Avaliações Honda Sedãs

Honda Civic EXR 2.0: bonito e anda bem, mas merecia mais equipamentos

Honda Civic EXR 2.0: bonito e anda bem, mas merecia mais equipamentos

O Honda Civic é atualmente o carro médio mais vendido no mercado nacional. O sedã da marca de origem japonesa sempre está em pé de guerra com seu arquirrival Toyota Corolla, ambos disputando a preferência em um segmento em que existem boas alternativas à dupla.


Mesmo assim, como apurado por recente pesquisa da J.D.Power, clientes de marcas asiáticas estão mais satisfeitos. Assim, confiabilidade, robustez e qualidade são consideradas em detrimento de mais alguns equipamentos eletrônicos ou acabamento até mais primoroso. Mesmo preços mais competitivos são descartados quando o assunto é ter um sedã médio na garagem.

Para esta avaliação pegamos o topo de linha Honda Civic 2.0 EXR, que tem preço sugerido de R$ 83.990. Ele não tem opcionais e só está disponível com transmissão automática. Basicamente o que o consumidor do segmento deseja. Essa nova versão surgiu no começo de 2013 para barrar o avanço do rival também de origem japonesa e oferecer um motor mais potente aos clientes que desejavam algo mais do modelo.

Além do motor 2.0 com 150/155 cv de potência a 6.300 rpm e 19,3/19,5 kgfm de torque a 4.700/4.800 rpm, respectivamente com gasolina e etanol, a Honda aproveitou para introduzir a tecnologia FlexOne, que deverá fazer parte de outros modelos da marca daqui para frente. Sem o uso de tanque auxiliar de gasolina no cofre do motor, o sistema permite partida a frio mesmo em dias com temperatura muito baixa, como ocorre nessa época do ano. Outra boa novidade é o sistema MA-EPS, que indexa a direção elétrica com o ESP, além de pequenas alterações no conteúdo.


Honda Civic EXR 2.0: bonito e anda bem, mas merecia mais equipamentos

Por fora…

O Honda Civic 2.0 EXR ainda mantém um ar de jovialidade, mesmo após a mudança no estilo que o deixou um pouco mais conservador em relação ao então revolucionário New Civic. A frente ficou mais alta e a traseira mais sofisticada. O para-brisa continua avançando bastante sobre o eixo dianteiro, mas agora sem a vigia na coluna A, uma característica do New Civic. Pontos que chamam a atenção nas ruas são as belas rodas de alumínio, assim como o conjunto ótico com a grade cromada na parte superior.

Na versão EXR, o Honda Civic 2.0 vem com a parte inferior da grade dianteira em preto brilhante, maçanetas e faróis de neblina com aros cromados, repetidores de direção (LEDs) nos retrovisores, rodas de alumínio aro 16 com pneus 205/55 R16, lanternas traseiras com prolongamento sobre a tampa do porta-malas e antena no teto. Pelo preço, cabe exigir um pouco mais? Faróis de xenônio, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro, retrovisores com rebatimento elétrico e sensor de chuva seriam muito bem apreciados e úteis no dia a dia. Não seria luxo, apenas segurança.

Honda Civic EXR 2.0: bonito e anda bem, mas merecia mais equipamentos

Por dentro…

No interior, o Honda Civic 2.0 EXR continua amplo e confortável. O para-brisa avançado cria a sensação de maior volume interno, mesmo com o painel mais alto em relação ao antigo New Civic. O conjunto frontal tem visual sofisticado, contando com quatro telas de instrumentos, multimídia e navegação. Ainda análogo-digital, o cluster do sedã ‘japonês’ tem ótima visualização das informações mesmo de dia. Mantém conta-giros e luzes-espia separados do display digital, que tem velocímetro, nível de combustível e medidor de consumo.

Ao lado, outro display é o do i-MID, que agrega o computador de bordo com dados de desempenho, consumo, multimídia (até três imagens de plano de fundo, adquiridas via USB ou Bluetooth e relógio virtual) e configurações do veículo. Em outras versões, há também a imagem da câmera de ré. Na tela principal, navegador GPS, multimídia (CD/MP3/Aux./USB/rádio/Bluetooth) e câmera de ré.

Neste último dispositivo, a imagem da traseira tem marcadores de distância para o objeto, mas não dispara nenhum alarme sonoro ou visual caso chegue perto demais. O condutor terá de observar bem essas linhas para não bater. Por isso citei os sensores de estacionamento. Na parte frontal, com a frente de formato bastante quadrado, fica mais fácil encostar em outros veículos durante manobras ou mesmo ao estacionar em ângulo na garagem.

Logo abaixo, o ar-condicionado automático tem excelente funcionamento, assim como o sistema de aquecimento. Mais abaixo, fonte de 12v e conexão auxiliar. A entrada USB fica no porta-objetos sob o apoio de braço central. O volante multifuncional possui comandos circulares de fácil manuseio para controle de cruzeiro e volume/seleção de itens, bem como botões para o menu de configuração e telas do i-MID. Abaixo, botões para telefonia. O acabamento é em couro com friso cromado ao centro. Atrás, os famosos paddle shifts para mudança de marchas de forma manual.

No acabamento, o Honda Civic EXR exibe uma boa mescla de tons, texturas e materiais. O painel tem apenas plástico duro com três tonalidades diferentes e ainda o preto brilhante do console central. As texturas se alternam e a parte inferior é cinza claro. A parte superior poderia ser emborrachada. Mas esse tipo de acabamento só é encontrado na parte superior das portas, que também possuem plásticos duros, couro no apoio de braço e cores diferenciadas no mesmo conjunto. Todos os vidros têm acionamento elétrico de um toque. Os comandos estão em boa posição, assim como o dos retrovisores.

O sistema de som com quatro alto-falantes e dois tweeters é apenas bom. O teto solar elétrico tem acionamento fácil, com função ventilação que funciona apenas dando-se um toque no botão. Há duas luzes de leitura na frente e um conjunto atrás. O retrovisor interno merecia ser do tipo eletrocrômico.

Honda Civic EXR 2.0: bonito e anda bem, mas merecia mais equipamentos

Os bancos em couro são confortáveis e o do motorista possui apenas regulagem de altura e as opções normais, embora a direção seja regulável tanto em altura quanto em profundidade. São macios no centro e firmes nas laterais, garantindo maior comodidade. O banco traseiro possui três apoios de cabeça e cintos de três pontos para as três posições. O conjunto é rebatível com acionamento por alavancas no porta-malas.

Há comandos de abertura interna do tanque e do porta-malas. Aliás, o bagageiro de 449 litros possui abertura também elétrica através da chave canivete. Geralmente, sistemas deste tipo são usados em separado. Há também porta-objetos/garrafas nas quatro portas e porta-copos escamoteável entre os bancos dianteiros. Atrás, o apoio de braço central contém espaço para mais dois copos. Não há saída central de ar-condicionado na parte traseira. Há porta-revistas atrás dos bancos dianteiros.

A posição de dirigir é muito boa, com comandos ergonomicamente corretos e bastante intuitivos. Apenas a central multimídia requer maior atenção e, de preferência, ser manuseada com o carro parado, especialmente se for configurar o navegador. O porta-luvas iluminado tem espaço apenas razoável. Ao lado da coluna de direção existem dois botões. Um é do muito útil ECON, sistema que reduz o consumo de combustível e, logo abaixo, o VSA (controle de estabilidade).

Honda Civic EXR 2.0: bonito e anda bem, mas merecia mais equipamentos

Rodando com o Civic

Habituar-se ao Honda Civic 2.0 EXR é muito rápido e logo você – mesmo sem conhecer muitos dos detalhes do carro – quer colocar a foto do seu filho, esposa, cachorro ou gato como plano de fundo no i-MID, bem como acionar o navegador e deixar o ar entrar pelo teto solar. A visibilidade é muito boa para quase todos os lados, naturalmente sendo ruim para trás e no campo de visão da coluna A, que ainda tem boa espessura, mesmo com o arranjo do quebra-vento falso na porta. A alavanca de transmissão fica em boa posição e levemente elevada, mas não como na geração anterior.

O motor 2.0 FlexOne sem o ECON ligado oferece excelente torque em baixas rotações e rapidez nas respostas ao acelerar, especialmente quando se precisa sair rápido. O som do motor aparece até em demasia durante algumas acelerações nada esportivas ou mudanças de marchas no modo automático. Com mudanças manuais, é possível extrair mais do motor. No modo “S”, o giro fica ainda mais elevado e o desempenho melhora significativamente, embora o consumo fique bastante elevado.

A transmissão automática de cinco marchas garante mudanças sem trancos ou buracos entre as velocidades, sempre reduzindo no momento certo e controlando bem a força do bloco 2.0 i-VTEC FlexOne.

As retomadas são muito boas e, em velocidade de cruzeiro, o nível de ruído do motor é reduzido, garantindo conforto ao dirigir. A rotação fica na casa dos 2.500 rpm aos 120 km/h. Dessa forma, o consumo também melhora, especialmente se o ECON estiver ligado. O dispositivo com botão verde e a famosa plantinha no cluster inferior chamam a atenção do condutor e o “convidam” a economizar combustível, mesmo que não seja essa a intenção.

Honda Civic EXR 2.0: bonito e anda bem, mas merecia mais equipamentos

No entanto, respostas mais lentas ao acelerador ficam bem nítidas, dando a sensação de transformar o motor 2.0 em um 1.6, mas nada que impeça uma condução confortável no trânsito urbano ou rodoviário. Até mesmo a potência do ar-condicionado é cortada para reduzir o consumo. Com ECON, o Honda Civic 2.0 EXR chega a ser mais econômico que a medição oficial do Inmetro. No ciclo urbano, chegamos a fazer a mesma média que o da tabela de eficiência energética, com 6,5 km/litro de etanol.

Sem ECON, o consumo ficou em 6,0 km/litro, ambos com ar-condicionado ligado. Em visita a um concessionário em Guarujá/SP – por outros motivos que não esta avaliação – perguntamos a média que os donos do Honda Civic 2.0 EXR têm feito na região. A resposta foi entre 7 e 8 km/litro de etanol.

Na estrada, conseguimos fazer 13,4 km/litro com etanol rodando a 110 km/h com ar-condicionado ligado. O valor é o mesmo que o consumo proposto para a versão 1.8. O concessionário chegou a informar que clientes fazem 14 km/litro, mas não soube especificar em que condições, apenas que foi na estrada.

A suspensão do Honda Civic 2.0 EXR é bem adaptada à realidade brasileira e se, por um lado, alguns pensam que ter aro 16 é um demérito, por outro, os pneus série 55 garantem maior altura e, assim, ajudam na melhor absorção dos impactos. A boa altura também garante não raspar em lombadas ou depressões elevadas. A direção elétrica é bem macia e progressiva, mas dificilmente se utiliza o recurso MA-EPS no dia a dia, a não ser que o proprietário ande sempre com o pé embaixo e fazendo curvas em alta velocidade.

O MA-EPS induz o condutor a virar o volante para dentro da curva quando o VSA (ESP) identifica que o veículo está saindo da trajetória. Já provamos o recurso na época do lançamento e é bastante interessante, ampliando também a segurança e o prazer de dirigir esportivamente. Deverá ser mais bem aproveitado no próximo Honda Civic Si, que chegará em breve. Os freios são bastante imediatos e passam boa impressão de segurança, agindo de forma progressiva, sem serem borrachudos.

Honda Civic EXR 2.0: bonito e anda bem, mas merecia mais equipamentos

Equipamentos

O líder entre os médios em sua versão topo de linha oferece trio elétrico, ar-condicionado automático, sensor crepuscular, direção elétrica com função MA-EPS, ECON, computador de bordo, rodas de alumínio aro 16, navegador GPS, faróis de neblina, câmera de ré, bancos em couro, Isofix, banco traseiro bipartido, teto solar elétrico, VSA (ESP), ABS, quatro alto-falantes e dois tweeters.

Ainda há multimídia completa, controle de cruzeiro, transmissão automática de cinco marchas, entre outros itens que são oferecidos de série por R$ 83.990. Ainda assim, pelo preço, o modelo mereceria ter os itens que já citamos e ainda air bags de cortina, já que possui as outras quatro bolsas infláveis, sendo duas frontais e duas laterais. A concorrência não se esqueceu disso.

A garantia é de três anos e sem limite de quilometragem. O Honda Civic 2.0 EXR está disponível nas cores Cinza Paladium, Cinza Iridium, Branco Tafetá, Preto Cristal e Prata Global.

Preço do Seguro

Prêmio médio informado pela corretora Willis Brasil – R$ 2.644,29

Ficha Técnica – Honda Civic 2.0 EXR

Motor/Transmissão
Nome – 2.0 i-VTEC FlexOne
Número de cilindros – 4 em linha
Cilindrada – 1997 cm3
Potência – 150/155 cv (gasolina/etanol) a 6.300 rpm
Torque – 19,3/19,5 kgfm (gasolina/etanol) a 4.700/4.800 rpm
Transmissão – Automática com cinco marchas, modo Sport e Paddle Shifts

Desempenho
Aceleração de 0 a 100 km/h – Não divulgado
Velocidade máxima – Não divulgado

Suspensão/Direção
Dianteira – McPherson/Traseira – Multilink
Elétrica EPS com assistência progressiva

Freios
Discos nas quatro rodas com ABS e EDB

Rodas/Pneus
Liga leve aro 16 com pneus 205/55 R16

Dimensões/Pesos/Capacidades
Comprimento – 4.525 mm
Largura – 1.755 mm
Altura – 1.450 mm
Entre eixos – 2.668 mm
Peso em ordem de marcha – 1.306 kg
Tanque – 57 litros
Porta-malas – 449 litros

Galeria de fotos do Honda Civic EXR 2.0 FlexOne

Honda Civic EXR 2.0: bonito e anda bem, mas merecia mais equipamentos
Nota média 4 de 1 votos

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email