Honda e é registrado no INPI, mas hatch elétrico japonês não vem

Honda e é registrado no INPI, mas hatch elétrico japonês não vem

O INPI – Instituto Nacional de Propriedade Industrial – recebe diversos registros do setor automotivo, mas boa parte deles são apenas proteção de direitos sobre os desenhos industriais e patentes. Um deles é o Honda e.


O hatch elétrico da marca japonesa apareceu na revista do INPI e, como se pode imaginar, não virá ao mercado brasileiro. Criado para a Honda cumprir meta de emissão de poluentes na Europa, o modelo poderia ter um potencial global.

Fabricado em Saitama, no Japão, o Honda e possui plataforma própria e isso o torna um carro muito caro de fazer, sendo que a previsão da marca era vender 1.000 unidades no JDM e 10.000 na Europa, anualmente, ignorando os mercados americanos e chinês.

 

Com 3,894 m de comprimento, 1,752 m de largura, 1,503 m de altura e 2,530 m de entre-eixos, o Honda e tem porte do Fit de primeira geração e usa motor elétrico traseiro, para mover seus mais de 1,5 tonelada de peso.

Suas baterias de lítio de 35,5 kWh são consideradas pequenas e a autonomia não passa de 220 km no ciclo WLTP. Ele poderia fazer melhor que isso, mas a proposta é ser um carro elétrico de “imagem”.

Honda e é registrado no INPI, mas hatch elétrico japonês não vem

Tanto é que, apesar de seu estilo retrô coerente, que poderia influenciar derivados elétricos para a Honda, o modelo e apresenta interior totalmente distinto, focado no entretenimento com múltiplas telas no largo painel.

Além disso, a Honda adotou câmeras como retrovisores, cujas telas ficam nas extremidades do conjunto frontal interno. Com pico de 152 cavalos e 32 kgfm, o Honda e vai de 0 a 100 km/h em 8,3 segundos, contando com modo esportivo e de recuperação energética.

Honda e é registrado no INPI, mas hatch elétrico japonês não vem

Ainda que desprender um investimento enorme num produto limitado seja contraditório, a Honda deve estar aprendendo algo com o modelo, devendo assim usar essa experiência no irmão elétrico do Novo HR-V e outros que será obrigada a ter.

Como se sabe, a Honda é abertamente contra os carros elétricos com solução definitiva, assim como a Toyota. As duas montadoras, apesar da resistência à eletrificação plena, não podem evitar ausentar-se desse futuro.

Honda e é registrado no INPI, mas hatch elétrico japonês não vem

A primeira se juntou com a GM, enquanto a segunda lançará uma gama de modelos elétricos, embora tenha avisado que fechou com o hidrogênio definitivamente.

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.