque de 17 litros de desenho volumoso, como era na época também a Honda CB 300, por exemplo.

Tendo carenagens laterais em forma de “Z”, a CB1000R de primeira geração era uma motocicleta que mesclava bem o estilo de esportiva e naked, mas bem mais conservadora que o modelo atual.

A Honda CB1000R tinha banco largo em dois níveis e carenagem envolvente, bem como aplique lateral bem vertical.

A suspensão traseira já era monobraço com coroa da relação externa, tendo ainda acabamento preto e tinha escape com silencioso estiloso, curvado sob o quadro e com formato quadrado. Já as rodas douradas com linhas sinuosas eram um atrativo a mais. Por fim, com estilo tendo pinturas mais clássicas, como azul, branca e vermelho, com detalhes dourados, por exemplo.

Havia ainda uma pintura em um tom especial de verde com detalhes e rodas na cor preta. Pinturas como branco e preto, podiam ter detalhes em dourado e preto, respectivamente.

Com motor quadricilíndrico de 4 tempos com 125 cavalos e 10,1 kgfm, a CB1000R antiga tinha 204 kg, indo de 0 a 100 km/h em 3,8 segundos e com máxima de 235 km/h.

Em 2018, a Honda lançou a segunda geração da CB1000R, num visual bem mais radical.

O estilo Neo Sports Café foi uma curva enorme para a CB1000R, que ganhou uma pegada mais agressiva e também mais atraente. O modelo chegou com duas cores, sendo elas vermelho-escuro metálico e preto.

Ela incorporou sistemas como luz de emergência, quatro modos de condução, três níveis de controle de tração, cluster digital, entre outros.

O modelo foi bem elogiado no mercado de duas rodas e trouxe a Honda para um patamar de destaque em estilo de motos esportivas, com um produto que deveria vender obrigatoriamente bem.

Isso porque a Honda tem a maior rede de revendas no país, especialmente em lugares onde concorrentes como Kawasaki Z900 e Yamaha MT09 não têm o mesmo acesso.

Contudo, o que se viu no mercado em 2021, por exemplo, mostra que a CB1000R não é assim tão atraente para os consumidores desse tipo de moto.

No segmento naked/roadster da Fenabrave, a Honda CB1000R vendeu apenas 457 unidades no ano passado contra 2.129 exemplares da Yamaha MT09, por exemplo.

Esta vendeu quase o mesmo que a Honda CB650F, com a Kawasaki Z900 emplacando 1.322 unidades.

Com o crescimento da concorrência nos segmentos superiores, a CB1000R deveria emplacar mais, ainda que haja crise de Covid e semicondutores na indústria.

A Yamaha MT-09, por exemplo, é bem mais fraca, tendo 115 cavalos e 8,92 kgfm, contudo, seu motor é um tricilíndrico de 4 tempos e 900 cm³.

Já a Kawasaki Z900 tem um quatro em linha com 4 tempos também, mas entregando 125 cavalos e 10,1 kgfm, os mesmos números da CB1000R da geração anterior.

No caso da Kawasaki, o preço sugerido é de R$ 54.630. Já a moto da Yamaha custa R$ 57.890. Assim, ambas são mais baratas que a CB1000R, porém, possuem números menores.

Outra rival é a Triumph Speed Triple RS, que tem um tricilíndrico de 4 tempos com 123 cavalos e 7,9 kgfm. Seu preço é de R$ 60.490.

Na Suzuki, a GSX-S1000A é outra concorrente da CB1000R e tem um motor quatro cilindros, mas com 150 cavalos e 11 kgfm, superando a motocicleta da Honda. Essa moto importada pela Suzuki Motos tem preço sugerido de R$ 71.500.

Pelo menos nessa categoria de naked, a Honda CB1000R se apresenta como uma opção interessante. Ela tem plano de manutenção com inspeção de 21 itens, bem como revisão em até 1 hora.

A garantia é de três anos com revisão gratuita nesse período. A cobertura se estende do Brasil para Chile, Argentina, Uruguai, Paraguai e Bolívia.

CB1000R – fotos

Autor: Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 26 anos. Há 15 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações.