Japão: Incêndio em fábrica de chips atinge 30% da demanda global

Japão: Incêndio em fábrica de chips atinge 30% da demanda global

Poucos de nós devem conhecer a Renesas Electronics. Pois é, com milhares de fornecedores de peças e componentes eletrônicos no mundo, a maioria nem sequer será citada nos sites automotivos, porém, estas empresas são muito importantes para o setor.


A Renesas pode ser tão discreta quanto os japoneses, mas agora ela ganha as manchetes do mundo num momento crucial para a indústria automobilística. Já enfrentando a escassez de chips em diversos lugares, inclusive no Brasil, o setor agora foi abalado por um incêndio na fábrica de Naka, no nordeste do Japão.

Responsável por 30% da demanda global de chips para semicondutores de automóveis, fornecendo principalmente para marcas japonesas como Toyota, Honda e Nissan, por exemplo, a Renesas acabou tendo um enorme prejuízo no pior momento do setor em muitos anos.

A previsão para retomada da produção não é nada boa, estimada em pelo menos um mês. Seiji Sugiura, analista sênior do Tokai Tokyo Research Institute, disse: “Provavelmente levará mais de um mês para retornar ao fornecimento normal. Dado isso, mesmo a Toyota enfrentará uma produção muito instável em abril e maio”.

Japão: Incêndio em fábrica de chips atinge 30% da demanda global

Ele também observa dos demais fabricantes: “Acho que Honda, Nissan e outros fabricantes também enfrentarão uma situação difícil.” Diante do fogo, o mercado financeiro respondeu imediatamente com queda de 3,3% nas ações da Toyota, assim como também baixa nos outros fabricantes-clientes e de até 5,5% na Renesas.

Isso pode afetar a produção também no Brasil, onde a Honda chegou a paralisar a produção do Civic. Não sabemos se a Toyota será afetada aqui, assim como Nissan e outras japonesas, mas o fogo na Renesas é um mau sinal.

Vários analistas de mercado japoneses falam que a recuperação será demorada. Por lá, o governo decidiu ajudar na rápida recuperação da fábrica de Naka, em busca de reduzir o impacto na cadeia produtiva nipônica, que pode simplesmente parar nas próximas semanas ou meses.

[Fonte: Autoblog]

 

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações.